person_outline



search

dor

  • “Pare de mendigar amor”

    As pessoas falam “pare de mendigar amor” Como se nós quiséssemos precisar passar por isso, como se fosse fácil deixar algo ou alguém que você ama com todo o coração, ir embora, sem nem mesmo tentar fazê-lo ficar... Não é que mendigamos amor, só queríamos ser retribuídos com pelo menos um pouco do que sentimos, algumas pessoas não entendem, e nunca vão entender  a imensidão de sentimentos que nos fazem ter essa atitude... Não é mendicância, é simplesmente o amor transbordando.

  • (RE)FABULOSO

    Dedicado a Ivys Danillo e Breno Fonseca.
        Esta história não é tão velha que vos pareça um fato desconhecido, mas atentem-se as nuances do relato para que essas linhas más traçadas, não venham a parecer uma extensão mal elaborada do mesmo.
        Bem, agora vejamos, ela ocorreu na década de 60. O mundo todo já tinha visto as maiores guerras do mundo depois da Guerra de Troia e do Mahabharata, centenas de revoluções e muitos conflitos.
        Mas abaixo da Linha do Equador, no Trópico de Capricórnio, numa cidade litorânea do país conhecido como Brasil, haveria um conflito entre as tecelãs do Destino. Qual sina para qual garoto na sala?
        O mais velho parecia espirituoso, educado e gentil. Vestia um terno e uma calça social. Esmerado como um diamante. Os cabelos negros tinham um brilho ofuscante, a pele evidencia sua origem bastarda.
        O jovem tinha petulância, teimosia e cinismo. O gênio ruim só era mais limpo do que as mãos traquinas. A roupa galante já não constituía beleza alguma, tudo nele era um problema. A boca então!
        O médico chamou dos dois meninos na sala de estar e os dois se apressaram a entrar no quarto. O velho estava moribundo, desenganado pelo médico há muito tempo que viveria bem pouquinho.
        O braço pelancudo se agitou no ar e procurou abraçar os garotos, o mais velho retribuiu, o mais novo ficou de canto, assistindo a cena com nenhum entusiasmo. O velho pigarreou e disse aos dois:
         — Escutem meus filhos, pois tenho dois e não um como minha velha esposa acreditava. Vivi muito nesse mundo para lhes dizer o que a Vida espera de um Homem, e o que ela não quer ver em um Homem: Não faça do orgulho estandarte para que em teus ombros ele não se torne um fardo. Esqueceu-se de sorrir, não te lembres de chorar. A lamúria e o regozijo só aumentam o sofrimento. O maior de todos os pobres é o que só tem dinheiro para comprar a infelicidade. Os que comem a mesa da mentira, depois só vomitam asneiras. Os sábios são loucos aos olhos dos perversos. Se conselho fosse vendido, não serviria, pois o remédio para os males de um é veneno para o corpo de outro.
        Depois de dizer tudo isso ele entrou numa crise de tosse convulsionante e faleceu. O irmão mais velho chorou e imprimiu tudo no seu coração. O mais novo correu assustado do quarto do pai.
        Brincando de carrinho antes do velório, ele esqueceu tudo o que o pai disse. O Testamento foi lido no jardim. O senhor de calças coronhas e terno de ombreiras subiu em um caixote e fez a leitura.
        O falecido exigiu como tutor o seu amigo mais próximo, que cuidaria dos seus filhos. O pai queria que os filhos tivessem igualmente os mesmos cuidados, Educação, Saúde, Lazer, Segurança e Paz.
        Enterrado às três horas da tarde no cemitério da cidade, o resto da família que se resumia aos dois garotos, o tutor e os empregados, retornaram para a mansão que ficava bem localizada em bairro nobre.
        As coisas por um momento pareceram estranhas ao filho mais velho, não teria mais o pai ali para lhe repreender e lhe ensinar sobre as coisas do mundo. Havia muito que gostaria ainda de saber.
        O filho mais novo por sua vez sentiu um que a mais de liberdade. Não teria mais o pai para vigiar os seus passos ou brigar com ele quando cometesse um falta. Já se acostumara à nova situação.
        Como odiava o seu irmão, maltratava-o com todos os artifícios que podia, queria maltratá-lo, xingava o irmão, imitava um macaco e depois quebrava as coisas culpando o irmão mais velho por tudo.
        Quando se queixava com seu tutor, recebia a culpa ou um safanão. Seu irmão era o centro das atenções nas reuniões de família e ganhava os melhores presentes. O outro era segregado na cozinha.
        Acalentado pelas empregadas da mansão por ser bonzinho e de mesma cor, comia o bufê antes de todo mundo. Com o motorista aprendia a consertar carros. Com as empregadas aprendeu a cozinhar.
        Antes dos doze anos já tinha mais autonomia que muitas meninas da sua mesma idade. Suas notas na escola eram diferentes da de seu irmão mais novo, mas o outro comprava melhores boletins.
        Com o passar dos anos, um o irmão mais velho já tinha acelerado uma série devido à aplicação nos estudos, o caçula aumentou os gastos do tutor com a propina na escola e abafar o seu mau comportamento.
        Nada lhe punha rédea, e quando contrariado, usava o dinheiro de seu pai e pronto!
        Quando os dois se formaram no ginasial, o bastardo procurou o nível superior e o outro a boêmia. Enquanto as denúncias de assédio cresciam contra seu irmão, ele estudava mais ainda.
        Tentando ajudar, ele procurou o seu irmão caçula para uma conversa e disse-lhe:
        — Veja meu irmão, nosso pai faleceu e estamos sós no mundo, nosso tutor só não torrou toda a nossa porque depende dela para manter o seu padrão de vida. Olha para tudo isso e repara que é nosso por direito. Desde o portão até a poeira que se instale nos móveis. Não sei quais tuas queixas contra mim, mas que te falta para usufruir disto com mais saúde e respeito ao esforço de nosso pai?
        — Começa por ser bastardo, depois por sabichão e tenta parecer o que não é, quando na verdade o é em vice-versa. Não sei quem te disse que não gozo nem usufruo com saúde daquilo que o “meu pai” deixou para mim. O único mal que o meu pai deixou na Terra para minha desgraça e vergonha foi a ti. Não sei por que nasceste nesse berço, quando dele não tinha direito nenhum!
        E como um peixe a dar rabanadas nas fuças do desavisado pescador, o caçula, pois fim aquela conversa sem pé nem cabeça que tinha tido. O outro não se ofendeu, ele não se ofendia mais com nada.
        Enquanto enfiava a cara nos livros seu irmão enfiava a mão no violão e chegava em casa as tantas da noite. Acordava o tutor, bulinava as empregadas mais jovens e deitava na cama roncando feito um porco.
        Pela manhã acordava aborrecido gritando e ordenando quem aparecesse pela sua frente. Seu irmão mais velho já estava na primeira condução para a escola de nível superior. Era homem incansável.
        O irmão mais novo tomava café bocejando como um leão cansado de correr atrás da presa. Lia o jornal gaguejando as palavras e sempre perguntava ao motorista como se soletrava tal e qual palavra.
        Quando não berrava, gritava. Ai de quem não fizesse o que ele mandava. Como o reizinho mandão, ele apontava para um objeto e logo estava em suas mãos, ordenava e acontecia num passe de mágica.
        Mas como tinha preguiça até de mandar, saia logo para se encontrar com os amigos. As mulheres de vida fácil o conheciam sua lábia e as pobres que não conheciam logo se sentiam amarguradas com a gravidez.
         Tantos foram os bastardos que largou pelo mundo que já tinha quebrado record do pai e de seu tutor fanfarrão juntos. Eram muito parecidos por sinal.
        Os dias e as noites passavam iguais para ele. O tutor querendo lhe fazer bem e aumentar a fortuna da família, arrumou um casamento com uma bela moça. O irmão mais velho saiu de casa para fazer faculdade.
        O irmão mais novo considerou o caminho livre e arquitetou uma maneira de garantir a fortuna da moça e se livrar do tutor. Depois do noivado apressou o casamento com a sua pobre e ingênua esposa.
        Os sogros lhe abriram sociedade com o genro na sua empresa para unir os capitais das famílias. Envenenou o tutor com uma taça de vinho, entregue através pelas mãos da esposa na festa de núpcias.
        Um mês depois a perícia chegou com o laudo incriminatório: morte por intoxicação. Tudo de que ele precisava, esperou a condenação. Depois arrumou uma bela amante e desfilava com ela num cadilac.
        O sogro morreu num assalto seguido de latrocínio dois meses após a prisão da filha. A sogra não aguentando a pressão dos fatos suicidou-se meses depois. O caçula tornou-se sócio majoritário da empresa do sogro.
        O irmão mais velho seguiu na faculdade sofrendo todo tipo de tortura, física, psicológica e sentimental. Assim como em sua própria casa ele foi segregado como se fosse um animal selvagem qualquer.
        Sua inteligência ofendia seus colegas que acreditavam que ou ela vinha de berço ou era coisa de cor. Nem uma nem outra, ele concluiu a faculdade engenharia e ganhou uma oportunidade no Chile.
        Ele trabalhou durante quatro anos, os dois primeiros meses como minerador, depois como operador de máquina e concluiu o ano como engenheiro adjunto. Casou-se com a filha de um fazendeiro chileno.
        Com ganhava em dólares, chegou rico ao Brasil. Montou o seu próprio escritório de engenharia, quando os clientes sabiam do seu nome iam lá, mas quando sabiam quem realmente era davam-lhe as costas.
        Mas sempre voltavam a contragosto. Não havia outro com tanta qualidade e experiência no mercado brasileiro da época, os seus clientes acabaram deixando a necessidade passar por cima do ego.
        Ao saber como andava as coisas na mansão, resolveu nem pisar os pés lá. Seu irmão mais velho tinha perdido metade da fortuna com as safas que o seduziam e com jogos de azar que o rapinavam.
        Os ex-colegas procuraram emprego, mas ele negou, não sabiam fazer nada mesmo.
        O primeiro filho veio após a construção do segundo escritório. Em todo o Brasil sua firma prosperava, o petróleo aumentou seus rendimentos, fosse o preço do barril alto ou baixo, precisavam de engenheiros.
        O irmão mais novo um dia catou um jornal no lixo debaixo da marquise em eu tinha se enfiado como se fosse o Rei Rato e sentiu o cheiro de oportunidade no ar. Só precisaria de uma roupa mais “apresentável”.
        Quebrou a vidraça de uma loja de ternos e surrupiou as que conseguiu catar. Banhou-se no córrego onde as mulheres costumavam lavar roupa de ganho. Pôs sua melhor máscara e foi até a mansão do bastardo.
        Durante uma semana inteira tentou uma entrevista, e só conseguiu porque a filha mais nova percebeu sua presença e contou para o pai sobre o bisbilhoteiro. Ao se apresentar, o irmão mais velho o recebeu.
        Os dois subiram até o escritório e depois de comer umas fatias de bolo e tomar umas xícaras de café, não disfarçou, estava varado de fome. Depois da morte do seu tutor, as coisas haviam mudado.
        Casara pela segunda vez com uma bela mulher que gastava os mundos e os fundos. Perdeu o resto da fortuna no pôquer e foi preso por poligamia depois que a primeira mulher conseguiu sair da cadeia.
        Os empregados antes disso tinham-no abandonado um a um, ele sempre os considerou um tanto preguiçosos. Na verdade os que não iam embora morriam por maus tratos. O bastardo ouvia em silêncio.
        Depois de uma longa reticência, o irmão mais velho chamou seu segurança e mandou jogar aquele salafrário mal cheiroso no primeiro bueiro que encontrasse. O irmão mais novo ficou pasmo.
        Foi arrastado do escritório até o portão de entrada e antes que fosse colocado no porta-malas do seu carro, o irmão mais velho encarou o seu rosto perplexo do seu irmãozinho e disse em alta voz:
        — Faço minha as últimas palavras do meu pai.
        O porta-malas foi fechado com violência.
  • A Carta de despedida e alguém que já se foi.

    Sinto que meus dedos estão frios como o gelo. Não consigo respirar, o ar entra mas não preenche os meus pulmões, não completamente. As lembranças assolam uma mente já perturbada, como um beijo do passado, presente e improvável futuro.
    Não é necessário gritar, eles não podem mais ouvir pois nunca tentaram entender.
    Imagens desconexas se passam a todo momento dentro de mim, vontades ocultas durante o dia invadem um corpo frágil e criam a sua pior versão. Os pensamentos voam em direção a liberdade enquanto os pés se contorcem embaixo das cobertas. O suor ainda escorre pelos dedos. Será assim que eles se sentem? Os corajosos. A sensação tão próxima do fim, a vulnerabilidade da inconstância…
    Um passo.
    Um sinal.
    Um último gole para aliviar a dor.
    O que não nos contam é que no fim, nada importa.
    Os pulmões não precisam mais de ar quando a vida sai pelo seu peito e liberta sua essência.
    Não existe agonia ou arrependimento, apenas uma casca vazia e um último adeus deixado para trás.

     

  • A Carta Gelada

    Às oito e meia da noite, em um sábado, eu estava sentado no sofá, assistindo a um filme, e com um tigela de cereal ao leite sobreposta ao meu colo. O estado de profunda concentração me pungia naquele momento, e meus olhos acompanhava inflexivelmente os movimentos surreais de um serial killer prestes a desligar mais uma vida. Nesse momento, eu ouço um batuque que não fora oriundo da TV, e que aos poucos se repetia ritmadamente. Após alguns segundos guiando a minha audição, percebo que era alguém batendo na minha porta. Confesso que senti um arrepio nas espinhas, e que quando percebi do que se tratava, acabei derrubando a tigela e molhando o tapete. Desdenhei o meu deslize e fui apressadamente até a porta. Receoso em falar algo, olhei pelo olho-mágico, só que esse estava quebrado. Não encontrei palavras no momento, e minha tensão estava aumentando feneticamente. O batuque não parava de se repetir. E eu resolvi interrogar: 
    —Quem é ? 
    O barulho cessou, e o silêncio reinou. Senti um choque profundo, um sensação de taquicardia apertada, um gosto de sangue. Era a sensação de temor misturada com perplexidade. Eu resolvi, perguntar novamente: 
    — Quem é que está aí? 
    E nada a não ser o grito melancólico do silêncio, um som abafado e chiado ao meu ouvi. Neste momento, inquirições estavam se chocando contra minha pisque. Quem será que está uma hora dessa batucando a minha porta? Se fosse algum conhecido, certamente, me ligaria ou então, falaria. Posto isso, resolvi dar de ombros, aliviando a minha mente com a ideia de alguém ter errado de localidade devido à embriaguez ou algo do tipo. 
    Fui até a geladeira, pensei em pegar um suco, mas achei melhor uma cerveja para aliviar a tensão. O chão da sala estava todo lambuzado, e minha janta já não me pertencia mais. Perdi a fome, por mais que o fastidioso despejamento de adrenalina no meu sangue tivesse gastado energia, o medo incutido momentaneamente perfez-me a omitir o desejo por comida. Eu não tive a menor intensão de limpar a sujeira. Perdi a vontade de terminar o filme. Na verdade, não perdi a vontade, apenas, cenas de suspense e insanidades são iriam acalmar meus ânimos. 
    Liguei o toca disco, coloquei uma música animada, repousei meus ossos sobre o sofá e, assim, resolvi abrir a cerveja. 
    —TOC. TOC. TOC... 
    O batuque voltou e desta vez mais agressivo. Nem sequer abri a cerveja. Tive um susto mais avassalador do que antes. E desta vez, senti que algo ruim iria acontecer. Preconizei-me a ligar para polícia. Pedi urgência na ocorrência, e fui aconselhado de evitar ficar perto da porta. Subi apressadamente às escadas e, assim sendo, resolvi me trancar no quarto, e ocupar-me a atentar aos batuques. Cada batuque, cada segundo, estava exaurindo a minha sanidade. Eu não estava aguentando mais. Era uma pressão aterradoramente cruel. Estava com a visão vertiginosa, e uma tontura me eivou. Senti calafrios. Não era mais nervosismo, era o medo que me possuíra. Eu escutei um estrondo, e ademais, seguiu-se apenas o som da música de vinil que tocava lá em baixo. Presumi que entraram na casa. Não sabia o que fazer. Pensei que era melhor pular da janela. Forcejei sem resultados, a embotada ferragem, que impedia a minha fuga. Maldita hora em que troquei o ar fresco pelo ar condicionado. 
    Passei um tempo, procurando algo para quebrar a janela. Nada. Essa palavra resumiu meus esforços. Peguei meu sapato, e agredi impiedosamente a janela, e essa parecia rir da minha cara. Nem um arranhão. Foi quando eu tomei a decisão mais tresloucada da minha vida: choquei-me com toda a angústia e frustração do momento contra a estorva. Uma certeza eu tinha: ou eu acabo com ela, ou ela me acaba. Contudo, sai vitorioso entre aspas, pois, embora eu tivesse fragmentado o vidro em imensuráveis cacos, os cacos dilaceram-me em cortes excruciantes. E ainda, uma queda do primeiro andar me fez sentir como a gravidade me ama. 
    Quando eu caí lá fora, me escondi em umas árvores. A penumbra dava arrepios. A única luz que tinha era a luz de um poste próximo a minha casa. Eu estava às espreitas tentando vislumbrar quem batia na minha porta. Ninguém? fiquei sem entender. Ninguém estava batendo na minha porta. Eu me levantei e fiquei surpreso. Circundei a minha visão em trezentos e sessenta graus e não avistei nada. Apenas uma coruja crocitava em um rododendro ao lado da minha casa. Senti uma gélida friagem acariciando a minha face. Resolvi sair dos arbustos e encaminhar até minha casa. Por garantia resolvi caminhar em derredor a casa para se certificar de que ninguém além de mim estava ali. Quando fui até a porta, eu me perguntei: cadê a chave? Realmente me lasquei. Pensei em forcejar a porta. E nada. A porta por mais velha que fosse, era bastante resistente. Tentei subir pela fachada na frente. Só que não obtive sucesso. Quando retornei a pontapear a porta, a polícia acaba de chegar. Eu pensei, até que fim. A polícia mandou eu colocar a mão na cabeça. Eu clamei dizendo eu sou o dono da casa. Não sou criminoso! Os agentes insistiram com a arma apontada. Eu disse eu me recuso a ser preso. Levei um choque e acabei sendo prezo. 
    No caminho até a delegacia, eu expliquei todo o ocorrido e eles não comentaram nada. Na delegacia, fui questionado várias vezes. Estava exausto, abatido, machucado e, dessa vez, faminto. Contei até onde pude. Disse que foi um tremendo engano. E no dia seguinte fui liberado, realmente constava no sistema o meu nome como proprietário. 
    Caminhei desconsoladamente, fixando meu olhar no chão. Mergulhei num estado de profunda introspecção. Estava com raiva e deveras frustrado. Pensei, será que sou doido? Será que estou vendo coisas? Essas reflexões infindáveis foram vertidas em remorso ao ver a porta da minha casa aberta. Roubaram minha televisão, meu toca disco, minhas cervejas, vários pertences. E eu estava fumegando de raiva. Não só tinha perdido a noite, como também várias coisas; até a minha dignidade. 
    Tentei acalmar meus ânimos. Esforço em vão. Então achei melhor arrumar a bagunça, pois só o tempo iria mudar meu humor. Vasculhei na geladeira algo para comer e, misteriosamente, encontrei uma carta dentro do congelador. Estava petrificada, parecia que estava ali a muito tempo. Caramba, que maneira fria de me entregar uma carta. Abri a carta, e tive a maior surpresa da minha vida: 
    "Feliz aniversário." 
    Era o que estava escrito. Foi quando eu me dei conta de que era o dia do meu aniversário. Um dia que começava bastante angustiante. E essa carta só me trouxe raiva. Que se dane o aniversário. Estava muito mais preocupado com minhas coisas perdidas do que com essa carta infame. 
    À tarde, comemorei meu aniversário comendo um sanduíche com suco, e depois, fiquei sem fazer nada. Sem TV, sem música, sem cerveja, e, acima de tudo, com as feridas latejando. Sem dúvidas, o pior aniversário da minha vida. Às seis horas da noite, estava quase dormindo, quando alguém bate em minha porta. Eu me levantei exasperado e fui até a cozinha, peguei uma faca e um bastão de massas, e resolvi abrir a porta sem delongas. Tive um grande choque. Quem batia na minha porta não era criminoso, nem era ladrão. Era simplesmente um bêbado que errou de casa e me pediu desculpas. Não sabia se ria ou se chorava. 
    No dia seguinte, às noves da manhã, decidi ir ao mercado. Quando abri a porta para sair, e ia saindo, acabei pisando em alguma coisa. Foi então que vi que era uma flor, só que abaixo dela tinha uma carta. Olhei de um lado para o outro, não avistei ninguém. Peguei a flor e a cheirei. Que aroma inigualável. Olhei a carta, muito velha a princípio, e a abri. Li recitando-a em voz alta. 
    Meu Deus! Comecei a chorar e não acreditei no que via e no que escutava. Senti um arrepio profundo. A carta datava 4 anos atrás e dizia: 
    " Hoje, meu filho, é o dia em que você completa mais um ano de vida e eu quero lhe dizer que mesmo antes de você nascer eu já o amava. Quando você nasceu foi uma alegria imensa, tanto para mim como para todos os que o rodeavam. Você cresceu, e se tornou este grande homem que és. Nunca deixe que os problemas da vida afetem seu vigor. Viva a vida. Seja feliz! E nunca se esqueça da sua mãe. Venha me visitar quando puder. Eu estou com saudades. 
    Te amo filho. 
    Da sua Mãe, Regina! 
    09/11/1984 " 
    Eu fiquei muito perplexo. Minha mãe morreu exatamente a quatro anos atrás. E esta carta estava datada no dia do meu aniversário. Quem será que me enviou esta carta? Pensei que foi o correio que tinha enviado em virtude de atrasos. Mas que atraso! 
    Fui até o correio procurar saber se entregaram algum lote de cartas extraviadas ou algo do tipo. A minha busca confirmou a minha hipótese. Realmente teve um lote fora extraviado a muito tempo. Depois de anos de investigação e processos judiciais, o correio teve que reentregar o máximo possível do lote. Eu fiquei extasiado. Quanta consciência! Ainda estava com dúvidas, se realmente foi o correio que me enviou ou foi outra pessoa que me enviara. Talvez alguém da família. Mas que família? Não tive contato a anos, embora soubesse algumas localidades. Eu acho que ninguém iria ligar para o meu aniversário. Mas e a flor? como foi parar lá? 
    Alguns questionamentos foram levados fixamente durante o percurso de volta a casa. Quando eu cheguei, pela primeira vez, vi uma coisa tão obvia, que de tão obvia acabava não sendo vista. Ao lado da porta tinha uma roseira florida e que nunca me dei conta de apreciar a sua beleza. E assim deduzi que provavelmente a carta, pelo fato de não ter caixa de correio, até porque nunca precisei, fora colocada por baixo da minha porta, e logo, o vento poderia ter puxado a carta para baixo e, inusitadamente, derrubado uma flor da roseira. Que vento! Uma explicação racional mas com pitadas surreais. Ironia do destino ou obra do acaso? Fiquei muito intrigado, até porque, quem colocara aquela outra carta no congelador. Talvez em um aniversário atrás, eu estivesse recebido uma carta e em virtude de embriaguez ou cansaço, acabei fazendo algo sem consciência do ato. Mas tudo como se desmembrou foi algo inacreditável para mim. E, portanto, pesou profundamente nos conselhos que minha mãe me deu. Decidi reavaliar meus atos. Prestar mais atenção nas coisas simples. 
    Eu vivia uma ironia curiosa, quanto mais detestava a vida, mais temia a morte. Desde que eu perdi minha mãe, solidão foi sempre companheira. Eu estava em uma ilusão profunda. Eu via o dia e não a luz sol. Eu via a noite e não o luar. Eu via a terra, mas não via as flores. Eu via os frutos, mas não via os sabores. 
    Pode não ter sido o melhor aniversário que tive, mas sem dúvidas será o aniversário mais inescurecível. Eu sempre fui medíocre, conformista e sem virtudes. Sempre receei a loucura. Mas estava muito enganado, ser louco é uma virtude que poucos alcançam e muitos temem. Decidi então, viver como ninguém viveu, sonhar como ninguém sonhou, ser o que ninguém foi: simplesmente, ser alguém original.
  • A culpa é minha

    Eu sei, a culpa é inteiramente minha, eu que me iludi sozinha, criei expectativas onde não deveria, eu que gostei demais, eu que coloquei muita intensidade, eu que deixei minha felicidade depender de uma só pessoa, a culpa e minha sim, e estou arcando com as consequências disso.

  • A culpa não é sua

    Um tsunami cobre a cidade 
    Água salgada em nossas gargantas 
    Mar, você é o vilão,
    Destruidor de vidas

    Acusado falsamente, 
    No tribunal da injustiça 
    Você não é o culpado,
    Mar, você não é o vilão 

    A água que cobre a cidade, 
    Lágrimas dos meus olhos 
    Mar, eu sou a vilã,
    Eu sou a culpada.
  • A garota do segundo andar

    Em uma madrugada chuvosa sinto o efeito da solidão.
    Da janela vejo outras, a maioria deve estar dormindo mas ainda há algumas com luzes acesas.
    Uma senhora com uma xícara que suponho ter café, uma mulher sentada na sala assistindo algum progama na televisão, e lá no canto um homen misterioso que nada faz, apenas olha o mundo, não fala, não se mexe, dizem que tem problemas psicológicos mas quem sou eu para julgar? Não me sinto normal.
    Sou uma garota jovem que não se encaixa em lugar nenhum, que são sai, não conversa, não vive realmente apenas sobrevive a mais um dia.
    Sou a garota do segundo andar.
    A solitária.
    Apaixonada por livros , história e arte.
    Um mundo como esse, agitado, não serve para uma garota como eu; amante do silêncio.
    Os livros são uma fuga, uma pré solução para uma questão maior; o vazio.
    As lágrimas não mais ajudam. O medo do fracasso se torna insuportável,
    O sentimento de não servir pra nada é sufocante.
    O medo irreal do esquecimento é enlouquecedor.
    Por fora uma máscara, por dentro a realidade.
    Poucos são aqueles momentos de paz.
  • a lenda de Èden/capitulo 4 o poderoso guardião fracassado (P & R)

    -isso foi rápido demais eu não vi quase nada-questiona luna
    -é assim mesmo mosa,guardiões da luz tem sua velocidade elevada desse jeito mesmo-fala pafunsu
    -eu não te dei o direito de me chamar de mosa-fala luna
    -bom vamos focar na próxima luta -fala pafunsu
    -primeiro como foi a sua luta
    pafunsu olha para cima e começa a pensar 
    -Oh não-fala luna 
                                                                 //////FLASH BACK TIME COM COMENTÁRIO EXTRA\\\\\\
    -outro flash back naaaaaoooo-fala luna
    -ja era-riu pafunsu
                                                                               INICIO DO FLASH BACK TIME
    Depois de pafunsu entrar no campo foi anunciada a luta entre ele e um cara desconhecido,quando começam a lutar pafunsu da um chute que afunda o rosto do sujeito e o dito-cujo perde a luta
                                                                                   COMENTÁRIO EXTRA
    -isso foi rápido,até demais-falou luna

    -guardiões da luz tem uma velocidade muito alta,porem uma defesa baixa de mais-falou pafunsu

    -por isso acabou rápido-fala luna

                                                                              CONTINUAÇÃO DO FLASH BACK TIME
    E na outra luta,era um guardião mais lento e com muito mais defesa,porem pafunsu era muito rapido e o outro cara nem chegara perto de sua velocidade e pafunsu o finalizou com facilidade,e por fim a ultima luta,porem esse cara era diferente dos demais 

    -acho que vou aparecer dele e dar aquele baita chute trava coluna nele- falou pafunsu

    ele o faz porem erra,por que seu adversario se defendeu com um outro chute,então tentou dar um soco e seu oponente parou o soco com outro soco ate que pafunsu pensa:

    -vou jogar um trovão nele 

    então pafunsu joga um trovão que errou,porem servia apenas para atrapalhar e atrair o adversário,perto o suficiente para atravessar a sua cabeça com uma mao aberta e eletrificada e assim que atravessa sua cabeça ela explode e ele é declarado vencedor da luta e o primeiro guardião da luz
                                                                                          FIM DO FLASHBACK TIME
    -agora falta a luta de quem-pergunta pafunsu

    -do gustavo-fala luna

    -era,não é mais,agora é a luta do rafael-fala gustavo

    -vai chorar-zoa pafunsu

    -nao,mais to quase-fala gustavo

    entao,finalmente os guerreiros de fogo entram em campo porem o destaque é mais do brasileiro de altura mediana e cabelo escuro e forte,estava sendo destaque por ser um daqueles que ajudou juan com aquela criatura de fogo e estavam em punhos uma luva e uma espada,algo que digamos era meio diferente,afinal pra que usar uma luva,mas ao iniciar a primeira luta que no caso era a dele o rapaz qua agora sabiamos o nome por anuncio de cahethel:lan santiago era seu nome e por coincidencia o outro cara tambem era brasileiro e se chamava edgar

    -isso esta muito estranho o nick falou que cabelos de cores estranhas sao caracteristicas dos descendentes dos guardiões da terra,só que nenhum dos guardiões do fogo tem olhos vermelhos,nem o rafael tem isso-fala pafunsu

    -pafunsu eu quero assistir-fala luna sentada em uma cadeira de rodas comendo um pãozim

    ao começar a luta edgar solta uma bomba de canhão de fogo 

    -esse ataque pode incinerar um planeta inteiro diga adeus aos seus ossos-fala edgar com uma risada alta

    lan apenas poem sua mão com a luva para frente e devolve para seu oponente o ataque como se não fosse nada e incinera completamente todo o seu corpo até reduzi-lo a cinzas

    -isso foi rapido-falou luna

    -luna para de falar so isso,mas realmente foi bem rapido,rapido ate de mais-fala pafunsu 

    porem a proxima pessoa a entrar em luta é seu amigo rafael

    -bom é isso vou conseguir-falou rafael

    no inicio da luta refael lança seus ioios a ponto que ficassem com suas cordas por todo o campo,quase que impossibilitando seu adversario de se mover,entao o adversario tenta queimar as cordas,que apenas ficavam em seu lugar sugando a energia e repassando a força pro ioio que ia ficando maior e deixando as cordas cada vez mais quente e entao rafael mexeu seus fios ate que cortou seu adversario e transformou-o em uma especie de picadinho frito de carne humana e entao rafael e declarado vencedor da luta

    -meu deus(do ceu berg)que nojo ele cortou o cara como picadinho argh-fala luna
     
    -meu deus que merda to com vontade de vomitar-falou pafunsu

    cahethel pede para alguem vir la para ressucitar o rapaz e devolve-lo a terra,afinal o perdedor teria apenas os poderes retirados e depois iria ser mandado para a terra para poder viver normalmente a sua vida na terra 

    -espero que perca logo,esse garoto é um piromaniaco sadico,nao seria uma boa te-lo como guardiao-pensou cahethel 

    a proxima luta sera entre lan e rafael

    -se prepare para ser queimado-falou rafael

    a cara de ridicularizaçao de lan era tao grande que chegou a ser ridiculo pra ele o que rafael falava,entao meio totalmente puto da vida rafael jogou seu ioio em cima de lan que nao apenas segurou como tambem quebrou o mesmo 

    -serio isso nao destroi nem um planeta anão gelo,acha mesmo que pode comigo-sacaneou lan

    tudo isso deixa rafael mais puto e tambem desesperado,ele refaz o ioio com suas chamas e aumenta o tamanho do mesmo a ponto de poder subir em cima do ioio como um carro gigante e tenta atropelar lan que desvia com uma facilidade enorme com se estivesse apenas dando um pulinho pro lado e da uma zoada

    -tao lento que nem chega a mach 1

    rafael putao responde:esse deus aqui chega a mach 36.000 

    -nao chega nem a mach 900 de tao lento 

    rafael acelera mais uma vez e lan apenas pega sua espada e da um corte certeiro no meio do rafael e corta o ioio dele ao meio e antes que rafael pudesse reclamar lan aparece rapido atraz dele e corta sua cabeça em instantes e assim lan e declarado ganhador por cahethel  e na plateia luna fala:

    -ele perdeu mesmo meu desu,eu dont believe

    -perdeu feio-fala pafunsu

    -nao acredito nisso-fala gustavo irritado-ele nao devia ter perdido 

    sim era isso rafael tinha perdido feio e lan havia se tornado o novo guardião do fogo,rafael foi ressucitado,teve seus poderes extraidos e foi mandado para seus pais na terra com a advertencia de nao mexer de novo em fosforos,mas claro cahethel deixou ele se despedir dos amigos afinal as proximas lutas seriam seguidas em elemento:agua,depois espiritual,depois escuridao,depois terra e por ultimo estrela ja era quase certo os vencedores afinal no ataque ja tinha uma da agua,uma da espiritual e uma da escuridão porem terra e estrela foram considerados dificeis de saber afinal havia tres guardioes da terra no incidente e nenhum da estrela,mas apos as despedidas começaram as batalhas da agua e a vencedora foi kamillie orihara da oceania,foi uma luta rapida nao igual a dos guardioes da luz mas tambem tinha seus meritos

    -aposto que foi bem facil ne,kamille ou posso te chamar de kamie-fala luna para a nova guardiã

    -serio querida e a sua-fala kamie

    -eu quase morri-fala luna

    -deveria ter morrido-fala kamie

    -que moça ruim pra eu-fala luna

    pra se ter uma ideia do quao rapido foi cada luitra era aproximadamente 20 segundos por luta depois disso era uma vitoria muito facil

    -nao curti essa moça,,mas curti as outras duas -falou luna

    essas tais garotas eram as duas dos elementos espiritual e escuridão,regendo o elemento da escuridão estava uma garota chamada julie kanam de istambul tinha uma personalidade calma e bem calada e ate alegre porem muito timida e gostava de chamar todo mundo de demonio algo que mostrava seu autismo com força altissima e regendo o elemento espiritual estava giulya kim than essa diferente da ultima ja era mais ativa e animada e gostava de cantar do nada,em especial k-pop (eu tenho uma amiga que gosta dessas musicas e como eu tava sem nada melhor pra colocar presente pra voces) as 2 seriam as mais novas guardiães do grupo 
                                                                            ENTREVISTA UTILITARIA COM LUNA GERLOFF
    -oi,oi,oi tudo bem,tudo bão-pergunta luna

    -tudo bem-fala giu

    julie calada

    -que merda eu to fazendo aqui-falou kamie

    -entrevista,xiu-sussurra luna

    -nao quero ficar no autismo de voces-fala kamie

    -xiu,agora continuando como foi a ultima luta de voces-pergunta luna

    -eu so entupi a mina de agua e explodi ela,como qualquer ser humano normal faria-fala kamie

    luna assustada pergunta:

    -e o que voce mais gosta kamie

    -rola-fala kamie-de varias idades idades,de muitos amores

    luna vermelha finge que nao escutou nada e passa para giu

    -entao giu como foi sua luta-pergunta luna

    -eu basicamente invoquei espiritos do alem e fiz todos atacarem como distraçao e voei por debaixo da terra em forma fantasma e possui o meu oponente por traz enquanto secava seu corpo-fala giu

    -e pior que a primeira-pensou luna desesperada

    e assustada luna pergunta com uma cara de nao me mate:

    -e....doq......do que voc.....do que voce gosta

    -kpop,escuto o dia todo,ate dormindo se possivel-fala giu 

    Luna agarra giu e fala:

    -meu desuuuu nos vamos dar tao bem

    -giu esta assustada com voce apertando ela assim luna-fala gustavo como um cameraman ou algo do tipo

    -ok,ok,ok eu largo,mas agora e sua vez julie-fala luna

    luna ja simpatiza com a garota ser baixinha a ponto de parecer uma versao de mini-chibi baby edition

    -entao como voce venceu-pergunta luna

    julie fica calada

    -fala pelo menos de quem voce gosta

    entao a garota gagueja e fala:
    hu..hu....hu...huinglerson-e some em uma sombra de vergonha 

    todos os presentes ficam calados por um instante e luna com um sorriso encerra a transmiçao

    -bae,bae pessoas-fala luna
                                                                              FIM DO ENTREVISTA COM LUNA GERLOFF
    -o que foi isso perguntou gustavo

    -nem eu sei acho que ela gosta do....-fala luna ate ser interrompida pelo pafunsu

    -quem gosta de quem-pergunta pafunsu

    -eu..eu gosto muito de pãozim-fala luna

    -e eu gosto de assistir a luta,elas sao muito bacanas

    -principalmente as com poderzinho sem a rajada tipo seu ataque na ultima luta-fala luna

    -e eu tambem-fala giu sobrando no canto mas manjando da situação 

    -e a proxima luta parece estar prestes a começar-fala pafunsu

    e julie estava com eles porem calada 

    -ainda bem que voces gostam por que o nick e o juan vao lutar daqui a pouco-fala pafunsu

    -eu avaliei os dois,so iram se encontrar se for na final,mas seu amigo nao tem chance o poder do juan é anormal para um guardião da grama,eles nao passam de curandeiros e protetores,juan de algum jeito serve de ataque e aquele modo dele nao vai ajudar em nada-fala julie

    -ela falou-riu pafunsu-finalmente hahaha

    julie some de novo e pafunsu estranha novamente (ate ai tudo normal)

    -ela ate que ta certa a luta deles vai ocorrer no final,vai ser emocionante-fala luna

    -duvido que esse tal de nick ganhe,nao esqueçam que tiveram 3 guardiões da terra no incidente e pelo jeito ele vai lutar com os 3-fala giu

    -eu confio no moso-fala luna

    -eu tambem-fala gustavo

    -concordo-fala pafunsu

    entao as outras guardioes retrucam

    -vai levar surra-fala kamie

    -chute na butt-fala giu

    -uhum-fala (ou grunge)julie 

    entao alguem vai andando naquela direçao era lan

    -alguem percebeu que o primeiro nome dele e mais japones que o do gustavo-fala pafunsu

    lan vai ate gustavo e da um soco com força na barriga dele que o faz cair,e o arrasta pelo cabelo ate cahethel,entao cahethel ouve o que o garoto tem a dizer e troca umas letras de um crachazinho que esta com cada um

    -o que aconteceu-perguntou luna

    -esse cara no dia que eu cheguei aqui deu um jeito de trocar nossos nomes e nacionalidade pra ele parecer japones,eu sou o unico hikari aqui,Lan Hikari-fala Lan

    -nao tendi nada-fala luna 

    -nem eu-fala pafunsu com gustavo vomitando sangue nos braços tentando ajeitar ele

    -aquele e o amigo de voces indo pro ringue-fala kamie

    -e ele sim-fala gustavo meio tonto

    -e o moso-fala luna

    -parece ter uma rola bacana-fala kamie passando a lingua sensualmente entre o labio 

    -eu mereço-fala luna envergonhada de como caminha a humanidade

    mais todos estavam ansiosos afinal nick iria lutar finalmente contra alguem,afinal apos uma historia com aquela (cap2) era impossivel nao ficar curioso com o treino,entao entram em campo um dos 2 caras do incidente e nick dormindo por que cahethel apenas o lançou pro campo enquanto ele dormia meio ensanguentado

    -prontos-fala cahethel-comecem

    -isso nao e justo o moso ta dormindo-fala luna

    entao no meio do campo o outro cara grita:

    -ninguem te perguntou nada,indiazinha

    luna e seus belos cabelos de india se ofendem e mandam ele se-fu mentalmente

    a luta começa com o adversario apontando-lhe o dedo e falando:

    -renda-se eu sou o mais forte aqui e posso destruir qualquer um

    ele era alto como se tivesse 2m e 10 de altura,mas nick ja esta dormindo no chão,como se estivessem pouco se importasse  e seu oponente considerou isso como uma afronta direta de nick e da um soco no chao causando um terremoto que apenas fez nick ficar rolando pelo chão ate que foi chegando perto de seu adversario rolando pela grama do local e ao tentar esmagalo com um pisao,nick chuta ele no rosto ainda no chao dormindo e afunda o rosto do pobre rapaz que ia esmagar a cabeça de nick com um pisão e ainda racha a barreira media de cahethel,todo destruido pelo chute o guerreiro se levanta porem ja e tarde nick esta em pe em sua frente dormindo e lhe da um soco na barriga que explode tanto o seu estomago quanto o resto da barreira do cahethel,entao cahethel fala:

    -treinamento duro pessoal,vamos fazer magia do tempo no sr.matias pra ver se acorda

    apos tenta usar a magia do tempo cahethel nao consegue e fala:

    -nao acredito,mudança do tempo nao funciona nele

    -o que isso quer dizer-pergunta luna

    -significa que nem se eu mudar o tempo,o nick nao vai ficar parado,nao vai envelhecer mais rapido e nem tentar diminuir a velocidade dele e ainda me proibe de viajar pro passado enquanto eu estiver a 1 galaxia de distancia dele-fala cahethel

    -chega vei,esse cara ta muito apelão-falou pafunsu

    -disse o cara que terminou 3 lutas em 4 milisegundos-fala nick

    -voce nao tava dormindo-falou pafunsu

    -habilidade de fotossintese e so eu estar encostando em terra que eu me recupero mais rapido-fala nick

    -bom mais tirando isso-nick colocando um punho fechado em frente ao rosto so que com um sorriso corajoso-eu vou vencer todo mundo,que esta aqui eu prometo isso pra voces 
    FIM
    __________________________________________________________BONUS_________________________________________________________________

    NOME:Kamille Orihara        APELIDO:Kamie         PAÍS:Australia
    ELEMENTO:Agua        HABILIDADE:Solidificação e Gaseificação
    GOSTA DE:Instrumentos Pessoais Masculinos (IPM)

    NOME:juliane kanam      APELIDO:Julie     PAÍS:Istambul
    ELEMENTO:Escuridão      HABILIDADE:Nuvem escura
    GOSTA DE:Pafunsu (DARK STALKER)

    NOME:Giulya kim than    APELIDO:Giu      PAÍS:Coreia do Sul
    ELEMENTO:Espiritual      HABILIDADE:Necromancia
    GOSTA DE:K-POP

    ________________________ERRATAS__________________
     NOME:Gustavo Santiago  APELIDO:Gusta ou Gustavo  PAÍS:Brasil
    ELEMENTO:Estrela     HABILIDADE:Escudo Estelar
    GOSTA DE:Olhar as estrelas

    NOME:Lan Hikari   APELIDO:Nenhum   PAÍS:Japão
    ELEMENTO:Fogo    HABILIDADE:Escudo Estelar
    GOSTA DE:Não se sabe




  • A Morte

    Entre os castiçais, fogo e reclusão.
    Era uma madrugada alta cheia de inspiração onde eu me deitava com ela contando os morcegos do teto.
    Uma voz: "aqui, entre os dois, eu me escondo e digo amém às suas diabruras".
    Levantamos e fomos até a penteadeira. Nada no espelho...
    Nos espantamos ao ver em nossa cama a Morte e uma rosa branca, exclamamos: "que lisura antiga tal honra!"
    E num torpor pegamos uma adaga e cortamos nossos possessos.
    Dormimos, o sol entrou e nos queimou.
    Morremos. O fim do mundo acabou.
  • A morte do eu

    “After a year in therapy, my psychiatrist said to me: ‘maybe life isn’t for everyone’.” 
    O inferno está vazio e todos os demônios estão na minha cabeça. Conjecturo vozes que, no desabrochar da vigília, anunciam-me um transtorno psicótico. Hoje eu tranco o curso, tranco a vida. Cheguei a vasculhar, um dia, a possibilidade do suicídio ser apenas o enterro, mas não a morte em si; todavia, certifico-me, nessa náusea amorfa, que a angústia se infiltra na teia neurossucumbidora antes de incinerarmos a nós mesmos. Conto os dias, odiando o teísmo onipotente, para encontrar o que acredito ser minha alforria: o psiquiatra. Há de ser minha muleta metafísica. Dispneia. Se enlouquecer-me novamente, tenho clonazepam. Vinte gotas; vinte e sete, se precisar. Alivio-me com esse meu novo deus volátil. 
    Sento-me à beira da cama; meus pés desmaiam sobre o chão. Penumbra. Nada me daria mais prazer do que nunca ter de acordar novamente. Sinto na alma a enfadonha arte de vestir-se. Fico apreensivo com minha sanidade dúbia diante das aulas anavalhadas que vagarei hoje. Degusto o Escitalopram com um café áspero. Lembro – fitando um eterno nada – a face sem sentença da minha psicanalista, e esbravejo-me; quero que suba no telhado e grite quem sou eu, pois já me foge essa concepção. Deposito o frasco de benzodiazepínico no bolso; esqueço o celular em casa. 
    Ao longo dos sertões da manhã, o medo do pânico se empodera como um fascista. Claustrofobia. Perscruto que na selva da minha psique não reino como Zumbi Dandara, mas apenas sou uma marionete do caos. Convenço-me da morte iminente: seja por um edema de glote, seja por um cataclismo pneumológico. Vendaval de sinapses. Minha mitral esperneia-se, regurgita-se, fibrila-se; almejo fugir-me; visto a entropia desajustada; balbucio uma filosofia sórdida. Subunidade beta da Proteína G, Guanosina Difosfato Inativa, Adenilato Ciclase: importantíssimo para vocês, futuros médicos. Cronograma de Caim. Quinquilharia. Pandemônio.
    Comprei uma aliança para essa miséria de vida, mas não prometo a monogamia – resmungo ao asilo que concerne minha consciência. Permuto as desvantagens e vantagens de ser um amontoado de átomos; aquelas me logram. Perambulariam como os nômades que nutrem sentimentos por mim? Por mais que sejam escassos, não me ousa denegrir a árvore-mãe que doou suas raízes à fruta empobrecida de alma. Aproveito o anticlímax dessa patologia arruaceira para ler o DSM: tenho todas as anarquias possíveis: transtorno de ansiedade generalizada, síndrome do pânico, depressão, desconexão com o divino, apatriotismo sem-terra. 
    Como um cadáver maquiado, encargo-me da polidez pós-morte: metáfora para os primórdios da tarde. Sobre o alcoolismo: eternizara – não que deguste a ideia, porém era a morfina que varria minhas esquinas neurais; era, senão, o hospício que tratava meu cansaço insuportável de gente. Olho-me: identifico em cada dobramento da minha organogênese os assassinos da minha jornada. A tarde, porém, caminha de forma taciturna; enrosca nos galhos, tropeça nas ironias machadianas, vivencia a chaga de Édipo, mas caminha. Adentro um elevador eremita: coercitivamente controlo a respiração: minhas cavernas pulmonares ecoam desespero.
    Palmilhando os arredores do abismo, pondero em relação ao futuro notívago: ou a insônia reluzirá novamente ou uma bala perfundirá meu encéfalo – entrará por um ouvido e sairá no outro, nada menos. Sinto meus passos derradeiros nesse morro cascalhado. Cairá sequer uma lágrima desse meu rosto surrado diante da morte de meu pai? Meu recinto ainda tem o cheiro de vazio. Insisto em deleitar-me na água que escorre do chuveiro, mas em vão. Pressuponho que dentro da gaiola do meu peito habite um pássaro que almeja voar, todavia se debate nas grades costais, depena-se e desiste da vida. Perfumo o ar com sobriedade: irrita-me o anseio acalentador das pessoas. Recebo, ainda que caquético, no toante dessa noite, uma visita: meu humor sacoleja como um cão solto na praia. Lê-me: você parece ótimo. Não se esqueça, minha cara, que os buquês, por mais que sejam sorridentes e carinhosos, são feitos de flores mortas. 
  • A Ponte Sobre o Rio

    Antonio estava de pé no parapeito da longa ponte estaiada. Os pés descalços tocavam no concreto frio, vacilando entre uma rajada de vento e outra. Não tenho nada a perder, ele sussurrou. Tinha sim, muito a perder, uma força interna lhe dizia.
    Puxou o capuz para baixo, estava frio. Seu rosto era triste. Muito abaixo de si, centenas de metros abaixo, corria um rio negro e gelado, águas traiçoeiras que seriam capazes de levar toda a cidade em seu curso. Ah, a cidade, pensou melancólico. E se nunca mais visse sua família, seus amigos, ele...? Ele, o homem que eu amo, o homem que disse que...
    -Eles não precisam de mim. - Parecia mais real quando dizia aquilo em voz alta. Ouvir a própria voz era estranho agora. Parecia que não a ouvia há tantos anos... Sabia que seria um estorvo a menos na vida dos seus pais, mas seu irmão e o seu amor... Não há amor nenhum. Não existe mais amor.
    Olhou pro alto, além dos cabos de sustentação que seguravam a longa Ponte Topázio, para o céu da madrugada. Não havia estrelas ou lua. Era apenas um vazio frio e silencioso, e de alguma forma parecia que o seu vazio era ainda maior.
    O que sentia dentro de si era uma monstruosidade negra e maligna sempre lhe dizendo o quão era burro, fraco e covarde, infectando seus pensamentos, seus sonhos, oh Thomas, você vai chorar por mim? Você vai lamentar quando olhar pro meu nome numa lápide? Eu sequer terei uma lápide?
    O estômago embrulhou quando voltou a olhar pra baixo e o mundo girou a sua volta. Olhar para cima lhe desequilibrou por dois segundos e seria o suficiente para lhe ceifar a vida. Mas não foi isso que vim fazer aqui? Pra que iria querer essa vida afinal? Já estou vivo por tanto tempo, e de que me serviu até hoje?
    Não sabia mais. Olhou para a sua esquerda, para as margens da cidade adormecida. Eram luzes distantes agora. Tinha saído de casa no meio da noite, lembrava bem... Ou não... Ainda estaria em casa naquele momento? Onde realmente estava agora? Na cela de um manicômio qualquer? Esforçar a memória fazia sua cabeça latejar e a dor também quase o derrubou. Estava tão silencioso. O tempo andava lhe fazendo truques na cabeça. Ou seria todo o uísque, ou os comprimidos, ou...
    Não havia tráfego na ponte há dois dias... Como saberia daquilo? Era impossível saber, seu pai passou pela ponte horas antes, como não haveria tráfego? Desceu do parapeito para averiguar e realmente havia lá, onde a cidade começava, abaixo da placa de boas-vindas, grandes barricadas de contenção. Há quanto tempo seu pai tinha saído para aquela viagem? Houve um tremor, a ponte não era forte o bastante, lembrava das notícias, precisava se esforçar mais. A cabeça parecia que ia explodir. Mais, mais.
    A lembrança veio, um pequeno lapso de luz numa treva sem fim. Uma luz bastava para iluminar seus motivos. ‘’Você precisa de conserto! Nunca vai dar certo desse jeito Toni!’’, recordou. Era a voz do seu amor que falava, mas também a da sua mãe, dos seus colegas. A cidade inteira parecia gritar que ele não estava bem, que ele não era... Suficiente. Eu não tenho que agradar a ninguém. Mas se pelo menos eu me agradasse, já seria o bastante. Já seria o suficiente pra eu viver feliz.
    Por que as coisas precisavam ser assim? Tudo poderia ter sido perfeito em sua vida, mas as vozes nunca o deixariam ter uma refeição se quer em paz, sempre jogando coisas em seu ouvido, em sua cabeça. Você é ridículo Antonio, vê? Olhe como eles te olham, ouça seus pensamentos. Você é lixo, você é merda e ainda é mais inútil que lixo e merda juntos.
    Afastou as vozes esmurrando o pequeno muro de concreto que separava a via do abismo logo abaixo. Só precisaria de um passo, de um salto. De um único segundo de coragem. Era o que necessitava. Socou o concreto como se visse nele a face de Jorge, de Miguel, de Vinicius, todos eles ali, caçoando dele... Viu também Benjamim, seu falecido padrinho... É o nosso segredo, ninguém vai saber, a voz era seca e maliciosa e as mãos eram puro osso, mas vieram em sua direção. Antonio gritou.
    As mãos latejavam de dor quando parou subitamente de gritar. Não percebeu quando parou de golpear o muro. Estava ofegante e havia sangue. Também havia lágrimas, sentia-as escorrendo pelo seu rosto ridículo, transbordando dos seus olhos ridículos. Tirou os óculos e jogou no chão. Deu um soco no próprio rosto, infelizmente não tão forte quanto gostaria.
    Ele diz que eu sou lindo, a voz amigável recordou dentro de si. Ele também era lindo, Toni pensou. O amava muito, e era amado de volta, sabia. Mas sabia também que a voz da razão tinha muito mais a dizer. Sim, diz que você é lindo. E também que você é louco, que deveria ser internado, que não passa de um doente, paranoico e que nunca dará certo com ele. As palavras afogavam em lama todo o sentimento bom que estava lá há tão poucos momentos.
    Naquela hora já teriam percebido que ele não estaria na cama? Não, claro. Era madrugada e mesmo que alguém acordasse, quem sequer iria se importar de checar se estaria bem? Era muito mais provável que seus próprios pais o empurrassem daquela ponte. Não, eles te amam e querem sempre o seu bem, NÃO! Eles não te amam, não vê como eles debocham? Não ouve o que eles dizem quando acham que está dormindo? Eles sabem que você vai morrer. Eles querem que aconteça.
    Antonio se divertiu por um momento imaginando qual a reação quando, pela manhã, encontrassem a cama vazia e um bilhete de despedida sobre o travesseiro. Logo o sorriso desapareceu do seu rosto quando percebeu o que fizera. Me tomarão como um covarde, como um bobo e idiota! As lágrimas já tinham partido, mas as sentiu voltar. Já tinha ido tão longe agora...
    Poderia voltar a andar para casa, esconderia as mãos feridas nos bolsos pela manhã ou inventaria alguma mentira convincente. Rasgaria o bilhete em mil pedaços e ninguém jamais saberia até onde ousou tentar.
    Mas e aí? Sentaria na mesa com as pessoas que o repudiavam, iria para o trabalho onde todos o achavam um incompetente... Trabalho... Que trabalho? Uma outra voz sussurrou. Estaria ficando louco? Estaria finalmente inventando coisas como todos falavam que fazia?
    Não, não estava louco. Faria todos se arrependerem. Naquela manhã, quando encontrassem seu corpo na margem do rio, todos finalmente sentiriam algum remorso... Mas que corpo?
    O rio era rápido e violento, se chegassem a encontrar algum corpo levaria dias e ele estaria irreconhecível, e ainda que encontrassem seu corpo... Todos me chamariam de coitado por dois minutos e seguiriam suas vidas miseráveis.
    Mas sua vida também era miserável, sua família o odiava, não tinha amigos e seu namorado... Não há nenhum namorado, pensou, e por um breve instante sentiu-se... Destruído. Não tinha mais ninguém. Qual era o propósito de se viver assim? Nunca teria filhos, por que diabos tinha de ter nascido daquela forma? Quebrado, defeituoso, estúpido... Que tragédia era a sua vida afinal?
    A única cura para a vida é a morte, a voz lhe disse.
    Calçou os sapatos e subiu novamente no parapeito. Não deixaria seus sapatos para trás, não deixaria nada. Só uma vida inteira, sonhos, planos... Que planos? Ser um incomodo até finalmente morrer de velhice? Estava frio, escuro, e sua mente parecia um nós de gritos, choros e sussurros. As vozes tinham intensificado ultimamente, e nada mais era capaz de silencia-las.
    Tinha de ser agora. Em pouco tempo o sol retornaria, e com ele toda a sua desgraçada rotina. Sabia que enfrentaria todos novamente e sabia que seria derrotado como era todos os dias, como sempre foi. Estranho! Incompetente! Inútil! Não vê mulher? Ele tem um rosto triste. Ele é um adulto e vive chorando pelos cantos, ele vai acabar cortando os pulsos uma tarde dessas. Era agora. Sentia muito decepcionar seu pai, mas não era muito um fã de lâminas. Nem de pontes.
    Respirou fundo. Era capaz de ouvir o próprio coração agora. Tentou mais uma vez imaginar um futuro em que viveria e seria feliz. Teria uma casa em outra cidade. Talvez até outro estado. Uma grande casa, na beira do mar. Ou um apartamento, bem alto, bem longe de tudo.
    Viveria com ele, com o amor da sua vida. Teria filhos, cachorros, antidepressivos no armário e facas guardadas a sete chaves... O que? Não há felicidade para você seu idiota! Sua própria voz suplicava num apelo justo. Não entende? Nunca vai ter felicidade pra você. Faz um favor pra você. Pra ele. MORRE!
    O parapeito parecia querer expulsar seus pés. Ou suas pernas é que tremiam, não sabia dizer agora. Mordeu o lábio inferior até sentir o gosto de sangue. A dor física afastava a psicológica por alguns momentos. Seria o bastante. Thomas ainda me quer, eu sei disso. Ele me ama... Mas não amava. Não depois de tudo, não depois de tanto. Ele nunca terminaria, mas por pena de mim, o Toni maluco, e por medo que eu morra. Eu tenho que me deixar ir. Por ele, por todo mundo. Que falta eu farei no mundo?
    Haveria o outro lado? Encontraria todos os que já se foram com um olhar julgador lhe esperando? Eles não têm direito de me julgar. Eu sei o que eu passei. Eu senti o inferno da vida. Eu nasci no inferno da vida. Mas isso nunca impediu ninguém de lhe julgar. Não deixaria o receio lhe impedir agora. Essa era a mudança que precisava fazer. Era o rumo que precisava tomar.
    Na última decisão da sua vida, Antonio Prata deu um passo a frente. A ponte subiu atrás de si, indo encontrar o céu, enquanto seu corpo ia na direção contrária. Teria sido seis segundos ou seis séculos?
    O coração saltou em urgência. Sentiu em uma fração de segundo todos os beijos de seu amado, os sorrisos de seus colegas, e os ‘’bom dia’’ que recebia todas as manhãs, tão confortantes quanto um abraço... Ouviu suas brigas, suas brigas, SUAS! Era ele o tempo todo, era eu o causador... Discussões vindas do nada e por nada!
    Lembrou de como todos o olharam quando jogou aquela cadeira pela janela do escritório bem na frente do seu chefe... Eles estavam rindo de mim, estavam zombando, NÃO, NÃO ESTAVAM! E tantas discussões, e tantas lágrimas e tanta paranoia...
    Todos estavam contra mim, imaginou, não, não estavam. Todos queriam ajudar. Nem recordava o motivo pelo qual estava ali, naquela ponte fria, sobre aquele rio frio. Seria possível que fosse mesmo um quebrado? Estaria bem mais quebrado em breve, quando sua eterna queda chegasse ao fim.
    Viu sua mãe chorar sobre o seu caixão e se perguntar o que havia feito de errado... Por que mesmo na morte precisava estragar tudo? Quis voltar quando sentiu em si a dor da mulher que há vinte anos tinha lhe dado à luz. Mas não havia volta. Nem mesmo mandou uma mensagem a seu namorado... Eu te amo Thomas, as lágrimas nem teriam tempo de sair desta vez.
    As águas negras subiram tão depressa... E o engoliu de uma única vez quando as sentiu envolver a pele, tão geladas... Tentou gritar, mas o ar escapou todo de uma vez e se debateu, chutando, esperneando, esmurrando... em vão.
    Não enxergava nem ouvia nada. Jamais receberia ajuda agora. Foi arrastado rio abaixo, tentando se agarrar em qualquer coisa, mas as mãos só encontravam água. Por um instante conseguiu ver o que pareciam ser as luzes da cidade, algo turvo a distância. Os malditos óculos, deixei na maldita ponte. O alívio nem teve tempo de surgir em si, pois logo depois tornou a submergir.
    Não queria morrer, só queria ajuda, só queria... conserto, a voz completou, tarde demais. Pensou na casa e nos filhotes que nunca teria, nos beijos do seu homem que agora seriam de outro. Meu Thom, meu amor, te amo, te amo, vamos casar e adotar filhos e... E eles irão visitar meu túmulo um dia, ao lado do novo pai? Vai contar a eles que eu pulei da ponte Thomas? Os filhos que deveriam ter sido meus! E os beijos, e a casa, e o futuro! O meu futuro!
    Seria assim que partiria, desesperado, lutando pela vida? Será que saberiam o quão assustado ele estava? Achariam que ele esteve determinado e corajoso até o fim? Isso não é nenhuma coragem, eu deveria... Deveria... Viver.
    Viver. A palavra ecoou dentro e fora do seu corpo. O próprio rio a gritava, viver! Viver! Eu quero viver!
    Os pensamentos se tornaram borrões e os borrões viraram nada, quando a vida lhe deixou o corpo. Um pescador lhe encontrou pálido e inchado três dias depois, a quinze quilômetros da cidade, na margem do Rio Topázio.
    Os olhos ainda estavam abertos, olhando para o nada, e parte dos lábios e uma orelha haviam sido devorados por algum bicho, mas o rosto ainda era... triste.
  • A rebelião das bruxas- Parte III- Final

    O Conselho ratifica o pedido de Morgana: conclamar os guerreiros(as) para uma guerra contra os fazendeiros. Desde a antiguidade, as ordens religiosas, sobretudo as de natureza secreta, como as "Irmãs de Ísis", possuem um treinamento e um preparo para momentos de conflito, inclusive guerra armada. Além da educação tradicional que recebem quando crianças, elas tem instrução militar, de tiros e artes maciais. Todos(as) ali sabem atirar e lutar. Eram, além de frágeis moças dedicadas à agricultura, guerreiras preparadas para a guerra.
       Quase toda fazenda se arma. Quase  todas as irmãs saem decididas a acabar com os fazendeiros da cidade. Muitas saem de carro,  Outras a pé. Em cada casa que passam, deixam a marca de sua ordem: a cruz ansata e um monte de mortos.
       Alguém bate à porta de Morgana. Ela pede que uma de suas ajudantes vá atender o chamado. Ao chegar à porta , a serviçal recebe um tiro na testa. Morgana ouve o disparo. Arma-se e se esconde. A pessoa entra na casa à sua procura.
    - Vamos, Morgana, apareça! não seja covarde!
       Morgana está escondida dentro de sua cama. De lá, observa quem à procura. Reconhece. É um dos tatuados. Um dos pais de seus filhos.
    - Chegou sua hora de morrer. Nós tatuados vamos tomar a fazenda. Já eliminamos o Conselho. E de sua família só restou você. Ela mira seu revólver em seu ex-amante. Ela o acerta na cabeça. Depois a esmaga com os pés. Espia com muito cuidado o lado de fora da casa. Vê tatuados(a) rondando a fazenda.
    - Esses malucos acabaram com a irmandade. Enlouqueceram!
       Ela vai ao seu arsenal de armas, municia uma submetralhadora. Da janela, metralha os cinco tatuados(as) que vê. Decide sair da casa. Veste uma roupa comum e se manda. No portão, bem no topo da cruz, a espiã do Conselho a espera.
    -Aonde pensa que vai,  Morgana?
    - É você, Verônica? como está horrível. Suja e maltrapilha.  Andou ferindo alguém?
    - Sim. Matei muitos fazendeiros e muitas irmãs também. Você será a próxima.
    - Acha que vai ser fácil? desça daí e lute.
    - Lutar? não se faça de idiota. Eu tenho um presente. Uma automática.
       Antes de Verônica sacar sua pistola, Morgana corre para as Oliveiras e se esconde. Ela também carrega uma pistola. Verônica desce do portão. Na descida é alvejada por tiros , mas só um deles a atinge. Seu ombro está ferido. A arma cai no chão. Ela corre para as oliveiras e deixa sua pistola para trás. Sangra muito. Ambas estão em lados opostos da fazenda. Morgana armada, Verônica ferida e desarmada. Vários disparos são dados a esmo nas Oliveiras onde Verônica se esconde. Nenhum a atinge. Ela corre pelo mato e já está próxima do lago, por onde há uma saída. Sabe que os crocodilos podem sentir o cheiro de seu sangue e atacá-la. Mas não existe outro caminho. Se voltar Morgana a mata, se ficar morrerá sangrando ou de alguma infecção. Verônica é astuta, ágil, inteligente e uma guerreira bem treinada. Pega dois bambus e com um deles improvisa uma arma(lança). O outro servirá para um salto cuja altura os crocodilos, caso apareçam, não possam alcançá-la. Ela joga para o meio do lago os membros de uma das irmãs mortas para distrair os crocodilos. Enquanto isso caminha lentamente, sem fazer barulho, à beira do lago cuja margem fica encostada ao muro. Ao passo que anda, o muro diminui de altura, porém se aproxima mais da água. Ela não percebe, mas seu sangue fresco que pinga à beira do lago atrai um crocodilo, que a segue. Antes de saltar o muro, precisa tomar distância, e para isso precisa entrar na água. Com um bambu, ela vistoria a água. O bambu trava. Ela sabe que ali a fera está preparada para o bote. Pensa em algo. Se entrar um pouco mais na água será devorada. Ela resolve colocar em prática umas técnicas que aprendeu: esperar o bote do animal, desviar-se dele e utilizar o corpo do animal para saltar o muro. Ele recolhe o bambu e faz uma posição para atiçar o animal. O crocodilo dá o bote, ela gira o corpo em 360 graus e encosta o bambu na cabeça da fera e salta, mas o crocodilo se ergue e usa seu rabo antes que o corpo de sua presa atravesse a parede. Ele a lança nas águas. E entra nelas. E a perseguição começa. Ela nada rapidamente, mas a fera está prestes a alcançá-la. Ela alcança a borda novamente. E ambos estão na mesma posição de antes. Frente a frente. Verônica não arrisca. Volta para as Oliveiras. Corre freneticamente pela mata, o crocodilo sai da água, mas retorna.
       Morgana está a quilômetros da Fazenda. Aproxima-se de um carro aberto. Ela o examina. No carro,  as chaves estão sobre um dos bancos. É o momento de fugir. Entra no carro, liga  a chave e acelera. Enquanto dirige, alguém suspira com uma voz quase diabólica em seu ouvido ao mesmo tempo em que encosta um revólver em sua cabeça :
    - Olá, Morgana?
       Morgana olha para trás e reconhece o rosto. É a presidente do Conselho.
    - Pensa que vai fugir não é, sua traidora? Volte para a fazenda, irmã, agora!
    - Sua idiota. O que que quer lá? Acabou. Todos morreram.
    - Volte ou estouro seus miolos.
       Chegam à fazenda. Verônica ainda está escondida nas Oliveiras. Ela vê Morgana sendo escoltada com uma arma na cabeça.
    - Presidente, sou eu, a Verônica.
    - Olá Verônica, pensei que estivesse morta.
    - O que vai fazer com ela?
    - Vou sacrificá-la.
    - Por que não atira  na cabeça dela e vamos embora daqui?
    - Perdeu seu espirito ritualístico, irmã Verônica?
    - Irmã, estou muito machucada. Acho que não sobrevivo.
    - Antes que morra, preciso da sua ajuda. Mas pelo que vejo, está muito mal. Vou lá dentro buscar uns anestésicos. Segure-a aqui enquanto pego as seringas e a medicação. Qualquer movimento não hesite. Mate-a. A presidente do Conselho volta com a seringa e os anestésicos. Aplica-os em Verônica.
    - Agora se sente melhor?
    - Sim. Muito aliviada. Obrigada Presidente.
    - O que vai fazer agora? pergunta verônica
    - Acionar a cruz e amarrar essa idiota nela.
    - Vai jogá-la aos Crocodilos?
    - Eles não merecem uma carne tão ruim.
    - E então?
    - Morgana ficará despida na cruz até morrer de inanição. Ficará dias amarrada até morrer. Não há ninguém neste fim de mundo para salvá-la. Vamos, ajude-me.
    - Já está amarrada, presidente
    - Acione a cruz para que ela se eleve o mais alto possível. Depois trave-a e destrua o mecanismo de acionamento para que ninguém a tire daí.
    - Feito, fala verônica com a voz ofegante.
    - Agora queime o barco e vamos embora daqui.
       As duas vão embora de carro enquanto Morgana agoniza de fome e sede na cruz.
    - Para onde vamos, presidente?
    - Santa Catarina. E pare com essa idiotice, garota. Não sou mais presidente. Nossa ordem morreu.
    - Por que vamos para Santa Catarina? Eu achei que sairíamos do país.
    - Há uma irmandade que irá nos acolher. São fazendeiras iguais a nós. Também imigraram da Alemanha no mesmo ano que nossos avós. Lá elas adoram os deuses gregos.
    - É a fazenda das Videiras não é? da irmã Milena.
    - Isso mesmo.
    - Acha que ela vai nos aceitar?
    - Como adeptas da fazenda jamais. Passaremos apenas alguns dias para planejarmos o que faremos e para onde iremos.
       Dr. Wolff está cercado. De um lado o delegado e o inspetor, do outro as tatuadas. Uns sete tatuados(as) fortemente armados atiram na casa sem parar. Os policiais já estão sem munição.
    - O que faremos agora, delegado?
    - Esperar os reforços.
    - O Senhor os chamou?
    - Não
    - E por que acha que virão?
    - Alguém deve ter chamado, diz o delegado!
    - É um pena!!!!!!
       A Polícia Militar chega ao local do confronto junto com o promotor. Alguns tatuados(a) conseguem fugir. Mas cinco são abatidos. O delegado, o inspetor e o Dr. Wolff são leva para o interrogatório e logo são liberados. O médico se manda para Santa Catarina. Tem certeza de que a polícia não tardará a descobrir que ele está por trás da matança. Os policiais conseguem retirar Morgana da Cruz, mas sem antes perderem três homens para os Crocodilos. Ela é detida e presa. Desce imediatamente para o presídio.
       Na estrada, duas tatuadas esperam algum viajante. Uma delas sucumbe aos ferimentos e morre. A outra, bastante ferida, sobrevive. Vê um carro. Acena. O carro para. Um senhor sai dele.
    - Venha, minha jovem, vou ajudá-la. Você era uma das brancas, não era?
    - Sim.
    - Todas morreram?
    - Receio que sim.
    - Nossa fazenda também foi atacada pelos capangas do Dr. Wolff. Estamos indo para Santa Catarina, onde os tios dessa criancinha moram.
    - E qual o nome desse anjo?
    - Raquel. Os pais delas morreram no ataque.
    - Por que os atacaram?
    - Porque na fazenda havia uma plantação de maconha.
    - O senhor poderia me deixar no hospital mais próximo, por favor. Não estou suportando as dores.
    - Chegamos. Pode descer, branca.
    - Obrigado, senhor. Mas antes deixo este presente para esta linda criança. É uma cruz. Que ela a guarde. Vai protegê-la.
    - Até mais branca. Obrigado pelo presente, quado ela crescer, contarei a sua história.
    A tatuada se despede. E sob sol escaldante e a poeira da estrada, o carro some de sua vista.
  • A Ressurreição

    Uma Luz se acendeu
    Quando o menino Jesus nasceu, transformou água em vinho, multiplicou sete pães, Andou sobre as águas Curou enfermos, surdos, Cegos e paralíticos, purificou os leprosos,ressuscitou Lázaro,realizou vários outros milagres.
    Mesmo assim,
    Muitos em ti não acreditavam...
    Por Judas foi traído,e por Pedro três vezes negado.No deserto pelo o inimigo foi tentado Jesus foi crucificado,Seu sangue foi derramado,
    Para salvar os pecadores
    Que de seus milagres muitos duvidaram,
    Deus deu seu único filho
    Para salvar toda humanidade
    Viu na cruz sendo pregado
    Com o coração triste,
    A cada segundo nosso senhor sofria calado.
    mas, para a alegria dos fieis
    Ao terceiro dia, Jesus ressuscitou.
    Com amor e nenhuma magoa a todos Jesus perdoou
    Com sua bondade de braços abertos
    A todo Jesus ampara,
    Mas fecha os olhos para não vê os nossos pecados,
    Sem nenhum arrependimento Jesus esquece todo o nosso passado. Que nesta Páscoa nos lembremos dos ensinamentos de Jesus: PAZ, AMOR, HUMILDADE e RESPEITO AO PRÓXIMO.
    Que o amor de Deus possa chegar a todos os corações, amando uns aos outros como Jesus nos ensinou.
  • A solidão me remete paz.

    Eu posso me acostumar com sua presença, mas eu prefiro ficar só. É meu espaço, e eu não gosto de visitantes. Eu sou tão acostumada com a ausência de pessoas que eu nem sinto falta. Não sinto falta de algo que eu sempre tive, solidão. Não acho a solidão tão ruim quanto todo mundo, eu até gosto. Eu gosto de me ter por inteira e não por partes, precisei ficar só para conseguir me amar e notar que eu só tenho, que eu só posso contar com uma pessoa na minha vida. Eu.
  • Ação e Reação

    Tenho ouvido por ai a lei da ação e reação. Ela é usada em qualquer situação social e vou me ater, somente, no momento de desentendimento num relacionamento a dois, não vem ao caso qual seja o tipo de relacionamento, ampliarei para todas as classes, seja homo, seja heterossexual. Acontece que em momentos de conflitos conhecemos verdadeiramente quem é o nosso parceiro. Não é no sexo, nem no cinema, nem na casa da sua mãe, nem na viagem e no jantar romântico. É aqui (no desentendimento), que poderemos identificar qual é a sua personalidade e acredite: Se você não gostar da ação ou reação do seu parceiro, tome cuidado! Desde da violência física, verbal e consequentemente psíquica até aos atos de suposta traição ou desejo de trair. Acontece que no período de conflito é que demonstramos quem somos de verdade. O quanto de autocontrole e respeito para com o outro temos. Aqui demonstramos o nosso verdadeiro afeto e amor e o mais importante nossa índole. Se somos pacientes, altruístas, fieis, respeitosos e bondosos com o outro. O importante é se relacionar com quem lhe entenda e te aceite nos momentos felizes e saiba te tratar ainda melhor em tempos de conflitos. Mas por favor, saiba identificar e valorizar o comprometimento do próximo, pois você também está sendo analisado.
  • Acefalia aguda

               Muitos adolescentes brasileiros nascidos na primeira década deste século, e outros tantos jovens adultos da década de 90, se portam como verdadeiros doutores em História e Ciência Política. Pseudocríticos baseando suas vagas opiniões em velhos preconceitos, medos sepultados já há muito tempo e memórias deturpadas por pessoas que nem sequer puderam estudar História. Sem fundamentos empíricos e teóricos, não há História.
                Essa História, ciência da reconstrução do passado através dos vestígios deixados pelo homem no tempo e no espaço, é diferente da história, sucessão de eventos humanos em ordem cronológica e assimilável. O infante — geralmente aquele que filava as aulas de humanas, por considerarem-nas muito chatas ou irrelevantes para a formação profissional —, não saberá defini-la, pois não tem formação na área.
                Não saberá dizer também: Como se deu a conjuntura político-econômico de 1964? O que é uma Ditadura Militar? O que é um golpe de Estado? Como o Tenentismo contribuiu para a formação do “Superleviatã”? Qual o papel da extrema-esquerda na radicalização nas alas golpistas? Você já leu os atos adicionais e institucionais promulgadas pelo Executivo centralizador? O que é um político biônico? Etc.
                Você, que provavelmente deixará um ataque nos comentários desse texto e não uma crítica racional, não tem formação na área de História ou qualquer das Ciências Humanas. Não leu nem sequer um livro de História do começo ao fim e não viveu entre 1964 e 1985.
                Você caro leitor(a), provavelmente não viveu num período onde o salário diminuía na mesma proporção em que banqueiros enriqueciam com empréstimos bilionários com dívidas internas e externas. À censura. Uma época onde democracia se resumia a um bipartidarismo forçado onde o governo controlava ambos os partidos, seja com ideologia ou o braço forte da lei. A inflação galopante que elevava o preço dos alimentos. A precarização e privatização do ensino com a Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971. Onde homossexuais não podiam servir ao Exército, considerados doentes mentais. Época em que prisões arbitrárias, sem amparo legal tinham o aval do Estado. Onde assassinos são heróis. Golpistas democratas. Submissos das potências estrangeiras patriotas. Um tempo e que tortura era política pública e terrorismo de Estado ação de legalidade constituinte. Você, é um mero produto desse período.
                Antes que venham as acusações, eu não sou filiado a partido político. Não sou sindicalista. Não milito em quaisquer ONGs. Nem pratico esportes radicais!
                Minha legitimidade para falar de Ditadura Militar? Bem, digamos que sou graduando em História. Tenho mais legitimidade do que você, ou um youtuber, um blogueiro, qualquer influencer ou “personalidade da mídia”. E o melhor de tudo, meu argumento se fundamenta em princípios teóricos e empíricos, de pessoas que estudaram décadas para chegar à conclusão de suas pesquisas, sejam elas quais forem.
                Mais que uma crítica, lanço aqui um desabafo. Eu tenho muita vergonha de pertencer a uma geração que tem como único objetivo viver em alucinado egotismo. Pessoas que tem como única preocupação adquirir curtidas de pessoas tão acéfalas quanto aqueles que postam fotos entupidas de Photoshop. Crianças mimadas carentes de atenção.
                Sinto nojo de uma nação que escolheu candidatos conservadores, que acusam os próximos dos crimes que eles mesmos praticam nas surdinas como os bons hipócritas que o são. De um país que trocou o seu desenvolvimento para ver o seu processo de conquista ruir como um castelo de cartas marcadas. Uma pátria que tem como único objetivo devorar os seus sonhos de seus filhos e filhas. Se incitar o ódio de héteros contra LGBT+, de homens contra mulheres, de jovens contra adultos, de sulistas contra nortistas, de brancos contra negros... de brasileiros contra brasileiros.
    Vou deixar aqui referências o suficiente para aqueles que cultivam a ignorância, amorteça o seu despreparo perante a realidade:
    LEI Nº 4.024, DE 20 DE DEZEMBRO DE 1961
    Disponível em: <https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1960-1969/lei-4024-20-dezembro-1961-353722-publicacaooriginal-1-pl.html>  acesso dia 26/03/2019 às 23:29 Hrs
    LEI Nº 5.692, DE 11 DE AGOSTO DE 1971
    Disponível em: <https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1970-1979/lei-5692-11-agosto-1971-357752-publicacaooriginal-1-pl.html>   acesso dia 26/03/2019 às 23:40 Hrs
    Reforma tornou ensino profissional obrigatório em 1971
    Disponível em: <https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2017/03/03/reforma-do-ensino-medio-fracassou-na-ditadura>    acesso dia 26/03/2019 às 23:48 Hrs
    Os currículos de História e Estudos Sociais nos anos 70: entre a formação dos professores e a atuação na escola
    Disponível em: <http://snh2007.anpuh.org/resources/content/anais/Elaine%20Louren%E7o.pdf > acesso em 26/03/2019 às 00:02 Hrs
    "O desafio de ensinar História durante o regime militar"
    Disponível em: <https://www.gazetadopovo.com.br/educacao/o-desafio-de-ensinar-historia-durante-o-regime-militar-ehc3qh8l0viwed9l42wawrz9q/>  acesso dia 27/03/2019 às 11:25 Hrs
    OS ESTUDOS SOCIAIS E A REFORMA DE ENSINO DE 1º E 2º GRAUS: A “DOUTRINA DO NÚCLEO COMUM”
    Disponível em: <http://www.snh2015.anpuh.org/resources/anais/39/1439700335_ARQUIVO_OSESTUDOSSOCIAISEAREFORMADEENSINODE1E2GRAUS.pdf> acesso dia 27/03/2019 às 11:43 Hrs
    Disponível em: <http://portal.inep.gov.br/documents/186968/485895/Estudos+sociais+no+1%C2%BA+grau/4e96a598-50ec-491d-ab72-4ce2c50a9f3d?version=1.3> acesso dia 27/03/2019 às 12:00 Hrs
    Decreto nº 66.600, de 20 de Maio de 1970
    Disponível em: <https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1970-1979/decreto-66600-20-maio-1970-408046-publicacaooriginal-1-pe.html> acesso dia 27/03/2019 às 12:07 Hrs
    ARNS, Dom Paulo Evaristo. Brasil: nunca mais. Petrópolis, RJ: Vozes, 1985.
    BANDEIRA, Moniz. O governo João Goulart e as lutas sociais no Brasil (1961-1964). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1983.
    BRITO, Maurício. Capítulos de uma história do movimento estudantil na UFBA (1964- 1969). Salvador: EDUFBA, 2016.
    CARDOSO, Lucileide Costa. Criações da memória: defensores e críticos da ditadura (1964-1985). Cruz das Almas-BA: UFRB. 2012.
    DANTAS NETO, Paulo Fábio. Tradição, autocracia e carisma: a politica de Antonio Carlos Magalhães na modernização da Bahia (1954-1974). Belo Horizonte; Rio de Janeiro: Ed. UFMG; IUPERJ, 2006.
    DREIFUSS, René Armand. 1964: a conquista do estado, ação política, poder e golpe de classe. Petrópolis-RJ: Vozes, 1987.
    FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucilia de Almeida Neves (org.). O Brasil republicano: volume 4: o tempo da ditadura: regime militar e movimentos sociais em fins do século XX. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.
    _____; REIS, Daniel Aarão (org.). Nacionalismo e reformismo radical (1945-1964). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007. (As Esquerdas no Brasil, v. 2).
    _____; GOMES, Angela de Castro (org.). 1964: o golpe que derrubou um presidente, pôs fim ao regime democrático e instituiu a ditadura no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.
    FICO, Carlos. Além do golpe: versões e controvérsias sobre 1964 e a ditadura militar. Rio de Janeiro: Record, 2004.
    _____. Versões e controvérsias sobre 1964 e a ditadura militar. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 24, no. 47, p. 29-60, 2004. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbh/v24n47/a03v2447.pdf>. Acesso em: 13 mar. 2019.
    _____. O golpe de 1964. Rio de Janeiro: Ed. Fundação Getúlio Vargas, 2014.
    _____. Ditadura militar brasileira: aproximações teóricas e historiográficas. Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 9, n. 20, p. 05 ‐ 74. jan./abr. 2017. Disponível: <http://revistas.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180309202017005>. Acesso em: 13 mar. 2019.
    FIGUEIREDO, Argelina Cheibub. Democracia ou Reformas? Alternativas democráticas à crise política: 1961-1964. São Paulo: Paz e Terra, 1993.
    GASPARI, Elio. A ditadura escancarada. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.
    JOSÉ, Emiliano; MIRANDA, Oldack. Lamarca: o capitão da guerrilha. São Paulo: Global, 2004.
    LEME, Caroline Gomes. Ditadura em imagem e som: trinta anos de produções cinematográficas sobre o regime militar brasileiro. São Paulo: Ed. UNESP, 2013.
    LIMA, Thiago Machado de. Pelas ruas da cidade: o golpe de 1964 e o cotidiano de Salvador. Curitiba: CRV, 2018.
    MENDONÇA, Sônia Regina de; FONTES, Virgínia Maria. História do Brasil recente: 1964- 1992. São Paulo: Ática, 1994.
    MOTTA, Rodrigo Patto Sá. As universidades e o regime militar: cultura política brasileira e modernização autoritária. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.
    NAPOLITANO, Marcos. O regime militar brasileiro: 1964-1985. São Paulo: Atual, 1998.
    _____. O golpe de 1964 e o regime militar brasileiro. Revista Contemporánea: história y problemas del siglo viente. Montevideo, v. 2, p. 209-218, 2011. Disponível em: <http://www.geipar.udelar.edu.uy/wp-content/uploads/2012/07/Napolitano.pdf>. acesso em: 13 mar. 2019.
    _____. 1964: História do regime militar brasileiro. São Paulo: Contexto, 2014.
    PAES, Maria Helena Simões. A década de 60: rebeldia, contestação e repressão política. São Paulo: Ática, 2001.
    REIS FILHO, Daniel. Ditadura militar, esquerdas e sociedade. São Paulo: Jorge Zahar: 2000, p. 33-73.
    _____. Ditadura e democracia no Brasil. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.
  • Adeus

    Vocês foram para lutar, jogar e nos trazer um título. Meninos com uma alegria só. Todos brincando felizes ao subir naquele avião, um time humilde mais de grande valia, brincavam e sorriam na certeza de uma vitória, para contar a história de seu verdadeiro valor, mas o destino mais uma vez cumpriu o seu dever, calando a voz de jogadores e repórteres tão jovens, que foram chamados aos braços do pai, deixando corações enlutados, famílias e amigos que choram a sua partida. E eles voltaram como heróis, corpos inertes, frios e sem vida, mas com a certeza que suas mortes não foram em vão e que a vida continua, pois assim eles gostariam que fosse, que não desistissem, pois a vida é apenas uma passagem rápida. Força Chapecoense, sejam fortes e continuem, pois é isso que seus filhos iam querer.
        Não chorem, não se desesperem pois estaremos como estrelas brilhando no céu a iluminar Chapecó, SC.  Saímos da vida para entrar para a história. Adeus.
  • Alguém

    Ai você para pra pensar e olhar pro lado
    E descobre que, quem você queria que estivesse do seu lado, na verdade... Já foi embora... Descobre que as lembranças que você alimentava e a saudade que se alimentava das suas lembranças estão agora se alimentando de você
    Os únicos pensamentos que lhe vem a cabeça são os melhores e os piores dependendo de como se olha... Mas você não quer nenhum deles...
    Não quer esquecer e tentar ser feliz sem aquele alguém... Não quer morrer e tentar ser feliz sem você mesmo...
    A única coisa que parece realmente ser o que você quer... É aquele alguém.
  • Alma Perdida

    Ela era uma prostituta. Mas não era uma prostituta qualquer, nela havia algo especial. Cercada de tristeza e dor, seu corpo possuía tons curiosos.
    Carmen, filha de João e Maria, cresceu ouvindo que o mundo era vazio, um lugar sem esperança. Quando criança, tentava de todas as formas agradar os pais que trabalhavam dia e noite para poder colocar o pão na mesa, chegavam cansados e só verificavam se Carmen estava viva, não prestando atenção acima da mesa: ‘’Papai,Mamãe. Eu não sei muito sobre vocês, contudo isso é uma das consequências da vida que fomos destinados a ter, porém amo vocês do mesmo jeito que qualquer outra filha amaria.”
    Aos 16 anos, os pais de Carmen morreram e a adolescente foi morar com o único parente que tinha, seu tio. Era uma casa fria, sem cor. Todas as noites, ela chorava baixinho, no canto do quarto, implorando para sentir alguma coisa: felicidade, tristeza, raiva... Algo que mostrasse que ela ainda estava viva e não somente sobrevivendo. Seu tio, uma pessoa amarga, chegava bêbado em casa todos os dias e, naquela noite, ele escutou um murmúrio vindo do quarto. Alguém chorava. Uma alma perdida pedindo socorro. ‘’Eu vou te dar um motivo para sentir algo.’’, disse, puxando a cinta e espancando a jovem Carmen.
    E naquela madrugada, ela de fato sentiu algo: repulsa. De si mesma. Olhava para os hematomas e as lágrimas não faziam seu caminho pela bochecha mais, era uma dor mais profunda. Julgou que a melhor forma de acabar com aquilo era fugir e assim fez, saindo sem rumo. Vagou pelas ruas, somente o tempo conseguiria cura-lá.
    Passaram- se anos, Carmen se encontrava no banheiro do posto, enquanto passava o batom tão vermelho quanto seu próprio sangue, um sorriso falho no canto dos lábios. No relógio marcava 00:00, deu um passo para o lado de fora, sentindo o vento frio contra sua pele pálida. Mais uma noite de trabalho.
    Uma mulher diferente de todas as outras, parada no ponto, vendendo aquilo que sempre desejou ter, o puro amor.
  • Amantes do Caos

    Seu sorriso era encantador: roxo.
    Sua beleza fantasmagórica: maltrapilha os cabelos negros presos por um coque.
    Eu me encantei e confesso, foi amor à primeira vista. E ainda confesso, eu a beijei com meus lábios de sangue.
    Imediatamente eu a cativei pra mim e, numa tarde de tempestade, o céu negro cheio de relâmpagos e trovões, nós dançamos.
    A cama era uma elegância no meu mausoléu digno dela. E fomos então no meio de velas e assombrações.
    Nós amamos e nos confundimos com fogo e frio; com reclusão e dinastia; com amor e ratos. Mas... Silêncio.
    A lua branca chegou e murmurou: "bem vindos a minha loucura e o meu inferno".
    E voamos para encontrarmos os anjos de Apocalipse.
  • Amigo Estresse

    Olá, vossa majestade!
    Não chegaste muito cedo?
    Não irá embora tão tarde?
    Tuas visitas, outrora,
    trouxeram caos.
    Porém elas são o que sou
    verdadeiramente.
    Sempre quando tu vem,
    conheço-me gradualmente.
    Minhas artérias entram em euforia,
    a respiração fica ofegante.
    Se tu és uma característica marcante,
    não podia ser de alegria?
    Queria que meu coração pulsasse
    somente por nostalgia,
    não taquicardia.
    Estou desenvolvendo arritmia?
    E essas doenças um dia me mataria?
    Tu vens em tempestade,
    mudando o azul de cor.
    Vou em silêncio, tentando trocar
    o ódio por amor.
    Tu és amigo, ou inimigo?
    Queres brincar, ou acabar comigo?
    Tua cor e teus olhos, teu jeito
    sei de có.
    Se gosta de mim, não me faça
    destruir tudo ao redor.
    Preocupante, eu diria...
    Queria expulsá-lo, mas tu vem
    escondido dia após dia.
    Pela manhã, tarde, noite
    ou pela madru.
    Afinal, quem és tu, querido amigo?
    Quem és tu?
    Te chamam de "Pecado da Ira"
    e "Mandamento do Amor".
    Se tem mais personalidades,
    sejam bem vindas, por favor!
    Transforma-as em peças de xadrez...
    Mas não me abrasse hoje,
    só por uma vez!
    Quero tranquilidade, a calmaria.
    Sem almejar algo para arremessar,
    ou a ira despertar.
    Amigo estresse, por um dia,
    não vem me visitar!
  • Amor e Morte - Cap. 2

    Amor e Morte - Cap. 2
    Anteriormente: Jacqueline e Juliano se conhecem. Clarisse e Gilberto se encontram numa feira. Confira os destaques de hoje.
    Juliano e Jacqueline marcam um encontro. Em casa, Carlos sai para ir ao supermercado e Jacqueline Clarisse, como estão a sós, conversam.
       Não sabe o que eu tenho que te contar - Diz Jacqueline e Clarisse ao mesmo tempo.
       Jacqueline: O que é?
       Clarisse: Primeiro eu; Eu conheci um homem; Gostoso e lindo!;
       Jacqueline: Mentira? Sério? Hoje eu conheci um rapaz na faculdade; O nome dele é.... Juliano; Lindo e gostoso!;
       Clarisse: E ai?
       Jacqueline: A gente marcou um encontro!
       Clarisse: O nome do meu eu não sei; Mas ele é lindo, ele é!;
       Jacqueline: Hum....
    Juliano discute com sua mãe, Maria. Mas Eugênio o defende.
       Maria: Esse muleque só sabe namorar! Ele fica com uma, depois outra! Foca nos estudos!
       Eugênio: Deixa ele. O importante é ele estudar!
       Maria: EUGÊNIO!
       Eugênio: MARIA!
    Gilberto chega na sua casa. Carolina está sentada no sofá chorando.
       Gilberto: Carol... O que houve?
       Carolina: Nossa briga de hoje! Estou triste!
       Gilberto: Calma! Vai se deitar! Relaxa!
    Gilberto leva a esposa para o quarto. Lá essa se deita e dorme.
    Dia seguinte. Gilberto vai até a feira comprar verduras. Clarisse vai todas as manhãs para comprar legumes e verduras. Gilberto com a esperança de encontra-la, caminha pela feira. Compra as verduras e vê... de novo Clarisse passeando. Eles se olham levemente. Gilberto vai até a barraca onde ela está e dá um "Oi!". Eles se olham. Clarisse anda e Gilberto a chama.
       Gilberto: Olá!
       Clarisse: Tudo bem?
       Gilberto: Te vejo todos os dias passear...
       Clarisse: Eu não passeio... Eu venho comprar verduras; legumes;
       Gilberto: O fato é que, eu te vejo. Você é linda. Mais que demais.
       Clarisse: Ai obrigada!
       Gilberto: Olha... Esse é o meu número...
       Clarisse: Rsrsrsrs
       Gilberto: O que foi?
       Clarisse: O que você quer?
       Gilberto: Te conhecer...
       Clarisse: Tem uma caneta?
       Gilberto: Sim. Tenho.
       Clarisse: Esse é o meu número! E tome seu cartão! Está com o meu número!
       Gilberto: Rsrsr você é doce!
       Clarisse: Obrigada!
    Gilberto e Clarisse continuam se falando. Eles se dirigem até o banco da praça ao lado e batem muito papo! Clarisse chega em casa e Carlos pergunta:
       Carlos: Posso saber por que demorou?
       Clarisse: Estava conversando com a dona Regina, lá banca dela. Muito doce ela né?
       Carlos: Ah sim.
    Dias se passam e Clarisse e Gilberto estão intimos, um do outro. Falam sobre a vida amorosa de cada. Se amam, por dentro. Mas por fora, nenhum diz sobre os seus sentimentos. Eles marcam de se encontrar no dia seguinte. Dia seguinte: Carlos, na tarde do dia, diz para Clarisse que fazer "bicos" de mecânico, com seu amigo José. Ela aceita e claro! É a oportunidade que a vida lhe deu para se encontrar com Gilberto. Ela se arruma toda, sente-se plena.
    Continua... E no próximo capitulo. Gilberto é assasinado.
  • Ando lendo muitos livros ultimamente

    Uma árvore pega fogo
    E
    Dois párias se matam em um bar enquanto eu leio um livro
    Nada acontece pelas próximas duas páginas
    Mesmo assim me convenço que não é a aposta que torna a vida suportável
    Um gato é atropelado
    E vento solar atinge o polo norte criando uma aurora boreal
    Nada acontece na próxima página
    Mudo a posição das pernas, é tudo que eu faço
    Agora estão esticadas


    As pessoas caminham e tentam não pisar nas minhas pernas
    Enquanto isso uma mãe golfinho dá à luz pela primeira vez
    E algum artista cria uma música lendária que nunca será gravada
    Estamos perto de descobrir quem é o assassino
    Viro mais uma página
    O sinal bate
    Mais uma geleira se parte formando um iceberg
    O livro acaba
    Olho para o teto e penso
    Que seres ridículos nós somos
    Um velho morre na Pensilvânia
    Fecho os olhos e seguro um grito de agonia.
     
  • Ao amado

    Queria me encontrar nos braços do meu amado.
    Me embriagar com o cheiro do teu perfume amadeirado,
    Sentir o teu corpo,
    Me esquentando e protegendo do frio.
    Proporcionando ao meu corpo sensações de amor,
    Que nenhum encontro qualquer consegue causar.
    Ter o teu afeto junto aos teus beijos firmes em minha pele,
    Até chegar em minha boca.
    E em minha cama,
    Num ritmo frenético até que ambos alcance o gozo.
    E ainda aos beijos deitados lado a lado,
    trocando carinho e amor por quem se respeita.
    O quarto calmo, a meia luz,
    E eu adormecendo em seu peito,
    Enquanto sua mão toca com carinho meu cabelo cacheado,
    E sua boca sussurando que me ama

    Queria me encontrar nos braços do meu amado,
    Mas ele prefere não ser amado por mim.
    E acabo me embriagando com outros cheiros, sentindo outros beijos,
    Preenchendo de forma superficial o vazio que ele deixou em mim.
  • Apenas Um Garoto

    Em 1994, numa cidade do interior de São Paulo, nasceu um pequeno garoto. Coitado… Desde pequeno já vivia à sombra do tormento que seria sua vida. Logo ao ganhar parte nesse mundo já virara um problema. Seus pais, jovens, 19 anos, o tiveram contra sua vontade, deixaram suas vidas e sonhos de lado por causa dele. O tempo passou, e assim como o tempo, a inocência do garoto foi embora. Com apenas 5 anos ele já sabia que não merecia viver. Já escutava ocasionalmente seus pais brigando e reclamando dele, chamando-o de problema, dizendo que deveria ter sido abortado, mas o garoto nunca abriu a boca pra falar sobre o que escutara em casa. O tempo continuou passando, ele agora tinha 11 anos, e continuava pensando que não merecia viver. Esse garoto, mesmo com todo esse sofrimento, sempre foi muito bom em disfarçar. Ninguém imaginava o que se passava na cabeça dessa criança. Medos, desilusões, depressão, tristeza, amargura. Tudo isso era dele, e apenas dele, pois nem amigos o mesmo tinha capacidade de ter. Um dia ele conheceu um outro garoto, aparentemente feliz. Ele tentou evitar esse garoto, mas não conseguiu, e de alguma forma ganhou seu primeiro amigo nesse momento. O tempo, maldito tempo, continuou passando e apenas estragando o protagonista dessa história. Esse amigo que ele conheceu, seu único amigo, faleceu aos 17 anos. Durante 6 anos esse garoto sentia que merecia viver, sentia que tinha alguém que se importava, mas esse alguém foi removido brutalmente de sua vida. Desse dia em diante o garoto concluiu “Não tenho direito de viver. Não tenho o direito de ter um laço de amizade sequer.” e passou a evitar tudo e todos. Ele viveu sozinho por alguns anos, teve algumas novas amizades e namoro, mas todos, sem exceção, foram decepções. 2015 chegou. Faculdade, carro, dinheiro. A vida desse garoto começou a mudar. Ele novamente fez laços de amizades e está namorando há quatro meses. Esse garoto já está estragando seu namoro, já está se calejando para caso tudo venha a ocorrer de novo e ele seja jogado sozinho na vida, como merece ser jogado. Alguém, por favor, ajude esse garoto. Alguém, por favor, me ajude…

Autores.com.br
Curitiba - PR
Fone: (41) 3342-5554
WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222