person_outline



search

dor

  • Tudo O Que Não Terei

    Você é,sob todos os aspectos,algo que eu sempre quis.
    Você é,sob todos os aspectos,algo que eu nunca tive.
    Você é,sob todos os aspectos,algo que eu nunca terei.
    Você é,sob todos os aspectos,para mim,tudo que eu quero.
    Tudo o que não terei.
    Você.
  • Tudo que Não Há em Uma Loja de Construção

    Há um precipício tão grande entre o que eu sou e entre o que quero ser que,suspeito que não haja materiais o suficiente para construir uma ponte
  • Última

    A dor que me alimenta da fadiga dá minha existência ,no limite
    Sufocado por desejos de melhorar
    Mais sei que sou fraco para tal valor
    Insuficiente a minha força de caminhar
    E penso qual será o dia que eu cairá
    Não tenho ninguém para me apoiar
    Sou covarde para me apresentar
    E com tamanho peso entre as minhas costas vou cambalhiando pensando o dia que vou cair.
  • Última Senzala



             

    Úmida senzala, como Castro Alves falava
    Por ali muitos passavam, mas não viam a negrada
    Que por baixo da casa sucumbia desgraçada.
    Mulatos homem agrupados
    Como punhado de gados eram marcados pelo ferrete.

    Negro, negro madeira boa. Negro madeira forte
    Negro saco de carvão. Negro pedaço de carne¹
    Que aos olhos do patrão para um bom negro
    Boa morada é o porão

    Porão este que enfatizava "O que te trouxe de casa
    Foi o movimentos das águas, que junto ao feitor,
    Te fez segurar as barras e pelo soar das águas
    Lembrar do amor" Amor esse que agora ecoa
    Dentro da madeira boa, que por ventura não pode sair
    Nem de cá para lá, nem de lá para cá.

    O que resta a esse negro agora?
    Que ao olhar para fora, na outra margem
    Vê apenas o topete de sua senhora
    Djalô

    Oh negro, que cantava, batucava, dançava e sorria!
    Sorria agora. Mas não para sua senhora
    Pois já era chegada hora e de angústia viveste agora
    O chicote lhe castiga o couro
    E de penar morreste a alma.










    Autoria: D`souza Gabriel.
    ¹Livro Cachorro velho. Teresa Cárdenas
  • Ultimo dia na terra

          O vento noturno soprava de forma tão violenta que tudo que eu podia ouvir era um zunido estridente que impedia até o mais recluso de meus pensamentos. A lua brilhava, pálida e fantasmagórica no céu, parecia agora tão distante quanto qualquer outra alma naquele deserto que parecia não ter fim. Vagava já pelo quinto dia na imensidão árida que um dia já tinha sido o estado do Mato Grosso. Há cinco dias, havia partido de minha cidade natal, Sorriso, em direção a capital, levando três cantis de água e uma mochila de enlatados para sobreviver no que agora era conhecido como “o vazio”. A cada passo que dava, uma pegada se formava, e, logo era apagada pelo vento. Aos poucos, o deserto apagava todos os rastros de minha existência. Sabia que no fim, o vazio acabaria por engolir-me.
        - Este é meu último dia na terra- digo a mim mesmo, mas quase não posso ouvir por conta do vento ensurdecedor. – Ou será, se não chegar ao meu destino.
           Tateio o lado esquerdo do meu grosso casaco de pele em busca do bolso. Quando encontro a fissura, deslizo os dedos para dentro dela e retiro os dois recortes de jornal que carreguei comigo pelos últimos 31 anos. O primeiro continha a foto de dois homens de terno apertando as mãos calorosamente, logo abaixo, havia uma matéria intitulada “projeto de lei 6.299/2002 é finamente aprovado, inicia nova era para os defensivos agrícolas”. A matéria datava do ano 2019. O ano em que passamos a nos alimentar de veneno, a nos banhar em veneno e a respira-lo também. Os campos morreram e o grande potencial agrícola do país sucumbiu, levando consigo toda nossa esperança. As fontes de água foram comprometidas e o ar era carregado de tóxicos. A natureza pereceu diante de nossos olhos e não pudemos fazer nada.
            O grande estado do Mato Grosso, referência em desenvolvimento agroindustrial, tornou-se o vazio. As enfermidades apareciam aos montes, o veneno era perspicaz, matava o corpo lentamente e só depois de causar sérios danos a sanidade. Lutas começaram pela sobrevivência e as pessoas fugiram para o deserto. Eu, entretanto, fiquei. Fiquei, na esperança de que a ajuda chegasse, o governo talvez, mas perdemos contato com o resto do território então imagino que não haja mais nada além do vazio.  A última notícia do mundo velho estava contida no outro recorte de jornal que carregava comigo há tanto tempo, este dizia “Centro de refugiados aberto na grande Cuiabá, começa o processo de desintoxicação”. Era para lá que estava indo. Minha última esperança.
              Os dias eram insuportavelmente quentes e as noites faziam congelar até a mais profunda fibra de meu corpo. Todas as noites, quando o frio atravessava os grossos casacos de pele, eu cogitava incendiar os recortes para me aquecer, mas sempre descartava a ideia. Mesmo tão antigos, eles eram minha única ligação com o mundo velho, e agora, mais uma vez, me fizeram seguir em frente. Enquanto andava, o pacote que estava no meu bolso direito balançava e fazia barulho. Dentro do invólucro, havia sementes, de todas as cores e tamanhos. Esperava que quando encontrasse a última esperança no deserto, pudesse devolver ao vazio a antiga beleza do mundo velho, talvez houvesse alguém lá que soubesse como. As sementes eram a relíquia de um não mais tão jovem colecionador, assim como a arma que eu carregava na cintura. Esta, estava carregada com o que eu havia apelidado de anti-sementes, quando eu tivesse que plantar uma, algo morreria. Se o vazio acabasse por vencer minha fibra, eu alimentaria o solo seco com meu sangue.
              No final do quinto dia, me sobrava apenas meio cantil de água e uma pequena quantidade de comida e eu não fazia ideia de quando encontraria algum recurso novamente. Como em tantas outras ocasiões, a ideia de desistir espreita em meus pensamentos. Cerro os olhos com força e minhas pernas fraquejam. As lagrimas não aparecem, meu corpo estava carente de água. 
    - Não posso mais seguir em frente- digo como em tantas outras vezes- esta viagem não tem sentido. Assinei minha sentença quando resolvi deixar o abrigo.
    Mesmo contra a vontade, abro os olhos outra vez e o que vejo me deixa em choque. Havia uma figura encapuzada parada em pé a menos de 20 passos de mim. Fico receoso, as pessoas no vazio não eram mais confiáveis, o veneno podia fazer coisas inimagináveis com a mente. A figura então tira o capuz e revela seu rosto, era um senhor. Além das queimadoras do sol, o homem não aparentava nenhuma enfermidade visível, tampouco parecia representar alguma ameaça. Resolvo então aproximar-me com cautela, todo cuidado ainda era pouco. Quando estou a cinco passos do homem, posso ver seu olhar vazio e não posso deixar de imaginar que o meu rosto deve estar exibindo a mesma expressão. 
      - De onde veio, meu senhor? – grito para a figura- E para onde vai?
    O velho fixa seu olhar vazio no meu e a resposta arrasta-se para fora de sua boca com dificuldade.
      - Eu venho do grande cemitério. Parti tem uma noite e busco um lugar onde possa sobreviver.
    Reparo que o homem parece estar realizando grande esforço para responder ao meu questionamento, penso em oferecer-lhe um pouco de minha água, sua viagem também não era fácil. Mas, antes que pudesse dizer qualquer coisa, o velho cai ao chão bem em frente aos meus pés. Desesperado viro seu corpo para cima e vejo que o homem não consegue mais manter os olhos totalmente abertos, o vazio o havia alcançado, não lhe restava muito tempo. Eu, contudo, precisava da informação que o senhor tinha.
    - O que é o grande cemitério? – pergunto
    Aproximo meu rosto ao do velho e ouço seu último sussurro.
    -A grande capital cinza, agora é só uma enorme lápide no deserto. Nenhuma alma vive.
    Ao desferir essas palavras, o senhor fecha os olhos pela última vez. O choque daquela informação acertou meu peito em cheio. 
    - Não há nada além da areia e do veneno- digo fazendo com que as palavras ecoem no vazio. Agora os ventos estavam já mais calmos. – FOI TUDO EM VÃO.
    Tiro as sementes do bolso fundo e as deposito na areia ao lado do corpo do velho.
    - Meu último dia na terra- digo outra vez, agora sentindo o peso dessas palavras.
    Deito ao lado do cadáver e das sementes e sinto a areia fina se moldar ao formato do meu corpo. Minhas costas relaxaram ao toque da superfície macia. Retiro a arma do coldre em minha cintura e coloco-a em frente aos meus olhos. O Brilho da lua reflete no cano do revólver e eu entendo a mensagem. Olho para o céu e percebo que a aurora começa a pintar-se em um tom avermelhado.
    -Meu último dia na terra.
    Engatilho a arma e aponto-a para meu queixo com a mão direita. Com a mão esquerda, pego um punhado de areia e deixo-a escorrer entre os dedos. A terra estava morta e eu logo iria me juntar a ela. Vislumbro as estrelas mais uma vez e penso se existe algo lá em cima observando, esperando algo de mim. Com certeza estava decepcionado. Cerro os olhos com força e respiro fundo. Em um último ato desesperado, vou de encontro a paz que tanto buscava. O estrondo da arma ecoa pelo deserto e se dissipa no vento, levou consigo minha alma. Meu sangue regou a solo, morto há tanto tempo. Havia plantado a última semente, e o fruto agora alimentaria a terra por muito tempo.
  • Um amor pequeno

    Eu o vi...Ele me viu...
    Nossos olhos se encontraram de forma simples...
    Não desviei ele também não...
    Sentir que queria me dizer alguma coisa com aquele olhar doce...
    Mas não o pudi captar,será o que é?
    Gosto dessa sensação,de ser amada...Mas tenho medo e se for apenas...

    Um amor pequeno?

     
  • Um Desabafo Qualquer

    Era uma vez,

    Uma menina sonhadora que vivia nos seus sonhos, ela não prestava atençao no mundo a sua volta, mas ouvia todas as criticas sobre ela, ela sempre suportou todas as criticas sem fazer nada até que um dia ela cansou de tudo aquilo e bem, fez o que achou melhor para ela e teve uma crise, não falava com ninguém, não comia, ela só pensava e pensava.
    Até que um dia ela resolveu sair para comer, conheceu um garoto e se apaixonou, e bem ele negou o amor a ela, pois era o tipico galinha, ela teve o coração partido pela primeira vez mas não se abalou, continuo vivendo com aquela dor no seu peito, até que um dia ela conheceu um garoto que teve reciprocidade e bem ele vacilou, e teve o coração partido novamente, e na terçeira ela acreditou que ia dar certo mas não deu, ele só fingiu o tempo todo.
    Ela sofreu e agora ela não acredita no amor, ela até gosta de alguém, mas não acredita no amor, pois ele só fez ela sofrer, ela não depende de ninguém pra ter que viver, ela ate quer alguém mas não acredita em contos de fadas e amores, uma distração pra mente ou outra, mas nunca alguém pra ter o seu coração, pra chamar ela de sua, pra ter ela quando quiser, pra ser o dono do coração dela.
    Ate que um dia ela tentou se matar e entao pessoas que nem a conheciam começaram a falar com ela, ela achava desnecessario mas respondia por gentileza, os anos se passaram e ela virou maior de idade, assim que isso aconteceu ela saiu de casa e começou a viver por conta propria e assim a vida dela começou a ter um rumo, até que um dia ela foi estrupada pelo seu chefe, e bem ela deu queixa e tudo mais, só que ele não foi acusado.
    E ela sempre pensava que se as pessoas conseguissem ter consciencia do quanto a vida é passageira, talvez elas pensassem mais em ser felizes do que em estragar a felicidade dos outros, pois isso so machucava a ela. Por que ela sofria por todos, não somente por ela mas sim por todos os que sofriam, ela causava sofrimento as pessoas que se aproximavam dela, menos a uma pessoa que qualquer coisa que acontecesse ela estaria ali esperando ela de braços abertos, com toda alegria do mundo pra dar a ela, para ela pelo menos por um milessimo se sentir feliz, pois isso era a razão de viver dela.
    Bem tudo a dizer a vida nem sempre é boa mas tente entender ela, pelo menos por um segundo.
  • Um pedido de ajuda

    Eu to pedindo socorro, já não aguento mais, acordo todos os dias com essa dor no peito, esse vazio que me consome, essa angústia que me cobre... Eu não sei mais o que fazer, choro escondida, sinto meu coração querendo sair pela boca, meu corpo não suporta mais, não vejo outra saída para minha vida. 

  • Um pedido de um drámatico

    Com o passar dos tempo, as pessoas, mesmo tendo seus parceiros e sua famílias, vêm se tornando cada vez mais mesquinhas, as deixando cada vez mais solitárias, e sozinhas.
    Quando deparamos com algum problema e/ou dificuldade, enfrentamos, sofremos para passar, se conseguirmos ou não passar, esses problemas nos deixaram algumas marcas, e até mesmo feridas, um seto peso, que se não aliviado, por gerar efeitos de bola de neve, muitas das vezes precisamos de ajuda para livrarmos desses pesos/feridas, alguns encontram em parte essa tal ajuda em coisas ou animais, mas não o alivio total, e logo aceitam viver com essas feridas pela metade, outras simplesmente aceitam viver com essas feridas, o que deixa as pessoas mais distantes umas das outras, logo assim as tornando mesquinhas e mais pra frente arrogantes, mas para o alivio dessas feridas, seria essas pessoas feridas, vir a se abrir com um alguém, uma pessoa, de carne e osso.
    Pessoas que conseguem se abrir para se aliviar das feridas, não se abrem para qualquer um, por medo, que elas possam se machucar mais ainda, só que as dores dessas feridas, doem cada vez mais fortes. Tudo que ela quer, é poder tirar quilo dela, mas tirar aquilo, não é tão fácil, pois apenas colocar uma máscara toda manhã, e responder "sim, estou bem", é como cobrir as feridas com um pedaço de pau, e nessas perguntas, o que mais entristece, são aqueles vagos "por que", (por que parece triste?), ou quando só vêm falar algo quando percebem que você esta sem sua mascara de sorriso.
    As pessoas estão deixando seus amigos, irmão, colegas, conhecido, parentes morrerem, lentamente e dolorosamente, por não mais se importarem, cada vez mais, fingindo interesse, com uma máscara pior ainda. Chegará um dia, onde as pessoas só falaram bom dia, boa tarde e boa noite, esse dia todos estarão mortos. Se importe mais, julgue menos, ele precisa de você.
  • Um Pequeno Fantasma

    Tem um pouco das suas cores em tudo que vejo;
    Tudo que toco tem sua forma;
    Sua voz é o que eu mais escuto ultimamente,mesmo você não estando aqui;
    Eu não sou sua,mas tudo em mim pensa,respira,vive você;
    Mesmo sem a sua presença,sinto sua força,me motivando a continuar;
    Meu coração bate pensando em você;
    Meus olhos procuram os seus,mesmo sem você estar aqui;
    Meus ouvidos tentam captar sua voz;
    Você é a parte mais viva do meu dia,mesmo não estando aqui.
  • Um Resquício de Esperança

    Enterrar aqueles pensamentos,aqueles sentimentos não é tão fácil.Eu ainda choro de noite,mas não na mesma intensidade.Ainda penso naquele dia,mas não com tanta frequência.Depois que as decisões estão tomadas sofrer não é uma opção.Quando fecho os olhos todas as coisas voltam.Meus pensamentos assassinos matam qualquer resquício de esperança.Esperança de não pensar nisso...naquele dia.Onde um coração se tornou dois.Partido.Sou um ser partido.Em dois ou em mil?
  • Um Simples Adeus

    Minha linda melhor amiga,eu não tive a oportunidade de me despedir.Algumas pessoas achariam ridiculo eu estar falando isso agora.Mas enfim...eu não me importo. Algumas coisas,apesarem do tamanho,são importantes.Você era incrivel de tantos modos!Eu sinto muito se não fui o que deveria ser.Te amo minha pequena cachorrinha.Eu não pude me despedir,mas escrevo aqui para que as pessoas saibam que um bichinho,apesar de para alguns serem insignificantes,faz falta.Eu te amo.
  • Uma Carta para Alguém Amado

    Eu poderia mentir. Poderia te dizer que estou sempre bem e que sempre sei o que estou fazendo, além de estar sempre feliz e tenho absoluta certeza do que quero. Como disse, eu poderia mentir.
    A verdade é que tenho muito medo de onde estou. Eu sei que grande parte dos problemas não sou eu quem causo, mas mesmo assim me afetam. Me sinto insegura e nem sei o que estou fazendo. Tenho tantas dúvidas de quem eu deveria ser ou do que deveria fazer.
    Estou assustada de verdade. Sei que existem muitas expectativas sobre mim e eu juro que não queria desaponta-las, mas infelizmente sinto que esse molde que montaram para mim, não me cabe. Não consigo me conter no que me limitaram a ser. Não que estejam errados, entendo que as expectativas vêm com suas vivências e aprendizados. E pra falar a verdade, me sinto errada e deslocada grande parte das vezes. Lágrimas escorrem pelo meu rosto enquanto escrevo porque não me sinto certa de nada e estou sempre em dúvida de tudo.
    É errado desejar coisas que sei que são impossíveis? Não quero que vão embora, mas não posso segurá-los aqui. Não posso forçá-los a algo que já não faz bem a ninguém. Tenho boas lembranças, mas as ruins estão tomando grande parte da memória. Me sinto desgastada e cansada todo o tempo. Não é um desgaste físico e sim mental. “Você não pode fazer nada”, “Cuide de si mesma”, “Eles te amam independente de tudo”, “Mesmo separados sempre vão estar com você”. São frases das quais tento me convencer e me agarrar o mais forte que posso, como uma crença de que tudo vai dar certo. Mesmo assim tenho muito medo do que pode mudar. Mudanças são boas, podem melhorar as coisas, e eu quero que tudo melhore… De verdade!  
    Talvez eu esteja sendo egoísta, tenho sentimentos ruins pelas coisas que aconteceram e acontecem e eu não queria. Não queria ser assim. Queria simplesmente não ligar mais para nada, seria mais fácil, doeria menos. Só que eu já estive desse lado também e sei que quando se deixa de se importar, também se perde todo o sentindo de viver. Qual a graça de uma vida sem sentir absolutamente nada? Nada é o suficiente, nada me satisfaz, nada parece bom. Não quero ficar assim, não de novo.
    É como caminhar em uma ponte sem encosto, preciso seguir em frente sem cair. Não posso me perder no caminho.  
    Anoiteceu novamente e continuo aqui na janela, sentada no parapeito. A rua está vazia e está ventando. Um vento para apaziguar o calor do verão. A lua parece mais forte esta noite e eu consigo sentir sua energia, assim como o vento no meu rosto e som das folhas que são beijadas por ele. Por um momento todos os problemas parecem tão pequenos e eu pareço tão mais forte do que realmente me sinto. É como se estar perdido não fosse um grande problema, porque todos estão.
    Desculpe estar gastando seu tempo com meus medos e inseguranças. Desculpe gastar seu tempo com um texto tão bobo e descuidado. Eu precisava dizer.  
    Engraçado pensar que só tenho uma escolha sendo que sou tão nova e o que mais tenho nessa vida são escolhas. As vezes pelo comodismo ou por me falarem, posso pensar que não consigo ser melhor e nem chegar onde quero. A cada palavra de malgrado que me disseram, desejo confiança em si mesmo, porque estar perdido consigo é a pior das perdições. A cada ato ruim, desejo bondade, porque uma vida de tristeza é muito dolorosa. A cada sentimento odioso, desejo beijos e abraços sinceros, porque a solidão é uma dor insuportável. E a cada pessoa que te afasta mais de nós, desejo que se é da sua vontade, que sejam felizes, porque meu amor por ti é maior do que qualquer coisa que possa ter feito.
    Posso ter crescido, mas na maioria das vezes me sinto uma garotinha de cinco anos aprendendo o que é o mundo. Toda descoberta me encanta e é isso que faz eu querer continuar. Muitas vezes me pergunto se vai dar certo e quando vou dormir, fico pensando se estou seguindo o caminho certo. O que minha eu do passado pensaria dessa versão de hoje? Não acho que me tornei a pessoa da qual queria ser, me tornei melhor e acho que ela teria orgulho do que vai conquistar e das pessoas que vai conhecer.
    Algumas, confesso que se foram, mas foram importantes no momento em que deveriam ser. Até mesmo as que foram ruins para mim, elas me mostraram como não ser. E que ser negativo e maldoso é tóxico para si mesmo, além dos outros ao seu redor. Quero estar fazendo a coisa certa, me sentia tão vazia antes. Mas não mais. Mesmo não sabendo ainda que caminho seguir e mesmo estando assustada com o rumo que as coisas então tomando, no fundo sei que tenho que escolher o melhor pra mim. Posso pensar nos outros, mas não posso tomar seus problemas para mim. Posso tentar ajudar, mas caso não, devo aceitar que fiz o que pude. E isso é o difícil, aceitar que não tenho total controle sobre todas as coisas e que na verdade, a ideia de controle é ilusória, você pode até dominar uma situação, mas não terá total controle para sempre. E está tudo bem. Aceite isso.
    Aceite que as coisas não vão acontecer como planejadas. Eu tento aceitar que fiz o que pude para te manter aqui, mas vi que forçar isso nos fez mal e que com o tempo eu fui ficando diferente. Me perdi de algumas maneiras e encontrei o caminho de volta por bem pouco. Chegamos até aqui e acho que é o máximo que podemos fazer. Não quero que se sinta obrigado a algo por mim. Eu me liberto disso e o deixo livre também, sei que o universo age para as coisas ocorrerem da melhor forma, mesmo que agora pareça muito ruim e desesperador, mesmo que eu sinta faltar o ar e uma dor no peito, mesmo que meus olhos ainda se encham de água quando tenho essas amargas lembranças, sei que são para eu aprender a ficar mais forte. São para eu melhorar e não me deixar abater como tanto quis fazer. Não desisti e caso você ainda esteja lendo quero que também não desista.
    O tempo faz parecer com que nossos sonhos tenham se esvaído nos anos passados, só que a verdade é que eles ainda estão lá. Quem se esvai somos nós, a cada vez que fazemos uma escolha por parecer mais fácil e não porque realmente queremos. Parece um passo a frente, mas pode ser um desvio de dez passos, a curto prazo pode não parecer grande coisa, “depois recupero”, mas a cada dez passos de desvio o tempo começa a correr e você se vê sem chance de voltar. Foi um pouco do que aconteceu com a gente né? Não podemos recuperar aquelas noites que você ficou fora ou as datas comemorativas as quais comemoramos sem você. Você está presente em um ponto, mas tão ausente no que deveria ficar, não nos conhecemos mais, acho que nunca o conheci realmente. E conforme os dias passam é como se estivéssemos um passo de distância um do ouro. Me sinto errada, só que já tentei me aproximar, é sempre momentâneo e depois é como se fosse nada de novo. E eu fico sem saber como me comportar ou falar, não posso ser eu mesma, porque você não gosta de como posso ser. Você quer me padronizar e me colocar naquele molde de expectativas a qual não me encaixo.  
    Desculpe ser assim. Desculpe pensar que isso é errado. Não é minha culpa, nem sua, nem de ninguém, é só a vida. E nem sempre ela é gentil e legal com todos.
  • Uma Taça

    Em uma taça, o sangue dela e um beijo interrompido.
    Minhas noites eram tranquilas até ela entrar na minha cama e dizer: "eu sou aquela que vê seus exorcismos".
    Foi fatal o beijo naquele dia do passado.
    Vampiro, deixei me enclausurar sofrendo a ausência dela. Ela descobriu os meus piores demônios.
  • Vazio

    A cada dia que passa me torno mais vazio, me sinto como um pote sem conteúdo. As vezes eu penso sobre a vida e me bate uma saudade, do tempo em que apenas vivia, não tinha preocupações e muito menos desamores. Minha cabeça nunca esteve tão "fodida", meus problemas estão gritando como loucos no manicômio, mas não sei, não consigo demonstrar minhas emoções. Realmente estou me tornando vazio, mas isso pode ser algo bom! Se me fazer parar de pensar nela. No mundo existem várias formas de se decepcionar, mas se eu não transparecer vou parecer forte,  um ser humano decidido! Mesmo que por dentro eu esteja destruído.
  • Viver a vida

    Como a vida pode ser tão intensa
    Para alguém que a sente
    Tão profunda e imensa 
    Eu sou alguém que sente
    A tristeza se transformar em desespero
    A felicidade ser magia
    Eu sou alguém que sente
    A dor, destrói
    O amor, consome
    Eu sou alguém que pode dizer
    Tão profunda e imensa
    Como a vida pode ser tão intensa
    E como meu coração
    Eu o sinto em profunda escuridão
    Mas com a alma intacta
    E se ela acaba
    Ela não quebra, estralhaça
    Eu não sou alguém que sente
    Eu sou alguém que vive
    Tão intensa, profunda e imensamente.
  • Você Tem.

    Mas você tem.
    Tem que ir
    Tem que viver
    Tem outra opção?...
    Diga-me você.
    Você tem.
    Tem um coração
    Bombeando sangue
    Coração não serve para sentir nenhum tipo de emoção
    É a verdade, não se zangue.
    Você tem.
    Tem que ir naquela festa
    Você nunca sai
    Se quer ou não, não interessa.
    Você tem.
    Tem cortes nos pulsos
    Tão idiota, tão adolescente
    Acha o mundo injusto
    Você tem.
    Tem tudo o que quiser
    Pare com essa cara feia
    Faça o que a sociedade requer
    Você tem.
    Tem uma corda no pescoço
    Foi tão de repente, tão sem motivo
    Sempre estava com o sorriso no rosto
    Você não tem
    Não tem mais vida
    O que aconteceu?
    No mínimo
    Alguém lhe entristeceu
    Coisa de adolescente
    Só não sabe direito
    O que sente...

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222