person_outline



search

Aventura

  • O demônio da cachoeira

    Japão. Era Edo, 1605.
     
    OS CASCOS DOS CAVALOS afundavam na areia molhada pelo orvalho da manhã. As árvores floridas exalavam aromas primaveris. O Sol mostrava o seu rosto carmesim por trás das montanhas, com um brilho tímido, mas caloroso. O vento assobiava uma canção e os pássaros acompanhavam a melodia. Os dois ginetes cavalgavam num tropel preguiçoso. Sugizo Uehara ia à frente de Makoto Ohkata.
        O rosto de Makoto aparentava um tanto de desânimo e outro de desapontamento. Das tarefas de um samurai, o que ele mais detestava era o treinamento, seu sempai e também sensei, Sugizo, ficava horrorizado com tanto desrespeito aos ensinamentos do bushido. O código de honra dos samurais estava edificado em sete pilares, são eles: Honra, Lealdade, Coragem, Justiça, Benevolência, Educação, e Sinceridade.
        O samurai com o seu treinamento, não busca apenas fortalecer-se para batalhas, mas buscar com isso a evolução, negar o treino é se negar a evoluir, desrespeitando não um pilar, mas todos eles.
        Embora os samurais fossem disciplinados de maneira rigorosa, alguns como Makoto não compreendiam o papel do guerreiro, este não consistia apenas em matar ou morrer, mas sim trazer outra impressão do mundo. Muitos além da arte do kenjutsu se dedicavam a filosofia, as artes, e a ciência.
        Talvez o jovem ainda carregasse os traumas da Batalha de Sekigahara.
         Foi nessa batalha que Makoto ficou órfão. Sugizo fizera uma promessa ao seu pai, Jinkoto Ohkata, melhor amigo e companheiro de batalhas, ele faria de Makoto um grande samurai. Tarefa que infelizmente o jovem dificultava.
        Quando o mesmo foi chamado por Sugizo a uma viagem, suas birras de adolescentes começaram. Certa vez questionou se aquele garoto realmente era filho de um samurai, nunca poderá provar o seu valor numa verdadeira batalha. Desde 1603, reinava a paz no Japão. Em Sekigahara ele não tinha nem ao menos doze anos, a idade mínima para participar das guerras.
        Mesmo a contragosto, seguiu rumo às estradas do Norte junto a seu sensei.
        Agora essa mesma estrada se bifurcava. E Sugizo esboçou um sorriso. O discípulo passou a bufar mais intensamente.
        — Você faz mais barulho que os cavalos — falou Sugizo irritado.
        — Desculpe! — Ele fez uma pausa forçada. — Sinceramente diga-me Sugizo-sempai, o que fazemos aqui nesse fim de mundo, Edo é tão ruim assim para o senhor? Havia um ótimo kyogen para eu ir hoje à noite com uma bela moça...
        — Você acha que a vida se resume as recompensas não é? — O cavalo de Makoto estacou. — Mas primeiro vem às responsabilidades, você é samurai! — A entonação da palavra foi alta e grave. — E você faz isso parecer bem ruim. A palavra samurai não é pra ser usada levianamente para se exibir para mulheres. Não sabe o significado e esqueceu seus ancestrais, se o seu pai o visse teria vergonha.
        — Não pedi para ser um samurai, não me venha com essa de destino. — Pela primeira vez ele gritava com o mestre. — Eu sei o significado, o samurai é uma títere numa apresentação de ningyô joruri. Os senhores feudais são os hábeis titereiros.
        Dessa vez o cavalo de seu mestre parou. O giro foi suave, mas assombrosamente agressivo. Um arrepio subiu as costas de Makoto como uma aranha. Nem o vento, nem os pássaros, tudo fez silêncio quando a palma de Sugizo estalou no rosto de seu aluno. Sua face estava neutra. Quando ele pôs as mãos nas rédeas, a bochecha do garoto se inundou de lágrimas.
        — Você não é o meu pai! — Metade do rosto dele estava rubro do tapa.
        — É verdade Makoto-kun, não sou o seu pai, mas sou seu sempai e sensei, e mereço o mesmo respeito. — O jovem abaixou a cabeça ao ouvir isso. — Fiz uma promessa ao seu pai, e não importa o quão mimado você seja. Vou cumpri-lá. Tão importante quanto respeitar o bushido para mim, é respeitar uma promessa.
        Sugizo pôs marcha ao seu cavalo. Não chamou o aluno que remoia os pensamentos. Por um momento, de certo inesperado, uma palavra ecoou espantando alguns pássaros na copa de uma árvore frondosa.
        — Desculpe sensei!
        — Nesse passo só chegaremos lá perto do almoço — sorriu Sugizo.
        Para Makoto as desculpas tinham sido aceitas. Bateu nos flancos do seu cavalo e emparelhou com o do samurai. Finalmente adentraram na estrada à esquerda. Agora o terreno mudara, lama e pedregulhos deixavam o terreno mais rústico.
        Cavalgaram por mais um tempo até chegarem a um portal de entrada que exibia “Vila da Prata” a poucos metros de distância.
         Makoto esperava encontrar qualquer coisa menos uma vila de mineradores naquele “fim de mundo”, como se referia a lugares que não tivessem bairros planejados, ruas com dezesseis metros de largura, barraquinhas de comida, teatros e locadoras de livros.
        Sentia saudade de Edo como nunca antes havia sentido.
        — Era aqui nessa vila que eu e seu pai treinávamos debaixo de uma cachoeira — a nostalgia inundou sua voz.
        Makoto não se empolgou com a animação na voz de Sugizo. Não queria nem saber como eles encontraram esse lugar. O que interessava a seu mestre na verdade, não estava nas montanhas de prata, hoje aposentadas de suas funções, mas numa cachoeira com boa queda d’água. Um samurai treinava e se aperfeiçoava durante toda sua vida.
        Sugizo tinha agora 26 anos e já enfrentara muitas batalhas para garantir o xogunato Tokugawa, Seu pai serviu a Michiru Gotoku, e este sempre estivera do lado de Leyasu Tokugawa. Seu pai Sugawara, dizia que só um homem como Leyasu podia trazer paz ao Japão, e afastar a maldita influência estrangeira. Seu pai não viveu para ver isso, nem Sugizo e Makoto acompanhariam os quase 260 anos de ordem civil e unidade nipônica de acordo seus valores e cultura. Mas com os progressos alcançados em apenas dois anos! Já podiam se sentir satisfeito.
        A prata agora ficou no passado. A vida numa cidade é muito tempolábil. Na Era Sengoku, um general chamado Oda Nobunaga aspirava ao xogunato, equipou o seu exército com muitos arcabuzes com a extração da Vila da Prata. Como o local era pouco acessível na época e ficava a alguns quilômetros de Iga e Koga, terras dominadas por ninjas, o xogum Yoshiteru Ashikaga não conheceu o local.
        Um dos generais de Nobunaga, Leyasu, teve acesso a um documento após a morte de Nobunaga. As minas já haviam deixado de produzir, mas a pequena vila continuou a existir, pois além da mineração existia plantação de arroz, havia áreas alagadas favoráveis ao plantio. O lugar mais provável para o estabelecimento do acordo tácito entre ele e o famoso ninja Hattori Hanzo. A vila foi mantida sob proteção de Tokugawa. Afinal, numa guerra, víveres são tão importantes quanto às armas. O nome da vila não mudou. Apenas samurais destacados para proteger o local a conheciam.
        Os comerciantes levavam suas sacas de arroz e tomavam um desvio que dava em Tokaido, a estrada mais importante da época. A mesma estrada pela qual samurai e discípulo vieram.
        Sugizo e Jinkoto foram destacados uma vez, muito a contragosto permanecerem na vila por três meses. Mas com o treinamento na cachoeira, tinha no fim das contas, valido à pena.
        A estrada se abaulava, rodeando um enorme campo de arroz. Um número muito grande de pessoas trabalhava incessantemente. Dispostos do lado direito dela e no fundo, via-se a criação de alguns animais. A esquerda, em primeiro plano ficava a vila propriamente dita. Saindo de trás dela havia uma trilha que serpenteava pelas montanhas.
        O que mais impressionava Makoto não eram os campos de arroz, mas a expressão dos agricultores quando os viam passar em seu trote lento. Por um momento achou que seu rosto ainda continuava vermelho. Muitos paravam o que estavam fazendo e olhavam de esguelha, outro, já ancião, trazia na face um sorriso de esperança, e logo se viu puxado por uma jovem, numa atitude de “não olhe pra eles”.
        — Estão com medo de nós, Sugizo-sempai — falou baixinho.
        — Já percebi.
        Continuaram assim até o meio da vila. As construções eram simples. Todas elas estavam fechadas. Havia uma fogueira de forja e bois atrelados a carroças de capim.
        — O que esta acontecendo aqui?
        — Fique em guarda Makoto-kun, pode ser uma emboscada.
        Ambos desceram dos cavalos. Bateram nos flancos das montarias que tomaram posição a alguns metros a frente, caso fosse necessário fugir, bastava um sinal e eles viriam.
        — Por que uma vila como esta temeria samurais? A não ser que eles não esperassem samurais. Não estamos mais em guerra!
        O desembainhar das katanas fizeram um som de raspagem metálica. A base dos soldados tinha dois andares, largura e comprimento ímpar, comparado com as outras construções. Sugizo por larga experiência sabia que pessoas se escondiam ali. Fosse amigo ou inimigo, ele sairia do edifício de dois andares. Se fossem atacar como esperava que acontecesse, não estavam organizados. Cabeças espreitavam vez ou outra pelas janelas. Pedidos de silêncio e discussões eram ouvidos.
        As portas se abriram e os samurais brandiram suas espadas esperando o inimigo. Makoto se decepcionou, e Sugizo ficou aliviado. Um homem portava uma marreta, e outro uma foice. Um ferreiro e um agricultor. Dezenas de crianças e jovens ficaram atrás com olhares curiosos.
        — Vá com calma Yune-san — disse o homem alto com a marreta nas mãos.
        — Katayama-san, ronins não usam cavalos! — disse  o outro guardando a foice.
        Sugizo verificou que tanto Yune e Katayama pareciam bons homens. Não representavam perigo. Na verdade, eles é que sentiam medo. Ambos tinham bom porte físico, e se não usassem vestimentas tão simples e puídas, poderiam ser até samurais, no mínimo ronins. A vila sabendo da chegada de forasteiros pediu aos dois que cuidassem das crianças. O que eles não previram foi à agitação dos pequenos.
        — Pedimos desculpas, achávamos que eram malfeitores — disseram ambos, fazendo uma exagerada saudação.
        — Não há o que se desculpar. — E Sugizo fez o mesmo, num movimento mais leve. Makoto não entendeu nada. Fez a saudação pela força dos braços de Sugizo. Depois todos se ergueram. — Por que esperavam malfeitores e não samurais? Há bandidos nessa região? Por favor, estou curioso agora.
        Os dois homens se olharam por um tempo. Depois chamaram um garoto com o nariz escorrendo e de peito nu, cochicharam no seu ouvido. Ele saiu em disparada rumo ao campo de arroz. As crianças começaram a sair. Olhavam os dois forasteiros que portavam armas. Sugizo embainhou a sua e lançou um olhar a Makoto para que este fizesse o mesmo. Ele ainda lançou um olhar de dúvida, depois vendo a expressão inflexível de seu sempai, simplesmente depositou sua katana na bainha e esperou algo acontecer.
        Olhou para os céus cheio de nuvens brancas, logo quando o menino voltasse, seriam formalmente apresentados e recepcionados. Comeria um gohan com peixe assado. Os samurais tiveram que esperar pacientemente a chegada dos moradores. Em sua maioria de idosos e mulheres.
        O ancião da vila liderava a marcha. Sugizo o reconheceu, logo quando seu chapéu de palha foi levantado, o homem que sorrira para eles enquanto passavam pela estrada.
        — Os deuses escutaram nossas orações. — O povo atrás dele empunhava suas ferramentas de trabalho com ar de grave autodefesa. — Samurais adentram a Vila da Prata. — Nesse momento todos pararam e fizeram uma saudação em tom respeitoso. Ergueram-se. — Até que enfim Edo mandou samurais para nos ajudar.
        — Ajudar como? — Makoto fez-se de surpreso, Sugizo achou a pergunta ingênua.
        — Falaremos disso. Mas antes, vamos almoçar, devem estar cansados de sua viagem. Comerão na nossa casa. É humilde, mas serão bem recebidos pela minha esposa e a minha filha.
        A mulher saiu de trás do ancião. A mesma jovem que fez com que ele não olhasse para eles. Era bonita, a pele suada, os cabelos embora crespos, tinham certo brilho. O jovem samurai achou-a meiga.
        Quando a jovem olhou para Makoto, ela disparou um sorriso tímido, mas faltavam os dois dentes da frente. O jovem conteve seu espanto por educação, mas se ela sorrisse assim de novo, não aguentaria o riso.
        — Katayama-san, Yune-san, vocês estão dispensados, nós agradecemos.
        — Não a o que agradecer — disse Yune humildemente.
        — Fizemos o que qualquer um faria — completou Katayama.
        O ancião então falou a comunidade. Sua voz rouca se fez ouvir de modo respeitoso. Algumas pessoas cumprimentaram mais de perto os samurais. Depois Sugizo e Makoto se encaminharam para a residência do ancião. A vila foi construída de modo muito simples. Uma longa rua, outra rua encruzilhada ficava bem no meio da vila. Dando-lhe uma configuração cruciforme.
        A porta da frente se abriu. No meio da casa, uma senhora tão idosa quanto o homem que os convidou, abanava o fogo onde um peixe crepitava. O cheiro de arroz cozido se elevou no ar. Retiraram os calçados e entraram. A mulher ao ver as espadas ficou um tanto receosa. Mas por um instante ponderou que se o marido e sua filha acompanhavam os dois homens, é por que não representavam risco.
        Então ela fez uma reverência e continuou os seus afazeres. A filha trouxe uma manta e tigelas rústicas de argila com hashis. Não sem antes varrer o cômodo. Makoto ficou impressionado como pessoas tão humildes eram tão corteses. Veio-lhe um sentimento amargo a boca. Como foi criado com todos os mimos, nunca se importou com nada nem ninguém, a não ser consigo mesmo, sentiu o que podemos chamar de vergonha.
        — Por favor, comam da nossa comida, comam até ficar satisfeitos.
        Grande parte do peixe e do arroz foi dada aos samurais. Makoto olhou sua tigela e comparou sua porção exagerada com a dos anfitriões, havia muito pouco nas suas tigelas. Makoto lançou um olhar para seu sempai, como se dissesse “Não posso comer, estou tirando da boca deles, eles não tem muito!”, ao que o olhar de Sugizo respondia “Iremos comer por esse motivo, eles nos alimentam com o pouco que possuem”. O jovem samurai não pôde aguentar as lágrimas que pingaram no arroz.
        — Esta chorando! O desagradamos em algo jovem samurai? — perguntou à anciã com doçura maternal na voz.
        — Não senhora. É que vocês lembraram a minha família — ele enxugou as lágrimas com as costas das mãos.
        Todos acreditaram, exceto Sugizo que conhecia bem seu discípulo. Pela primeira vez o rapaz despertava para a realidade nua e crua da vida.
        O que ele esperava de verdade é que após o treinamento na vila, Makoto-san ascendesse seu espírito samurai. Mesmo que não viesse a lutar, mas que entendesse as responsabilidades de um homem. Durante todo o almoço não houve nenhuma palavra. Quando as tigelas se esvaziaram, as duas mulheres se ocuparam em lavar os utensílios. E na sala só ficaram os três homens. O ancião se apresentou como Gotei.
        Seu rosto estava ressecado de Sol, a pele flácida e a barriga saliente mostravam como os anos tinham sido pouco generosos com o lavrador. Sua esposa trouxe um pouco de saquê. Uma pequena garrafa, usada apenas em ocasiões muito especiais como a que a família usufruía no momento, afinal a Vila da Prata não era uma rota comercial. Mas antes que Gotei iniciasse ambos se apresentaram.
        — Gostaria de nos apresentar formalmente. Meu nome é Sugizo Uehara, filho de Sugawara Uehara. E este é Makoto Ohkata, filho se Jinkoto Ohkata. Sou seu sensei, e seu pai e eu éramos grandes amigos. Um grande samurai, valoroso na batalha de Sekigahara. Jinkoto e eu estivemos aqui quando Leyasu Tokugawa tomava posição na guerra e treinamos debaixo da cachoeira.
        — Oh! Agora que disse Sugizo-san, lembro de uma época em que dois jovens samurais ficaram várias semanas treinando pros lados da cachoeira. Mas nos últimos quatro meses, ninguém vai lá sem permissão...
        Gotei tinha a voz rouca. Mas seu discurso para alguém analfabeto foi trazido de maneira clara e objetiva.
        — Não sei dizer como foi terrível esses quatro meses. Nem mesmo as guerras tiraram nossa paz, mas agora, não posso mais dizer que aqui é um bom lugar para se viver.
        “Exatamente há quatro meses, um forasteiro vestindo numa capa atravessou nosso campo de arroz sem afundar na lama. Parecia flutuar. Ele apareceu do nada, sem que ninguém o notasse! Então ele disse numa voz que parecia um trovão: ‘Cidadãos da Vila da Prata. Meus maiores e mais sinceros cumprimentos. Venho com uma maravilhosa mensagem, quero instruir-lhes um novo culto ao deus da cachoeira. Na verdade, eis que sou vosso sacerdote. Vinde a mim. Esse é o único e verdadeiro Deus. O DEUS ARASHIRA! ’ Todos olharam com medo e admiração.
        “Alguns duvidaram, estávamos lá a quase uma centena de anos e nunca se viu nada divino na vila. Um homem questionou de modo brincalhão porque subiu as montanhas e não viu deus algum, nem mesmo na cachoeira, que muitos jovens usavam para se banhar. Não posso dizer como o sacerdote foi rápido, mais que a flecha de um arco. Uma lâmina decepou a cabeça do homem que caiu a metros de distância do corpo.
        “Ficamos horrorizados. E ninguém teve mais reação pra nada. O guerreiro caminhou sobre as águas do rio senhores! Então se virou, sua voz trovejou de novo: ‘Vocês honrarão tributos ao vosso Deus. Trarão arroz, peixe, roupas, e tudo mais que ele desejar. Não cometam o ato de questionar-me, nem de desobedecer-me, farão o que eu mandar. Aquele que não cumprir os desígnios de Arashira sofrerá as consequências. Estarão proibidos de saírem da vila. Trabalharão dia e noite para a honra e glória de Arashira’. Com um movimento de seu punho ele fez emergir uma grande parede de água, e depois ele sumiu.
        “Contamos o caso aos soldados, mas eles riram de nós. Ao mostrarmos o corpo eles resolveram ir. Cerca de doze homens com katanas e armaduras foram à cachoeira. Só um voltou muito ferido e louco, só dizia uma palavra...”
         Gotei fez uma longa pausa, como se o que fosse dizer o sufocasse. Talvez a memória do fato ainda estivesse tão viva que se tornou um pesadelo real. Lançou um olhar de agonia a Sugizo que fez um gesto de compreensão, mas o ancião se forçou a dizer.
        — Demônio...
        Samurai e discípulo se entreolharam com uma curiosidade tamanha que não passou despercebida pelo ancião da Vila da Prata.
        — Fizemos tudo que ele nos pediu. — Dessa vez lágrimas brotaram do rosto do homem. — Muitos homens não quiseram obedecer e fugiram, outros lutaram. Mas todos foram mortos.
        — Só este homem apareceu, ele disse o nome?
        — Não, há pelo menos mais dois, um velho e uma mulher. Uma vez por semana um deles desce a vila e faz uma pregação. Posso dizer isso porque as vozes são diferentes. Mas todos falam do mesmo jeito. Parecem mesmo ser sacerdotes. Mas o que eles cultuam não passa de um demônio, sim, um demônio da cachoeira.
        — Mas o que desrespeito ao rosto? — perguntou Makoto.
        — Makoto-san, eu peço desculpas, mas eles usam um longo capuz.
        — E quem leva as oferendas?
        — As mulheres agora, ou um dos jovens, três vezes ao dia.
        — Não acredito que sejam sacerdotes de nenhum novo culto — disse Sugizo reflexivo —, parece mais um grupo de ninjas desertores, ou ronins. Ainda assim a algo que não faz sentido.
        — Mas e quanto seus poderes Sugizo-san, eles são magos poderosos. — Gotei dizia isso com tom respeitoso.
        — São apenas técnicas de ilusionismo. Estou inclinado a acreditar que são ninjas desertores.
        O ancião pareceu assustado com a ideia de ter sido ninjas a invadirem a sua vila.
        — Irei lutar por vocês — disse Sugizo se levantando.
        — Sozinho Sugizo-san, nós não sabemos lutar, mas se sua coragem é tão grande a ponto de desafiá-los, então...
        — Sem querer ofendê-lo Gotei-san, mas não será necessário.
        — Mas e eu Sugizo-san, sou samurai também e...
        — Sim, e como nós estamos apenas em dupla, subirei até a cachoeira e você junto com Yune-san e Katayama-san defenderá a vila. É bom no arco e flecha. Tome posição no edifício da tropa samurai.
         — Mas...
         — Pelo menos uma vez na vida não discuta minhas ordens.
         Um silêncio se abateu de forma sombria. Parecia ao samurai que seria seu último cruzar de espadas. Esse pensamento deu-lhe um calafrio.
        Saíram à rua, os samurais perceberam que as pessoas não tinham ido pra suas respectivas casas. Estavam todos debaixo do Sol, perguntando-se como apenas dois samurais poderiam ajudar a Vila da Prata a se ver livre de três malfeitores como aqueles? Mas seu gesto mostrava uma esperança válida. Então Gotei os reuniu e disse qual o plano de Sugizo. Fariam do mesmo modo como tinham feito de manhã.
        A diferença é que haveria um arqueiro e dois guerreiros em campo aberto, mas sua função principal seria proteger as crianças. Não ficariam todos reunidos no mesmo lugar, Yune e Katayama seriam usados como isca. Caso fosse necessário as mulheres lutariam. Só sairiam das casas quando ele retornasse ou fossem atacados. Todos concordaram com os termos. Antes que Sugizo partisse, virou-se para Makoto e disse:
        — A força do inimigo é desconhecida, mas espero voltar para ensiná-lo o caminho da espada. Ainda treinaremos na cachoeira.
        Mesmo que quisesse falar, Makoto não conseguiria com a voz embargada e fez uma exagerada saudação, que foi imitada por todos os habitantes de Vila da Prata. O samurai montou em seu cavalo e seguiu rumo à clareira que levava até o tal demônio. Por todo caminho sentiu uma sensação de nostalgia, há alguns anos atrás ele e Jinkoto subiam esse mesmo lugar correndo em uma pequena competição.
        Ele ganhou por ser mais rápido, motivo pelo qual voltou da guerra e seu amigo não. A clareira tinha uma boa trilha para cavalgar, embora ficasse um tanto íngreme com o passar do tempo. O terreno só ficava acidentado bem perto das quedas d’águas. Poderia ter vindo correndo, não chegava a ser tão longe quanto se supunha. Mas queria poupar energia para seus adversários.
        Atrelou o cavalo a um tronco já morto, mas rígido. Viu pegadas, algum jovem ou mulher devia ter trazido o almoço dos tais sacerdotes.
        O que ninguém notara era que ali não havia nenhum lugar para um trio tão “chamativo” se esconder. Mas ele sim, sabia onde os tais sacerdotes se encontravam. Talvez um segredo que nem mesmo os rizicultores soubessem. Conhecera aquilo de modo acidental, quando treinava debaixo da cachoeira. Jinkoto o empurrou e ele caiu dentro de uma caverna depois da queda d’água. Ficaram ali por muito tempo, graças a isso, suas visões se aguçaram muito.
        Ele se encaminhou até o centro da água, pois havia várias pedras que serviam de base. Desembainhou sua espada, segurou-a firmemente com as duas mãos. Fechou os olhos e se concentrou. Seu rosto estava sereno. A água em sua volta começou a formar pequenas ondas. Gotas se elevavam e pairavam no ar. Seu quimono começou a agitar. A fita que prendia seu longo cabelo se soltou.
        Com um brado estridente ele desferiu um golpe vertical com sua espada. A cachoeira se dividiu em duas, desde a sua base, até o topo. Seus cabelos ainda se agitavam quando adentrou na escuridão da caverna. Após passar, a cachoeira tornou-se una novamente. Sugizo caminhou na escuridão. Enquanto adentrava, as sombras o envolviam ainda mais.
        Parou no cento da gruta, um verdadeiro útero rochoso. Havia estalagmites, e estalactites que poderiam ser usadas contra ele, caso fosse emboscado. Seu único lume era a espada. Estava desprotegido sem armadura e capacete. Então só podia incitar o inimigo a aparecer.
        — Sacerdotes! — A voz foi ecoando até o fundo da gruta. — Eu sou Sugizo Uehara, filho de...
        — Tai coisa irrelevante guerreiro, és um samurai, nota-se bem — disse uma voz feminina —, mas não há samurai ou ronin, nem mesmo o próprio Hattori Hanzo, a quem chamam de imortal, poderá impedir meu desígnio.
        — Como podem usar as pessoas dessa vila, não permitirei que isso aconteça.
        — Nobre samurai — era a voz trovejante que Gotei-san falou. — Arashira é Deus. Rale sua testa contra o chão e o adore. Morrerá pelas minhas mãos.
        — Nem mesmo a guarda dessa Vila pode me deter, porque tu sozinho conseguiras? — falou uma voz cacarejante de um idoso.
        — Não me curvo perante um deus criminoso.
        O samurai se pôs em guarda. Os três sorriram. Sugizo também esboçou um sorriso.
        O movimento foi tão rápido que apenas um Zimmm da lâmina foi ouvido. A lâmina inimiga passou a poucos centímetros da cabeça de Sugizo. O vulto desapareceu no contra-ataque do samurai. Os ouvidos aguçados de Sugizo não captavam o movimento do sacerdote. Ele parecia flutuar. A luta se tornou um jogo perigoso, só conseguiria desviar quando o golpe estivesse próximo. Novamente Zimmm, dessa vez Sugizo não teve escapatória e o golpe acertou-o.
        Um filete de sangue começou a escorrer no lado direito do seu rosto. Parte do cabelo sofreu um corte, deixando uma visível assimetria. O atacante começou a sorrir. Dessa vez não foi acompanhado pelas outras.
         — Bravo samurai. Sugizo-san, quase cortou a minha cabeça. Nunca houve ninguém que conseguisse chegar tão perto de me ferir, mas sua velocidade supera minha técnica de teletransporte.
        — Teletransporte. — ele não falou com espanto, mas como se saboreasse a palavra. — Pare com seus joguinhos e me enfrente, só eu e você.
        — Hahahahahahaha! — Essa não era nenhuma das outras vozes, o tom era ácido, quase insano. — Como descobriu, como?
        — Pra quem está em trio, você fala em primeira pessoa o tempo todo. Usa o capuz para ocultar sua face, assim ninguém duvidaria que fosse uma única pessoa. O ventriloquismo disfarçava a sua voz, assim ela sairia em diferentes lugares. Quanto aos diferentes timbres, é a mesma técnica gutural dos monges tibetanos.
        Uma nova risada explodiu. Então pequenas tochas começaram a ascender de uma maneira que os olhos de Sugizo não puderam acompanhar.
        Logo todo o ambiente estava iluminado. Um jovem vestido como um ninja apareceu na sua frente. Usava quimono sem manga, aberto até a barriga. Tinha uma manopla de metal em forma de dragão no braço direito. Da boca do dragão saia uma lança de trinta centímetros. De repente sua derme começou a emitir um brilho opaco e rubro, ficando toda vermelha. O nariz se alongou, seus cabelos pratearam. Suas mãos tomaram formas de garras.
        — Um tengu! Deixe-me ver, você é o próprio Arashira não é? — Sugizo não pôde conter o espanto, olhos amarelos com tons esverdeados o encaravam com fascínio e cinismo.
        — Que foi, parece que nunca viu um tengu na vida! Meu plano era criar uma seita e assim ascender ao poder. Devido minha forma de pensar eu fui expulso do poleiro onde eu vivi com tengus idiotas. Demônios como eu não querem mais viver escondidos. Vocês são os inferiores. Mas você — ele apontou para Sugizo com as garras afiadas. — seu samurai enxerido, colocou tudo a perder. Isso não é bom para os negócios.
        Sua risada estrondosa foi ouvida de novo, mas alta até que a água caindo. O samurai tentou controlar seu espanto. Ele não era um onmyou, só conhecia demônios e criaturas mágicas das lendas. Mas homem ou tengu, cairia pela sua katana.
         — Estou impressionado Sugizo, você tem as sete luzes do pai?
        — Quer saber como me desviei dos seus ataques? Foi com minha técnica do Vento Divino, com ela eu posso controlar e manter correntes de ar envoltas de mim, eu criei uma redoma de ar e fui desviando nem que seja centímetros a sua lâmina.
        — Sinto lhe dizer, mas sua técnica não vai funcionar por muito tempo. Aqui as correntes de ar são menores, e o fogo consome o ar.
        — Então terei que terminar isso com um golpe.
        Ambos saltaram para trás. Tomaram posições. O chão começou a tremer, as pedras começaram a se desprender da terra e do teto da gruta. Flutuavam numa dança antigravitacional. Sugizo fechou os olhos e concentrou toda a energia. Ele trouxe todo o ar envolto na sua katana. O tric-trac do rachar de pedra fazia parecer que a energia dos guerreiros era palpável.
         — Vou usar minha técnica mais poderosa! — disse Sugizo excitado.
         — Farei jus a isso — retrucou Arashira.
         Suas veias saltavam do pescoço, as faces contraíam-se em fúria. Precipitaram-se um contra o outro.
         — Redemoinho das Mil Lâminas — gritou o samurai.
         — Investida do Dragão — bradou o tengu.
         Num movimento horizontal da espada, o vento formou um furacão, pegando Arashira de frente. O tengu ficou nas correntes circulares de vento sendo dilacerado por elas. Como se diversas espadas o cortassem. O vento parecia ter vida própria. O tengu ainda caminhou para frente do samurai. Sugizo saiu da posição de ataque e embainhou a sua katana. Arashira ainda sim, tentava com dificuldade dar alguns passos, mas parou de repente.
        — Maldito... seja... Sugizo Uehara.
        Sua pele começou a escorrer linhas de sangue roxo em toda a extensão do tengu. Então se pôs todo o corpo a se disjungir em pequenos cubos de carne sanguinolenta.
        Sugizo saiu da cachoeira. Deixou-se molhar dessa vez. Caminhou sobre as pedras base do meio da cachoeira. Seu quimono estava todo molhado. A cor branca estava salpicada com pingos de sangue. Foi direto ao seu cavalo, teria muitas histórias para contar aos moradores da Vila da Prata e a Makoto-kun.
    Fim
  • O espírito ainda anda

    Um dos maiores super-heróis da cultura pop, sem sombra de dúvida, é O Fantasma. Foi criado pelo quadrinista e dramaturgo norte-americano Leon Harrison Gross, mais conhecido pelo pseudônimo de Lee Faulk, autor também de Mandrake, um famoso mago dos quadrinhos publicado em 1934. Nascido em 28 de abril de 1911, St. Louis, estado do Missouri. O Fantasma seria trazido a vida em fevereiro de 1936.
                O personagem Kit Walker encarnava o legado do Fantasma, o Homem que Não Podia Morrer. Um combatente do crime que passava seu manto para as futuras gerações. Iniciando o combate ao crime desde 1536, no fictício país africano de Bangalla, tendo como devotados aliados os pigmeus Bandar. Embora não tivesse poderes especiais, possuía perícias em armas e técnicas de lutas várias, astúcia ímpar e muita coragem.
                O título fez tanto sucesso que já no ano de 1943 ganhou uma minissérie de 15 episódios nos cinemas. No ano de 1996, O Fantasma ganha outra adaptação para o cinema, tendo Billy Zane no papel de Kit Walker, tendo ainda a participação de Catherine Zeta-Jones e Kirsty Swanson, que há meu ver, é uma das melhores adaptações para o cinema, embora na época teve uma recepção bem morna na crítica.
                O Fantasma apareceu até mesmo no clipe Yellow Submarine dos Beatles. Lee Falk morreu em março de 1999 com 88 anos de idade. A última história do Fantasma foi escrita ainda no hospital, quando o autor ditava o roteiro para sua esposa, Elizabeth Moxley. O icônico herói é reconhecido pela sua máscara negra, seu uniforme roxo e sua cuequinha auri-negra. O Fantasma usava pistolas, tinha o corcel Herói e o seu lobo Capeto.
                A Mythos Editora, uma casa editorial que publica obras incríveis dos quadrinhos como Tex, Zagor, e Conan de Robert E. Howard, volta a publicar O Fantasma. No formato americano, periodicidade mensal e com páginas coloridas. Sem contar com as diversas edições especiais como Crônicas do Fantasma (com 100 págs. em preto e branco, papel especial, com traços inéditos de Moore e McCoy).
                As edições que li são publicadas pela editora sueca Egmont, e foram as de volumes 1 e 2. O vol. 1 traz uma interessante história em dois capítulos. Sandal Singh, CEO das indústrias Singh e presidente de Rhódia. O Fantasma intervém, Sandal seduz o herói encapuzado quando ele está ferido e engravida. Sangue de herói e vilão se une. O atual líder dos piratas Singh, Dogai, tenta raptar a criança e acabar com o governo de Sandal.
                No volume 2, além de conter com história fechadas, possui melhores traços e roteiros. Na primeira história, um senhor idoso decide deixar sua herança para o Espírito-que-Anda, mas sua advogada vive grandes dificuldades. Na segunda, a mais interessante, pois o Fantasma aqui é um coadjuvante, dois irmãos brigam por uma herança: uma fazenda de bananas. Vemos um pouco da comunidade de Bangalla mais a fundo.
                O Fantasma é história pra qualquer época ou idade. São variados traços, períodos históricos abordados e narrativas excepcionais. É inadmissível que você passe a vida sem ler ao menos uma revista d’O Fantasma. A edição é a padrão: papel jornal, 50 págs. e capa mole. Com R$ 12,90 você leva para casa envolventes histórias contendo a vida e a obra de um herói dedicado a justiça.
  • O Ex-defunto

    Nas férias de verão, resolvi sair do inferno que era a trivialidade de uma vida pacata ao extremo. Nunca fui afim de viajar, de curtir com os amigos, de se embriagar ou coisa do tipo. Sempre fui fiel aos preceitos morais que minha mãe me deu. Segui piamente, durante décadas, os ideais familiares, os conselhos. Entretanto, nesse verão, resolvi sair da prisão cultural. Uma loucura extrema, talvez sobrenatural, abraçou-me de repente, e me forçou a quebrar as restrições coercitivas que me impedia sair da constância dos meus dias. Da forma como essa mudança inusitada me possuiu, fez-me sentir profundamente invadido. Talvez um demônio me possuiu, pensava. Eu me sentia leve, feliz e ao mesmo tempo, receoso. Durante a fase de preparação do cronograma de viagens, uma bipolaridade me tangia frequentemente, e assim fazia com que eu me sentisse: ora um caçador, ora uma caça. Contudo, meu lado obscuro venceu nas minhas decisões. 
    Passei em torno de dois meses, planejando, replanejando, desfazendo e refazendo meus planos para estas inexplicáveis férias que viriam. A fastidiosa carga horária de nove horas de trabalho me deixava exausto para planejar algo. Entretanto, como já mencionei, algo muito surreal me pungiu nesse momento. Toda noite, nesses últimos meses para as tão esperadas férias, empenhei-me distendendo meu descanso noturno à procura de promoções na internet e, metodicamente, planejando a viagem. Às vezes, pensava que estava ficando louco, mas acabei cedendo com a perspectiva de uma mudança, por mais radical que fosse, iria, assim achava, desopilar minhas tensões e seria, decerto, algo inédito. 
    No dia da viagem, peguei a minha cachorrinha, Dolly, e a levei até a casa do meu tio. Sem nenhuma preocupação pendente, encaminhei extaticamente até o aeroporto principal. Era uma euforia incontrolável e, lá no fundo, sentia que a minha normalidade estava acorrentada. 
    Desembarquei às oito horas da manhã (horário local) no Aeroporto Internacional de Dodoma, na Tanzânia. Esse foi o destino que o meu lado misterioso me guiou. Quando fui ao centro da cidade Dodoma, tive a sensação de que já estive naquele lugar antes — senti na prática o que na teoria eu refusava: a ideia do déjà-vu. Desdenhei essa abstração e volvi-me a apreciar as belezas da cidade. Tive um choque de percepção. Pensava que na África tudo era miséria, pobreza e selva. Achei extremamente fascinante a cultura e a peculiaridade daquela cidade. Monumentos, arranha-céus, construções opulentas desmitificavam os meus equivocados preconceitos. No entanto, o meu objetivo estava longe de ser a vida urbana. Queria inflexivelmente desbravar a temível Savana africana. Na verdade, a minha parte oculta que queria. 
    Após dois dias desfrutando das belezas urbanas, o grupo de turistas no qual eu me incluía, decidiu ir visitar a savana Serengueti, ao norte da Tanzânia. Eu estava bastante empolgado com o passeio silvestre. Os prados estéreis, os arbustos espargidos, e, acima de tudo, os temíveis animais africanos. 
    Durante a viagem dentro de uma gaiola ambulante, avistamos cenas indescritíveis; sentimos algo que só o ambiente pode nos proporcionar —O ar da liberdade. Paramos um pouco para apreciar uma manada de elefantes que cruzavam a estrada. Perpendicularmente à estrada, no lado esquerdo da nossa direção, avistamos uma cena inusitada, um grupo de leões estava espreguiçando-se no chão sem demonstrar nenhuma agressividade. Os turistas não paravam de registrar cada passo dos felinos. 
    Enquanto os leões distraíam a atenção dos turistas, eu observava ao longe, no lado direito, uma cena curiosa. Vi um homem, um rinoceronte, e depois, um tiro. Fiquei profundamente abatido. Não fui eu quem fora abatido, mas sentia-se partido. O monstro retraiu a atenções dos outros. E ficamos átonos diante tamanha brutalidade. Ele retirava rapidamente o chifre do morto, e ameaçou com a arma a todos nós. Então, o guia acelerou, sem delongas, à vante. Ao passo que o carro ia, eu olhava, amargurado e consternado, o verdugo se retirando às pressas. E a nossa expedição fora arruinada naquele momento. Perdi a essência de aventureiro. 
    Logo considerei que estava precisando de algo para retirar aquela cena horrenda da minha consciência. É difícil descrever minhas sensações naquele momento. Quando eu tentava se distrair, os pensamentos me assaltava inesperadamente. Via que não poderia viver a essência de férias tranquila, caso não fizesse o mínimo possível. Daí em diante, já não era minha consciência que me controlava. Estava com um ódio aliado a uma psicose incessante de querer destruir aqueles miseráveis que roubam o que não lhes pertence. 
    Voltei a inibir meus temores quando conheci, inesperavelmente, uma jovem nativa de vinte e três anos, em um restaurante na cidade Dodoma. Ela estava almoçando sozinha, em uma mesa de frente a que eu estava. Dardejei um olhar curioso a ela, e como se houvesse uma conexão intuitiva, ela equiparou seu olhar ao meu. Discretamente, disfarcei o meu vislumbre e, voltei a saborear a minha refeição. Ela lançava-me um olhar distinto e tentador, que me fazia sentir arrepios. Um momento depois estávamos face a face, eu e aquela elegante garota. Um inevitável sorriso de simpatia nos tangenciou. Acresce que, quando sorria, resolvi atirar um aceno cortês, e desastradamente, acabei derrubando o copo de suco da minha mesa, e fiquei profundamente envergonhado. O garçom cuidou do desastre e eu resolvi ir até a mesa daquela mocinha. 
    —Olá, tudo bem? 
    O sorriso foi a sua resposta. 
    Logo me dei conta de que não ela falava português, e me vi como um idiota. Minha situação estava pior que antes. Estava pressionado a dizer alguma coisa e a luz dos meus problemas veio com a respostava dela: 
    —Eu falo inglês! 
    Senti um alívio tremendo ao entender o que ela dissera. Pensei nas conclusões imediatas a que chegara com a sua voz e não pude evitar um riso de entendimento e de vergonha. 
    —Perdoe-me pela minha apresentação nada cortes 
    —Sem problemas. Ela sorria pendulando a cabeça de baixo para cima. 
    —Me chamo Marcos. 
    —Meu nome é Telissa 
    —Encantado em conhecê-la 
    —O prazer é recíproco! 
    Após essa cômica introdução, ela me convidou para sentar. Passamos horas conversando, por ora meio enrolado na fala, contudo, o entendimento foi concedido a ambos. Foi realmente deleitoso conversar com aquela simpática garota; passaram-se em torno de duas horas nessa conversação. Despedi-me dela, e ela disse que vinha com frequência almoçar naquele restaurante. 
    Por ora, minhas angustias estavam soterrada nas excitações, nas memórias reconfortantes daquela inexplicável conversa. Assim, conforme o dia ia se desfazendo, a minha empolgação para o almoço seguinte só aumentava. 
    No dia seguinte, passeei pela cidade, fui ao museu local, e olhava constantemente o relógio fitando não perder o horário do almoço. Seriam umas deis e meia da manhã e eu ainda estava no museu. O grupo de turistas ficavam fascinados com as esculturas, relíquias, entretanto, eu estava achando aquilo tudo entediante, antiquado e fastidioso. Quando o ponteiro tangenciou o marco doze, saí discretamente do museu e encaminhei até um táxi que me levou até o restaurante. 
    Lá dentro, olhei perscrutando as mesas e as pessoas a procura de Telissa, e não a encontrei. Era umas doze e meia quando resolvi reservar uma mesa. Pensei que ela já tinha ido embora, e assim, fiquei chateado em não encontrá-la. Cada mordiscada que dava na coxa de rã não sentia sabor algum, almoçava simplesmente para suprir minhas necessidades fisiológicas. Terminei de almoçar, e quando ia me levantando para sair, uma mão afaga meu pescoço. Senti-me leve e profundamente confortado com aquela mão; imaginava aquela simpática garota me acariciando. E, impensavelmente, tornei o meu pescoço para deslumbrá-la, e, infelizmente, tive uma quebra de expectativa: não era Telissa, era uma velho que estava se apoiando em mim para passar. Saí de lá aborrecido, olhando para o chão e pensando nela. 
    O dia se encerrou sem aplausos. Não foi um dia abençoado, foi um dia tão ruim quantos os outros que já tive. À noite, senti-me como um filhote deserdado, sem arrimo, com a dura sorte do destino. Dormi cedo naquela noite, estava totalmente desmotivado para qualquer atividade de lazer. 
    A essa altura eu já começava a pensar que ela talvez não gostasse de mim nenhum pouco. Deixei isso de lado e tentei aproveitar as férias. No almoço seguinte, caminhei até o restaurante, desdenhoso a qualquer distração, sentei-me cabisbaixo, ordenei um frago grelhado com batatas, e um suco de uva. Estava apreciando a comida, evitando que os pensamentos me usurpassem o momento. 
    —Marcos? 
    Uma voz me chama, e eu tento guiar a minha audição até o local exato. Diante de duas mesas atrás de onde estava, se encontrava a garota misteriosa. Meu coração acelerou, e senti uma tensão momentânea me pungindo. Era ela! Ela estava me chamando para compartilhar a companhia no almoço. Senti-me muito bem com sua presença e além mais, ela conversava com uma leveza que parecia que eu estava delirando. Nós conversamos várias horas, eu decidi convidá-la para passear —até porque meus dias ali estavam se acabando— e suavemente ela confirmou a minha proposta com um sorriso divino. Não sei se diria que me apaixonei por ela, mas, certamente, senti algo que há muito tempo não sentia. Ela demonstrava tanta simpatia que não cogitei o seu verdadeiro caráter. 
    Fomos até um parque há duas milhas do centro, ficamos ali apreciando os pássaro que desatavam a cantar; conversávamos como se já nos conhecêssemos há anos. 
    Durante os dias precedentes, a frequência de encontros só aumentava. Eu e Telissa fomos a parques, cinemas, shopping center, outros lugares urbanos. Toda essa reviravolta mudara intensamente o rumo bucólico que antes prognosticava. 
    Em uma manhã tão ensolarada quanto as outras, Telissa me encontra no Café-Renoir (ao lado do restaurante mencionado), e ao avistá-la, senti uma alegria imensurável. 
    —Bom dia, Marcos. Assim ela me chamava com um sotaque tão peculiar que até pensei que era um apelido carinhoso.. 
    — Bom dia, Telissa. Como foi a noite? 
    —Foi mais ou menos. Respondeu ela, como se estivesse incomodada com algo. 
    —Por que? interroguei-a com ar de espanto. Nunca a via desmotivada, triste como nessa ocasião. Ela optou pelo silêncio, e assim, eu a respeitei. Convidei-a para tomar café e, após insistir um pouco, ela cedeu. Conversamos algumas trivialidade, e aos poucos via o seu semblante voltando ao que era de costume. Fomos passear pelo parque, e depois de algumas voltas em torno, sentamos em um banco defronte a um pequeno lago, bem pequeno mesmo, talvez diria uma poça d’água se não fosse a presença de plantas aquáticas. Eu olhei nos seus olhos e ela retribuiu o ato. Seus olhos brilhavam bastante, e seus cabelos moreno avoaçavam com a sintonia do vento. Ela carinhosamente apalpou o meu rosto e desferiu-me um impiedoso e inexplicável ósculo. Seus lábios tangenciaram os meus, e o silêncio nos pensamentos caracterizou aquele momento irracional, em que os hormônios transladavam loucamente por nossos corpos. Não ingeri álcool mas me senti embriagado após aqueles beijo e carícias. Convidei-a até meus aposentos e ela não mediu esforços. Tive a melhor noite de todas, no entanto iria se arrepender amargamente por ter conhecido aquela mulher. 
    No dia seguinte, acordei ao seu lado, eu estava revigorado. Nunca me senti tão bem como naquele momento. Ela acordou com um carisma fascinante. Até cheguei a pensar, se ela estivesse fingindo, deveria ser uma grande atris, entretanto, o que importava para mim é que eu estava vivendo um momento deleitoso e, tudo aquilo, era, sem dúvidas, as melhores férias. Conversamos nos aposentos naquela manhã, almoçamos juntos —Ficamos o dia inteiro juntos. Foram momentos inescurecíveis e inexplicáveis. Aquela meiga e cálida garota me sucumbia qualquer tormenta. Era um anjo! 
    Faltava quatro dias apenas para o fim das férias. Eu evitava imaginar minhas férias acabando e ter que retornar para a monótona e exaustiva rotina. Nesse dia, pela manhã, Telissa me encontrou no Café-Renoir, após tomar lanchar, ela me convidou a ir visitar a sua casa. Eu fiquei surpreso por sua proposta e aceitei sem cogitar. Não foi tão longe, cheguei lá em torno de duas horas de táxi em uma área interiorana. Eu estava empolgado, com pensamentos ludibriosos me eivando e toda imaginação fértil no momento. No momento, não me perguntei como ela vinha para a cidade ou o que ela fazia lá. De fato, o desejo por prazer me fez agir sem pensar, ou há quem ressalve o lado obscuro que me fez ir até onde fui. Andamos em torno de dez minutos após descer do táxi, por uma trilha estreita, até chegar ao destino. Achei surpreso o lugar em que ela vivia. Mato ao redor, uma casa velha e, sobretudo, mistério. Como uma mocinha tão elegante poderia viver naquele lugar. Por um momento pensei que iria morrer, que talvez ela estivesse me levando para alguém me assassinar. Quando eu cheguei lá, um grande surpresa. 
    Carcaças de animais penduradas em estacas, provavelmente para secar. Eu me perguntava o porquê dela me levar para ali. Ainda com a ilusão de prazer, caminhei junto dela até a casa. Pensei, que nem todo mundo tem a sorte de viver com dignidade. 
    Ao entrar na casa, eu tive uma grande surpresa: uma arma, um alvo, e eu era alvo. Aí meus pensamentos explodiram; meu desejo latente foi convertido em terror iminente. Estava perplexo, e, cruamente, com a ideia de que iria morrer logo. O mesmo homem que outrora ceifou a vida daquele pobre animal na savana, estava prestes a ceifar a minha também. Fiquei mudo, sem palavras, nem expressões visíveis. Eu já estava imaginando a dor pura e efêmera de uma bala que logo transmutaria a minha vida ao esquecimento eterno. Cada milésimo de segundo pensado, era eternamente avassalador; eu estava me sentindo um defunto, uma presa coagida sem chances de fuga. Depois da minha pálida expressão, o homem despojou um sorriso maléfico. Era a hora da morte! exclamei mentalmente. 
    Depois de tantos pensamentos cruéis, Telissa toca em minha mão, e ao inflexivelmente afasto-a com um empurrão. Estava com profundo ódio dela. Como pude cair na tentação dela, pensava. O homem falou umas coisas que não entendi. Talvez tenha dito um Adeus ou coisa do tipo, e eu já estava lacrimejando quando, eu ouço um tiro. Morri! 
    Uma bala passa de raspão no meu ombro esquerdo, e eu fico sem entender. Não foi ele quem atirou em mim, fora outra pessoa (ou monstro) que atirou. Não sabia o que fazer. Abaixei-me, e engatinhei até atrás de uma poltrona rasgada, ao lado da porta. O homem começou disparar contra um outro que não consegui ver. O sangue estava brotando sem parar do meu ombro, era excruciante. Quando fui pegar um pano para conter o sangramento, eu me deparo com Telissa caída no chão. Não acreditei no que via, ela fora atingida no peito e estava agonizando. Puxei ela para perto de mim. E fiquei sem entender nada. Interroguei-a, ainda com remorso: 
    —Por que? Por que? 
    —Eu te... E ela apagou. 
    Não consegui entender as últimas palavras dela. Fiquei na dúvida se ela queria dizer que me ama ou que me odeia. Vislumbrei rapidamente o local, avistei algumas presas, chifres, no quarto e não me atentei mais aos detalhes. Corri escrupulosamente pelo cômodo até uma janela fechada, que logo foi quebrada com uma bala. O barulho ensurdecedor de fuzis, estava me deixando desorientado, entretanto, consegui me erguer e pulei da janela que dava de cara a um matagal. Corri desembestado, sem olhar para trás; me cortei todo, contudo, a dor não foi mais forte que a minha ânsia por viver. Quanto mais eu odiava a vida, mais temia a morte. Sob tal ótica, estava eu correndo sem parar, até que consegui chegar a estrada. De tão desorientado que estava, não sabia para que lado ir. Só sabia que teria de correr o máximo que puder. Resolvi intuitivamente, escolhendo a esquerda, e assim, marchei a passos larguíssimos ao desconhecido. 
    Enquanto eu avançava, fazia uma parada de vez em quando para conter o fôlego. O céu já estava prenunciando o crepúsculo e ainda não tinha chegado a lugar algum. Procurei à minha volta algum indício de residência ou de qualquer tipo de ajuda. E não obtive sucesso. A lua já estava imperando no céu, e eu estava ao relento, imundo, dilacerado, temeroso, sozinho e sobretudo, perdido. Eu resolvi repousar em uma árvore frondosa, temendo os animais ou algum monstro humano. 
    No dia seguinte, saí da árvore cansado e se coçando, meu estado de virgília não me concedeu uma noite de sono. E a coceira infame foi devido aos mosquitos noturnos. Achei uma árvore encantadora, próximo onde repousara, com supostos melões suspensos. Não resisti a tentação de comê-los; estava faminto. Comi dois melões e foi o suficiente para evacuar dezoito vezes durante a viagem. A diarreia estava me matando aos poucos. Desidratado e faminto, e ainda, correndo um grande risco de virar uma presa, lá estava eu, passando as minhas férias. 
    Segui a estrada a passos lentíssimos, quase se arrastando. Estava sentindo minha consciência se apagando. Achei uma poça d’água e cogitei em não beber. Tentei me hidratar, limpar minhas feridas e repousar um pouco. Ao lado, de onde eu repousava encontrei amoras silvestres, e por um tempo, cogitei em não comer. Não queria me desidratar mais, entretanto, a tentação da fome acabou me fazendo comer. Comi o máximo que pude, e por sorte, elas não me fizeram mal. Até que me ajudaram em conter o tenesmo. 
    Passei esse dia repousando em uma árvore, queria reter energias extras caso precisasse de uma fuga imediata. Comi toda a amora que encontrei. Não matava a fome, mas aliviava o incômodo da barriga vazia. À noite, consegui ter um sono ainda ruim, mas que me fez acordar um pouco melhor. 
    No dia seguinte, uma outra surpresa se verticalizou, agindo como um empecilho: uma manada de elefante descansava a baixo de onde eu estava. Receoso em descer em virtude dos casos de brutalidade desses animais, fiquei cautelosamente aguardando e com uma grande virgília, pois, eles poderiam derrubar a árvore se se sentirem ameaçados, e ainda, um pensamento atentador me fazia a todo tempo querer fugir: e se os caçadores de marfim viessem aqui matá-los, provavelmente iriam me matar também. Em meio a tantos pensamentos usurpadores, meu lado obscuro me concedeu a destreza de ficar escondido nas folhagens e aguardar. 
    Passaram-se horas, até que, ao meio dia, por aí, os brutamontes foram embora. Quando desci, estiquei minhas pernas, que estavam levemente dormentes, e o estalo foi a resposta para o alívio. Achei um escorpião enquanto estava comendo amoras, e, tendo em vista os programas de aventura na TV, achei coerente comê-lo, tirando primeiramente, o rabo. Ao colocá-lo na boca, suas pinças prenderam na minha língua que logo começou a arder, e tentei mastigá-lo, no entanto, um gosto essencialmente amargo me fez cuspi-lo. Nunca experimentei tamanho dissabor. Fui retornar a caminhada, e dessa vez não corria apenas para salvar minha vida, mas também para salvar a minha passagem de volta, pois só me restava um dia até o embarque. 
    Durante esse dia, eu andava em uma marcha rápida fitando poupar energia. Sempre que eu encontrava uma poça d’água não receava mais a sujeira, bebia como um animal. Durante o final da tarde, quando a penumbra já era visível, eu encontrei uma aldeia com poucas casas, mas que transpiravam um pouco de esperança. Não quis chegar durante a noite pedindo ajuda para não correr um risco de ser levado como inimigo ou quem sabe como caça. Preferi esperar em uma árvore com uns duzentos metros de distância. Na árvore eu avistava o fogo, que cintilava com a sintonia do vento. E dava para escutar as vozes dos aldeões. 
    O sol matinal envolveu-me quebrando o meu sono, que dessa vez foi o melhor desde que estava em fuga. Acordei animado para pedir ajuda. Afastando-me da árvore e olhando para frente, eu vi uma camionete chegando, e exclamei pensando: até que fim! ajuda! Pensava que iria obter comida, e ajuda para voltar, mas me enganei feio; eram traficantes de marfim que chegaram para descarregar e armazenar naquelas casas. Fiquei realmente abatido, pois, no dia seguinte teria de estar no aeroporto. 
    Retornei, a caminhada e evitei entrar em contato com os anfitriões, até porque eu era estrangeiro ali, e não iria entender o idioma local. Caminhei bastante desconsolado; não estava mais com aquela ânsia por viver; sentia-me um defunto. Sem perspectivas a não ser perecer. Meus passos já não estavam com a empolgação de antes e eu já começava a sentir dores que por ora me impossibilitava de caminhar incessantemente. Só um milagre para me tirar daquela aventura fadado à seleção natural. 
    Resolvi voltar a seguir a trilha da estrada de terra, e dessa vez, seguir até onde meu corpo me possibilitar. Enquanto via o caminho ficando exaustivo, doloroso, meus pensamentos estavam voltados para uma simples pergunta, mas com uma resposta temível: irei morrer? 
    Durante muito tempo devo ter ficado semi-desacordado. Não me recordo nada além de caminhar à diante, como um guerreiro que não teme mais a morte e busca o último triunfo: confrontar com a morte. Disseram-me que fui deixado na frente do hospital de Dodoma e que uma camionete me trouxera. Quem me trouxe não parou para questionamentos, simplesmente vazou como se nada tivesse acontecido. 
    No dia da viagem eu estava acamado, e ainda sob os cuidados médicos. Estava com uma infecção intestinal, desidratação, contusões, hematomas, e   inflamações em diversas escoriações que colecionei durante a fuga. Por fim consegui adiar a minha viagem alegando atestado médico. 
    Hoje completou exatos quatro anos desde que fui à Tanzânia. Recordo-me fascinado daquela inusitada vivência. Tenho várias dúvidas. Será que Telissa realmente me amava? Será que ela sobreviveu? Será que homem armado não queria me matar de verdade? Será que Telissa queria me mostrar algo? Será que foram os criminosos que me salvaram? E por que fizeram isso? Muitas dúvidas que guardo para mim, e sei que nunca irei saber ao certo. O mistério do meu lado obscuro ainda não foi desvendado; fui à vários médicos e não obtive outro veredito senão: Psicótico...
  • O Guardião da Floresta

    screenshot 2020 09 04 22 08 13 908 com.whatsapp


      - Aitniê. - Disse em voz alta o indígena que guiava o barco, quando avistou a primeira luz do sol tocar o céu. Causou um reboliço no pequeno convés atrás de si.
      - É o quê? - João se pos de pé num pulo desejeitado. Pos uma mão no cabo dum revólver na cintura e a outra agarrou a borda do barco. Olhava para todos os lados, nitidamente assustado.
      - Significa 'Bom dia'. - O índio respondeu achando graça. Todo os tripulantes acordaram com a sua saudação.
      - Vai se foder índio. - João disse cuspindo na'gua.
      - O nome dele é Ubiratan! - Zé 'Tinhoso' o corrigiu com sua voz rouca. Sua expressão anulava qualquer objeção que o outro tivesse. Era o líder do bando.

      João era o novato, no total eram cinco malfeitores navegando rio acima em busca de algumas madeiras para o 'contato'. Zé esticou os ossos e foi até a ponte ter com o 'capitão'. Todos já estavam de pé.


       - Onde estamos? 
      - Sei lá. - Ubiratan respondeu sorrindo, sacudindo os ombros. Antes de qualquer reação, apontou para um mapa estirado no painel. - Por aqui. - Seu dedo estava perto da área marcada pelo Contato.
      - Logo logo tá nas vista! - Zé disse virando as costas. - Saruê, Pequeno… prepara as ferramentas. João, fica de oio nas margens. Vou prepara um trago pra nois.
    O, graças a Deus! - Saruê disse erguendo as mãos indo para o seu afazer.

     Uma conversa fiada tomou conta do barco rapidamente, depois que Zé abriu uma garrafa de cachaça e o copo foi de mão em mão, uma dose pra cada. Duas para o chefe, como de costume. João era o único que cumpria as ordens, seus olhos saltavam de uma margem para outra sem descanso, participava minimamente da conversa. O barco de pesca seguia num ritmo constante e tedioso, Ubiratan gostava de falar para espantar o sono e matar o tempo. 

      - Fala aí "Biratan", diga o significado de seu nome, diga. - Pequeno pediu apontando para o João. 
    Lança Dura! - Ubiratan disse e todos riram.
    Essa desgraça faz sucesso com as quenga, acredita? - Saruê olhava para João. - Nois conta isso nas Birosca já vem umas treis pra confirmar. - Gargalhou.
    Bora ajeitar essas serras, seus carniça! - Zé disse em meio às histórias. 

      O sol estava a meia altura quando Ubiratan avistou as copas coloridas das árvores. 


      - Oh lá Zé!
     - Bora ganha um dinheiro! - Respondeu animado pegando uma Serra elétrica pra si.

      Dez minutos depois o barco foi amarrado na margem. Ubiratan desembarcou rapidamente e entrou no mato a esquerda, carregava um pedaço de corda e um saco de fumo nas mãos.


      - João, fica de zóio no barco até ouvi a serra canta, beleza?
      - Po'deixa chefe! - Estava se afeiçoado ao grupo.
    Bora cambada! - Zé foi seguido pelos demais, todos carregavam uma Serra e facões. 

       Alguns passos depois, sumiram na mata fechada. O índio reapareceu andando de costas, desenrolando a corda com cuidado no chão cortando-a.


      - Que isso? - João perguntou curioso.
      - É pro Demônio da Floresta. - Ubiratan respondeu sério. -  Por onde eles foram?
      - Curupira? - João explodiu numa gargalhada - Puta que pariu - Ele não conseguia parar de rir, mesmo com o índio o encarando sério. - Foram por ali. - apontou em meio uma torção causada pelo riso exagerado. Ubiratan sumiu no rastro dos demais.

       Algum tempo depois o barulho da serra se fez mata adentro, era hora de agir. João ainda sorria, tirou o excesso de lágrimas dos olhos e deu mais uma olhada nos arredores antes de iniciar a caminhada. No segundo passo, viu a ponta da corda deixada por Ubiratan e resolveu segui-la. Dez passos a frente achou um punhado de corda enrolada, escondendo um pacote de fumo lacrado. Deu um riso largo e pegou a prenda olhando em volta, desconfiado. Sorriu mais uma vez e foi até às serras. 

      O serviço foi mais rápido do que Zé esperava, havia apenas duas dúzias de jacarandás na área, "árvores da flor roxa", como disse o Contato.  O bando preparou os troncos em formatos iguais e os arrastaram para a margem, Zé estava mal-humorado. Ubiratan, desconfortável.

      Como calculado, no final da tarde o barco estava descendo o rio puxando as madeiras encomendadas. Ubiratan guiava para a segunda marcação do mapa.

      - Esse contato seu é fraquinho, hein Zé. - disse entediado. 

     Zé estava olhando a margem com uma perna apoiada na borda e o pensamento distante.

      - Um punhadinho desse vai dá nada pra nois. - Saruê endossou 
      - Eta Febre do rato! Confia em mim mais não é? Oxem! - Zé se voltou para eles. - Esse Cabra é peixe grande. Disse que se nois levasse esses tronco pra ele, ele ia arrumar um serviço grande pra nois!
      - Ma rapais, e tu vai fica no preju é? Alugar barco, as serras, o óleo, tu tá se arrombano pra trabaia é? - Pequeno indagou.
      - Fecha essa boca, desgraça! O cara que tá bancano tudo, seu porra. Da minha parte é só a mão de obra podi de voceis! - Zé se satisfez com a expressão de admiração dos demais. - E o miseravi ainda vai dá 100 conto por cada tora! - Concluiu rindo de seu trunfo. 
      - Tu é o Cabra da peste memo hein. Rapais, que negoso doido é esse!? - Pequeno estava admirado, igual aos demais.

     Cada um disse alguma coisa sobre a sorte de ter pego um contato desse tipo e começaram a imaginar e discutir sobre qual seria o trabalho futuro, prometido. 

       Zé estava preocupado antes, quando estavam na margem preparando as toras, achou que era uma armadilha da polícia ambiental e/ou do IBAMA, o trabalho era o melhor que ele já pegou nessa vida de malfeitor. Na verdade iria receber R$ 200  por cada tronco e agora que seu bando acreditou no R$ 100, seu lucro seria maior ainda. Quando o barco entrou no "canal esquecido" Tinhoso relaxou de vez. Ali sabia que estava seguro, aquelas águas eram esquecidas pelas autoridades. 

      No início da noite avistaram o porto clandestino, exatamente onde o cliente marcou no mapa. Zé desceu sozinho, um capataz bem vestido o recebeu e mandou um qualquer seu contar os troncos e levou Zé num canto. Dez minutos depois todos estavam montados em seus cavalos com os bolsos cheios, em direção a Birosca mais próxima dali.

    Zé ainda repetia as palavras do homem em sua cabeça, "Meu patrão mandou dizer pra encontrar ele no mesmo lugar, daqui seis dias".

    Não se aguentava de empolgação. O bando chegou a galope numa cidadezinha precária. Uma avenida bem iluminada, tomada de comércios fechados e no final uma Birosca acesa com mesas para fora e clientes beberrões. 

       O bando chegou barulhento, tomou duas mesas e animou o lugar que já estava pronto para encerrar o dia mas, diante da disposição dos recém chegados, foi obrigado a estender o horário. Antes de mergulhar na cana e fumo, Zé Tinhoso passou o olho no bar e nos clientes, não queria ser importunado por gatunos. Não viu nada além de molengas chorões, então mergulhou de cabeça junto com seus homens na 'mardita'. Mais tarde, algumas 'Damas da noite' se juntaram ao bando e a coisa animou de vez. 

       No alto da madrugada os rapazes foram levados para os quartos cada um acompanhado por uma dama. Cada um tomou um quarto. Depois de satisfazerem seus clientes as senhoras saiam de cena, deixando-os sozinhos, dormindo. 

    Os quartos ficavam no andar superior, lado a lado, dividos por uma parede de taipa. Ubiratan não estava bem, fingiu dormir para dispensar sua senhora e sozinho, não conseguia dormir de jeito nenhum, um desconforto o tomou. Ouviu a porta de seu vizinho abrindo e fechando e o som de passos curtos e risadinhas, escada abaixo. Um minuto depois ouvi a porta se abrir de novo mas, não os passos, aprumou os ouvidos e teve certeza que seu vizinho estava se engasgando. Se levantou num pulo e correu até ele. A má iluminação impedia de ver quem era.


      - Oxe cabra tá morrendo aí é? - Disse se aproximando da cama e virando o homem de lado. - Que porra é essa? - perguntou quando sentiu um líquido quente saindo de seu colega. - Socorro! - Gritou quando sentiu o cheiro de sangue.

     Ouviu um grunhido no outro quarto.

      - Que diabo é isso? - A voz de Zé se fez no corredor. 
    Vem cá Zé olha isso…
    Crendeuspa… - A voz de Zé começou e deu lugar a um grito sufocado. 

    Ubiratan saiu do quarto correndo e viu com a luz da lua que entrava na única janela do corredor, seu chefe ajoelhado segurando a garganta que se desmanchava por entre seus dedos. 

      - Sai daqui demonio! - João gritou do último quarto. Alguma coisa o jogou no chão.

    Ubiratan estava desnorteado, gritou por socorro novamente enquanto corria até o quarto de João. Viu a silhueta de uma criatura pequena sobre seu colega cochichando alguma coisa em seu ouvido. Era tarde demais

    Essa era a única certeza que o índio tinha.

    Caiu de joelhos diante da porta  aberta enquanto explicava que deixou uma prenda, suplicava por perdão. O som da garganta de João se torcendo até quebrar fez um calafrio desesperado percorrer seu corpo. A criatura o encarou das sombras, em um segundo se pos diante dele, era pequena cabelo espetado e vermelho como fogo aceso, tinha um riso malicioso de dentes pontudos e amarelados a pele esverdeada usava apenas uma tanga de couro. Os pés virados para trás. Ubiratan tremia descontroladamente.

      - Aiacaqui... ai-có [ Cortamos só algumas árvores]  - Ubiratan conseguiu dizer com muito esforço
      - Aiacaqui aiacá [ Cortei só algumas cabeças] - O Curupira respondeu com uma voz sombria, fria como gelo, enquanto passava suas garras debaixo do queixo do infeliz e ria com seu sangue jogando.

      

  • O livro dos escritores olimpianos

    É quase impossível não se admirar com a mitologia grega. Como esses mitos compõem grande parte da história do Ocidente, acabamos de um modo ou outro inteirado sobre eles. No cinema, na literatura, nos jogos eletrônicos, heróis e criaturas sobrenaturais continuam a viver grande aventuras. Muitas vezes, esses mitos são reconstruídos, mostrando diferentes nuances sobre as mesmas lendas.
                Confesso que me interessei mais por mitologia grega depois de assistir a Cavaleiros do Zodíaco na Band. Mitologia grega e astrologia eram o mote do anime. Depois de entrar em contato com essa série, passei a ler a Ilíada, a Odisseia e tantos outros livros que tratam de mitologia e história das religiões. Quanto mais aprendia, mais queria me aprofundar sobre o tema.
                Outra grande obra que aborda a mitologia grega de modo fascinante é a série de games God of War. Protagonizado pelo deus Kratos, depois de perder família e prestígio, ele decide se vingar dos deuses numa escalada de morte sem precedentes. Na literatura, temos a série Pierce Jackson e os olimpianos, de Rick Riordan, chegando ao cinema com boas adaptações. Encantou o público e tornou a mitologia grega ainda mais incrível.
                Nessa mesma esteira, a Editora Cartola se propõe a reviver o fascínio de mitos e narrar contos em novas perspectivas, dando-lhes um caráter moderno. A antologia Olimpo, deuses, heróis e monstros reuniu contos de 34 autores, mais um conto do editor Rodrigo Barros, com histórias que ora se passavam na Grécia Antiga, ora no período contemporâneo. Uma ótima seleção.
                São trinta e nove contos, divididos em mais de 190 págs. Esses contos apresentam ser mais sintéticos do que o da antologia anterior, O Encontro dos Mundos Fantásticos, mas, geram muita discussão, pois as temáticas foram muito bem exploradas pelos contistas. Como é uma antologia muito longa, com muitos contos, farei do mesmo modo que das vezes anteriores, vou analisar os dois melhores contos e os dois que menos gostei.
                Lembro sempre que essas escolhas são subjetivas, não são uma verdade universal. Ao ler, você leitor, você leitora, terá uma visão mais apurada e poderá concordar ou discordar da minha opinião. Isso é sempre bem-vindo em minha cabeça, assim poderemos desenvolver uma discussão literária. Eu sempre recomendo a leitura, mas só você deve decidir se ela deve ser realizada ou não. Partamos para a análise.
                Dos contos que que eu mais gostei, seria impossível não tratar de Amor sem sentido de Vitor Macário. Esse conto apresenta uma história de amor trágico, e o modo cruel como os deuses gregos podiam tratar os humanos. Digo isso não só pela impiedade de Zeus, mas pela maneira como Afrodite tratou seu amado, mero objeto. Não acho que ser imortal e insensível é uma boa, entendedores entenderão.
                O segundo conto na ordem de preferência merece destaque por duas razões: conseguiu unir dois personagens marginalizados e fazer um ótimo debate sobre exclusão e preconceito. O garoto e o minotauro é uma daquelas obras que se apresentam despretensiosas no início e depois, vapt! Te fazem questionar coisas profundas, que as vezes, por se apresentarem dolorosas, acabam sendo negadas.
                O conto que eu publiquei nessa antologia foi A desolação de Argônios. Argônios era o príncipe de Ástiras, uma ilha mediterrânica. Ele era um dos argonautas que viajava com Jasão em busca do Velocino de Ouro. Mas devido aos grandes desafios da aventura, retorna a sua terra natal para assegurar o trono. Entretanto, em Ástiras, ele descobre que seu reino se tornou uma tirania. A trama daí para a frente ganha tons dramáticos.
                Dos contos que eu menos gostei, eu diria que Espectros da morte de William Eugenio. É ruim por soar uma leitura cacofônica. Não entendi quem era e quem fazia o que na trama. Fora que para mitologia grega, começar o conto falando de espadachins chineses viajando no tempo soou disfuncional na trama. Não sei se com mais páginas a coisa ia melhorar. É uma leitura confusa. Como não entendi o objetivo, não gostei.
                A vingança da pequena princesa, de João Solano, começa como uma grande aventura tipo RPG, mas que no fim se mostra uma obra de humor pouco frutífera. No começo eu até gostei da história, a protagonista é uma princesa que sofre de nanismo e é afastada da linha sucessória, e, por uma série de coincidências, se torna amiga de monstros que querem acabar com os deuses do Olimpo. Ótima premissa, má execução. Até agora não entendi como o paradoxo poderia prejudicar o Olimpo.
                O livro é organizado pela antologista de carteirinha Janaina Storfe. O livro apresenta ótimos contos, principalmente na metade final do livro. A capa é incrível, Hércules puxando o Cérebros pela coleira é impagável! Rodo merece parabéns pela capa. O livro tem orelhas, miolo em Pólen 80 gm2 e capa cartão 250 gm2 com laminação fosca. A diagramação e a sangria das páginas são muito confortáveis de ler. Acesse e adquira:
    https://loja.cartolaeditora.com.br/olimpo
  • O Machado Sangrento

    Prólogo
    Naquela noite de inverno, o velho Popé estava sentado na soleira de sua cabana, fumando cachimbo e olhando as estrelas. A tempos que seu povo tinha conquistado o direito de povoar um pequeno pedaço de sua própria terra como bem entendesse, então os indígenas tinham desistido de se mover pelo território de forma “desordenada” em busca de caça e fixado residências mais consistentes. Seus pensamentos voavam com a velocidade da grande águia, absorto por essas questões de justiça quando um rumor o faz se voltar. Um grupo de crianças, todas por volta de seus oito a dez anos, vinha correndo em sua direção e gritando seu nome. Resignado, o velho homem suspira, apaga seu cachimbo e se prepara para ter seu descanso e seus pensamentos interrompidos. Popé então se prepara para acolher os pequenos da melhor maneira possível. Por mais depressa que as coisas estivessem mudando, algumas o homem branco não podia alterar e essa era uma delas. Os pequenos índios ainda corriam aos mais velhos em busca de sabedoria. E ele era o mais velho ali, o xamã da tribo. Era natural que os mais jovens o procurassem. Isso o faz mover brevemente a boca, tornando seus velhos e secos lábios no que um dia já fora, a sombra de um sorriso...
    - Popé, Popé – gritou-lhe já do portão de sua cabana o primeiro dos garotos – Por favor, queremos que nos conte uma história...
    - Calma, pequeninos, calma... primeiro, sentem-se aqui, aos meus pés e se acomodem... Isso, muito bem, meus jovens – a voz calma e antiga do xamã parecia ter efeito quase que hipnótico sobre os pequenos. Aquela agitação própria da infância praticamente tinha desaparecido e todos agora seguiam as instruções do velho – Agora, me digam, que história gostariam que eu lhes contasse?
    Um dos pequenos vinha com os olhos inchados e vermelhos, sinal de que havia chorado muito. Era um dos maiores meninos ali e o Popé já tinha visto algumas proezas de força e destreza do rapaz. Teria sido um grande guerreiro, se os tempos fossem outros. O velho olha para o garoto, mas nada diz. Sabia o quanto jovens meninos podem ser orgulhosos. Quem se manifesta é um pequeno menino ao lado deste um pouco envergonhado, mas muito resoluto da história que queria ouvir:
    - Queremos que nos conte sobre o Machado Vermelho, Popé...
    - Ah! -  Fez o velho – E por que querem ouvir isso, pequenos?
    - Queremos saber como trazê-lo aqui, Popé – Disse finalmente o garoto que havia chorado – Os brancos pegaram minha mãe. Fizeram... coisas com ela. Me fizeram assistir tudo, me bateram e foram embora rindo. Ouvi minha mãe dizer soluçando que se o Machado Vermelho estivesse aqui eles seriam punidos. Quero que sejam punidos, Popé. O Xerife não vai fazer nada e nós não podemos ir a cidade cobrar isso dele. Por favor, xamã, conte-nos como chamar o Machado Vermelho...
    O velho homem baixa a cabeça. Tinha ouvido falar desses casos de estupro das índias, mas como morava um pouco afastado do restante da aldeia esperava que fossem apenas boatos. Infelizmente, não era o caso. O mínimo que podia fazer por aquela criança agora era lhe conceder um pouco de esperança. Se não em justiça, na vingança que a lenda do Machado Vermelho representava. O velho então, limpou a garganta, reacendeu seu cachimbo e fitou novamente as estrelas, numa pausa que ao mesmo tempo aumentava a impaciência dos meninos e lhes tirava o folego ante a antecipação da história. Enquanto soltava uma última baforada que cobria de fumaça suas longas tranças cinzentas, o velho olha para os meninos e eles notam que, em seu rosto vincado de rugas, os olhos brilhavam tão vivos quanto os deles.
    Finalmente, quando a tensão da espera era quase palpável, a voz rouca de Popé corta do silêncio da noite:
    - Muito bem. Vou lhes contar sobre o que aconteceu aqui a mais de 80 anos. Meu pai estava para ser enforcado pelos brancos então sei como se sente, meu jovem. Minha velha mãe contou essa história assim, como conto a vocês agora...
  • O Mesmo Ritmo

    Uma parte de mim diz que "não"
    Que não é a hora certa
    Para se envolver, se entregar

    A outra parte diz que podemos ir
    Em busca do que nos espera
    E não devemos deixar no ar...

    Passei o dia todo pensando no que te dizer
    É duvidoso o "sim", é doloroso o "não"
    Escolhi o que preciso, o que agora posso ter
    Vai no mesmo ritmo do meu coração

    Me olhe nos próximos dias, nos próximos meses, nos próximos anos
    Da mesma forma que me olhou agora, quando eu disse que te amo

    Me guarde, nos seus pensamentos
    Me envolva em seus dias, me mostre saídas
    Sei que a nossa história, já estava escrita
  • O mistério de Saint Thereza

    Perto da “grande” igreja no centro da cidade podia-se ouvir uma bela música ao som de suaves teclas de piano. A canção se ouvia da casa de Margot, a viúva de cabelos louros, olhos verdes, uma das mulheres mais lindas que o jovem Victor conhecia. Ela era a melhor musicista da cidade, uma mentora para ele, talvez até mesmo uma amiga, apesar da diferença evidente de idade ente eles. O jovem amava música e frequentemente visitava a viúva para ouvi-la tocar, recentemente o jovem teve coragem para tentar aprender algumas melodias no velho piano de cordas desafinadas. Entre conversas, poesias, risadas e chá a casa era iluminada com um ar de felicidade.
    Margot era uma mulher respeitada conhecida por toda a cidade desde os quinze anos como a grande musicista da igreja central. Havia até mesmo tocado na orquestra sinfônica na capital da república, descendo as colinas nebulosas em direção ao litoral.
    Dentro da moradia o jovem Victor encontrava-se tocando, ou melhor, tentando tocar “As Quatro Estações” de Vivaldi. Enquanto o jovem apanhava das notas Margot sentava ao seu lado, tomando um suava chá de camomila e o observando atentamente para orientá-lo.
    Chegando na última linha da partitura o jovem estudante termina feliz por não ter cometido erro de nota durante a longa música, apesar de ter errado o tempo da música três vezes.
    Ao término, o jovem recebeu uma salva de palmas entusiasmadas da sua mestra de música.
    —Meus parabéns Victor, você progrediu muito nesses últimos meses.
    —Obrigado senhora Margot.
    Ela olhou para a janela e viu o sol iniciando a se por.
    —Bem, já são quase cinco horas meu rapaz, estamos tendo dias frios e escuros então é bom que você vá para casa antes que escureça.
    Victor concordou, pegou sua mochila e despediu-se da mulher que o acompanhou até a porta. Após deixar a pequena casa da viúva o jovem foi caminhando pelas ruas pequenas e vazias em direção de sua casa. Ele via aos poucos o sol se pôr e o frio se impor naquele vilarejo entre as colinas.
    Victor ouviu um barulho vindo de uma lata de lixo que tremia, o garoto assustado resolveu passar pela calçada oposta da lata do lixo. Foi quando a trepidou mais e mais, o metal fazia um som ensurdecedor, com a melodia de metal se intensificando lata virou, tombou com violência no chão, a tampa rolou pela rua de paralelepípedos. De dentro da escuridão dois olhos amarelos surgiram um grito desesperado foi ouvido quando um rato saiu correndo por sua vida enquanto um gato de boca espumante logo atrás o perseguia.
    A perseguição foi rápida pois o gato logo conseguiu capturar e devorar o rato. Foi brutal, violento e sangrento. O gato preto olhou para o rapaz, seus olhos amarelos e assustadores o fizeram tremer.
    O gato rosnou para ele e mostrou as garras, parecia que ia atacar, Victor não sabia o que fazer apenas apertou sua mochila, o gato avançou, mas após três passos foi então que um latido foi ouvido. O gato assustado correu enquanto um vira-latas aparecia imponente na rua, era um híbrido de pastor alemão com lobo.
    —Pêssego! —Disse o menino reconhecendo o vira-latas.
    O cachorro parou de latir e reconheceu o menino, abanando o rabo feliz. Victor tirou da mochila que carregava algumas frutas que o cachorro amava comer. O próprio nome “pêssego” foi dado por Victor porque quando ele conheceu o cachorro ele estava roubando pêssegos do mercado da cidade. Foi a primeira vez que ele viu um cachorro preferir frutas.
    O cachorro comeu feliz as frutas.
    —Eu tenho um lanche especial para você! —Disse Victor tirando da mochila um pedaço de frango embrulhando em papel. Era um resto do almoço que ele guardou.
    O cachorro pulou feliz e abocanhou a carne no ar. Satisfeito e alegre o cachorro pediu carinho do menino. Os dois brincaram um pouco quando Victor percebeu que estava quase escuro. Então rapidamente ele se despediu do amigo canino e correu para casa.
    Após dois quarteirões ele avistou a pequena choupana de madeira e palha, na periferia da cidade, uma construção sólida, mas visivelmente pouco favorecida.
    Chegando em casa ele encontrou correndo, sua mãe estava fazendo o jantar, a senhora era muito parecia com o filho, cabelos pretos, olhos castanhos, as poucas distinções era a altura, a idade e o fato dela ser uma mulher.
    —Boa noite mãe. Benção. — O jovem cumprimentou.
    —Boa noite querido. Pode pegar alguns temperos na horta filho? —Disse a mãe cortando cenouras.
    —Claro mãe. —Disse ele colocando a mochila na cadeira.
    Victor foi até a horta na parte de trás da casa, pegou manjericão, alecrim e pimentas. Após encher a cesta ele caminhou de volta para a cozinha quando percebeu que a mãe estava fazendo muita comida. Ele então curioso resolveu indagar sobre a situação.
    —Vai ter alguma festa hoje?
    —Você esqueceu que sua irmã virá para casa hoje?
    Um estalo bateu na cabeça de Victor, sua irmã voltaria para casa hoje, para o feriado prolongado da semana santa. Ela estudava no Instituto Federal na cidade vizinha mais de cem quilômetros de distância, por conta disso ela morava em uma república feminina. Victor ficou animado com a ideia de revê-la.
    —Vá tomar um banho filho. —Disse a mãe sentindo cheiro de cachorro, ela sabia que era Pêssego, aquele vira-latas sempre vinha e matava alguns ratos de pradaria que atacavam as alfaces.
    O sorriso de Victor murchou, ele sabia que não tinha água quente nesse horário devido ao racionamento de luz. A maravilha moderna de energia, quase tão recente quanto água encanada e esgoto interno.
    Resmungando ele foi desanimado tomar seu banho frio.
    ------------------------------------------Horas mais tarde-------------------------------------- -
    Já era quase oito horas da noite quando o ônibus interestadual passou na avenida principal. Victor observou pela janela três pessoas descerem da condução. Caminhavam pela rua deserta carregando mochilas. Finas gotas de chuva ameaçavam cair naquela noite, apenas mais uma noite fria nas colinas.
    Até que as pessoas chegaram até a porta da frente que foi aberta pela mãe.
    Victor desceu as escadas para encontrar sua irmã e outras duas meninas, provavelmente suas colegas de quarto.
    —Victor! —A jovem gritou. Sua irmã Verônica, de cabelos pretos como os dele e olhos azuis, gritou feliz abraçando o irmãozinho. Ela tinha a cor dos olhos de sua avó.
    Ele a abraçou de volta sem dizer nada. O clima era de festa.
    —Essas são minhas amigas Lucy e Anna. —Disse a irmã feliz em apresentar as amigas.
    As duas pareciam adolescentes normais, Lucy era ruiva de olhos castanhos e Anna era um pouco parecida com Victor. Elas ficariam uma semana aqui porque a faculdade fechava durante este período na páscoa.
    Eles foram jantar, a mãe havia feito um ótimo banquete. Verônica e a mãe conversavam de forma despretensiosa enquanto Lucy puxava conversa com ele.
    —Então Victor, em que ano você está? —Disse a jovem.
    —Eu estou no primeiro ano do ensino médio. —Disse o rapaz.
    —Jura? Achei que você fosse mais jovem. —Disse a jovem curiosa.
    —Eu tenho quatorze anos, pulei algumas séries na infância. —Disse mais uma vez o rapaz com certa humildade.
    A garota ficou impressionada chamando-o de inteligente. A conversa foi boa até chegar as dez horas. Victor foi para seu quarto e as meninas dividiriam o quarto de Verônica. A mãe fechou tudo e foi par seu quarto.
    ----------------------------------------------Meia noite----------------------------------- -
    Victor acordou ouvindo um barulho do lado de fora, estava chovendo muito, as janelas do quarto batiam violentamente enquanto o vento uivava. O jovem sonolento caminhou até a janela e a fechou, cansando e com sede ele desceu lentamente até a cozinha quando abriu a geladeira rudimentar e pegou uma caixa de leite. Bebendo calmamente a medida que observava a chuva cair.
    Um raio rasgou o céu e a janela da cozinha abriu sem motivo. Victor se assustou com o barulho, mas rapidamente foi fechá-la, quando se aproximou da janela e a fechou o rapaz percebeu um vulto do lado de fora na chuva.
    “Deve ser aquele guaxinim roubando os temperos novamente! ” —Victor ficou irritado porque ele nunca conseguia pegar o ladrãozinho de hortaliças, nem mesmo Pêssego conseguiu pega-lo. Victor pegou um porrete para assustá-lo e saiu na chuva pelos fundos da casa.
    —Você voltou seu ladrãozinho! — Ele se aproximou do vulto comendo, mas percebeu que não era um guaxinim era uma pessoa abaixada com sangue. Ele ficou preocupado, será que era alguém machucado?
    —Você está bem? —Victor ia se aproximando e tocar na pessoa quando viu o sangue no chão não era da pessoa e sim de guaxinim que ela estava comendo…
    A pessoa ou coisa olhou para ele. Victor sentiu seu sangue gelar com aqueles olhos amarelados e dentes afiados. A criatura se levantou com se não tivesse ossos.
    Victor ficou travado ele por algum motivo não conseguia se mexer, apenas caiu para trás ficando imundo de lama, por conta da chuva, lama e escuridão o jovem não conseguia ver a criatura, apenas percebera que a pessoa estava descalça.
    O indivíduo se aproximava dele, dentes e unhas grandes um olhar homicida, Victor sentia a lama envolvê-lo, ela cheirava a sangue e podridão. A criatura abre a boca e o som faz os ouvidos do garoto sangrarem.
    —Vos terminus est incipiam. Vos moriar. Et mortuus es.
    —O que? —Victor fala baixinho tremendo de medo, a criatura estica a mão, mas antes da criatura tocá-lo Victor ouve-se um barulho vindo de fora do seu campo de visão. De uma moita próxima ouve-se um latido forte, sai um cachorro negro latindo ele voa no braço da criatura que grita de dor balançando o braço. O animal recusa-se a largar, mordendo com toda força, mas a criatura usa a outra mão e enfia as garras no pobre animal.
    O cachorro com a dor larga a mordida e é jogado para longe acertando a cerca com força e se ferindo no processo.
    —Pêssego!
    Victor reconhece o cachorro enquanto a criatura desaparece como se fosse flutuando na escuridão da chuva. O cachorro machucado uivava de dor, o sangue se mistura com a lama do chão.
    O jovem estava machucado também, mas se levantou e foi até o cão que já tinha ficado inconsciente, ele pegou o cachorro em seus braços e caminhou mancando para dentro de casa rezando a oração do pai nosso o mais forte que podia em sua mente, mas sentia que olhos vermelhos o observavam.
    Foi a primeira noite sombria na pequena cidade de Santa Thereza, mas o pobre jovem não sabia quantas mais seu futuro reservava.
    Fim (Por Hora)
  • O Projeto BNA

    Prólogo
    Eu me lembro do primeiro floco de neve que vi cair do céu. Embora muitos não acreditassem em mim quando eu garantia me lembrar de uma coisa que acontecera quando eu ainda era tão pequeno. Eu podia ter uma visão clara daquele momento como se ele tivesse acabado de ocorrer.
    Eu tinha apenas cinco anos, vivia em Brighton, Inglaterra. A cidade em que meu pai havia nascido e crescido. Antes dele, o pai dele e o pai do pai dele também. Meu pai amava tanto aquele lugar que eu também passei a amá-lo. Tanto que não me importei em ter o nome da cidade como sobrenome.
    “Aonde quer que você vá, sempre haverá um pedaço desta cidade com você, Finn Brighton”. Ele me dizia.
    Eu me lembro de tudo o que meu pai dizia, da mesma forma que me lembro do primeiro floco de neve que vi cair do céu. Ele havia sido a pessoa mais importante para mim em toda minha pequena vida em Brighton. Quando eu dizia que ele era a melhor pessoa que eu conhecia ele sempre retrucava dizendo: “Você não diria isso se sua mãe estivesse aqui” e logo em seguida uma nuvem de tristeza cobria seus olhos e os deixava vermelhos.
    Ele havia perdido minha mãe quando eu ainda tinha dez meses de vida. Ele dizia que se eu a conhecesse a teria como heroína ao invés de tê-lo como herói. Ela era a mulher mais forte que ele havia conhecido e a mais bela.
    Mas eu tinha certeza de que quando minha mãe teve que partir ela o fez sem medo, pois sabia que ele seria o melhor pai que um filho poderia ter.
    E ele foi... por seis curtos anos.
    Me lembro da primeira pessoa que vi morrer.
    Me lembro da primeira pessoa que tive que matar.
  • O último portal II Justice

    O Último Portal II:
    Justice































    POR: Carry Manson

    Nota da Autora: TODA TEM SEXTA NOVOS CAPÍTULOS.



    Prólogo

    Vivemos numa Nova Era de paz e harmonia

    diante da bandeira verde e azul de nosso país.

    Por muitos anos, lutamos pela liberdade, sem

    entender o quê isto significava. Mas quando

    a tivemos em nossas mãos, muitos a viram

    com os olhos do arco-íris, que foi a cor que a

    mídia pintou, enquanto outros mantiveram a

    mente cheia de conhecimento, e por total

    consequência a razão. Enquanto os jovens

    em sua maioria, e os adultos fingindo serem

    jovens pulavam, enchiam a cara, e se

    drogavam. Os sensatos, observam o caos,

    e não fechavam os olhos para todas as

    iniquidades cometidas. Felizmente chegou

    o momento em que uma luz brilhou. Ela veio

    em forma de escuridão, todos disseram que

    era coisa das obras ocultas, quando nem

    sequer percebiam, que a sociedade

    atual, era o palco destas

    forças.

    Há algum tempo atrás eu jamais lutaria

    a favor de um ditador, mas agora entendo

    porquês todos alemães adoraram a Hitler.

    Ele veio para salvá-los, da desolação que

    se aproximava, não era uma luta contra

    os judeus, haviam judeus no seu exército,

    mas sim uma luta para salvar o mundo,

    que claramente falhou, pois hoje

    Eles o dominaram.

    Ele era um radical, mas o povo precisava

    de um radical, alguém que fizesse algo por

    eles, e não para si próprio, um louco, cuja

    loucura, aceitando ou não, trouxe muito

    desenvolvimento para a sociedade.

    As mortes foram horríveis sim, inocentes

    morreram é claro, mas nenhuma guerra é

    ganha sem dor e sofrimento, nenhuma

    glória chega antes de sermos

    testados.

    Não podemos mais fechar os olhos para

    o certo, ou o errado. A justiça tem que ser

    feita, para que menos inocentes sofram

    , em nome dos falsos revolucionários,

    pois revolução mesmo, é aquela

    que é benéfica ao individuo,

    e os outros.

    Infelizmente nem todo mundo vê assim,

    e por isso em breve iremos lutar uns contra

    os outros, porquê os filhos das cores, não

    são capazes de ver o planeta, com os

    olhos dos filhos do sol nascente.













    Capítulo 1- O brilho no céu, visto pelos poucos.




    “Depois do ocorrido na floresta, nosso grupo se

    separou. Natasha seguiu com os Filhos das cores, 

    abandonando também ao seu par. Alexandra se

    casou com um humano, e apenas Victória 

    ficou ao meu lado.” Isabelle escreve em seu 

    diário, e sorri para o marido, que ao contrário do

    que se imagina, não está mais dentro de

    Dantas, mas segue com o demônio

    Leviroth, com quem outra vez trouxe ao

    mundo, a pequena Isandra, que antes era

    só um fantasma. Hoje a criança não se

    recorda do quanto já ajudou seus pais,

    mas tem constantes sonhos a respeito

    disso. “Nós trouxemos os demônios

    a Terra naquele dia? Será que eram os

    nossos pais? Ou libertamos o mal?” Belle

    morde a tampa da caneta. Infelizmente

    nem tudo são flores, após abrirem os

    últimos portais, Leviroth destruiu o

    corpo de Dantas, por conta da

    sua energia, e por isso teve de ir para

    o corpo de um amor secreto da Calligari.

    Um garoto por quem nutriu uma paixão

    muito forte, antes do metido a perfeito

    interferir. Seu nome era Bener De La

    Cruz. Um rapaz moreno, magro, de olhos

    castanhos, e pele amarelada, que um dia

    entregou a sua alma a filha do demônio,

    por ter alimentado uma paixão por

    ela, desde que tinha 15 anos. Que aliás

    tinha sido o corpo original do príncipe, mas

    como Isa não percebeu, ele foi obrigado a

    mudar, até ela finalmente o amar.

    Na hora da transferência, a energia do

    par de Isa se tornou tão densa, que o corpo

    o rejeitou de imediato, gerando uma triste

    consequência, Leviroth perdeu da memória

    , ao retornar para a casca vazia, e Isa se

    sentiu solitária sem ele, achando que

    o tinha perdido. Separados ambos ficaram

    sofrendo, Leviroth tentou cometer suicídio,

    e a bela feiticeira se jogou nos prazeres do

    mundo, viciando-se em certas manias

    humanas, que terminaram por

    destruí-la. Ao se reencontrarem, a chama

    ardente se reascendeu de imediato, só que

    o amor, outra vez veio com o tempo, e por

    isso eles tiveram problemas para enfim

    se adaptarem. Após algum tempo Isabelle

    reencontrou Victória, que como os outros foi

    para um caminho diferente, e esta veio lhe dizer a 

     triste notícia. Belliath, também tinha partido naquela

     noite, que elas batizaram como o banquete diabólico, e 

    isso lhe deixou muito triste e abatida. Ao ouvir as lamentações 

    a amiga, a jovem lhe abraça forte, e conta-lhe que passara 

    pelo mesmo, só que teve um desfecho feliz, assim elas 

    passaram a trabalhar nas buscas pelo

     outro príncipe.

    _Olha Belle. Este aqui poderia ser o

    Belliath não acha?

    _Não, não tem a energia forte dele.

    _E este? É sedutor como ele...

    _De fato, mas tem a personalidade?

    _Isa o quê foi?

    Victória larga as fotos estiradas na mesa,

    e se volta para a amiga que se mostra bem

    pensativa, a respeito de algo. Esta para de

    pensar, e olha de forma alheia, como se

    tivesse saído de uma alucinação.

    _Não é nada Vic. São apenas sonhos

    que tem se mostrado curiosos.

    _Como assim? O quê tem sonhado?

    _Lembra que sumiu por uns anos?

    _Eu tinha perdido o meu amado,

    não comece a me julgar!

    _Não estou. É que desde aquela noite

    no bosque, tenho tido sonhos que

    não me deixam dormir.

    _Que tipo de sonhos? E com quem?

    _Um demônio, e é como se Dantas

    fosse ele.

    _Mas tinha um demônio no Dantas.

    O Leviroth seu atual marido.

    _Sim...Porém parece que tinha algo

    mais, dentro daquele mauricinho

    idiota.

    Isabelle respira fundo, e recorda-se do

    último contato que tivera com o namorado

    , e baixa a cabeça. “Você o colocou dentro de

    mim! Sua vadia maluca!” “Ele escolheu

    seu corpo! Eu não tive culpa!” “Ele só

    me escolheu, por sua causa!”. “Eu espero que

    você morra!” Gritou ao ver sua pele se dilacerando,

    no meio da mata, até que se foi. Deixando-a para o

    todo sempre, e então o demônio veio em forma

    de espírito, tentando se agarrar a ela, mas 

    desapareceu diante de seus olhos.

    _Isabelle. Estou falando com você.

    _Oi Vic. Me perdoa, estava lembrando

    dos últimos momentos, em que o

    Dantas foi ele mesmo.

    _Por quê?

    _Porquê ele desejou minha morte.

    _E daí?

    _E se ele foi pro Inferno, e fez um

    contrato para garantir isso?

    _Com o quê tem sonhado?!

    _Com o Anticristo, e ele vem para

    me buscar, todas as vezes...

    _Como um monstro, pronto para

    te arrastar para o outro lado?

    _Como um noivo no dia do seu

    casamento, e eu sou a noiva,

    não uma espectadora.

    Responde recordando-se dos sonhos

    que tem com uma criatura humanoide,

    de olhos verdes, cabelos negros e bem

    longos, de pele pálida, que está sempre

    sério, mas nunca perde a oportunidade

    de está ao seu lado, como o seu par, e

    antes que a converse se prolongue,

    alguém liga a TV do bar, e chama

    a atenção das belas.

    _Caos no novo governo. Isto é o quê

    vemos neste momento! As minorias

    se revoltaram, e pedem pela volta

    dos velhos ministérios!

    _Isto é uma luta pelos direitos

    humanos! Este ditador tem que

    ser derrubado! Senão mais

    gente vai morrer!

    _Jovens e adultos, invadem o

    congresso, para brigar pelos direitos

    dos presos, que estão sendo usados

    , para experimentos científicos.

    _Eles são humanos como eu e você!

    Comem, bebem, sentem frio e medo!

    Precisam de cuidados! Não desta

    opressão maldita!

    _A confusão gera um conflito entre

    militantes da bandeira vermelha, e

    os militares, que tem carta branca

    , para puni-los, caso haja algum

    sinal de violência física.

    _Isso, isso é resultado do fascismo,

    que Vocês seus desumanos, deram o

    apoio! Olhem pra esta foto! Olhem

    pra este homem! Isso parece

    certo pra vocês?!

    Uma mulher grita diante da câmera,

    e mostra a imagem de um sujeito bem

    magro, recebendo agulhadas nas veias,

    num estado deplorável. Ao ver aquilo,

    Isabelle revira os olhos. “Luan Alves

    de Andrade, o cara que estuprou

    7 bebês. Merece até pior que

    isso.” Se recorda da prisão

    do meliante.

    _Depois de tudo o quê ele fez

    com aquelas crianças, este castigo

    é até mediano. Se eu estivesse no

    projeto, o torturaria por total

    prazer.

    _Com certeza. Um ser destes

    nem merece ser chamado

    de humano.

    _É, mas ainda sim, estes cegos

    se reúnem diante do Congresso

    para lutar pelos direitos dele.

    _Sim Belle, a humanidade está

    mesmo perdida.

    _De fato.

    As duas se levantam, pagam a conta

    com código digitais, e vão embora, sem

    perceber que estavam sendo vigiadas por

    um homem de terno e chapéu branco, e

    este sorri, e pega as digitais dos copos

    , sem que o vejam fazê-lo, pois é um

    aparentemente profissional na área.

    “Isabelle S Calligari Marry De La Cruz.”

    É o quê aparece na tela do seu celular,

    junto da imagem da bela, parecendo a

    pior das anarquistas. “Victória Silverius

    S Haster.” É o segundo nome a vim,

    junto da imagem da bela no seu

    estado normal.

    “Elas são perfeitas para o caso.” Ele

    pensa, ao analisar o perfil das duas. Isa

    se mostra um gênio revoltado, enquanto

    que Vic mostra habilidades notáveis em

    trabalhos manuais, e muito carisma.

    “Isabelle é realmente a filha dele.”

    Conclui, desligando a tela.

    A noite...Isabelle digita uma extensa

    pesquisa no notebook, e do nada a sua

    tela escurece, preocupada, ela se cobre

    , e se afasta do aparelho. Dados com

    código são  descriptografados, e

    ela recebe uma mensagem.

    _1508? O quê isto significa?

    _Siga o Coelho Alice.

    _Eu não. É arriscado demais.

    _Você quer respostas sobre o seu

    sonho comigo, e eu posso te dá

    , mas precisa confiar em

    mim.

    _Usando robôs é fácil mesmo

    roubar informações.

    _Eu sei seu nome, e sei onde

    nasceu.

    _Basta ir no Facebook.

    _Eu sei que está roendo a

    fronha com medo.

    _Estudou meu perfil psicológico.

    _Eu sei de coisas que fez no

    sonho, e não teve coragem de

    contar a Victória, por sentir

    vergonha.

    _Algo mais?

    _Sei de tudo o quê já fez.

    _Por exemplo?

    _Suas orgias lésbicas com 6

    anos de idade.

    _Ok. Você venceu. O quê

    quer?

    _Siga o coelho e saberá.

    A tela volta ao normal, e então chega

    um convite para um baile de gala, para uma

    pessoa, em seu e-mail. “Leviroth não me

    perdoaria, mas preciso saber o quê me

    atormenta.” Morde os lábios, ao

    olhar para trás.

    Tomada pela curiosidade, respira fundo,

    e responde para o destinatário. “Agradeço

    a oportunidade, mas estou inclinada a ter

    que recusá-lo.” Envia, e recebe uma outra

    mensagem. “Doce Alice, precisa encontrar

    o Chapeleiro, o quanto antes. Não pode

    recusar.” A dama olha para os lados, e por

    fim escreve outra conclusão. “Tenho medo

    do Tempo. Ele pode não entender.”, E por

    fim recebe a última mensagem. “Farei

    um convite duplo, mas preciso vê-la

    para o chá.” Desta vez a antiga rebelde não

    recua. “Mostre-me o caminho para o Chá.”

    Enfim diz, e as mensagens se apagam

    Restando um convite para o

    casal.

    Com Victória acontece a mesma coisa,

    porém o roteiro é outro. “Sei que deseja

    encontrar alguém que não é deste mundo.”

    Diz a sua frase. “Não ignore este aviso, nós

    podemos te ajudar a encontrar Belliath.”

    Ao ver o nome de seu amado, o seu

    coração salta pela boca.

    _Como sabem de Belliath?!

    _Sabemos tudo sobre você.

    Senhorita Haster.

    _Quem são vocês afinal?!

    _Se queres saber, o caminho para

    a floresta deve seguir, Branca

    de Neve.

    _Não são os caçadores, não é?

    _Somos os mineradores, e

    podemos encontrar ao seu

    príncipe.

    _Os Anões?!

    Victória gargalha diante do computador,

    e leva um pequeno choque na ponta do seu

    dedo, que a faz chacoalhar a mão devido a

    dorzinha nele provocada. “Ai que anões

    irritados.” Pensa, colocando

    o indicador na boca.

    _Não se trata de uma brincadeira.

    _O quê podem me provar sobre

    o meu príncipe?

    _Que Ele a perdeu para anjos

    furiosos, e está entre os

    nossos agora.

    _O quê?!

    _Vá para a floresta, e o verá.

    A tela escurece, e Victória recebe um

    individual, para a mesma festa que Belle

    e Ben foram chamados. Só que enquanto

    no convite de uma está impresso o coelho, 

    no da outra é uma maçã mordida só de 

    um lado.




































































































    Capítulo 2- O baile misterioso




    No dia seguinte... Victória e Isabelle se

    arrumam para a festividade, sem saber que

    elas vão se encontrar no mesmo lugar. “ A

    fantasia certa para cada convidado.” Diz os

    bilhetes, em cima das estranhas caixas

    grandes, cor de ovo, que recebem. “Espero

    vê-la hoje, mesmo acompanhada do Tempo

    , senhorita Alice. Ass: Chapeleiro” É o quê

    o bilhete somente de Isabelle diz. “Logo a

    princesa irá receber o seu beijo, mas o feliz

    para sempre dependerá dela. Ass: Dunga”

    É o bilhete de Victória. Ambas pegam as suas 

    fantasias, e observam, que mesmo as

    respectivas personagens, não precisem de

    máscaras, elas precisaram usar. Ben chega

    do trabalho, e encontra a caixa enviada a

    ele, e pega a sua fantasia de Tempo, que

    vem com um aviso. “Olá senhor tempo,

    pode ter pensado que enlouqueci, mas eu

    preciso encontrar a Alice para o chá.” Diz

    o papel que ele esmaga revirando

    os olhos.

    _A gente já não teve problemas demais?

    _Por favor Leviroth. Eu preciso ir neste

    lugar, há respostas que você não pode

    me dá, não com essa memória.

    _Está bem. Mas se o Chapeleiro tentar

    ficar com você, ele vai conhecer o punho

    do Tempo.

    _Que bonitinho da sua parte, ainda ter

    ciúmes, depois de anos de casados.

    _Eu não lutei com aquele mauricinho

    Idiota, para ficar sem você depois.

    _Disso cê lembra né!

    _E de como você se sentia nos meus

    braços também.

    _Se controla bonitão. Não quero dá

    o Odin para a Isandra tão cedo.

    Diz Isabelle fazendo menção ao nome

    do próximo filho, que terá com o príncipe

    do Caos, e ele a puxa para si, beijando-a

    com intensidade, e deixando-a úmida

    entre as pernas, ao ponto de ficar

    corada.

    _Continuo tendo jeito para a coisa.

    _Continua sendo meio idiota.

    _O idiota que te ama.

    _O idiota com quem me casei.

    _E que vai amar por mais uma

    eternidade.

    _Pode ter certeza que sim.

    O beija, e ele a carrega, pronto para

    lhe tirar as roupas. Mas quando abre a

    sua camisa, e vai em direção aos seios

    dela, Isandra entra na sala, cortando o

    clima quente entre os dois. Sem jeito,

    eles sorriem, e a bela ajeita o cabelo

    para ir pegar a menina.

    _Depois desta festa odiosa...

    _Quando Isandra dormir...

    _Vou te mostrar os prazeres do Sol.

    _Vou ser uma com você como a

    Lua.

    _Agora vai lá com a nossa

    filha. Gostosa!

    Ele diz vendo-a de costas, e lhe dá

    um tapa na bunda, com o olhar safado,

    deixando-a vermelha de vergonha, ao ir

    até a menininha de 5 anos, que corre até

    os braços da mãe, com os olhos brilhando

    de alegria. Ao ver o sorriso da esposa, ele

    se sente realizado, por tudo o quê eles

    viveram, ter acabado tão bem.

    “Eu preciso encontrar a Alice para o

    chá.” Lhe vem a mente, transformando a

    sua face aliviada, em grande mau humor.

    “Como se não bastasse ter que ficar no

    corpo daquele moleque. Agora isso.”

    Pensa com raiva, temendo o quê

    está por vir.

    Sua memória pode ser sido afetada,

    mas não a mente de estrategista natural, e

    esta lhe diz que esta festa não vai terminar

    nem um pouco bem. Porém devido as atuais 

    circunstâncias, ele não pode dizer não a

    sua amada.

    A noite...Eles chegam ao local, é um

    museu antigo, e há muitos homens e

    mulheres bem de vida. Leviroth põe a

    máscara depois de entrar, e Isabelle

    o faz logo em seguida, grudando no

    marido com medo do quê vai ter

    encontrar ali. Infelizmente, assim que

    entram, há pelo menos 5 Alices dentro

    do salão, e quando o demônio se afasta

    para pegar as bebidas, a bela desaparece

    em meio as outras, e é puxada para o

    centro do lugar, onde dança com

    o Chapeleiro.

    _Olá Alice. Fico feliz que veio

    para a festa do Chá.

    _Quem é você? E o quê quer

    exatamente?

    _Você já me conhece dos seus

    sonhos querida.

    _Esta é a pior cantada de todos

    os tempos. Senhor Chapeleiro.

    _Estou falando sério.

    Pega em suas costas, e então aproxima

    sua boca do ouvido da bela, que fica por

    procurar pelo seu par, ignorando o ser

    misterioso, que se irrita, e a aperta

    colando-a em seu peito.

    _Meu reinado se aproxima.

    E a prostituta deve caminhar

    ao meu lado.

    _Que coisa romântica de se

    dizer no primeiro encontro...

    _Você pensa que casou-se com o

    príncipe. Mas também já foi a

    mulher de um Rei.

    _Anticristo?

    _Nesta noite sou só o Chapeleiro.

    Tira a máscara para a dama, e esta que

    já não conseguia respirar, perde o ar por o

    ver ali diante dela, segurando-a nos seus

    braços. Ele era idêntico ao sonho, só

    que neste momento está a sorrir,

    com bastante confiança.

    _Silêncio. Não grite.

    _Por quê está aqui?!

    _Porquê é chegada a hora de

    assumir o poderio do mundo.

    _E o quê isto tem a ver

    Comigo?!

    _Você é a mulher de vermelho,

    e deve ficar comigo.

    _Eu já pertenço a outro ser.

    _Será que é verdade?

    _É claro que é, eu vi a minha vida

    passada com ele!

    _Mas a viu por completo? Acha mesmo

    que alguém como você só teve um

    amor?

    _E o quê sabe sobre mim?!

    _Sei que ajudou a me libertar.

    É a última coisa que diz, dando-lhe um

    beijo rápido, e se misturando a multidão ao

    ver que Leviroth tinha percebido, que a sua

    Alice, tinha uma pulseira negra envolta do

    pulso, que a diferenciava das outras, e

    estava vindo resgatá-la.

    _Vamos sair daqui agora.

    _Está tudo bem meu amor?

    _Ele me beijou!

    _O Chapeleiro?!

    _O Anticristo!

    Berra claramente traumatizada com

    tal encontro, e abraça o marido, sentindo-se

    mole, como se fosse desmaiar de tanto

    nervosismo. Do outro lado do salão, que está

     decorado com árvores semelhante a floresta.

    Victória dança nos braços de um belo príncipe

     com máscara, que fica em  silêncio, até que 

    ele a beija, e esta sente tanto fervor, que 

    não há como negar,

    é Belliath ali.

    _Eu senti a sua falta minha princesa.

    _O beijo foi ótimo, mas como posso

    ter certeza que você é você?

    _Pergunte algo que só nós dois

    sabemos.

    _Como foi a nossa primeira vez?

    _Comigo sendo romântico, ao contrário

    do Roger.

    _Algo mais?

    _Você me expulsou do corpo dele,

    e voltei a ser grosso, mas mesmo

    assim nos envolvemos naquela

    noite.

    _Belliath!

    _O corpo do Roger não suportou.

    Tive mudar, antes que a insanidade

    dele me afetasse.

    _Tudo bem. Contanto que eu

    esteja com você.

    _Sim meu amor...

    Ele a abraça e olha para o outro lado, no

    qual O chapeleiro passa fazendo o sinal de

    que é hora de ir. Ao vê-lo, pede-lhe mais

    tempo, mas o líder nega, e o príncipe

    beija a sua amada com furor, deixando-a

    sem fôlego por alguns segundos, então

    segura em sua face, e olha em seus

    olhos.

    _Eu preciso ir agora.

    _Para onde?

    _Não posso dizer no momento.

    Mas tenha certeza de uma coisa,

    eu vou te achar de novo.

    _Me promete?

    _Sim, fique com isso, é algo

    que tenho esperado muito tempo

    para te dá outra vez.

    _Isso é?

    _Sim, quando eu puder voltar,

    nós iremos nos casar. Diga

    a Isabelle, que mandei um

    “Oi.”

    _Isabelle está aqui?

    _Sim, Ele queria muito vê-la

    , mas não podia se expor.

    _Quem?

    _O Anticristo.

    Responde deixando a amada com o anel de

    noivado, e parte com o Chapeleiro. Isabelle tira

    a máscara, e sai do salão de festas, e já se senta no sofá 

    onde os bêbados deitam, e fica no colo do marido, que lhe

     faz um carinho na cabeça, acalmando-a, pois apesar da

    forma atraente do tal ser, ela está em estado de

     choque.

    _Belle!

    _Vic!

    _Como veio parar aqui?!

    _Recebi um convite.

    _Eita quanta grosseria.

    _Desculpe, eu vim por respostas

    , e acabei por me deparar com

    o meu pesadelo vivo. E

    você?

    _Vim encontrar Belliath, que

    está junto do seu pesadelo

    vivo.

    _Olá Victória, eu também

    estou aqui.

    Diz o demônio erguendo a mão, como

    um aluno na hora da chamada. E é quando

    a bela nota que há mais alguém junto de sua

    amiga, e fica constrangida por ter ignorado

    o coitado sem querer.

    _Oi Leviroth. Desculpe, estava

    tão doida para encontrar a Belle,

    que nem te vi.

    _Depois dizem que não tem um

    “relacionamento lésbico”.

    _Para com isso Levi. Como foi

    reencontrar o Belliath?

    _Foi lindo e perfeito. Do jeito com

    o qual sonhei Belle. Olha só!

    _Nossa trabalhar pro Anticristo

    compensa hein?! Mor será que

    ele me arranja um emprego?

    _Nem pensar. Se você faltar um

    dia, em vez de descontar no salário,

    ele fala que tá no contrato chamar

    a sua esposa para um jantar!

    _Se for como os sonhos que ela

    me contou, é melhor ficarem bem

    longe dele. Ele quer tanto ela,

    quanto você já quis.

    _Já quis? Eu continuo louco

    por essa mulher! E juro que ainda

    quero arrebentar esse cara, por ter

    beijado ela. Aliás cadê ele hein?

    _Se aquieta bravão. Ele correu assim

    que te viu. Não deve mais nem sequer

    está por aqui. O quê significa que: É

    hora de beber!

    _Opa!

    Victória fica no bar admirando a aliança

    que seu amado lhe deu, com tanta alegria

    que nem nota outros rapazes. Já Isabelle

    bebe sem parar, querendo perder a sua

    consciência, para esquecer que tudo o

    quê temia, tinha vindo a tona.

    _Mais um por favor.

    _Já chega Camelinho. Eu vou no

    banheiro, e vamos para casa

    certo?

    _Está bem. Vou chamar, a Vic.

    A bela se prepara para se levantar, só

    que seu corpo está pesado. O efeito da bebida

    é tão forte, que vê tudo rodando, vários Chapeleiros

     caminham pelo salão, e ela não sabe se está alucinando, 

    até que um deles, a ajuda a ficar de pé,  lhe entrega uma carta. 

    Ela rapidamente a abre, percebendo que deve ler antes do marido

    voltar. “Você seguiu o Coelho, e esta é a sua recompensa. Te vejo lá

    , junto da Branca de Neve.” É tudo o quê diz no papel, e dentro do 

    envelope acha um pendrive, que tem esculpido nele a estranha 

    numeração...“1508.” Olha para o drive, e o guarda no bolso. Victória 

    vem ao seu encontro, depois de sair do trem do amor, e a moça 

    logo lhe mostra a carta, e o tal aparelho que veio junto. Ao 

    ver aquilo, a jovem fica estática, e curiosa para entender

     qual é a relação de Belle com o Anticristo.

    _Belle...Você é um imã para demônios!

    _Há há engraçadinha. Deve ter algo muito

    errado comigo isso sim.

    _O quê ele queria com você esta noite?

    _Eu não sei. Acho que me traumatizar.

    _Com um beijo?

    _Qual é. Foi só um selinho. Mas o fato

    de vim da boca dele, é que me assustou.

    _Não foi como quando Leviroth...

    _Não! Eu tenho medo dele!

    _Então não gostou nem um pouco?

    _Eu sou casada. Com o amor da

    minha vida. É claro que não.

    _Eu não entendo Belle. Você e

    Leviroth são almas gêmeas, por quê

    surgiu mais alguém nessa história?

    _Boa pergunta. Ele diz que foi porquê

    Eu fui mulher dele.

    _Mas toda a sua vida passada foi

    Revelada, com a chegada de

    Leviroth.

    _Foi o quê eu pensei, só que ele

    garante que há mais para

    saber.

    _Então no pendrive...

    _Deve ter mais pistas sobre quem eu

    já fui.

    Conclui observando o marido se

    aproximar, então esconde o pendrive e a carta.

    Eles vão para dentro de um Uber, e ali longe dos

    olhos curiosos, a jovem pega o tal papel e

    mostra para o conjugue.

    _Ele não queria que soubesse.

    _Que horas recebeu isso?

    _Foi ainda pouco. Antes de partimos.

    _Ele está te atraindo para alguma

    armadilha.

    _Eu sei, por isso estou te contando.

    _Devia cortar relações com

    esse cara.

    O motorista os observa pelo retrovisor,

    e aumenta a velocidade em que está indo,

    mudando o percurso do caminho de volta

    para casa. Notando a estranha situação, a

    moça olha para o marido, e os dois se

    jogam em cima do motorista.

    _O quê está fazendo?! Pra onde está

    nos levando?!

    _Responda para ela, ou vai acabar

    morto.

    _Por favor não façam nada comigo!

    Ele me obrigou! É a única forma

    de sair! De sair!

    _Você está trabalhando para

    O Anticristo?!

    _Responda ou quebro o seu pescoço!

    _Não! É para O Chapeleiro! Ele quer

    vê-la de novo senhorita Alice da

    pulseira negra!

    _Droga!

    Grita ao sentir o impacto do carro colidindo

    com outro. Leviroth é jogado contra o painel,

    e ela se bate no banco, ficando com

    uma linha de sangue na testa. O Chapeleiro

    entra na parte do passageiro, e pega a moça em

    seus braços, olhando para o rival, que se mostra

    desesperado, por não poder fazer nada, já que sem 

    memória, não sabia como ativar os seus poderes 

    caóticos. Isabelle acorda, sendo carregada pelo

    estranho, e sente o cabelo negro dele,

    caindo sob o seu rosto.

    _O quê, você, quer comigo?

    _Apenas a sua lealdade. Deixei bem

    claro que não devia contar a ele, só

    quê fez, e a consequência foi essa

    querida Alice.

    _Está dizendo que isso, isso é um

    Jogo?!

    _E o quê não é? Tudo se trata de

    ganhar uma recompensa por algo. Até

    um bebê sorri apenas, porquê sabe

    que vai receber um agrado.

    _Eu não sei, qual é, o, seu problema,

    mas juro, vou, te arrebentar!

    Grita usando o seu dom, para jogar um

    poste em cima dele, só que ele sorri, ergue

    a mão, e estala o dedo destruindo-o em mil

    pedaços. Ela entra em pânico, e para de

    reagir, fazendo-o sentir o doce gosto da

    vitória, obtida através do medo.

    _Esqueceu quem tem mais força?

    _Como eu, poderia saber? Nunca

    te vi, na minha vida!

    _Não adianta fingir. Eu provoquei

    aqueles sonhos.

    _Eu não sou, a prostituta.

    _Como pode ter tanta certeza?

    _Como você pode?!

    _Porquê fui eu quem te devolveu

    para este mundo Luciféria.

    “Como ele pode saber que este é o meu

    outro nome?!” Ofega, aterrorizada pelas

    coisas que o sujeito tem conhecimento a

    seu respeito. “É ele. Não há mais nem

    uma dúvida.” Termina, enquanto

    entram em outro carro.

    _Pode respirar. Não vou te fazer nada.

    Pelos sonhos já deveria saber.

    _Eu não estou destinada a você!

    _De fato antes não estava. Mas na

    hora que alterei o seu destino,

    passou a ser.

    _Por quê eu?! Com tanta mulher no

    mundo, muito mais bonita. Por quê

    tem que ser eu?!

    _Porquê foi você Isabelle, quem

    Eu escolhi, e não há anjo ou demônio

    que possa impedir, o quê agora nós

    somos um para o outro.

    _O pesadelo e uma bruxa que

    quer fugir dele?!

    _Um só espírito. Uma só carne.

    Uma única...

    _Eu sou a Alma Gêmea de Leviroth!

    Lúcifer nos revelou isso!

    Esbraveja, horrorizada pela palavra que

    ia sair da boca do poderoso homem. “Isso

    não pode ser verdade. Não pode! Eu amo

    Leviroth! Como nunca amei ninguém

    antes!” Suas mãos tremem sem

    parar.

    _Não é mais. Agora é a minha.

    _E a Minha opinião sobre isso?

    Eu não te dei permissão de

    se tornar meu par!

    _Não deu nesta na vida. Mas na

    outra foi apaixonada por mim, de

    tal forma, que governou o Egito

    ao meu lado.

    _Eu sempre fui do Leviroth.

    _Defina sempre. Porquê até onde

    Eu sei, nós passamos um bom

    tempo juntos.

    _Escuta aqui. Ôh falso messias do

    caralho. Eu já fui encantada por um

    demônio, e ele usou a sua mesma

    jogada. Por isso não vou cair...

    O belo se debruça em cima dela, e a

    beija, segurando-a com firmeza. Desta

    vez ela luta para se livrar dele, não por

    não resistir, mas sim porquê só é

    capaz de pensar em Leviroth,

    neste momento.

    Não é como da outra vez, em que o

    toque do demônio, a fazia ir as nuvens, e

    se sentia culpada por desejá-lo. Ela sente

    total desespero, desgosto, e desprazer

    em tal atitude, por isso o morde bem

    forte, ao ponto de sangrar, só que

    isto o faz rir.

    _Aposto que ele nunca calou sua

    boquinha desta forma.

    _Eu sou casada! Com o amor da minha

    Vida e existência! Encoste em mim de

    novo, e eu vou...

    _Vai o quê?! Me morder como uma

    gatinha assustada que é?!

    _O quê eu fiz para merecer isso?!

    _Me soltou para o universo.

    _Eu nem me lembro disso!

    _Não lembra porquê faz muito

    tempo, mas desde daquele dia eu

    soube que era perfeita, e que a deusa

    mãe a tinha feito para mim...

    Se recorda da menina ruivinha, que foi até

    o Tártaro, e o libertou para o cosmos. “Você

    sabe que posso destruir o universo?”

    “Sim, sei, e eu quero que faça isso, é uma

    forma de me agradecer.” Ele a vê lhe dando as

    costas, então seus olhos ficam fixos na miniatura

    da Rainha da terra do não retorno. “Um dia ela será

    a minha rainha.” pensa ao escapar, virando-se para 

    trás, só para ter certeza de que vai ver a criança

     maldosa outra vez, mas esta já tinha

    desaparecido.

    _Eu me apaixonei por você naquele dia.

    _Pelo que me disse eu era uma criança

    , uma criança bem estúpida por

    sinal.

    _Sim era. Mas aguardei ansiosamente

    , até que crescesse, só que quando fui

    lhe buscar, o seu coração já tinha

    sido tomado por Ele.

    _Não foi tomado. Eu o dei para ele.

    _Foi tomado sim. De mim. Eu deveria

    ter sido o seu par, não aquele idiota

    do príncipe.

    O ódio e a mágoa nos olhos do belo

    estranho, são bem visíveis, e dão fortes

    calafrios na jovem mulher, que não se

    sente nada a vontade, na presença

    da ilustre figura.

    _Se isso é verdade, por quê Lúcifer

    nunca o mencionou!? Ou te vi na

    hora que despertei?!

    _Lúcifer apoia sua união com Leviroth,

    e por culpa pelo o quê um dia sentiu por

    mim, você apagou nossas memórias.

    _História bonita! Mas eu sempre fico

    com Leviroth, por quê insiste!? É

    óbvio que a deusa mãe não

    me fez pra ti!

    _Porquê Eu quero você. Tanto que

    roubei as tábuas do destino, que a tal

    deusa destinada a mim, um dia pegou

    do deus aquático, e lá escrevi que é

    para sermos um só.

    _Você é louco.

    Ele se prepara para responder, porém antes

    que o faça, é atingido por um dardo na nuca, e

    desmaia. Preocupada com quem possa ser, ela

    empurra o corpo dele, se rasteja para fora do

    carro, pronta para correr, antes que a

    peguem também.Ele se prepara para responder, porém antes

    que o faça, é atingido por um dardo na nuca, e

    desmaia. Preocupada com quem possa ser, ela

    empurra o corpo dele, se rasteja para fora do

    carro, pronta para correr, antes que a

    peguem também.













    Capitulo 3- Mais mistérios no ar.




    A moça passa por trás do carro, e aumenta a velocidade 

    de seus passos, correndo para longe do veículo, antes que

    seja atingida como o homem que a sequestrou. Os seus

    cabelos esvoaçam ao vento, é evidente que há medo

    em seu olhar, ela precisa sair dali, pois como 

    nas outras vidas, os inimigos são 

    perigosos.

    _Isabelle S Calligari De La Cruz.

    _Como sabe o meu nome?

    _Não há tempo para responder.

    Venha comigo.

    _Socorro!

    Um ser alado levanta voo, pegando-a em

    seus braços, e este a coloca dentro de um carro

    em movimento, através do teto solar, e entra logo

    em seguida. A morena olha para os lados, e vê que

    o marido, está recebendo os cuidados médicos

    logo a frente, e se não estão tentando-a

    lhe separar dele, inimigos não

    devem ser.

    _Para onde estamos indo?

    _Logo irá saber senhorita Calligari.

    _Por quê estão nos ajudando?

    Quem são vocês?

    _São respostas que logo irá obter.

    Mas antes há outras pessoas

    a serem encontradas...

    Responde-lhe o anjo, com um sorriso, e lhe

    aplica um sonífero no pescoço, que a faz desmaiar

    em seu ombro. Não permitindo-a vê-lo, e talvez o

    reconhecer de algum lugar. O carro segue a

    viagem, e entra num túnel, no qual

    desaparece. Olhos se movem, ainda fechados, e se 

    abrem em sincronia, outra vez As 4 fases da Lua está

    reunida, porém uma integrante não está presente, e 

    esta é Natasha, que neste momento lidera as atuais

    tropas da bandeira vermelha, por ter sido uma

    dos convertidos em Filhos das cores.

    _Onde estamos?! Belle?! Victória?!

    _Alexandra?! (Dizem em uníssono)

    _O quê aconteceu para virmos 

    parar aqui?! Horácio?!

    _Alexandra? Está tudo bem meu

    amor?!

    _Isabelle...Isabelle não vá com ele...

    Leviroth parece ter pesadelos, e a sua

    amada, pula do sofá negro, correndo para 

    acordá-lo, e antes que haja mais confusão, 

    o agente que salvou a Senhora De La 

    Cruz, caminha no meio da sala.

    Ele é pálido como a lua, tem olhos azuis,

    e cabelos negros curtos. Apesar da roupa de 

    agente de elite, este não se mostra muito 

    formal, e se escora na beira mesa, 

    atraindo a atenção deles.

    _Olá para todos.

    _Isso daqui não é um dos jogos

    mortais não é?!

    _Alexandra isso não tem sentido!

    _Garotas...

    _Ué é Belle, os caras não nos deixaram

    ver como se chega aqui. Preciso saber

    se estamos em perigo.

    _E você acha que eles nos diriam?

    _Ninguém está em perigo aqui.

    Não ainda pelo menos.

    _Viu como foi bom perguntar?!

    _Seria melhor não saber.

    _Vocês foram convocados, porquê

    precisamos da sua ajuda.

    O agente revira os olhos, e os rapazes ficam

    analisando aquilo friamente. Tentando saber a

    onde isso dará. Sabendo que as palavras não

    serão o suficiente, o rapaz liga a TV LCD atrás 

    dele, e mostra as imagens do fatídico dia

    do banquete diabólico.

    _Não! Algo deu errado! 

    _Leviroth! Leviroth! 

    _Sua vadia! Espero que morra!

    _Victória ele quer o controle 

    de volta! Não vai dá!

    _Belliath! Não!

    _Samalast! 

    _Alexandra!

    _Não confie neles Natasha!

    _Meu amor!

    Vários corpos ficam atirados ao piso sem as

    suas órbitas, como se tivessem queimado por

    dentro. As 4 bruxas olham para os cadáveres,

    e ficam em estado de pânico, sem saber o

    quê fazer. Forças obscuras saem de dentro do

    tal portal, dando gargalhadas, por enfim ficarem

    livres de suas prisões. Elas giram entorno das

    feiticeiras, até por fim irem para cima

    delas, fazendo-as berrar em

    desespero.

    _Sim nós sabemos o quê fizeram.

    _Éramos jovens, não sabíamos que o 

    resultado seria este! 

    _Só queríamos ver nossos pais!

    _Eu só queria saber se real!

    _Sim, sabemos disso. Se acalmem.

    _Eu não matei o Dantas.

    _Eu não mandei o Roger pro

    hospício.

    _Eu não destruí o meu namorado.

    _Não exagerem. Nisso são culpadas.

    Diz o moreno, e Isabelle fica irritada com

    a atitude fria dele. Por isso se levanta e vai

    ao seu encontro, pronta para bater nele

    se preciso, afinal de contas tinha sido

    um idiota, e merecia uma bela

    correção.

    _Como você ousa dizer isso?!

    Não vê o estado em que elas

    estão?!

    _Pensassem nisso antes de querer

    brincarem de Deus. Luciféria!

    _Como sabe o meu nome real?!

    _Não importa. Me perdoe eu

    fiquei nervoso.

    _Como sabe disso?!

    _Ele sabe porquê é um arcanjo

    Izzy.

    Diz Leviroth os separando, antes que ele

    se matem ali mesmo. Porém quando vê o

    rosto do agente de perto, de imediato o

    reconhece, e isto o faz ficar catatônico,

    e implorar com o olhar, para que não

     diga nada para Isabelle.

    _Um Arcanjo?!

    _É. Um dos que te levou para o céu.

    _Isso mesmo. Eu quem te assassinei

    na outra vida, para impedir que

    abrisse outro portal.

    _Agora que não confio mesmo em

    você! Pior que os Filhos das Cores 

    é a tua raça!

    _Calma Izzy.

    _É a mesma que a sua. Então cuidado

    na hora julgar. Eu abri minhas asas e voei

    contigo, pensou que fosse o quê?

    _Eu sou diferente! Eu sei lá um

    mutante?!

    _Já chega vocês dois.

    O marido a leva de volta para o sofá, e

    olha para trás, o ser alado agradece com

    gestos, e o demônio olha com indiferença,

    sentando-se junto da esposa, que ao se

    ajeitar, o encara com raiva latente.

    _Não estou aqui para achar um

    culpado, e sim uma solução.

    _Como se Lúcifer ou Satã fossem 

    nos permitir, ajudar anjos imundos 

    como você.

    _Eu permito, e aliás sou um só.

    Diz um homem tão louro, que parece ter

    sido coberto pela luz mais radiante do mundo.

    Ao vê-lo Isabelle cai para trás, e Victória fica

    de queixo caído. Junto dele vem Belial, e

    o deus sumério Enki, agora batizado

    como Leviatã.

    _Papai?

    _Eu e Victória somos irmãs?!

    _Não entendo por quê estão tão 

    surpresas. Já os viram antes.

    _Venham cá, dá um abraço minhas

    princesas queridas.

    Lúcifer abre os braços,  tornando-se agora 

    um belo moreno de olhos vermelhos, e com o

    par de chifres exposto, e Victória corre para

    abraçá-lo. Isabelle fica congelada ali, sem

    se mover, e por isso o pai vai ao 

    seu encontro.

    _Ainda bravinha e ciumenta não é

    Luciféria?

    _Só estou assustada. Foi me dito que

    um dia herdaria o seu reino, e a 

    Vic o reino de Satã.

    _ E ambiciosa, como o pai...

    Confundiram as suas mentes minha

    Princesinha. Ninguém vai herdar reino

    algum, porquê sou eterno.

    _Que animador...

    _Mas você e Victória, tem os seus

    próprios, que foram feitos com muito

    carinho pela sua amada mãe Lilith.

    _Então ? 

    _Vocês não são só princesas do

    Caos. São rainhas de reinos

    distintos.

    _Interesseira!

    O agente tosse, chamando a atenção de

    Isabelle, e o imperador do Caos, ri daquilo

    notando o raio que está saindo dos olhos de

    ambos, que estão se fulminando sem parar,

    como se houvesse alguma história, por

    trás de tanto ódio mútuo.

    _Algumas coisas nunca mudam...

    _Não, não diz...

    _Não diz o quê? Estrupício de asas?

    _Não é Miguel?

    _Ela vai me matar agora.

    _Miguel? Arcanjo Miguel?!

    _Isso mesmo querida.

    A bela de imediato se afasta, e Victória e Alexandra vão 

    atrás dela. Miguel e Lúcifer discutem um com o outro. “Não 

    tínhamos combinado que ela não saberia?!” “E te dá a chance 

    de desgraçar a vida dela de novo?” “Eu nem queria voltar a me

    envolver com aquela maluca! Estou trabalhando aqui contra

    a minha vontade!” “Não pareceu isso Nergal.” “Dá pra parar

    de entregar meus nomes de bandeja?” “Então pare com a

    sua procura, por motivos pra discutir com Ereshkigal, 

    foi assim que começou da outra vez.”

    _Belle está tudo bem?

    _Parece que cê tava certa...

    _Eu tô bem Vic, e concordo Alex.

    _Vai conseguir fazer a sua missão com ele?

    _Ele não parece muito interessado em voltar,

    então pode ficar fria.

    _É, eu vou ficar calma. Não é nada demais.

    Olha para o agente que continua a brigar com o irmão,

    que segue gargalhando, zombando das desculpas do pobre

    , que se mostra incomodado com as alegações. Seu olhar de

    medo, se cruza com os da jovem, e ambos ficam parados,

    totalmente desconsertados. O Anticristo não tinha lhe dito 

    mentiras, ela realmente teve outros pares, e o arcanjo era um 

    deles, mas como o seu amor por Leviroth era maior, ela fingia

    que não existiam. Ele passa a mão no cabelo cortado, e por

    fim respira fundo, indo ao seu encontro. Ao chegar as

    amigas o observam como leoas prontas para

    avançar.

    _Me perdoe. Eu só fiquei irritado por

    falar mal dos anjos.

    _Tudo bem.

    _O quê aconteceu no passado, fica enterrado lá.

    _Concordo plenamente com você.

    _Podemos trabalhar juntos?

    _Certamente.

    Apertam as mãos como adultos maduros, e ele se 

    distancia, recompondo-se, após engolir a verdade seca,

    que lhe dói a garganta. “Fica no passado.” Olha para ela

    e Leviroth juntos, sorrindo um para o outro. “Enterrado

    lá.” Fecha os olhos com tristeza, e se esforça para 

    fingir que está tudo bem.  

     Olha para ela

    e Leviroth juntos, sorrindo um para o outro. “Enterrado

    lá.” Fecha os olhos com tristeza, e se esforça para 

    fingir que está tudo bem.

    _Todos reunidos. Agora podemos seguir adiante.

    O agente começa a descrever por quê cada um foi

    convocado ali. Contando toda a história que veio dá 

    origem, a esta estranha união entre iluminação e 

    trevas, com o auxílio de slides. “É dito na bíblia 

    que após a queda dele, escuridão e luz não devem 

    se misturar. Mas dado as tristes circunstâncias em que

     tanto anjos quanto os demônios, estavam a mercê da 

    extinção não tivemos outra escolha, senão nos

     juntarmos.” Inicia, com

    o olhar fixo no nada, e mostra imagens da luta

    entre o céu e o inferno. “Eles queriam paz, e nós

    a guerra porém ambos utilizamos os mesmos meios 

    para isso, e foi assim que o libertamos.” Mostra a 

    imagem do Chapeleiro para todos, e a filha de 

    Lúcifer sente um incômodo. “Todo o nosso ódio e

    mágoa, nos deixou tão cegos, que nem percebemos

    quando ele se apossou de nossos mundos, e quando

    voltamos a razão, era tarde demais.” Mostra o paraíso

    devastado, e o inferno dominado. “Por muitos séculos

    vagamos sem um lar, até acharmos este planeta no

    qual nos estabelecemos.” Mostra a chegada dos 

    Anunnakis e os reptilianos, e como eles se

    desenvolveram. “Haviam alguns conflitos vez ou 

    outra, pois somos como água e óleo. Mas nós criamos

    uma bela comunidade, tanto para anjos, quanto para

    os demônios.” Aponta para o Egito, e demonstra os

    deuses, mas não há bons ou maus, apenas os

    iluminados, e os obscuros. “Infelizmente ele nos

    encontrou. Meu povo foi escravizado outra vez, e os

    demônios se curvaram para ele, para sobreviver. Só

    restou um punhado de anjos e demônios, seguros

    do Pacto de Harmonia.” Ele mostra os seres de

    amaduras vermelhas, se curvando para o 

    ser. “Ele é aparentemente só um garoto, mas não

    se enganem, seu poder era tão grande, que o próprio

    pai, tentou devorá-lo, para o impedir de reinar.” As

    cenas agora se passam na Grécia antiga. O garoto

    é um homem agora, que domina as terras sombrias

    , e o Olimpo. Sim ele é Zeus e Hades, mas em 

    períodos diferentes. Pois o verdadeiro Zeus é o

    próprio Lúcifer, renascido após ter sido preso pelo

    próprio filho, quando era o Titã Prometheus. “Você

    será jogado na Terra do não retorno.” Diz-lhe o titã. 

    “Eu voltarei, e tomarei o trono de ti outra vez Zeus.”

    Declara o inimigo. “Dizem que Perséfone é assim.

    Mas esta foi uma forma que propagamos para 

    garantir a segurança dela.” Ele olha para

    o anjo das bruxas.

    “Só que a sua verdadeira forma é essa.” Surge o

    retrato da deusa, e as bruxas se viram para Isabelle

    , que fica transtornada com aquilo. “É idêntica a ti.”

    Diz Victória fascinada com isso. “Tem até as suas

    Tetas.” Alexandra brinca, e a jovem se cobre

    com os braços. “Ao contrário do quê os humanos

    dizem, Koré não era uma virgem, e tão pouco estava

    livre naqueles tempos, tinha um relacionamento 

    com Thanatos, sob a alcunha de Macária, e com ele teve um 

    bebê. Algo que enfureceu  bastante o

    deus dos infernos gregos, e por isso 

    ele a tomou para si.” O rapto da deusa, é mostrado

    em obras de artes, que não condizem com a sua forma

    verdadeira. “Os humanos inventaram também que a deusa

    Afrodite, era um equivalente de Inanna, a deusa mesopotâmica

    , e que esta tinha descido ao Inferno, apenas para rever o seu

    amante Adônis.” Imagens de Afrodite e Adônis surgem na

    tela. “Mas como devem saber, assim como a descida dela, a

    sua identidade também é uma mentira. Esta é a antiga forma

    dela.” A imagem da deusa é idêntica a Victória. “Isso explica

    porquê sempre acreditou no amor, mais que todos.” Diz

    Isabelle. “Ou porquê teve tantos namorados.” A outra

    bruxa brinca. “Afrodite não nasceu da espuma do mar, esta

    é uma metáfora, que esconde o seu outro nome Despina. A

    deusa renegada.” Segue contando a história sem muito

    interesse. “Ao contrário do quê a humanidade prega, ela não

    foi deixada para trás, porquê Deméter era má, ou por ser fruto

    de um abuso. Mas sim porquê Despina compactuou com os

    titãs, na guerra, para roubar o trono de Perséfone, a sua

    irmã mais velha.” Victória se sente triste, mas Isabelle segura

    sua mão, dando-lhe apoio. O quê ocorreu naqueles tempos, é

    para ser esquecido, pois hoje em dia são melhores amigas. “

    E foi assim que garantiu que Perséfone fosse levada

    ao Inferno.” Prossegue. “Despina teve orgulho de seu ato

    cruel, até sofrer as consequências. Deméter ficou desolada pela

    perda da filha, e por esta razão esqueceu dos outros filhos, não

    se importando com nenhum deles, exatamente como quando

    a caçula nasceu.” Ao ouvir aquilo Isabelle fica de queixo

    caído, pois nas suas visões em que tinha uma irmã

    , esta parecia ser muito mais amada. “Hera não queria deixar

    que Deméter fizesse um acordo para devolverem a filha. Afinal

    de contas, ela era o pilar de Despina neste plano, pois tudo o

    quê desejava, era fazer a sua rival sofrer, por tira-lhe o

    amor de Zeus.” Ao verem a história, as irmãs se entreolham,

    e lembram das vezes que viam sobre Ninlil e Inanna, que

    desde o principio queria o amor de Enlil, mas como este era 

    da irmã, ela ficou furiosa. “Me perdoa Belle.” Victória se

    sente incomodada, e chora, abraçando a sua 

    irmã. “Esta tudo bem. Nos preparamos para este dia Vic, ou

    esqueceu de como foi que nos conhecemos?” A dama ri, e a 

    moça fica sem jeito. “Despina se arrependeu, e foi até

    Hades, desfazer o acordo, mas o deus tinha se apaixonado 

    pela deusa, e não a queria deixar ir, pois temia que nunca

    mais voltasse.” Isabelle sente uma dor na garganta. “Triste

    pela derrota, a deusa renegada caminhou sem rumo, até cair no

    mar, e se encontrar com outra divindade, que estava morrendo em

     meio a tantas guerras e desavenças.” Surge a primeira Afrodite 

    celestial, sentindo-se fraca. “Me perdoe. Eu não sabia que meu ódio 

    poderia causar tantas desgraças.” Implora o perdão da deusa, esta sorri 

    e toca em seu rosto, puxando-a para perto. “Este é o meu fim Despina.

    Por tua causa, Eu o Amor estou morrendo, e é por isso que precisa

    consertar o teu erro.” Disse-lhe a deusa a beira da morte.

    “Como? Se tudo o quê consigo fazer é congelar e destruir o quê a

    minha mãe cria.” Chorou a menina de cabelos brancos e rosto jovem.

    “Através do amor minha querida. Através do amor.” Disse-lhe com

    as mãos em sua face, e a beijou calorosamente, preenchendo o

    frio em seu coração, com tanto calor, que seus cabelos

    mudaram de neve para vermelhos como as

    rosas. A luz brilhou, e por fim ela saiu das espumas renascida, a

    velha Despina, amargurada e louca por destruição tinha morrido, e

    dado espaço para a segunda Afrodite, que faria o quê estivesse ao

    seu alcance, para salvar a sua irmã do marido. “Despina não foi a

    única a receber o beijo de uma deusa, que lhe deu novos poderes.

    Koré também tinha passado por este processo, e por isso sua irmã

    se sentiu tão mal.” O anjo explica, e Isabelle fica

    a se questionar.

    _Perdão mas está errado. Eu vi o meu passado.

    Eu era a invejosa, não Despina.

    _Até onde exatamente você viu? Na infância sim,

    teve suas razões para detestar a sua irmã, pelo tipo

    de carinho que Deméter dava a ela. Mas depois que

    ficou mais velha, e recebeu a graça de Nyx, sua

    mãe teve muito orgulho de você.

    _Sim, mas Despina era mais amada e 

    querida.

    _Não, quem te disse isso?

    _Uma bruxa chamada Ariadna.

    _Ela mentiu para você. Sempre foi muito amada

    por seus pais, por ser a primeira filha deles, e mesmo

    achando que não, eles te deram tudo o quê podiam

    , para te fazer feliz. Só que o fato de dividirem 

    este amor com Despina, que te deixou

    tão chateada.

    _Mas Ariadna...

    _Claramente não é de confiança.

    Responde e prossegue ignorando os outros apelos. “Eu disse que

    nós duas fomos bem amadas.” Resmungou Victória com alegria, por

    saber que não deixou sua amiga sofrer. “Para chegar no lar

    do deus do submundo. Afrodite foi até a deusa Tétis, e pediu-lhe

    para levá-la ao fundo do mar. Para assim chegar as águas,

    que passaram pelo Tártaro.” Contou a história, e como já era de

    se esperar, Tétis tinha traços idênticos aos de Alexandra, que fez logo

    um sinal, para que as irmãs se calassem. “Em várias culturas, estas 3 deusas

    foram muito conhecidas, e como ambas tiveram domínio do submundo, logo

    formaram a egrégora de Hécate, que deu origem ao surgimento de uma

    nova deusa na mente humana.” Eis que aparece a imagem da deusa

    de três cabeças. “Afrodite, representava a jovem. Tétis a mulher,

    e Perséfone a anciã, por herdar o poder de uma titã.” Mostra a estátua,

    e aponta para o símbolo lunar na cabeça da deusa. “Esta imagem das três

    fases da lua, foi muito presente nas culturas, e suas histórias se repetiram,

    fazendo-as serem conhecidas por outros nomes. Por isso é muito comum

    , encontrar deusas equivalentes.” Diz  apontando

    para as deusas semelhantes, de outras culturas, e Isabelle ergue

    a mão, o fazendo revirar os olhos, por temer que isso

    gere uma nova discussão.

    _Sim Isabelle pode falar...

    _O meu equivalente nórdico é a Hel. O quê não coincide

    em nada com a Perséfone.

    _Não coincide com o quê os humanos sabem, mas você

    é como uma segunda Nyx, portanto faz sim sentido.

    _Se diz...

    Ele sorri forçadamente e prossegue com as explicações. Sabendo 

    agora dos seus reais poderes, que vão além dos 4 elementos, as jovens 

    são conduzidas para fora da sala, e levadas até o ginásio, onde uma das

    belas tem uma surpresa devastadora. “Você é minha agora.” Se recorda

    Victória, ao ver um belo homem de cabelos longos e negros, pálido, e

    de olhos azuis escuros, que está com o olhar vazio de um

    assassino mortal.

    _Com licença, mas o quê ele faz aqui?

    _Ah, perdão Victória. mas devido

    ao seu poder como Despina, você deu

    origem aos seres vampíricos, e por isso

    Gabriel, irá te ajudar a manipular os

    seus dons.

    _Nunca odiei tanto o fato de ser vampira.

    _Vai dá tudo certo. Você e Bóreas se

    separaram, já faz alguns séculos.

    Ele segura em seu ombro, e a empurra para os braços do irmão, lhe

    deixando, numa bela saia justa. Alexandra, e Horácio são chamados pelo

    anjo Salatiel, e ao ver este a jovem da moda caveira, cospe a água que usou

    para se acalmar, por encontrar o aparentemente ex ali. Vendo-a ali, o loiro

    de olhos verdes, sorri e acena sem más intenções, mas esta não retribui e

    sai correndo até Isabelle. “Eu não sei quem vai te ajudar. Mas você não

    me deixar sozinha com aqueles dois.” Aponta para os alados, e

    Belle arregala os olhos, puxando-a para o canto, onde

    conversam baixo.

    _Pelo visto não sou a única “ferrada” aqui.

    _Para de brincar Belle. Sabe como me sinto como

    sobre isso.

    _A gente teve tempo para se preparar, mas fomos

    ingênuas. Agora é respirar fundo, e trabalhar

    com eles.

    _Como você está sobre Miguel?

    _Bem ué. Eu temi a toa, ele me quer tanto

    , quanto eu quero peixe.

    _Detesta mais que a própria vida?

    _Exatamente.

    Ri e o arcanjo ouve aquilo com desgosto. “Sem querer

    interromper esta conversa, mas é hora de ir.” Ele chama

    a bela, e a pega pelo pulso, afastando-a da amiga. “Eu sou

    adulta.” Diz de má vontade. “Então haja como tal, e não

    se atrase para a sua aula.” Ele a arrasta, e ela se solta.

    “Eu não vou. A minha amiga precisa de mim.” Ela

    volta para Victória, que está pálida.

    _Ela vai ficar com o Gabriel. Você sabe o quê

    eles vão fazer, e não vão se matar.

    _Ela está noiva de Belliath!

    _Ah é? É costume da família dormir com outro

    no noivado. Vamos embora.

    _Não tínhamos parado de brigar?!

    _Tínhamos. Até você fofocar com a sua 

    amiga, que me odeia mais que a comida

    que detesta. Sendo que eu só te salvei

    , daquele maluco.

    _E não é verdade?! 

    _Só porquê eu disse que te acho maluca.

    Não quer dizer que te detesto.

    _E o quê quer dizer então?!

    _Que você é louca oras. Agora larga ela,

    seu marido e eu iremos te treinar.

    O anjo a afasta outra vez, e Victória fica com os

    olhos arregalados, sentindo Gabriel vindo por trás

    dela. “Vamos treinar. Preciso te ensinar a arte da

    caça.” Sussurra em seu ouvido, segurando em

    seu pulso, e inspirando a pele do seu 

    fino pescoço.

    _Eu sou noiva de Belliath.

    _Sua irmã era noiva do meu irmão.

    _Corta essa, eu sei que é filho de Bael.

    _Não sou. Bael foi um tio amável que me

    reconheceu, até se tornar Deus, e agir

    como tal.

    _E eu devia ter pena?

    _Não. Mas devia se lembrar, que nem

    sempre conseguiu resistir a mim.

    Responde dando-lhe um beijo no pescoço, que

    a deixa arrepiada. Mas para disfarçar, ela o segue e

    pega a luva de garras. Isabelle caminha ao lado do tal

    arcanjo, e entra na sala de tiro. Leviroth está acertando

    até os menores alvos com exatidão, e para não ficar

    para trás, Miguel pega uma arma, e também 

    atira, como se os dois competissem.

    _Preste atenção Isabelle.

    _Fique em silêncio e calma.

    _E se não conseguir... Apenas pense

    em algo que odeia.

    _Verdade. Imagine o prazer de atirar na

    cabeça deste ser.

    _Mire na garganta para acertar o alvo.

    Os dois atiram na mesma direção e acertam. A dama

    fica de queixo caído, e se afasta pelos raios produzidos 

    pela tensão deles. Mas Leviroth a pega por trás, e lhe

    dá uma arma para treinar. “É a sua vez amor.” Ele

    diz e lhe ajuda a mirar. Ao ver a bela, sendo

    guiada, o agente se incomoda.

    _Eu preciso tomar um ar.

    _Eu cuido das aulas.

    _Por mim tudo bem.

    _Até mais.

    O agente acena de má vontade, e sai do local, não

    querendo mais ver aquilo. Leviroth ri e abraça a esposa,

    dando-lhe um beijo caloroso. “Alguém se chateou.” Ri da

    dor do rival. “Se chateou? E você não perdeu a chance

    de piorar as coisas.” Ela brinca, e ele volta a lhe

    pegar pela cintura, encostando-a na

    parede.

    _É evidente que ele quer lembrar os

     velhos tempos.

    _Não quer nada. A gente se detesta.

    _Vai por mim, sou um espécime masculino.

    Ele não te olha com desprezo.

    _Acho que você está paranoico.

    _Não estou. Você pode não ter se preparado

    para este momento, mas eu sim.

    _Foi em vão. As chances de eu ficar com Miguel

    , são iguais a gostar de peixe.

    _Você já comeu peixe 3 vezes Izzy.

    _Comer, não significa gostar.

    _Mas que quis experimentar. Eu sei que disse

    que te deixaria ir, só que não vou fazer isso

    sem lutar, ok?

    _Você não precisa. Já me tem há mais de 9

    anos.

    Diz beijando-o com fervor. Tomado pelo medo de

    perdê-la, ele a carrega, segurando-a com força, e com

    vontade. Seus lábios vão para o pescoço dela, passando

    a língua com todo o desejo de sua licantropia, e lhe

    descendo as garras pela costa, por dentro do

    seu vestido já aberto.

    _Podem nos ver...

    _E isso importa? São adultos. Vão ignorar.

    _Você é um louco.

    _E você ama isso em mim.

    Ele abre as calças, e a deixa de joelhos. “Prove que

    é minha.” Coloca-lhe no piso, e ela se ajoelha. O órgão

    está rígido, apontando para o céu, e a bela o abocanha

    com as mãos para trás, enquanto ele lhe acaricia o

    topo da cabeça. Há tanta sede nela, que sua

    boca transborda saliva.

    _Você é minha?

    _Sim.

    _Somente minha?

    _Sim.

    _Então mostre-me o quanto me ama.

    Ela faz movimentos com a língua, saboreando seu

    membro, como um picolé encontrado no deserto. No

    entanto quando se cansa, o morde, e arranha o seu

    peito, erguendo-se como uma deusa soberana,

    sob um daemon. Algo que o faz sorrir, pois

    é sua hora de amá-la.

    _Ah Tempo cruel. Gosta do sabor de sua

    doce Alice?

    _Adoro!

    _Quanta sede. Parece está me devorando...

    _E você não quer ser devorada pelo

    Tempo?

    _Não! Eu quero devorá-lo!

    O empurra, e então monta sob o seu corpo, como

    uma amazona, e escorre liquido do meio das sua pernas,

    envolta do falo dele. O agente resolve voltar, e se depara

    com a cena. Ao ver os olhos de prazer intenso da moça,

    ele de imediato desaparece. O demônio não está

    errado, há interesses obscuros no anjo.

    _Devemos terminar... logo...Tempo.

    _Não, enquanto você não provar o seu desejo.

    _O quê deseja de mim?

    _Que se entregue, e esqueça onde estamos.

    Ele a abraça, e a coloca deitada no piso. Mergulhando

    seus dentes nos seios dela, e a fazendo delirar de loucura

    amorosa. Ao ponto de gemer tão alto, que sofre uma

    represália. Seu amado puxa-lhe o cabelo na nuca,

    e lhe cala com um beijo.

    _Ah!

    _É esse rosto que gosto de vê...

    _Ah! Eu vou! 

    _Sim querida, me pinte com sua 

    tinta deliciosa...

    _Ah! 

    Ela o beija, sentindo seu corpo trêmulo, e suas palmas

    afundam no peito, enquanto ele a prende em cima, com

    um sorriso maldoso, não a deixando escapar, até não ter

    mais gotas peroladas. Os olhos dela se apertam, é uma

    energia muito grande, até que não suporta, e os

    dois se derretem no fogo do amor.

    _Eu preciso tomar uma pílula. 

    _Eles devem ter por aqui.

    _E se não tiverem?

    _Odin vai nascer...

    _Vai me prender de novo com um filho?

    _Funcionou da outra vez, por quê

    não?

    _Você é um idiota.

    _Mas você não vive sem mim.

    Ele se deita e ela se recosta em seu peito adormecendo.

    Mais tarde... os efeitos da paixão foram tão fortes, que o ser

    das trevas continua adormecido. Contudo o medo de Isabelle

    de engravidar uma segunda vez, a faz se levantar, e dá uma

    volta pelo corredor, onde por coincidência se encontra

    Miguel, que está sentado na parede, e nota o seu 

    medo.

    _Precisando de uma pílula do dia seguinte?

    _O quê? Como sabe?!

    _Eu voltei a sala... e vi tudo.

    _Ah sim... Não tem nada demais a 

    gente é casado, é o quê pessoas casadas 

    fazem oras. Elas transam!

    _É, eu sei. Sei também que praticam

    isso há mais tempo, que a sua 

    união.

    _Por quê minha vida pessoal te

    interessa tanto? 

    _Não interessa só não pude deixar

    de refletir a respeito.

    Ele se levanta, e entrega a cartela a ela. Seus olhos

    azuis estão frios, magoados por alguma razão. Na sua

    mente, se passam pensamentos dos quais pode vim a se

    arrepender, se colocar em prática. “Como ela ainda mexe

    tanto comigo?” Pensa ainda parado ali, imerso em sua

    cabeça. “Ele está cada vez mais estranho.” Ela

    o olha, e se afasta.

    Sem dizer nada, sua mão agarra o pulso dela, não

    a deixando ir. Ele fica cabisbaixo, sabe que o quê quer

    que esteja planejando, pode ser um risco gigante dado

    ao fato, de que Leviroth, Lúcifer, Enki, Belial, e todos

    os deuses que não aprovaram esta união, podem

    puni-lo a sangue frio.

    _Eu preciso ir.

    _Não precisa. É noite, todos estão dormindo.

    _Você está me assustando...

    _Eu não sou o Anticristo. Não tentarei nada.

    Apenas fique.

    _O quê há com você? Horas diz que me odeia,

    minutos depois parece que...

    _Eu ainda te amo? 

    Aquelas palavras a quebram em mil pedaços. Numa

    explosão tão impactante, que ela fica sem palavras. Ele

    da um passo a frente, ela dá dois para trás, e acaba “no

    muro”. Suas mãos tremem sem parar, Leviroth está

    certo, ele não a olha com desprezo, e quer

    reviver os anos dourados.

    _Você me odeia lembra? Não quer se envolver

    com uma maluca, não tem a intenção de

    cometer esse erro de novo.

    _Eu disse aquilo para me proteger. Mas ainda

    sim, te deitei em meu ombro antes de 

    chagarmos aqui.

    _Não tem nada demais...

    _Eu te quis perto de mim.

    _Você, tá confuso, não sente nada por

    mim, não mais. Você mesmo disse “o

    passado fica enterrado lá.”

    Diz ela e ele segura em sua face, e tudo acontece rápido 

    demais, para que consiga impedir. Seus lábios estão ligados

    aos dele, seus olhos se fecham por um breve segundo, mas

    ela luta para ficar acordada. Não se entregando aos seus

    impulsos românticos, e ficando petrificada diante dele.

    O quê o leva a entender que só um dos lados

    sente algo, e não é ela.

    _Me desculpa.

    _Tá tudo bem...

    _Eu só me deixei levar pelo ciúme...

    _Não diga nada. 

    _O quê?

    _É melhor se convencer que não sente nada

    , absolutamente nada por mim.

    _Eu não posso. Não dá mais.

    _Você teve o seu tempo, e não veio. Me deixou

    cartas, mas nunca se aproximou.

    _Como você...

    _Eu te amei naquele tempo, de verdade.

    Mas você não sentiu o suficiente para

    lutar por nós.

    _Você corria risco de vida!

    _Eu queria me arriscar!

    Grita tão alto que sua voz ecoa pelo local, e ela

    mesmo se cala. Lágrimas escorrem pela sua face, e

    tudo vem a tona. Ele esteve presente nesta vida, só

    que era como um admirador secreto, um vampiro

    a espreita, que por mais que se comunicasse,

    nunca podia se aproximar.

    _Eu esperei incansavelmente por você.

    _Eu não podia... Isso ia te matar.

    _Eu nunca me importei em morrer e você

    sabe.

    _Mas Isabelle eu não queria te perder de novo,

    como quando se atirou para fora do paraíso

    , e se matou.

    _Você sabia quem eu era...

    _Sempre soube. Tive uma minha memória intacta

    sobre o passado. 

    _Então por quê não lutou pra ficar comigo?!

    Lhe bate no peito, e ele segura seu pulso, abraçando-a

    forte em seguida. “Fora o risco. Você tinha que fazer a sua

    escolha sozinha. Te mandar cartas foi uma trapaça.” Ele diz

    em seu ouvido, e uma lágrima cai no piso. “Era lindo ler 

    que seria minha até depois da morte. Mas eu não

    podia te condenar a mim outra vez.” A

    aperta.

    _Minha vida, assim como a sua, não foi um

    mar de rosas. Também tive uma mãe louca,

    só que a minha matou todas as minhas

    namoradas.

    _Forma bonita de preservar o amor...

    Com muitas namoradas.

    _Você não era uma humana estúpida,

    tinha valor para mim, e merecia ser feliz

    , longe de todo este...este inferno.

    _Eu teria enfrentado as chamas com

    Você.

    _Teria acabado morta, por não ter despertado.

    _Então me deixou ir...

    _Sim. Mas não totalmente...Sempre te protegi

    de longe, mesmo quando pensou está só.

    _Isso não é verdade...

    _Acha que aquele bandido que te abordou

    pegou fogo por acidente?

    _Mas quem me protege desta forma é o diabo.

    _Lamento te informar...mas ele não é o

    único.

    O belo se lembra do tempo que tinha os cabelos longos

    até o ombro, e a vigiava, quando não fingia ser humano. A

    salvando de malfeitores, que poderiam chegar ao lugar no

    qual se encontrava. Algumas vezes não resistia, e entrava 

    em seu quarto, no escuro, e ficava vendo-a dormir. Mas 

    tudo isso parou, quando Bener entrou na vida dela, pois

    o anjo tinha consciência, de que o demônio também 

    poderia protegê-la, por isso partiu. Ela respira fundo

    , e o afasta, deixando-o sem jeito.

    _Obrigada pela ajuda.

    _Mas?

    _O quê aconteceu, não 

    vai se repetir.

    _E ?

    _Você vai contar ao meu 

    marido, mesmo sabendo 

    das consequências.

    _Estou ciente.

    _Não precisa. Eu vi tudo.

    Leviroth aparece na porta do lugar,

    com os braços cruzados. A bela corre

    para o marido, e este fica parado. Os

    olhos dela imploram pelo abraço

    dele, e este a envolve contra o

    peito, encarando o 

    outro.

    _Eu já sabia que isso aconteceria.

    _Você me odeia?

    _Não a culpe Leviroth.

    _Como eu disse, vi tudo Miguel.

    Você a cercou, e ela não cedeu.

    _Não mesmo.

    _Se estão resolvidos. Não tenho

    mais o quê fazer aqui.

    _Vai descansar Izzy. Tá tudo bem.

    Ele a conduz para a sala, e a deixa lá, com um sorriso. 

    Mas ao se virar, a sua raiva cresce tanto, que os seus olhos

    ficam negros por completo, e ele flutua em alta velocidade

    , e pegando o rival pela gola da camisa. O erguendo no

    topo da parede, com completa fúria.

    _Fique longe dela.

    _Depois da rejeição, não tinha

    a intenção de fazer algo 

    mais.

    _Estou falando sério "filinho de

    papai"! 

    _O principe renegado está 

    de volta?

    _Ele nunca saiu. 

    _Eu não vou tentar mais nada

    com a sua esposa. 

    _Ótimo.

    O demônio o coloca no piso. Se sentindo mais calmo, 

    ao ponto dos olhos negros, voltarem ao estado normal.

     "Mas eu não vou ficar longe dela." O agente da um

    escorão no rival, e passa por ele.

     

     

     

     

     

    Capitulo 4- O demônio, o anjo

    e a simbiose.

    .

     

    Leviroth respira fundo, e caminha pelo local, até 

    encontrar o templo do deus Enki, que está sentado em

    um trono, acima das águas. Ao ver o rapaz, o deus o

    chama, e este se curva perante a ele.

    _Levante-se garoto. Tu és um

    nobre.

    _Sou um nobre apenas porquê

    me destes a graça, meu 

    Senhor.

    _Isto não é verdade meu jovem.

    _Não é?

    _É hora de saberes a verdade,

    então observe a tua resposta.

    O deus ergue as águas, e cobre o  príncipe com elas. 

    Ele viaja até o seu passado, e se depara com três bebês.

     "Eis o nascimento da luz, das trevas, e do equilíbrio." Diz a 

    voz de Enki. O primeiro bebê brilha mais que o sol, já o segundo 

    enegrece como o cosmo, e o terceiro, ao contrário dos outros, é 

    escuro com a luz em seu interior. "Tem se falado muito da trindade

    feminina, mas há também a trindade masculina, e aliás esta foi a

     primeira a existir." Prossegue com aquela narração. "O pai é a

     existência, e os gêmeos são vida e morte." Conta, e

    surge Samael, segurando dois bebês, junto de Lilith."Antes do 

    nascimento da escolhida, e se tornar Lúcifer, Samael teve dois filhos 

    inicialmente. Um nasceu de sua sede de sangue, o outro surgiu de sua

     justiça." Gêmeos enfrentam um ao outro na barriga. "A luz forte do

    primeiro filho, obrigou Samael a lhe esconder do mundo, para não o 

    queimar. Enquanto a escuridão se  fez viva." Os irmãos se separam. "A 

    primeira filha de Samael  nasceu. A escuridão não se conteve e tomou-a 

    para si, e com ela, a princesa angelical se juntou." A jovem ruiva abraça

    ao demônio de olhos vermelhos. "A menina ao  contrário dos seus 

    irmãos, não herdou nem luz, nem as sombras, mas sim o controle 

    de ambos." Diz o deus com a sua sabedoria, e surge a bela 

    dançando com o amado acima da terra, enquanto o 

    gêmeo de 

    poder solar, olha para ela. "Os três bebês que viu, são os primeiros filhos 

    sagrados." Agora eles estão mais velhos, cada um 

    reinando de uma forma. O gêmeo solar, lidera um império de fogo. O gêmeo 

    negro, lidera a escuridão, e a jovem deusa fica entre ambos, usando forças de luz 

    e trevas. "É dito que Lúcifer reina no inferno. Isso é uma mentira. Ele está acima disso, e reina nos céus como o senhor do ar, da vida, e da criação." Prossegue. "Ele separou

    Anu e Namu, mas criou tudo isto, e seus filhos ficaram responsáveis pela 

    governança de suas terras."  Diz o deus. "Após os mais velhos, seguirem seus 

    rumos, os mais jovens vieram a se preparar, para serem deuses." Os outros deuses surgem, e cada um tem um dom diferente. "Luciféria treinou os deuses que cuidavam das forças da natureza. Bael cuidou dos seres das profundezas. E você, jovem príncipe Azazel, ensinou os seres das sombras." Ao ouvir o nome Leviroth, respira e se 

    afoga.  O quê obriga o deus, a tirá-lo das águas. 

    _Eu sou Leviroth. O príncipe 

    renegado. O rebelde.

    _Não. Você é Azazel o príncipe

    do caos, e grande mago das 

    sombras.

    _Eu sou filho de Deus e Asherah.

    _Não. Você é filho de Enlil e

    Ninlil. Como seus irmãos.

    _Eu sempre servi a Odin e Gaya.

    _Sua mãe é Nyx e seu pai Eros.

    _Mas Luciféria é filha de Zeus e

    Deméter. Outras faces de seus 

    pais, depois de Hades e Hera 

    prendê-los. 

    _Eu sou o filho de Odin. Não do amor.

    Ali por trás da porta, Isabelle ouve a discussão, e vai

    até os aposentos do pai. No qual o encontra sentado no

    seu trono, e se curva perante a ele. “Minha princesa erga-te,

    e jamais se curve a outro nobre, que não seja você mesma.”

    Diz o deus supremo, e a jovem moça, fica de pé indo 

    até ele, que já tem todas as respostas na

    ponta da língua.

    _Quer saber quem é o Anticristo,e o quê ele 

    e você tiveram. Se Enki mentiu ou não para o

    demônio Leviroth. E porquê o chama por

    Azazel.

    _Sim...Primeiro acreditei que ele era meu

    tio. Depois conclui que era meu irmão.

    _Descobriu o certo minha querida.

    _E por quê sonho que sou mulher dele, se

    sou casada com Leviroth?

    _Porquê a luz busca a escuridão...

    _Então ele devia ter um relacionamento

    gay com Leviroth, ou incestuoso com

    minha mãe.

    _Você não sabe mesmo, qual é o seu

    papel nisso tudo não é?

    _Sou a “messias negra”, nascida para

    guiar o teu povo.

    Isabelle revira os olhos, pois desde o episódio da 

    floresta, deixou de acreditar no seu destino grandioso,

    e Lúcifer ri disso, pois nota na filha, a mesma forma com

    a qual a esposa demonstra desgosto. Elas são parecidas,

    até quando a menina deseja se desvencilhar de tudo, pois

    encontrar a si mesmo no escuro, é o mesmo que achar 

    os demônios insaciáveis de Lilith, que ficam a 

    espreita no fundo da mente.

    _E você sabe o quê significa?

    _Que tenho que liderar suas tropas. Sendo que

    só consigo falar com meus amigos?

    _Não tem a ver com o povo Lucy. Tem a ver com 

    você.

    _Eu não tenho poderes como Afrodite e Tétis.

    Controlo ervas e escrevo o futuro.

    _Sua mãe lhe deu o maior dom dela. O dom

    da noite minha querida, com o qual você fez

    de seus irmãos, deuses abissais.

    _E o quê é esse “dom da noite”?

    _É o dom que dá vida as coisas, e que mantém

    o universo em equilíbrio.

    Isabelle se mostra confusa, e o deus se levanta,

    para lhe ajudar a entender melhor do quê se trata.

    A bela recua temendo o quê está por vir, mas o pai

    a segura, e lhe guia até a câmara, onde mostra os

    velhos tesouros da família luciferiana, e o seu

    diário.

    _E o quê isso tem a ver com o Anticristo?

    _Abra o livro da sabedoria, que seu tio Enki

    fez para mim, e saberá.

    _Acha que estou pronta? 

    _Teve 13 anos para se preparar minha

    querida. Vá em frente.

    _Você vai me proteger?

    _Sempre.

    As mãos dela pousam no livro, e com cuidado ela

    o abre. As folhas se passam rapidamente, até que por

    fim viram vultos, e a bela desmaia nos braços do seu 

    pai, deixando seu corpo para trás, até chegar no inicio

    da civilização da Terra. Luciféria está sentada no 

    lado de uma rocha, com lágrimas em sua

    face.

    _Por quê chora criança?

    _Porquê perdi meus pais para sempre.

    _Eles morreram?

    _Não...Mas Ela nasceu.

    _Ela?

    _Minha irmã...

    _Irmãos são complicados. Por isso quis

    matar os meus.

    _Eu entendo.

    Sem saber de quem se tratava. Ela desenvolveu uma

    amizade com o sol do subsolo, e este também sentiu-se

    ligado a moça, ao ponto de fazer crescer uma flor para 

    sentir seu toque. Ela o via como um amigo, um cão de 

    guarda, para quem podia contar todos os seus 

    segredos.

    _Será que brilho tanto quanto o sol?

    _Consegue ver aí dentro?

    _Sim... mas não estou brilhando no momento.

    _Então como está vendo?

    _Joguei minhas chamas nas velas.

    _Entendo.

    _Tudo bem com você criança?

    _Para de me chamar assim. É só a minha irmã...

    Eu só queria matá-la. Mas não quero acabar

    como você Sr. Rá.

    _É, é melhor tomar cuidado. O escuro pode

    não ser agradável.

    A advertiu. Luciféria tinha tanta estima pelo amigo,

    que a entendia como ninguém mais, que passou a ler

    os arquivos de Miguel, para encontrar uma brecha que

    o libertasse, e o devolvesse para este mundo. Sim, ela

    usou o anjo, para conseguir ajudar o ser que vivia

    nas profundezas, e assim o tirou daquele

    lugar sombrio.

    _Você?

    _Você? É a garotinha...

    _Que você molestou.

    _Luciféria me perdoa...Eu não sabia...

    _Você vai voltar pra jaula!

    Tenta empurrá-lo, mas ele segura sua mão, e a olha nos

    olhos, com suas íris cor de sangue. Ele realmente se sente

    culpado, por ter a tocado indevidamente, mas ela só quer

    mandá-lo de volta para a prisão. Miguel presencia este

    momento, e corre para ajudá-la, assim ambos o

    colocam de volta na caverna. Mas ele percebe que foi a

    princesa que o libertou, e fica chateado. Ela se justifica por

    ele ter lhe entregado a Inanna, que queria matá-la quando

    era um bebê, só que o arcanjo continua magoado. 

    “Luciféria?” Pergunta a voz do submundo.

    _Eu nunca mais quero falar com você!

    _Eu sempre te avisei que era um monstro.

    _Não achava que era o Meu monstro!

    _Se acalme. Não há motivos para gritos.

    _Você me tocou, e abusou de outras!

    _Eu lhes dei a escolha.

    _Engraçado, eu não tive esta escolha.

    _Isso porquê Inanna te odiava.

    Ao ouvir a última frase, ela o deixa falando sozinho,

    e tenta retomar a sua vida como se nunca tivesse lhe

    conhecido. Miguel segue ignorando-a. Céu e Terra não

    devem se misturar mesmo, desde que Enlil ficou entre 

    eles. O arcanjo e novo brigadeiro das tropas do deus 

    Anu, e não o esconde o desgosto, pois realmente

    tinha um sentimento forte pela primogênita 

    de Lúcifer. 

    _Vai me ignorar para sempre?

    _Só por quê me usou para libertar o Diabo?

    Não imagina.

    _Me perdoa. Eu não sabia de quem se

    tratava.

    _Só há um prisioneiro terrível no universo.

    _Como eu ia saber que era ele?

    _Eu não estou nem aí para o quê acha Luciféria.

    Só me importa o fato de ter me traído, para

    ficar com ele.

    _Trair? Nós somos amigos!

    _Correção éramos amigos. Até mais.

    O arcanjo a deixa, e ela olha para o seu irmão mais

    velho, que também não aprova a sua atitude. Ao chegar

    no castelo, Luciféria vê os pais brincando com a irmã, e

    sorrindo, e ela sente muita raiva daquilo, pois os pais

    estavam tão focados em cuidar de Aggarath, que

    nem perceberam o risco no qual ela se meteu.

    “Ninguém me ama. Eu estou sozinha. Sendo esquecida.

    Perdendo o quê me importa.” Se senta encostada de costas

    para a parede, e coloca as mãos na cabeça, como se algo no

    seu interior, quisesse se libertar, e ela não pudesse deixar. 

    Só que como ninguém a vê ela perde o controle, e

    retorna até a floresta proibida.

    Seus pés caminham pela terra molhada. Os olhos violetas

    ficam vazios. O vento bate em seu cabelo que está a mudar de

    cor, deixando de ser vermelho, para virar roxo escuro. A pele

    alva, empalidece até ficar cor de papel. Ela desenha os

    símbolos na rocha, e invoca a destruição.

    _Luciféria?

    _Você precisa me compensar pelo ocorrido.

    _Por quê me libertou de vez? Sabia que posso 

    destruir o universo?

    _Sim, eu sei, e eu quero que faça isso, é a uma

    forma de me agradecer por te libertar.

    _Eles vão te matar, se descobrirem. 

    _Eu não quero viver Sr. Rá.

    A gigantesca e bela criatura, fica assustada com as fortes

    palavras proferidas pelos lábios da criança de 13 anos, e antes

    de fazer alguma coisa para tirá-la dali, ela desaparece, e deita

    na sua cama com os pés sujos. Na manhã seguinte...Há muito

    alvoroço a respeito da fuga de Bael, e ela fica transtornada

    com o fato de se encontrar tão suja. “Não resistiu ao

    amor que tinha por ele não é?” Diz Miguel

    sentado no canto da janela.

    _Do quê você está falando?!

    _Só uma criatura se compadeceu pela solidão

    do demônio. Não há duvidas de que tem culpa

    no cartório.

    _Eu não fiz nada Miguel. 

    _E estes pés sujos?

    _Eu não me lembro. Só estava muito triste,

    Irritada, e fui dormi.

    _Não foi você?! 

    _Não. 

    _Não está mentindo para proteger o seu amado?

    _O quê? Eu não o amo! E sim, não há porquê

    mentir pra você.

    Luciféria cresceu, sem saber do seu lado negro, 

    e por sorte e ajuda do ser do outro mundo, ninguém 

    nunca soube do seu segredo, até aquele dia. Ela agora

    tinha 16 anos, muita coisa tinha acontecido. Azazel e

    ela haviam se envolvido, pouco antes de se casar

    com Miguel, algo que o deixou furioso, ao

    ponto de castigá-la.

    _Não faça nada comigo por favor...

    _Você gosta da escuridão não é? Pois

    vai conhecê-la!

    _Por favor não faça isso!

    _Divirta-se demônio.

    Disse deixando-a trancada na cela do demônio, e

    este estava tão insano de raiva, que não se conteve, e

    tirou-lhe as roupas ali mesmo. “Socorro!” Ela berrou por

    não saber quem estava no escuro. Suas mãos passaram

    pela janela da porta, e só ouviu-se o impacto do seu

    corpo sendo violado friamente. Até que ele viu

    seu rosto na luz, e ficou em pânico.

    _Luciféria?

    _Bael?

    _Eu não sabia...

    _Você...Continua...Sendo um monstro.

    Ela desmaiou em seus braços, e ele derramou 

    lágrimas sob seus pequenos seios. Miguel chegou a 

    este ponto, pois desde pequenos Luciféria e Azazel eram 

    quase inseparáveis. Um cuidava do outro, e  se protegiam

    do resto mundo, por isso mesmo quando ela nutriu uma

    forte paixão por Miguel, o príncipe rebelde sempre foi

    um empecilho. Desta forma, para livrar-se do rival,

    o arcanjo com a ajuda de Inanna, adulterou o 

    DNA dele, e o fez crer ser filho de Anu.

    _Azazel por favor fica.

    _Este não é o meu lugar Lucy.

    _É claro que é. Meu pai te ama como

    se fosse filho dele. Te dará um reino

    também!

    _Eu não quero viver de caridade mais.

    Adeus Lucy.

    Disse dando-lhe um beijo de despedida. “O quê?”

    Olhos confusos o encararam. “Não deixe o idiota do 

    noivo saber.” Riu se preparando para ir. “Por favor 

    fica” Agarrou-lhe o braço. “Me perdoa mas não

    posso.”  Beijou-a na testa, e foi embora.

    A tristeza por não ser filho de Samael, o deixou tão

    devastado, que ele deixou o palácio do pai, para viver

    com o verdadeiro, abandonando sua irmã e melhor

    amiga, e fazendo-a se sentir tão só, que esta

    encontrou refúgio nos braços do

    Diabo.

    “Ela sempre encontra um demônio! Um maldito

    demônio para amar!” Pensava Miguel entorpecido pelo 

    ódio, passando a mão pelos longos cabelos. Após algumas

    horas, ele volta a cela, e tira suas roupas para que

    Luciféria pense que foi ele, e não Bael, pois se

    descobrirem que Anu o protege, todos

    se voltarão contra o supremo.

    Mas esta não é a pior parte de tudo...A irmã de

    Luciféria com seus poderes de criar ilusão, fez a mãe

    crer que esta tinha copulado com o próprio pai, quando

    a culpada pelo crime era a acusadora. Ela foi expulsa

    de Irkala, e mandada de volta a Dilmun, onde

    sofreu grandes humilhações.

    A raiva de Miguel a perseguiu, por todos os cantos,

    até virar uma prisioneira, e quase sofrer abusos na mão

    dos deuses menores. Azazel a reconheceu de imediato

    , e por isso correu até cela, para impedir que o ato

    chegasse ao objetivo. Ao ouvir a voz do grande

    general, todos se curvaram para ele, e este

    foi até a cruz.

    O rosto dela estava vermelho de tanto chorar,

    os cabelos mais escuros que o normal, e ao contrário

    dos cachos, tinham alisado, e caiam sem parar. Ao 

    vê-la naquele estado, ele segurou em sua face

    , quase que em desespero.

    _Quem foi o responsável por isso?

    _Oras Senhor. O brigadeiro Mikael nos deu

    carta branca para fazermos o quê quisermos

    com ela.

    _E alguém fez?

    _Eu fiz. Penetrei o corpo dela com os dedos,

    até fazê-la gritar.

    Disse um deus grande e robusto. Ao ouvir aquilo 

    o jovem sorriu, e o jogou contra a parede, o retalhando

    com a sua adaga, com tanta cólera, que só parou após

    deixá-lo em pedaços. Vendo aquilo, os deuses se

    cobriram, e saíram correndo assustados, por

    temor as suas vidas

    _Você está a salvo agora.

    _Obrigada.

    _Que confusão aprontou para vim parar aqui?

    _De todas as vezes que fui culpada, esta é

    a única que não sou. Nossa mãe me

    expulsou de casa.

    _O quê? Por quê?

    _Ela jura que eu dormi com meu pai.

    Mas eu não fiz isso.

    _Não mesmo?

    _Está desconfiando de mim?

    _É que você nutria sentimentos pelo meu

    Irmão mal, então...

    _Eu estava sendo estuprada na hora.

    Por isso não tem lógica.

    _E quem fez isso com você?!

    _Miguel.

    Ouvindo o famoso nome, e ele a tira da cruz, e a 

    carrega para o canto, onde lhe deita, e a deixa para

    dormir, enquanto sai a caça do rival. “Vigie a cela 13.”

    Ordena para o soldado, e este se recusa. “É melhor

    fazer o quê digo. Pois sou seu superior.” O pega

    pela gola da camisa, e seus olhos ficam

    negros como carvão.

    O gêmeo mal procura pela moça, em forma de 

    luz, e quando a encontra se materializa. Seus dedos

    tiram o cabelo da face dela, e ao vê-la tão maltratada,

    o pouco de sentimento que lhe resta, o faz ter ódio

    do céu, e todas as espécies que a machucaram,

    por isso ele inicia sua vingança.

    Isabelle não suporta todas as visões dolorosas

    do seu passado, e volta a si mesma, acordando no

    sofá dourado de seu pai, que está lhe aguardando

    com um relógio, e uma bandeja com comidas

    apetitosas.

    _Sem refrigerante?

    _Precisa se alimentar melhor e sabe disso.

    O refrigerante é uma arma pra matar

    as células dos mortais.

    _E os pesticidas nas frutas, são tão

    diferentes disso né?

    _Apenas coma. Mandei preparar especialmente

    para você, achei que voltaria faminta da sua

    jornada. Então como foi?

    Pergunta empurrando a bandejinha para ela, e

    esta rejeita. Ele revira os olhos, estala os dedos, e

    lhe dá o refrigerante. Assim ela pega o murffy de 

    morango com chantilly, e o devora numa 

    bocada só.

    _Azazel me ama...

    _Sim.

    _O Anticristo também...

    _De fato. 

    _Mas Miguel é um babaca que merece morrer.

    _Não está tão longe da verdade, mas porquê

    Miguel está entre seus pares?

    _É que aquele idiota me beijou.

    _Ah ele te beijou? Interessante.

    “Esse garoto tá morto. Não vou deixar desgraçar a

    vida da minha filha de novo, ao ponto dela se jogar na

    água, e se perfurar com a matadora de deuses.” Pensa

    sorrindo e ignorando metade do quê a moça diz, pois

    já sabe de que respostas se tratam. Mas ela está

    tão entusiasmada, que não se cala.

    _Eu cheguei a ficar com o anticristo?

    _Sim... Depois que o prendemos outra vez 

    no subsolo, ele a roubou para si.

    _Então o rapto...os meus pesadelos...

    _São reais.

    _Sim, mas por quê me chamavam de virgem?

    _Porquê o cristianismo perverteu o sentido

    da palavra Koré. Devia significar apenas

    jovem e não virgem.

    _Ah sim.

    Ao ouvir aquilo ela fica feliz, e quase salta de alegria,

    pois o tema virgindade, pesava-lhe demais a consciência,

    e saber que o nome foi corrompido, lhe trouxe paz de

    espírito. “Maldita seja a igreja católica, e sua mania

    de demonizar tudo.” Conclui, mas logo a alegria

    vai embora, e dá espaço para a 

    tristeza.

    _ Por quê você e a mamãe me esqueceram?

    _Nunca a esquecemos.

    _Nem viram, quando eu estava falando com

    Bael.

    _Na verdade vimos. Mas acreditávamos que com

    o seu dom poderia equilibrá-lo.

    _Então eu posso curar o ódio dele?

    _Sim, se atravessar a escuridão, e lhe puxar

    para a superfície.

    _Ou seja me envolvendo com ele...

     

    _Me envolvendo com ele... 

    _Sim, mas é uma escolha sua , caso opte por seguir o caminho atual, também pode matá-lo. Isso é o quê poder de Nyx representa para você. _Ele é seu filho...como eu e  Aggarath. 

    _Ele deixou de ser meu filho,  quando cometeu todos aqueles  crimes abomináveis. Ao ouvir a dureza na voz do pai, Isabelle salta para trás, pois pelo  quê o anticristo disse, ela já esteve do seu lado, e deve ter sido renegada da mesma forma, por caminhar com as trevas verdadeiras do universo. Por isso se preocupa, e tenta ficar calada, mas não consegue. 

    _Eu já andei com ele. 

    _Não teve culpa de amá-lo. 

    Com você ele foi bom. 

    _Epa eu nunca o amei. _Será mesmo? Quase destruiu o mundo quando o prendemos. _Eu não me lembro disso... 

    _Você se esforçou para apagar , nas duas vezes. Mas ele não vai deixar assim, então venha e veja... 

    Lúcifer mostra os retratos dos deuses traidores, e na maioria deles , a deusa meio lunar e solar caminha com o sol. Ela julga os inimigos dele, e ele destrói os que a ferem. Para a infelicidade da moça, dá para  notar a ligação entre eles. 

    _Esta... 

    _Sim é você. 

    _Por quantos séculos estive  

    com ele? 

    _Uns 500 anos. No começo ele a  raptou, depois você voltou por vontade própria. _Ele me raptou e eu retornei?! _Sim. Até se casou com ele, como não fez nem com Azazel, nem com Miguel. 

    _Foi forçado né?!  

    _Ele fingiu ser Azazel na verdade, mas depois você descobriu, e não lhe pediu o divórcio. _Eu sei... Já tinha visto isso. Só queria que não fosse real. _É bem real, e você tem que decidir se vai ajudá-lo ou matá-lo. Aquelas palavras ficam na mente  da moça por vários dias. "ajudar ou matar." Fica a refletir, sem saber que partido deve tomar. Afinal era do próprio Diabo que se tratava, porém  apesar dos pesares, ele tinha sido bom pra ela em  alguns momentos, e isto tornava seu julgamento  turvo. 

    Certo dia ele a chama para sair, e ela aceita,  para tirar a dúvida da sua cabeça. Preocupada em ser raptada, pede para irem a um lugar público, e eles ficam sentados na beira de uma escada, em frente a um  museu todo branco. Ao contrário da outra vez, ele não  está mascarado, e está vestido como no helloween,  enquanto ela está mal vestida, lembrando os  nerds da antigas. Não querendo atraí-lo. 

    _Sem máscaras desta vez? 

    _Sem marido?  

    _Ele me deu permissão para vim. _Você sendo submissa? Esse cara tem que me dá o manual! 

    _Vamos nos engalfinhar ou conversar? 

    _Certo. O quê quer saber de mim? 

    _Foi você que me chamou para sair. 

    Achei que você tinha perguntas. _Eu li o escreveu no seu site...Apenas quis ser gentil. 

    Responde bebendo um copo de refrigerante, e  ela olha para o lado, ele oferece a bebida, mas a dama recusa, e por isso ele avança na sua direção,  deixando-a do seu lado. "O quê ele está fazendo?" se afasta dali, mas o copo fica onde ele quer. 

    _Certo. Como perguntar isso? 

    _Sim, você me amou. 

    _Não era o quê ia perguntar. 

    _Mas é o quê quero esclarecer. 

    _Não seja um idiota.  

    _Está certo. Pergunte. 

    Ele passa o braço envolta dela e pega a bebida. Seus olhos frios cruzam os dela, e esta sente o rosto esquentar de vergonha. Por isso se afasta um pouco mais, e ele segura seu pulso, imobilizando-a com gentileza. 

    _Fica calma. Não vou fazer nada. 

    _Foi o quê disse da outra vez... 

    _Nada que Você não queira. Mas enfim veio pra falar de relacionamento, ou quer um esclarecimento útil? 

    _Então relacionamento não é útil?  

    Tanto faz. Como isso aconteceu? 

    _Não, quando quem eu queria não me quer. Foi bem simples você teve síndrome de Estocolmo, e ficou comigo. 

    Responde de forma seca e ela se levanta para ir embora. Outra vez ele respira fundo, e agarra no seu braço, impedindo-a de seguir em frente. Ela volta , e se senta a alguns centímetros de distância. “Isso não vai acabar bem.” Olha para o lado, sentindo arrependimento, e pega o celular. _Eu sei que está aqui para saber se deve me matar ou não.  

    _Mas eu não escrevi isso no site. 

    _Não sou burro, e você sempre foi previsível. Banca a rainha do mal, mas no fundo tem uma gota de piedade. 

    _Esta é a Victória, não eu. _Se veio até mim, o próprio ato contradiz suas palavras. Você sabe que te torturei, que te machuquei, e destruí o teu psicológico. Mas mesmo assim veio me dá uma chance de me redimir. 

    _Não vim para isso. 

    _Não minta para si mesma. Foi usando a justiça a teu favor, que não se tornou tão abominável, mesmo exterminando 75% da humanidade. 

    _Não me lembre disso... 

    _Tem medo? 

    _Não vem ao caso. 

    Ela sente as mãos dele em sua face, e recua. Ele sorri, e se levanta, outra vez bloqueando as chances dela escapar. Preocupada com estes avanços sutis, ela clica na tela para ligar para Victória, mas ele toma o seu aparelho. 

    _Confie em mim. Se quer a verdade. 

    _Por quê me escolheu? 

    _Eu não escolhi, aconteceu, e não fui capaz de deixar pra lá. 

    _Eu cometi atos de crueldade ao seu lado? _Não, embora me dissesse que sentia prazer em torturar alguns pecadores. _Por quê não me deixou ir se não tenho nada a ver com você? 

    _Você se engana. Somos bem parecidos,  mas eu abracei a escuridão, e você ficou com medo dela. 

    _Então fiquei no lado da luz? 

    _Não, você habitou o purgatório. Nem luz , nem escuridão. Tinha desprezo 

    pela primeira, e temia a segunda. Então ficou num lugar próprio. 

    Ela inspira fundo, e ele ri, erguendo a mão. “Segure-a, e saberei que tenho uma chance.” É o quê ele pensa. Ao sentir calafrios, ela evita-o, e  os dois voltam para a escada, onde se sentam. “ Droga. Mas não vou desistir, ela vai ceder. É o destino que escrevi, e a própria deusa mãe abençoou.” Ele revira os  olhos. 

    _Então isso é O equilíbrio... _Não, esta é a sua personalidade. O  equilíbrio é teu dom. _Razão pela qual busca por mim... _Não. Eu te procuro por outro  motivo... 

    Já cansado das escapadas da moça, ele olha em  seus olhos, e a beija de surpresa. Naturalmente as mãos dela sofrem espasmos, e ela o evita, porém por uns segundos seus dedos agarram os dele, não lhe permitindo se afastar. Ele a solta, para ver sua reação, e ela fica com a cara de choro. Os olhos dela ficam vazios, e seu braço se movimenta estapeá-lo, mas este segura sua mão, com tanta facilidade, que é como se tivesse lido seus pensamentos, por isso eles se encaram. 

    _9 mil anos, e ainda reage do mesmo jeito. 

    _9 mil anos? Está de brincadeira?!  _Não. Praticamente toda a sua vida na Terra, foi ao meu lado, até um dos seus amantes  vim te resgatar. 

    _Amantes?! 

    _Azazel e Miguel.  

    _Eles vieram bem antes de você. _Mas foi pra mim que disse “sim” no fim  das contas. E o tapa no rosto, era o primeiro sinal de que acabaria nos meus braços. 

    _Não. Não pode ser. Eu detestei! _Eu senti seus dedos, e eles prendiam os meus. Você queria continuar mas sua consciência, amargou o sabor deste doce prazer. 

    _Não, não queria. Eu levei meses pra te esquecer, e você não vai apagar meu desenvolvimento. 

    _Me esquecer? 

    O interesse dele se intensifica, e ela tenta correr, contudo ele a agarra, fazendo-a ficar contra o seu  peito, para que as mulheres ao redor não vejam o assédio, e criem algum alvoroço, que possa lhe prejudicar de alguma forma. 

    _Fica calma. 

    _Me solta. 

    _Eu vou, e também devolverei o celular. 

    _Mas em troca quer o quê!? Outro beijo!? _Que me responda... Você se lembrou de mim? 

    _Com tantos sonhos foi impossível não lembrar.  

    _Você acreditou me amar em algum momento? 

    _Não importa. 

    _Quer ser livre ou não? 

    _Sim... 

    _Sim quer ou sim me amou? _Sim para o segundo. Mas já matei esse sentimento, agora pode me deixar ir? 

    _Tudo bem.  

    Ele a solta, e entrega o aparelho. Ela de imediato lhe dá as costas, e sai bufando de raiva. “Mesmo que diga não, eu sei que ainda sente algo por mim, e não é desprezo.” Ele se recorda do beijo, e de ter aberto um pouco o olho, ao sentir que os dedos dela ficaram a pressionar os seus. Não havia ódio no ato, no  lugar disso estava uma paixão, que ele poderia usar contra ela. 

    Capitulo 5- O alvorecer do futuro  

    5 meses depois... Isabelle está mudada, não mais passa tanto tempo tempo dentro de casa, ou com os amigos. Caminha por várias ruas e lugares, com uma lata de cerveja na mão, passando por maus bocados vez ou outra, por sua aparência de 16, permanecer mesmo nos seus 25. Sem dizer nada a ninguém foi ao salão, e alisou e repicou o cabelo, algo que seria benéfico, se não fosse pelo o quê veio depois, pintou as unhas de preto, passou a usar batom escuro e se manter em silêncio. Algo que preocupou a todos, menos uma pessoa, que já havia visto esta reação em outras vidas, e não estava nada surpreso. 

    _Está com sérios problemas não é? 

    _Não começa Leviroth. Só me deixa em paz. _O quê aconteceu que te deixou assim desta vez? 

    _Nada. Só voltei a ser mesma Isabelle obscura de antes oras. 

    _A Isabelle de antes era como a lua, obscura mas com brilho, tudo o quê vejo é uma estrela morta. 

    _Volta pra casa. Eu não quero falar com ninguém. 

    _Eu volto mas você vem comigo. 

    Ele a carrega no ombro, e a leva como um cadáver abatido, ela   o olha com indiferença, e fuma um cigarro de menta, bebendo logo  depois. No entanto antes de saírem do viaduto, outro ser também não  muito preocupado surge, trajando roupas bem chamativas. Ao vê-lo  Leviroth, a coloca no piso, porém fica na sua frente, impedindo-o  de chegar tão perto dela. 

    _Velhos hábitos nunca mudam, não é irmão? 

    _O quê você quer? Não vê o estrago que causou? 

    _Vocês dois parem, não quero falar com ninguém. _Eu não fiz nada desta vez. Mas temo trazer más noticias, e acho melhor que ouçam. _Diga e se retire, se não quiser relembrar como foi preso naquela rocha mística. 

    _Já chega, eu não vou ficar aqui. 

    _Fique. Se forem para casa, podem morrer. 

    _O quê? A minha filha está lá! 

    _Não, não tá, quando vi que veio atrás de mim , sem ela, pedi a Victória que a levasse para a minha mãe. 

    _E eu coloquei demônios envolta da moradia, para matar qualquer ser que tente atravessar a barreira. 

    _Por quê faria isso? 

    _É óbvio que é pela Isabelle. 

    Ao ver a onde a discussão daria, a bela os deixa discutindo, sobre “quem é o macho alfa”, e passa entre eles. No entanto ao  chegar perto da rua, sente duas mãos diferentes em seus pulsos,  que a fazem ficar. O espectro deles é muito forte, tanto que a jovem sente tontura ao receber o impacto da  suas energias. 

    _Porquê deveríamos confiar em você? 

    É o filho traidor. 

    _Não se faça de herói Azazel. Esteve ao meu  lado, quando iniciei uma nova gerência dos  mundos. 

    _Gerência dos mundos? É assim que chama o seu golpe de estado? 

    _É até perceber, que meu próprio irmão, queria matar a deusa bebê, que viria a ser minha esposa. 

    _Eu não sabia que também me apaixonaria por ela. 

    _Olha isso não melhora as coisas. 

    _Não melhora mesmo. 

    _São um só espírito mesmo não é? Naquela época , eu só conhecia um amor, o da minha mãe. 

    _Espera dizem que somos gêmeos, está dizendo que... 

    _Não mesmo. 

    _Nós somos filhos de Inanna e Gulgalana. _Mas me disseram que eu era filho de Nyx, ou seja Lilith, como Luciféria e Aggarath. _Inanna é a mãe de vocês? Lúcifer traiu Lilith? _Não. Lilith é a metade de Lúcifer, ele não faria isso com a minha mãe! _Sim. Ele a traiu, mas Lilith nunca soube, por isso ele a fez crer que estava grávida, e quando nascemos, nos roubou de Inanna , e nos deu para ela. 

    _Por quê? 

    _É, posso pensar em mil razões, mas qual delas? 

    _Inanna iria nos devorar. 

    Imagens do passado inundam a mente do anticristo, e este respira fundo, nem sempre fora um pequeno mal, porém ao descobrir que não era filho de Lilith, entendeu que Azazel era,  e por isso ela o tratava melhor, assim se juntou a sua mãe, e tramou as ruínas do atual império em que se vivia. Infelizmente foi só na adolescência, quase na fase adulta que veio descobrir que Azazel também era filho dela, e que ela o fez entender de outra maneira, para que seus planos se realizassem. Lilith não tratava um melhor que o outro, apenas reconhecia as suas qualidades, e ele não era capaz de ver as  suas. Após saber das artimanhas da sua mãe e amante, ele tentou desfazer todo o erro, mas só piorou ainda mais a situação, pois a verdade, destruiu a rainha do Inferno de tal  maneira, que esta enviou o próprio marido para a morte, e este criou um ódio profundo do próprio filho. Todos o julgaram, pelos atos que cometera antes, e desta forma ele enlouqueceu.  

    _Eu deveria ter sido o sol e meu irmão aqui a lua. 

    _Você deveria ter sido luz e eu escuridão. 

    _Então eu nasci para realinhara-los?  

    _De certa forma sim, você desperta coisas boas em  mim, e sombras profundas nele. 

    _Eu inverto a ordem... não a equilibro. _É, e o escuro cresce ainda mais, quando lembro que você quer a minha esposa. 

    _Ela não é a sua esposa. Nasceu para luz e para as trevas, portanto pertence a nós dois. _Sem querer ser estraga prazeres, mas sou monogâmica, e não poligâmica. E não pertenço a ninguém só a mim mesma, o máximo que podem ter de mim é meu coração, mas eu sou eu. 

    _Pensei que era dele. 

    _Eu também pensei, agora estou na  dúvida. 

    A dama revira os olhos e outra vez lhes dá as costas, mas sem fazer alarde, ergue o celular, e se afasta um pouco deles, para tentar conversar com alguém, que não participa desta profecia, ou loucura toda. Os irmãos se entreolham, e se debruçam sob o parapeito do viaduto. 

    _Então qual é a má notícia? 

    _Temos uma mãe ciumenta, que quer que a filha de Lilith morra. 

    _Se afaste de Isabelle, e ela a deixa em paz. Pois não vai representar alguma ameaça. 

    _Não é tão simples. Inanna sabe que enquanto 

    Lucy existir, meus sentimentos serão dela, e por

    isso quer aniquilá-la. 

    _Por quê a quer tanto? É pela profecia de ela ser o equilíbrio? 

    _Não. Quando você e meu pai me jogaram na masmorra dos condenados,  Luciféria foi a única que veio falar comigo... 

    _Porquê não sabia quem você era. 

    _É, mas você bem sabe, que depois ela ficou comigo , por nossa similaridade. 

    _É, tal como eu e ela temos. Mas pelas armações de Miguel, acabei por abandoná-la, e isso te deu certa liberdade de se aproximar não é? 

    _Ou foi o destino que quis que nos conhecêssemos. _Oras Bael não seja tão tolo. Sabe tão bem  quanto eu que nós fazemos o próprio destino. 

    _Não vou discutir. Luciféria, Isabelle, te escolheu. Mas eu a escolhi, e é meu dever protegê-la de nossa mãe. 

    _Está bem, mas tente reviver os velhos tempos  com ela outra vez, e serei o único filho de  gêmeos. 

    Olha de canto para o irmão e este ri, enquanto a bela  liga para alguém do seu celular. Na tela surge o número que termina em 12, mas ela não consegue completar a ligação, e vozes começam a ecoar na linha, como se fossem indistinguíveis. Ela desliga o aparelho assustada , e caminha até os irmãos. Tudo começa a se iluminar a sua volta, fazendo-a ficar em desespero. Seus gritos não tem som, o Anticristo olha para trás, e se transforma em pó ao vento. Leviroth agarra seus pulsos , e ela segura em seu braço, tudo se destrói envolta deles , e a pobre cai no vazio, mergulhando numa escuridão profunda, na qual desaparece. O despertador toca, são 06:03, a jovem se levanta da cama, e corre para tomar seu banho. Está evidentemente atrasada. “Vamos Izzy vai se atrasar!” Grita Benner, e ela desce as escadas , já arrumada para sair. Ele sorri, e os dois entram no carro, seguindo viagem para o quê parece ser os seus empregos. 

    _Tive aquele sonho outra vez. 

    _O do Anticristo? 

    _Sim. Eu não suporto isso, é sempre o mesmo enredo e patético, onde sou o centro de alguma coisa importante, quando na verdade não sou. _Izzy. Eu sou o príncipe do Caos, e seu marido, nós já vimos Lúcifer, e ele te chamou de filha, como pode pensar ainda que não é especial? Você o libertou sabia? 

    _Não sem ajuda. Sozinha, ele teria continuado  preso, e o aconteceu depois disso? Ah é, ele me abandonou, e se fez ser notado pelo mundo! _Izzy. Lúcifer sabe o quê faz. Se ele ficasse do seu lado, certamente você iria sofrer as consequências de carregar o sangue dele, por isso se afastou. 

    _Pois eu preferia “sofrer as consequências”.  Do quê continuar sendo ninguém. _Mas você é alguém. É a rainha do primeiro reino do Caos. 

    _É? Mas quem sabe disso? Aliás quem teme , ou quer fazer pacto com Luciféria? 

    _Os vampiros Italianos?  

    _Não começa. 

    _Ué foi você que perguntou. 

    _Aff. Tá certo. Até mais, chegamos na escola. Ela desce do carro furiosa, e ele ri, observando-a partir, com sua saia longa, salto alto e blazer, como  se fosse a um enterro. “Essa é a minha mulher.” É o quê pensa apaixonado, e então dá a partida. Ela entra na sala, e todos param de fazer suas atividades, para se sentarem no seus lugares. A aula do dia, é sobre como o elo perdido foi desconsiderado, e que apesar dos estudos antigos mostrarem o homem como semelhante ao macaco, este era na verdade uma junção de todas as espécies de mamíferos, répteis, aves, e anfíbios. 

    _Então o Dr. Thomas John percebeu a discrepância na antiga pesquisa, e concluiu que a espécie humana é parente de todos os vertebrados, e não apenas o macaco, como se acreditava antes. _Professora Isabelle. Por quê defendiam tanto que o maior parentesco do homem era com o macaco? 

    _Devia prestar mais atenção na aula senhorita 

    Lina. Como disse Antes, por conta dos velhos estudos , que indicavam que 99.1% do DNA humano era igual ao dos primatas, concluía-se que o parente mais próximo do homem era este. _Professora Isabelle, então a teoria do  elo perdido na verdade é um erro? _Sim, Bill. Esse erro dos cientistas de acreditar que tinha apenas um elo, é uma piada. Já que agora foi comprovado, que o elo não existe, mas a conexão entre as espécies sim. _Professora essa descoberta do Dr. John , não abre ainda mais espaço para se defender a existência do elo? 

    _Sim e não Luíza. Pois a nova teoria de parentesco múltiplo, liga o homem aos vertebrados, mas não unifica todas as espécies. Bom já é 12:00, tenham um bom descanso, a palestra foi longa, e não mandarei dever de casa. 

    A bela termina a aula, e ajeita algo no computador, com um sorriso tristonho. Os alunos se despedem, e vão embora para os seus lares, porém quando a bela chega no corredor, se depara com um grupo de adolescentes de preto, que estão desenhando um pentagrama rubro no piso, e por isso para de caminhar, e observa o feito dos alunos. 

    _O quê estão fazendo senhoritas? 

    _Nada que seja da sua conta santarrona! _É, vai entrar no seu carrinho estúpido, e nos deixe em paz falou?! _Um pentagrama... Querem invocar algo eu presumo. 

    _E se quisermos? Seu Deus falso, não vai poder impedir! 

    _É, aceita que dói menos titia! 

    _O quê acham que são? Filhas do Inferno , que podem atormentar os outros por prazer? 

    _Não que seja do seu interesse, mas é o quê somos. Nós ouvimos o chamado do senhor das trevas! E iremos obedecer cada ordem do libertador! 

    _É nós vmos devastar, esse centro de ensino , para que o apocalipse se inicie aqui. _Vão para casa. Saiam disso. Satã não é senhor de ninguém, na verdade é um idiota , tão mesquinho e mentiroso, quanto o Pai. 

    _O quê você ousou dizer?! Satã irá cortar tua língua! 

    _Tá querendo morrer veia?! 

    _Vocês são uma piada.  

    A professora ri, e vai embora deixando as garotas góticas  para trás. “Essa vagabunda da Isabelle tem que pagar!” Pensa  a líder do grupo, e lhe lança um feitiço quebra ossos, porém ao receber aquela energia tão tenebrosa, a dama abre suas asas , e o poder da bruxa se torna inofensivo. Ao ver aquilo as jovens se apavoram, pois percebem que a educadora , é na verdade um anjo.  

    _Deixem-na em paz!  

    _Aaaah! 

    _Olá... 

    _Ela pode destruir suas almas se quiser. 

    _Sa-Satã... 

    _Pai. 

    _Olá minha garotinha favorita. 

    _Satã é seu pai?! Mas você é um anjo! 

    _Perguntem a Lilith, foi ela que me gerou. 

    _Isso é verdade. 

    _Você é filha de Lúcifer e Lilith?! _Não. Sou filha de Bruna, a bruxa mestiça que deveria reinar ao lado de Satã, segundo uma série tosca de televisão. 

    _As aparências realmente enganam não é? O rei do inferno, se transforma em uma pilha de pó, e rapidamente volta a sua forma humana, que é idêntica a do ator do programa de TV.  As meninas se escondem atrás da líder, e esta faz sinal para que se afastem, e se curva  aos pés do belo homem, que acha graça do fato,  e segura no ombro da professora. 

    _Você está aqui em busca da próxima Bruna, como A madame escuridão? 

    _Em primeiro lugar, eu detesto Bruna. Em segundo jamais procuraria pela próxima bruxa poderosa, pois depois de Lilith eu sou a única. 

    _Pode parecer arrogante mas é verdade, ela é a primeira da minha linhagem com Lilith, e portanto carrega mais genes divinos que os demais. 

    _Mas você odeia magia, só se foca em ciência e fatos concretos. Isso não tem lógica! 

    _Tenho minhas razões, não é papai? 

    _Ela me odeia porquê quis protegê-la, e dei fama e poderes as suas irmãs.  

    _E o quê isso tem a ver?  

    _Tem a ver que graças a esse idiota, eu não alcancei o meu status de Deusa, e por isso sofro humilhações nas mãos de humanos estúpidos feito vocês. 

    _Desculpe. 

    _É por ser tão simpática, que ainda não tem tantos  seguidores minha bravinha. 

    _Desculpa, mas sorrisos falsos não são pra mim. Olha com indiferença, enquanto os olhos vão para o teto, com certo desprezo, e ela cruza os braços. Ele ri e a abraça forte, ela fica com os braços colados ao corpo, evitando aquele gesto de carinho, o quê deixa as garotas horrorizadas, pois dariam suas almas para serem filhas. 

    _Igual a mãe quando sente raiva. São as únicas mulheres, que tem tanto poder sobre mim. _Não é o quê soube. Afinal sua filha com Inanna , tem o prazer de jogar isso na minha cara, enquanto está lá no topo por sua voz de sereia. 

    _Sexo e amor é diferente. Eu tenho responsabilidade por Victória, pois ela e o seu marido são frutos do meu deslize. Mas eu amo você e sua mãe. 

    _É um deslize antes e depois do meu nascimento. Tem certeza que nos ama mesmo? Eu duvido. _Está bem, não estou aqui para discutir o quê é o certo ou errado.  Vim para te ajudar, mas já vi que pode se virar sozinha. 

    _É o quê acontece, quando o próprio pai nos abandona no mundo! A gente tem que saber se cuidar! E aliás eu votei na família Messiânica pra presidente! 

    _Grande coisa eu fiz o mesmo nos E.U.A! 

    Ele berra, e ela vai embora fazendo o sinal do cotoco , ignorando todo o tumulto. Ao ver aquela discussão, as meninas notam que mesmo no Inferno há conflitos, como  na vida humana, e correm para abraçar o papai renegado, mas este faz um sinal para que não se aproximem, pois se sente muito triste pela rejeição da sua primeira e única filha com Lilith. 

    _Ela é uma grata senhor. 

    _Não, não é. Aquela menina sofreu demais por minha culpa, ela tem razões para me odiar. _Como pode defendê-la depois de tamanha recusa? 

    _Ela é filha do meu grande amor, e este amor se 

    estende até a minha menininha. 

    _Deixe-a ir senhor. Ela é apenas uma, enquanto nós somos muitas, e daríamos tudo para sermos suas filhas. 

    _Eu não preciso de mais filhas.  Preciso é de menos, e se querem tão desesperadamente o meu apreço , devem começar por ela. 

    _Mas senhor! 

    _Sem mais. Se querem ter alguma importância no inferno, devem fazer a minha princesinha se sentir como tal. 

    No dia seguinte... Isabelle está no computador, preparando o material para a aula do antigo DNA lixo, que agora é conhecido como DNA Ouro, pois graças a esta brilhante descoberta, que o Doutor John fez uma revisão da antiga pesquisa, que mostrava os humanos como parente mais próximos dos primatas, e isto seria útil para a futura prova. Uma das meninas do dia anterior, a olha sem jeito, e entra na sala. 

    _Veio trazer algum recado das suas amiguinhas adoradoras de Satã? 

    _Não. Eu vim pedir uma trégua, e que me ajude pois se as outras descobrirem, elas me matam. 

    _Por quê eu deveria te ajudar? 

    _Eu não levantei a voz para a senhora, ao contrário das minhas amigas. 

    _Mas também não teve coragem para ficar ao meu lado, então repito por quê deveria te ajudar? _Eu posso te tornar uma deusa, por quê acredito em 

    Você. Depois de ontem encontrei o seu site Senhora Noturna, e percebi que você não é só a filha de Lúcifer. 

    _O quê quer dizer com isso? 

    _Você é a Arádia. A nossa messias sagrada, que veio para proteger o povo da escuridão, e nos guiar junto do Anticristo. 

    _Ah meu outro segredinho foi descoberto. O quê acha que ganhará com isso? Fama, sucesso, poder? Não sei se notou mas sou só uma professora do segundo grau. 

    _Nada. Apenas poderei ajudar a minha mãe, a subir no trono que sempre lhe pertenceu. 

    _Do quê está falando?! A minha única filha é Isandra! _Não segundo essa marca. Eu sou filha de Arádia e o Arcanjo Miguel, portanto pertenço a  

    você. 

    _Como posso saber que isso não é um jogo de manipulação , para saberem as minhas vulnerabilidades? 

    _Porquê ela não está mentindo Luciféria. 

    Diz um homem de cabelos longos entrando no lugar, e a dama se afasta, empurrando o computador com as unhas pintadas de preto, totalmente atordoada pela figura. Sim era o próprio anjo que estava ali diante dela, confirmando a história da menina, e para ter certeza, este abre as asas, e seus olhos mel se tornam azuis, enquanto os dela ficam violetas, iguais aos de um dragão. 

    _Eu soube que tive filhos de Belzebu, mas de você? _Foi há muito tempo, quando desisti do céu para que pudéssemos ficar juntos. Infelizmente você morreu no parto, e Bael apagou sua memória para não te perder pra mim. 

    _E quem é a mãe dela desta vez? Posso saber? _Ela não tem uma mãe específica, foi feita no  laboratório, com os genes e a essência de  nossa filha Laura. 

    _Espera eu só posso produzir meninas? 

    _Sim, mas houve uma vez que gerou um garoto, só que  ele seguiu seus passos e virou bissexual. _Faz sentido. Desculpe Laura, eu não me recordo mesmo, mas isso não significa que vou te abandonar certo? Agora se me derem licença, eu preciso ir  para a minha vida humana. 

    Ela tenta sair daquele local, mas o arcanjo segura no seu braço, e lhe diz algo no ouvido. Ao ouvir tais palavras, ela engole aquilo com desgosto, e lhes dá as costas. “Qual o tipo de vadia que eu fui na outra vida? Já é o 5 filho que me aparece.” Pensa entrando no carro, e então dirige para a casa. 

    Ao contrário do quê se possa imaginar, a professora não mora numa casa qualquer, mas sim numa enorme  mansão, com detalhes antigos, e não é o seu salário que arca com isso, mas sim os seus investimentos em ações da bolsa. Ao vê-la a pequena Isandra corre para lhe abraçar, e as duas entram na casa. 

    Benner está sentado na frente do computador, verificando os lucros da família Calligari de La Cruz, mas ao vê a esposa e a filha larga tudo, e vai lhes dá atenção. Os três entram numa sala escura, onde tem um sofá marrom bem confortável, com uma gigantesca tela de plasma, e todos os tipos de eletrônicos , de realidade virtual, que se possa imaginar. Cada um coloca o seu capacete, e então os três vão para outra realidade, que se passa no tempo medieval, mas tem muitos detalhes bem futuristas, na qual Isabelle é um anjo, Benner um arqueiro demoníaco, e a filha uma curandeira. 

    _Lá vem o dragão! 

    _Se abaixa Isa! 

    _Você também Izzy! 

    _Socorro! 

    _Isaaa! 

    _Izzy!  

    _Mãe! 

    _Deixem comigo! Grito de Tiamat! 

    _Flecha da Fênix! 

    _Cura mágica! 

    Ondas devastadoras saem dos lábios de Isabelle, e ela flutua no ar. Uma fênix gigante em forma de fogo, cobre o gigantesco dragão, e este gargalha sem parar, enquanto o escudo protege a família. O dragão se transforma em um homem de longos cabelos pretos, e olhos vermelhos, que quebra a cúpula de energia, e sequestra a avatar ruiva. 

    _Mamãe! 

    _Isabelle! 

    _Benner! Isandra! 

    A dama grita e então todos retornam para a mansão, menos Isabelle, que é puxada para a França.  Onde acorda nos braços de um homem semelhante ao avatar, mas de olhos castanhos quase vermelhos, em vez de brilhantes cor de rubi. Ao ver que não voltou para casa, ela tira o capacete em estado de choque , e se afasta da estranha figura loira e vitoriana, pegando a primeira faca que aparece para se defender. 

    _Quem é você?! E o quê quer comigo?! _Sou um velho amigo, que tem te acompanhado  a vida toda. 

    _Você se ferrou. Miguel apareceu ainda pouco. 

    _Não sou Miguel. Sou Bael. 

    _Bael não é meu amigo, e você não é Belzebu. 

    _Garota eu te transferi do seu país para o meu , enquanto estava jogando. Literalmente distorci a realidade ao meu bel prazer. Tem certeza de que não sou? 

    _Tem uma possibilidade de 75%. _Sempre cabeça dura.  Quer que te prove de  outra forma? 

    Os dedos com unhas grandes seguram o rosto da bela dama, enquanto ele sorri pronto para beijá-la, mas ela se afasta dando um passo para trás, com o olhar de nojo. Ele revira os olhos bem irritado, e a pega pelo pulso, levando-a a força para o sofá, onde a joga de mal jeito, fazendo-a fechar as pernas com rigidez, por temer que ele veja o quê tem por baixo da sua saia longa. 

    _Acabou o romance? Que rápido! 

    _Você é uma idiota. 

    _Me trouxe da América do Sul, só para me xingar? 

    Eu devo ser muito importante mesmo pra você! 

    _Você é, e sabe disso. Não se faça de tonta. _Certo. Eu estaria horrorizada, se não tivesse sido quase abduzida por você há 4 anos. Pode falar então por quê me sequestrou dessa vez? 

    _Estava com saudades. 

    _O idiota agora é você pelo visto. 

    _Eu não pude resistir. Você e sua família devem ir para o subsolo, daqui há 3 horas  se quiserem viver. 

    _Por quê? 

    _Tenho planos para iniciar a fundação do Novo Mundo. Por isso estou te avisando. 

    _E a minha casa? Eu levei 3 anos para conseguir a mansão!  

    _Ah para de choramingar. Eu te arrumo 3, em apenas 4 minutos. 

    _É se me tornar a Senhora Zebu. 

    _Não, isso vai ser em breve, mas não vem ao caso. Apenas arrume as suas coisas, e vá para o local indicado. Quando sair de lá, tudo estará  normal. 

    _Eu nunca vou me casar com você! _Disse isso da outra vez, mas aceitou de bom grado, minha querida Ishtar. 

    _Me mande logo para casa, e nunca mais me chame por esse nome maldito, dado em homenagem a sua primeira esposa. 

    Diz dando as costas para o homem, que segura em seu ombro, e lhe dá um aparelho com as coordenadas  do local para onde ir. Ela pega o tablet, e ele lhe dá um  abraço forte, como se quisesse evitar o seu sofrimento, porém ela não retribui, age da mesma forma que fez com o pai, e ele se obrigado a apelar, e a beija  

    no rosto, perto da boca. 

    _Se controle. Tudo o quê aconteceu foi há  mais de mil anos. 

    _Pra mim foi ontem. Há alguém mais que queira proteger, e alertar? Meus homens podem cuidar disso. 

    _Deixa que eu mesma aviso. Quanto tempo ficaremos lá?  

    _Até a fumaça se dissipar.  

    _Fumaça? 

    _Para o novo mundo existir, o velho precisa ser destruído. Em breve saberá mais detalhes. 

    _Eu tive muitas visões...Não é o quê... _É exatamente isso, e enquanto o seu poder  não for desbloqueado, é melhor que esteja em  segurança, junto dos seus amados. 

    _Não vai me separar deles vai?  _Não, mas quero que coopere e nos ajude a  libertar o seu poder. 

    _Por quê? 

    _No novo mundo, o homem vai caçar as bestas, e só eu não vou poder proteger a todos. _A velha história do Anticristo e a Messias negra. _É, mas não iremos nos casar, a não ser que queira. 

    _Pode ter certeza que não quero.  _Então assim será, mas te garanto que não vou desistir, não programei todo o mundo , para ficar sem a princesa no final. 

    _Me manda pra casa! 

    Ela grita com raiva, e ele a manda de volta para a mansão. O corpo dela se materializa, e a bela retorna para o lar. Tudo está escuro, e Isandra e Benner foram atrás dela. Sem pensar duas vezes, pega o telefone, e liga para eles. Infelizmente não há sinal, por isso ela pega o punhal na gaveta,  e vai atrás deles. 

    Há um céu cinza, com névoa por toda parte. Em vez de usar os sapatos altos, ela está com uma bota de plataforma baixa, e uma bolsa preta com a alça envolta do corpo, na qual guardou a lâmina. Ela sai da moradia, olhando para os lados em total desespero, preocupada que não os ache a tempo. 

    _Bael? 

    _Oi. Precisa de ajuda? 

    _Sim, essa sua manobra idiota, custou a minha família! 

    _O quê? Como assim? 

    _Eles desapareceram! Se isso foi alguma armação sua, eu juro que vou libertar meu poder pra te matar! _Se acalma princesa mimada. Eu vou localizá-los, e os mandar para o bunker em segurança. 

    _Eu não confio em você! 

    _Vai precisar. Desça e aguarde a minha ligação. 

    _O estranho é que seu número funciona. Bael! _É criado para ser um número de emergência,  por isso funciona. Agora desça. 

    _Eu... 

    _Eles estarão lá acredite em mim. Até mais. 

    _Bael! 

    _O quê é? 

    _Vou escrever uma lista de 10 pessoas que quero proteger. 

    _Ainda bem que não é amada pelo mundo, senão não iria me deixar destruído. Vou salvar todos. 

    Ele desliga, e ela fica preocupada, em vez de obedecer, pega o carro, e vai para a cidade. Ao perceber que ela não o ouviu, o anticristo se enfurece, e toma controle do veículo prendendo-a contra o banco, com o cinto de segurança, que agora é feito  de nano filamentos  automatizados, e por isso podem ser manipulados por hackers. 

    _Não pode ir pra cidade sua maluca! 

    _Você não vai me impedir de salvá-los. 

    _Eu já disse que vou te ajudar! 

    _Eu já disse que não confio em você! _Ah finalmente! Pronto! Eles estão há 10 km de você! E ainda tem 2 horas para achá-los! Se acalma! 

    _Avise-os. Eu vou até lá! 

    _Eu vou te guiar.  

    _Avise-os! 

    A voz do rádio para de responder, e ele lhe devolve o poder de dá a partida. A professora dirige até o local indicado, e não  acha ninguém ali, por isso pega o seu celular e volta a ligar para os seus familiares. Novamente não há sinal, e por isso ela bate violentamente contra o painel, com tanta raiva que parte do  seu poder desperta, e ela quebra o motor. “Porra!” Grita furiosamente, e se agarra ao volante entre lágrimas. 

    _Luciféria? 

    _O quê quer?! Me mandou pro meio do nada! 

    _Levante o rosto... 

    _Leviroth!  

    Ela abraça o marido, e olha para o lado procurando pela filha, mas ele explica que a menina está dormindo dentro do carro, pois desmaiou após caminhar por horas, procurando a mãe. Ao ouvir isso, a dama se sente culpada, e se lembra de Laura, que deve está em casa sem saber o quê está para acontecer. 

    _Bael? 

    _Sim.  

    _Por favor avise Laura Miller e Nicolas Miller. 

    _A sua aluna e o pai? Por quê? _Ela é uma das minhas futuras aprendizes, e aquela que já demonstrou lealdade, ela merece isso. 

    _Tudo bem mais sua lista de 10 pessoas com conexões, fecha aqui ok? Não sou Jesus para  salvar todos. 

    _Na verdade é sim. 

    _É mas o “todos” a que me referia eram os meus escolhidos, o resto são pecadores. 

    _Agora a bíblia faz sentido. 

    Brinca e o demônio ri desligando o aparelho. Ao notar algo errado, o príncipe do Caos quebra o rádio, e entra no veículo. Sentando-se com ela, no seu colo. Ele lhe dá uma  mordida no pescoço, tentando arrancar a toda a verdade  dela, mas a mulher percebe, e ri da tentativa. 

    _Está bem eu conto demônio chato. 

    _Então não perdi o jeito. 

    _Laura é minha filha. Minha filha da época em que era Arádia e Miguel caiu. 

    _E Nicolas é  Miguel. 

    _Sim, ele tem cuidado sozinho da Laura, e ela é uma boa garota mas tem andado com más companhias. 

    _Já se apegou a garota. 

    _Sim. Promete que não vai armar pra ela morrer? 

    _É claro. Elisa foi uma lição. 

    _Se algo der errado, eu mesma a destruo. 

    _Está bem. 

    Ele a abraça, e os dois mudam de carro. Ao entrar no Saveiro prateado do marido, ela encontra a filha dormindo, enrolada na sua jaqueta, e sorri, fazendo carinho na cabeça do seu par. Eles seguem até uma estação abandonada, na qual encontram outras famílias sobrenaturais, que aguardam  pelo metrô. Laura e Nicolas, estão no canto, junto das  amigas da filha de Isabelle, e isto não lhe agrada nem um pouco. 

    _Fiquem aqui. 

    _É a Laura Miller? 

    _Sim. 

    _Izzy. Faltam 23 minutos para o trem chegar. 

    _Eu resolvo isso em 2! 

    Diz caminhando em direção a adolescente e as amigas, e para diante delas, olhando para Laura com bastante fúria. Ao vê-la entre o sobreviventes a menina arregala os olhos, e cospe o sorvete que o pai comprou. Sem dizer uma palavra, a garota vai até a professora, e as duas se afastam. 

    _Eu quis te proteger. Não essas inúteis. _Elas são minhas amigas Isabelle, não podia deixá-las morrer. 

    _Aliás cadê a rainha boca suja de vocês? 

    _Essa daí eu posso deixar pra trás. _Está dando um golpe de estado? É isso que Nicolas tem te ensinado? 

    _Mãe eu preciso assumir o meu lugar. 

    _Se é um lugar roubado. Não é para ser seu. _Você teria feito a mesma coisa no meu lugar. 

    _Não, eu teria deixado Todas para trás, ou escolhido quem fosse leal a mim. Essas garotas não gostam de você Laura! Elas só gostam de permanecerem vivas! _E o quê quer que eu faça?! Deixar que todos me odeiem como você?! _É melhor ser odiada por idiotas, do quê ser amada por eles por 2 minutos, e morrer com uma faca cravada nas costas. _Ninguém nunca vai te matar, porquê não tem uma pessoa te seguindo. _Escute aqui pirralha. A única razão para sobreviver a este Armagedom, é porquê o Anticristo me escolheu. Então dobre a língua ao falar comigo. 

    Diz furiosa, e se afasta da garota, indo para a sua outra família, que a recebe de braços abertos, e sorrindo. Laura estava iludida, sobre o quê ter poder, e se chateia muito , ao ver que a irmã, é muito mais parecida com Arádia , do quê ela, por isso engole sua raiva, e volta para as amigas. 

    Isabelle se senta ao lado de Benner, e carrega Isandra no seu colo, enquanto revisa os nomes das 10 pessoas que ela escolheu para sobreviver. Os primeiros 4 nomes são os mais conhecidos. Não é porquê ela e as amigas perderam o total contato, que ela não iria lhes querer bem. Infelizmente o nome de Natasha é riscado, pois esta se recusa a “Viver em paz, em cima de um castelo, que é sustentado pelo sangue de negros e homossexuais.” Ao ler isso a bela ri com compaixão. 

    Natasha tinha sido tão cegada pela mídia, que nem era capaz de perceber, que não havia mais distinção entre os ricos e os pobres, mas sim entre os seres paranormais, e os humanos. Nada era mais azul ou branco, e sim um perfeito e profundo negro, que unificava as espécies mais fortes. 

    O trem chega e as portas se abrem. No tablet de Isabelle se encontra a recomendação de que siga no segundo trem com a sua família. No entanto por manipulação da própria, Laura deve mandar as amigas no primeiro, e pegar o  próximo. Sem sequer se despedirem da menina , as bruxas entram no transporte. 

    É quando Laura percebe que não tem mesmo amigas, pois estas seguiram o caminho, abandonando-a para trás, por acharem que há mais chances se entrarem no primeiro trem. Ao ver isso Nicolas abraça a menina, que chora sem parar, implorando para que fiquem com ela, mas as garotas só prezam por sua sobrevivência. 

    O segundo trem chega, e por ironia do destino, ou mesmo manipulação do anticristo, Isabelle, Benner, e Isandra, dividem o dormitório com a família Miller, que fica feliz e triste por se juntarem aos De La Cruz. Nicolas e Benner se encaram de imediato, e Isandra e Laura também, o quê faz Isabelle se sentir desconfortável, ao ponto de se sentar no meio deles. 

    _Isa diga olá para Laura, ela é sua irmã. Sim Benner. Nicolas é Miguel. Sim Miguel , Benner é o Rei Leviroth. _Olá “irmã.” _Olá “irmãzinha”! 

    _É um “prazer” Nicolas. 

    _Digo o mesmo Benner. 

    _Por favor não briguem.  

    _Não tenho porquê mamãe.  

    _Eu menos ainda mãe. 

    _Posso conviver com isso. 

    _Eu também. 

    _Alguém me trás muita cerveja! 

    _Eu quero 1! 

    _Eu quero 3! _Isandra Sônia Calligari De La Cruz, Você não tem idade para beber. 

    _Nem você Laura Irina Miller! 

    _Pelo menos concordaram em algo. 


    Capitulo 6 – O Ataque 

    O vagão para por um momento, ao chegar diante de um túnel. A família De La Cruz e os Miller acordam de seus sonos leves. Um grupo de serviçais de branco e mascarados, entra nos quartos, com bandejas, nas  quais se encontram máscaras de aves, para impedir a entrada do ar. A maioria delas é de corvo, mas há uma de coruja, que traz um bilhete específico para Isabelle. “Os líderes devem ser distintos dos sobreviventes. Você entrou no transporte vip do Inferno, aproveite a sua estadia.” Ao ler tais palavras, ela engole seco, e coloca a sua proteção estilizada. Curiosa para saber o quê está havendo, a bela cutuca um dos serventes. 

    _Qualquer um pode colocar essa máscara? _Não senhorita. O senhor Bael disse que a coruja é especificamente para você. 

    _Por quê precisamos das máscaras? 

    _Logo entraremos no Novo Mundo. Mas para este Nascer, o velho deve deixar de existir. 

    _Será uma bomba de gás? _Sim. Queremos destruir os impuros, não o planeta. 

    _Está bem. O quê ele faz? 

    _Logo verá em primeira mão. 

    A mulher sorri, colocando a máscara de pombo negro, e se retira. Após todos se vestirem adequadamente, um alarme é ressoado, e  se abre uma porta no escuro. Dentro de cada corredor, desce uma tela de plasma, que transmite o quê está ocorrendo no mundo  afora. O caos se espalha por cada continente, muitos se escondem nos bunkers, e bem ao lados dos trilhos, é possível presenciar toda a confusão. O gás é inspirado pelos cidadãos, que foram pegos  desprevenidos, e estes morrem em questão de segundos , vomitando sangue. O metrô do novo mundo para. Os que estavam conspirando contra o sistema, surgem em grande escala, e tentam abrir as portas. Há uma mãe segurando um bebê recém-nascido nos braços, que não para de chorar, com a sua pequena máscara de gato azul. Ao vê-la Isabelle, corre para lhe ajudar, só que antes que chegue a porta, surge uma mulher leoa. “Uma cobaia de Thomas John?” Nicolas conclui, ao olhar para a marca de um T e um J entrelaçado nas costas da criatura, que está a devorar os órgãos saindo do peito da mãe, com a boca toda suja de vermelho, enquanto o bebê mole se rasteja pelo piso, tentando sobreviver, machucado por suas garras. “Ele vai morrer!” Isabelle grita ao ver a criança. Notando o olhar de Nicolas e de Benner, ela percebe que ninguém está disposto a ajudar, por isso escapa pelo meio da  multidão, e abre as portas deixando o gás venenoso entrar. A bela coruja corre até o bebê, e a mulher leoa sente o seu cheiro. “Isabelle!” O outro ser com fantasia de coruja, fica apavorado pela situação, só que por medidas de segurança, o esquadrão dos brancos, fecham as portas. “Eu sou o chefe de vocês! Não podem deixá-la para morrer!” Discute com a equipe das aves noturnas, e enquanto isso Benner e Nicolas tentam sair para salvar a jovem mulher. “Eu, eu vou te proteger.” Ela diz com lágrimas, pegando o pobre bebezinho, que não para de chorar. Os seus berros são detestáveis,  só que naquele momento, tudo o quê quer é salvá-lo. A barriguinha dele, está coberta pelo fluxo escarlate, que não para de sair. “Não, não, não”  Ela abraça o menininho, segurando sua cabecinha chorona, ao correr da leoa humana. Porém esta pousa na sua frente, e atira a cabeça da mãe, ao seu lado. Fazendo-a ficar rígida de medo. 

    _Me dá a sobremesa. 

    _É uma criança! Não pode fazer isso! 

    _Ele iria crescer e destruir o novo mundo! 

    _O quê? 

    _O olho de Deus nos mostrou o futuro. 

    _O futuro não é inalterável. 

    _A única chance do mundo prosperar é se ele morrer. 

    _Então o mundo vai ser destruído. 

    Por quê eu não vou entregá-lo! 

    Ela grita, e a fera vai para cima dela. Ao ouvir o rugido, Benner, Bael,  e Nicolas, olham para a direção da moça, e ficam em pânico, pois há  uma falha na contenção, e sua roupa é rasgada, fazendo-a absorver   a névoa venenosa. Ela grita, e gotas vermelhas mancham o piso de  azulejo branco. Pouco a pouco, sente o veneno fazer o efeito, e se torna difícil respirar, só que ainda sim não larga o  nenê. 

    _Já chega Esfinge! 

    _Mas senhor ela está com o bebê! _Não importa! Encoste um dedo  nela, e eu juro que te mato! 

    _Sim senhor. 

    Esfinge se retira do local, e o anticristo vai até a moça, que segura o menininho contra o peito, cuspindo sangue sem parar. Ele a pega em seus braços, e passa a mão em seus cabelos, vendo-a empalidecer cada vez mais. “Isabelle que bobagem foi fazer?!” Pensa ao olhar para os seus braços, que seguram o garotinho, que também está prestes a morrer. “ 

    Isso foi idiota! É apenas um mortal!”  Mostra o olhar desaprovador 

    , então a bela agarra em sua gola com a mão livre, e o olha 

    implorativa. 

    _Salva o meu bebê. 

    _O quê? Surtou? A mãe dele é outra! 

    _A mãe dele sou Eu agora. _Isabelle não! Você vai ter que ficar pra trás se o quiser! 

    _Odin. Odin é o nome dele! 

    _Você está morrendo! 

    _Salva o meu bebê! 

    Ela berra em desespero antes de desmaiar no seu colo. Notando que não há como convencê-la de abandonar o garotinho, ele descobre o rosto, e morde o seu pulso, sugando o próprio sangue, para guardar na bochecha. Os lábios não param de pingar, e por isso ele transmite a cura da morte para ela com o  seu beijo fervoroso, que não é retribuído. Os olhos se abrem, mas não são  cor de mel, e sim violetas azulados, semelhantes aos de um dragão. Ela percebe  que foi salva por ele, e lhe bate para que ajude a criança também, obrigando-o a alimentar o bebê, como se fosse um passarinho. O olhinho da criança se abre, e a bela sorri, estranhando aquela reação o anticristo fica  desconfiado.  

    _Por quê fez isso? 

    _Eu não suportei ver um bebê morrer. _Para o novo mundo existir sacrifícios serão feitos, precisa se acostumar. Não vai poder salvar todas as crianças do mundo. 

    _Eu sei. Mas quem puder salvar com toda certeza eu irei. 

    _E o quê vai fazer com isso? 

    _É um menininho. 

    _Tanto faz. Não pode entrar no bunker com ele. 

    _Então eu vou ficar aqui. 

    _Ah não. Eu não te avisei como proteger os seus amados, para você ficar no velho mundo. 

    _Então terá de aceitar a mim e o  bebê. 

    Benner e Nicolas se aproximam com as meninas, que ficam assustadas pela forma como mãe segura o bebezinho. É claro que ninguém aprova a decisão da moça, mas como Bael tem autoridade sob o conselho, ela entra no transporte, e é levada para o novo mundo. Todos ficam descontentes pela conexão que ela teve com o recém-nascido, e por isso quando esta dorme ao lado do bebê  e as suas filhas, estes se reúnem fora do vagão, e discutem sobre o quê  está havendo. 

    _O quê foi aquilo lá fora? 

    _Acho que tenho uma ideia. 

    _Também acho. 

    _Desembuchem. Ela é a mulher mais complexa do mundo, não deu para ler todos os seus arquivos. 

    _Isabelle sempre quis ter um menino. _Mas de acordo com os avanços científicos , ela só pode produzir meninas. _Então ao ver o menino que perdeu a mãe, ela não perdeu a oportunidade... _Sim. Ela o chamou de Odin não foi? Odin é o nome que daria para o  nosso filho. 

    _Ela deve pensar que é coisa do destino. Ninguém vai separá-la desse menino. _É mas segundo o olho divino ele é  o homem que vai destruir o meu império. 

    _Não vejo mal nisso. 

    _E eu menos. 

    _Típicos dos homens que não fazem a diferença. 

    No dia seguinte... Isabelle cuida da criança que adotou, com a ajuda da  equipe de cientistas do anticristo. Em vez de se opor a criação de Odin, o belo e ardiloso homem de negócios, se aproxima da bela e o novo filho, e tenta manipulá-los. “Leviroth não quer ser o pai dele, não é? Eu assumo  a responsabilidade.” Ele se oferece para dar seu sobrenome ao novo membro da família de Isabelle, e ela nega com educação, pois  ao que parece Leviroth aceitou o nenê. 

    _Ele tem o meu DNA. Eu o salvei da morte. 

    Mereço ser o pai dele. 

    _Bael. Benner já aceitou. 

    _Mas fui eu que salvei vocês. 

    Não é justo. 

    _Qual é o seu interesse no Odin? 

    _Ele vai destruir o meu império Isabelle. Mas acredito que se for o pai dele, posso mudar isso.  

    _Vai manipular ele? 

    _Se eu for um bom pai, não haverá razões para odiar o quê construí _Na boa Bael. Cê surtou. 

    _Me dá ao menos uma chance. 

    _Não. Ele será um De La Cruz. 

    Não um Baltazar. 

    Benner chega a estufa onde a esposa brinca com o bebê, e se depara com ela e o anticristo conversando de maneira bem íntima. Seus olhos ficam vazios, e este se recorda de quando ela estava para morrer, e ele a tomou nos braços, acariciando o seu rosto, e lhe dando sangue com um beijo. É claro que ela não retribuiu, porém na mente do príncipe do Caos, este ato de heroísmo poderá custar tudo o quê ele batalhou para manter, o seu casamento. Simulando uma tosse, ele dá passos longos para perto da amada, e o bebê, e a beija com carinho, mas  quando os lábios se desgrudam, encara o rival. _Eu pensei que era contra a adoção do menino Odin. _Ele carrega o nome do único Deus acima de mim,  e ao qual eu respeito. Além disso veio para te destruir, é o suficiente pra mim. 

    _Não precisa disso. O pai de Odin é o Benner, não há discussão. 

    _Não me obrigue a isso. 

    _Obrigar a quê ? 

    _O quê está escondendo? 

    _Esse menino é meu filho com aquela mulher. 

    _Você é o pai biológico do Odin?! 

    _Sim, e ela é a mãe biológica dele. _Opa. O quê aconteceu naquela abdução  há 4 anos?! Eu não me lembro de muita coisa.  Só de um lugar branco como um laboratório  alien, e está muito drogada. 

    _Nós colhemos seu material genético. 

    Foi assim que Nicolas reviveu Laura, e eu criei esse bebê. Só que ao perceber o quê ele faria, dei a ordem para impedir a continuação da gravidez. 

    _Vocês realmente abduziram minha mulher, para fazer experiências bizarras?! 

    _O quê você fez? 

    _Não foram tão bizarras. Ela tem o sangue e a essência de Lúcifer, era perfeita para o meu herdeiro. 

    Eu mandei matar a barriga de aluguel, e ela fugiu , descobriu que sou o anticristo, e se juntou aos conspiradores. 

    _Não há escrúpulos pra você mesmo. 

    _Você tentou assassinar meu único menino? 

    _Isabelle você tem vários filhos mundo a fora. 

    Odin é um de milhares. 

    _Eu ia ver a morte de um ser que é DNA do 

    meu DNA. O único menino que pude ter, e você ia  tirá-lo de mim! Nunca mais se aproxime da gente! 

    Grita furiosa, pegando o bebê no seu colo, que não para de chorar, e sai da estranha instalação. Bael bufa de raiva, e Benner o encara com indiferença. Fica claro que logo vão discutir, mas mesmo assim o belo loiro, respira fundo, e abre espaço para que se sentem a mesa, e conversem de forma civilizada. O marido se acomoda, e junta as mãos com um sorriso de fúria, enquanto o senhor  do novo mundo, apenas aguarda o quê está por vir. _O quê queria com esses herdeiros sintéticos? 

    _Um exército de seres fiéis a mim e a minha rainha. 

    _Ela é a Minha Rainha.  

    _Não por muito tempo. No outro mundo você é alguma coisa. Aqui eu sou, e não sei se lembra mas a sua amada ama tudo o quê se refere a minha cultura diabólica. 

    _Ela ama tudo o quê se refere ao Pai dela. _Ou será que é ao seu verdadeiro marido? Nunca houve um divórcio adequado, esqueceu? 

    _Luciféria morreu Bael. Esta é Isabelle. 

    Elas não são a mesma pessoa. 

    _Então terei que te roubar Isabelle também. 

    Porquê ela tem o espírito da minha Lucy. _Depois de tentar matar o Odin, ela nunca vai  te querer. Não importa quantas vezes venha a salvá-la. 

    _Ah qual é. Eu fiz coisas bem piores na outra vida, e ela ainda sim casou comigo, e tivemos a Memphis  , da maneira tradicional. 

    _Que ela foi obrigada a matar, porquê tentou eliminar Elisa e Marisa.   

    _Mas ainda sim a tivemos. 

    O loiro ri com malícia, e o demônio se controla para não acerta-lhe um golpe. Horas mais tarde...A jovem mulher olha para o bebê, e este ri para ela. As filhas não se sentem felizes com tanto apego, e reviram os olhos. Isandra e Laura partem pelos corredores, e vão até Nicolas que está sentado no refeitório,  falando seriamente com Leviroth, que demonstra desagrado, porém  não para com ele, e sim com a ousadia do seu rival. 

    _Não queremos ter um irmãozinho! 

    _É verdade papai. Já me basta a Laura! 

    _Hey!  

    _Desculpa Laura. Você é legal, mas não é aquele moleque remelento, que nem tem o nosso sangue. 

    _Isso é verdade. Que amor é esse?! 

    _Acalmem-se as duas. 

    Nicolas respira fundo, e os pais puxam as cadeiras para as garotas, que se sentam com alguma dificuldade. Os pais se entreolham, com a certeza de que as duas crianças mimadas tem tendências psicopatas, e podem fazer como a filha de Bael. Por isso tomam as rédeas da situação, e tentam evitar o quê pode acontecer, para que Isabelle não tenha que se voltar contra  as meninas. _Odin é irmão de vocês _O quê?! 

    _Como assim?! Isabelle pulou a cerca?! 

    _Laura! 

    _Não, ela não pulou a cerca. Pelo que o idiota do meu irmão explicou, foi criado por manipulação genética. 

    _Em laboratório? 

    _Como eu? 

    _Ao que parece sim. Não consegui destruir todas as amostras de DNA de Isabelle pelo visto. 

    _Então foi assim que conseguiu o material genético dela? 

    _Foi? Papai achava que era de maneira tradicional. _Eu também achei, até papai me contar que  sai de uma barriga de aluguel, de um clone dela. 

    _Nunca pensei isso. Isabelle não pularia a cerca uma segunda vez Isandra. 

    _É? Pelo ciúme que sentiu da mamãe, duvido viu? _Senhor De La Cruz posso assegurar, nasci  em uma instalação de pesquisa genética. 

    _Podemos nos focar em questões mais importantes? 

    Isabelle e Bael tem um filho. Isso não é assustador? o quê ele ganha com isso? 

    _Uma ligação eterna com Isabelle. Está convicto de que ela pode voltar a mesma Lucy, que largou todos os que amou, para ser sua rainha. 

    _Minha mãe já teve um caso com ele? 

    _Arádia e o Novo Senhor do Inferno? 

    _Sim. Houve uma época, que ela sentiu um ódio extremo do pai e a mãe, de mim e Leviroth, e se juntou a ele. _Não só isso. Destruiu milhares de povos, julgando-os a favor do seu então marido. 

    _Como Ishtar. 

    _Ela também é Ishtar? 

    _É um lado sombrio da vida da mãe de vocês. Só que tudo começou por causa de um  

    Bebê. 

    _E agora está se repetindo... 

    A dama coloca o bebê para dormir, e sente uma forte pontada na cabeça, que a faz se debater contra o vidro da janela.  Um vulto negro surge e a carrega, embora  se pareça muito com Bael, não é ele que vem acudi-la, mas sim o seu pai, que a deita na cama, e a cobre notando a sua palidez. “O quê ele fez contigo?” Passa a mão na cabeça da filha, que está ardendo em febre, e suas veias brilham um forte  tom de roxo florescente. Fazendo-o entender o quê houve. Furioso este sai do  quarto, e vai atrás do anticristo, pronto para corrigir o seu filho rebelde, da mesma forma que o seu pai fez com ele, quando descobriu que ele lhe roubou, o seu bem mais precioso, a sua rainha. No caminho, este se depara com Victória e o neto Dave Haster. Ao vê-lo a mulher com roupas de caveira, corre para o abraçar, e este o retribui relutante. 

    _O quê foi pai? 

    _Isabelle foi infectada com a essência de Caesta. 

    _E o quê isso significa? 

    _Significa que seu irmão Bael, está tentando matar Isabelle, para reviver Ishtar  outra vez. 

    _Mas Isabelle é Ishtar  não ? 

    _Sim, e não. Ishtar é uma das 3 personalidades da sua irmã. A  1-Luciféria Lilith II, o anjo justo. A  2-Nahemah Hela, a deusa do julgamento. E por fim a 3 é Babalon Ishtar. 

    _Isabelle é Babalon?!  

    _E também é Koré. 

    _Mas Babalon é a prostituta e Koré a virgem! 

    _São estágios da vida da sua irmã. Ela foi Koré, a meninas dos olhos de Bael, e se tornou Babalon, a mulher dele. _Isabelle e Bael são realmente casados?! _Não exatamente. Ela como Babalon Ishtar é a mulher dele, mas como Isabelle é mulher de Azazel. 

    _Então Bael quer exterminar as outras duas versões dela, para só uma existir? _Sim. Babalon surgiu de todo o ódio que sua irmã sentiu por cada sofrimento, ela é o lado mais negro que existe nela. 

    _Então o quê ocorre se ela virar Babalon? _Ela se torna a Messias Negra das verdadeiras trevas. 

    _E  isso quer dizer? 

    _Que não há um futuro livre para as próximas 

    gerações. 

    Ele respira fundo, e Victória fica catatônica. Isabelle  gira de um lado para o outro, sentindo-se desconfortável. Corpos estão espalhados por toda parte, queimando em brasas ardentes. Sua mão segura uma espada e um estandarte, como se fosse uma amazona egípcia. Seus pés caminham pelo chão, cobertos de sangue. O medo lhe preenche o âmago. Que criatura grotesca teria feito tamanha chacina no antigo Egito? Sua respiração se torna ofegante, o coração palpita rapidamente,  e logo esta começa a correr pela areia. Há risadas em uníssono, e isto a deixa desconfiada. “Inanna.” Pensa com certeza e raiva em seu olhar, dando  passos longos em direção as vozes. Uma mulher, com o corpo pouco coberto, vestida de branco, está sentada no colo do Deus do local, com um cálice dourado em suas mãos.  Ao vê-la sorridente e maléfica, larga suas armas, em estado de  pânico. Os lábios da mulher misteriosa, beijam os lábios profanos do Deus iniquo. A mão do homem pálido, e de olhos vermelhos, agarra os seus cabelos  ruivos, e eles se encaram como dois dragões prestes a acasalar. As suas unhas negras  arranham carinhosamente a coxa dela, enquanto as mechas dos longos cabelos lisos, caem sob suas pernas, fazendo-a corar e abrir seus olhos violetas. Ao assistir a cena, a bela, fica de queixo caído. “Por favor não faça isso!” Grita em sua mente, ao tapar o rosto com os dedos abertos, e os olhos arregalados. Por não  conseguir suportar ver a cena, já que a mulher de cabelos 

    de fogo é ela mesma, em outra vida. Aterrorizada, pela visão que acabara de  ter, dá passos errados e escorrega para trás. Ao vê-la os demônios sorriem, e vão ao seu encontro, avançando em seu corpo, e beijando-a dos pés a cabeça, até Babalon desaparecer ao entrar no seu corpo, fazendo-a se sentir muito atraída, pelo novo Senhor do Céu e do Inferno. 

    _Você vai ceder a mim. Sempre cede. Basta sofrer o suficiente. 

    _Aquela, vadia, ali, não, sou, eu! 

    _,É uma parte sua. Uma parte que sempre desejou  toda a minha escuridão e iniquidade. 

    _Para! 

    _Você ama o Inferno, porquê ama a mim. 

    _Não! Eu! Não! Te amo! 

    _Ama sim. Pare de fingir o contrário. 

    _Não...Não... 

    Ela sente os dedos dele em suas costas, logo está com a roupa da Deusa Escarlate, e a sua coroa. “Eu não sinto atração, eu não sinto atração, eu não sinto atração!” É o  quê repete na sua mente, tão concentrada em não sentir, que é pega desprevenida no escuro, e ele a beija com ferocidade. De inicio ela não retribui, mas seu corpo reage contra a sua vontade, fazendo-a sentir algum prazer ao ser dominada, pela poderosa criatura. A língua dele entra em sua boca, por vários minutos, deixando-a sem ar, enquanto eles giram no meio do nada, como fantasmas se tornando um só ser 

    , de duas cores, a luz violeta, que se torna levemente rubra e a ausência de cores, o Ayin. “Eu Não...” Tenta o impedir de chegar, só que não resiste, e acaba em  seus braços, emanando a luz completamente em cor de rubi. 

    _Socorro! 

    _Filha? 

    _Mana? 

    _Me tirem daqui! Me tirem daqui! 

    _O quê aconteceu Isabelle?! 

    _Ela teve um pesadelo com o anticristo. 

    Certeza. 

    _Eu, e ele... A gente... Ai minha nossa Eu não acredito no quê vi! 

    Ela se ajoelha ao lado da cama, e o pequeno Odin acorda assustado, em estado de desespero. Ela treme se aproximando do bercinho, está em choque, sem acreditar no quê aconteceu, e no quê sentiu. O pai e a irmã tentam lhe acalmar, mas nada funciona, seu corpo não para de vibrar. É como se estivesse na Antártida, usando somente um biquíni. Lúcifer abraça a filha mais velha, impedindo-a de carregar o seu neto, pois na situação em  que encontra, pode derrubá-lo. Victória pega o bebê draconiano, e fica a niná-lo, junto do filho que luta para distrair o seu primo. A bela  volta a empalidecer, e sua pressão desce a tal ponto, que esta perde a consciência, nos braços do anjo das virtudes. Percebendo a gravidade do caso, a irmã mais nova, passa a mão no cabelo, e se ajeita ao lado da consanguínea fazendo-lhe carinhosos cafunés. 

    _É muito para Isabelle suportar. 

    _Sim. Sua irmã foi a que mais sofreu de vocês. 

    _Como que ela acabou nos braços dele?! Todo mundo sabe que ela é do Azazel! 

    _Ela e ele tem um destino, criado por Caesta , a grande deusa matrona. 

    _Mas você disse uma vez que ela e Azazel nasceram um para o outro! 

    _Sim, e é verdade. Só que ela foi castigada, por fazer Miguel se apaixonar, e destruir o seu destino com a outra sobrinha. 

    _Eke?  

    _Sim. Por se meter com uma das favoritas, ela a fez cair nos braços do demônio. Ficando assim dividida pelos gêmeos primários. _E o quê ela pode fazer pra mudar isso? _Somente controlar o quê sente pelo seu carrasco. 

    _Isso é horrível. Por quê Caesta é tão ruim? _Não há uma resposta. Mas Caesta odeia a sua irmã, tanto quanto a sua tia Lilith. Então creio que a motivação vem daí. 

    Lúcifer segura o netinho, e este gargalha no seu colo, sentindo-se muito confortável.  Ao vê-lo ele franze o cenho, e se recorda de quando segurou os gêmeos Bael e Azazel em seu colo. Azazel era uma criaturinha coberta por uma mortalha de energia escura, com um sinuoso brilho em seu peito. Já Bael era um bebê que brilhava tanto quanto o sol, mas em seu olhar havia a mesma fúria, do pai, quando ainda recebia o nome de Samael, e isto o preocupou. Os meninos, cresceram aos cuidados de Lilith, que em sua sabedoria sobre gestação, logo viu o futuro devastador daquele que pensou ser seu filho. Um calafrio percorreu-lhe a espinha, ao se lembrar de como Lúcifer era antes, e por isso o temeu por quase toda a sua vida. Bael cresceu se sentindo odiado pela mãe, e quando Luciféria nasceu, ele tentou matá-la afogada. Se a rainha do Inferno não chega a tempo, ele teria conseguido. É claro que a princesa não morreria de fato, mas esta seria enviada para o reino de Caesta, onde sofreria com o seu julgamento rígido e cruel, mesmo sem saber pensar. Lilith teve ódio dele, e por isso ela o enviou para uma floresta, na qual suas criaturas o puxaram para o subsolo do Éden Negro, e o manteve lá. Como no sonho de Isabelle, ela  foi até o lugar proibido, e teve com o terrível demônio, uma espécie de amor platônico, no qual ele a quis como sua futura rainha do submundo, e ela o quis como um amigo, com quem dividia suas aflições sobre a família, Miguel ou Azazel. Isso o devastou, e foi assim que ele acabou nos braços da sua verdadeira mãe, Inanna, que o educou para tomar posse do  céu de Ninlil, e o Inferno de Ereshkigal, que basicamente são a face da mesma deusa. Caesta os favoreceu, Bael tomou posse do mundo de Anu, e Chaos o marido e o oposto complementar dela, não gostou nada da afronta, e por isso lhe mostrou o poder da desordem. Enquanto céu e inferno lutavam entre si, o novo Deus, inventava meios para se aproximar outra vez de Luciféria. Só que ao vê-la nos braços do odiado gêmeo, ele mesmo a empurrou para a Terra, onde ela sofreu  

    até se matar. O quê só o pai sabe, é que quando ela se foi, ele saiu do trono, e entrou na água, sujando-se com o sangue da bela, enquanto via que poderia salvá-la. Só que nada conseguiu, e esta agora na adolescência, foi mandada para o reino de Caesta. A deusa anciã, recebeu sua essência, e quis destrinchá-la, mas ele atravessou o reino fatal para os deuses, só  para lhe trazer de volta. “Caesta. Você disse que quer que ela sofra. Ela sofre ao meu lado. Devolva-me a minha boneca.” O mentiroso profissional piscou diante da gigante, que gargalhou como louca, com as suas duas vozes entrelaçadas, entre a roca e a fina, como a de Akasha, em A Rainha dos condenados. O novo Deus, se curvou para a velha Tiamat, sem saber que decisão tomar. 

    _Está apaixonado pelo anjo maldito! 

    _Não, não estou mais. Eu só quero feri-la. _Não me engana Bael Lúcios  _Eu sou o carrasco dela.  

    _Não é mais. Designarei outro para esse 

    serviço. 

    Ao ouvir a ordem, o demônio ri sem acreditar, e então pega a deusa pelo pescoço, e a parte ao meio, banhando-se no sangue da draconesa, com seu olhar frio e sem vida. “Ninguém me diz o quê fazer. Nem mesmo você minha  querida avó.” Ele diz ao olhar para a cabeça dela, então olha para o coração desta, e o pega. A bela filha de Lúcifer, aparece presa em um cristal verde,  num sono profundo, que o jovem deus quebra com seu punho, só que nem assim ela desperta, e por isso ele rasga o seu peito, e coloca o miocárdio da deusa no lugar do seu. 

    _Bael o quê está fazendo?! Ela não é digna! 

    _Eu a escolhi. Quer você queira ou não. _Ela não vai suportar! É filha de um demônio e meu coração de carne é puro!  

    _Ah é? Esqueci de lhe contar  Luciféria não é filha de uma demônia. Mas sim da deusa que foi violentada. 

    _Ela é filha de Ninlil?!  

    _Você entende rápido.  

    _Então isso foi uma armadilha?! 

    _Achou mesmo que depois de tudo o quê fizeram Comigo, eu seria fiel a vocês?! Ah vovó isso foi uma tolice. 

    _Você vai morrer! 

    A Deusa Berra se materializando, mas os olhos de Luciféria se abrem, tão  verdes quanto esmeraldas, e esta surge diante da gigante, segurando o seu punho violento, com relativa facilidade. Ao ver que a menina agora, tem uma parte importante do seu poder, ela voa para longe, e decide criar um exército para deter Bael e a amada.  Aos poucos ela recobra a consciência, porém não se recorda de nada da outra vida, por isso o novo deus agarra a oportunidade, e se aproxima dela, fingindo o seu par. É claro que ela reconhece, e se afasta , só que quando recua, ele avança, como uma serpente, e lhe dá o bote, fazendo-a não resistir, e até retribuir aos seus desejos. 

    “E depois dele a manipular e mentir, ainda sim ela se tornou sua rainha, e nos traiu.” É o quê reflete o imperador do Inferno nos dias atuais, olhando para a filha no colo da irmã, com certo receio. Por isso coloca o pequeno  Odin para dormir, e volta para o caminho anterior. Contudo ao chegar na porta ouve uma voz familiar, e por isso para. 

    _Papai? A onde está indo? 

    _Vou resolver alguns problemas querida. 

    _Não o enfrente. Ele está poderoso demais. _Ele nunca foi mais poderoso do quê eu. 

    _Como pode ter tanta certeza?  

    _Eu ainda estou aqui. 

    O coroa charmoso pisca, e vai embora. Bael fica sentado diante da mesa,  fazendo anúncios em nome do seu pai, em relação ao Apocalipse, como se este patrocinasse suas atrocidades, em prol do novo mundo. No entanto ao terminar o seu discurso raso, o próprio deus da justiça aplaude com ironia, entrando no local, com o seu sorriso mais confiante, que faz o diabo ficar em choque, por acreditar que este vai desmascará-lo, mas por total educação, o pai espera a reunião acabar, para poder  repreendê-lo. 

    _Lúcifer. 

    _Olá filhinho. Está prestes a dominar o mundo, e ainda sim precisa do meu nome para ter algum sucesso? 

    _O quê quer?! 

    _Que fique longe de Isabelle. A menina não é a sua Ishtar, e eu não quero vê a reencarnação da minha filha  morrer. 

    _Você pode tentar enganar a Aggarath, o Azazel, o Miguel, e as crianças. Mas Eu sei que é a minha Luciféria. 

    _Em primeiro lugar Luciféria é o par de Azazel. Em segundo ela não tem mais a mesma personalidade. A Luciféria que conhecemos não existe mais. 

    _Então nunca a conheceram de verdade. Porquê Isabelle é exatamente a mesma Luciféria da qual me lembro. 

    _Você não vai machucá-la outra vez. 

    _Você e eu sabemos que eu nunca a machuquei de fato. O único que mais se feriu com a nossa união foi Você. 

    _Você fez com ela se odiasse, e enlouquecesse! 

    Não venha me dizer que não a machucou! 

    Lúcifer perde a cabeça, e agarra o filho pelo colarinho, o jogando contra a parede. O loiro ri da afronta, como se aquilo não o ferisse, e o quê o pai estava dizendo fosse somente ladainha. Todavia basta sentir a pressão da flamejante luz gloriosa do deus renegado, para se controlar, e deixar de agir feito um idiota. Infelizmente o momento de juízo  não dura, e este volta a defensiva agressiva. 

    _Ela surtou apenas porquê não se aceitou. 

    _Ela não é assim. Não é uma...! 

    _Uma o quê? 

    _Uma aberração como você! 

    _Desculpe informar reencarnação de Chronos. Mas a sua doce Perséfone, não é tão pura quanto você acredita.  

    _Eu nunca disse que ela era pura. Não seja idiota. 

    Ela apenas não é monstruosa como você. 

    _Ah ela é. E toda vez que desceu ao meu reino,  

    provou da minha escuridão e quis mais. 

    _Você a obrigou! 

    _No começo sim... Mas depois ela voltou ao Tártaro, pelo prazer que somente as trevas podem proporcionar. 

    _Está bem. Já vi que discuti não vai levar a  nada. Só fica esperto. Porquê Eu estou por  perto, e não te deixarei tirá-la de nós. _Interessante é um desafio? Porquê se for Eu já ganhei. Ela te odeia, pois se deu conta do péssimo pai que é. 

    Ele diz com um sorriso cruel, e o deus que domina o Tártaro, lhe acerta um soco no rosto, com a mão tão quente, que se ele não desvia, em vez de receber um arranhado no canto dos lábios, teria tido a face queimada. A raiva consome o progenitor, e este sente seu punho tremer, o deus do novo mundo, se enfurece pela humilhação, e urra para que saia imediatamente da sua  presença. 

    “Eu já pretendia tomar Isabelle para sempre, mas agora isso não é mais uma pretensão, e sim uma certeza.” Os olhos dele ficam sombrios, e o anjo caído, caminha pelo vagão, suando frio. Ao verem Lúcifer, Azazel e Nicolas correm para cumprimentá-lo, e saber o quê houve de tão grave, para que tenha se deslocado da Boulevard, para os trilhos do  trem da perdição. 

    _Olá irmão. 

    _Oi pai. 

    _Olá garotos. 

    _O quê aconteceu? Está trêmulo! 

    _Tem a ver com a Izzy? 

    _Apenas tive uma conversa com meu filhinho rebelde. 

    _Parece mais que discutiu. 

    _E espancou. 

    _Ah isso? É porquê ele não quer deixar a minha filha em paz, e me chamou de péssimo pai. 

    _É um soco e tanto. 

    _O quê ele ainda quer com Isabelle?! 

    _Tê-la de volta. 

    _Mas mesmo depois de muito tempo? 

    _Eu vou matar ele antes de conseguir uma segunda vez! 

    Azazel se prepara para ir atrás do irmão, mas Lúcifer o impede, e então avista a sua sobrinha Alexandra, e tem um plano, que resolve colocar em prática. Como quem não quer nada, se aproxima da moça, e tenta convencê-la a lhe ajudar, mas como a menina tem o sangue das deusas, percebe logo que é uma jogada, e o       faz confessar a verdade. Ele se envergonha, só que ainda sim, a bela bruxa resolve ajudá-lo, por ver o seu desespero, ao pensar que vai perder  

    a filha do seu grande amor outra vez. 

    _Então Isabelle realmente teve um relacionamento com  O Anticristo? 

    _Sim. 

    _E há ainda alguma chance de quê ela caia nos abraços dele? _Infelizmente há. Ele percebeu que a fonte do amor, vem do  seu ódio pelo resto do Universo, e por isso desgraçou a vida dela. 

    _Se ela souber que ele fez isso, certamente ficará longe dele. 

    _Não. Isabelle é louca como Luciféria, pode acabar se apaixonando, só por saber que ele gastou metade da vida, focado em obtê-la. 

    _E ele realmente gastou?! 

    _Ele não está vigiando-a de agora Alexandra. 

    _Ele é um psicopata! Isso é ruim... 

    _Eu sei... Isabelle tal como Luciféria abraçou As trevas com que a humanidade me vestiu. 

    Isabelle acorda no colo da irmã e se assusta, pois jamais imaginou que Victória  seria capaz de perdoá-la, após a sua coroação de rainha do pop no Madison Square Garden. Na qual a melhor amiga e irmã, se enfureceu pelo grande sucesso que seu pai proporcionou a mais nova, enquanto a manteve longe dos holofotes, porquê segundo ele Victória era mais digna, por ter o amado cegamente. Foi a gota d’água para Isabelle, que fez até o mais virtuoso dos seres ficar em silêncio, quando disse “É muito fácil ser fiel aos sentimentos por 3 anos de espera. Ela não ficou, por mais da metade da vida, esperando todos os dias que aparecesse, e chorou achando que tinha enlouquecido, quando nada aconteceu. Mas se isso a torna mais digna, então a partir de hoje corto meus laços com você e o satanismo, não importa  se tenho o teu sangue, Eu não sou mais tua filha.” Mal sabia ela, que o pai não fez aquilo por duvidar da sua nobreza, afinal nunca foi fã de adoração, e sim do amor  que poucos tinham por ele. O pobre imperador foi obrigado a agir dessa forma, renegando-a, ou Inanna, teria cortado-lhe a garganta, assim que fugiu da Dimensão prisional, junto com os demônios que enganaram as princesas e os príncipes do Caos. 

    _Então recebeu o meu pedido de desculpas. 

    _Sim, e eu aceitei. Você é minha irmã, sempre vai ser. _Posso até ser Vick. Mas te salvei por compaixão, e não pelo babaca do nosso pai. 

    _Devia pegar menos pesado com ele Izzy. 

    _Primeiro só Azazel me chama de Izzy. Segundo Você lembra o quê aconteceu no Madison. Ele me chamou lá para ser humilhada e rebaixada a serva! 

    _Primeiro Tô nem aí. É Izzy e ponto. Segundo já parou para se perguntar por quê ele fez isso? 

    _Porquê não o amei o suficiente e era indigna. 

    Ele mesmo disse. 

    Ela revira os olhos, e a dama lhe entrega o celular, na página oficial do site do pai.  “Leia a carta, Ao fruto do meu grande amor 19/08/2020.” Ela respira fundo apontando o dedo para onde a bela deve clicar. Isabelle se mostra relutante, mas Victória lhe dá, Insistindo para que o faça. “Ao contrário do quê ele disse a mídia, não foi um single barato, para iniciar sua carreira com chave de ouro. “ Diz, então isso desperta a curiosidade da bruxa mais velha do convém.  “Ao fruto do meu grande amor. Me perdoe por te abandonar naquela noite de horror. Você não entenderia, então te deixei ir. Se eu te coroasse como sonhava, não haveria como fugir. Sua mãe é a minha rainha, mas você sempre será minha garotinha. Me perdoe por  ser tão cruel. Mas havia algo terrível por baixo do véu. Seu sorriso, sua esperança. Sempre estarão em minha lembrança. Não podia permitir aquela matança. O relógio se move lentamente. Fazendo com que eu me lamente. Contudo não posso voltar atrás. Os monstros te devorariam no Alcatraz. Então tenho que seguir de coração partido. Sem poder está contigo.” Ao ler a parte “Seu sorriso, sua esperança” Ela fecha o cenho, e se esforça para terminar. Ao ver o seu incômodo,  Victória percebe que há algo errado, e pega o telefone de volta, pronta para abrir o inquérito. 

    _Não basta ter conseguido o topo que sonhei?! 

    Tem que jogar na cara o quanto ele te ama?! 

    _O quê?! Não Izzy. Não é pra mim! 

    _É claro que é, eu quase nunca sorrio ou tenho esperanças! 

    _Mas já teve! E nosso pai se recorda disso! Por favor Izzy! 

    Inanna não é o grande amor do nosso pai! Sua mãe É! 

    _Se isso é verdade, por quê ele pulou a cerca tantas vezes com ela?! 

    _Porquê ela o enfeitiçou! 

    Grita como se revelasse um segredo cruel e obscuro, e Isabelle recobra o fio  da sanidade. Olhando para ela em estado de choque, as duas que estavam em pé,  se sentam na cama, e a mulher com roupas moda caveira começa a chorar sem parar, o quê desperta um pouco de compaixão na irmã que a abraça, lhe acolhendo, e confortando-a, enquanto tenta secar as suas 

    lágrimas. Só que Victória, fica inconsolável, praticamente a beira de um surto, como se a sua vida de pop star, não fosse o paraíso que a professora acreditava  que era. Então pouco a pouco, ela se recompõe, passando a luva na sua face, para limpar o lápis borrado dos cílios inferiores. 

    _O quê tem demais nisso? Todo mundo sabe que Inanna é uma vadia. _Tem que Eu nasci de uma noite de prazer Isabelle. Não de amor , como você! 

    _Mas você disse que Inanna e ele se amavam. 

    _Eu menti. Estava furiosa por como me tratou. A minha vida é uma mentira! Eu sou uma deusa do amor, que literalmente nasceu do testículo do mar! 

    _Todos nós nascemos de um testículo Victória. 

    _Você não entende. Eu sou só o esperma que evoluiu, e Inanna usou para prender o nosso pai, e quando não tive serventia , ela me jogou fora! 

    _Minha nossa Vick. Mas Lilith te acolheu como filha lembra? _É mas eu sempre soube que ela não me amaria como amou a você. Esse tipo de conexão, só se tem através do sangue.  

    _Então por isso fez aquelas coisas terríveis comigo? _Sim. Eu me arrependi depois. Mas era tarde demais, tinha finalmente cumprido com a vontade Inanna, e você já era pura escuridão como eu e Bael. 

    _Se você é tão má assim. Por quê está confessando? _Porquê você é minha irmã! E eu te amo. Lilith me aceitou na casa dela, mas foi você que me criou, não fui justa contigo. 

    _Tudo bem. 

    _Não, não tá. Inanna continua a te odiar, e foi por isso que nosso pai agiu daquela forma. Se ele não te tirasse do caminho dela, ela ia te matar diante todos. 

    _Ela o quê?! 

    _Ela ia te matar. Por isso pai cedeu a entrada na fama pra mim. Como sou filha dela, ela iria adorar me ver ali, no seu lugar. 

    _Então ela desgraçou minha ida ao topo?! 

    _Sim. Mana me perdoa mesmo, sério. 

    _Bom pelo menos me contou. 

    Responde abraçando a irmã, reatando os laços de uma amizade que tinha sido destruída, há 9 anos. Então elas olham para o vazio, como se houvessem outros pecados escondidos. Enquanto isso... Bael sorri, com o seu mais perverso olhar, e o trem finalmente chega a velha cidade  subterrânea, na qual, se estabilizará o novo mundo. 

    Capitulo 7 – A cidade dourada 

    As portas do transporte se abrem, e todos descem outra vez mascarados. Porém o anticristo passa por todos, e é o primeiro a tirar a sua proteção, os deixando de queixo caído. “O homem em sua enorme ignorância, sempre acreditou que está no topo era o quê mais importava. Mas hoje meus queridos, estamos provando o valor das terras do subterrâneo.” O anfitrião abre os braços, com suas caras roupas amarelas, mostrando o paraíso que os aguarda. “Os humanos nunca entenderam, que o quê está acima, é o que está abaixo.” O loiro imita a estátua de Baphomet. “Que a sua morada , pode ser tanto o céu, quanto a terra.” Prossegue, e então olha para a única coruja entre as outras aves, com forte fixação. “Que o amor e o ódio provém da mesma energia.” Segue encurralando a jovem mãe. “E que podem ser convertidos. Portanto aquele que odeia hoje, pode ser a quem venha amar no dia de amanhã.”  Sorri com malevolência, e a bela recua. Percebendo o desconforto da amada, Leviroth resolve acolhê-la, e está o abraça forte, mas seu olhar continua preso a figura do rei do novo, que continua a sorrir confiante. O novo mundo dos escolhidos, é diferente do quê muitos se acostumaram, principalmente os que enriqueceram por obra de Bael. Há uma enorme fonte de água potável no meio da cidade, que é cheia de prédios dourados, que possuem várias tecnologias, as quais a comunidade tem acesso para resolver as suas causas, não importa se são significativas ou fúteis. Um 

    verdadeiro Éden. Ao entrarem no local, cada família é colocada numa casa, de acordo com a quantidade de membros, e dentro desta encontram roupas, comidas, e alguns brinquedos para se distraírem. Só que depois de ser raptada, Isabelle evita o capacete de realidade virtual, e prefere usar o aparelho, no qual reproduz livros. Já Os Miller optam por passar horas, enfrentando um ao outro num jogo de corrida de carro. Victória e Dave ficam num jogo de música, enquanto o par dela assiste TV, e Alexandra , e sua família escolhem vê um filme de terror de possessão.  “Amo Lovecraft.” A mãe de Isandra diz com um sorriso, cruzando as pernas, e balançando o berço de Odin, para mantê-lo dormindo. 

    _Isabelle encontrei seu pai ontem. 

    _O meu pai?! Aquele desgraçado que me renegou?! 

    _Não, o seu outro pai, com compartilha a essência única. _Ah o outro desgraçado que me renegou. O quê tem ele? 

    _Ele falou que o Anticristo está focado em ti. _É, eu sei, o fato de Odin ter o nosso DNA, me deixou bem desconfiada. Mas não acho que sou o Foco dele. 

    _Você é. Ele deixou claro para mim também. 

    _Eu não entendo o porquê de tudo isso. 

    Sou só uma professora de biologia. 

    _Eu entendo. Ele acha que você é Luciféria. 

    _E eu sou. Só que o quê isso tem a ver? _Não, não é. Tem o sangue e a essência, parte da forma, mas não é ela. 

    _Então eu não sou a princesa mesmo? 

    _É claro que é Izzy. Mas vocês tem personalidades diferentes, e não é só isso... 

    O marido respira fundo, lutando contra o seu ciúme, que quer o dominar, como um dono domina o seu animal. As imagens da sua amada ruiva nos braços de Bael, lhe vem a mente, e os seus dentes rangem sem parar, enquanto ele treme de raiva. A dama fecha o livro, e o coloca na cadeira branca. Suas mãos tocam o rosto do  amado, que retorna para a realidade, e a encara tomado pelo medo,  e a tristeza. 

    _O quê está havendo meu amor? 

    _Você lembra que sempre me disse que tinha um ser obscuro  dentro de ti, que você mantinha enjaulado no fundo da sua mente.  Porquê se saísse iria ferir os que ama? Sem dó ou piedade,  exatamente como a deusa descrita por Crowley? 

    _Sim é claro. Por quê? 

    _Você é mais que Koré, é Babalon também. _Aquela criatura arrogante e cheia de si?! Impossível. Eu sofro de depressão por ter Pouco amor próprio. 

    _É uma longa história. Mas em resumo você e Bael estiveram juntos, sim exatamente como desconfiava. Por isso teve os pesadelos em que se envolvia com o Anticristo. 

    _Por quê não me confirmou antes? 

    _Estávamos em crise, e eu achei que iria preferir a ele. 

    _Leviroth está inseguro? 

    _É claro que estou. Tudo o quê gosta, é baseado nele. 

    _Isso não é verdade. 

    _Você mesma disse uma vez. Há diferenças entre Lúcifer e o Diabo, e eu amo mais o Diabo do quê a Lúcifer. 

    _Você leu minhas mensagens para Victória?! _Eu sempre leio. Não tem por quê ficar surpresa, fez  a mesma coisa comigo. 

    _É, eu fiz. Só me preocupo que não confie em mim. 

    _Eu confio. Só que temia que ele fosse te procurar. 

    As mãos dele continuam a tremer, e a bela as segura. No começo ele se mostra relutante, mas ela é firme no ato. É difícil ver o demônio chorar, só que está claro  que aquilo o assusta, e que as lágrimas querem sair. Por isso ela o abraça forte, e este acaba se deixando retribuir, apertando-a forte contra o seu peito,  como se aquilo pudesse impedir a sua separação. 

    _Eu estou aqui B. 

    _É, mas por quanto tempo? 

    _Eu sempre vou está aqui. 

    _E se um dia sentir algo por ele outra vez? 

    _Eu arranco meu coração, e faço uma lavagem cerebral , para ficar somente amando você. 

    _Não. Isso não. 

    _Eu te amo muito. Não precisa se preocupar certo? 

    _Eu também te amo muito. 

    Eles olham um para o outro, e então como duas serpentes, inclinam a cabeça para frente, encostando os seus lábios um no outro. Como se quisessem algo mais, então os seus olhares transmitem mensagens, e eles se beijam fervorosamente. O demônio a  pega em seus braços, carregando-a para o quarto, no momento que suas línguas se enrolam uma na outra. A mão máscula tranca a porta, a dama tira sua roupa, e ele também. Como uma fera, ele fica por cima dela, mordendo seu pescoço com ferocidade, enquanto seus dedos agarram as costas femininas. Arrancando-lhe fortes gemidos, sem sequer começarem. Porém quando as coisas vão esquentando, os olhos da bela se tornam reptilianos, e esta sente muito desejo por sangue. Percebendo que há algo errado, o marido para com os estímulos, e com a unha arranha o pescoço, permitindo-a beber da sua vida. 

    _Não. Eu posso não ter controle. 

    _Eu sou um demônio. Me curo rápido. 

    _Tem certeza disso? 

    _Tenho. Pode se alimentar de mim, assim não precisará ir atrás do meu irmão. 

    Ele diz e a sua companheira, o ataca, sugando sua energia com tanta sede, que  parecia está no deserto. Ele sorri, contudo percebe que ela não vai parar, e a afasta. Os olhos deles se encontram, nos dela há fome, e no dele receio. Por isso esta salta pela janela, e o deixa para trás. Os seus sentidos ficam apurados, ela segue o cheiro  de sangue, vendo as cores da aura de cada um, enquanto tudo vibra ao seu redor. Um rapaz se encaminha para um dos becos do local, e ela o segue, com as mãos para trás expondo as suas garras. Bael percebe que está fora de controle , e vai ao seu encontro. O jovem tenta gritar, só que ela arrancou a sua língua fora, e está prestes a devorá-lo. Vendo aquela cena, ele sorri com crueldade, e estala o dedo, reconstruindo a língua do garoto, que está aterrorizado. 

    _Você pode falar outra vez. 

    _Ela, ela me perseguiu. 

    _Eu sei. Mas se não quiser voltar a ficar mudo, não conte a ninguém o quê viu. 

    _Está bem. Eu, eu só quero ir pra casa. 

    _O caminho é livre. 

    Isabelle respira fundo no canto, tremendo, como se estivesse doente. Seus olhos mudam de cor, e alternam entre draconianos e normais. Os dentes se tornam afiados , e os caninos pontudos. O loiro se aproxima lentamente, e ela se afasta, mas está fraca, e ele sabe disso. A unha do seu dedo indicador cresce como uma lâmina, e ele faz o mesmo que Leviroth, porém em vez de arranhar o pescoço, ele fura o lábio inferior, e a segura contra a parede, deixando o liquido pingar na sua blusa branca. 

    _Eu não vou. 

    _Vai morrer de fome assim. 

    _Eu já bebi o sangue de Leviroth. 

    _Ele é um Demônio mas não é um Deus. Não tem sangue  suficiente para alimentar uma Deusa. 

    _O quê você quer? Eu não sou Babalon! 

    _Quem te falou isso? 

    O anticristo fica desconfiado da afirmação, e ela vira o rosto para o lado, evitando olhar para as gotas vermelhas. Só que ele passa o dedo no ferimento, e coloca entre os seus dentes, fazendo-a chorar, por ter que lutar contra o seu desejo. “Eu vou matar todos no seu reino.” O ameaça, e ele ri do seu desespero. “Será julgada, e morta, pois não há necessidade de matar alguém por alimento, quando eu sou uma fonte  inesgotável.” Ele responde em voz baixa, aproximando-se  dela. 

    _Eu não tenho medo da morte esqueceu? 

    _Deveria ter, pois se perder a consciência posso te fazer minha. 

    _Você não...Necrofilia sério?! 

    _Hahaha, Embora a ideia me agrade bastante, não é isso que quero dizer.  

    _Então? 

    _Eu vou lavar a sua mente, para que me ame. Mais ainda. 

    _Eu não te amo. 

    _Será que não mesmo? Sempre soube quem era o Diabo, e quem era Lúcifer, mas seguiu me cultuando. 

    _Eu não achava que você era real. Acreditava que era só uma ideia da minha mente perturbada. 

    _É? Mas eu sou, e sim eu te quero. 

    _Eu não sou mais uma das suas mil garotas. Aliás eu não acredito nas suas palavras, pois como o seu nome diz, é “O caluniador”. 

    Ela lhe dá as costas, e ele ri. De repente a pega nos braços, e segura seu pulso contra a parede, respirando pela boca, perto da boca dela, enquanto esta absorve o aroma do sangue, lutando para não beber da nascente em seu corpo. Gargalhadas histéricas se fazem presentes, e a sombra do demônio da dimensão do caos se desfaz, e refaz diante do seu inimigo, o afastando da sua amada. Ao receber o golpe de Leviroth, o ser de amarelo fica surpreso, só que não desiste, e voltar a ficar de pé, pronto para lutar, no entanto o marido joga a mão para trás, e exibe a lâmina do seu punhal, como se estivesse pronto para matá-lo, algo que é cômico para o rival. 

    _Acha mesmo que pode me matar? Eu sou Deus! 

    _Não, nunca pensei nisso. Mas sei que posso te ferir bastante. _Será que pode? Só conseguiu alguma coisa, porquê eu estava inerte no olhar da sua mulher. 

    _Eu sempre fui melhor na batalha do quê você irmão, por isso não precisei roubar o poder de nosso avô, para ser um Deus. 

    _Você é apenas um demônio, um demônio bastardo! 

    _Somos gêmeos,idiota. Se eu sou bastardo, você também é. 

    _Eu sou o ser supremo do universo. O alfa e o ômega. 

    O principio e o fim. O nada e o tudo. 

    _Nascido da prostituta de Lúcifer. Tal como eu. 

    _Você quer desaparecer para sempre? 

    _Isso só seria possível se não fosse um fracassado. 

    Então tenta filhinho de Inanna, tenta. 

    O demônio ri, com crueldade, e o diabo perde a cabeça, e vai para cima dele. 

    “O seu problema Bael, é achar que uma chama roubada te faz digno! Você é só Lixo!” Ele provoca, acertando golpes violentos no seu irmão mais novo, e tirando sangue deste com facilidade. “Você queria oferecer o seu sangue pra ela !? Que tal eu ajudar um pouco?!” O demônio corta o pescoço do diabo, e inclina a sua cabeça, em cima da bela, que estava sentada no piso assistindo  a luta. “Ele é uma fonte inesgotável amor. Pode beber.” A dama olha para o marido assustada. “Beba. Sei que está com sede.” Ele olha para o outro lado, e a moça salta para o pescoço do anticristo, lambendo cada gota rubra que sai do seu corte, enquanto este se debate sem parar, mas não consegue escapar do seu ataque faminto. “Eu era conhecido como o clone de Lúcifer. Mas não  era por um senso de justiça distorcido...” Ergue o queixo dele, fazendo-o olhar para cima. “Mas sim porquê tal como Samael. Eu ceifei muitas almas, sem dó , ou piedade, e antes de matar as torturei por dias.” Ele diz no ouvido do inimigo, enquanto a esposa se alimenta. “Nunca se esqueça disso,  ou volte a cercar a minha amada.” Diz entredentes. “Você tirou a Luciféria de mim uma vez, porém não deixarei que tire também a Isabelle.” Ele percebe que a dama se saciou, e o arremessa contra a parede. Percebendo que está em desvantagem, o diabo olha para a dama, e o seu irmão, e desaparece , deixando um rastro de fumaça negra. Benner está bufando de  raiva, contudo abraça a sua companheira. “Eu disse uma vez que te deixaria ir se quisesse ser feliz com outro, mas a verdade é que não posso Isabelle. Não quero, te deixar partir.” Ele confessa, e a jovem o beija com a boca toda suja de vermelho. Ele não resiste, e retribui ao beijo com fervor, carregando-a em seus braços. A adrenalina que percorre o seu corpo, lhe faz  tirar a blusa rapidamente. Então se faz ser colocada no piso, para abrir-lhe a calça, e encher sua boca com o membro pulsante dele, que está rígido e duro. 

    Ele não consegue aguentar, e solta gemidos, ao sentir a saliva dela escorrendo por seu símbolo fálico. Toda aquela situação de guerra e morte, os deixa bem excitados. Por isso escorre o liquido de prazer, no meio das pernas dela, e cai no chão. Notando o quanto está molhada, ele a levanta, e a joga na parede, pronto para penetrá-la. Ela respira ofegante, e então o sente entrando no seu corpo encharcado, tornando-se um só com ela. A boca dele vai até o seu pescoço, fazendo-a revirar os olhos de prazer, enquanto ele aperta  o seu seio, e a agarra pela cintura. A sua costa dói por conta dos tijolos, só que em vez de parar, ela o arranha nas costas, e morde a sua jugular, afundando sua unha na pele dele, ao ponto de sangrar. Só que ele gosta da dor, e retribui lhe pegando pelo pescoço com força, sorrindo com maldade, ao ter noção do seu poder. Logo a vira de costas, e esta se empina. Ele entra em seu corpo outra vez, segurando as suas mãos na parede. Outra vez a boca dele vai para o seu pescoço, só que a pega pelo cabelo e lhe morde na nuca, deixando-a bastante excitada com tanta violência. As mãos dele pegam os seus seios, e seus dedos se entrelaçam aos dela. Eles gemem, gemem sem parar. Outra vez ela vira para ele, só que em vez dela descer 

    , ele quem o faz. De joelhos como um escravo, ele bebe do seu leite feminino , beijando-a entre as pernas, como se estivesse fazendo isso com a sua boca. É impossível não sentir prazer, por isso mais e mais quantidades do liquido cor de pérola, chegam a sua língua, enquanto as bochechas dela ficam  coradas, pela falta de pudor. Notando que ela está mole de tanto gozar, ele ri, e sinaliza negativamente, com o dedo indicador, e volta a prensá-la na parede, mergulhando seu membro no buraco carnoso, com vontade, até que não suporta mais segurar o prazer, e jorra seu liquido branco contra o solo. Regorjeando-se de satisfação. _Eu devia tentar matar o Bael mais vezes. _Você sabe que sempre amei os psicóticos  com tendências assassinas. 

    _É, por isso se casou comigo. 

    _E continuarei para resto da vida. 

    _Eu te amo Izzy. 

    _Também te amo B. 

    Os dois se abraçam, e então colocam as suas roupas de volta. Nem os mais de 9  anos de casados, havia apagado o fogo da sua relação. Eles dão as mãos, e caminham risonhos como dois adolescentes pelo centro. Ao vê-los Victória deixa Dave com o marido, e vai até o casal, curiosa para saber, porquê Isabelle estava com a boca toda suja do liquido vital. A bela identifica o olhar observador da amiga, e se afasta de 

    Benner. As duas caminham para uma maloca abandonada, e se sentam na mesa que está no meio do local. Victória capta que algo aconteceu, por conta dos lábios vermelhos, e as machas na blusa branca de Isabelle, e por isso inicia a conversa apontando para os seus seios. 

    _Você matou alguém? 

    _Não. Mas foi por pouco. 

    _Você machucou alguém?! 

    _Sim, só que Bael ajudou a pessoa a se curar. 

    _Mas você saiu toda feliz com o Benner. 

    Então Bael não conseguiu nada. 

    _Sim. Só que também foi por bem pouco. 

    _Pode me contar tudo. 

    _Bael me fez uma bebedora de sangue... 

    Isabelle começa a narrar os fatos para Victória, que fica de queixo caído  porquê o seu sonho era se tornar vampira, e quem tinha se tornado era a sua  amiga. Já o sonho de Isabelle era ser famosa, mas quem se tornou foi ela. “Que  mundo injusto” Ela sorri com tristeza, e a professora lhe olha desconfiada. “Vic? 

    Tem algo errado?” segura as suas mãos, e a dama sorri com tristeza. “Não, Está tudo bem.” Tenta mentir, só que não consegue, e por isso a mulher volta a lhe questionar. “Está tudo bem?” Insiste, e a bela se segura para não sorrir, e negar os fatos outra vez. 

    _Você percebeu. 

    _É. Você ficou triste do nada. 

    _É que Isabelle, este era o meu sonho lembra? _Sim mana, mas também era o meu ser famosa, e ter muitos seguidores. Só quem conseguiu foi você. 

    _É. Isso é tão injusto quanto você disse que seria uma vez. 

    _Você está com raiva de mim? 

    _Não Isabelle. Estou triste. Por quê não conseguimos realizar os nossos sonhos? 

    _Porquê nossos destinos eram esses. Mas Vic nem sabemos se sou uma vampira, é provável que eu seja outra coisa. Ser uma criatura da noite, atrapalharia aos planos de Bael. 

    _Não, quando todos vivem na cidade subterrânea. 

    _Tenho que concordar. Porém te prometo uma coisa, se eu for uma vampira mesmo vou te transformar também. 

    _Por quê faria isso? Eu sou uma estrela, e nunca te puxei para o palco. _Porquê ser vampira, já foi um dos meus sonhos, e creio que no novo mundo, eu realizarei os outros. 

    _Você merece irmã. Apesar de dizer que tem trevas profundas, sempre foi uma pessoa maravilhosa. 

    _É, ser boa, sempre foi a minha maior fraqueza. 

    _Pra mim não. Esta é a sua qualidade, boa na medida certa. 

    Ao longe o diabo quebra todos os seus objetos dentro do escritório, entregando-se aos seus instintos mais primitivos. “Maldito seja!” Berra destruindo tudo ao seu redor, recordando-se de que ficou a segundos de ter o quê ele queria. “Por muito pouco ela não foi minha!” Brada socando a mesa de pedra negra, e volta a razão. “Por muito  pouco...” Se acalma, e começa a alegrar-se. “Eu só preciso criar uma situação, e ela será minha.” Seus olhos se tornam obsessivos. “Um beijo. Isso vai confundir o seu coração.” Conclui confiante da aposta. “Um beijo, e ela voltará a ser a minha Babalon.” Ele prossegue, e então ajeita os fios do seu rabo de cavalo desgrenhado, amarrando-o outra vez. “Uma festa em homenagem a Dionísio deve funcionar.” Termina, bebendo Whisky da boca do copo quebrado. Com o olhar fixo  no seu grande  objetivo Recuperar Luciféria. 

    A noite... Todos são convocados ao baile do anticristo, sob pena de perderem suas  moradias, caso não o prestigiem por uma hora. Outra vez Isabelle recebe a máscara de coruja, e ela e Leviroth se entreolham com a certeza de quem veio aquele presente, por isso trocam a fantasia, e vão para a festividade. Ao chegar lá, eles se separam por alguns minutos, para que o demônio vá comprar bebidas, mas a fila no bar é enorme, e demora mais que o esperado. Um homem de máscara 

    negra, a puxa para dançar, e pela ousadia ela o  reconhece. 

    _Achou que eu não ia te reconhecer? 

    _Você quer levar outra surra?  _Não me importo em apanhar mil vezes, se tiver a chance de ficar na sua companhia. 

    _Eu tenho mais o quê fazer. Licença. 

    _Do quê tem medo? 

    _Medo? Eu não tenho medo. 

    Tenho pavor. Agora... 

    _É só um beijo Isabelle Caligari. Nada que não queira vai acontecer. 

    _Vê isso? Significa que sou casada. 

    _Isso é só um circulo envolta do seu dedo. Eu ergui estátuas gigantescas, para te mostrar ao mundo. 

    _Esse é o seu problema. Acha que exagerando, pode conseguir alguma coisa. 

    _Eu sempre consegui, ou nunca sentiu falta de  

    ter todos os seus caprichos realizados? _Eu senti. Mas o Leviroth me ensinou, que são as pequenas coisas que fazem o amor. _É uma pena, pois eu adorava te exaltar, e te fazer ser reconhecida. 

    Ele aproxima os lábios dos seus, e os olhos dela crescem por baixo da máscara. Lentamente nega com a cabeça, tentando escapar da sua investida. O dedo dele segura o seu queixo, e a mão a segura por trás. “Cadê o seu príncipe sombrio para te socorrer?” Ele brinca apertando-a, e aproximando-a do seu peito. Os braços da pobre se esticam, e ela fecha os olhos com medo do quê vai acontecer. “Não  resista.” Ele tira as suas mãos do ombro, e a deixa bem perto dele. “Não faça isso.” Os lábios imploram. “Quietinha. Nós dois sabemos.” A unha dele cresce. “Que se o seu marido não interrompesse...” Corta o meio dos lábios inferiores. “Você teria me beijado...” Diminui ainda mais a distância da boca, e ela sente  a sua respiração. “E gostado.” Completa, beijando-a. É claro que ela não quer lhe  dá o gosto da vitória, mas o sabor do sangue, altera os seus sentidos, e faz sugá-lo como um animal faminto. Ele ri, e se aproveita da situação, para colocar a sua língua cheia do liquido vital, para trabalhar. Outra vez é difícil resistir, há uma luta no começo, que termina em retribuição. Porém Victória vê a cena, e corre para separá-los. Fazendo algum esforço, ela os afasta. 

    _Fica longe da minha irmã! 

    _Eu até vou ficar. Mas garanto que Ela não vai querer isso. 

    _Vai embora Bael. 

    _Viu? Ela mandou!  

    _É assim? Depois de praticamente arrancar  o meu ar, com o seu beijo cheio de volúpia? 

    _Eu vou te matar! 

    _Saia. Antes que Leviroth volte. _Está bem. Aguardo a sua ligação para uma parte 2 desse momento. 

    _Só nos seus sonhos! 

    _... 

    _Lá também.  

    Ele gargalha indo embora todo vitorioso. Victória pede para que saiam, e ela envia uma mensagem ao marido, avisando que estarão num local mais tranquilo. Ao ver a SMS, ele sorri encantado, mas sua paz vai embora, ao ver quem chegou exibindo os dentes com felicidade. “Eu quero uma dose do seu melhor Whisky. E uma rodada de bebida para todos!” Berra, e os alcóolatras comemoram. Vendo o irmão  no canto, ele se aproxima cheio de arrogância, e este revira os olhos. 

    _Olá irmãozinho. 

    _E aí. 

    _Sabe por quê estou tão feliz? 

    _Por coisas boas, não deve ser. 

    _É. Mas o quê não é bom pra você, é ótimo  pra mim. 

    _Eu sei. 

    _Sabe? 

    _Quem você acha que avisou a Victória? _Então também deve saber que sua mulherzinha, estava pegando fogo em meus braços. 

    _Porquê você se cortou? Engraçado. Nunca precisei jogar tão baixo para seduzi-la. Sabe por quê? Porquê sou um homem de verdade , sei como encantar uma mulher. Fica na paz “irmãozinho”. 

    Ele sai aparentemente por cima, contudo basta sair da frente dos olhares curiosos, para deixar a máscara cair, está triste, e até magoado. “Não vou tomar outra decisão estúpida, deve ter havido uma razão. Ela pode realmente só ter tido abstinência de sangue.” Pensa ao caminhar pelo local, evitando as piscadas, das biscates que 

    aparecem no caminho. As damas pousam seus braços no apoio, e olham para o fundo abismo. Como se estivessem em silêncio a horas, respiram profundamente. Isabelle está trêmula, e envergonhada pelo aconteceu, e a irmã está receosa, como se já tivesse visto este filme antes, e não quisesse reiniciar a fita. “Bel. Eu não vou te julgar só quero te advertir, essa história não tem um 

    final feliz. Ele não é diferente de Gabriel.” Inicia, e ela fica calada,  procurando uma resposta. 

    _Eu não sinto nada por Bael. 

    _Depois daquele beijo cheio de volúpia?! Tá zoando! _Tá. Foi uma atração momentânea pelo sangue dele. 

    _Só o sangue? Porquê parecia que a sua língua estava na goela dele. 

    _Já chega Vic. Nem eu sei o quê aconteceu certo?! Também queria entender! 

    _Você não saboreou o momento? 

    _Meu deus não! Talvez... um pouco! 

    _Você tá confusa Isabelle! Igual a mim. 

    Quando beijei o Gabriel! 

    _É! Mas a diferença é que não quero casar e ter filhos com ele! Eu sou casada Vic! Isso nunca deveria ter acontecido! 

    _Você tem que evitar o Bael tá? 

    Depois do beijo as coisas só pioram. _Tudo bem, eu não pretendo ficar perto dele. 

    Garante, mas no dia seguinte, enquanto todos estão dormindo em seus quartos. 

    Ela envia uma mensagem para ele, e este deixa claro que só lhe dará uma resposta , se for vê-lo, em um jardim distante da cidade. Algo que ela se reluta a fazer, até ele jurar por escrito, que não fará nada com ela. Preocupada pelo quê possa acontecer entre eles, ela escreve uma carta, porém quando a deixa na mesa,  o seu marido acorda, e percebe algo errado. Por isso pega o seu celular, e olha a conversa que ela está tendo com o seu irmão. “É sério isso Isabelle? Esta bem na cara que ele quer bem mais que um beijo.” Ele diz empurrando o aparelho. “Eu preciso entender Leviroth.” Ela se arruma para sair. “A última vez que ficou dividida, 

    houveram graves consequências. Só não esqueça disso.” Ele lhe 

    dá as costas, e a bela sai. Ao chegar no local, ela fica em pânico, pois a estátua de anjo, e a iluminação é semelhante aos seus sonhos com o anticristo, e todos eles tinham algum contexto romântico. Ela respira fundo, está vazio. “Talvez ele só esteja me testando, e...” Ele chega, com o cabelo desgrenhado, e um sorriso totalmente sem vergonha. “A noite deve ser sido boa.” Brinca com desgosto. “Tenho uma reputação a zelar.” Ele rebate, e se sentam perto um do outro na fonte. 

    _Vamos ser bem diretos ok? 

    _Eu sempre sou Isabelle. 

    _Isso tem que parar. Eu sou casada e respeito  muito o meu marido. 

    _Engraçado. Quando era eu o marido, você não tinha piedade de mim. 

    _Eu não te amava, e você me traiu antes, ou se já se esqueceu das doces noites  com Aggarath? 

    _Não, não esqueci, mas isso só aconteceu por  culpa do seu desprezo. 

    _Hahaha' Essa é boa. Você é o  cafajeste, e eu que levo a culpa? 

    _Tem razão. É idiota. Já aconteceu, mas não muda o fato de que esteve casada comigo. _É, quando descobri fiquei me perguntando como pude ser tão idiota. 

    _Já chega. Assim você vai acabar tirando a roupa, e eu não vou resistir. 

    _Eu vou é te esganar. Não está me escutando? 

    Eu não quero isso. O passado morreu certo?! 

    _Estou, só não quero ouvir.  

    _Foi uma total perda de tempo. Até mais. 

    Ela se levanta para ir embora, só que ele segura o seu pulso,  e fica de pé diante dela, sem o comum semblante zombeteiro. O quê a deixa bem preocupada, pois o quê quer que venha a dizer, é algo sério. “Eu não quero ouvir porquê também estou confuso.” Diz em forma de confissão, apertando o seu braço para não deixá-la se mover. Seus olhos denotam tristeza, e por alguma razão, isso lhe desperta um pouco de compaixão, e ela resolve esperar por sua explicação. Eles  retornam para a fonte, e ele passa a mão nos cabelos, cobrindo a sua face. 

    _Eu sei que sou um babaca. “Imperador dos  Babacas” pra você. 

    _Victória te disse isso?! 

    _Eu te vigio Isabelle. Sei o quê fala de mim. _E quer se vingar fazendo eu me apaixonar, só porquê disse que não seria uma das mil, que acreditam nos seus falsos “eu te amos"? 

    _Não. Eu não me importo com o quê diz. _Então porquê tudo isso? Eu briguei com Leviroth pra está aqui. Preciso saber. 

    _De verdade? Eu só sinto a falta da minha Amada. 

    _É. Eu não sou aquela prostituta fria! _Esse é apenas um rótulo, que você recebeu por ser uma criatura livre de amarras. 

    _Bael. Eu sei que quer me matar, para trazer ela de volta, mas não é justo comigo. Eu não sou mais 

    Luciféria, nem Babalon, Hell, ou qualquer outra Deusa. Sou apenas Isabelle, mas eu sinto, e isso me assusta. 

    _Eu não tenho a intenção de te matar. Se fosse como  diz, já teria morrido. Sinto algo por ti, sendo Babalon  ou Isabelle.  

    _Não pode. Terá que viver com isso. 

    Nem tudo pode ser seu. 

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

  • os filhos da guerra

    Prologo
    Essa minha história, relata de forma fantasiosa e digamos que criativa pois e a minha passagem de vida de quando criança para adolescente ,onde eu ainda não tinha uma mente formada o suficiente para ter uma análise crítica sobre os assuntos que irei apresentar a seguir, por isso eu irei escrever (recontar) essa história com uma coerência maior, e levando em consideração pequenas coisas que eu estou passando hoje em dia, lhe entregando uma historia que não e a original( muito desconexa) nem uma falsa (sem a veracidade por traz das ações e atitudes) mais sim uma historia que e agradável em comparação a primeira “imaginada” , tendo apenas de mudança alguns sentimentos que amadureceram dentro de min.
    Eu passei por algumas coisas que me marcaram de forma negativa, talvez nem tão negativas quantos algumas pessoas, mais que para min aqueles sentimentos que eu passei ficam me chicoteando para que eu lembre de algo... e o fato de ter ocorrido durante minha infância/adolescência essas marcas são bem presentes na minha personalidade, porem eu não apresento elas em sociedade, eu seria internado em um hospício caso fizesse
    # me desculpe o grau de brutalidade de algumas cenas e a insanidade de um desajustado mental
    Iniciado-2018
    Finalizada-
    00
    eu me lembro disso..... foi a muito tempo atrás, quando era a época de guerra e amadurecimento.
    Mais todos amadureceram antes de min, porem eles sempre dependeram da minha pessoa para tudo.
    eu hoje me lembro de como era bom viver essa vida.
    Eu tive bons amigos, um bom irmão e brincadeiras divertidas.
    Tudo passa, tudo se guarda, e tudo se perde.
    Minha vida foi “completa”..... já vivi mais que todos que conheci.
    O tempo foi passando e fui perdendo meus amigos... e o único que me restou foi meu irmão....
    Quando perdi ele, perdi a minha ultima esperança de vida, e a única coisa que me consolou foi minha querida e doce alma.
    Que me alegrava todo dia, me dizendo; você não me perdeu ainda/ nuca vou sair de perto de você/ sou sua amiga / etc...
    E quando eu chorava ela me acolhia, em seu leito, me abraçando e conversando comigo da forma que eu precisava
    Ela foi quem me ajudou a realizar meu sonho....... e ela foi meu único amor
    Mais quer saber como eu cheguei até o fundo do posso? E também como fiquei apaixonado por !minha! alma? Se quiser eu lhe conto....
    Foi mais ou menos assim:
    01
      eu não sei muito bem mais meu nome de nascença:01101011.01100101.01100011.01100100 eu acho ele meio estranho mais todos me chamam de kecd em vez desses números mais eu prefiro assim já que nunca conheci meus pais para saber o porquê desse nome, bom pelo menos me chamam assim desde que a guerra começou a muito tempo é eu fui para o exército, mesmo com 8 anos eu já tinha presença nos treinos físicos e claro provas acadêmicas porem eu não tinha diferenciação dos adultos e isso me dava muita desvantagem e desgaste físico principalmente, mais foi aos 12 anos que tudo ficou diferente e com isso todos os soldados que eu conhecia e que eu dividia quarto saíram do quartel.
    Bom um tempo depois deles terem saído do quartel em torno de 30 dias e 6 horas uma bando de crianças assustadas chegaram no exército em caminhões de transporte e foi ai que comecei minha aventura conhecendo meu melhor amigo logo mais
       Na hora que descerão dos caminhões, um a um , logo após a distribuição de fardas e roupas um veterano apareceu diante deles e gritou
    -SENTIDO, todos formem uma fileira
      Ele se virou para min e disse:
    -venha cá você também, kecd
      Eu fui alegre pensando que seria uma brincadeira em conjunto feita pelo veterano, mais não.... Todos se agruparam em uma linha horizontal, um do lado do outro e alguns com as pernas bambas e outros quase chorando
    -todos vocês aqui presentem agora são homens, então tratem de parar de chorar, a partir de hoje vocês tem 7 messes para treinar e se tornarem homens, e para isso devem receber números de acordo com o ultimo BATALHAO
      Uma mulher de meia idade passou em frente as crianças de forma incrédula e disse com um tom de voz alto e seco
    -o seu batalhão e o 6º treinado aqui nesse quartel e por isso e o batalhão 600
      O veterano chamou um subordinado que tinha um prancheta em mãos e a entregou a moça que lia os nomes de cada um com um número junto, bom eu pensei se somos o “batalhão 600” e so tem 100 crianças só vai até 700.....
    -.... kecd 665, sans 666, otavio 667, jony 668....
      E meu numero era 665, uffa quase que não ouvi por estar imerso nos meus pensamentos, mais agora esse menino do meu lado pegou um numero meio estranho, bom eu acho, mais por demais ela terminou de falar os nomes com os números e o sargento disse de forma intimidante, não que ele sempre fale assim mais....
    -AGORA QUE AS MARIQUINHAS SABEM SEU NUMERO, NUMEROS INPARES VEM COMIGO E PARIES VAO COM A CINTIA -ele apontava para a moça
      Bom ainda com medo as crianças não obedeceram, mais o veterano se virou e disse
    -SE VOCES NÃO VIREM EU VOU DEIXAR TODAS SEM COMIDA E AGUA POR UM  MÊS E....
      A mulher o puxou pelo braço e disse algo no seu ouvido, e ele disse outra frase agora já com um tom de voz baixo e desanimado
    _acompanhem ela até suas camas
      A moça disse
    -tenham crianças eu não mordo, podem vir - ela tinha dado um piscada de olho para min como quem diz: vem na frente
      Eu fui pois já a conhecia a algum tempo porem pouco conversávamos, eu fui na frente e logo mais de forma bem lenta os outros foram me seguindo e quando mal me via estava no hangar de onde os soldados foram mandados, tomara que eu vá para onde eles foram gostaria de revê-los, bom algum dia ,a noite chegou tão rápido que nem percebi, os meninos e meninas estavam apavorados mais assim como um animal selvagem que foi recentemente domado a primeira coisa que ele tiveram certeza foi que naquela cama, eles dormiriam e descansariam.....
    Mais foi naquela noite, foi naquela noite eu tive uma visão , era branco e eu sentia um arrepio na espinha enquanto um emaranhado de números foi invadindo minha cabeça....
    01110011 01100001 01101110 01100111 01110101 01100101 00100000 01110011 01100001
    02
      Oi meu nome e §§§§§§§§§ mais me chamam de sans pois e a abreviação do meu nome e antes dessa guerra começar eu tinha uma família linda pais jovens e atenciosos mais a guerra.... ela me desgraçou e me fudeu literalmente, primeiro meu pai foi convocado para servir na guerra que foi quando eu tinha 9 anos e ele foi durante 8 meses e durante esses que ele estava lá sempre mandava cartas ou sinais de vida uma vez por semana ou mais, porem ele parou de repente de dar sinais de vida fazendo minha mãe ficar aflita e ir ate os quarteis...... esse e o problema os homens de verdade já tinham morrido ou estavam na guerra e só tinha vagabundos, psicopatas, as verdadeiras escorias da humanidade, quando chegamos lá os homens que estavam lá falaram algo para mamãe e a puxaram para um sala e ela segurou minha mão me levando para dentro e lá eles a estupraram e quando eu soltei um grito eles me tamparam a boca, e além de estrupo fizeram pedofilia, depois daquela “coisa”que me ocorreu eu fui para um orfanato, e la prefiro nem imaginar oque aconteceu com mamãe, mais aos 13 anos ela “morreu“, mais eu sei que ela foi assassinada de alguma forma por aqueles vagabundos.......
      Na noite do dia que fui recrutado pelo exército eu fiquei em um quartel cheio de homens sem nenhuma mulher no e quando eu percebi já estava de noite e todos quase dormindo porem eu tinha ficado acordado ainda no leito da cama porem deitado, eu fiquei alerta enquanto ouvia uns murmúrios dizendo
    -olha ali o demônio......
    -ele pegou o número 666.......
    -olha a cara dele.... ahahhah.....
      Na hora eu me levantei enfurecido, e fui devagar ate o grupinho de 3 meninos que estavam em rodinha sentados olhando para min e foi ai que disse bem alto e claro
    -querem dizer isso na minha cara?
      O maior e mais gordinho se levantou, se mostrando maior que eu e mais “forte”, mais eu não ligava e ele disse de novo só que bem devagar dessa vez
    - você e um monstrinho, 666, saia da minha frente ago.....
      Antes dele terminar eu dei um soco na cara dele bem no queixo, isso fez com que ele se desequilibrasse e eu dei uma rasteira levantando uma perna dele e aproveitando o movimento eu dei várias bicudas na cara dele até com que ele caísse no chão e no chão eu botei meus joelhos no peito dele e fiquei golpeando seu rosto enquanto ele gritava por ajuda, e eu gritava a seguinte frase com tom irônico:
    - SEGURA O MONSTRINHO, SEGURA O MONSTRINHO, SEGURA O MONSTRINHO....
      Foi ai que um outro moleque me deu uma bica na cara me jogando no chão, o outro me chutou a boca do estomago bem forte, essa doeu para um caralho, mais eu só sentia raiva e nem ligava para a dor me levantei e disse enfurecido
    - vocês estão morto seus filhos  da p.....
      Tinha dado uma fincada na minha barriga não me deixando terminar a frase e na mesma hora um cuspi sangue, cuspi na cara de um dos moleques e já encaixei um puta soco na barriga dele             eu acho que foi forte demais pois escutei algo quebrando e o menino caindo no chão, o ultimo que faltava foi para traz em um ato de fuga, mais eu dei um pulo e o agarrei jogando o moleque no chão e ele batendo a cabeça em uma cabeceira de cama que era de ferro maciço  fazendo um barulho muito alto fazendo com que quase na hora entrasse um soldado que veio correndo em minha direção  gritando
    -que merda e essa? Explique-se
      Assim que ele olhou para min e para os três meninos caídos ele disse assustado
    - você quebrou os três!! Impressionante você vai ser muit.....
      Antes de terminar a frase ele olhou  para o rosto desfigurado do gordinho, um outro gemendo de dor e se debatendo e o menino que eu estava em cima dele sem respirar e eu com minhas mãos manchadas de sangue, ele gritou por ajuda e alguns médicos apareceram juntos de outro guardas, e enquanto eu só saia dali com um roxo na cara e bastante dor nas mãos os meninos saíram: 1º com um rosto inchado sem alguns dentes, 2º com uma hemorragia interna junto de costelas quebradas , 3º saiu em um saco preto.
      Depois daquilo eu fui para a minha salinha, A SOLITARIA e me falaram
    -durante seu tempo aqui ,você vai passar nesse lugar sua noites e tardes
      E la eu fiquei por um longo tempo, e bom apesar de ser um lugar solitário ele me deu tempo de malhar e treinar meu psicológico, e me fazendo ler pouco durante aqueles messes que nunca pareciam passar.
    Ate eu escrever na parede, em uma antiga língua morta uma frase que mãe falava sempre que estava sozinha, isso me reconfortou por tudo.....
    03
    Kecd- a disciplina pode te tirar de qualquer problema….
      No dia seguinte, quando eu acordei, ainda nenhum dos meus companheiros ali tinha levantado mais não demorou muito para que o capitão chegasse gritando
    - acordem seus preguiçosos temos muito pela frente
      Eles foram levantando bem divagar, mais eu já estava de pé com farda e em posição olhando fixamente para o capitão, e quando todos saímos do quartel havia dois batalhões de 50 soldados de forma bem óbvia pois ontem tínhamos nos divididos em 2 grupos e sidos organizados por numeração, mais bom parece que depois de algum tempo que ficamos parados até uma escolta de 2 soldados que levavam um menino até os grupos de crianças enfileiradas, um dos soldados parou do lado do capitão e ele disse algo no ouvido dele e quase de forma imediata o capitão disse
    -666, você fica do meu lado.... Aqui venha logo – ele apontava para seu lado esquerdo
      Que estranho isso, porque ele foi destacado logo assim de cara, mais mesmo assim eu acho que foi um ‘destacamento’ e sim alguma punição e eu tenho quase certeza que foi pois seus punhos estavam inchados e ele passava a mão de leves nas costas, além do fato dele não ter ficado no mesmo quartel que os outros, bom tirando tudo isso o dia mal tinha começado e já fomos introduzidos a aulas de disparo com armas longas e curtas e também aprendendo o básico de manuseio de explosivos, quando a parte da manhã acabou e finalmente a tarde começou recebemos exercícios físicos desumanos e foi uma coisa de tamanha proporção que nem mesmo os instrutores queriam nos ver fazendo aquilo....mais no final do dia deu tudo certo e todos fomos felizes para a cama....
      Você acha mesmo que fomos dormir? E ainda por cima com tudo dando certo? Meu deus, aquela noite foi a pior da minha vida inteira
      No momento que fomos deitar o sinal de alerta tocou e no mesmo momento muitos disparos gritos e bombas ecoaram por todos os lugares e o único som que ouvíamos era de explosões ensurdecedoras que estouravam em todos os lugares, mais todos que não tinham quebrados ou ferido de forma bem feia seus corpos no treinamento físico antes feito fugiram o mais rápido do quartel , eu já não tive tanta sorte eu não era um desses que correram para longe, pois minhas pernas estavam pulsando de dor de tal forma que eu não conseguia ficar sentado na minha cama me obrigando a ficar deitado, e foi no momento que a luta começava e todos os que podiam fugiam, e os que conseguiram se arrastar se arrastavam, menino entrou correndo na minha direção e disse gritado para min com uma voz caótica de quem estava lutando lá fora
    - sua arma!!! Me de sua arma!! AGORA
    - 666! ME AJUDA POR FAVOR CARA...- eu lamentei
      Quando eu falei isso eu acidentalmente apontei para onde tinha colocado minha arma, ele olhou para ela e olhou para min e disse
    - obrigado, pode morrer em paz ai, cadáver
      Naquela hora ele a pegou e saiu correndo, eu fiquei sem reação por alguns instantes, o medo me preencheu e mesmo com algumas pessoas próximas a min eu me sentia só, sozinho e com muito medo... e foi ali que eu disse
    -porque eu? eu sempre fiz tudo certo, nunca desobedeci nunca machuquei ninguém, porque eu ?
      Naquela hora eu estava quase chorando, e minha cabeça estava muito pesada, eu não aguentava aquela pressão, e não aguentei comecei a chorar desesperadamente até não aguentar mais.... e foi nessa hora de desespero que eu comecei a enxergar, eu vi a solução para meu problema, era tão óbvio.....
  • Oxente, tá aí um mangá que eu queria ler!

    É muito comum o discurso dos mangakás brasileiros sobre nacionalismo, patriotismo e outras coisas mais. Entretanto, não vejo esforço nenhum desses quadrinistas brasileiros incluir ou fazer releituras do nosso folclore; das mitologias indígenas e afrobrasileiras; descentralizar a narrativa no eixo Sul-Sudeste; ou fazer de negros, pardos e indígenas protagonistas de suas obras. O amor a nação fica só na teoria mesmo. Na prática, o que se preza é fazer histórias no Japão feudal, no Japão atual ou em um lugar semelhante, quando não eurocêntrico.
              Cortando esses discursos xaropes pela cepa, Rhenato Guimarães nos traz um verdadeiro mangá nacional. Oxente é aquele tipo de obra que deve ser apreciado pelo simples fato de existir. Não estou apelando ao exotismo, ao contrário, é pelo simples fato de quebrar as narrativas hegemônicas que transformam nossa história e cultura popular em subproduto, periferia do mundo, algo de menor valor, que você deve ler Oxente.
              Meu primeiro contato com o título se deu com um one-shot, publicado de modo independente na plataforma Craftcomicbook — que encerrou suas atividades, infelizmente. O autor ainda usava o pseudônimo Renato Silva. Ali eu já via um grande potencial no quadrinho. Descobrindo que uma série seria publicada na Revista Action Hiken, revista mensal publicada pelo Estúdio Armon, sorri de orelha a orelha.
              Na obra, nós seguimos a jornada de Serafim Ferreira da Silva, ou só Serafim, para os íntimos. Ele é filho do temível Lampião, o mais famoso cangaceiro da nossa história. O protagonista vivia com o seu avô, perto de uma cidade chamada Poço Fundo, em Sergipe, estado que faz fronteira com a Bahia. O assassino era integrante de um bando chamado Olho Negro, e tem interesses escusos nas habilidades sobrenaturais do menino.
              O mangá é um ótimo shonen. Tem ação e aventura na medida certa. Em seis capítulos o autor apresentou a personalidade e plano de fundo do protagonista. Contando com um arco introdutório para incluir os vilões. Tem capítulos inteiros com cenas de luta, com muita trocação e efeitos especiais. Gostei muito do resultado, e os leitores também, pois se tornou um pilar da Action Hiken. O Zuran, companheiro de Serafim, é um alívio cômico, e bom baiano. Espero que o autor não recorra aos estereótipos negativos para produzir humor com esse personagem.
              Houve um trabalho do autor em relação a ambientação e arquitetura, fauna, e a flora também. O mangá ficou muito verossímil, principalmente em suas paisagens áridas, as páginas são porosas, bem iluminadas. O autor teve boas referências para construir seu traço, mas, One Piece e Naruto, por si só, não nos dizem muito da sua estética. O desenho me lembra muito xilogravuras nordestinas, muito conhecida através dos livros de cordéis. A diagramação é dinâmica, e muito coerente.
              O traço do autor é bem caricato, e possui uma ótima mescla, é singular. A linguagem pode assustar em algum momento, são muitas gírias regionais e até alguns xingos, mas não se aperrei, tem notas explicativas e muitos desses xingamentos não é o que aparenta no Nordeste. Linguagem constrói cultura, que cria hábitos e tudo o mais. Manter a diversidade da língua foi assertivo. Dá pra ouvir o sotaque dos personagens, soa bem natural. É um marco nesse nicho. Me reconheço nessa ficção.
              Sua publicação estreou em junho de 2018, na edição n. 32. Até a escrita dessa resenha, o mangá já conta com 11 capítulos. O volume 1 tem mais de 180 páginas. Possui orelhas, contém bastidores da produção, galeria de fanarts e um cordel. A obra foi financiada pelo Catarse, e conta com os nomes de todos os apoiadores da campanha. Ganhou nova segunda tiragem. A obra veio com um marca páginas exclusivo. Se quiser adquirir a obra, acesse o site do Estúdio Armon.


  • Paleontologia mirim

    Segundo o texto do arqueólogo  João Carlos Moreno de Sousa:  "A Paleontologia é uma ciência muito confundida com a arqueologia. É muito comum encontrar alguém que acha que na Arqueologia se estuda os dinossauros, por exemplo. No entanto, a Arqueologia tem o objetivo de estudar a humanidade; já a paleontologia estuda as outras espécies (animais, vegetais, etc). É a Paleontologia que, de fato, estuda os dinossauros. Na verdade, a Paleontologia abrange muito mais do que apenas os dinossauros."
    Tenho que admitir que até este momento, da criação desse texto não sabia desta informação e na dúvida resolvi pesquisar,  pois desde minha infância acreditava que a arqueologia estudava os dinossauros. Enfim.
    Qual criança não gosta de dinossauros? Ou tem medo deles? Sempre gostei desde que me entendo por gente. São incríveis criaturas que me roubavam a imaginação pois minhas bonecas montavam em dinossauros, e muitas vezes me tiravam o sono por causa dos filmes incrivelmente realistas, especialmente Jurassic Park. Confesso que até hoje quando assisto algum dos filmes acabo sonhando, tendo pesadelos pra ser sincera. 
    Nossa sociedade tão avançada cientificamente e tecnologicamente não se pode desacreditar das capacidades criativas dos seres humanos, afinal já pisamos na lua, clonamos seres vivos, manipulamos a matéria, enfim. Segundo o paleontólogo Jack Horner a ideia da criação de um dinossauro há partir da modificação genética de um frango, que é o parente mais próximo dos dinossauros hoje, será realizada daqui á dez anos. Não é impossível, acredito. O termo "dinofrango" ou "frangossauro" deixará de ser fictício. Quando assisti isso já imaginei a ficção se tornando realidade. Jesus! os dinossauros vão conseguir se livrar do controle humano e o planeta vai virar uma realidade sanguinária de instinto e sobrevivência, quantas vezes já sonhei com essa situação, inúmeras. Se as previsões de Horner estiverem certas eu verei isso. Não que eu queira, mas também não queira.
    Essas explicações parecem fugir ao tema do meu título, mas me achei na obrigação e vontade de explicar. Me sinto melhor com isso. O que gostaria de transmitir mesmo é uma das muitas história da minha imaginação quando criança. E essa em especial não me esquecerei, a não ser que alguma doença de memória me afete, não esquecerei mesmo, pois ela revela o quanto a inocência de criança é puramente hilária, e nostálgica.
    Quando criança em torno dos meus seis ou sete anos mais ou menos recordo de acordar pela manhã decidida á encontrar ossos de dinossauros. Procurei nas ferramentas do meu avô equipamentos necessário para essa aventura no nosso quintal paleontológico. Me lembro de separar uma colher de pedreiro e algo que se parecia com um formão. E lá fui, séria e determinada, a  fazer minha escavação. Cavacando aqui, cavacando ali encontrei muitos artefatos da civilização contemporânea; tampinhas de garrafa, parafuso, peças metálicas, arame entre muitos objetos e finalmente encontrei o que estava procurando.
    Corri pra dentro de casa feliz da vida pra mostrar ao meu  avô o meu maior achado. Disse há ele que se tratava do osso do dedinho do T- Rex, e que ainda tinha muito trabalho pela frente pra encontrar o resto da ossada. Meu  avô na época usava bigode, homem sério de sorriso difícil ficava ainda mais sério com aquele bigode. Não vou esquecer a risada quase silenciosa dele por causa do meu ossinho. Ele quase nunca ri daquele jeito, cheguei há ficar admirada e brava também por ele rir, lembro de ter feito um bico bem grande por causa das palavras dele: "Isso é osso de galinha menina". Não contente claro, parti em nova busca encontrando vários ossos de galinha, e nunca encontrei o T-Rex, infelizmente. Não tínhamos cachorro, então não sei até hoje como foram aparecer tantos ossos de galinha enterrados ali.
  • PARA CASA

    Estava zonzo devido ao golpe que recebi na cabeça, me sentia fraco, perdi muito sangue, estudei o terreno em busca da minha espada mas não achei. Vi sua sombra se afastando de mim e se aproximando dela, o monstro era enorme, com uma pelagem escura, garras e dentes afiados, com olhos de ouro derretido, parecia que nada via, mas via, via e sentia, pois assim que me pus de pé com muito esforço ele logo ficou alerta, senti minha cabeça latejar, tenho que fazer alguma coisa, pensei, a criatura se aproximava cada vez mais dela, eu jurei protege-la e ela estava a um passo de ser morta, comecei a correr e lancei uma pedra que peguei no chão em sua direção, a pedra o acertou no dorso, saltei para esmurra-lo, mas ele viu, já estava alerta, me segurou no alto e me arremessou contra o chão com tanta força que senti o ar abandonar meus pulmões, tateei o chão em busca de apoio e por sorte o que achei foi minha espada, estava suja demais para poder ver minha expressão nela, tinha certeza que não estava assustado, não poderia estar a vida dela dependia disso, e mais uma vez me forcei a levantar, a fera já a erguia com as mãos, avancei mais uma vez sobre ele, dessa vez gritando para não tremer, isso só serviu para alerta-lo e lançou ela em cima de mim, assim que abracei o chão vi ele vindo com tudo rolei ela para o lado e ergui a espada a tempo de atravessar seu corpo, era quente e vermelho, um vermelho vivo e cruel jorrou em cima de mim, fitei seus olhos em busca de dor, mas eles não vacilaram, parecia até estar rindo, só então percebi que sua mandíbula tinha se fechado em volta do meu ombro, ignorei a dor e torci com força a espada, ele liberou meu ombro e morreu.
    Estava a caminho de casa, muito ferido e com dor, mas ainda assim feliz, com ela nos braços indo para casa, estava muito cansado e queria deitar e dormir para sempre, mas não podia, tinha que tira-la daqui. Enquanto ia caminhando vi a paisagem ganhar cor e a aurora romper o silencio iluminando o caminho para casa, para nossa casa.
  • Preview: Distante do Céu

    Eles brigavam constantemente. Mas naquele momento, os ânimos estavam bastante exaltados. O rapaz pegou o capacete no sofá da sala e saiu pela porta da frente fazendo estardalhaço. Ela não se deu por vencida, veio atrás dele, gritando como uma louca. O jovem não parecia interessado, subiu na motocicleta e deu ignição, acelerou-a tentando silenciar os gritos da mãe, a mulher já chorava. Ela enfiou a mão no guidom e retirou a chave. O estapeou com força no rosto. Plaft! O som fez um eco seco no ar. O garoto ficou olhando para o horizonte. Ela pôs as mãos no rosto. Se sentiu envergonhada, os vizinhos a tudo assistiam pelas persianas das janelas.
                — Se você se importasse só um pouquinho com seu futuro, não arriscaria a vida numa moto! — bradou ela.
                — Eu não pedi pra nascer caso você não saiba — retrucou ele. — Eu não tenho culpa se eu sofri aborto paternal.
                — Já conversamos sobre isso, seu pai não pôde ficar aqui...
                — Não me importa! — disse ele furioso. — A senhora nunca fala dele, só diz que ele nos abandonou para nos proteger. Que tipo de pai abandona a família pra protegê-la, mãe? A senhora todos os dias dobra o joelho no chão chamando por Deus, aonde é que ele está que não vê o nosso sofrimento?
                — Eu não sei mais o que fazer com você Arthuriel — disse alisando as têmporas. — Você sai com essa moto por aí, sem carteira de habilitação. Pode ser preso!
                Ele continuou com o rosto virado. A mãe tomou o seu rosto nas mãos, o jovem rangia os dentes. Estava furioso.
                — Nós precisamos de dinheiro, né mãe!?
                — Mas não dessa forma garoto? — retrucou ela. — Você é mais importante do que a casa. Saía dessa vida de malocagem e arrume logo um emprego, se tornar alguém decente, quem sabe até estudar, não quero que você se torne alguém como...
                — Como o papai? — perguntou ele com alguma esperança. — Porque a senhora nunca fala dele, hein mãe? Qual o mistério? Porque é que ele abandonou a gente?
                — Eu... snif-snif. — Ela não conteve as lágrimas. Toda vez que tocavam nesse assunto, havia mais briga e choro do que respostas.
                — Quer saber? Tô cansado disso, coroa. Cansado, ouviu!
                A mulher pôs a mão na boca tentando parar a torrente de choro, caminhou apressada em direção à casa. O vizinho da porta da frente meneou a cabeça e disse:
                — Não se sente envergonhado de fazer isso com sua mãe, Arthuriel?
                — Vá se lascar, velho! — respondeu irritado.
                Num movimento rápido, deu partida na moto e avançou deixando a mãe para trás. O garoto olhava a mulher em soluços pelo retrovisor. Os moradores desviaram quando ele passou velozmente. Era tido como o típico garoto problema na vizinhança. Sua mãe o definia muito bem: arrogante, egoísta e individualista. Por sua vez, o rapaz não se importava. Odiava a tudo e a todos. Se não fosse a exceção do amor que nutria àquela mulher, a seu modo, ele já teria dado o fora. Uma estranha sensação de piedade e necessidade de retribuição o prendia àquela casa minúscula num bairro pobre de sua cidade natal.
                Só havia uma coisa que o fazia se sentir bem. Mesmo arriscando a vida, era uma maneira de levantar uma grana e aumentar a dose de adrenalina in natura. Arthuriel unia o útil ao agradável. Todas as noites, ele pegava a moto e ia para a Death Line. Era o mais perigoso racha de motos da região. Ele participava de todas as edições. O adolescente de 17 anos era um famoso corredor...
    Continua
    Se você gostou do que leu, então vai querer ler o resto!
    Distante do Céu é um conto de fantasia e pós-apocalipse onde anjos de demônios lutam pela supremacia da Terra
  • Provações de um Elfo

    Mesmo universo, mas espécies diferentes e características desiguais. Uns manipulam elementos da natureza, outros objetos ou até mesmo pessoas, mas outros apenas a escuridão. As ideologias se divergem entre si, formando assim uma guerra entre povos. Mas, num belo dia de primavera, um garoto chamado Leonard nasceu. Mal ele e o mundo em que vive sabia que um dia este garoto daria um fim a este confronto.
    Leonard, um garoto que agora tem 10 anos, alto, cabelos brancos, curtos e lisos, olhos claros, da cor do céu, orelhas um pouco pontiagudas… um elfo. Mas não um elfo comum como aqueles que vemos em histórias e filmes de fantasia que atiram flechas com seus arcos exuberantes, mas sim um manipulador de elementos naturais. Conseguem facilmente controlar esses elementos, pois vivem em harmonia com a natureza.
    Existem diferentes tribos em seu mundo, existem os elfos, como Leonard, existem os anões, seres baixinhos, astutos e bem assustadores para sua altura, existem os “liffens”, que são criaturas com pequenas asas, não conseguem voar, mas conseguem planar de grandes altitudes até o chão, orcs, que são seres carrancudos, grandes e fortes, mas nem um pouco inteligente, costumam guardar portas de casas de pessoas mais ricas ou, até mesmo, castelos de pessoas importantes, como era o caso do imperador de Kartan, cidade onde morava.
    Leonard não tem irmãos, mora com sua mãe, que também controla elementos naturais e é uma eximia professora de manipulação, em uma cidade rica, Kartan, com boas pessoas, sua maioria elfos e anões e outras não muito agradáveis. O rapaz estuda na melhor escola da região e lá ele tem vários amigos, mas dois deles são seus melhores companheiros, Kirling, um anão não tão baixo como a maioria de sua espécie, cabelos castanhos, olhos escuros e barba, mas bastante bonito, e uma amiga, Katerine, uma elfa inteligentíssima, com cabelos semiloiros e olhos castanhos claro.
    O pai de Leonard, Zern, está na liderança do exército batalhando contra seres que vieram das províncias do norte, chamados “trubbiens”. Os “trubbiens” são especialistas no controle de seres vivos, como manipulação de seres celestiais (seres fortes que vivem em abundância nas províncias do norte, mais especificamente na floresta mais escura e sombria que pode se encontrar em seu mundo. Por serem espécimes grandes e robustas, conseguem sobreviver ao clima e obstáculos dessa tal floresta conhecida como Escuris). Vários homens desta espécie são pessoas boas, que vivem em harmonia com outras espécies, mas não por opção e sim por terem ideologias diferentes das de seu imperador, Arizoff.
    Um garoto inteligente, mas também levado. Utiliza de sua esperteza e genialidade não apenas para pregar peças em pessoas que não gostava, mas também para aprender outras formas de manipulações e magia. Leonard, todos os dias após a janta, vai para seu quarto, alimenta seu bichinho de estimação, um “zentere”, denominado como Áscon (criatura única, com asas e uma longa cauda, é um animal dourado com pelugem brilhante, nunca se viu uma espécie igual aquela). Ele havia achado este animal num bosque perto de sua casa, estava caminhando, voltando da escola, quando percebeu um barulho entre as moitas, com medo, mas decidido, foi até lá e tirou um ovo que estava rachando, pegou o animalzinho indefeso que saiu dentre as cascas e cuidou dele.
    Após isso, ele arranca um livro de sua estante da mais bela madeira dos vales, uma madeira clara com riscos vislumbrantes. Tal livro é pesado, devia ter por volta de milênios de anos. Na capa dizia: Manipulações Especiais, era restrito em muitos lugares pelo mundo por ter segredos obscuros tanto sobre controle de seres vivos, que era ilegal, exceto nas províncias do norte, quanto sobre como manipular a água e outros elementos. Leonard, o lia escondido todos os dias, tentando aprender mais sobre sua arte preferida: invisibilidade.
    Passados 10 anos, o garoto agora com 20, se inscreveu para participar do exército de Kartan, junto com seus melhores amigos, Kirling e Katerine. Fizeram o teste e, com sucesso, entraram para ajudar seus companheiros a deterem os trubbiens. Leonard, que vinha aprendendo sobre invisibilidade, teve grande sucesso em sua primeira batalha para a tomada da ponte Cerpenter, que passava por cima do maior rio que já vira. Seu pai estava comandando uma equipe diferente dá de seu filho. Infelizmente não conseguiu ficar invisível, mas com treinamento e disciplina, é certeza que um dia será capaz de tal ato.
    Numa manhã, que até o momento era feliz, uma tragédia acontece, o pai de Leonard, o grandioso Zern, acaba morto pelo imperador e líder do exército trubbiniano. Cheio de ódio e desejo por vingança, o jovem rapaz atravessa a ponte sozinho e se esconde em meio as árvores de uma densa floresta. Após horas procurando um acampamento inimigo, ele finalmente avista uma luz fraca. Era um acampamento de tropas inimigas. Cerca de 10 trubbiens guardavam sua entrada, Leonard, que não conseguira utilizar sua invisibilidade da última vez, tentou novamente, se infiltrou entre os guardas e chamou a atenção de um deles. Tal guarda foi imobilizado por Leonard, que, rapidamente agiu, pegando suas vestes e voltou ao posto do soldado trubbiniano como se nada tivesse acontecido, fingindo ser um deles. Após um tempo, os soldados foram convocados para uma reunião de emergência no castelo de seu líder, Arizoff, um ser grande, musculoso empunhando uma espada enorme, parecia ser jovem, mas ninguém sabe da sua verdadeira idade. Os trubbiens estavam sendo atacados a oeste pelas tropas élficas e anões. Todos os soldados foram ordenados para irem até o local. Leonard estava em uma enrascada, como seria capaz de lutar contra seu próprio povo? Qual seria o plano do elfo para destruir a vida do líder trubbiniano e vingar seu pai?
    Usando sua engenhosa cabeça, o elfo conseguiu dar uma enrolada nos outros soldados do exército inimigo, dizendo que estava indo acordar outras tropas para ajudar na batalha. Ao chegar no acampamento, se deparou com seus companheiros destruindo-o e matando os soldados na surdina. Chegaram a Leonard e o renderam, pedindo informação sobre o amigo desaparecido. Leonard, então, pediu calma e tirou o elmo trubbiniano da cabeça. Explicou a situação e como poderiam chegar até o castelo do imperador inimigo. Era uma passagem subterrânea primitiva, tinha 1,80 metro de altura e se estendia por mais de 10 quilômetros. Ao chegarem no alçapão do castelo, eles ouviram vozes, e pisadas fortes, e descobriram que, na verdade, seu pai não estava morto, mas sim preso na mais alta cela da mais alta torre do castelo. Leonard encarava a situação tranquilamente, pois tinha a capacidade de se tornar invisível, mas seus companheiros de equipe não estavam tão calmos quanto soldados treinados deveriam estar.
    Montaram um plano, e elegeram como líder da equipe, o mais esperto entre eles, que, obviamente, era Leonard. Ficaram esperando por mais um tempo, parados, quando ouviram o imperador comentar algo sobre “conversar a sós com o prisioneiro”, pensaram todos na mesma hora: “nos aproveitamos que estarão sozinhos e então o atacamos por trás e acabamos com essa história”.
    Saíram do alçapão, não havia se quer um movimento por perto, então, começaram a andar separadamente em pequenos grupos para encontrar Zern, pai de Leonard. Combinaram um chamado, um assovio estranho que nunca tinham ouvido antes na vida, mas o rapaz já, todos os dias na verdade, pois havia tal animal em sua casa. Usaram o barulho que Áscon fazia para informar os companheiros que encontraram o que estavam procurando.
    Muito tempo depois, cansados de tanto procurar, acharam, finalmente encontraram Zern, mas com uma companhia não muito legal, Arizoff estava em sua cela, mal cabia la dentro, ou de tão pequena que era a cela ou de tão grande que era o trubbien. A pior notícia não era a presença de Arizoff, mas sim que eles não estavam sozinhos, 2 soldados guardavam a cela, mais 4 nas principais entradas dos corredores e outros 2 fazendo rondas para prevenirem invasões. Leonard, que guardara o segredo de que podia ficar invisível, finalmente agiu, explicou aos companheiros de equipe sobre sua invisibilidade, mas não como a adquiriu. Usou seu poder, estava agora imperceptível a olho nu, apenas esperando um soldado vacilar para chamar a atenção dos outros e acabar com essa raça nojenta que prendera seu pai.
    Conseguiu, derrotou os 8 guerreiros inimigos e, finalmente, podia ter sua vingança, mas usou a cabeça e raciocinou: “para que matá-lo, sendo que ele não matou meu pai? Não faz sentido algum tirar a vida deste ser horrendo, seria um presente para ele. Melhor seria se eu o capturasse e levasse à prisão das prisões, Luvar, a maior e melhor prisão élfica que existe, lá ele terá o que merece”. Então, sem chamar sua equipe, lá foi Leonard, invisível atrás do grande, literalmente, imperador trubbiniano. O elfo chegou à cela de seu pai e enfrentou um dos mais assustadores seres que já vira em toda sua vida.
    Uma luta que ninguém nunca tinha visto antes, como se fosse um mestre contra um aprendiz, mas ambos tinham vantagens. Ao ficar invisível, Leonard escapava da manipulação mental de Arizoff, pois este não o via. Por ser grande, era mais fácil de ser atacado pelo elfo, mas era tão forte que as tentativas do jovem de machucá-lo mal faziam efeito. Se, por algum descuido, o garoto sofresse um golpe do imperador trubbiniano podia ter certeza que seria o fim de sua vida. Durante esta batalha, muito frenética por sinal, não é possível ver quem estava ganhando. Era possível ver pedras e rajadas de vento saindo das mãos do elfo e golpes vindos da gigantesca espada de Arizoff rasgando o ar e quebrando rochas com tanta facilidade que poderia se comparar com um cortar de papel. Após 10 minutos de intensa luta e ameaças algo aconteceu, o jovem elfo foi pego pelo líder trubbiniano pelo pescoço, poderia tê-lo matado naquele instante, mas com um gesto de honra não o matou na frente do pai, mas o mandou para uma cela, não era uma cela comum, nem se quer em um lugar comum, era uma cela especial, 3 portas do mais duro material conhecido naquele mundo (5 vezes mais duros que o diamante) com cadeados do tamanho do próprio prisioneiro, tornavam o lugar uma jaula impenetrável para quem não tinha a posse das chaves.
    Sem saber do que estava acontecendo, Kirling e Katerine se separarão dos companheiros de equipe e fora procurar o amigo. Encontraram a cela de Zern, mas não havia nem vestígios de Arizoff ou de Leonard. Entraram e perguntaram ao pai do jovem elfo o que havia acontecido, ele, cabisbaixo, respondeu com um tom sério e com um toque de tristeza falou o que tinha acontecido e explicou que o trubben havia levado seu filho para outro castelo do outro lado do mundo para a mais protegida cela que fora construída naquele mundo.
    Cerca de 10 horas após o acontecido, Leonard levanta na cela sem entender o que havia acontecido, com uma dor enorme no pescoço, nas constas e um calombo na cabeça. Ficou sentado, sem conseguir pensar em nada, quando ouviu vozes muito baixas vindas de trás, se levantou e foi em direção ao barulho. Gritou perguntando o que estava acontecendo e onde se encontrava, mas não obteve resposta de imediato, gritou novamente o mais alto de pôde e ouviu um barulho de portas se abrindo e engrenagens girando, se afastou alguns passos para trás e então Arizoff entrou em sua cela com um aspecto de vitória.
    – Ora, ora, ora. Um elfo, filho de Zern, tentou enfrentar o maior dos maiores líderes trubbiniano!? Bem ousado garoto. Pena que o que aconteceu não foi nenhuma surpresa para mim.
    – Onde estou? O que está acontecendo? E o que fez com meu pai?
    – Bem, você está em um castelo nas províncias do sul, na mais bem construída e protegida cela trubbiniana.
    Houve um silêncio após a resposta, quando este foi quebrado pelo elfo:
    – Acho que te fiz outras pergunta! – disse o elfo com rispidez – O que você fez com meu pai?
    – Como ousa falar assim comigo, moleque?
    – Responda minha pergunta que eu respondo a sua.
    – Seu pai está no meu castelo, preso também, foi sentenciado à morte, mas ainda não executamos ele. Quer ver seu papai morrer?
    – E você quer alguns óculos 3D para ver sua morte com efeitos?
    Então Arizoff fez um movimento de ataque com sua poderosa espada, mas foi interrompido por um guarda, que cochichou algo em seu ouvido que o fez bufar e gritar e raiva, virou as costas e saiu da cela, antes de fechá-la olhou para o garoto com um olhar misterioso, que não fez sentido para ele.
    Preocupado com seu pai, Leonard estava desesperado para encontrar um jeito de escapar daquele lugar, quando percebeu uma rachadura na parede. Aquela cela fora construída em cima de uma entrada de uma antiga passagem secreta que dava para uma floresta, para fora do castelo, mas o elfo não estava se importando aonde a passar daria, só queria dar o fora do lugar e salvar seu pai da morte.
    Passou horas e horas cavando para tirar a terra que tampava a entrada da passagem, mas finalmente conseguiu abrir um buraco e passou por ele, escapando da melhor prisão trubbiniana, pensou ele com um tom sarcástico.
    A passagem era ainda pior da que havia usado anteriormente. Para poder passar teria que andar ajoelhado, pois tinha apenas 1,50 metro de altura. Andou o que parecia dias sem parar, com o mesmo pensamento em sua cabeça: “não podem matar meu pai”, “vou matar todos antes que matem meu pai”, e então chegou a uma escada, não estava enxergando direito, pois não havia iluminação, mas elfos têm uma visão aprimorada, que os permite enxergar no escuro, não detalhadamente, mas conseguia ver a silhueta de objetos a sua frente. Subiu as escadas, eram no total 56 degraus, sem mudar se quer de direção, quando de repente bateu a cabeça num no teto, demorou um pouco para perceber que era um alçapão, pois não avisa maçaneta, mas, depois de horas dentro do túnel estreito da passagem, ele finalmente conseguiu sair do castelo. Estava de dia, os sóis brilhando no céu, um dia muito bonito, se não fosse a preocupação do garoto.
    Sem saber que rumo tomar para encontrar o castelo onde estava aprisionado seu pai, saiu andando sem rumo, por sorte, na direção correta. Estava, agora, no topo de uma colina que lhe permitia enxergar o castelo no qual estava preso. E continuou andando, mal ele sabia que estava muito longe de onde estava seu pai, quase do outro lado do mundo.
    Andava, corria, prestando atenção em tudo que acontecia em sua volta, mas estava tudo tão calmo que, para um soldado experiente, chegava a ser algo estranho. Leonard não comia faz 2 dias, com esperanças de encontrar um vilarejo e um ser de boa alma e coração para lhe dar um pouco de comida e água. Cerca de alguns metros de distância dele havia algo grande, parecia uma torre, esperançoso, saiu correndo e foi em direção à possível torre. Chegando mais perto viu que não era uma torre, nem de perto era uma construção artificial, era uma árvore gigantesca, era chamada de Fructisc. Pelo nome já é possível perceber que produzia frutos, mas não eram frutos de apenas uma espécie como as árvores que vemos por aí, esta originava mais de cem tipos diferentes de frutas, a maioria Leonard conhecia, mas outras nunca tinha ouvido falar. Comeu, bebeu os sucos dos alimentos da árvore e prosseguiu em sua jornada.
    A noite se aproximava, parecia que o dia tinha passado em minutos. Estava em dúvida em escolher, ou se continuava a andar, para não perder tempo, ou se buscava um abrigo para ficar durante a noite para restaurar as energias. De repente escutou o quebrar de um graveto, olhou para o lado e viu um vulto grande e assustador, com medo do animal, ou do que aquela coisa seja, pegou uma pedra para se prevenir, estava assustado, olhando para todos os lados para tentar ver o que era, aflito, ouviu novamente o barulho, desta vez tinha certeza de onde vinha, se virou, pois o barulho havia vindo de suas costas, olhou bem e se surpreendeu, era uma criatura enorme, com 2 metros de comprimento e cerca de 1,5 de altura, tinha asas, 4 metros de envergadura e uma longa calda, pelugem dourada avermelhada e brilhante, no início não reconheceu o que era, ou melhor, quem era, mas percebeu que era um zentere, seu zentere, Áscon, que, depois de anos longe de casa, havia crescido muito. Leonard se surpreendeu, abraçou o animal, mas ainda estava com uma dúvida, ia perguntar ao animal, mas exitou, pois sabia que não seria respondido. Áscon fez um sinal ao elfo para subir em suas costas, o rapaz subiu e voou, nunca imaginara que um dia ele voaria em cima de seu animalzinho de estimação, que antes cabia numa gaiola e que agora nem em sua casa conseguia entrar.
    Voaram durante toda a noite, disse ao animal onde queria ir e partiram em uma viagem muitíssimo longa, mas, como Áscon viajou muito para encontrar seu dono e este não comia havia, agora, 4 dias, decidiram encontrar frutos para se alimentarem. O zentere sobrevoou uma floresta, não muito densa, e analisou as árvores para ver se encontrava uma que produzia frutos. Finalmente acharam, eram duas árvores, não muito grandes, do tamanho de um elfo normal, produziam um alimento grande, amarelo-esverdeado, não tinham sementes, mas seu gosto era divino, não sabiam seu nome, mas apanharam vários para se alimentarem de noite.
    A ave voava a uma velocidade impressionante, Leonard mal via as coisas a sua volta, não podia ficar de olhos abertos por causa do vento e de pequenos insetos que poderiam machucá-lo. Exaustos após viajarem quilômetros e quilômetros desde seu ponto de encontro, pararam numa clareira e lá montaram uma fogueira e passaram o resto do dia lá. A noite chegou, o elfo deitado debaixo das asas do zentere, estava pensativo, e se seu pai estivesse morto naquele momento? E se o exército de Kartan tivesse perdido a guerra? E se seus melhores amigos, Kirling e Katerine, tivessem sido capturados ou coisa assim? Mas, algo o distraiu, ouvia passos perto deles, se levantou, apagou a fogueira e se escondeu junto com Áscon, mesmo gigante, o animal conseguiu entrar entre um amontado de árvores que havia perto da clareira onde estavam. Leonard, atento a cada movimento, viu que era 2 guardas trubbenianos, tentou ouvir o que estavam falando, não entendeu muito bem o que diziam, mas escutou 3 palavras chaves: Leonard, seu nome, fugitivo e encontrar. Tremendo, olhou para o enorme animal e este devolveu o olhar ao dono, ambos pularam do meio das árvores e atacaram os dois solados inimigos. Os desmaiaram, tiraram suas roupas para se protegerem do frio e/ou usarem como lenha para uma futura fogueira, quebrou o meio de comunicação deles, que era uma espécie de pulseira, um tipo de binóculo, bastante básico, e saíram de lá o mais rápido possível.
    Leonard analisava a situação, se tinham dois trubbens por lá, sua base estaria por perto, e sim, ele estava certo, montou em Áscon, que alçou voo poucos metros acima do solo, pegou o binóculo que havia furtado dos guardas e olhou, com um pouco de dificuldade pela falta de luz. Viu uma fortaleza enorme a cerca de 10 quilômetros de onde estavam, continuou olhando, viu o rio, no qual venceram a batalha, uma enorme de fila de solados estavam rodeando o castelo, provavelmente a procura do elfo fugitivo. Traçou um plano inteligente, contou ao zentere o que fariam e o animal fez um sinal positivo com a cabeça.
    Antes do dia clarear estavam de pé, organizando e retomando o plano para não ocorrer erros. Então foram pelo lateral em direção ao castelo.
    – Áscon, vou ficar invisível agora e me infiltrar dentre eles, e você faz sua parte do plano, okay?
    O zentere concordou com um movimento rápido de asas, e um segundo depois não era mais possível ver o elfo. O plano era bem simples, mas difícil de ser executado, enquanto o animal distraia os soldados, Leonard entrava no castelo, invisível, e procurava por seu pai.
    Passaram-se alguns minutos e lá foi o animal, não sabia muito bem como chamaria a atenção dos guardas, mas, rapidamente, traçou um plano: destruiria as paredes das torres do castelo, seguindo o plano do elfo a risca.
    Mas algo que eles não esperavam aconteceu, armados, os soldados atacaram o zentere, Leonard viu o que aconteceu da janela da escadaria da mais alta torre, onde se encontrava Zern. Gritou e começou a chorar, o animalzinho que fora seu por toda a vida estava agora morto no gramado ao redor do castelo, lançou um último olhar ao elfo e, incrivelmente, piscou um olho para seu dono e então fechou-os. O elfo, com uma fúria e ódio, mas, ao mesmo tempo, abalado, continuou sua missão. Encontrou 3 guardas na entrada principal do corredor, matou os sem dó nem piedade, e então avistou seu pai, que, novamente estava na companhia de Arizoff. Sem medo agora, o elfo chegou atrás da gigantesca criatura trubbiniana e o cutucou.
    – Ha ha ha, olha quem está aqui, veio se despedir do seu pai? Hoje ele será executado e, pelo visto, você também.
    – Na verdade não. É melhor você começar a rezar que apenas um morrerá aqui hoje, além de… Se prepare.
    – Vamos ver se realmente aprendeu a lut…
    Leonard nem o deixou terminar de falar, lançou pedras enormes em cima do imperador, que mais parecia um monstro do que um trubben, se bem que os trubbens são monstros. Devolveu o golpe com um soco forte, mas o elfo desviou, então aí veio o que Arizoff não esperava, o garoto começou a flutuar, seus olhos se tornaram prateados e, a sua volta, surgiram ventos que poderia carregar toneladas, e então lançou-os contra a criatura que estava lutando contra. O trubben voou metros, quebrando paredes da torre e desestabilizando-a e caiu desmaiado no chão. O elfo andou, lentamente, em direção a Arizoff, este abriu os olhos com dificuldade. Leonard o olhou profundamente e disse as seguintes palavras:
    – Hora de seu fim… monstrengo.
    Ia matá-lo, quando, de repente, seu pai gritou:
    – PARE! Meu filho, não é isso que você quer, ele nã…
    – Você não sabe o que eu quero – disse ele com frieza.
    – Tem razão, não sei o que você quer, mas o elfo que criei toda minha vida não mataria nem seu pior inimigo.
    – Ele quase te matou pai, ele quase me matou, ELES MATARAM ÁSCON!
    – Mas não estou morto e nem você. Sinto muito pelo seu animalzinho filho, mas não é assim que as coisas funcionam. Você decide se quer ser o herói ou o vilão da história.
    Os olhos de Leonard voltaram a ser azuis como sempre foram, mas deferiu um soco, com toda a sua força, na cabeça de Arizoff, que desmaiou.
    Resgatou seu pai, missão concluída. Estavam na porta do castelo, quando lembraram que ainda estavam em guerra. Eram os dois contra centenas de soldados trubbinianos, se olharam e disseram junto um para o outro:
    – É hora do show!
    Leonard se transformou novamente, criou rajadas de ventos como antes e as lançou contra muitos guardas inimigos, derrubando-os no chão. Zern, lutava como nunca tinha lutado antes, deferia socos e lançava todos os tipos de elementos naturais que estavam a sua disposição, aniquilando os soldados trubbinianos e assim acabando com esta guerra, que perpetuava entre esses dois povos durante séculos.
    Leonard foi correndo em direção a Áscon, estava chorando e abraçou o pescoço do animal, quando, inesperadamente, o corpo do zentere se desintegrou, virando nada mais nada menos que cinzas. O rapaz sem entender nada, olhou para o pai, que sorria:
    – Pai, o que está acontecendo? Por que está sorrindo?
    – Filho, parabéns, você tem o animal mais inteligente que já vi em toda a minha vida. Mesmo muitos nunca tendo ouvido falar em zenteres eu sei o que eles são. Zenteres são seres divinos, eles nunca morrem filho, sempre renascem de suas cinzas. E antes de te encontrar, ele veio até mim, me encontrou aqui e eu me comuniquei, me assustei quando o vi, se tornou uma ave belíssima e crescei bastante.
    – Mas, como ele soube que…
    Antes de terminar de falar, o elfo viu o pequeno animal que encontrara dentro de um ovo cerca de trinta anos atrás, lembranças felizes vieram a sua cabeça, pegou o filhotinho de zentere e o abraçou. Áscon deu um pio, baixo e desafinado. Leonard começou a chorar, mas dessa vez de alegria.
    – Por isso ele sabia onde me encontrar. Você o contou tudo.
    – Exato filho.
    – Mas pai, uma boa pergunta por sinal, como voltaremos para casa?
    – É filho… esta é realmente uma bela pergunta.
    Os dois deram rizadas e foram andando para casa.
  • Sene I

         “ No meu caminho encontrei um jovem que estava sentado olhando para os próprios pés descalços, o jovem tão triste fazia tanta questão de não existir que para as pessoas à sua volta de fato ele parecia não estar lá, tive pena dele. Como são estranhas essas criaturas que andam pelo mundo em dor e sofrimento, os chamados homens dos novos tempos. Mais tarde e já muito longe lembrei-me do jovem e, por minha vez, me entristeci ao perceber o quanto ele se parecia comigo”
         O Velho estava em uma cabana ou ao menos no que parecia ser uma cabana, modesta, era feita de pedras e troncos, antiga, tanto que musgo e plantas cresciam sem impedimento pelos cantos e nas paredes, talvez houvesse mais que não podia ver devido a escuridão, talvez fosse noite. O que de fato podia ver, graças a uma fogueira que do canto irradiava luz, era uma cena desconcertante, ali junto aos pés do Velho uma mulher seminua estava deitada. Ao que o Velho podia concluir se tratava de uma jovem de cabelos vermelhos e de pele branca como a neve, seu rosto estava coberto pelos mesmos panos claros que também escondiam partes de seu corpo, debaixo de todo aquele pano ela estava nua, isso era certo. Sem emitir nenhum som a moça diante do Velho se revirava debaixo dos tecidos e ele notava que havia outras pessoas formando um círculo ao redor dela, todos vestiam túnicas de desenho simples e cor clara, todos a olhavam, mas ninguém se movia.
         A cena era de fato mórbida, a jovem se contorcia demonstrando claramente sofrer dores horríveis, mas ninguém se movia para ajudá-la, o Velho também permaneceu hipnotizado até que em dado momento e sem aviso a moça expeliu uma criança de entre suas pernas. Ainda na morbidez da cena o Velho viu que além de não haver sangue a criança era escura, como se coberta por pêlos negros, espantado, mas incapaz de falar ele olhou para as outras pessoas que se mantinham imóveis, sem encontrar nelas qualquer ajuda ele então retornou o olhar para o recém-nascido que como sua mãe não mais se movia. Com melhor atenção o Velho observou a pele do bebê descolorir para um tom claro, talvez até um pouco pálido, já se parecendo então como uma criança perfeitamente normal o bebê chorou.
         O choro era alto, longo num único fôlego, e foi respondido por um som de trovão, apenas com arrepio do susto o Velho foi capaz de se virar e voltar-se para a entrada da cabana onde a luz de uma manhã cinzenta era presente o bastante para delinear a figura de um monstro. A criatura estava exatamente em frente a porta da cabana e dela o Velho via apenas da cintura para baixo, era alta corpulenta e escura como a noite, seus braços terminavam em garras e passavam das coxas, estava em pé como um homem, mas era grande como uma casa. Um novo som de trovão riscou o ar e o Velho entendeu que se tratava da criatura falando, mesmo desconhecendo o significado ele sabia que era uma linguagem de fúria, por mais duas vezes a criatura falou e ameaçou entrar na cabana.
         Um Sopro foi tudo que o Velho ouviu quando a criatura raptou a criança, veloz demais para ser impedida o monstro apenas esticou seu longo braço apanhando o bebê de perto da mãe e correu. O Velho se surpreendeu quando ao sair da cabana já se viu cercado por árvores, eram todas escuras e estavam todas secas, por efeito da fina chuva que caia um brilho oleoso se formava nas cascas e nos galhos nus. Com exceção da mãe que provavelmente ficou na cabana o Velho notou também que todos os outros ocupantes correram para fora, provavelmente procurando pela criatura e a criança, mas foi o Velho quem primeiro viu.
         A criatura não estava tão longe, numa clareira entre árvores estava parada e com sua altura imensa segurava junto ao peito a criança que cabia inteira em sua mão. O Velho parado ouvia a respiração forte, mas não via a cabeça da coisa, pois a neblina escondia. Antes que ele pudesse interagir a criatura apontou para trás do Velho que virou-se o suficiente para ver os outros, eram os quatro, ainda vestidos em suas batas claras, estavam parados exatamente atrás dele e encaravam a criatura cujas falas faziam tremer o ar. Sem notar ação neles o Velho retornou sua visão para a criatura que falava mais e mais rapidamente. Aos poucos os outros que antes estavam atrás do Velho passaram então a cercar o monstro. Mesmo sem entender por que uma figura tão grande mostraria temor diante de seres tão menores o Velho também se aproximava lentamente da criatura, que apesar de seu tamanho avantajado parecia encurralada.
         Os quatro que cercavam a criatura passaram a realizar movimentos idênticos e emitir murmúrios harmônicos como uma reza ou mantra, em resposta a criatura parecia sofrer com aquilo, um momento de grave tensão se instalava e o Velho sabia que um mal estava por vir quando a criatura juntou suas mãos para segurar a criança como se quisesse forçá-la para dentro do peito. Os quatro brancos caminhavam corajosos e aumentavam o volume de seus murmúrios a medida que a criatura gritava de dor. Incapaz de resistir mais o monstro se rendeu e no mesmo instante como se o tempo se tornasse mais lento o Velho observou a criança caindo do alto quando a criatura a soltou das mãos e desapareceu entre as árvores, desesperado e estendendo os braços para amparar o bebê que caia o Velho acordou.
    _ E é bom mesmo que acordou!
         Disse a voz em sua cabeça, mas o Velho não respondeu, estava suando e seu corpo doía como se tivesse sido espancado. O céu acima dele produzia infinitas estrelas brilhantes, era uma noite quente por isso achou de se deitar poucos passos da estrada, ergueu sua cabeça apenas o bastante para analisar seus arredores, mas quando pensava em continuar seu sono a voz retornou.
    _ Não vai conseguir dormir, levante-se e continue caminhando.
         O Velho pensou em mentir de alguma forma, mas seria impossível, a voz sabia tudo o que ele pensava, mais ainda sabia como ele pensava. Então por mais que quisesse continuar deitado até o nascer do dia propriamente dito, ele respirou fundo rolou para o lado e se pôs de joelhos. A voz sem som em sua cabeça continuava a repreendê-lo, como sempre fazia. Enquanto ele não cumprisse a ordem dada a voz iria insultá-lo, ofendê-lo e mesmo ameaçá-lo.
    _ Não é fácil ser um doente mental…
         Disse o Velho na sua voz naturalmente baixa e em tom de lamento. Sua jornada havia começado há muito tempo, mas por mais que tentasse se convencer de que os demônios em sua alma não o perturbavam mais ele sabia a verdade, que ele jamais estava bem, jamais estava em paz, que ele era perturbado e um dia a loucura custaria sua vida, sua sanidade já tinha.
    _ Por que demora tanto?
         Ele não respondeu a provocação, os motivos seriam vários, era madrugada, seus ossos doíam, suas pernas e braços simplesmente não tinham forças para levantar tão rapidamente, mas não havia sentido em explicar, só daria mais armas para a voz atormentá-lo ainda mais. Como o Velho não precisava comer nem se hidratar, ou assim pensava, afinal ele jamais teve provas, mas de fato ele conseguia ficar longos períodos sem água ou comida, e por mais que houvesse desconforto ele não sentia fome ou sede como antes, ele não carregava nenhum pertence consigo. Era como se fosse uma vela mesmo que fraca estava acesa e enquanto houvesse algo para queimar sua luz serviria. Atravessando então entre árvores e a folhagem que batia contra seus joelhos ele retomou à estrada. Suas roupas eram tão simples e estavam sujas a tanto tempo que ele não se preocupou em retirar as folhas ou a poeira delas, simplesmente caminhou.
         Por aquela estrada de gramas baixas e pedras soltas não seria fácil seguir, não com pés tão cansados após uma pausa tão breve, afinal seu descanso durou apenas o tempo do pesadelo e ao acordar foi presenteado com uma dor aguda nos seus ossos, por vezes algumas pessoas que o encontravam lhe questionavam ou pareciam querer perguntar como ele suportava tanto sem fraquejar sem mesmo às vezes mudar sua expressão, e o Velho na maioria das vezes gostaria de responder:
    _ Sou teimoso.
         E de fato era, teimoso com a vida, com sigo e com tudo mais que pudesse, então mesmo que as fibras de seu corpo estivessem por se quebrar, seu espírito era forte, ainda assim caminhar com sandálias velhas entre pedras e capins de nó não era fácil e para tornar tudo pior era noite sem lua.
    _ Sabe quanto mais até chegarmos?
         Perguntou o Velho rouco já sabendo que tipo de resposta receberia.
    _ O quanto tiver de ser, que resposta gostaria de receber? Apenas caminha Velho, mais e com menos tempo chegará.
         Sem ânimo para outras farpas ele continuou em silêncio por horas numa caminhada que para evitar tropeços e quedas se fazia muito mais lenta. Quando sua solidão começava a incomodá-lo o suficiente e ele já sentia vontade de tentar conversar com a voz atormentadora o Velho notou que chegava o fim da noite. Algumas luzes já coloriam o horizonte com claros azuis e rosados graciosos.
    _ Aurora é mesmo uma deusa para os vivos, promovendo a magia de um novo dia, de uma nova chance, e quem não gostaria de ter mais uma chance para tentar?      Para fazer hoje o que ontem não pôde? O amanhã é de fato o presente generoso de uma deusa pura, o mal dos homens é achar que sempre haverá outro.
         Disse o Velho exasperando, e como não havia dito para ninguém em particular não houve resposta em vez ele ouviu o canto de pássaros provando que já era manhã. Um tanto mais animado pelo sons das muitas aves, e ansioso pelo calor do sol que logo chegaria seu passo se tornou mais firme. De fato a estrada também parecia querer ajudar na caminhada que antes se dera em tantos morros, se fazia então mais plana e mais rochosa sem muitos dos irritantes capins de nó que o forçavam a erguer seus pés. De fato ali o trecho era reto por tão longo que uma única figura estática chamava mais atenção que as demais, era uma árvore. Postada no caminho de modo que a estrada se curvava levemente ao redor dela, a árvore estava seca o que o remeteu momentaneamente ao pesadelo que teve, mas perdeu completamente essa impressão ao chegar aos pés dela, parado ele ficou abismado observando.
    _ Uma árvore é uma árvore apenas, qualquer que seja…
         Disse a voz tentando forçá-lo a seguir pelo caminho.
    _ Não, esta é diferente…
         Sussurrou o Velho enquanto olhava todos os detalhes que podia, se aproximando do tronco ele via como ela se dobrava sobre a estrada e em direção ao vale, sentia que a árvore queria apontar ou até mesmo caminhar para a parte mais baixa daquelas terras. Seu tronco não era tão largo nem tão forte inda mais pela torção que dava sua curvatura, contudo era singular a aura emanando dela, mais ainda o Velho podia ouvir algo, algo doce, como uma poesia ou…
    _ Música…
         Uma voz soou ao lado do Velho, tão absorvido pela figura da árvore ele demorou a reagir e perceber que não era a voz em sua cabeça, era uma voz com som. Assustado pelo fato ele virou e antes da luz do sol nascente ofuscar seus olhos pensou ter visto um homem no vale, mas quando recuperou o poder da visão nada havia, menos alarmado voltou-se para o pé da árvore e notou a formação das raízes era ideal para que uma pessoa se encostasse nela, tanto que sem alguém ali a figura toda parecia incompleta.
    _ Realmente diferente…
         Antes de qualquer reprimenda vir de sua consciência que certamente iria ordenar que continuasse sua caminhada, o Velho se pôs no caminho, afastando-se daquele lugar, seguiu pelo trecho. Após umas curvas e já na plena manhã subiu por um ou dois morros antes de avistar uma vila. Eram casas de aspecto amistoso que se enfileiravam no alto para onde era mais plano, logo que chegou à primeira delas o Velho se deparou com uma Primeira senhora usando um apanhado de folhas secas para varrer a varanda rústica de sua morada.
    _ Bons dias…
         Disse o Velho tentando mostrar o melhor de sua aparência a fim de que tivesse boa resposta, não custou muito para a Primeira senhora percebê-lo.
    _ Bons dias senhor! Que sejam de paz...
         Contente por essa Primeira Senhora conhecer os bons costumes e grato por sua sorte o Velho se pôs a perguntar sobre aquele local e arredores, mas quando o assunto chegou na árvore torta que tanto lhe havia intrigado, a senhora não ofereceu como resposta mais do que uns acenos negativos antes de se virar e entrar em sua humilde morada.
    _ Hospitalidade tem seus limites ao que vejo…
         Constatou o Velho, logo então seguindo a linha das casas ele encontrou, cumprimentou, trocou ditos de crenças e bons costumes com outras quatro mulheres de meia idade, tudo para quando perguntar da árvore obter as mesmas respostas evasivas quando não de silêncio total. Incerto se de sorte ou azar, ele se deparou com outras três mulheres reunidas e já que estava quase no fim da vila, achou bem de tentar novamente, afinal que mal poderia haver?
    _ Olha senhor!
         Disse-lhe a então Sexta Senhora antes mesmo de ouvir seu bom dia.
    _ Aqui não vai encontrar ouvidos para suas histórias nem moedas para os seus bolsos…
         Com as mãos erguidas o Velho se pôs explicar que sua passada ali não tinha interesse comercial de qualquer tipo, pelo fato de aquelas três terem idade em menor quantia que as anteriores ele não julgou necessário percorrer os ritos cordiais, explicou o motivo de suas inquirições anteriores, já perturbado com o fato de haver apenas mulheres do vilarejo, e partiu para o caso da árvore.
    _ Por certo! Não está a contar casos, mas vem atrás de histórias que não são de sua conta, não acha que com sua idade já deveria saber melhor do que…
         Nesse momento a mulher restante ergue a mão parando então a fala dessa Sétima, e um breve silêncio se instalou, com olhar sério fixado no Velho a então Oitava concluiu.
    _ Ninguém aqui vai te falar nada senhor, seja lá qual for seu nome, porque ninguém aqui sabe nada desse assunto, e os poucos que podem sabem que não é bom de se falar.
    _ Entendi...
         Com a fronte voltada para baixo o Velho passeava para seguir jornada adiante, quando a mesma Oitava mulher lhe falou, e havia certa dor na voz dela, mesmo seu olhar passou de seriedade para pena naquele instante.
    _ Mas se quiser tentar a sorte, ela sabe…
         Disse a Oitava apontando para a uma casa que fugia completamente do alinhamento da vila e beirava suspeitosamente o mato. Após agradecer com aceno de cabeça o Velho cortou de lado as três moças e seguiu na direção da casinha. Como teve de circundar para dar na entrada, apenas depois de certa volta o Velho avistou a apontada senhora e essa, que realmente era idosa, depenava uma galinha enquanto cantarolava e balançava em sua cadeira, onde há música a vida interior pensou o Velho antes de falar.
    _ Perdoa interromper?
    _ Hum? Ah Não, não interrompe nada menino.
         Desconcertado pelo balançar da cabeça da galinha morta no colo da Nona senhora e levemente ofendido ao ser chamado de menino, o Velho se aproximou forçando um sorriso fechado e foi recebido por outro sorriso sem dentes da Nona que se mantinha acenando com a cabeça em afirmação, já que as mãos estavam ocupadas demais para o convite.
    _ Bons dias…
         Disse o Velho pedindo suas licenças.
    _ Bons dias menino, que sejam de paz.
         Mais uma vez, menino, com novo esforço o Velho se conformou em outro sorriso amargo, já a Nona sem demonstrar nenhuma mudança em seu bom humor sugeriu ao Velho que se aproximasse, pois seus ouvidos já não eram tão bons como antes e após breves conversas irrelevantes para ele já se via sentado no corrimão da cerca da casa quando perguntou sobre a árvore do caminho. Antes de mais nada a Nona tentou dissuadi-lo dizendo que aquilo era coisa finada, que o próprio tempo deu conta de apagar. Por um tempo o Velho deixou o assunto de lado e perguntou mais sobre aquele lugar, ele aprendeu então que os homens estariam trabalhando longe, soube também numa versão resumida que o vilarejo sofreu o mesmo destino de muitas colônias rurais, uma breve expansão seguida de decréscimo populacional e por fim abandono de grande parte de seus habitantes. O Velho ouviu tudo com atenção e educação, mas sua alma parecia arder como uma alergia quando pensava na árvore da estrada.
    _ Pode ao menos me dizer que espécie de árvore é aquela? Jamais vi igual.
         Questionou o Velho já se preparando para seguir antes que a manhã terminasse.
    _ Essa história já era antiga quando me contaram e ouvi com meus ouvidos inda de menina. Acho que o nome dela era Lóra ou algo assim, e a árvore que tanto te interessou morreu no mesmo dia que ela, e mesmo tanto tempo depois ela está lá para lembrar dessa história triste, pois era o local favorito dessa moça, mas não tenho certeza se foi isso mesmo, não sou mais tão mocinha sabe...
         O Velho acenou várias e várias vezes positivamente, enquanto a Nona lhe provia com mais detalhes que de alguma forma iam desviando completamente do assunto que de fato lhe interessava. Assim o dia foi passando e a galinha já desprovida de suas penas estava mergulhada em molho quente quando o Velho achou por bem desistir de sua busca, sem jeito e realmente como um menino ele se levantou esfregando seus joelhos e ajeitando suas vestes com olhar cabisbaixo.
    _ Ora por que não tenta perguntar ao peixe?
         Interveio a Nona com seu característico sorriso aberto demais.
    _ Peixe?
         Questionou o Velho sem saber outra forma de continuar.
    _ É, o peixe, o peixe da árvore, o peixe da história…
         Enquanto a Nona ia e vinha falando de peixe o Velho se perguntava se havia desperdiçado mais uma tarde de sua vida com uma desvairada, simpática há que se dizer, mas desvairada ainda assim. E aquele sorriso sem dentes que não desaparecia por nada, como uma mexerica encontrada estações depois da colheita e aquelas rugas só tornavam tudo mais engraçado, mesmo assim o Velho estava frustrado.
    _ Essa coisa gritando dentro da sua cabeça te fez desconfiado não é menino?
         Disse a senhora virando-se com uma tigela fumegante de caldo de galinha, com dois acenos de cabeça e um gesto de mão ela fez que o Velho se sentasse entregando-lhe a tigela com o caldo e um pedaço de pão duro, o Velho recebeu boquiaberto, mas temendo sua própria insanidade não confirmou nada.
    _ Bom, vamos comendo enquanto isso não é? Não adianta ir cedo mesmo por que ele só sai na noite. E tem que ser noite de lua ainda…
         O Velho admirou por um instante a delicadeza daquela tigela, esculpida numa madeira escura era fina e desenhada como se imitasse uma folha, antes mergulhar o pão e provar o caldo cujo cheiro já governava seus sentidos o Velho pensou no que de fato a Nona estava dizendo e não vendo maldade, além de se convencer de que ela provavelmente estava em mais um de seus devaneios decidiu continuar.
    _ Então…
         Disse o Velho entre mordidas.
    _ Apenas em noites de Lua?
    _ Shimm, Shimmmm…
         Disse a Nona produzindo sons como uma cobra ao sorver o caldo quente, o pão ela ignorava, sem dúvida duro demais para sua falta de dentição. Achando a coisa toda cada vez mais engraçada o Velho estava animado quando deixou a cabana da Nona no entardecer. Tanto que quando se deu conta estava indo em direção a árvore.
    _ Lembra menino, se você se virar ele vai embora…
         O Velho continuou caminhando erguendo apenas uma de suas mãos em sinal de despedida. Menino? Pensava o Velho, mas que dia estranho. O Velho notou que a noite já era formada quando terminou por cruzar de volta todas as casas do vilarejo. Notou com ainda mais espanto que a voz em sua mente estava estranhamente quieta, os bons efeitos de um caldo quente concluiu, e como aquela Nona parecia gentil, claro, num jeito enlouquecido de ser, mas um doce mesmo assim e parecia saber tanto. Fosse como fosse antes do fim de seus questionamentos o Velho estava no local e sem saber ao certo o que fazer sentou-se à beira da estrada no lado oposto ao da bela árvore torta. Ainda estranhando a ausência da voz em sua mente o Velho já havia deixado que um bom tempo se passasse quando olhou para cima onde a luz da lua começava a clarear o céu, entre as estrelas algo como um véu prateado deslizou para o lado de sua visão.
         Tomado por um arrepio frio o Velho não se moveu, nem falou, pois temia espantar a criatura que sabia estar atrás dele, mais ainda temia o que tal coisa poderia lhe fazer.
    _ Parece mais leve senhor…
         Era a mesma voz que ouviu naquela manhã, sem saber ao certo como responder o Velho murmurou por longo, em que nem mesmo sua cabeça ele movia, lembrando as palavras da Nona.
    _ Sabe que não precisa ficar aí parado como uma estaca, ao ponto de quebrar o pescoço, nessa sua idade não te fará nenhum bem…
         A voz era claramente a de um jovem rapaz, não era grossa ou grave, nem inspirava poder ou força, era uma voz suave, gostosa de se ouvir, como a de alguém que compreende e tem sempre um bom conselho a dar, um tanto mais calmo o Velho respondeu.
    _ Fui alertado que não me virasse, pois…
    _ Sim, sim,
         Interrompeu o jovem.
    _ Mas sabemos que não é o caso, seu destino é outro, então por favor não seja tímido...
         Completou o jovem, aceitando o Velho pediu licença e se levantou virando-se lentamente. Antes de ter sua visão nublada pelo vento da noite o Velho flagrou o que a Nona nomeou como peixe, de fato talvez fosse, mas seria um que flutuava no ar com corpo comprido e esguio de cor prateada como a lâmina de uma faca nova, grande que era e dada a magia envolvida o Velho o percebeu mais como um dragão que um peixe. E tudo se deu num instante, pois logo que o vento da noite passou pelos olhos do Velho no lugar do suposto peixe estava um rapaz, um belo rapaz aliás. De pele em tom de canela, de cabelos longos e negros caindo sobre sobre seus ombros, de olhos firmes traídos apenas por uma dor que o Velho arriscava descrever, era mesmo um belíssimo jovem, vestido com tecidos escuros que as vezes reluziam brilhos prateados assim como as misteriosas escamas de um peixe.
    _ Nesta forma teremos menos distrações e a conversa fluirá melhor.
         Disse o jovem rapaz, de lábios volumosos que não mostravam qualquer emoção boa ou má.
    _ Tem experiência em lidar com minha espécie ao que vejo.
         O jovem de cabelos negros respondeu com um aceno confiante, e fez convite ao Velho para lhe seguisse, mesmo no meio da noite era fácil seguir descendo pelo campo em direção ao vale tão clara era a luz da lua.
    _ Estou certo em afirmar que não é de fato um homem? Se fosse para arriscar diria que forma que vejo é apenas uma ilusão...
         Comentou o Velho, cuirioso e já temendo pecar em educação…
    _ Duvido que faça diferença para você…
         Disse o jovem com um pouco mais de frieza como se para encerrar a conversa, mas então continuou.
    _ Entretanto, se está buscando ser cavalheiro poderia começar dizendo-me seu nome, advirto que não posso oferecer-lhe o meu, pois já não me lembro.
         O Velho respondeu prontamente incapaz de esconder um breve sorriso.
    _ Chamo-me Sene, mas agora desconfiando de quem você é imagino que você já sabia…
         O jovem não respondeu, mas em sua face o Velho viu nascer algo como um sorriso de canto, mesmo que breve esteve lá.
    _ A árvore…
         Iniciou o Velho ao perceber que já estavam próximos demais do riacho e logo não teriam mais tempo para perguntar.
    _ Quer saber o que tinha nela de especial? Quer dizer além de ser uma árvore? Uma forma de vida tão doce e tão gentil que suporta a existência de tantas formas, que fornece nutrientes, acômodos, abrigos e tantas coisas mais, uma criação de deuses inocentes que eram bons demais para esse mundo. Se visto assim toda árvore é especial não acha? Inda assim além de suas qualidades inatas aquela árvore em questão nada tinha de especial. Talvez uma lembrança…
         O Velho não comentou, já confirmadas as suas suspeitas, se limitou a acompanhar o jovem até a beira do riacho que cortava o vale. Quando o Velho começava a fazer sentido dos contornos das pedras cortadas por águas volumosas a voz do jovem soou dolorosa ao dizer um único e belíssimo nome feminino. Antes que o Velho pudesse repetir o nome outro sopro do vento da noite fechou os seus olhos, ao abrí-los era dia. Apenas por não conhecer outra palavra o Velho descreveu-a como uma moça, mas sem dúvidas era muito mais que aquilo, muito mais do que ele podia ver. Ela esta sentada aos pés da árvores que exibia suas milhares de folhas em formato de gota, mas linda que toda fora a moça irradiava luz e beleza, estava vestida com brancos e verdes, seus cabelos tão longos produziam ondas e ondas com cor de madeira, os olhos dela ele não via, estavam fechados para acompanhar a delicadeza das mãos dela correndo dentro das águas do grande rio que cobria todo o vale.
    _ Não saberia dizer quantas vezes revivi essa memória…
         Disse o jovem ao lado Velho, e o som da voz dele se modulava gentil de maneira a não atrapalhar a melodia que vinha da moça com ar de sonhadora.
    _ Foi ela quem me encontrou, como se viver no mesmo mundo que ela não fosse presente grande o bastante, minha primeira visão foi ela, e ela também me reencontrou muitas vezes mais, mesmo depois de tudo…
         O jovem tinha tanta tristeza em sua voz que o Velho achou por bem interrompê-lo, esperando que não fosse ofensa à alguém como ele.
    _ Mesmo antes de ouvir sua história já poderia saber que haveria tragédia.
         O jovem ponderou por um instante e então ao virar-se de frente para o Velho o sopro do vento da noite retornou desfazendo a ilusão e tudo se fez em escuridão novamente salvo o prateado da lua.
    _ Será que ainda há sabedoria nos homens? Posso perguntar como soube?
         Perguntou o jovem de cabelos negros.
    _ Poderia dizer que foi a tristeza imensa que senti no seu olhar, mas o fato é que se está aqui sozinho é porque seu romance não aconteceu, ou se aocnteceu já terminou, afinal estaria ao lado dela se…
    _ Realmente…
         Interrompeu o jovem, já iniciando caminhada em direção a estrada com o Velho ao seu lado, durante toda a subida nenhuma frase foi trocada, o Velho não sabia como falar diante do olhar do jovem que caía para baixo numa tristeza tão evidente que poderia ser ouvida, ao perceber isso o Velho concluía que se aquele ser com aparência de um jovem fosse capaz de chorar, todo o universo ouviria seus gritos. Casualmente olhando as estrelas que cortejavam a lua os dois já estavam perto da estrada quando o Velho finalmente encontrou sua pergunta.
    _ E como terminou sua história?
         De certa forma não houve resposta, mas a mudança de humor naquele ser foi tão grande que o Velho concluiu tudo o que precisava na luz dos olhos daquele jovem desaparendo com o sopro do vento da noite. Terminando então o pouco que faltava da subida o Velho sentou no mesmo local de antes, contente em apenas observar o céu de estrelas.
         Um bom tempo já havia se passado quando ele se levantou e diante da árvore fez uma reverência antes de seguir pela estrada. Lá na frente depois de ter passado pelos morros da vila e toda aquela terra já estava distante dele na nova madrugada o Velho se deu conta da melodia em sua mente, era tão bela, algo sobre estrelas brancas em diferentes pedaços do céu.
    _ Todas as histórias são iguais, tudo já foi dito, escrito ou pensado, por que a história dele é melhor que a sua ou qualquer outra?
         Disse a voz em sua mente interrompendo seus assobios.
    _ Não é melhor…
         Respondeu o Velho.
    _ Por que então perder tempo contando ou ouvindo?
         Questionou a voz em sua consciência, ainda tentando atormentá-lo, mas sem sucesso, pois havia uma força renovada no espírito do Velho, a inegável força de amores grandes demais para se acabar.
    _ Ninguém mais seria capaz de contar minha história além de mim mesmo, e ninguém ouviria um conto da mesma maneira que ouço. Então conto e ouço porque simplesmente gosto de histórias, inclusive da minha…
         Disse velho retomando a melodia e seguindo seu caminho.
  • Sentimentos - Capitulo 01

    01 – Um jovem historiador, Dr. Vitor Hugo Bernardi acaba de chegar à cidade Katovice na Polônia. O mesmo foi convocado pelo Agente Especial Superior Braun, por terem encontrado uma sala secreta em um dos centros de concentração, e eles querem sua avaliação. Ele é recebido pelo agente Josef que o leva até o centro de concentração Auschwitz. Local está todo isolado e cheio de agente da FBI. Agente Braun junto com o agente Josef dão algumas instruções, uma delas que é extremamente restrito e que as informações não podem sair daqui. Levando até uma das câmaras desativadas, mostram um dispositivo que faz a parede deslizar e mostra uma porta de ferro, observando vê que estava trancada a correntes. Logo após passar pela porta, tem um hall onde mostra que porta de elevador, na qual não funciona, mas os agentes montaram outra forma de descer. Após descerem através de elevadores modernos, eles andam pelos corredores, vê que eram salas de experimentos, porem bem diferente dos outros, salas que demonstram ter tido teste de força e arma, muito acima do normal. Uma das salas desvendadas está guardada por dois seguranças no porta, dentro dela estão mais quatro seguranças e um cientista e algumas cápsulas, a maioria estão destruídas. Nota-se que houve algum tipo de batalha na sala, pois alem de vários objetos quebrados tem sangue seco espalhado por todo canto, e alguns ossos e roupas de soldados nazistas.  Ao se aproximar da única que está inteira, vê através do vidro, uma mulher acorrentada, com camisa de força e mordedor. Dr. Vitor Hugo fica surpreso e questiona se ela está viva, o cientista Dr. Vagner informa que está viva, mostrando que os cabos estão ligados há alguns tambores que contem alguns tipos de gás e alguns deles são oxigênio e sonífero. Dr. Vagner mostra algumas anotações da época pro Dr. Vitor Hugo, nessas anotações tem nome dos experimentos e quais foram feitos neles. Fascinado com tanta informação, Dr. Vitor Hugo informa que ira ajudá-los a desvendar os mistérios deste local, pois tem muitas anotações em latim. No dia seguinte a sala é preparada para despertá-la da mulher, Agente Braun e Josef, Drs. Vagner e Vitor ficam do lado de fora, enquanto os quatro seguranças, mais uma equipe médica e outra de enfermeiros tentam abrir a cápsula, todos estão usando roupas especiais, pois não sabem que tipo de ar está dentro da cápsula. Ao abrirem, eles fazem os primeiros exames, e informam que ela está ótima, eles a tiram da cápsula, colocando-a numa maca, amarrada, para a própria segurança dela e de todos. Informam também que ela poderá acordar dentro de 4h ou 5h. Enquanto isso eles avaliam ela, morena, sem marcas de cicatrizes, mostra-se ser jovem de ter entre 20 ou no máximo 25 anos, cabelo é liso e comprido até o cóccix, suas pernas são longas, sua altura é de 1,75 cm e tem uma tatuagem com o símbolo do nazismo em sua escapula esquerda. Eles colocam uma roupa cirúrgica, pois a mesma estava nua na cápsula. Dr. Vitor Hugo, ficam fascinado pela sua beleza, seus traços são delicados, chamando bastante atenção de todos em sua volta, Agente Superior Braun concorda com todos os comentários que o doutor faz. No seu quarto, ele faz pesquisa tentando achar algo sobre essa câmara de concentração, sem sucesso, acaba pegando no sono, dormindo em cima do notebook. Durante a madrugada, a jovem tem um ataque epilético e sua pressão sobe, a equipe medica entra em ação imediatamente, com muito esforço e precisão, eles conseguem salva-la, a mesma continua desacordada. A sala está trancada e isolada, na porta tem dois seguranças, e a cada hora dois enfermeiros entram para avaliar a moça. Neste período de uma hora, ela acorda, ainda sonolenta, ela tenta abrir os olhos, mas a luz incomoda, vem um flash dos cientistas que estavam fazendo experimentos com ela, no desespero, ela arrebenta as cordas e fica sentada na maca, olhando para o ambiente que é totalmente diferente da sala de ela foi adormecida. Mais flash vem em sua mente, dos abusos sexuais que sofreu, os experimentos que fizeram, as torturas físicas e mentais, e entre outros horrores. Ela fica em transe, ficando presa a essas lembranças. Dois enfermeiros entram, e tomam o maior susto de vê-la acordada e ainda sentada na maca. Enquanto um enfermeiro sai para avisar os superiores, e o outro tenta conversar com ela, fazendo perguntas, mas a mesma está paralisada olhando para o chão. Ao chegar perto dela, nota que esta em transe, ele tenta acordá-la colocando sua mão no ombro dela dando pequenas mexidas. Ao sentir o toque, ela passa a olhar para ele com raiva, deixando-o com medo. Ele tira a mão do ombro dela, e pega um sedativo para sedá-la. Ela percebe e antes mesmo dele conseguir chegar perto, ela da uma cabeçada nele, fazendo-o cair desorientado e pede socorro. Ela começa apertar o pescoço dele com muita força, quebrando a coluna cervical, levando-o a morte. Ouvindo o pedido de socorro os dois seguranças entram, e o vê morto no chão, e a jovem de pé olhando para ele com um olhar frio. Um deles pede reforço e o outro parte para cima dela, tentando nocautear com sua arma, ela desvia, dando um soco na boca do estomago dele. Enquanto o soldado cai desmaiado, ela pega a arma dele no ar, dispara nele e no soltado que está na porta. Seu tiro é certeiro, um no coração e no outro no cérebro. O alarme é acionado, uma equipe com seis soldados aparecem no corredor para impedi-la, infelizmente alguns são mortos, mas consegue disparar alguns sedativos, fazendo-a cair dormente no corredor. Dr. Vitor comparece na sala onde estão os agentes Braun e Josef por ter ouvido o som do alarme, na qual ela está amarrada com correntes de ferro numa maca, desacordar, ele faz questionamentos ao agente Josef sobre ocorrido, ele informa que a mesma matou cinco pessoas em menos de uma hora, sua força e agilidade são foram dos padrões normais de um ser humano e pede para o mesmo se manter no quarto até ao amanhecer. Algumas horas antes do amanhecer, um dos seguranças fica olhando para ela com raiva, por ter perdidos alguns colegas, e vai até ela e cospe. A mesma abre os olhos, e fica olhando para ele com olhar de deboche, deixando o mais irritado, os outros dois seguranças tentam acalmá-lo, o mesmo não conseguem, e vai para dar outro soco nela. Ao se aproximar para dar o soco nela, ela levanta o tronco, desviando do soco, conseguindo chegar perto do pescoço, mordendo com força, rasgando a veia jugular. Um chama o reforço, enquanto o outro tenta socorro o colega que não para de sangrar. Ela se aproxima do segurança que tenta tirar seu colega da sala, mas ela gira sua cabeça matando-o na hora, o outro que chamou mais reforços tenta fugir, mas ela o segura pelo punho, pegando as chaves e a arma do seu bolso. Ele da uma cabeçada, mas só ele sente a dor da pancada. Ela arranca o braço dele e o deixa na sala junto com o outro que já está entrando em coma. Ela aciona uma porta secreta no corredor, e entra, antes dos soldados chegarem, mas as câmeras de segurança pega sua, logo avisam os soldados para adentrarem na passagem secreta. Dr. Vitor, acorda assustado por causa do alarme, ele vai para a janela e vê agitação dos soldados, ao se virar, se depara com a moça saindo por uma porta secreta do seu quarto. Assim que o vê o agarra pelo pescoço, desesperado, ele começa falar em latim, dizendo que ele não é uma ameaça e que ele quer ajudá-la, ela entende o que ele diz, o faz desmaiar e foge do quarto pela janela. Os cachorros sentem o cheiro dela. Ela corre pela floresta, tentando se afastar  dos soldados, ao se deparar com um rio bravo, não pensa duas vezes e se joga para despistar seu cheiro. Os cachorros perdem seu cheiro ao chegarem no rio...

  • Sinopse Princess Magic - The Adventure

    Prévia da Capa

    SINOPSE:
    -Por que eu tinha que me apaixonar por ela? -Pensa Simon,ao ver Mirella beijando Brain... 

    Mirella Miller,uma garota simpática e humilde,tem os cabelos loiros e lindos olhos azuis,ela é a melhor amiga de Simon desde pequena. Ela e sua irmã,Miranda,eram muito próximas a ele,os três vivam juntos,um ajudando o outro. Mas com o passar dos anos,Mirella teve muitos problemas e não aguentava mais viver daquele jeito,então resolveu fugir. Foi para uma floresta,bem longe de todos,mas acabou encontrando um novo amigo,seu nome era Brain Carter. Ele a ajudou,e os dois começaram a se aproximar... 
    Miranda e Simon precisavam encontrá-la e trazê-la de volta,mas ela não aceitou. Agora,eles irão ficar por lá,mas por quanto tempo? Ninguém sabe ao certo. 
    Simon e Brain,não se deram muito bem,e o triângulo amoroso se formou entre eles,e agora,Mirella está em dúvida. Quem é o seu verdadeiro amor? Simon ou Brain? 

    -Ela só te vê como um amigo,não percebe? -Provoca Brain. 

    -Eu não acredito em você! 

    -Continue negando,mas o coração dela pertence a outro...
  • Sobre mim

    Sobre mim....




    A história de uma garota perturbada.










     




























    “Há muita escuridão há minha volta. Tanto que não conseguia ver, mas agora sei que posso encaixar as peças do quebra-cabeça que é minha vida, e que as respostas irão interferir em muitas outras histórias.” Thaís Mariano




    Essa história é baseada em fatos reais.




    Se não está preparado para mergulhar no mundo, de uma

    mente insana, pare agora, ou

    certamente irá se arrepender.













    Introdução 










    Tudo começou quando era muito nova...Como toda criança vivia dentro do meu mundo mágico, mas diferente do sentimento que muitos tem, acreditava mesmo que a magia era real, e estava disposta a lutar para achar algo que provasse isso. Aos 11 anos , estava na 5° série, e após viver uma das histórias mais bizarras de minha infância, precisava de respostas. Certo dia quando estava a fazer um de meus rabiscos, coisa em que era viciada, percebi que sempre pegava, o mesmo livro azul para servir de apoio para os meus papéis. Como se houvesse um imã poderoso, que me puxava para ele, em vez de os outros livros que haviam na biblioteca de minha avó. E então me perguntei por quê, e resolvi me aventurar na leitura do mesmo. Minha avó disse que era muito jovem, para entender seu conteúdo tão “pesado”, e me proibiu de voltar a pegá-lo. É claro que como todo bom curioso, não me contive, e as escondidas o li. Não foi difícil, pois minha família vivia ocupada com os negócios, e por uma tarde inteira, ficava fora de suas vistas. O conteúdo era bastante sombrio, haviam : feitiços de São Cipriano para o bem ou o mal,  profecias de Nostradamus, rituais sanguinários, como criar a própria varinha mágica, ver o futuro com a conhecida bola de cristal, vodoo, e superstições Seu nome? Era Ciências Ocultas da Iavisa, e o volume que tanto me fascinava era o IV da coletânea. Haviam outros que tratavam de: Cartomancia, quiromancia, grafologia, significado dos sonhos, hipnose...Enfim diversos assuntos de interesse ocultista. Mas por alguma razão, desde que nem me entendia por gente, era levada para o quê se aprofundava em magia negra. Após ler toda a história da magia, e seus segredos obscuros, me interessei por hipnose. No entanto o volume II desapareceu antes mesmo que pudesse ver a sua capa. No começo, fiquei fascinada pelo poder, e ainda mais pelas possibilidades de pertencer a uma família de bruxos, e no ano seguinte me joguei de cabeça na ideia de me tornar uma bruxa. Naquela época não era tão simples quanto é hoje, era necessário ter o verdadeiro poder de mudar o mundo a sua vontade. E pelo que li, todos precisavam de um mestre, e este chegaria se você fosse o escolhido para fazer parte deste mundo. O meu nunca chegou, mas não desisti, e aprendi tudo o quê pude por conta própria. No ano seguinte, estava na 6°, havia acabado de perder alguém que eu gostava, para uma suposta amiga que sempre conseguia tirar de mim, tudo com o quê me importava. Ninguém respeitava meu sofrimento, pelo contrário todos riam, e ainda fofocavam sobre o meu fracasso. Já cansada de sempre ser tratada como fraca, resolvi usar meus recursos para mostrar que o melhor a se fazer, era "não se meterem comigo", e então peguei o meu livro, e espalhei seu conteúdo em sala de aula. Criando a minha frase de efeito que só viria usar no ano seguinte: É melhor não fazer nada contra mim, se não vou te fazer ficar doente, e nem os melhores médicos poderão encontrar a cura. O engraçado é que ninguém ficou com medo, estavam curiosos demais por verem um livro de magia real, para o temerem, e por um tempo todos seguiram a risca seu conteúdo, quando se tratava de evitar malefícios. Mas apesar de ser divertido no começo, depois isso me trouxe revolta, porquê meus coleguinhas sempre me viam como uma santa, incapaz de praticar os ritos de Cipriano, e ser uma garota boa, para mim se tratava de pura fraqueza. Detestava esta imagem, pois meus segredos obscuros, provavam o contrário. Era hora de lhes mostrar o meu verdadeiro eu, e assim o fiz. Com 13 anos...abandonei os cachos naturais, e alisei o cabelo para me tornar um digno fantasma. O batom rosa, foi substituído pelo preto, algo que caiu bem para minha pele anêmica, e fiquei conhecida como a aluna mais vaidosa da classe, aquela que jamais saia da frente do espelho. Ainda não era o suficiente, e devido a acontecimentos que só serão revelados no devido momento, criei gostos estranhos, e me entreguei as trevas. Num dia era apenas a aluna que dormia em sala de aula, no outro era uma automutiladora, que desenhava cruzes na pele, com cacos de vidro, e batia fotos, assustando a maioria das pessoas ao meu redor. Era divertido, não sentia dor, apenas prazer, e o sabor do sangue, me fazia sentir viva. É claro que para os professores e orientadores, minhas práticas eram abomináveis. Por isso muitas vezes ia para diretoria, e lá mentia sobre ter um acompanhamento psicológico,  lhe entregando números falsos, quando tentavam entrar em contato com meus pais. Minha mãe até tentou me levar ao psicólogo naquela época, mas fui uma vez e decidi não voltar, pois não queria ir parar na camisa de força, se no fundo não me sentia tão anormal, quanto queriam que eu acreditasse. Só que me aprofundarei mais nisso, quando chegar a hora. Aprontei bastante, e não são apenas dois ou três parágrafos que poderão servir para elucidar esta biografia.





































    Capítulo I 

    Meu mundo




    Queria dizer que minha vida é feliz, e só possuo coisas mágicas e maravilhosas para compartilhar, mas seria mentira. Isso aqui não é um conto de ninar, mas sim uma história repleta de lições, que por hora nem eu mesma consigo compreender.




     A criatura que aqui escreve, sempre foi estranhamente diferente, como? É o quê mostrarei agora...Toda criança tem um amigo imaginário certo? Mas eu não tive, bom pelo menos não apenas u. No seu lugar criei um mundo, cheio de criaturas bizarras de bom coração, e seres belos com almas sujas. Não me leve a mal, tinha 6 anos, e vivia trancada num terreno com um muro gigante, precisava de amigos, só que não podia sair de casa, pois minha mãe temia os perigos que a rua podia oferecer. Mal sabia ela que estas coisas terríveis se encontravam na minha escola, e até mesmo dentro de casa. No entanto, ainda não é hora de falar deste assunto. Bem, retomando...Sem amigos, e com uma família sempre ocupada, usei minha criatividade, e não fiquei sozinha. Toda tarde depois da escolinha, ia para o fundo do enorme quintal da casa da minha avó, e lá me comunicava com minha amiga Layla. Uma moça ruiva de pele clara, que carregava uma coroa de flores no topo da cabeça, e vivia de branco. Só eu a via, mas ela me levava para um reino, onde seres aparentemente malignos como: o bicho papão, lobisomens, morcegos, e sapos me protegiam, dos ataques da elite, contra quem lutava bravamente para salvar meus amigos da morte. Eram inúmeras batalhas, só que o foco permanecia sendo o mesmo: Nem todos que são belos são bons, e nem todos os que por fora parecem monstros, o são. Não sei ao certo, quando abandonei este universo em particular, mas me recordo perfeitamente das tantas vezes que mencionei a Layla. Eu nem sabia se este era o seu verdadeiro nome, todavia sabia que quando algo é sua criação, tem o direito, ou o dever de lhe nomear. Layla, era o nome da minha segunda Winx favorita, a primeira era a Bloom, com quem me identifiquei desde o primeiro episódio, por ser uma humana que ia estudar no colégio das fadas, e minha personalidade era bastante parecida na época. Só que por alguma razão, preferi lhe chamar de Layla, mesmo sem minha criação se parecer com a personagem. Com o tempo, fui me desvinculando deste mundo, e passei a desenhar enquanto vivenciava as aventuras de minhas novas criações, inspiradas em outros desenhos de fantasia e ficção. Ficava sentada no sofá, e após desenhar algo, mergulhava na página, e dava voz aos meus personagens. Muitas vezes fui pega por meus familiares paternos, que me olhavam com repulsa, e fingiam não ter visto nada, como se quisessem dizer “Não, não temos uma aberração entre nós, e se for o contrário vamos ignorar o fato”, e pela minha avó materna, que dizia que estava me comunicando com demônios. Eu não me importava, era feliz sendo solitária, e aqueles olhares não me serviam para nada mesmo. Só que de alguma forma, esse mundo interferia no meu, e por isso acabei vivenciando meus primeiros momentos sobrenaturais. Sempre que ia aprontar algo, saia ilesa do local antes que me percebessem, pois conseguia ouvir passos a uma distância tão grande, que antes mesmo do barulho chegar a dimensão física, eu já havia saído dali. Até hoje não consigo explicar, mas creio que há  teorias científicas, que possam fazê-lo, ao descrever a audição infantil. Tudo seria muito lindo e perfeito, se minha infância se resumisse apenas a esta parte, porém infelizmente não termina aqui, e é agora que meu mundo se torna sombrio. Como já mencionei antes, passava muito tempo sozinha, e apesar de não ser tão bela, este era um prato cheio para os predadores... Algumas vezes quando ia para o fundo do quintal, meu avô me fazia companhia, me carregando de um lado para o outro pelo nosso galinheiro, e quando ninguém estava olhando, o quê ocorria com frequência, colocava seus dedos de unhas grandes, por dentro de minha calcinha, pegando em minhas partes íntimas, e mais tarde me entregava algumas notas de dinheiro, como se o papel compensasse seu crime. Não que me machucasse, mas dentro de mim, sabia que algo estava errado, só não tinha ideia do quê, já que na idade em que isso aconteceu tinha 3 para 5 anos. Hoje há estudos que supostamente comprovam, que nossas memórias antes dos 6 anos são falsas, então não sei se estou certa ao culpar meu avô de abuso, mas minha lembrança do fato é muito nítida para duvidar, talvez seja porquê não sou normal. Infelizmente não para por aí, e desta lembrança me recordo com exatidão. Era de tarde, como sempre meu pai tinha esquecido me buscar na escola, e já ia da 1 hora. Foi quando resolvi ir para sala de TV escola, onde as outras crianças estavam vendo desenho, e me sentei perto do meu amável professor de balé, em quem minha mãe após muito vigiar, agora confiava. Quando me sentei com as pernas cruzadas, na frente dele, este colocou uma pasta cor de rosa de plástico, diante da minha coxa, cobrindo-a, e ali no meio de tanta gente, este sussurrou em meu ouvido: “Pensa numa coisa bem boa” e então colocou sua mão dentro da minha calcinha, e começou a massagear meu pequeno grelinho. Não me recordo de quando parou, contudo assim que o fez me levantei, e sai correndo. Nunca mais quis ir ao balé, pouco a pouco fui inventando desculpas, até que deixei de comparecer aos ensaios. Pra ser sincera, nunca gostei das aulas de dança, sempre fui fã de luta, mas meus pais nunca quiseram me colocar numa academia, porquê achavam que : 1-Não era para meninas e 2-Não tinha mente para ser lutadora. Pelos argumentos nem preciso dizer que o primeiro vinha de minha mãe, e o segundo do meu pai. Poderia ter sido pior, hoje tenho a consciência disso, mas dentro de mim, preferia que não tivesse acontecido, pois isso liberou minha sexualidade e maturidade cedo demais, e não pude ser criança. No maternal, já tinha tido experiências de masturbação em grupo, e beijo homossexual, até hoje me pergunto com quem foi meu primeiro beijo, porquê esse momento que devia ser importante, não teve significado algum. E pior, como se já deve saber, o agredido repete os atos do agressor, por isso fui responsável por diversas iniciações sexuais de garotos e garotas mais jovens, quando tinha apenas 9 anos. Na época me sentia bem ao praticar o mal, roubando de inocentes o mesmo que me foi roubado, seus primeiros beijos, sua ingenuidade, e até a virgindade das  meninas. Antes de praticar certos atos, ia para frente de qualquer espelho, e sorria para mim mesma, com gosto. Aqui sim, admito que fui um monstro, tão cruel, quanto os que me fizeram assim, e hoje de certa forma me arrependo, pois tenho ciência, de que aquelas crianças não tinham culpa, e não mereciam esse destino. Por conta de meu sofrimento, criei uma dupla face: Uma que apresentava para os que queriam me conhecer, e outra que só as vítimas de minha perversão conheciam.  Isso associado ao fato de que tinha um pai, quase ausente, que pouco tinha apreço por mim, uma mãe sempre presa no trabalho, que lutava para estar comigo, e me dar o quê não teve, e amigos que só estavam por perto, por causa da minha mesada proibida, e outros bens materiais. Fez de mim, uma pessoa amargurada, sem simpatia pelo próximo, e quando vieram me forçar a ir para a igreja, eu simplesmente disse não. Pois apesar de errar constantemente, e cometer muitos pecados, sempre pedi perdão com o coração pesado, mas Deus nunca me ouviu, e me abandonou quando mais precisei de proteção. É claro que como bons católicos, meus pais não entenderam, e por isso me obrigaram a estudar a bíblia, todo sábado com uma testemunha de jeová. O cômico é que antes de fazer tais estudos, era temente ao Diabo, e só o chamava por seus diversos nomes, em momentos de raiva, mas depois de descobrir o significado do nome, e estudar sobre as origens do mais famoso anjo caído, passei a ficar fascinada por ele, sentindo-me como se fosse a encarnação do mesmo, por sermos parecidos. E é aí que minhas outras antigas experiências paranormais, se tornam mais significativas. Enquanto sofria com a falsidade humana, e o trauma do abuso que suportei calada, evitando o agressor de todas as maneiras possíveis, também vivi duas experiências magníficas, que jamais poderei esquecer. A primeira ocorreu na escola Guanabara, que se localizava no canto do cemitério do centro, e a segunda no pátio da casa de minha avó. Era uma tarde como qualquer outra, e como em todo canto próximo as lápides, falava-se de um fantasma no banheiro feminino.  Como todo bom estudioso, preferia não crer em tais ladainhas, todavia no fundo queria saber se o fato era verídico, e por isso fui desvendá-lo. Certo dia, fui ao banheiro, apenas para averiguar, e provar que aquele medo era bobagem. Peguei minha coragem e entrei no local assombrado, para lavar as mãos, e foi quando fui surpreendida. Todas as torneiras giraram juntas, como se minhas mãos as controlassem. Tomada pela adrenalina, fui até o vaso sanitário para ver se o mesmo agora continha a água da cor do sangue, só que isso sim era falso, e quando sai a luz se apagou. Não ficou tudo escuro, ainda podia se ver algumas coisas, devido ao reflexo da luz solar, e por esta razão fui capaz de vê-lo. Um ser, todo coberto por uma mortalha negra, que não tocava os pés chão, estava parado no fundo, e antes que fizesse algo para me ferir, eu sai as pressas do seu caminho. Se pensa que fiquei conhecida como a “louca que via vultos”, por ter gritado de medo, está muito enganado, eu corri sem olhar pra trás, mas quando me aproximei da sala, respirei fundo e fingi que nada tinha acontecido. Cheguei a comentar com alguns coleguinhas, sem muito entusiasmo, e terminou aí. A escola era estranha, sempre se ouvia vozes detrás dela, que não se sabia de onde vinham, então o fato de existir um fantasma ali não era nada incomum. Essa experiência paranormal, foi a mais marcante de  minha vida, só que não foi a primeira. Quando menor, não me recordo da idade, via as sombras tomarem formas de pessoas, antes de dormir, e dormia pensando em quem eram aqueles homens e mulheres nas paredes. Além disso tinha sonhos que previam o futuro, não de forma significante, mas que me servia de maneira útil, ao tentar achar objetos perdidos, era realmente fascinante. E por falar em sonhos, há um do qual não conseguirei esquecer, o muro dos mortos. Não sei quando aconteceu, só me lembro do quê houve, em alguma noite, tive acesso ao terreno dos meus avós , de forma onírica, e vi que atrás do pequeno muro, que nos separava do vasto mato, tinham várias lápides. Não me assustei, naquela época tinha uma coragem de ferro, apenas achei esquisito, e quando fiz 15 anos se tornou ainda mais, pois minha mãe me disse que o nosso antigo lar, era um cemitério de índios. Talvez por isso Layla, fosse tão parecida com os índios norte- americanos, pensei, contudo este era um mistério que só viria a ser resolvido mais tarde. O segundo grande e inacreditável fato sobrenatural, não foi tão obscuro. Na verdade, eu diria que é mais digno de uma ficção-científica, do quê do terror. Mas para me aprofundar nisso teremos que falar de uma das motivações, para ter determinado, que há mais chances de encontrar um ser humano ruim, do quê alguém que me queira bem, e parte de minha desconfiança se resume a uma pessoa, uma garota que claramente tinha problemas de personalidade, pois adorava imitar minhas frases e projetos criativos, e tal coisa seria adorável, se ela não agisse como se o quê inventei era seu. Seu nome é Claudiane, e os que são próximos de mim, saberão a quem me refiro. É, querida, não me esqueci do quanto foi oportunista, assim como também me recordo, que mesmo te conhecendo bem, preferi que não se afastasse. Porquê meus familiares gostavam de você, e bem era a minha primeira amiga, após uma amiguinha do maternal ter se juntado a detestável Carla Ivana, me levando a me misturar com os meninos, e as promiscuas mirins que iniciaram minha descoberta da  sexualidade. Não queria te perder, apesar de você sempre competir comigo sem razão alguma, roubar os meus pretendentes, só porquê o seu cabelo era melhor, era mais magra, e todos me achavam baranga, e ainda sim mesmo detonando, no fim eu era a vencedora desta batalha mortal. Porquê com o meu jeito de ser, tinha muito do quê você queria: Pais liberais, para quem apresentei o meu novo namorado, coisa com a qual você nem podia sonhar, senão sua mãe te esganava. Poder contar de verdade sobre o meu dia, tinha uma mesada, que esta altura era apenas a forma do meu avô se desculpar, por sua doença. Sair, pra onde eu quisesse. E sobre o namorado, ainda que eu fosse pior que você, ele te largou para ficar comigo, e eu o larguei porquê me apaixonei por outro garoto, então isso fala por si só. Você lembra que não quis ir para a mesma escola no último ano? Bem foi por isso, por isso, e ter dito a todos que o tema “Água” era ideia sua. Sendo que nós duas sabemos a quem pertencia, pois ao contrário de você, quando se tratava de salvar o mundo, as aulas tinham toda a minha atenção. Porém apesar de tudo, foi com você que esse episódio aconteceu, e a nossa competição, se tornou a chave para destrancar a porta dos limites físicos. Num final de semana, resolvemos colocar as roupas de banho, e fomos brincar com o balão cheio d’água. O jogo era simples, quem o deixasse cair perdia, e de tanto ser derrotada por ti, não iria entregar a vitória de bandeja. A luta se iniciou, cada uma dando o seu melhor para não perder. Logo atiramos com mais velocidade que o normal, e quase nos tornamos vultos, dentro dos limites do possível. Só que algo fugiu do controle, e o tempo ficou tão lento, que quase parecia está se congelando. A bexiga rasgou no ar, e vimos a água cair como se fosse uma cachoeira, como se cada momento tivesse sido cronometrado. Falamos muito daquele momento, e ambas achamos fantástico, foi um dos poucos momentos em houve amizade verdadeira entre nós, e já se dizia o velho ditado: Tudo que é bom dura pouco. Naquele mesmo ano, uma de nossas colegas deu uma festa do pijama, para qual todos foram convidados, e a maioria ficou, infelizmente meu pai não deixou, e fez pior disse que da próxima vez diria sim. Por quê ele usou aqueles termos? Por quê?! É o quê me pergunto hoje. Houve sim a tão esperada chance, mas preferia não ter que não tivesse acontecido, pois apenas eu fui, e isso se fez o momento perfeito, para ser pega numa armadilha. Numa tarde de sexta-feira, a mãe dessa colega veio buscar a filha, então conversou com meu pai, que ligou para minha mãe, e todos acertaram que eu poderia ir dormir na casa dela. Meu pai proprois que fôssemos a Top Game, a minha locadora favorita, para pegarmos as fitas, mas eu disse não, insistir para ir, porquê todos ficaram naquele dia, e eu não, e então fui para a casa da menina. No caminho a mãe desta fez uma pausa no supermercado Fortaleza do bairro Laguinho, e falou que não tinha dinheiro para mais nada além do necessário. Eu entendi a mensagem, só que a filha não, e foi assim que o desastre aconteceu. Ao entrar no lugar, Manuela (A minha colega de classe) teve a brilhante ideia de roubar a barra de chocolate, e assim o fez, passou pelo caixa na frente do guarda, pegou uma barrinha de chocolate, de marca pouco popular, e me puxou pelo pulso ao correr para o banheiro. O vigia bateu na porta em poucos segundos, e nos levou para fora. A menina me implorou para não dizer que tinga culpa, e como toda idiota, tomei a responsabilidade para mim. As pessoas me olhavam com repulsa, como se eu tivesse matado alguém. Eu chorei, disse que pagaria depois, porquê dinheiro não me faltava, e ninguém acreditou em mim, porquê andava sempre como uma mendiga, já que grifes e sapatos bonitos não me atraiam, era como a Hanover do filme Meninas Malvadas 2. Ao chegar na casa dela, sua mãe, uma mulher que parecia viver de drogas e álcool, me deu vários sermões, como se eu fosse a má influência. Entrei em desespero, e cheguei ao ponto de dizer que sofria de cleptomania, por causa da novela das 9, só para proteger aquela garota. Alguns dias se passaram, e a mãe da menina que descobrir se chamar de Edna, foi falar tudo ao meu pai, que é claro não duvidou dela nem por um minuto. Afinal de contas vivia pegando as coisas de minha avó sem permissão, quebrava objetos, e era a maior fofoqueira, uma cobra como ele mesmo dizia, então só podia ter roubado mesmo. Ouvi muito naquele dia, até meu pai se calar, e agir com frieza, só que foi a noite que não pude suportar a mentira, não quando ele falou a minha mãe, que fazia de tudo por mim. Contei-lhes a verdade, e logo o drácula (apelido que dei ao papai, por ter o cabelo igual ao do vampiro) mudou sua postura, e tudo teria acabado bem se Manuela, não continuasse com sua versão falsária, e falasse a todos da escola. Discutimos muito sobre isso, e os outros apenas riram, dizendo que aquilo era uma verdadeira novela. Novamente, ninguém acreditou em mim, e talvez por isso tenha perdido a cabeça. Numa tarde qualquer, as meninas foram para a casa de minha avó, e todas ficaram do lado inimigo na hora de outra discussão. Me enfureci tanto, que fui ao fundo do terreno, e soltei os cachorros para devorarem-nas. Não senti pena de seus gritos, nem tive compaixão, só desejei destruí-las, meu pai veio socorrê-las, e me deu aquele olhar de “Você é uma aberração”. Mas não me senti como errada, só tive a sensação de mostrar minha força. Este não foi o primeiro episódio de traços psicopatas, acho que a solidão me fez monstruosa, pois nem minha prima escapou. Só que para retratar melhor essa história, teremos que esclarecer como era a minha relação com os parentes. Antes de minha prima nascer, achava que era hábito da família de meu pai serem tão frios, e pouco afetuosos, interessados apenas no quê se podia ganhar, e sempre negarem a derrota, e os sentimentos mais profundos.  Frases como “Você tem que colocar o dinheiro na frente do amor” e a “Família e a amizade acima de seu companheiro” eram bastante repetidas por minha família de sangue. Então achava compreensível, que sempre exigissem muito de mim, e não houvesse uma gota de reconhecimento, por tudo que alcançava. Até que um nascimento, mudou a minha opinião a respeito deles. Das migalhas que recebia, o pão de amor e atenção era todo da minha prima, que viera depois de mim. Dizem que o primeiro é sempre mais paparicado e querido, mas hoje estou aqui provando o contrário. Se tirava uma nota boa, havia apenas o mais gélido parabéns, só que se a menina aprendia a amarrar os sapatos, tinha de haver um almoço para comemorar. Se surgia uma personagem feia, gorda e nariguda, minha avó fazia questão de enfatizar que “era a minha cara”, mas se tinha uma atriz bela, ela dizia que era igual a Menara, a sua favorita. Como se não bastasse, eu tinha que lavar a louça, arrumar a casa, e servir de empregada para as visitas, enquanto a princesa ficava vendo TV, sendo que ali tinha muitas empregadas, era humilhante. Para piorar a “mimadinha”, adorava entregar meus planos, e nem mesmo com meus dons, podia sair ilesa quando aprontava algo. Ao chegar na sala, trocava os programas , para por desenhos estúpidos sobre como contar  “1,2, e 3”, e a maioria aprovava suas tolices. Minha vida era um inferno, como se não fosse o suficiente, não ter amigos na escola, não tinha paz em casa, nem isso, nem carinho. Era sempre culpada por tudo de errado, e a minha mãe, a única pessoa que me amava e me apoiava, estava sempre presa no trabalho, e eu só a via a noite. Era horrível, sim, eu tinha inveja do amor, que minha família paterna direcionava inteiramente a aquela garota, e tal coisa me consumia tanto, que chegava a desenhar a todos que machucavam, morrendo esquartejados, pelas minhas próprias mãos. Quando não, pegava velas, e ia para o galpão onde desenhava no escuro, pois em meio a tanta solidão, me sentia melhor ao ficar isolada. Porém houve um tempo, que acabei explodindo, e sobrou para ela. Tinha 12 anos, e havia acabado de chegar  da aula, com a mochila nas costas, e uma rejeição cravada no peito. Como de costume, coloquei na Playtv, o melhor canal de entretenimento na época, e então aumentei o volume, pois como num passe de mágica, só estavam tocando músicas sobre amor platônico. Estava devastada, era rejeitada pelas amizades, pelos meus familiares e pelo amor, não tinha paciência para as asneiras de uma criança, que tinha tudo o quê queria. Mas ao contrário de mim, Menara estava animada, feliz, radiante, e como poucos lhe diziam não, ficou pulando no sofá, e puxou a folha do meu caderno. Acho que perdi a noção depois disso, já que tudo do quê me recordo em seguida, é das minhas mãos no seu fino pescoço, pressionando-o sem parar, pronta para cortar o mal pela raiz, e eliminá-la para sempre. No entanto, quando tive um momento de lucidez, pensei que poderia ir parar na cadeia, e só por este motivo, não fui até o fim. Ela contou ao meu pai, que novidade, me tratou como um monstro, só que naquela altura após ser tão maltratada, nem ligava mais, e menti com gosto, alegando não ter feito nada. O mesmo veio a acontecer, quando tinha 14 anos, desta vez com um gato que tentei sacrificar, só que ao ver seus olhos azuis, fiquei tocada, e decidi que não mataria nenhum animal doméstico, eles não mereciam essa tortura gratuita. Com o tempo cansei das migalhas dos Mariano, e passei a ir direto para casa dos meus pais, onde ficava sozinha o dia todo, mas livre daqueles lobos devoradores de alma. Foi nessa época, que fiz minha primeira amizade que valeu a pena, pois foi com ela, que aprendi o significado das minhas experiências paranormais, e com quem pude ter a segurança, de compartilhar sobre os garotos de quem gostava, sem ter medo dela me tomar um deles. Seu nome era Vanessa, e ela era bem diferente das patricinhas hipócritas, com quem tentei desenvolver a amizade, e dos nerds inocentes que levei a perdição, por ser um pouco pervertida para a minha idade. Meus pais não gostavam da nossa amizade, minha mãe porquê qualquer uma que se afastasse de ser uma Barbie, era malvista, e meu pai, porquê éramos de classes sociais diferentes, o quê na sua visão implicava em ser só uma interesseira. Mas eu preferia ter alguém digna de compartilhar as minhas coisas, do quê uma enchedora de saco, que era uma pedra enorme no meu sapato, e ele não entendia isso. Aliás ele nunca entendia nenhuma das minhas escolhas, como quando terminei meu namoro com o garoto dos seus sonhos, e ficou falando para voltarmos. Pouco antes de conhecer quem viria a ser a minha melhor amiga, eu andava com os veteranos do colégio, junto ao povo da 6° série, minha turma com quem tentava ter uma boa relação, apesar de tudo. Adorava ir pra sala deles na hora do recreio, pois sempre me dava bem com os mais velhos. Todo dia íamos comprar tip-top, um chopp, ou  sacolé como alguns conhecem, que era vendido por alguns centavos na época. Catávamos moeda por moeda e íamos até a loja, com as nossas bandanas amarradas na testa, uma marca registrada do grupo, que fora inspirada no anime Naruto, e por isso nosso nome era  “Naruteiros”. Enfim...Pouco a pouco todos iam para casa, e ficava apenas eu e Caio, um nerd veterano, muito bonito, que lembrava o Fred do programa ICarly, amigo de minhas duas amigas Ariane, uma Naruteira nata, e Luane, uma quase anti-anime, que estava no grupo pelas conversas de meninas. Ele era um cavalheiro, que fazia questão de me esperar, para poder partir. Conversávamos bastante, sobre os interesses em comum, e as minhas tristezas, que se resumiam a rejeição do seu melhor amigo, um idiota, que só teve minha atenção porquê tive um péssimo pai. Ao vê-lo todos dias, meu pai sempre brincava que o rapaz estava interessado em me namorar, e eu achava que não. Até que ele revelou gostar de mim, e começamos a namorar, com direito a ir conhecer sua família, e tudo mais que é importante, para provar que o relacionamento é sério. Muitas meninas ficaram chateadas, pois por ele ser bonito, era bastante popular entre as garotas. Eu não ligava, o achava legal, por ser parte do grupo, e como tal me conhecia bem. Sabia até que eu era a responsável por mostrar aos Naruteiros, a versão erótica do anime que nos uniu, e não me tratava como uma vadia por isso, então tinha motivo para me orgulhar. Só que por mais que eu tentasse, não conseguia gostar dele, tanto quanto ele gostava de mim, tinha dificuldades em expressar meus sentimentos, porquê eram quase nulos, e por isso na primeira besteira terminei nosso relacionamento. Por alguma razão, ele quis voltar, mas eu não, e pior o humilhei perante seus amigos, ao gritar que gostava de outro, e esse outro era o seu melhor amigo. Sim, fui uma idiota, e hoje me arrependo, não porquê acabou, mas sim pela forma que o tratei, ele era um cara legal, e não merecia que eu despejasse todo meu ódio interno nele. Apesar de saber tudo isso, meu pai nunca aceitou o fim, e até hoje anos depois diz que aquele era o cara certo, assim como acredita que minha amiga, foi má influência. 

    Capítulo II

    Conhecendo o oculto




    “Portas se movem com o vento, não se sabe o quê há lá dentro. Palavras rimadas, podem ter consequências desastrosas. Cuidado com o anjo que agora virou o demônio”




    Após terminar com Caio, e levar outro fora do babaca, que por pouco não apanhou da Vanessa. Vivi uma das épocas mais felizes de minha adolescência, pois finalmente tive com quem compartilhar minhas dores e segredos. Nós duas sempre levávamos foras, só que tendo o  ombro uma da outra, qualquer fato ruim se tornava alegre. Mas minha vida com minha amiga, não era tão comum, ela tinha uma amiga fantasma chamada Laura, e sem querer fiz uma amiga também, que se chamava Samara. Algo que no começo me deixou com muito medo, porquê ela escreveu seu nome na parede, e havia um filme de terror de sucesso denominado de “O chamado” no qual a personagem Samara Morgan saia de dentro da TV, para matar todos os que viam a fita da sua morte. Detestava aquele filme, pois como ficava muito tempo só, a TV era a minha única companhia, e temia que algo acontecesse comigo. Inicialmente,  fugi de casa com medo da fantasma, e fui pra casa da minha amiga, que ficava há uma rua de distância da minha. Nós tentamos confrontá-la, só que parecia pior, faltava luz a noite, as rajadas de vento eram intensas, e víamos pessoas nos quadros de paisagens. Exatamente como num filme de terror, ela riscava as paredes, escrevendo mensagens bem agressivas. Eu chorava de medo, pois via muitos programas sobre assombrações, e o fim era sempre trágico. Não queria morrer tão cedo, até que um dia, Vanessa me ensinou  a fazer o tabuleiro oija, usando o meu fio de cabelo, papel e caneta, e me comuniquei com a visagem. Ela não era um espírito da casa, tinha vindo comigo de nossas andanças pelos cemitérios. Apesar de zombeteira, não queria me machucar, só queria companhia tanto quanto eu, e logo nos tornamos amigas. Minha família não aprovou nossa amizade, tinham medo demais dela, e só me criticaram pelo laço estabelecido. Como estavam enganados, ter a Samara por perto foi a melhor coisa, pois sabendo que tinha uma amiga do outro mundo, me sentia mais segura, quando voltava para casa, ou andava pela rua. E tudo deu certo até que um dia, num domingo adormeci no sofá, e vi uma esfera de luz branca vindo até mim. Era a minha amiga se despedindo, disse que nossa amizade havia lhe levado de volta para a luz, e agora precisava partir, nunca mais a senti desde então. O quê me levou á procurar por uma nova amizade, mas isso não acabou tão bem, um espírito nada gentil se apresentou no tabuleiro. Ele tinha 37 anos, não fazia questão de ter novos amigos, e após o chamado, coisas terríveis começaram a acontecer. Facas caíram de dentro do armário, sempre que íamos pegar algum utensílio. Vultos passaram a nos assombrar, e a segurança se reverteu em medo. No entanto apesar do perigo eminente, algo nos protegia, pois quando a lâmina chegava perto do pescoço, desviava para o lado oposto, evitando um acidente. Pra ser sincera, mesmo assustada, aquilo era incrível, e me motivava a estudar e pesquisar sobre o mundo paranormal. Todo dia lia livros espíritas, e ia para a lan house, uma casa de acesso a internet, e perguntava a amigos como proceder, para comprovar a teoria dos fatos, e foi assim que realizei meu primeiro banimento. O processo foi simples, a casa era minha, e nela o espírito não podia habitar, sem permissão. Então eu literalmente o expulsei do meu lar. Nesta época, estava num relacionamento conturbado, com um suposto mago, que me achava “trevosa demais”, por ter ideias bem distantes do moralismo. Este sempre me criticava, aliás o conheci numa discussão, por ter vindo brigar comigo em um chat, nem sei como isso se tornou um namoro virtual. É, eu era solitária, e como toda pessoa sem autoestima, vivia na internet, a procura do par ideal, pois acreditava que ninguém da cidade, poderia ser o homem dos meus sonhos. Bobagem, eu sei, mas tinha 14 anos, nada sabia sobre a vida, apesar de achar que sim. Entrei nessa onda, depois que minha tentativa de conhecer o par perfeito, por um cadernos de perguntas, pareceu ser a maior farsa de todos os tempos, e aí que se inicia outra parte da história... Certo dia, as meninas começaram um jogo em sala de aula, no qual faziam várias perguntas, num caderno, e entregavam para os outros assinarem. Assim se fazia novos amigos, ou encontrava-se um par, e como eu era tímida demais, vi que esta era a oportunidade perfeita, para conhecer as pessoas. De alguma forma, o meu caderno foi parar nas mãos de um amigo de Vanessa, que se chamava Karlos, e este havia lido as minhas respostas, e supostamente teria se interessado por mim. Começamos a escrever cartas, estilo romeu e julieta, e marcamos de nos encontrar em vários lugares, mas em nenhum deles ele foi, e a única vez que acho que o vi, foi no show da Pitty, que teve na minha cidade natal Macapá-Ap. Só que como estava sem comer pra ficar em forma, acho que foi parte de um delírio. Após algum tempo, comecei a duvidar de sua existência, podia ser muito bem a minha melhor amiga escrevendo as cartas, já desgastada de tanto de me ver chorar, por babacas que me faziam sofrer. Foi quando conheci Dante, o pseudônimo do tal mago, e acabei por “trair” esse fantasma, uma boa razão para terminar, contudo segundo minha amiga, ele vivia o mesmo dilema, dizendo que fora inventada, e após o termino com o ocultista da luz, queria voltar, só que eu temia que se vingasse e me deixasse, por isso recusei a proposta. Depois do fim com Dante, por causa do meu conto incestuoso, que era na sua visão, terrivelmente grotesco, me envolvi com um fantasma, que se chamava Yuri, e acredite em mim, foi o fim da picada levar um fora de um espírito! O engraçado é que com tantos fracassos no amor, sempre me recuperava rapidamente de um término, num dia chorava, e no outro voltava a luta. Todavia, há um dia que merece ser lembrado, não me lembro com quem terminei, só de ter ido até o fundo do quintal da casa de minha avó, onde me sentei numa construção de madeira, e a mesma se encheu de pássaros negros, que ficaram envolta de mim em plena 18 horas, sob o céu parcialmente nublado. Foi estranho, e não consigo me esquecer desse dia. Mais tarde, por sugestão de um amigo, comecei a conhecer o satanismo moderno de Anton La vey, e adorei cada página da bíblia satânica, porquê suas regras se tratavam de responsabilidade, e não obrigações como a Wicca, religião para qual anos antes tentei entrar , mas não deu certo, porquê parecia uma forma de cristianismo disfarçada com magia, e não me manteve atraída. Por conta disso, aos 15 anos  passei a procurar por um parceiro adepto do satanismo, e assim passei a andar com o namorado de minha amiga Gláucia, que me garantia que ia me encontrar alguém. Seu nome era Rodrigo, e o cara se considerava o maior satanista da cidade. Era um babaca completo, falava mal dos que pouco compreendiam Satã, e adorava zombar, principalmente dos que se diziam “filhos de Lúcifer”. Por ser conhecido como “sinistro” se achava o tal. Uma vez, me apresentou a um amigo, mas este se encontrava abaixo das minhas expectativas, bem abaixo por sinal.  Certa vez, me chamou para sair, e eu aceitei, porquê fazia tempo que Gláucia, o jogava para mim, criando situações para nos deixar a sós. Desta saída, virou um namoro, que para a minha surpresa, foi um choque para Gláucia, e quando o mesmo não deu certo, porquê Rodrigo mentiu para mim, fiz o meu primeiro ritual de magia negra. Era halloween, meu namorado idiota, disse que estava doente para ir a festa comigo, mas mais tarde, uma amiga veio alegar que ele foi ao evento, e isso me deixou furiosa. Ás 5:00 da manhã respirei fundo, e pensei na minha vingança. Quando deu 6:00, peguei um papel e caneta, e escrevi com detalhes, canalizando minha ira que algo terrível lhe aconteceria. Selando o papel queimado nas beiras, com meu nome escrito com sangue, junto dos nomes dos príncipes do inferno, na ordem de seus elementos. Naquele mesmo dia fui visitá-lo, este estava “quebrado”, mal conseguia andar, seus olhos amarelados e murchos, tinha ido ao médico, e este atestara suspeita de pneumonia. Contei-lhe sobre o quê havia feito, e este implorou para que eu desfizesse meu ritual,  assim o fiz, tinha lhe dado uma lição e isso bastava. É claro que o relacionamento não durou, um dia brigamos, e eu joguei o anel que me dera na sua cara, diante dos amigos. Mas este não foi o único  motivo para dar um basta. No mesmo ano, entrei no jogo dos espíritos, e fui ameaçada de morte, para terminar com ele, no dia 10 de uma determinada data, acho que era outubro ou novembro, do ano de 2010. Se foi em 10/10/10 é uma enorme coincidência, pois só vim saber dos chamados portais, em 11/11/11, no entanto, não posso afirmar nada, pois não tenho certeza. Retomando, após receber a tal ameaça, mantive o relacionamento, apenas para irritar as entidades, e a Glaucia, que vivia me atacando com paus e pedras , através de mensagens na rede social Orkut. A vida era minha, e um bando de gente morta, e uma garota, não devia se intrometer. Mas isso aconteceu após fundar a minha própria seita chamada Sees, então eu e as componentes do grupo quase morremos, aliás em um dos  encontros, nós 4 quase fomos atropeladas, e para acabar com as “quase mortes”, tive de largar o canalha, a pedido das meninas. Não foi difícil, há semanas vivia sonhando que ele e Gláucia voltariam, e como minhas previsões oníricas, quase nunca erravam, preferi deixar pra lá. Ele já tinha cumprido seu propósito, tirar minha virgindade, e ficar uns meses comigo, para não ser como as outras otárias, que o cara desvirgina, e no dia seguinte some. Eu não o amava, só dizia isso pra iludi-lo, meu “amigo”( cara em quem fui interessada por um tempo, mas não deu em nada, por me muito vadia) Midaní sabia disso. Tudo o quê eu gostava nele, era o fato de ser satanista, fora isso nada mais lhe era atraente. Falava errado, não era elegante, se misturava com qualquer um, e ainda se achava no direito de comandar, as diretrizes de um verdadeiro satanista. Quando acabou foi libertador, nunca me senti tão bem por me  ver longe de um fardo. Na mesma semana, fui atrás de um encontro, e mudei meu pseudônimo para Carry Manson, dizendo a mim mesma que seria diferente, e finalmente acharia alguém digno de mim. Era sábado a noite, fui a uma casa de acesso, enquanto minha mãe estava no trabalho, lá entrei na rede do MSN, onde fui bater um papo com um garoto, que desde a época das cartas do garoto misterioso, me chamava para sair, e eu dizia sim, mas não ia, temendo que fosse um maníaco, ou pior, alguém que não me atraísse. Seu nome na rede era Nightmare BK, havia o conhecido, por ser um dos amigos de Vanessa, ele não tinha foto, mas um motivo para não confiar, e sempre que conversávamos, mandava exclamações, o quê me levava a crer que era um rapaz alegre, e eu sempre preferi os solitários aos palhaços. Mas pensei: Quem sabe não tenha um amigo que faça o meu tipo? É claro que só quer sair comigo, por me achar bonita, não tô ferindo os sentimentos de ninguém. Enviei a mensagem, e perguntei se a gente tinha brigado , porquê realmente eu me focava tanto no satanismo, e nas minhas desilusões, que mal lembrava do porquê a gente não se falava mais. Ele disse que não, então fui direto ao ponto. Falou-me que tinha um amigo e ia ver, depois voltou e disse que não dava, mas que ele estava disponível, por alguma razão aceitei e peguei seu número. Ficou claro que ele estava interessado, e tinha inventado um amigo, então por quê não? Até onde sabia podia ser minha alma gêmea. Realmente não sei, como o pensamento de “ele é um louco” foi para “Minha nossa é o meu futuro ex-namorado”(Depois explico) mas aconteceu. No domingo a noite, liguei para ele, e rapaz como me enganei! A sua voz era melancólica e profunda, bastante séria. Me apaixonei, mas para saber se seria amor, ele precisaria responder as mesmas questões do meu caderno de perguntas da 8° série. Eram 100 questões, com tudo o quê eu queria agora de alguém, e ocorreu que ele era compatível comigo em 99%, algo que nos rendeu uma ótima conversa de horas, antes do nosso encontro na segunda-feira, para o qual iria com Vanessa e Claudiane, só por precaução. Que garoto fascinante, acreditava em eventos paranormais, tinha histórias com fantasmas para contar, era um satanista nato, que ainda desconhecia sua vocação diabólica, não gostava muito de peixe, rock era o seu estilo favorito, mas não menosprezava os outros, e arrancar um sorriso seu era complicado. Ele era perfeito! Tão perfeito, que naquela noite fui dormir pensando nele, e sonhei que namoraríamos, e isso seria motivo de grande festa, entre minhas amigas. Aliás no sonho, eu estava feliz e tinha o olhar de realizada, dizendo: Eu tô namorando o Nightmare! (essa parte cantava que nem o início da música Nightmare do Avengend Sevenfold) Fui ao encontro, de botas dizendo que levaria a “Death people” escondida na mesma, minha faca de estimação, e o conheci. Nos apresentamos, e fomos andar pela Fortaleza de São José, o antigo  point jovem da pequena cidade. Segurei sua mão logo de cara, e conversei com ele, estava de boné, e usava os fones de ouvido, me senti um pouco tímida e desajeitada. Nos sentamos, e ele me deu um dos fones, ouvimos a Hollywood Worm do Papa Roach, e ele me contou sobre o clipe, de como o rosto da moça se despedaçava neste. Só que o danado, gesticulou, tocando meu rosto, e fiquei corada. O encontro foi bom, mas não durou muito, meu pai, agora separado de minha mãe,  queria “me ver”, e nos interrompeu. Ficou furioso ao saber que estávamos no morrinho escuro, mas minha felicidade era tanta, que nem me importava. Já me via namorando ele, só faltei ter dito “acho que tô apaixonada por você”, quando mandei um SMS, mas ele achava cedo demais, e por isso lhe dei um gelo, e fui dormir. No dia seguinte tinha algumas mensagens suas, respondi com frieza em dobro, se seria só um fica , eu nada mais queria. Foi então que marcamos o segundo encontro, agora na praça da bandeira, neste definimos o quê queríamos, e porquê queríamos. Juntos cometemos o mesmo erro, falamos dos ex’s para enfatizar as razões dos términos, e tínhamos a mesma opinião: Queríamos algo sério. Como ele mesmo disse “eu não gosto de relacionamentos de 1 segundo” e eu gostava menos ainda. Após nos resolvermos, fomos para um banco, e ali ele me roubou um beijo. Foi o meu primeiro beijo roubado, eu acho, não consigo me lembrar de mais ninguém fazendo isso comigo, antes dele. Deve ser por isso que foi tão mágico, e ao mesmo tempo cheio de tesão. Ele tinha uma pegada na cintura, que ficava entre safado e santo, na medida certa. Depois disso fui pra casa, outra vez feliz da vida, finalmente alguém que era exatamente o meu tipo, estava comigo, e isso era o máximo. Agradecia aos deuses, mentira, somente a Satã, pelo tal amigo dele não poder ter ido. Naquele ano... Passamos o natal juntos, foi a primeira vez que não estive com aqueles abutres dos Mariano, ou com os santos dos Cavalcante, e isso me deixou super feliz. Fui logo para o quarto dele, e lá nos “pegamos” e as coisas foram esquentando, pois estava com um sexy vestido de veludo. Numa hora estava por cima o beijando, outra por baixo, e sentia seu corpo colado ao meu. Mas apesar do evidente fogo, decidi que só iria pra cama com ele, depois de 1 mês, para garantir seu interesse em mim por algum tempo. O quê tá pensando que é só vim e me levar pra cama? Era uma vadia mas não a esse ponto. No natal perguntei se podia mudar o meu status do Orkut para " namorando", sim fui bem direta, e a resposta foi sim, e mudamos o status, era oficial estávamos namorando, só que segundo ele na sua visão nosso namoro começara no segundo encontro. Certa vez ele foi na minha casa, e eu o enrolei até não ter mais ônibus, fazendo-o ficar para dormir. Desgraçada como só eu sou, coloquei a camisola mais curta que tinha, e dormi de costas para ele.  Faltava pouco para fazer um mês, e eu queria deixá-lo louco para nossa primeira vez. E quando a hora chegou foi um desastre, achei que tinha deixado de ser virgem, e quando o senti, parecia que não. Ele logo parou, não forçou a barra, até que no dia seguinte, estávamos vendo TV, e começou a tocar a Sweet Dreams na versão do Marylin Manson, fiquei excitada na hora, e tentamos de novo, desta vez deu certo. O engraçado é que na minha suposta primeira vez, tive de parar tudo, para colocar essa música. Enquanto que com o Nightmare, foi tudo tão natural, que quase parecia surreal. Após a nossa primeira transa, houve uma intensa maratona de sexo proibido, já que meu pai nem sonhava que eu não era mais virgem, e vivia no quarto com minha mãe, naquele lenga lenga de volta ou não volta. Quando lhe contei sobre, culpou o Nightmare, dizendo que eu tinha dito que era o outro, para protegê-lo, mas me senti super responsável, e fiquei tranquila, era o mínimo que podia fazer, estava quase completando 16 anos. O tempo foi passando, e cada vez mais estava perdidamente apaixonada por Nightmare, cujo o nome real era Brendo Araújo. Mesmo com toda a minha insegurança, ele estava lá, apesar de tentar me matar, ele me queria, ele me parava, ele me fazia sorrir, e não era tão bom moço, para querer me afastar da magia, o quê o tornava ideal. Aliás ele foi o meu escolhido, o único que poderia ser chamado de rei no Sees. Ah o Sees, o meu primeiro grande fracasso mágico, como poderia esquecer? Seu nome era uma sigla para “Seguidores da Estrela”. É claro que a estrela a qual me referia era Lúcifer, a famosa estrela da manhã, e tinha escolhido este nome de madrugada, enquanto estudava a bíblia satânica, exatamente as 3 horas da manhã. Alguns anos mais tarde, vim descobrir que a sigla SEES, também servia para identificar ao “ Senhores da escuridão”, um livro espírita  pertencente a trilogia Reino das Sombras, da qual só me interessara o livro “A marca da besta”, por ter lido um breve artigo numa revista do mesmo tema. Isso me interessou bastante, pois depois de estudar em artes sobre mensagens subliminares, fiquei obcecada por conspirações, e toda conspiração tinha um cunho religioso. Mas foi apenas um acaso, o Sees, não servia para dominar o mundo, e sim atingir metas pessoais, apesar de que no fundo acreditava que seríamos grandes, (não fomos). Mesmo sem conhecer a fundo a maçonaria, nela se  aceitava todos os tipos de religião, tudo o quê bastava era crer em algo. Já que após estudar muito e testar, havia concluído que: A fé era como uma chave, que destrancava o potencial da mente humana, gerando assim efeitos incríveis, que podiam mudar o ambiente, criando o quê se entende por “Magia”. Tínhamos algumas regras, naturalmente, mas a principal era “jamais destruir o círculo”, senão do contrário, espíritos iriam nos atormentar.  Como em todo bom culto diabólico, instituir um contrato, no qual os membros ofereciam suas almas a Lúcifer, e eu me responsabilizaria de guardá-las. O quê? Pensou que eu iria realizar ambições de graça? Não era agora chamada de “o demônio” ou “a bruxa” a toa. Apesar do pacto explícito, consegui 3 membros, (Vanessa, Rose, e Claudiane) de quem bebia o sangue, por saber que eram saudáveis naquele tempo. Não foi complicado, separadamente iniciei cada uma, e as fiz ler o contrato em voz alta, que as impedia de voltar atrás. Foi maldoso de minha parte, e me senti revigorada por minha astúcia demoníaca. Nosso símbolo, era uma maçã com um pentagrama dentro, representando o caos, e o conhecimento proibido. Nossas reuniões, eram cheias de carne ,doces, e bebidas, representando o oposto do jejum cristão. Tivemos poucas reuniões, pois pouco a pouco o grupo foi se desfazendo, mesmo depois de termos unido o nosso sangue, por causa da regra de que “cada uma era uma estrela.” Que dizia: Cada uma é uma estrela, mas juntas formam uma constelação. O quê significava que o quê uma sentir, a outra sentirá, até alcançar todas, formando um efeito dominó”. Apesar de ter funcionado bem no começo, o quê quase nos quase nos destruiu, pois fui ameaçada de morte, no fim cada uma seguiu o seu caminho. Afinal de contas, sempre colocamos o coração no lugar da razão, e foi assim que tudo desandou. Vanessa se afastou do Sees, porquê seu namorado era contra. Claudiane, porquê começar a ver sombras lhe assustava. Rose, porquê se sentiu incomodada, com a nossa queda, e eu porquê não teve jeito mesmo de continuar sozinha. Todas pagamos o preço, mas chegarei lá. Num de nossos encontros, eu e Rose vimos algo que bem, drogas serviriam para explicar, mas não usávamos isso. Fomos para o cemitério do bairro Santa Rita, o lugar onde mais me encontrava com meus amigos. (Sim agora tinha amigos) Ao chegarmos lá um homem saiu do mato, coberto por um chapéu e nos perguntou: Estão aqui a passeio ou a trabalho? Respondemos a passeio, que tínhamos ido visitar nossa tia, o sujeito riu, e falou “cuidado com as visagens” antes de partir. Rose logo retrucou: “Tenho medo dos vivos, não dos mortos” e eu bradei com satisfação “A morte é só uma escapatória para os covardes” (O quê houve com essa garota?! Sinto falta dela.) O estranho pareceu contente com a resposta, e se foi dentro do mato. Começamos a nos sentirmos tontas, e as sombras das árvores, ganharam forma de pessoas. Vimos os rostos de 5 mulheres e 2 homens, ou 3 homens, isso até hoje é incerto. Era como se o representasse o Sees, em outra época, dava para perceber pelas vestimentas. Mas isto não foi o mais impressionante, naquele dia tive uma visão da minha outra vida, ou pelo menos é o quê parecia. Vi uma dama enforcada por cipós cheios de espinho no topo de uma árvore, prática comum na eliminação de bruxas no século XV, tempo ao qual suas roupas se remetiam. Teria sido eu uma bruxa? Não tinha certeza, afinal de contas até ali, nunca tinha tido um mestre, para me ajudar a desvendar este mistério, no seu lugar, só vieram guias. Pessoas que não me conheciam, e diziam coisas enigmáticas, e as vezes pessoais. Como: “Você é especial sabia? Não desista do quê tanto quer, você vai conseguir, um dia vai brilhar” (Vai por mim, não parecia clichê de autoestima, principalmente porquê esse guia sofria de problemas mentais) ou “Quando te vi, sabia que você mudaria este lugar”. Foi então que a imagem se tornou ainda mais tenebrosa, o meu corpo caiu, e um ser meio homem, meio besta, de chifres de touro, veio recolher o meu corpo. Ele não arrastou minha alma a força, como dizem que seres assim fariam. Pelo contrário, me pegou no colo, como se fosse sua noiva, e desapareceu comigo numa névoa densa. Ao chegar na casa da Rose, eu desmaiei na sua rede, mesmo sem está cansada, e quando entrei no meu quarto, me vi rodeada de seres chifrudos, tão reais, que cheguei a ver um próximo do meu rosto. Quando contei ao Brendo, este achou interessante, mas não era um ocultista, para entender a profundidade da visão, uma realidade que fazia questão de mudar. Com ele não trapaceei, lhe disse exatamente como era o contrato, e ainda sim este fez o pacto. O pacto era diferente do das meninas, com ele me uniria para ser alma e carne. Tornando-o uma alma gêmea sintética, com a qual uni o meu espírito, através do sangue e o meu primeiro sexo mágico. No qual nós invocamos os 4 príncipes do inferno, para concretizar nossa união. E assim foi feito, ele se tornou o meu rei, e eu sua rainha no tabuleiro da magia. Após a entrada do primeiro dos 2 ou 3 homens, que completariam minha visão da vida passada, me animei para chamar mais integrantes, até consegui alguns, porém nunca mais houve uma reunião desde então, e o Sees acabou. No entanto, não era porquê tinha se findado, que eu desistiria de saber sobre porquê coisas estranhas ocorriam comigo. Precisava de respostas, e iria obtê-las, nem que para isso tivesse de ir ao Inferno.(Sério, cadê essa garota?!) Como? Através de viagens astrais, coisa que dentro de uma semana, já conseguia realizar. Mesmo que algumas vezes perdesse a consciência, quando falava que ia viajar ao mundo astral, minha mãe sempre via um vulto de uma garota correndo na casa, onde realizava os meus testes. Era tão simples, bastava me concentrar, que ia exatamente para o lugar que desejava. Desta forma, acreditava que seria fácil ir ao Inferno e voltar. Certa vez, cheguei em casa, exausta, porém pronta para a minha viagem. Tirei o uniforme, e fiquei apenas de calça jeans e sutiã, adormeci centrada em ir até o lar de Satã, e acordei na escola em que estudava, o Tiradentes. (Seria a escola o meu Inferno?) Estava chovendo, comecei a caminhar por ali, até que Carol, outra satanista declarada do Tiradentes, me viu e disse: “Ele quer falar com você, está lá na frente.” E sem entender nada, fui até o local por curiosidade. Foi quando um ser de chifres e asas de morcego, humanoide de rosto belo, veio até mim e ergueu sua mão, eu a segurei, e este me carregou em seu colo, levantando voo para longe, enquanto uma tempestade se aproximava, e vinha destruindo tudo pelo caminho. Ao passar ao lado de Carol, esta me olhava furiosa por ser deixada para trás, dentro de um carro que iria se desfazer com facilidade, ao se esbarrar no enorme tornado. Foi um sonho e tanto, que me levou a pesquisar sobre quem era aquele demônio, e tudo indicava que era o próprio Satã. Fiquei surpresa,  com quem tinha vindo me visitar, e fui em todos os grupos do Orkut, procurar por alguém, que pudesse me explicar, o quê de fato isso significava. Porquê o maior dos demônios, estava a me proteger, eu era uma soldada do inferno? Não sabia dizer, e as coisas se tornaram ainda mais estranhas. Na noite seguinte sonhei com uma pop up, que me fazia várias perguntas, mas a única da qual me lembro é você perdoaria a traição de um amigo? Na qual cliquei que me vingaria, e depois surgiu uma congratulação, por ter passado no teste, e me vi no meio de um rancho, onde se via a imagem de Jesus Cristo, sendo puxada para ser erguida, e mostrada aos fiéis, mas eu cortava a sua corda, impedindo-a de chegar ao topo. Este ocorrido me fez pensar que, havia sido convocada para o exército do Inferno, e agora era uma soldada infernal. Na escola, por onde passava com meus trajes extravagantes, causava o fascínio e o temor nas pessoas, uns faziam o sinal da cruz, outros me chamavam de Dark Barbie, e uma pessoa não parecia nada feliz com minhas descobertas, e esta era Carol. Ela se aproximou de mim do nada, até hoje não sei o porquê, provavelmente era uma amiga de Gláucia, mas quando aconteceu, isso nem se passou por minha cabeça, quer dizer já tinha terminado com o Rodrigo, e se era isso o quê queria, o quê ganharia me perturbando? Ela era jovem, me contava as suas histórias sobre o oculto, e eu lhe contava as minhas. Se declarava poderosa, tendo o dom da palavra, ou seja o quê dizia se realizava, e eu era só uma mera aprendiz. Certa vez ela me contou sobre os filhos dos demônios, e quando lhe perguntei se eu também poderia ser, dado a algumas semelhanças entre nossas experiências, esta disse com agressividade: Não! Você não! Aceitei aquilo, porém isso desencadeou uma suspeita, se eu não poderia ser, porquê responder de forma tão abrupta? Será que a realidade era que ela não queria que eu fosse? É uma dúvida que ficou a pairar. Certa vez fui visitá-la em sua sala, apesar dos atritos, era bom poder falar com alguém sobre satanismo sem ser julgada. Mas a jovem começou a se afastar de mim, alegando que minha energia a deixava com dor de cabeça. Não achei que poderia ser mentira, pois depois de sua resposta hostil, ficava sempre com o sentimento de desconfiança, e como não sabia me controlar, acabava lhe atingindo. Aliás, isto não era incomum, toda vez que me chateava muito, provocava dores no corpo das pessoas. Minha mãe era a maior vítima, pois quando me rebelei contra o seu cristianismo, ela tentou me matar alegando que eu era um demônio, e nunca a perdoei por isso. Não sei exatamente se era um ataque astral dessa menina, ou se eram entidades, mas todas as noites batalhava contra algo e vencia. No mundo dos sonhos, era atormentada por pessoas me perseguindo, como quando era criança, e lutava ao lado dos monstros imaginários. Só conseguia vencer, porquê neste plano meus poderes eram

    maiores, e assim podia gerar tempestades e raios, fortes o suficiente para destruir meu oponente. Certo dia , essa garota veio até mim, e contou-me sobre um pesadelo que tivera comigo. Segundo a mesma, eu havia assassinado várias pessoas numa casa de altos e baixos, e saia do pentagrama para ir atrás dela, deixando-a assustada. Todavia para ter utilizado o termo "pesadelo", é porquê com certeza o final não lhe agradou. Talvez sua seita particular estivesse mesmo em guerra comigo, e isso se tornaria mais suspeito mais tarde...Antes do Sees se desfazer, houve uma notícia que nos deixou boquiabertas. Justo no cemitério onde praticávamos nossos ritos, foi encontrado um bode morte, túmulos destruídos, e alguns outros itens que fizeram as pessoas desconfiar de magia negra. É claro que um lugar assim, seria utilizado para tal fim. No entanto, foi muita coincidência acontecer, quando passamos a ir com mais frequência a aquele lugar. Era como se algo quisesse nos impedir de prosperar, (e conseguiu) já que devido a este fato, a vigilância se tornou maior, e assim ficou difícil de entrar lá. O quê me trouxe muita tristeza, porquê costumava ir com meu melhor amigo Bruno, e Rose (uma das minhas melhores amigas) para lá.  Aquele espaço, era fúnebre, mas cheio de lembranças doces de pequenas coisas erradas que fizemos como: A primeira vez que Bruno bebeu. Quando Claudiane cuspiu num túmulo, e o morto disse a Vanessa para lhe passar o recado. Quando fizemos o jogo dos espíritos, após muito tempo. Os roubos das doces frutas dos mortos. As reuniões do Sees. Enfim essas preciosidades, na vida de uma garota demoníaca. Lembra que eu disse que agora tinha amigos? É hora de apresentá-los, creio eu que não será tão absurdo quanto parece. A primeira continua sendo a Vanessa. A segunda é a Rose, que sempre me acompanhou nas minhas loucuras, e foi minha namorada de plástico, para afastar alguns carinhas no colegial, e após os 18 anos. O terceiro é o Bruno, um garoto que conheci na 6° série, por dizerem que "queria me conhecer", mas só veio se tornar meu melhor amigo mais tarde, quando ingressei no ensino médio. O quarto é o Midani, um baixinho sagaz, que despertava meu interesse, por entender bastante do mundo obscuro, mas foi uma amizade que durou por pouco tempo. A quinta é a Adriana, alguém que chegou de mansinho, e conseguiu um lugar no meu coração. A quarta é a Nicole, mas falarei dela lá na frente, então fica o spoiler. E o sexto e último é o Renan, um ex-evangélico, que pegava no meu pé por ser satanista, e dizia ter aulas de exorcismo. Rose foi alguém que conheci por intermédio de Vanessa, já que ambas estudavam juntas. Era no começo uma amizade por associação, que logo virou uma amizade para todas as horas. Foi a amiga que mais vivenciou meus dramas, e minhas atitudes loucas. Com ela dancei no meio de uma multidão, andei tranquilamente de preto. Faltei algumas aulas, apenas para andar pelos corredores, fugindo dos monitores, conheci novas pessoas. E apesar de meus pais desaprovarem-na naquele tempo, foi quem salvou minha vida, quando cheguei perto de um coma alcoólico. Ainda no colegial, me casei com o Brendo, e fui viver por algum tempo na casa de sua mãe, um mês ou mais, isso não vem ao caso. Um dia implorei para não ir a aula, apesar de ter amigos, ainda detestava aquele lugar, mas ele sabia, o quanto era importante pra mim terminar, então insistiu para eu ir. Fui furiosa, sentindo que algo daria errado, e quando cheguei lá, não teve aula, e Claudiane me chamou para beber. Aceitei, não perdia a oportunidade de encher a cara, e chamei Rose para vim comigo, porquê era outra papuda. No caminho, nos separamos, eu e ela sentimos que algo daria errado, e fomos por um caminho diferente. Ao chegarmos no puerão, compraram Vodka, detestava essa bebida, preferia vinho, mas sendo o quê tinha não reclamei. Havia muita gente lá, que nem se quer conhecia, e começaram a ouvir funk, para se animarem, odiei está ali, e gritei para tocar Lady Gaga, pois na época, era a única cantora pop, que ouvia. ("Porquê será?") Rose rebolou até o chão, não tinha tanta frescura quanto eu, então bebi meia garrafa sozinha, só virando sem parar, e fiquei tonta. Comecei a ver anjos ao meu redor, e me desesperei, porém em vez de pedir "Socorro", gritei algo como "Eu vou matar vocês!". O dia que estava ensolarado, sem qualquer sinal de chuva,  nublou, e a água pingou do céu. Todos foram embora, com exceção de Rose, que ficou comigo, enquanto eu vomitava espuma, na minha primeira camisa de banda, que o meu marido tinha me dado. Não me lembro de muita coisa, só de ter encontrado Tayane, uma conhecida do colegial, que me comprou água, e ter ido parar num bar, onde ligaram para o SAMU. Dali só me vem a mente, ter bancado a boazinha, e ter agradecido pela ajuda a  uma paramédica, enquanto Rose segurava minha mão, e ligava para o meu marido, pois a beira da morte, ele era a última pessoa que precisava ver, e que eu não parava de perguntar se havia o traído, pois este era o meu maior medo. No banco do hospital desmaiei, e tudo ficou preto, só me lembro de ver de longe aos meus pais chegando, muito mais chateados que preocupados, antes do meu corpo pesado cair. Fiquei furiosa com o Brendo, mas mais tarde vim descobrir, que ele tinha tentado chegar lá de bicicleta, sendo que eram 30 minutos até de ônibus, e não demorei tanto, por isso o perdoei por não está lá. Algum tempo depois, graças a esse fato, me usei como um exemplo de "ética amoral “numa apresentação de Ética, que fiz com o Bruno. Não tinha vergonha, e todos sabiam do quanto eu tinha bebido naquele dia, porquê era a maior má influência daqueles corredores. E por causa deste dia, minha amizade com Rose, se tornou ainda mais forte, ao ponto de dizer que eu, ela, e Vanessa formávamos um trio.Com o Bruno conversava todos os dias, sobre todas as coisas, mas principalmente magia, que era a minha grande paixão. Foi a pessoa que por mais quieta, e calada que fosse, me ajudou muito no decorrer do meu caminho no colegial,  não apenas nas provas e trabalhos, como também em coisas pessoais, pois sempre estava por perto, quando a linha entre a realidade e o místico se misturava. Uma vez tentei salvar a vida de um inseto, mandando-o para fora de nossa sala, e para a minha surpresa, o enviei para morte, pois devorado por um passarinho, e ele viu tudo, aliás foi até quem brincou sobre meu dom fatal. Além disso, com ele testei se tinha o dom da palavra,   falei que num determinado dia ele morreria, e no dia seguinte, o pobre chegou pálido, e assustado, pois um caminhão quase o atropelou ao voltar para casa. Não sei se tenho algum "dedo" envolvido nisso, mas quando lhe conheci ia para igreja, festejar com os jovens corretos, e mais tarde entrou para a wicca, a religião mágica que mais o agradou, por ser mais distante das trevas satânicas, e graças a isso, me conseguiu uma pista importante, para a definição de minha identidade futura. Interessado em magia wiccana, ele procurou uma amiga de sua mãe, que fazia parte de um coven, e lhe contou sobre mim, e a bruxa disse-lhe que no meu caso tinha de fazer uma escolha, e no dele ainda precisava estudar bastante. É na magia, eu era a aluna universitária, enquanto que na escola mesmo, parecia pertencer a 4° série. Só ia por obrigação, e passava, quando sozinha, apenas por ter um espírito muito forte, capaz de me dá as respostas certas, mesmo sem prestar atenção. Ele foi o amigo que esteve mais presente, em minhas aventuras absurdas. Com Midani a amizade não durou muito, porquê fiz a besteira de transformá-lo em um dos meus interesses, antes de me casar, e isso gerou um clima estranho entre nós, que perdurou até o último ano, quando já tinha seguido em frente, e estava feliz com a pessoa certa para mim. Acho que em seu mais alto grau de arrogância, uma qualidade que compartilhávamos, ele acreditou que aquilo duraria para sempre, e preferiu se afastar. No entanto no inicio era a melhor amizade do mundo, pois ambos tínhamos atração pelas trevas, e sempre trocávamos curiosidades, a respeito de coisas que para os outros eram bizarras, e assim nos apoiávamos, na luta contra a hipocrisia do mundo normal. Era divertido, e aprendi muito sobre a literatura proibida, despertando assim minha atenção aos autores hereges, iniciando minha leitura através de Edgar Allan Poe. Além de que nos meus piores momentos, ele esteve lá para dizer "Levanta essa cabeça e acaba com eles!" quando estava mergulhada em lágrimas. Não acho ruim que tenha se findado, pois graças a isso, passei a ficar mais perto do Bruno, alguém que só teve o meu interesse num dia, e foi no desespero mesmo. Não que não fosse bonito, ele era, mas não era nada o meu tipo, o quê colaborou para a amizade durar por anos, e jamais se quebrar.  Com Adriana tive uma amizade comum de garotas. Sempre que podia falava com ela, sobre tudo o quê me afligia, já que era o tipo que lhe faz querer confiar nas pessoas outra vez, sendo assim nos sempre nos apoiamos em tempos difíceis. No entanto apesar de ser bastante normal, ela sabia como eu era, e o quê fazia, por isso não precisava lhe esconder minhas anormalidades. Uma vez os meninos da minha sala, fizeram uma algazarra, que terminou com a janela quebrada, um deles sangrou, e ao ver aquele líquido escarlate me deu muita sede, comecei a me morder, porquê parecia está em abstinência, enquanto a Diana (como a chamava, para me destacar dos outros) me dizia "Calma. Se controla. Você consegue!" Além disso dois desses mesmos meninos, vieram a praticar bullying comigo mais tarde, e como resultado lançei-lhes uma maldição, apenas com o olhar, de que algo terrível iria lhes acontecer. Estava furiosa, e sem paciência para aturar gente comum, que tem a mente fechada, e não respeita o estilo dos outros, por isso não me contive, e canalizei meu ódio neles. Algum tempo depois, Diana veio me contar que a mãe de um faleceu, e o pai do outro também, tornando-os orfãos, e estranhamente aconteceu de eles pararem de mexer comigo após esse fato. Ela e eu sabíamos quem era a culpada, mas preferimos acreditar que foi coincidência, e até nos dias atuais, é melhor deixar assim. A ela influenciei com minhas músicas favoritas, animes, livros, filmes enfim tudo o quê me deixava mais feliz, e hoje ela é uma das madrinhas de minha amada filha Ravenna. E por fim vem o Renan, que completa a cota dos 6 amigos para a vida toda.(6 com Nicole que será apresentada lá na frente, com Midani perdi o contato) Com Renan a amizade parecia impossível, ele era evangélico, e ainda dizia ter aulas de exorcismo, sempre pegava no meu pé por ter orgulho de ser satanista, e algumas vezes suas brincadeiras me deixavam para baixo. Todavia

    era a única pessoa com quem conversava muito, já que diferente das outras meninas, não tinha vergonha de piadas impróprias, ou mesmo fotos de garotas nuas, e como se dizia parte do exército da salvação, era interessante dialogar, com alguém que tinha o pensamento diferente do meu, e descobrir mais sobre o lado inimigo. Graças a ele e seu grupo, fui muitas vezes salva de ser reprovada de vez. Já que na época que o conheci, estava mergulhada numa depressão profunda, após ter passado por um término, com um sanguessuga que me afastou todos, e desta forma preferia passar mais tempo trancada no quarto, do quê fora de casa. Era um amigo para quem podia contar, e que fazia da sala menos sombria, com suas histórias infames. Embora muitas vezes, acreditasse que algumas delas fossem falsas, por causa de nosso colega Jackson que sempre gesticulava, que era mentira, quando ele contava suas façanhas.  O colegial foi uma época conturbada mas teria sido pior, se não os tivesse conhecido. Outra de minhas grandes memórias mágicas, ocorreu quando era jovem e rebelde, porém esta não tinha a ver com a escola, mas sim com meu marido. Num sábado qualquer este resolveu sair, mesmo demonstrando que era totalmente contra, e para o seu azar, era casado com uma neurótica, que também era bruxa. Furiosa dancei a canção Mother Earth do Winthin Temptation, com toda minha desenvoltura e ira, concentrando-me nele. Quando chegou, ele me contou que quase não achou a casa de evento, e ao achá-la quase foi morto na hora da roda punk. Não satisfeita, ainda me centrei em seu coração, e imaginando-o bater, comecei a apertá-lo lentamente, deixando-o com uma sensação de frio no peito, mesmo que minha mão estivesse vazia. Novamente não fui até o fim, parei porquê só queria lhe dá uma lição, não acabar com ele para sempre. Ainda sim, mesmo com meus surtos, e as capacidades ocultas mortais, Brendo nunca deixou de me amar, já eu sempre tive o sentimento de que me abandonaria, porquê ninguém me suportava por muito tempo, hora ou outra as pessoas me deixavam, e foi assim que nosso relacionamento afundou. Numa noite também de sábado, combinamos de nos vermos, mas já era tarde demais, e o último ônibus havia passado, por isso não daria para ele ir me ver. Fiquei desolada, como se fosse o fim do mundo, porquê se passou pela minha mente que este era o sinal de que ia acabar, e seria mais um relacionamento fadado ao fracasso. (Neurótica lembra?)  Por esta razão, antes de me magoar, fiz o encantamento para esquecer um amor impossível, e o entoei com todas as minhas forças. Mais tarde...Brendo apareceu, tinha vindo andando de seu bairro até o meu, e eu fiquei feliz em vê-lo. O efeito não foi instantâneo, como pensei, então acreditei na frase dos Padrinhos mágicos "A magia não pode interferir em amor verdadeiro",(Qual é, se usam a mídia para nos doutrinar, por quê não seria real?) e o abracei com todo meu amor. Pouco a pouco a chama foi arrefecendo, o fato dele sempre está ali para mim, já não era o bastante, e com sua mãe, e meu pai tramando para nos separar, a situação estava cada vez mais difícil. Quando chegava em casa, e o via alegre, lembrava-me das palavras de meu pai. "Você quer alguém que caminhe contigo, ou que tenha de carregar nas costas?" E isso me chateava. Todo dia era o mesmo inferno na minha cabeça, e eu enfrentava todos por ele, porquê me achava forte o suficiente, para valer por dois, e que poderia mudar a situação. Então sempre antes de dormimos, lhe explicava que tinha de ir atrás de um emprego, já que não queria estudar, por considerar o diploma apenas um pedaço de papel, ao qual era atribuído muito valor, e me minha mãe já não suportava mais sustentar a nós dois, e era justo, porquê não éramos crianças. Mas em vez de me ajudar, ele só se levantava para ir procurar emprego, quando já não tinha opção, e se tornava muito cansativo, viver pedindo por seu auxílio. Assim como era um moleque, preferia deixá-lo, e colocava a culpa no meu pai, por me pressionar ao extremo.  E eu ouvia minha figura paterna, pois algumas vezes, parecia possuído pelo próprio Satã. Não de forma cruel, mas sim de maneira que me fazia questionar, qual espírito estava em seu corpo. Uma vez lhe disse que haviam me dito para não ingressar na magia, por não ser boa o suficiente, e ele respondeu irado: "Quem ousou dizer isso?!" Como se estivesse totalmente enfurecido. Sendo que meu pai Alessandro, nunca foi a favor da magia, pra ele quanto mais eu estivesse longe do caminho esotérico melhor, já que meu tio Thales havia falecido muito jovem, por ter se envolvido com os mortos. Então se o meu DeuS, era contra meu relacionamento, deveria ouvi-lo, por mais que algumas vezes parecesse mesmo ser obra do Sandro, e não de Satã. O problema foi logo resolvido, pela mãe do meu marido, que lhe conseguira um emprego em outra cidade, que ficava a horas de distância da minha. Não era fácil arranjar trabalho em Macapá, mas outra cidade? Isso não me agradava nem um pouco, só que era tudo o quê tínhamos, então tive de engolir e aceitar. Toda quarta-feira de folga Brendo vinha me visitar, se deslocava de uma cidade para outra, apenas para me ver, e ainda sim meu amor por ele só ia diminuindo. Eu queria mais da vida, queria alguém poderoso e sedutor, não apenas um apaixonado, sendo forçado a trabalhar, por não ter ambição. A relação estava desgastada, e para piorar ele ainda veio me dizer que numa semana passada, tinha conversado com sua Ex Amanda, que fez referência ao fato dos relacionamentos de Brendo terem o prazo de validade de um ano. Eu odiava essa garota, tinha sido sua primeira namorada, era a favorita de sua mãe, a qual vivia trocando nossos nomes de propósito, para defender sua queridinha, que era cristã, então isso me subiu a cabeça. Após ele partir, me envolvi com uma pessoa na internet, e tive um caso virtual, que durou uma semana, porquê não era tão vadia, quanto pensava. Sim, foram só palavras, mas para mim ter dito tais coisas, significava o mesmo que ter a coragem de fazê-las. Significava que já não tinha mais amor, e logo cometeria uma terrível traição, ainda maior que esta. Era hora de dar um fim a tudo. Na outra visita de meu marido, este me contou que em uma das suas visões, me via trocando-o por uma pessoa da internet. O quê era estranho, pois sabia bem como apagar meus rastros, e não tinha deixado evidências. Passava no máximo 1 hora online, quando estava em sua presença, então não tinha como desconfiar. Foi quando me certifiquei de que ele era mesmo um vidente, como havia me dito na nossa primeira conversa. Neste mesmo dia, ele teve uma espécie de surto psicótico, ao me ver diante da tela do notebook, saiu para a cozinha, e começou a bater as portas dos armários, sem parar. Depois voltou para o quarto, retirou o Soul,(seu canivete de estimação) e colocou a ponta do mesmo, sob a minha garganta, com um sorriso macabro, alegando que as vozes lhe diziam para me matar. Entrei em pânico na hora, e abracei o computador portátil, até que o larguei, e comecei a me forçar a chorar, para alcançar alguma parte sua que estivesse sã, da mesma maneira que impedi minha mãe, de me matar a facadas aos 14 anos. Isso pareceu tocá-lo, por alguma razão me sentia muito mais segura no escuro, e isso me levou a apagar luz, e lhe dá as costas. "Se essas vozes te ordenam a me matar, é porquê não são boas para nós" disse-lhe lamuriada, até que me abraçou, e dormimos. Na madrugada me levantei, e lhe contei sobre o caso que estava tendo, ele para minha surpresa, me perdoo logo de cara, e quis continuar comigo, mas eu quis terminar, não achava justo permanecer com ele, depois de enganá-lo. O tempo passou, terminamos, e voltamos, porém agora estava comprometida com uma garota, chamada Letícia, que apesar da distância, era a minha namorada, e não mentia para ela, e nem para ele, estando ambos cientes de suas existências aceitaram os termos, mesmo que para Brendo, fosse triste, já que agora não podia dizer sua frase favorita "Minha. Só minha". Leeh foi uma amiga a distância, de São Paulo, por quem me apaixonei, devido a sua personalidade cativante, e seu jeito doce de lidar comigo. Era a melhor namorada que alguém podia ter, e por ela quase fui expulsa de casa, já que minha mãe ficou furiosa ao me ouvir que agora namoraria meninas. Chamou-me de aberração, monstros, e vários outros insultos. O quê me levou a terminar com a Leeh, bem no dia que a pobre sofreu um acidente, mas ela era tão doce e perfeita, que entendeu minhas razões para findar o nosso relacionamento. 









































































    Capítulo III

    Novas frustrações




    “Verdade, mentira não sei dizer, antes achava ser real. Hoje acredito

    que não passa de uma fábula.”




    Brendo e eu fomos nos afastando. Toda vez que vinha me encontrar, estava namorando uma pessoa diferente, porém nem assim conseguia o deixar ir. Não importava quantos novos "amores" tivesse, não estava pronta para vê-lo sair da minha vida, mesmo sabendo que estava errada. Até que um dia veio alguém, que me ajudou a mandá-lo para bem longe mim.  Seu nome era Diogo, e eu o conheci por obra do acaso. Ele realmente não fazia o meu tipo, pois chorava o tempo todo, era doce, e educado, como um príncipe da Barbie, o único desenho de menina que não suportava. Mas por trás de tanta falsidade, havia alguém que não aguentava mais ser pisado, e estava prestes a explodir, e eu queria muito puxar o pino dessa mina. Não me leve a mal, naquele tempo estava obcecada com psicologia, e ver alguém tão vulnerável, me fez querer estudar a sua condição, e entender o quê se passa na mente de um louco. Precisava de algo novo na minha vida, após cometer um grande erro, e por esta razão, deixei que o único homem que me amava fosse embora. Ele o fez sem pestanejar, e até me ajudou a me conectar com esse estranho, mesmo com todos os sinais indicando que devíamos nos 

    afastar. Pois quando esse garoto começou a demonstrar sentimentos por mim, meu computador parou de funcionar, e como esta era a única maneira de nos falarmos, isso significava que os astros estavam dizendo "não" para o quê viesse. No entanto Brendo era tão bom comigo, que fazia qualquer coisa para me ver feliz, e por isso ia até contra o universo, mesmo que lhe machucasse mais, do quê lhe trouxesse alegria. Um estranho relacionamento se iniciou entre esse garoto e eu, baseado em passar a maior parte do tempo, tentando trazer o seu pior lado a tona, porquê o seu estado normal me entediava. Ele era sempre gentil demais, e gente assim não é digna de confiança, porquê sua bondade é obrigatória, e não genuína, e eu preferia falar com o seu pior lado, porquê me parecia mais sincero. Quando explodia, podia perceber o quanto estava insatisfeito, e falar abertamente sobre qualquer assunto, para entender melhor sua mente tão perturbada. Entretanto quando estava sob controle, parecia um robô, programado para dizer "eu te amo", quando tinha vontade de dizer "eu te odeio". Com o tempo, fiquei tão fascinada pela insanidade de sua mente, que acabei gostando dele, mas de acordo com o próprio, por mais que estivéssemos juntos, ainda estava apaixonada pelo meu ex-marido. Ele acreditava nisso provavelmente, porquê quando se tratava de Brendo, sempre pensava nos melhores momentos, e falava que seu único ponto contra era não ter ambição. Sempre fui o tipo de garota, que só mencionava as razões do término dos relacionamentos, mas com o Brendo, era diferente, pois tinha sido a única pessoa, com que estive por um ano, e ele tinha me dado os melhores momentos, apesar de toda a escuridão em que vivíamos. Não conseguia esconder, o quanto era especial para mim, e isso o deixava furioso, só que eu não sabia o quanto. Até que um dia, ele me fez bloqueá-lo, e eu o fiz mesmo contra minha vontade, para respeitar o código de ética do namoro. Não satisfeito, me fez crer que ele podia ser um demônio, que utilizava suas coisas para me atormentar, e por isso tinha de destruir e me livrar de tudo o quê fora dele, e agora estava comigo. Já deve saber que o fiz, com bastante relutância, não é? E me pergunto até hoje, porquê diabos não deixei aquele babaca, e voltei para o meu grande amor. Como já disse antes, alguém como ele não era digno de confiança, e após alguns meses de namoro tive certeza disso. Pouco 

    a pouco, ele foi me afastando de todos que se importavam comigo, só porquê eram meninos. Primeiro foi o Brendo, depois foi o Bruno, e quando vi fiquei totalmente sem amigos, e não entendi porquê. Com Bruno, ele usou uma manobra diferente, em vez de dizer que era um demônio, me fez crer que estava se aproveitando de mim, e ganhando em cima das minhas costas. Lembra que Bruno escrevia sobre minhas aventuras no mundo mágico? Aconteceu que ele transformou-as numa web série, na qual eu era uma das personagens principais, e assim ganhou grande destaque, tornando-se um sucesso nos blogs de séries. O problema é que antes dele escrever, eu já o fazia, e também estava criando a minha própria estória naquele tempo. Mas se assemelhava mais a American Horror Story, do quê Charmed, então era bem mais difícil de agradar o público. Isso então o fez parecer um oportunista como Claudiane, que sempre roubava minhas ideias, e levava o crédito. Vendo isso os chifres de diabo, cresceram na  cabeça de Diogo, e ele intensificou meu sentimento de desgosto, até me fazer explodir, e afastar Bruno da minha vida de vez. Tudo isso por quê? Por ter ficado uma vez com o meu melhor amigo, logo depois de ter terminado meu casamento. Também tinha um amigo chamado João naquele tempo, e ele era um aspirante a maçom, não só isso, tudo indicava que estávamos ligados pela alma, e este jurava que a ligação era romântica. Meu namorado o detestava, tanto quanto ao Brendo e o Bruno. Só que este era muito mais difícil de tirar do seu caminho, porquê de alguma forma, ele via o seu espírito podre, e por esta razão não queria me deixar em suas mãos. Como se não bastasse todo esse drama, nesta época estava sendo bombardeada por informações do mundo místico, e todo mundo que se comunicava comigo, parecia ficar possuído. Como sabia? Lembra do surto psicótico de meu ex-marido? Ele na verdade foi caracterizado como possessão, por uma bruxa satânica, que me elogiou por ter sabido lidar com isso, e me deixou um enigma, que levei tempo para responder. “Agora entendo. Sua mãe foi apenas o ovo, você sempre pertenceu a Satã.” Ao falar com os possuídos sempre vinham novos enigmas, uns simples, outros não, mas alguns deles chamaram a minha atenção. “Você tem um futuro extraordinário na magia”, “Você é filha de Lilith e Lúcifer”, “Você é a herdeira do Inferno”, “Você é forte por ter luz e trevas”, “Você nunca vai conseguir reinar”, “Você tem o dom de manipular mentes”, coisas assim. É claro que duvidei de ser possessão, acreditava mais que aquelas pessoas tinham sérios problemas mentais. Mas o fato de não terem ligação entre si, e dizerem o mesmo texto, me fez acreditar que podia ter um fundo de verdade, por isso fui até o único bruxo que acreditou em mim. Seu nome era Agnes Farias, um senhor de idade, que estudava magia há muito tempo,  e havia criado uma nova vertente do Satanismo, o Satanismo real, que era destinado a abrir a mente das pessoas, para a verdade de Satã. Ele tinha sido quase como um mestre para mim, e foi o primeiro que deu significado ao meu sonho com Satã. Ele confirmou, o quê estava acontecendo, e isso me mostrou que sim era filha de Lúcifer. Tal coisa me trouxe alegria? Não, nenhuma na verdade, pois a primeira coisa na qual pensei foi “Isso é o ápice da poseragem satânica, serei uma piada se falar nisso.” E depois, filha de Lúcifer? Sério? O CDF do ocultismo, que detesta a massa e seu conteúdo?! Por quê não de Satã? Ele sim é um exemplo de como sou, um nerd descolado, cheio de si! Eu não tenho nada a ver com Lúcifer. Talvez você não entenda o contexto, mas li no manual do Satanista de Lex Satanicus, que Lúcifer e Satã são os gêmeos negros. Então embora muitos confundam e digam que Lúcifer e Satã são o mesmo ser, esta é uma alegação distante da verdade. Aquilo era horrível, e para piorar ainda vivia tendo visões estranhas sobre o paraíso, conhecido como Éden. Via um anjo e uma mulher transando na copa de uma árvore, com paixão e furor, e não sabia o porquê. Também via o inferno, como um reino semelhante a Terra, com a diferença de que continha magia, e estava anos luz a sua frente. E via como minha vida tinha sido lá. Diferente da minha vida neste mundo, ali era querida, popular, e um sucesso na escola de magia, tinha vários amigos, e “pegava” tantos demônios, que fazia jus ao meu título de mini Lilith. Todos diziam que era a cópia perfeita de minha mãe, e que assim como ela seduzia a quem quisesse. Até que um dia me apaixonei, e abri mão desta vida descarada, da mesma maneira que ocorreu com ela, quando se encontrou com Lúcifer. Naquele tempo dava minha cara a tapa, de que estava eternamente casada com aquele mentecapto, e isso me deixava sem reação. Mas apesar de achar tal coisa, uma possuída, irmã por parte de Lilith  chamada Mayara me disse que estava enganada. Só que não a ouvi, porquê achava que ela era afim do meu namorado, e só queria me tirar do jogo. Não tardou para confirmar minhas desconfianças, pois mais tarde essa mesma irmã, me disse que ele era seu noivo infernal, e que eu o tinha roubado na outra vida. Se casamos ou não, eu não sabia, todavia como o desgraçado que ele era, me fez acreditar que sim. De alguma maneira, depois de confirmar que era filha de Lúcifer, fui de mortal inútil para “você é o amor da minha vida”. (O quê uma coroa não faz) Após ser bombardeada com informações, sobre quem era no meio de toda essa loucura. Vieram vários rapazes alegando amor por mim, e tudo no quê pude pensar foi “Só me querem, para subir na hierarquia infernal”. Minha vida virou um inferno, e não tive para quem correr. Foi quando Brendo apareceu na minha porta, o único com quem tinha me juntado, de uma maneira, que jamais poderia se separar. Eu não sabia como reagir, mas também não tinha certeza se o Diogro era ou não, o ser com quem estive por tanto tempo, o demônio que me pegou nos braços em minhas visões. Por isso apenas fui fria, e fiz o possível para que meu ex-namorado fosse embora. Aquilo me destruiu, ainda tinha sentimentos por ele, mas alguém tão conformista como ele, não podia ser o meu marido das visões. É claro que um relacionamento abusivo desses, não durou tanto tempo, em novembro soube que meu lindo namorado tinha me traído com sua amiga, e ainda usou sua insanidade para justificar o ato. Fiquei furiosa e paguei na mesma moeda, porquê sempre lhe avisei, que se fizesse algo assim pra mim, iria me vingar. Só que no momento que beijei o outro cara, quase fui estuprada, e por isso entrei em pânico depois. Por mais chateado que tivesse, e o quanto babaca fosse, ele foi atrás do cara e o ameaçou de morte, e isso me fez lhe dá algum crédito. Nos preparamos então para nos conhecer, mas algumas semanas antes, tive um desmaio, e isso trouxe mais uma revelação. No sonho fui parar em um cemitério, e ali fiquei rodeada de espíritos histéricos, que repetiam sem parar “Morte, dinheiro, e falsidade”. Não entendi o porquê daquela viagem astral, até que aconteceu. Nunca fui boa em lidar com o fantasma traição, como bem sabem, deixei o homem mais perfeito para mim, porquê tinha lhe traído. Então quando estive do outro lado da moeda, só pensava numa coisa: Terminar. Todo dia era a mesma choradeira, seguida de outra tentativa de suicídio, que já não me comovia mais. Só me vinha a mente voltar para Brendo, que tinha sido a melhor pessoa que conheci em toda minha vida, e ouvir as músicas do cd que deixou pra mim, não ajudava nem um pouco. Sentia apenas raiva de Diogo, raiva por tudo o quê me fez passar, e ainda ter que suportar o fato de receber seus chifres, por isso na noite de natal, 2 dias antes de viajar para minha cidade, eu lhe dei um fora, sem pensar duas vezes. Na noite seguinte, sonhei com ele muito magro, me abraçando no escuro, enquanto dizia “por quê está fazendo isso comigo?” e fiquei preocupada. Fui procurá-lo, querendo conversar, não podia deixar tudo o quê passamos, para acabar assim, mas foi como se eu não existisse para ele, e no mesmo dia, meu avô faleceu. Não fiquei chocada com aquilo, estava triste demais, por ser ignorada por alguém que dizia preferir a morte, do quê me perder. Pensava no que tinha feito de errado, para que agora nem lembrasse de mim, e não viesse me socorrer, num momento tão delicado. Cheguei até a acreditar que havia sido vítima de um despacho astral, e ele estava enfeitiçado, assim como no romance Os imortais, que estava lendo, mas nem assim voltou a falar comigo. Me senti sozinha, abandonada, sem suas milhares de SMS por dia, e assim entrei numa depressão profunda, na qual as minhas tentativas de suicídio, se tornaram diárias. Eu não tinha mais ninguém, nem amigos, nem namorado, e os que ficavam por perto, pareciam torcer pelo meu sofrimento. Parece que estava perdidamente apaixonada certo? É aí que se engana, ele criou condições para isso, e o quê me fazia sofrer, não eram os sentimentos, e sim a dependência que se fez ter. O ano de 2012 terminou assim sombrio, e o de 2013 se iniciou ainda pior. Em 15 de Fevereiro, fiz 18 anos, e apesar de ter muitos motivos para comemorar, nesse dia estava desanimada. Parte de mim sentia-se feliz por chegar a maior idade, e a outra parte torcia para que tudo se ajeitasse, e como não era de perder uma festa e bebedeira, resolvi comemorar no sábado, e tratei aquele dia como outro qualquer. O Papa já havia renunciado recentemente, e um raio tinha caído na basílica, no mês que atingiria a maior idade, então nada mais poderia acontecer certo? Errado, como em 11/11/2011, algo veio a tona. Ah não contei? Bem, não é tarde demais! Em 11 de novembro de 2011, sabia que algo grande ia acontecer, já que devido ao meu fascínio por conspirações, tinha lido sobre a importância do número 11 para elite, que significava 1 número a frente de Deus, e minha melhor amiga Vanessa concordara comigo, só que concluiu, que o fato passaria despercebido pelos leigos. Naquela noite adormeci, e então tive um sonho. Era de noite, e havia uma enorme passarela de granito, acima de uma cachoeira cristalina, com um pilar no final. Eu estava com uma túnica ritualística preta, e caminhava descalça em linha reta, até o final da ponte de pedra. Ao chegar no meu destino, encontrava um painel, com símbolos exóticos que pareciam de outro mundo, e de alguma forma eu os entendia. Ajeitava-os em ordem, passando os dedos entre eles, e então olhava para o céu, e via um cometa sair do vazio e voar por ali. No dia seguinte, contei sobre este sonho para a minha mãe, e esta me falou que saiu no jornal, que um astro passou mesmo no céu aquela noite, e não só isso, segundo os estudiosos, este tinha sido igual ao meteoro, que passou pela Terra,  antes do dilúvio bíblico no passado.  Isso sim me deixou surpresa, e me fez questionar, se de alguma forma eu tinha causado aquilo. Como disse antes, esta não foi a única experiência que tive, e foi no meu aniversário que a outra veio a acontecer. Em pleno dia 15/02/2013, data em que fiz 18 anos, um meteorito caiu na Rússia, deixando vários feridos, e servindo como um dos sinais do Apocalipse. Por conta deste fato, alguns satanistas defenderam que eu era mesmo filha de Lúcifer, e de fato o anticristo destinado a reinar na Terra. Isso me deixou animada, era uma prova, quase incontestável do meu suposto destino grandioso, e mesmo que não tivesse ninguém, imaginava que minha vida iria melhorar, pois estava no caminho pelo qual devia seguir, e a mão esquerda logo me reconheceria. No dia que comemorei meus 18 anos, tirei uma foto com os metaleiros, e o brilho dos meus olhos saiu verde, algo quase inumano. Como se isso não bastasse, em março daquele ano fui surpreendida com uma aparição, bem peculiar. Sai com os meus “amigos” para o formigueiro, uma pracinha que ficava atrás da igreja São José, onde os roqueiros se reuniam para beber. Como sempre me sentei num canto afastado dos demais, e fiquei conversando com a Rose. O céu estava nublado, haviam muitas pessoas, e eu estava com o ar de soberania, que só uma princesa infernal tem, pois tinha certeza de que era filha de Lúcifer. A primeira, a inabalável, a princesa das sombras, o anjo que servia o inferno, entre outras bobagens. Um homem de idade, todo vestido de preto se aproximou, usando um hexagrama, e carregando um livro preto. Cumprimentou a todos, com um sorriso, simpático e gentil, enquanto ouvia-se o boato de que era um pedófilo. Por razões mais do quê óbvias, eu realmente odeio esse tipo, mas ainda sim dancei sua música, e fui cordial com ele. Ao tocar minha mão, ele alegou que eu fosse do signo de leão, por ter um espírito muito forte, esta não era a primeira vez que ouvia sobre meu poder espiritual, mas o erro do signo me fez sorrir com pura arrogância. E no momento que meus dentes foram expostos, este largou minha mão, assustado como um cordeiro que acabara de ver um lobo. Por trás das lentes negras de seus óculos, pude ver o pânico se instalar, era como se soubesse quem estava ali, e por não ser uma mortal frágil, ele decidiu fugir. Sem dizer nada, e a passos rápidos, se afastou dali, como quem viu o olho de Sauron, deixando de cumprimentar os demais. Eu ri e me gabei para Rose que viu tudo, mas a aventura não terminou aí. Quando deu 17 horas, o grupo decidiu mudar de lugar, e saímos para a praça da bandeira, quando 3 frades da entidade Capuxinhos chegaram ali. Ao passar por mim, estes evitaram olhar em meus olhos, pareciam temorosos, e seguiram para a igreja com rapidez. Não liguei, afinal de contas eram religiosos, é claro que ficariam assustados, com qualquer um, que não fosse o sinônimo do divino, então segui o meu caminho. Quando escureceu, uma das meninas avistou novamente o grupo de frades, mas desta vez não eram apenas 3, e sim 12 ou 13, que marchavam pela rua como se fossem soldados caçando algo, e este algo certamente era eu. Após este fato me tornei paranoica, pois era muita coincidência, ter muitos frades, no mesmo lugar em que se encontrava a filha do inimigo deles não? E por medidas de segurança, comecei a postar “Se eu desaparecer, me procurem no Vaticano!” Por quê? Oras todos dizem que anjos não fazem mal, ou que as entidades católicas, são apenas para a caridade, mas isso é um fato quase falso. Pois em 1500, quando muitos se recusaram a seguir a fé em Cristo, estes foram jogados na fogueira, sem dó, nem piedade, por entidades que pertenciam a santa fé, ou quando Sodoma e Gomorra caíram no pecado, todos foram aniquilados pelos anjos. O quê significa que eles só não matam e torturam, quem segue as suas regras, e como eu não só não as seguia, como carregava o sangue demoníaco, certamente seria um alvo, numa guerra que estava prestes a começar. Por conta de tudo o quê sabia, e sentia ser real, vivia tendo pesadelos, nos quais um anjo de olhos brancos me perseguia, tentando me destruir a qualquer custo, como se de fato fosse a chave do Armagedom, do qual Agnes havia me falado, mas enquanto um anjo tentava me matar, outro descia dos céus para me defender, assim como quando sonhava com cobra, uma avançava em mim, e a outra me protegia. Nessa época passava muito tempo dormindo, era melhor que viver rodeada de gente, que torcia pra eu me acabar em depressão, por isso tive todo tipo de sonho bizarro, que se possa imaginar, mas isto fica para um próximo livro. Em 13 de julho de 2013, fui ao dia do rock com Rose, ela estava caindo de bêbada, e como cuidou de mim lhe devia uma. Nesse dia, por alguma razão Diogo mandou mensagem, algo que era bem comum naquela época, pois após o término e fingir que eu não existia, passou a aparecer de vez em quando, só para me atormentar. A gente ficou discutindo, não me lembro porquê , mas por causa disso, fiquei tirando e colocando o celular de dentro da bota, até que um moleque veio e o roubou de mim. Mas já era de se esperar, estava longe da multidão, numa construção deserta, porquê Rose não queria vomitar em público. No começo ri, não acreditei que aquilo estava acontecendo comigo, e quando fui ameaçada de morte, corri atrás do assaltante, mas este foi mais rápido naturalmente. Ao contar para a policial, esta me olhou com desdém, como se eu fosse uma menor, que estava infringindo a lei. Não aguentei e gritei com ela, foi preciso que o grupo de meninos com o qual Rose viera, me segurasse, para me acalmar, e no meio da confusão, ainda haviam dois meninos brigando para ver quem me consolava. Mas estava com tanta raiva na hora, que nem liguei. Senti meu corpo pulsar, como se meus pés não tocassem a sola da bota, e fiquei com medo de flutuar ali na multidão, por isso abracei um dos rapazes. Ao chegar em casa, fiquei fora de mim, e gritei com um rugido de leão, sobre ser fraca, chutando tudo ao meu redor. Estranhamente, na hora que surtei, os cães e gatos ficaram loucos, latindo sem parar, como se eu estivesse possuída, e esta foi a mesma conclusão da vizinhança, que mais tarde vim saber, que acreditavam que eu estava com o satanás no coro. Ainda naquele ano houve mais um fato, eram 6 horas da manhã, noutros tempos estaria indo para a escola, mas naquela época tinha me formado no ensino médio, então só estava vagando na internet, procurando por respostas como “qual era meu nome infernal” e se haviam mais pessoas que acreditavam na minha existência. Sim a esta altura, tinha embarcado no trem da loucura, e não ia descer na estação da razão. Pra piorar haviam muitos fanáticos de diversas igrejas, que não só acreditavam na existência da filha de Satanás, como também a temiam. Uns diziam que hoje em dia era velha por ter habitado a Terra, muito antes do homem caminhar por ela. Outros alegavam que era uma jovem, e que quem se casava com ela, trilhava o caminho da escuridão. Mas a que me deixava de queixo caído, era a que falava sobre ela ter sido expulsa do paraíso, pelo próprio Deus, que não queria dividir suas glórias. Por quê me deixava assim? Devido a minha visão do anjo e a mulher copulando no paraíso. Além disso consegui desvendar qual era o meu nome, mas isto será explicado adiante. Em meio a todo este turbilhão de ser ou não ser, algo ainda mais fantástico aconteceu. Numa manhã qualquer, estava diante do meu computador, falando com uma das milhares filhas de Lúcifer, que ao contrário de mim, eram super bem recebidas pelo público satânico, sem muito ânimo, porquê vi que o fato de ser da realeza infernal, não mudaria nada na minha vida, poucos acreditavam em mim, e minha popularidade continuava baixa então de que adiantava ter uma coroa?. De repente a luz começou a piscar, como em um filme de terror, e pensei “ah ótimo, lá vem uma assombração encher o saco!”, mas com um pouco de animação, resolvi falar sobre. Foi quando o sinal caiu, e ouvi o barulho de algo no lado de fora de casa, parecia uma nave especial, e por isso corri para abrir a janela do meu quarto. Para a minha tristeza, não tinha nada lá fora, mas o barulho permaneceu, e me lembrei do O galinho Chiken little, onde as naves podiam se disfarçar entre as nuvens. Se havia ido parar no cinema, é porquê queriam que  a humanidade soubesse, do potencial das naves extraterrestres não? Entrei para o cômodo, e me deparei, com uma esfera dourada flutuando diante de meus olhos. Por incrível que pareça, não surtei, apenas fiquei fascinada pelo fato e sorri. N9 entanto, assim que percebeu que estava sendo vista, a bolha de energia foi rapidamente para a parede, e então desapareceu, deixando tudo normal outra vez.Na semana seguinte, fui para o meu primeiro estágio, pois precisava de dinheiro, para ajudar na casa. Era 14 de agosto de 2013, e o dia foi estranho do começo ao fim, naquela noite sonhei que fugia de um lugar semelhante ao cenário do primeiro jogos mortais, e ao escapar me deparava com a rua de minha casa, onde recebia uma facada no útero, mas não sentia dor, apenas me dissolvia em energia até desaparecer. Acordei sem vontade de ir para o trabalho, e como minha mãe na maioria das vezes dizia sim, para o quê eu pedia, pensei que fosse me deixar ficar em casa. Para minha surpresa, ela não deixou, e fui para o escritório do jornal, do qual o amigo de meu pai era o dono. Lá foi interessante, até divertido, e senti que devia voltar, pois queria seguir a área do jornalismo, para expor estes fatos estranhos na mídia, e abrir os olhos dos mais céticos. Só que quando cheguei em casa veio o abalo, logo que entrei na ladeira, vi que houve um incêndio, e brinquei com minha mãe dizendo "Desta vez não fui eu.", já que neste tempo, toda vez que ficava furiosa, algo pegava fogo do nada, o quê fazia eu me sentir uma verdadeira mutante da geração X. Todavia da mesma forma que o sorriso brotou, ele foi derrubado, quando notei que a janela de casa estava aberta, até briguei com minha mãe, lhe dizendo que tinha esquecido, mas esta percebeu logo, que sofremos um assalto. Outra vez fiquei fora de mim, sai chutando a porta, e quando o marginal do meu vizinho passou por mim com o ar de satisfação, quase lhe desferi um golpe. A porta foi fechada por dentro, e quando abrimos, apenas o meu quarto estava revirado, totalmente bagunçado cheio de sacolas, e vazio. Meu primeiro pensamento foi "levaram meu notebook! Justo onde estava digitando o meu livro, e onde tinha metade da minha vida!" Fiquei em choque, e quando fomos a polícia registrar o roubo, tudo se tornou ainda mais esquisito, pois eles pareciam zumbis, programados para agir de uma maneira robótica, sem qualquer consciência. Citei sobre o tal incêndio da casa de baixo, e a única resposta que tive foi que ele não foi criminoso, e quando a perícia chegou, concluiu que o roubo ocorreu sim, na hora que a residência da vizinha pegou fogo. Minha fé em Lúcifer foi totalmente abalada, me senti só e desprotegida, como nunca antes, e isso me deixou mergulhada em trevas. Naquela tarde, tentei entrar na minha conta Carry Manson do Facebook, onde tinha uma página, que estava a crescer, tanto pelos meus contos, quanto por minha vida real, mas a senha foi alterada, e me tornei um fantasma virtual, como se nunca tivesse existido. Sim, tudo no mesmo dia. Após perder tudo, tive de recomeçar do zero, e passei a ler mais, tentando usar o fato da forma mais positiva que pudesse. Criei uma nova conta, e continuei a expor minhas visões, porém parte de mim ficou temerosa, pois tinha me envolvido com algo muito sério pelo visto, e provavelmente sabia mais do quê deveria, e queriam me calar. Pouco tempo depois minha fé foi restaurada, porquê ás 19:15 da noite, o meu professor de balé foi preso, com exatas 11 acusações de abuso, e mandado para o pior presídio do Estado, e assim soube que Lúcifer ainda estava ali por mim, pois me trouxe a justiça, que o povo de Deus, passa anos e anos esperando, mas nunca vem, e as vezes o cara ainda é perdoado por se converter. Ainda neste ano, tentei realizar meus sonhos, e comecei indo para a aula de canto, pensando ser a rainha soprano, até ser descartada e taxada de mezzosoprano lírico. Por quê é relevante? Bem porquê quando voltei da aula, minha mãe viu fantasmas. Era sábado a tarde, e ela me pediu para comprar pão, fui até a padaria, e quando voltei, esta me disse que tinha visto um homem torturando uma mulher, na janela da cozinha, e achava que isso se dava, porquê meu professor impôs que cantássemos um hino de igreja, mas ignorei. Até que no domingo a noite, passamos por um carro, e este ligou os faróis , admito que fiquei com medo, e deduzi que tinha alguém no carro, até que minha mãe me empurrou, e vimos que não havia ninguém ali. Pouco tempo depois de ter sido transformada num pó virtual, saiu nos jornais que os E.U.A estavam vigiando o Brasil, e todos ligados a presidente Dilma, o quê era estranho, pois vivia tendo sonhos com ela, nos quais esta vinha na forma do cavaleiro guerra e conversava comigo, e eu contava a minha mãe, que ficava de queixo caído, e acreditava em mim, o quê me dava forças para evitar remédios, apesar de achar que estava a beira da loucura. E o quê me fez duvidar ainda mais da minha sanidade, foi esse fato que contarei a seguir. Eram 18:30 da tarde, meu quarto estava todo escuro, quando me deitei, e ouvi o Apocalipse sendo recitado por várias vozes, de forma tão perfeita que não parecia vim de mim, eles mencionavam sobre a Marca da Besta, e eu não sabia porquê, até que contei a uma amiga, e esta me mostrou a imagem de um contrato, assinado pelo Barack Obama, onde este aceitava o chip 666 mondex no país, que era um apetrecho tão pequeno que servia para colocar na mão ou na testa exatamente como nos textos bíblicos. Foi quando passei a me dedicar aos estudos da bíblia, percebendo que estávamos mais longe do quê eu pensava. Achava que o Apocalipse se iniciaria logo, não que já estava acontecendo. Não sei porquê ouvi essas coisas, justo quando a marca foi instalada, mas sei que tem alguma razão para isso, e não é a loucura. Neste ano me perdi de vez, não via com quem contar, não tinha bons amigos que me entendessem, e os que ficavam ao meu redor, sempre "curtiam" ao meu sofrimento. Por isso me tornei cruel e dura, e desta maneira quase perdi para todo o sempre, o amor da minha vida. Estava tão entorpecida pelo veneno destilado por Diogo, que nem sequer via, que tinha alguém que de fato me amava. Era um dia de maio, quando eu e Brendo voltamos a nos ver, e dormimos juntos, mas o clima não foi de romance no fim das contas, pois no dia seguinte lhe disse a seguinte frase: "isso não quer dizer que te amo, nem que vamos voltar!" e este partiu sem dizer nada. Não achei que o machucaria tanto, porquê para mim, ele já tinha aceitado o nosso fim, e aquilo era uma recaída, mas hoje acredito que foi o pivô de sua destruição. Dando continuidade aos fatos, lembra-se do ódio mortal que senti do menino que roubou meu celular? Bem, ele foi tão grande que me fez lhe ameaçar de morte por sms, deixando

    claro que não sabia com quem estava se metendo. E alguns meses depois em outubro

    daquele ano, cheio de fatos incríveis, houve o grande incêndio do maior ninho de bandidos

    de Macapá, o bairro Perpétuo Socorro. Lugar que por coincidência se localizava a igreja favorita de minha mãe, e foi nesta que ela fez a promessa, de me colocar um sobrenome

    ridículo, por causa de um "milagre". É, minha vida tem mais eventos paranormais ainda, e estes ocorrem desde que nasci. Enfim praticamente o bairro inteiro pegou fogo, e as chamas eram tão intensas que teve uma repercussão nacional. O quê me deixou por um lado feliz, pois me senti vingada, e temerosa porquê alguém estava atraindo os holofotes exatamente para onde eu morava, e eu não queria ser descoberta, não pelo inimigo, não sem guardas demoníacos para me ajudar. Depois desse fato houve outro, eu e minha mãe brigamos por religião, porquê esta uma vez puxou uma faca de carne para mim. É impossível esquecer, era véspera da  véspera de natal, eu tinha 14 anos, e estava animada para a data, imaginando como seriam os cartões virtuais dos meus amigos obscuros. Seus olhos ficaram  amarelos, bem claros, e ela pulou em cima de mim, sem eu sequer lhe provocar, me chamando de monstro, de demônio, e tentou me matar. Eu só sobrevivi, por ser muito boa em manipulação de pessoas, que são excessivamente emocionais, além de ter tido tanta adrenalina, que fui capaz de lhe imobilizar com facilidade. Do contrário hoje não estaria aqui, contando a história, como resultado houve um desastre num evento religioso da nossa cidade, e alguns se

    foram.  Como sempre, toda vez que eu estava por perto, ou remotamente envolvida, algo bem devastador acontecia.  O ano de 2013 terminou com todas as desgraças, e o ano de 2014 se iniciou diferente dos outros. Em janeiro daquele ano, sai com um rapaz, que era tão conspiracionista quanto louco, e logo nós começamos a namorar. Nosso primeiro encontro foi inesquecível, porquê mais uma vez fui assaltada, mas desta vez foi ainda melhor, porquê enfrentei o assaltante, e se meu pretendente Reginaldo não me puxasse, teria tomado uma facada na garganta. Mas o relacionamento não durou nem uma semana, porquê o idiota do meu único amigo Raphael, que estava tão na pior quanto eu, porquê tinha magoado a minha melhor amiga Magnólia, resolveu se declarar, e como eu já estava gostando dele desde novembro de 2013, fiz o quê meu coração mandou, fui sincera com o meu par, e terminamos numa boa. Meu coração era burro, ele não gostava tanto assim de mim, e já era de se esperar. Viramos amigos porquê depois de tanto pegar no meu pé, por eu dizer a Maggy que ele devia respeitá-la, viu a chance de se reaproximar da ex maravilhosa que perdeu, mas infelizmente na mesma época nós perdemos o contato, porquê devido a minha obsessão com o fato de ser filha de Lúcifer, acabei brigando com Maggy por ter mais destaque que eu, mas antes  fiz de tudo para que voltassem, achando que ele tinha mudado, e estava pronto para um recomeço, com a melhor pessoa do  mundo. Como não restou mais ninguém, a

    gente se aproximou, e com ele conheci umas novas bandas bem legais de rock, além de conhecer o autor literário mais perfeito do universo Howard Philips Lovecraft, o

    autor de O chamado de Cthulhu. Aquele que deu origem a ficção científica, envolvendo aliens, com uma obra que influenciou na criação do filme Doom a porta do Inferno, e muitos outros que seguiam a mesma temática. Fora isso, era um tremendo babaca, dava em cima de todas, e vivia tirando onda comigo, então foi outro relacionamento curto. Como tudo deu errado em 2013, não vi outra escolha senão entrar na faculdade, e escolhi Ciências Biológicas e Enfermagem, mas só passei para o primeiro, em 11° lugar. As aulas começaram, e logo no primeiro dia, me deparei com um nerd, que de imediato me atraiu, mas como não sabia qual era a dele, evitei seus olhares. Na hora de responder o porquê da escolha do curso, eu disse logo que estava ali, para estudar a vida alienígena, sem me importar se viraria a "louca dos ets" afinal de contas, não conhecia ninguém, então não tinha nada a perder. A minha resposta foi a melhor na qual pensei, pois seria pior dizer que graças a panspermia cósmica, não cometi suicídio. A esta altura tinha novos problemas para resolver, como provar que não só filhos de demônios e anjos existiam, como também podiam ser encontrados através dos genes, e enquanto lutava para ter sucesso, minha nova irmã de Lúcifer e Lilith Gabriela, o obtinha sem mover um dedo. Será que o segredo está na idade? Quanto mais jovem mais chances de brilhar? Bem não sei, mas admito que é o quê parece. Pra piorar, ela vinha se destacando tanto, que era impossível não sentir raiva, pois até os meus amigos a admiravam. Outra vez alguém mais jovem, roubando o meu lugar, então não andava lá muito feliz. Certo dia o garoto que achei bonitinho, levou uma revista sobre os vilões, e por esta razão me aproximei. Descobri que seu nome era Thiago, e falei sobre ir pro curso, para poder dissecar sapos, e ele me mostrou que dissecou um rato, ali me apaixonei. Nós começamos a conversar, e o fato de ser tão inteligente me deixava fascinada. Que belo intelecto, que bela pessoa, será que tinha tirado a sorte grande? Claro que não, ou então hoje em dia não seria casada outra pessoa. Mas voltando , ele parecia está na minha também, vivíamos grudados, e uma vez acho até que tentou me beijar mas desviei, por medo, por fidelidade a Raphael, ou sei lá o quê. No entanto dei uma festa, bebi demais, levei um fora dele, e isso terminou comigo me cortando no pescoço. Eu sei, parece que não tenho maturidade, só que foi mais uma coisa que deu errado, e pra piorar as cartas de tarô que sempre acertaram sobre meus fracassos românticos, pareciam ter errado sobre o meu sucesso no amor. Não tive cara para reagir, só soube mais tarde que ele confessou a minha mãe, que gostava muito de mim, e não queria que eu fizesse isso. Depois veio falar comigo, e as coisas foram ficando estranhas, na semana seguinte soube que não ficou comigo porquê tinha namorada, pior sua namorada era amiga de uma das minhas melhores amigas, a Adriana, e eu a conheci. A menina foi  gentil comigo, e nos demos muito bem, me senti culpada, e por essa razão decidi ir me afastando. Quer dizer se a garota fosse uma megera, iria lutar até tirar o cara dela, mas alguém tão gente boa, não merecia isso, logo voltei pro Raphael, com quem tinha terminado para não trair. Algum tempo depois da festa do desastre, ele e a namorada terminaram por algum motivo, se não me engano, problemas com o horário, e como Raphael era um idiota, novamente fui a luta, mas as coisas ficaram estranhas entre a gente, ele parecia cada vez mais próximo de sua amiga Creuziane, como se estivesse apaixonado por ela, e suas ideias toscas sobre ateísmo, pois se tornou ateia apenas porquê Deus, não lhe deu nada do bom e do melhor, para piorar mais suspeito ainda, notei que meu livro de magia negra de São Cipriano, foi marcado na página "como obrigar alguém a te amar", e isso me fez questionar se ela não o enfeitiçou. Novamente fiquei sem amigos, a popularidade, estava relativamente em alta, só que pra mim não era o suficiente, e foi assim que fiz amizade com Késsia, uma evangélica, que além de bonita, era uma CDF de primeira que me ajudava com minha autoestima.  Porém vez ou outra ainda via o menino e seu grupo, que não parava de crescer, só que ele me fazia de trouxa tipo 100%, por isso fui criando raiva, mas não me afastei por completo. Levou tempo até entender que a Creuza, não o enfeitiçou, mas sim deve tê-lo envenenado dizendo que provavelmente eu o fiz, afinal de contas todos sabiam que eu era satanista, e por isso esperavam o pior de mim. A faculdade virou um inferno, era um joguinho chato, que não dava para suportar de maneira alguma, porquê enquanto eu falava que era filha de Lúcifer, e tinha muito a ensinar a este mundo, como uma princesa alien, ele preferia a mulher do "foda-se Deus e o sobrenatural que faz parte dele!". Falei, falei, fui insultada de burra, até que resolvi me calar, as pessoas creem no que bem desejarem, e se querem ser idiotas, que sejam. Achei que nada podia piorar, já tinha cometido grandes falhas, me apaixonar por um idiota, ter ido pra casa de um estranho, onde quase participei de uma orgia, depois de ficar com as garotas, ter dormido com o dono da casa, ter dormido com o namorado, da sobrinha da minha tia, e por fim ter partido o coração de um rapaz, muito legal que se chamava Fabiano. Ele é marcante porquê graças a sua forma de agir perante a minha traição, mesmo sem ter certeza que a gente estava num relacionamento, percebi que estava me tornando uma vadia fria, e não me senti nada bem com isso. Queria mais da minha vida, do quê me tornar uma Claudiane Kelly, por isso senti um alívio, quando Brendo reapareceu, e estava namorando. Todas as minhas amigas falavam que ele não tinha

    me esquecido, mas o fato de está com alguém, provava o contrário. Agora podíamos

    ser amigos, como teria acontecido, se Diogo não tivesse interferido, eu podia lhe pedir desculpas, pelo mal que causei, e tudo iria dá certo, até me ajeitar com alguém também. Só

    que quando testamos essa amizade, as coisas ficaram fora de controle, ele tentou se afastar

    , mas me aproximei, até beijá-lo de surpresa, o pior é que foi ótimo, teve ardor e magia, e por

    esse encontro de bocas, toda a minha perspectiva mudou. Na semana seguinte tudo no quê eu pensava era em voltar com o B, ele sabia que eu gostava de Thiago, mas aceitou me ajudar quanto a isso. Houve uma nova reunião na minha casa, dessa vez com vinho e um cigarro de maconha, esta era a terceira e última vez que fumaria isso na minha vida, as outras ocorreram na faculdade, junto da minha paixão platônica. B e eu voltamos, e de alguma forma, tínhamos uma química inegável, que dava inveja nos mais próximos. Quem eram os convidados? Creuziane, Thiago, e o resto do nosso grupo, e o ciúme daquele que segundo o mesmo, só tinha desejos carnais por mim, era bem evidente. Ele tentava se aproximar, e eu só jogava meu charme, não queria ferir a ninguém, mas também estava cansada de ser pisada. Nesta noite houve algo que nunca antes tinha acontecido, de alguma forma eu acabei no meio dos meus possíveis pares. B estava confiante, até mesmo conversava com T, que estava claramente inseguro, e eu me sentia no topo. Até que fui pra fora de casa fumar um beck, e fiquei abraçada ao B, T viu, e seu olhar de fúria foi tão perceptivo, quanto o brilho de uma estrela a noite. Este me encarou, eu sorri com muita satisfação, e ele tentou literalmente me queimar viva, tacou fogo no meu cabelo. Mas a noite não acabou aí, Creuza vendo que eu estava ganhando terreno, tentou levá-lo embora mas o garoto não queria ir, como se quisesse ter certeza de que B fosse embora antes. Só que como Creuza, é uma papa anjo como minha mãe, ela sabia como virar o jogo, ela era a carona dele, por isso ameaçou ir embora, e quando todos foram nem me levantei para abraça-lo. Foi épico, e naquela noite eu ri muito ao lado do B, porquê conquistei uma vitória bem ao estilo Carry the Devil. Porém não deu em nada, a não ser no fato de T, começar a demonstrar mais os seus sentimentos, sem confessar alguma coisa, e vendo que isso irritava um pouco o B, fui deixando de ir as aulas. Pra uma coisa que era meramente carnal, ele agia bem diferente do padrão, e acho que cheguei perto de ter algo mais, porém desisti no último minuto. Já tinha tido muitas lutas como essa, por amores que não valeram a pena, por isso resolvi acabar de vez, com esse sentimento. Pouco a pouco fui sumindo da faculdade, até tomar a decisão de abandonar de vez, porquê não tinha mais jeito. Eu joguei, foi divertido, todavia só valeu a partida, pois no fim das contas ninguém venceu. Ele me perdeu de vez, mesmo demonstrando que quisesse que eu ficasse, voltou com a ex, terminou com a ex, me procurou no Facebook, mas eu o recusei depois de muito deliberar. Eu e B voltamos, tentei parecer feliz, mas não me sentia lá muito realizada. Ele agora era mesmo o babaca que havia me dito, que se tornara por causa da sua ex Késia
    . Graças a ela, segundo o mesmo, ele agora tinha dormido com quase que a cidade inteira, tudo porquê esta se recusou a ir pra cama, e disse que esperava o pior dele. Eu não me importava, achava que o amor de B era maior por mim, e que não me sacanearia, com a primeira que aparecesse. Afinal de contas sexo não era um problema, e nenhum cara  topa te ajudar a por ciúme em alguém, se não gostar de você de uma maneira diferente não é? Acreditava que Brendo, era o tipo de pessoa que ia até o fim do mundo, para me buscar um remédio, caso estivesse doente, por isso seu passado não o condenava. Passei muito tempo, presa a esta paixão platônica sem futuro, tentando me ajeitar com o B, pois achava que ele sim me amava, porquê já tínhamos um compromisso, estava registrado, todos sabiam, ele tinha me assumido, então por quê perder tempo com uma pessoa, que não teve essa coragem? Nessa época, conheci novas pessoas, e por conta do meu histórico escolar da noite, todos me conheceram pelos elogios dos professores, que me consideravam muito inteligente. Primeiro me juntei a Anália, mas a amizade não deu certo, porquê ela me trocou por Larissa, a melhor amiga de Nicole, que vivia pegando no meu pé, por praticamente respirar, e esbanjava popularidade, coisa que para Ana, era claramente mais importante do quê me ter por perto. Nicole ficou sozinha, após Ana dá um jeito de separar as duas, e como eu não tinha valor, nos tornamos amigas. Tudo estava muito bem, até que finalmente com a ajuda de Larissa, consegui tomar a minha decisão sobre ficar com um ou lutar pelo outro. Disse "Não importa se o T é gato, é o Brendo que me ama de verdade!" E por uns meses fui feliz por ter o B por perto, porquê ele me fez voltar a gostar

    de anime, de jogar, e enfim me achar outra vez. Até que no ano seguinte aconteceu, a pior coisa de todos os tempos da minha vida, uma semana antes do meu aniversário em 2016 ás 15:40 da tarde, eu fui ver suas mensagens, e descobri que ele andava arrastando uma asa, para uma tal de Thaís Andréia. Você não diz "tenho saudade de quando me mordia, pois faz tempo que não o faz" para uma amiga. Nem que assiste um anime romântico com sua namorada, e lembra da amiga, porquê deu para o seu par o mesmo apelido que pertence a ela, no caso Kuriyama Mirai. Você não a chama para ir ver um filme, sozinho com ela, se não quer transar. E por fim você não diz que sonha com ela, em vez da mulher da sua vida. Aquilo me devastou, tanto que lembro do mês, ano, e hora, que aconteceu.  É, se você pensou que vilões podem ser felizes, está bem enganado, as coisas sempre dão errado pra gente, e aqui não é diferente. Eu abri mão do Thiago, e dos pretendentes da reserva, ele não. Se for homem, deve está feliz por ver minha desgraça , porquê provavelmente alguém também partiu teu coração, mas vai ver que com mulher, jamais deve dá o troco. Primeiro fiquei tão fora de mim, que eventualmente quebrei o amado PC dele. Segundo o expus para todos que o achavam o máximo, e por fim fiz da sua vida um inferno. Porquê comigo não se brinca, ou joga o meu jogo, ou morre. Infelizmente numa vez que ficamos em paz engravidei, e como no dia que tomei a pílula do dia seguinte, bebi vódica, o efeito foi cortado, e assim fiquei com um barrigão, e um evidente chifre na cabeça. Nesse tempo, eu voltei a falar com Diogo, porquê assim como Kuriyama fazia o B se lembrar da Thaís, o novo Flash da DC era a cara dele, e eu queria muito me vingar. Entretanto Diogo era tão doente, que queria que eu abortasse, sendo uma gravidez que ao contrário das outras vezes, foi confirmada, e mesmo odiando está grávida de um tremendo filho da puta, não queria matar uma criança inocente. Que ele tinha me enganado e manipulado tudo bem, mas pedir pra destruir meu bebê era demais, por isso desde então cortei todos os laços de vez. A gravidez era horrível, vivia em hospitais, sofrendo com dores muito intensas, de parto prematuro, mas por alguma razão o bebê ficava protegido. Torcia pra ser um menino, porquê sabia que se fosse menina, a história da Menara se repetiria, e eu perderia todo o amor de todos. Como sempre, como minha vida é uma merda gigante, o sexo do bebê era feminino, e por isso muitas vezes odiei carregar esse ser dentro de mim. Outras vezes superprotegia, e conversava, mas na maior parte do tempo, só pensava que ia roubar meu lugar, assim como a Menara fez, e todas as outras jovens depois dela. Em meio a esse inferno , ainda tinha que conviver com a dúvida se tinha sido traída ou não, bem que fui traída é óbvio, mas precisava saber se tinha sido como com Késia. E por falar nessa puta,  descobri que B não era tão ruim como namorado pra ela. Sempre falava bem, e o medo que tinha de perdê-la, enquanto que de mim, só falava que estava comigo pra suprir sua carência e por sexo. Uma vez ele falou que quando voltou comigo, não me amava mais, não acreditei até ver com os meus próprios olhos. É cara, comigo as declarações eram toscas, ele fazia como Raphael, me xingava de menina chata, e com ela era te amo pra sempre minha centelha de felicidade. Então fica a questão...Quem ele amou mesmo? Exatamente, ela, só que não assume, como se fosse crime dizer que você amou mais a quem mais se dedicou. Isso me deixou bem puta, daí ele tentou se desenrolar, dizendo que fui mais importante, porquê o quê fez por mim, não se comparava ao mínimo que fez por ela. Ah nossa, fez muito, falou mal de mim, não teve um pingo de respeito, e ainda pôs uma foto de perfil ridícula com ela. Com certeza, ai que amor. Segundo ele, ela só se tornou gótica, porquê eu era gótica, e gostou do meu estilo, adotando-o como se fosse uma cópia barata de mim, e que enquanto estava com ela, dormia ouvindo minha canção chamada Suicida. Ah que prova de amor! Uhul ele guardou a merda de uma canção idiota! Grande coisa! Minha filha Ravenna Thayla nasceu, e por um tempo me senti realizada com seu nascimento, até perceber que de fato ela veio pra roubar o meu lugar, e me afastar dessa ideia estúpida de ser mãe. Minha mãe me jogou logo 4 pedras, porquê não quis amamentar, devido ao fato de meu peito está em carne viva, e muitas vezes falou pra eu colocar a menina pra adoção. Algo que me deixava irritada pra caramba, como se não me bastasse o chifre, ainda tinha que ouvi desaforo, sobre ser uma péssima mãe. Eu estava tentando, fingindo que estava tudo bem em não ter mais os holofotes, só que nada do quê fazia era bom o suficiente, e pra piorar Nicole ficava dizendo que a minha filha seria apegada a avó, que lhe dava mais cuidados, do quê a mim, porquê eu estava claramente despreparada. Era fácil falar tudo de ruim, afinal de contas ser mãe era o sonho dela, e por isso o fato de me manter afastada da bebê, era visto como um crime, mesmo que eu a alimentasse, desse carinho, e lhe protegesse. Sim, nunca foi a minha vontade ser mãe, bem nunca é um forte exagero, mas naquele tempo certamente não o era. Diogo destruiu meus instintos maternais, quando veio dizer que se tivéssemos um filho, este seria mais poderoso que nós dois, e por esta razão deixei de sequer pensar no assunto. Já tinha provado a sensação de ser dona de um pequeno reino, e perder tudo para a próxima geração, e não desejava ter um pouco mais disso. Infelizmente gerei um ser na minha barriga, e os deuses disseram sim para a sua vinda a Terra, então não tive escolha se não ser mãe. Porém se coloque no meu lugar, eu me vi sempre ficando para trás por causa do novo, e fui doutrinada para acreditar que "as crianças são o futuro" , não foi fácil manter essa decisão. Como se não bastasse ainda tinha o fantasma da minha prima, atormentando a memória, com aquela cena clássica de um filme de terror, em que eu por pouco não a matei. Não me sentia segura, com a ideia de manter o bebê perto de mim, só me via cometendo atrocidades, e por medo de machucá-la, preferia deixá-la com a avó, que certamente só tentaria matá-la, quando esta crescesse, e seguisse meus passos. Ninguém me entendia, com exceção do Brendo que ficava ao meu lado, e me defendia dos ataques da minha mãe, porquê sabia o quê eu estava passando, e não queria piorar a situação, mas ainda sim eu o odiava, estava dividida entre amá-lo e desprezá-lo, e isso me enlouquecia.Já cansada de meus surtos, resolvi ir ao psicólogo, não aguentava mais tanta tristeza. Lá recebi o apoio, e fui encaminhada para a psiquiatria, porquê como já deve imaginar, o meu caso é grave, tenho uma depressão profunda. É, também fiquei surpresa, achei que tinha personalidade esquizotípica, mas não, e olha que falei sobre tudo, principalmente sobre defender que os deuses são aliens. Fui a vários médicos depois disso, e me conectei profundamente a Anelise, uma  psicóloga, que me ajudou a perceber que só atraio destruição pra minha vida, quanto pior, melhor, pois assim me dá coragem pra acabar de vez com tudo. Ela está certa, todo relacionamento me leva para o fundo do poço, sendo um relacionamento ou platônico, quanto pior, melhor. Já exausta de ficar em duvida, fui atrás da amante fixa de Brendo, Bruna , descobri se ele tinha me traído com ela, mas tudo o quê soube é que ele se sentia culpado por trair a Késia. Fui atrás dessa sirigaita também, mas a mesma disse que nunca ouviu falar de mim, e me tratou com  ignorância por ser a vagabunda que é, rindo da minha desgraça, como se me odiasse, mas concordávamos numa coisa Brendo era um mentiroso. Tentei falar diretamente com o pivô disso tudo, mas nunca dava certo, até que um dia Brendo foi pra Goiânia procurar emprego, e me conseguiu um encontro com ela. Eu a conheci, numa praça pública, conversamos bastante, e fui bem direta sobre a traição, mas esta demonstrou que não aconteceu, tudo ficou no campo da emoção, o quê não isenta ninguém de culpa. Era fácil saber quando estava mentindo, pois ficava bem nervosa, sabia disso porquê quando falei sobre gostar do Brendo, ela negou repetidas vezes, e desviando o olhar, como quem comete um pecado. Só que sobre traição parecia ter a sua consciência tranquila, falou até que gostou mais de mim, do quê da vadia ladra de legados, e juntas chegamos a conclusão de que B, a manteve por perto porquê se assemelhava muito a mim no passado, quando era muito mais satisfeita com a vida, e só a deixou lá para substituir o vazio, que eu deixei em sua vida ao ir embora. Ela até falou que eles tinham conversado depois de muito tempo, e que nunca o tinha visto gostar tanto assim de alguém, e que se ele pisasse na bola comigo, era para lhe dizer pra ela tacar uma pedra nele. A menina era gente boa, senão fosse o fato de ser amante do meu marido, teríamos sido amigas facilmente. E tudo pareceu se resolver, assim também fiz as malas, e viajei para Goiânia, com a intenção de deixar o passado no seu devido lugar. Todavia é impossível, não dá pra construir nada, num lugar em completa ruína, porquê o passado sempre vai contar, pois sem passado não há presente.














































    Capítulo IV

     “Como lidar com os fantasmas do passado, se eles parecem mais vivos do quê eu?”




    Antes de ontem, enviei uma carta a Késia na qual tomei o cuidado de lhe expor, e destruir sua mentira descarada. É claro que a odeio, tanto quanto a Claudiane, ou Anália, e as tantas outras que apareceram na minha vida, apenas para estragá-la. Falei toda a verdade, como esta é, e a bloqueei porquê meu único objetivo, era trazê-la para o meu Inferno particular. Citei o fato de quê as fotos dela são parecidas com as minhas, e o estilo também, e que isso só começou, depois que namorou o meu marido. Falei que era estranho carregar um nome com K que se parece tanto com o meu pseudônimo Carry, e que foi mais esquisito ainda adotar o  sobrenome Marques, sendo que antes usava o Brandão, que tanto lembra o Manson, meu sobrenome falso, e que eu vim antes dela. Falei que até o Brendo lhe chamava de cópia barata de mim, e que se não sabia sobre minha existência, por quê então dizia que tudo que era romântico, ele postava para outra pessoa? Citei o fato da música que B ouvia, entre outras coisas como só conseguir declarações românticas por fechar as pernas, enquanto que eu tinha ido pra cama com ele, e o mantive por 8 anos. Tempo que é contado até como a época, em que estiveram juntos, mas fui a amante, porquê não o queria de volta. Enfim disse tudo o quê pensava dela, sem esquecer nada, deixarei a carta nos anexos, e você pode ler depois. Meu objetivo foi concluído, como a bloqueei, ela veio atrás de mim, através de um fake, acho que do namorado, e a única coisa que soube dizer foi que sou covarde, e não tem medo de mim. Deveria ter querida, porquê sou uma jovem autora, com muito talento, e logo serei famosa o suficiente pra seu noūme ficar na boca do povo. Eu fui traída, mas tudo bem, porquê ele não dormiu com ninguém, só que ela levou tanto chifre que o namoro, mais parecia um carnaval. Sei que fiz o certo, a carta ácida foi perfeita, o suficiente para deixá-la tão irritada, que arranjou meios de revidar, sei que doeu, doeu tanto que precisou se defender. Pena que quando se vende milhares de cópias da sua vergonha, não dá pra esconder, como se fosse tudo perfeito, porquê já é tarde demais. Tenho noção de que estou me expondo, e desmascarando muitas pessoas com essa biografia, e sinto prazer em mostrá-los, para que assim percebam o quanto vocês, que fingem ter a vida perfeita, são piores do quê eu, e olha que sou satanista.  O problema é que não me sinto bem, eu quis machucá-la, porquê além de ter dela tudo o quê eu queria, teve a audácia de mentir para mim, sendo que a verdade está ali, estampada no seu Facebook, e quem me conhece há anos vai perceber. Eu sou a rainha dark Barbie de Macapá, não ela, nem nunca será. Parte de mim, se sente revigorada por colocá-la no devido lugar, e a outra parte nem sequer quer lutar. Não vale a pena lutar, porquê ela é uma cópia do Diogo mal, ou “Lord Dark” como ele se autodenominava. Vai sorrir e atacar sem parar, porquê no fundo se sente destruída, e acha que se fazer de forte vai disfarçar a sua dor. Sei bem como é, já convivi com alguém assim, e acredito que quanto mais mente pra si mesmo, mais isso te corrói, e te faz se sentir culpado. Ela e ele são claramente almas gêmeas, seria lindo se por acaso se encontrassem, se juntassem, e acabassem se destruindo. Eu poderia providenciar esse encontro, mas sinceramente, sei que o destino cuidará disso, e não vai demorar tanto. O problema é que as mentiras dela, me fazem duvidar duas vezes mais de Brendo, que jura que ela só faz isso, porquê tentou me substituir e não conseguiu. Mas duvido muito disso, porquê se foi assim, eu ganhei no fim das contas, afinal ele está comigo, e segundo o mesmo, e todos ao meu redor ele é louco por mim. Há novas informações que talvez façam sentido, sobre porquê ele supostamente me traiu com a outra Thaís, só que ainda não consigo processar isso. De acordo com a conversa que tive com meu marido, pude perceber que ele ficou bem chateado comigo, não tanto pela traição na web, e sim pelo fato de ter partido com Diogo, e ainda ter o levado a voltar comigo, quando claramente gostava do Thiago. Chateado o suficiente, para falar coisas que mais tarde me machucariam, e agir feito um idiota, por causa do ciúme e a insegurança. Uma coisa típica dos homens, do tipo “machão” quando se sentem ameaçados. Além disso como se não bastasse, numa coisa ele tinha razão, a conta do Facebook dele estava salva com a senha no Notebook, por isso era perfeito usar essa conta para me provocar ciúmes, pela suposta competição na qual o coloquei, já que como sou curiosa, hora ou outra iria fuçar a sua conta. Me diz como pode ser uma competição, se o outro cara nem sequer ligava pro fato de eu existir? Meu marido diz que nós dois sabemos que não era assim, só que o próprio garoto assumiu pra mim, que seu interesse era carnal, então essa conclusão dele é errônea. No entanto como ele acreditava fortemente nisso, a insegurança não tão aparente, e o ciúme pouco evidente, o fizeram errar comigo. Está bem, voltamos para o marco zero, porquê novamente eu sou culpada, por suas atitudes, outra vez sou a vilã, e ele apenas o cara apaixonado, que não sendo correspondido da maneira que queria, se deixar levar pela raiva e o medo da derrota. Sinceramente pode até está certo, isso explica porquê há tanta coisa ruim sobre mim, disseminada por ele, só que não serve para corroborar o fato de que amou mais a ex dele, afinal de contas, aquela garota é uma idiota, e deve ter feito bem pior, com os seus tantos pretendentes, e sua maneira fria e ao mesmo tempo estúpida de lidar com as coisas. Ele diz que o quê ela fazia não importava, já que não estava nem aí, só queria dormir com ela mesmo, não ficar para sempre, mas ainda sim tenho minhas duvidas, porquê como o próprio disse, foram as palavras erradas que ela falou, que o fizeram se tornar um lixo em forma de homem. Para isso, este explica que meras palavras não o afetariam, se já não estivesse machucado antes, com a minha perda. Também soube que os meus “amigos”, em vez de lhe contar a verdade sobre meu relacionamento com Diogo, sempre diziam que estava tudo bem, e que quando este ia averiguar pensava exatamente isso, porquê via alguma coisa boa no meu feed, e parava de pesquisar sobre mim. Se tivesse um pouco de coragem, teria ido até o fim, e veria que aquilo era uma relação entre manipulador e monarca, aliás se estivesse um pouco em si, teria dito para não ficar com ele, em vez de dizer que não deveria deixá-lo depois de tudo. Ah se eu tivesse a minha conta antiga, o meu velho orkut, e as outras provas para lhe fazer entender, que não me salvou porquê não quis. Infelizmente não tenho nada, só lembranças, que na hora do debate não servem, assim como suas declarações sobre nunca ter me esquecido, não são provas, se não há alguma consistência, é tudo circunstancial. Ele diz que o fato de ter guardado a minha música, é uma prova concreta, mas para mim não serve, o fato de manter minha obra, só prova que sou uma boa artista, ou que ele não apaga as músicas do seu computador, aliás a segunda é uma alternativa perfeita, dado ao fato de que tinha mais de 5 mil músicas guardadas. Nesse julgamento as únicas coisas que podem lhe favorecer são: A) Amigos novos saberem que namoramos em 2011, coisa que ainda não foi comprovada, com exceção de uma amiga que se lembrou, e perguntou “se apareci de novo”  B) Conversas antigas registradas em seu Facebook, nas quais mencione que não me esqueceu, e me ama. Algo que para o seu azar, também não pode ser comprovado, dado ao fato de que o nome “Carry” não indica nada na pesquisa, e “Thaís” serve de indicativo para a outra moça, e coisas bem ruins sobre mim, abrindo exceção apenas para o fato, de que deixou de sair com os amigos, para cuidar de mim porquê estava doente. E C) o milagre da única pessoa que viveu isso na carne, parar de mentir, e vim me contar a verdade, sobre ele não ter me esquecido. Milagre pois dificilmente uma pessoa que não é nobre, aceita a derrota, e confessa seu crime. É bem difícil para mim aceitar, mas acho que meu psiquiatra o doutor Arthur está certo, a paixão que ele sentiu por ela, foi muito maior do quê teve por mim, por isso se tornou romântico, de uma maneira que jamais fora comigo antes. E o motivo é bem óbvio meus caros leitores, eu fui fácil, forcei a barra para casar duas vezes, o empurrei para responsabilidades, e quis que fosse uma versão melhor de si mesmo. Algo que é claramente insuportável para os homens, porquê se uma garota já o deixou levá-la para cama, dá-se a entender que esta perdeu o seu valor, para eles significa que não há o quê ser conquistado, considerando que são movidos por sexo, e o amor é praticamente uma coisa puramente feminina. Uma invenção da mulher, para fingir que o ritual de procriação, representa uma ligação única com o parceiro. Como se não bastasse ter esperado apenas um mês, o fiz escolher entre o mundo ou eu, mostrando que logo perderia esse corpo quentinho, se não se casasse comigo imediatamente. Não o bastante, também impus que procurasse um rumo na vida, e após tudo isso, terminamos, e ele perdeu o fabuloso sexo que tanto lhe importava, pelo menos por um tempo, depois nos vimos outras vezes, e sempre aconteceu algo, no entanto  continuei a privá-lo de mim, e isso deve ter lhe enfurecido, porquê precisava do amor da outra, e do meu corpo, mas não podia ter os 2 em uma só, já que a pobre virgem Maria, se recusava a ir pra cama, mesmo permitindo-lhe algumas preliminares bem sacanas, que certamente o deixavam louco, ao ponto de fazer tudo pra conquistar seu glorioso objetivo de levá-la pra cama. Devia eu ter sido mais puritana então? Acho que sim, afinal de contas fechando as pernas, fez com ele dissesse muita coisa boa dela, e com as minhas pernas abertas, fui tratada como vadia, mesmo o acolhendo dentro de minha casa, ou o obrigando de novo? Ele diz que isso não significa nada, que tais palavras foram ditas só para que se espalhassem, mas amigos, temos aqui a prova de que o sexo faz o homem mover montanhas, então não importa o quanto ame certo? Mantenha-se pura e imaculada como a virgem Maria, porquê se fizer como Lilith, ninguém te dará valor, e se der será depois de já ter considerado que nenhuma puritana, está no mercado, porquê a primeira impressão é que você é uma vadia. Não importa se sente livre, dona do próprio nariz, ou ame o cara como a ninguém amou antes, feche a porra das pernas, se não quiser se arrepender. É incrível como a influência da doutrina cristã, continua a atrapalhar a evolução do mundo, e aqui é uma batalha clássica entre um anjo do submundo, e uma humana submissa a fé, na qual aquela que se mantém ligada a velhos costumes, sai vencendo, enquanto a que é futurística se vê incompreendida e humilhada. Eu sou o demônio dessa história, e como tal, me entreguei aos prazeres carnais, mesmo que de forma moderada, dado ao meu pequeno histórico de apenas 4 pessoas, em 9 anos desde que deixei de ser virgem. Nunca me senti envergonhada por minhas decisões antes, afinal de contas tem humanas que já fizeram com muito mais homens, mas hoje me sinto totalmente errada, como se gostar de quebrar regras sutilmente, só me trouxesse desgraças. Não ser uma ovelha, no meio de tantas delas, é bem doloroso, porquê apesar de serem dóceis, em grandes quantidades elas fazem um demônio ficar louco. Porém não é de mim que estou falando, e sim do meu marido, que após se afastar da magia, se juntou a uma ovelha, e seguiu os costumes banais de sua espécie retrógrada. O Brendo que conheci no passado, jamais ligaria para esses costumes, se uma garota lhe dissesse “não”, partiria para outra, porquê seres de gênero feminino não faltam no mundo, e o único “não” que o fez lutar por um “sim” era o meu, porquê há muito tempo gostava de mim, apesar dos infinitos “bolos” que lhe dei. Mas essa mulher o fez mudar, ou a dor o fez mudar, só sei que se fez tudo aquilo para dormir com ela, estava obcecado com a ideia, e se estava assim é porquê gostava dela. Não sei como alguém pode gostar daquilo, ela é razoável no padrão de beleza admito, só que a sua personalidade, é horrível. É de fato um ser desprezível, e ao contrário do Diogo, não tem momentos de compaixão, só dá coice atrás de coice. Contudo me parece que mais um “não” valeu a pena, porquê o motivou a lutar por longos 2 anos, e isso sim fere demais. Eu não consigo descansar sabendo que uma filha de Eva, me tomou o quê era meu por direito, que perdi o quê mais me importava para ela. Me pergunto se foi porquê era popular, ou o preço do seu corpo. Todos me dizem que ela não me superou em nada, pois o Brendo me escolheu, e é comigo que tem uma família de verdade. Todavia como posso ir descansar, sabendo que disse pro amigo que a amava, não queria perdê-la, e que ia mudar por ela, enquanto que de mim, só falou que não me ama, que sou um suprimento de carência, e que “adorava quando o chupava”?  Ele explica que disse tais coisas na raiva, só que duvido que aquela japonesa do Paraguai, não o tenha o irritado uma vez se quer, aí se justifica dizendo que no caso dela, nada dizia, apenas fazia, que ele a traia, e blá blá blá. E daí que ele a traia? Sério que significado tem isso, se ficava dizendo que a amava, e jamais a tratava mal em status compartilhado? Era literalmente só sexo, o sentimento ficava para ela, então não vejo tais traições como algo ruim. Vou te dizer o quê é ruim, porquê eu sim, já namorei um canalha, e seu nome era Raphael. Todo dia me lembrava o quanto Maggy era maravilhosa, e acredite em mim, ela era mesmo, mas doía porquê eu gostava dele, e este me remediava com “mas eu gosto um pouco de você”. Daí arranjava namorada, e me pedia pra ajudar, sabendo que eu tinha sentimentos, embora pequenos em comparação ao que já senti por outra pessoa. Status? Sempre me perseguia em postagens, para zombar do tamanho do meu seio, ou dizer que era “feia”. Aí terminava vinha pra mim, e dava em cima das minhas amigas peitudas, apoiando-as sem implicar por seus gostos “emos”, ou erros gramaticais. Quando namoramos, foi para o status, e na primeira briga o tirou. Quando arranjei um namorado, ficou furioso, e ficou falando um monte de coisa só pra me seduzir. Esse sim meu bem, é o canalha do ano, mas até o cara mais desgraçado que conheci na minha vida, nunca me expôs dessa forma, e ainda me ajudou a dar um belo troco na Deborah, uma outra garota que também tentou roubar meu lugar, como filha de Lúcifer. Isso aí de namorar, trair e fazer declaração de amor o tempo todo, não é ser cafajeste, no mínimo canalha, mas não é uma coisa terrível, ao ponto de dizer “minha nossa pobre Késia que foi traída, o Brendo é o pior namorado do mundo pra ela”, ele estava apenas sendo homem, um homem que não presta, mas só isso. Humilhação foi saber que estava comigo por carência, foi ser lembrada de que era pior do quê as outras. Tadinha da Késia é o caralho, coitada é de mim, que tive de aturar o pior desses dois homens. No entanto não foi de todo o mal, porquê apesar de tudo, todos esses idiotas sempre vem atrás de mim, já que os conquistei de verdade, entretanto apenas um deles fica, porquê eu ainda permito, e este alguém é o Brendo. Não sei se estou jogando outra vez o meu orgulho no lixo, por alguém que não fez metade dos meus sacrifícios, só que tenho de admitir, se o B realmente sofreu com a minha perda, e fez de mim um fantasma que assombrava o seu relacionamento com a “bruxa” Kéka, talvez seja o único a merecer as segundas, terceiras e quintas chances que já me esforcei para lhe dá. Já que até o momento, ninguém mais me amou, ao ponto de atrapalhar toda a sua nova vida. Tenho que encerrar esse capítulo, não apenas porquê é um drama bem patético para quem o lê, quer dizer eu o deixei, eu o trai, enfim foi tudo eu não é? Mas voltando ao assunto, porquê esse passado me machuca muito. Sei que estou errada, os mais próximos de mim, fazem questão de me encher o saco com isso, até os psicólogos, dizem que não estou vendo o quanto ele me ama, e que parte das minhas teorias estão distantes da realidade. Só que depois de ter visto, o quanto ele dedicava a ela, e a amava, fico me perguntando se não seria melhor, ter o mantido longe, e deixado seguir sua vida. O quê fazia de bom por ela, nunca fará por mim, foi besteira pensar que sim, que todas as mulheres independente de suas falhas, merecem o tratamento “vip”. Não que não faça nada por mim, ele o faz, trabalha para me sustentar com os meus luxos, cuida de mim, e de nossa filha, e dificilmente me abandona, só o faz quando vê que nosso relacionamento, mais faz mal que bem pra mim, é, ele diz que me ama também, mas será que isso vale alguma coisa? Depois de tudo o quê aconteceu, não consigo acreditar em mais nada dele, acho que foi assim que se sentiu quando fui eu a traí-lo, mas ele não é de todo o mal, não é bom demais como o Caio, nem mau ao ponto de ser como o crápula do Diogo, é uma espécie de equilíbrio, entre o cara certo, que é agora, e o cara errado que foi antes, e não sei como agir diante disso. Mas não vamos estender esse assunto mais do quê o necessário, esse livro não é sobre os fracassos românticos de Thaís, e sim a respeito da história de um anjo caído, que há muitos séculos foi calado, pelo pecado de ter nascido no Paraíso, quando anjos supostamente não podiam ter filhos, e é sobre isso que vou me aprofundar agora. Não é de hoje que tenho visões sobre o mundo acima da Terra, e seus seres. Começou simples com imagens de outra dimensão, onde era perseguida por belas criaturas, que de majestoso só tinham o rosto, pois suas almas eram podres. Nunca soube ao certo, a razão de ter isso tão bem delimitado em minha mente, acreditava que 

    se tratava apenas de imaginação, ou mesmo pela influência midiática, mas com o tempo esses devaneios se provaram úteis na minha descoberta, sobre quem realmente sou, e o quê estou fazendo aqui. Sempre tive orgulho de dizer a minha mãe, que não tinha problemas de identidade, pois mesmo sendo filha de Lúcifer, não deixava de ser “Thaís”, e por um longo tempo isso foi verdade, até que um dia passei a questionar, qual das duas era real. Se você não crê em nada, além do material, e ainda sim chegou até aqui, certamente dirá que apenas Thaís é real, e o resto não passa de ficção. Um conto que criei, para fugir da minha dura realidade, de fracassada social, derrotas românticas, e a ausência da figura mais importante da vida de uma mulher, o próprio pai. Estou ciente dessa versão dos fatos, não se dê o trabalho de me xingar de insana. Contudo como o termo sugere é apenas uma versão dos fatos, que por sinal não pode ser comprovada, enquanto há relatos  concretos de que nem tudo, está apenas na minha cabeça. Você pode está entrando em contato com o próprio anticristo, sinta-se honrado, ou assustado, a escolha é sua. Deve está pensando agora, "Não pode ser o anticristo, se está falando nisso abertamente, pois este jamais se revelaria." E eu digo é mesmo? E qual seria o propósito de ter que me esconder, se não cometi nenhum crime? Se sou esta figura majestosa, posso afirmar que apesar de todo o mito que envolve a minha existência, não sou nada do quê acreditam. Não estou aqui para trazer morte e destruição a humanidade, apesar de que em alguns momentos me sinta tentada a isso, vim só para lutar pelo meu povo, e ajudá-los nestes tempos sombrios que continuam a se aproximar. Não são os religiosos que serão perseguidos mais a frente, mas sim nós, porquê nossas ideias são uma afronta a velhos dogmas, que deveriam ser esquecidos, pois não passam de versões deturpadas dos conhecimentos antigos. Mas abordarei sobre esta época no devido momento, outra vez fugi do assunto principal que são as minhas visões extradimensionais, e peço perdão, é que são tantos assuntos a serem tratados, que me perco num turbilhão de informações. É de conhecimento de todos que desde criança vejo a outros mundos, o quê não se sabe, é que muitas vezes mergulhei de fato nestes universos. Era como se fizesse parte daquele cenário de luta e sangria, podia ouvi-los, senti-los, e me ver literalmente em outro campo universal, e quando voltava a este mundo, demonstrava habilidades sobrehumanas. A questão é que após chegar perto da idade adulta, isso se tornou ainda mais intenso, era como está hipnotizada, para alcançar os níveis mais profundos da consciência, onde enxergava aparentemente com mais clareza. No começo me via sempre como um ser de Órion, onde vi que a batalha entre os anjos e os demônios ocorreu, exatamente em Rigel. Contudo por razões de desconfiança do destino, nunca aceitei que ali era de fato o meu lar, pois as características do meu corpo real, e com real quero dizer primeira casca, não se assemelham as deles, sou ruiva de olhos violetas, e eles tem olhos amarelos,

    com aspectos de felinos, sendo que eu me

    assemelho mais aos pássaros e cobras, simplesmente não batia, por isso fui investiguei com mais precisão, e descobri que na verdade há grandes chances de pertencer a Andrômeda, o lugar dos seres mais evoluídos da galáxia, aqueles que deram origem ao termo "iluminado". De fato, os aspectos se encaixam, no entanto não completamente, e é daí que surgiu uma nova peça deste quebra-cabeça. É hora da história, a história de minha outra vida, sente-se e pegue um copo de uma deliciosa e gelada Coca-Cola, pois há muito a ser dito. Já tentei levar uma vida normal, sabe? Ignorar as notícias do jornal, e fantasiar que a vida é boa, e o mal não existe, só que sempre alguma coisa me puxa de volta, para esse planeta de alucinações, e acho que está na hora de parar de lutar contra isso. Eu amo não ter uma vida normal, e projetar futuros que acontecem figurativamente, então porquê negar que estou satisfeita com minha suposta loucura? Não o farei mais, e por isso vou lhes contar sobre o passado que não me deixa cair no sono, uma época que soará como parte de um bem elaborado filme de ficção científica. Todavia os que sabem da minha existência, sentirão no fundo dos seus corações, que esta é a verdade, a minha versão fatídica, o lado oculto da moeda de Luciféria Lilith II, primeira princesa do reino do ar, conhecido como o Inferno. Há milênios atrás, houve um reino que era supostamente perfeito, todo branco com criaturas pálidas e inteligentes, que mais tarde seriam conhecidas como "anjos", estes jamais questionavam o seu criador, o pai de todos conhecido por Uno. Neste lugar tinha várias regras, e quem não as seguia era mandado para o calabouço celestial, de onde nunca mais sairia. Mas a maior das ordens era que tais seres não podiam se relacionar entre si, não de forma imprópria, pois o contato físico levava a impureza da sabedoria, que resultava numa prole imperfeita, que não deveria habitar este mundo. Por quê? Ninguém sabia ao certo,

    só que preferiam não arriscar, afinal de contas descer, era o pior dos seus temores. Certo dia um serafim resolveu se rebelar contra tais mandamentos, e se apaixonou por Layla a protetora dos partos, um lindo anjo de cabelos de fogo e olhos claros, que pertencia a um segredo obscuro. Layla era parte de um ambicioso empreendimento celestial, e por esta razão não tinha tantas asas, quanto os outros andromedanos, e só pôde ser liberada para andar em sociedade, porquê não  apresentava riscos ao projeto principal. O serafim não sabia do passado de sua amada, mas aceitava vê-la todas as noites, embaixo da gigantesca árvore, onde realizavam atos de pura luxúria, conhecendo aos seus corpos, e encantando um ao outro. Desta união nasceu uma criança, que mudaria todo o conceito sobre a vida, até então conhecido, pois até aquele momento ninguém acreditava que os "anjos", podiam ter o dom de dar a vida, e isso era um tapa no rosto de Uno, que odiou descobrir que seus filhos, também podiam procriar. Ao saber das novidades, o grande pai de todos, rebaixou o serafim para anjo, e o mandou para Órion, para cuidar da nova geração de seguidores, de Veneno de Deus, este passou a se chamar de Lúcifer, pois seu ato ousado, trouxe uma luz para os estudos do criador, que estava a inventar novas espécies para povoar o universo, que se encontrava vazio de seres racionais,  como uma selva exótica gigantesca, que mais tarde se tornaria uma nova cidade de pedra. Uno era severo é verdade, mas reconhecia as proezas do filho mais velho, e por isso não o exilou do plano celestial. Com o novo nome e missão, Lúcifer continuou a respeitar os desejos do pai, e seguiu sua vida junto de Layla e a filha recém-nascida, a quem batizou de Luciféria, por acreditar que ela era uma extensão da sua luz. O mais forte guerreiro, agora era o senhor das virtudes, e este não se importava com a mudança de patamar, pois onde quer que fosse, sempre conseguia ser o melhor no que fazia. No entanto com o tempo, o agora anjo passou a detestar sua tarefa, porquê percebeu que as leis ditadas por seu pai, não atendiam aos outros, e sim aos seus próprios desejos, e por esta razão este declarou guerra a hipocrisia de Uno. Não tardou para surgir aliados da causa, e pouco a pouco, todos que viviam em Rigel se juntaram a Lúcifer, na batalha pela liberdade de escolha, que os homens chamariam de livre arbítrio. A primeira batalha foi sanguinária, e houveram tantas baixas, que apenas um terço das áreas paradisíacas, foi mandado para a área fria e tenebrosa, que os fiéis seguidores de Uno mais tarde chamariam de Inferno. No começo todos os prisioneiros daquele submundo, detestaram Lúcifer, porquê alguns deles estavam lá por sua causa, mas não tardou para este conquistar a simpatia dos demais, e ser reverenciado como um rei. O pior lugar do universo, literalmente, se tornou um lar para aquele que um dia foi um serafim, mas este não conseguiu descansar, porquê sua mulher e sua filha, foram tomadas pelo grupo inimigo, e ele conhecia todos os métodos de tortura que usariam nelas, por isso planejou uma rebelião. A esta altura Luciféria não era mais uma criança, estava na adolescência, e por ser tão bela quanto sua mãe, era um prato cheio para os pervertidos que de tanto negar suas vontades, agora tinham desejos insanos e sádicos. Por carregar o DNA de seu pai e sua mãe, ela conseguia se defender, usando suas habilidades paranormais, mas não era capaz de lutar contra um anjo, protegido de seu tio Mikael, chamado Arakiel, que invadia a sua mente, e fazia o quê bem entendesse com o seu corpo, obrigando-a a assistir todo o próprio sofrimento. Por isso todo dia implorava pela ajuda de seu pai, para sair daquele lugar terrível. Layla continuava desaparecida, provavelmente tinham retomado o projeto no qual fora inserida, desde o princípio da criação, e nada podia se fazer. Após muito pensar, Lúcifer e seus velhos e novos seguidores saíram do mundo que ficava abaixo, e foram em busca das garotas de seu comandante, com mapas que marcavam os laboratórios dos andromedanos. Só que mesmo com toda a chacina, não conseguiram encontrar os anjos, até que as duas foram abandonadas nos portões da entrada, em estado deplorável. A mãe abraçava a filha, ambas cobertas jde vermelho, com os olhos vazios, e ferimentos tão profundos, que o líder dos renegados, tinha certeza de que a tortura fora além do físico, e isso o deixava furioso. Todavia naquele momento tinha de ser racional, e por isso pegou as duas em seus braços, e as levou para dentro de uma nave espacial enorme, na qual abrigou todos que lhe ajudaram na guerra contra seu pai, e zarpou para o desconhecido. Por fazer parte do esquadrão de Andrômeda, quando carregava o seu nome de nascença, Lúcifer conhecia bem as terras que não foram

    mapeadas por Andrômeda, e por isso acreditava que podia dar um novo lar a todos que foram injustiçados, principalmente a sua doce amante e a filha, que precisavam de cuidados específicos. Foi assim que aterrissaram na Alfa-Draconis, um ponto do mapa que se assemelha "ao triângulo das bermudas" na linguagem humana, ou seja praticamente impossível de rastrear. Era um lugar totalmente novo, selvagem, e inóspito mas com o olhar esperançoso e visionário, Lúcifer sabia que podia fazer dali o seu novo lar. No início, Layla continuava distante, mas depois de alguns meses, foi se aproximando das criaturas, com as quais percebeu que

    tinha enorme semelhança. Havia gene de serpentes e dragões em seu DNA, que tinha sido encontrado em laboratório, após uma profunda análise. Layla era filha da Alfa

    Draconis, e isso estava bem evidente, ela era o ser racional preparado pelos próprios andromedanos, para colonizar o novo mundo, e percebendo este fato, Lúcifer viu uma ótima oportunidade de ajudar sua amada, e também aumentar o seu exército. No entanto antes de criar projetos, precisava saber se esta aceitaria se juntar ao confronto, depois do triste ocorrido. Para sua sorte, sua parceira estava tão fora de si, que aceitou participar da sua empreitada, e se aproximou dos seres que habitavam o local. Vendo o quanto seus pais estavam se empenhando, Luciféria começou a estudar genética para poder ajudá-los, só que sua mãe queria que fosse além, por isso lhe ensinou sobre a reserva de energia oculta, que mantinha Uno vivo, a qual os outros chamariam de magia. Nesta época a bela e dedicada filha de Lúcifer, se juntou a um dos injustiçados, um ser antigo, porém não tão  velho quanto os outros, cujo o nome não sou capaz de lembrar, mas lembra bastante a Asmodeus. Este foi o primeiro dos rebeldes que se juntou a causa de Lúcifer, e era um dos seus favoritos, na escolha para a nova dinastia, por essa razão o mais belo de todos os alados,

    tinha gosto em fazer desse jovem, pretendente da sua garotinha. É claro que no início, a dama angelical nem ligava para o compromisso, não importava em que posição o companheiro se encontrasse, estava mais interessada em lutar contra aqueles que destruíram sua mente, por isso se casou com o amigo de seu pai, sem questionar se se sentia, ou poderia sentir algo pelo seu companheiro. Ele não era apenas um seguidor de seu pai. Graças a sua lealdade, era dono de um reino completo, e o responsável pelo bem estar dos dragões na Alfa. A união era benéfica por motivos exopolíticos, pois este ser tinha uma linhagem poderosa, gerada por Uno em laboratório, que lhe dava direito as terras de outro plano da via láctea. Mas amor, era algo que nenhuma das novas criaturas conhecia, com exceção de Layla e Lúcifer, que o descobriram por acaso. Os primeiros dias foram estranhos, dormir ao lado de alguém que mal conhece, não é fácil, principalmente se a única vez que te tocaram foi para abusar de você, e por isso Luciféria se manteve distante do par, como se fosse virgem. O quê a bela e violada moça alada não sabia, é que seu marido sentia-se impelido a cuidar dela, e lhe fazer todo o bem que fosse possível. Já havia lhe notado a distância, e toda vez que seus olhos se encontravam, uma carga de energia percorria-lhe o corpo, e ele não conseguia explicar a razão, sabia que eram os elétrons, através dos seus neurônios, porém não entendia porquê apenas com ela, era capaz de sentir tal coisa. Sim, ele a amava, e não estava consciente disso, até Lúcifer lhe fazer perceber, pois o quê se passava com ele, também acontecia com seu sogro, quando via a linda ruiva de olhos claros, mãe de sua filha. Sabendo do quê sentia, o pobre demônio, tentou esquecer aquilo, se entregando a orgias e perdições, recém descobertas pelos "anjos", estava claro que Luciféria não sentia o mesmo, então o melhor a se fazer, era não perturbá-la com algo, que só lhe dizia respeito. Ele estava certo, o primeiro fruto angelical, não tinha espaço na sua vida, para vivenciar tais tolices, que segundo a mesma, só os que nunca viram a verdadeira escuridão, poderiam sentir. Sem poder se aproximar do foco do seu interesse, o nobre guerreiro andromedano, viu que a única forma de fazer parte da vida dela, era sendo seu mentor em cientomagia, uma união dos conhecimentos esotéricos ligada aos saberes científicos, matéria na qual era expert. Mas a abordagem falhou, e este teve de procurar outro papel para ser notado, o de conselheiro, da nova princesa dos dragões. Assim pode andar ao seu lado, como um dragão de guarda, só que mesmo assim não se destacou. Para a sua tristeza, tudo o quê a dama sabia sobre ele, e que era inteligente e o braço "direito" de seu pai, que tinha sido escolhido a dedo, para ajudar-lhe com as questões do novo reino. Uma pequena mentira inventada pelo seu mentor, que torcia para que a sua filha escolhesse o seu aprendiz como  companheiro num futuro próximo. O demônio era poderoso e influente o suficiente, para ser parte de conselho dos 9 reis, todavia preferia se passar por plebeu, para ficar perto da moça. Certo dia uma notícia mudou toda a sua perspectiva, percebendo que a filha jamais iria escolher o ser, Lúcifer lhe impôs que casasse com outro demônio, um traidor que o rei dos condenados, sabia que o jovem apaixonado seria capaz de expor, o quê obrigaria este falso nobre, a tirar sua máscara, e sair das terras sagradas, matando dois coelhos com uma cajadada. Ele não merecia está ali, com aqueles que estavam decididos a segui-lo de coração, se tudo o quê queria era poder, e o monarca não deixaria barato. Azerath era o nome do perjuro, e este estava disposto a tomar Luciféria para si, apenas para matá-la, mas o pai dela não sabia a que nível iam os delírios do príncipe sem coroa, por isso permitiu a união. Ao vê-la prestes a cair nas garras de um canalha, o demôniou colocou em prática todas as artimanhas que tinha em mente para lhe expor. Não acreditava que da noite para o dia, tinha deixado de ser o primeiro na lista de melhores pretendentes para a princesa, e quando ouviu dos lábios de seu mestre, que era fraco e impotente, isto o fez sentir-se exasperado, ao ponto de querer provar que era muito mais do quê um covarde.

    Desesperado para recuperar o respeito que achava ter perdido, o demônio raptou a dama no quarto de noiva, e a levou para as montanhas, onde a escondeu, alegando que era para a sua própria segurança. Luciféria ficou confusa, não sabia porquê o mentor estava tão estranho, por isso em vez de ouvi-lo foi ver o noivo, e acabou voltando para casa numa maca, a beira de uma overdose. O ser que já estava com raiva, ficou possesso, e em vez de ir atrás do traiçoeiro, o atraiu para dentro do castelo, conduzindo-o a uma armadilha que resultou numa confissão. Ao ver o quanto o seu pupilo cresceu com o confronto, Lúcifer sorriu, sabia que o rapaz tinha talento, e assim baniu o traidor, entregando a mão de Luciféria, para o único que era digno dela. Após o ocorrido, a bela não lembrava de nada, com exceção do fato de que seu noivo tinha tentado matá-la, e o ser  preferiu manter segredo sobre seu ato de heroísmo, queria que ela casasse com ele por amor, e não por lhe dever, todos em Alfa concordaram com os termos, e a menina dos cabelos de fogo, andou pelas vilas, sem saber o quê acontecera. Ele não conseguiu, e a moça disse-lhe o tão esperado sim, de forma tão robótica e fria, que os moradores a odiaram por desprezá-lo, mesmo que não soubesse o quê este tinha feito, para ser tão adorado pela maioria. O relacionamento não foi como um conto de fadas, apesar de dormirem juntos, eles mal se conheciam. Ela permitia que fossem adiante no ato de acasalamento, no entanto era tão monótono, que o próprio quase evitava o contato, tratando-a como intocada. Muitas vezes se via tentado a cair na farra, e se encher de substâncias psicoativas, mas quando passava da sedução, preferia retornar para o lar, antes que se envolvesse com outra. Não que a infidelidade fosse um crime,  ela não era, porém eles respeitavam muito a honestidade, e se esta fosse quebrada, sim era uma traição, muitas vezes mal vista pela sociedade. O ser conhecido por ter sido preso apenas por impurificar seu corpo, e destruir as suas habilidades de controle, agora tinha de voltar para o lar, junto de uma criatura frígida que nem sequer o valorizava, da maneira que queria. Ela fazia o básico para tratá-lo bem, só que não havia ternura em seus atos, e isso deixava claro que sua compostura, se dava por educação, e não amor a ele, o quê o entristecia muito. Tinha a mulher de seus sonhos, mas esta estava se afogando em trevas, e não podia respirar o ar da paixão. Certa vez este tomou tantas doses de uma bebida forte, que não segurou a lingua perante a esposa, e esta ficou tão chateada com sua visão da verdade, que partiu para a floresta, onde foi morar com os pais, junto dos dragões, os seus únicos amigos. Ele não foi atrás dela, estava exausto de tentar manter um relacionamento, que para ela não passava de um acordo feito por seu pai, após acordar. Grahan o dragão branco acinzentado, então cuidou da moça, e abriu-lhe os olhos, com a habilidade telepática, mostrando os sacrifícios que o seu admirador secreto fez, apenas para está ao seu lado. Fazendo-a notar que sua raiva tão intensa, a tornava cega para aqueles que lhe desejavam o bem, e lhe causava tanto asco que acabava sendo tão cruel, quanto os que queria destruir. Sentindo-se estranha, ela regressou para o lar do marido, e finalmente lhe contou sobre como tinha sido machucada, e porquê não podia retribuir seus sentimentos, ele ficou triste, mas entendeu, e permaneceu do seu lado. Na manhã seguinte, parou de planejar as suas saídas, e passou a criar projetos para tentar lhe devolver a alegria de existir, e assim seguiu por vários meses, até fazê-la sorrir, e depois do primeiro riso, vieram outros, que logo se tornaram comuns. De alguma forma, ele a deixou radiante, e todos do reino puderam perceber, e foi aí que a inveja das ninfas surgiu. Elas podiam ter o ser que desejassem, só que jamais teriam o quê a princesa tinha, e por isso tramaram para que desaparecesse. Com a ruiva distante, seria mais fácil de conseguirem ter a atenção do demônio, que antes frequentava as suas rodas lunares de perdição. Infelizmente para elas, o casal se amava tanto, que podia sentir quando um precisava da proteção do outro, e desta maneira sempre atrapalhavam o esquema. E tudo teria terminado bem, mas se assim fosse hoje não lhes contaria essa história, então não, não houve um final feliz, e este casal ingênuo, ainda teve muito mais o quê enfrentar. A existência de Luciféria, era um erro grave nas projeções de Uno, que anseava esconder mais um segredo, para não peder o controle dos fiéis, por isso este mandou todas as suas tropas para caça-la, e foi assim que ela desapareceu de Alfa Draconis. O quê quase ninguém sabia, é que a moça agora carregava mais uma parte da linhagem de Lúcifer, assim como sua mãe. O demônio ficou louco sem a esposa, e a procurou por todos os cantos, temia que esta tivesse enlouquecido, pois depois de tantos sorrisos, voltara a agir com desconfiança e medo, e o pai e a mãe dela também organizaram grupos de busca, mas ninguém a achou.  Sem saber o quê fazer, o novo senhor dos injustiçados, lançou mão de uma nova artimanha, para tentar resgatar a filha, que claramente tinha sido raptada. Reuniu os moradores, e lhes mostrou a sua nova empreitada.Se queriam ajudar a tirar a menina das garras da federação intergalática, teriam de deixar de ser andromedanos, para serem uma nova espécie, algo adaptado ao

    seu novo lar. A premissa trouxe temor a comunidade, e por isso Lúcifer foi o primeiro a deixar de ser um anjo, para se tornar algo novo e mais poderoso, e ao vê-lo tão bem com as suas novas habilidades, todos seguiram adiante com a mutação, e assim surgiu a raça draconiana, a qual só Layla pertencia antes. Com seus olhos e asas de dragão, os seres foram a batalha prontos para trazer uma das suas. Lúcifer e Layla ficaram felizes com a união dos demônios, e ambos se tornaram dragões gigantescos, para fazer os outros os seguirem. Assim entraram na nave, e se dirigiram para o primeiro lar das criaturas pensantes do universo, onde sabiam que iriam encontrar a jovem princesa alada, que ainda não tinha sofrido mutações. A invasão foi um sucesso, desta vez as baixas foram maiores para o lado inimigo, e quando Luciféria se reencontrou com os outros, ficou surpresa com o quê se tornaram, mas foi com estes de volta para o lar. A Alfa draconis não era mais a mesma, todos eram metade humanoide, metade dragão, e a dama se recusava a ter mais do quê os 13% de gene draconiano em seu sangue, por isso a maioria a detestava.

     Acreditavam que o fato de manter suas asas de pena, era um crime hediondo, já que aquilo representava a ditadura de Uno. O quê não tinham noção, é que Luciféria mantinha as suas asas, apenas para não esquecer dos que lhe destruíram, e se lembrar de que voltaria a Andrômeda, para um dia se vingar. Asmodeus a apoiava, mesmo sem saber porquê a sede de sangue da moça tinha retornado com tanta força. Até que um dia esta lhe contou, e ele ficou furioso, juntando-se imediatamente a causa, pois Andrômeda, tinha lhe tirado muito mais do quê o seu sossego e o da esposa, aqueles desgraçados agora tinham posse de sua filha, e eles não sabiam para onde ela seria mandada. Cansada de ser sempre salva por seu pai, Luciféria foi atrás do general Belial, e pediu para ser treinada, para que num futuro próximo não fosse mais uma vítima dos iluminados celestiais, e sim uma guerreira pronta para destruí-los. O treinamento não foi nada fácil, o general esperava o pior dela, por não querer evoluir como os outros, mas a dama superou suas expectativas, e se tornou uma ótima lutadora, ficando como segunda no comando do grupo de batalha, que ficava atrás dos seus amigos draconianos, que a seguiam para onde quer que fosse. Desta forma de anjo fraco, a moça ficou conhecida como princesa dos dragões, guerreira da luz violeta. Sua mãe ficou tão orgulhosa, que lhe ofereceu a guarda de um grupo de dragões, para serem apenas seus. Só que apesar das suas vitórias, a menina mulher dos cabelos de fogo, não se sentia completa, não sem o bebê que lhe roubaram, por isso aguardava ansiosamente pelo futuro 

    confronto. O dia D chegou, e todos foram a luta, para impedir que os andromedanos viessem a destruir o novo lar, e no meio da briga, Luciféria acabou entrando num portal para um novo mundo, que em breve se chamaria Tiamat, e viu que ao contrário do quê Uno impôs, a vida podia sim existir sem sua intervenção sagrada. Outra vez a bela sabia demais, por isso lhe mandaram um assassino, conhecedor da geomancia, que lhe dava calafrios e mexia com a sua mente, atormentando-a de todas as maneiras. Luci teve de lutar contra o seu carrasco, só que ao contrário das outras vezes não padeceu, ficou de pé, e conseguiu arrancar -lhe jorros de sangue, até derrubá-lo, e correu para procurar a filha na nave inimiga, onde a reconheceu de imediato, e a levou para longe da guerra.  Ao se juntar aos seus dragões, a moça entregou o lindo querubim para as criaturas, e pediu para que a protegessem, e mantivessem-na oculta de toda Alfa-Draconis, com exceção do marido e seus pais, pois temia que houvesse algum outro traidor, entre os moradores. Averiguando com cuidado, Luciféria voltou para o castelo, e quando chegou ali, se deparou com um ser de olhos vermelhos, e cabelos negros, que a empurrou num precipício, conhecido como o penhasco das almas, no qual a bela mergulhou numa substância verde, onde sentiu toda a angustia dos espíritos que ali se encontravam, até acordar outra vez em Tiamat. No entanto ao contrário do outro momento, não tinha uma passagem de volta, e isso a deixou assustada, ao ponto de encolher as asas, e se esconder entre as árvores daquele lugar selvagem. Seus olhos violetas, como os de seu pai antes da transformação, observaram aqueles seres tão imperfeitos, que mais tarde se chamariam de homens, caminhando em direção a água, com seus pés tortos e sobrancelhas unidas. Quem eram, ela nem sequer imaginava, mas tinha certeza de que Uno estava envolvido com eles, e queria salvá-los antes que fosse tarde demais. Preocupada com aquelas criaturas feias e desengonçadas, Luciféria se infiltrou numa das naves de Andrômeda, e estabeleceu contato com a Alfa Draconis, contando sobre aquele novo espécime, e atraiu a atenção de seus pais para a terra desconhecida. Ao chegarem naquele planeta, Lúcifer e Layla ficaram maravilhados com a diversidade de animais que ali viviam. Era como um gigantesco campo de pesquisa, cheio de possibilidades, e só tinham a agradecer a sua pequena, que agora estava focada apenas em cuidar da sua família, e conhecer os seres novos.  Como já era de se esperar, os andromedanos e os draconianos um dia se encontraram, e os seus interesses entraram em conflito. De um lado tinha Uno, que tinha sido batizado de Enlil pelos terráqueos, e queria escravizá-los por serem menos sábios, que a sua espécie. Do outro tinha Lúcifer, carinhosamente chamado de Enki, que desejava ver aquelas criaturas primitivas, alcançando o seu limite, com toda a liberdade, da mesma forma que os andromedanos, que se juntaram a ele, e se transformaram em algo maior. Uma nova batalha começou, e jogando sujo, fazendo Lúcifer parecer um monstro, por saber muito de diversos assuntos, Uno conseguiu que o expulsassem junto dos seus. O quê o senhor celestial não sabia, é que o seu antigo e mais forte brigadeiro, deixara para trás uma cápsula injetável, que provocava mutações, nas mãos do líder de um pequeno grupo, que acreditava nele, garantindo a continuação da linhagem draconiana, neste novo mundo. Apesar da maioria cair nas ladainhas de que Uno, tinha criado tudo o quê existia, haviam aqueles que ouviam a voz da razão, e acreditavam na versão de seu querido Enki, a quem deviam todo o  conhecimento que agora possuíam. Assim surgiu o povo de Atlântida, que foi destruído para dar espaço aos Maias e os Egípcios. Como sei de tudo isso? Eu não sei, mas creio que nós andromedanos, temos a capacidade de ver e ouvir, de forma onipresente, através da projeção astral, por isso sei tanto sem participar diretamente da história. Sim, eu sou Luciféria, e é um prazer conhecê-los, mas essa jornada não acabou com a nossa expulsão, por isso continuarei a contar sobre a minha vida. Certa vez retornei a este plano depois de muito tempo, e fui para um lugar chamado Babilônia, onde meus pais realizavam encontros com seus seguidores, e lá dei auxílio a todos que queriam saber sobre a verdade, a respeito do criador. E de tempos em tempos, continuei a voltar como porta voz dos que eles chamaram de "deuses" que na nossa linguagem, significava apenas "seres superiores". Eles também acreditavam que eu era uma deusa, por andar com dragões, e lhes mostrar minhas habilidades telecinéticas, mas eu os via, sempre como meus iguais, assim como meu pai me ensinou. Acreditava que nós éramos irmãos do cosmos, e não havia necessidade de nos tonar maiores ou menores que eles, mas eles se sentiam melhores assim, então não os privava de me chamar como tal. Era bom ser querida, e necessária, por isso vim a esse planeta, que antes se chamava Tiamat, me trazia enorme alegria. Infelizmente como nada que é bom dura para sempre, nem mesmo para nós, quando veio a primeira guerra mundial, eu fui capturada por um grupo de Judeus, que achava que era mais uma arma nazista, por causa de minhas asas negras, e estes me levaram os seus anjos, que destruíram meu DNA, desativando as partes que me davam habilidades, e me tornando uma humana, frágil e incapaz de me defender, como quando tinha poderes e Belial não tinha me treinado. Tentei me juntar aos homens, principalmente aos nazistas, mas acabei por ser internada num hospício dirigido por Mikael, ou Miguel como os humanos chamavam agora .Onde sofri todas as torturas que se possa imaginar. Outra vez os abusos aconteceram, contudo não podia fazer os agressores sangrarem pelos olhos, e por mais que fosse uma boa lutora, com o corpo que tinha, não podia sequer arranhar, os enfermeiros, que eram parte do plano de super soldados. Não tinha mais provas de que era do outro mundo, a não ser pelo fato de ser quem era, e graças a isso, os humanos que me adoravam, deixaram de me seguir, e se juntaram a Andrômeda, com medo de perderem seus poderes também. Fui resgatada, não era a primeira vez que tentavam me capturar. No entanto das outras vezes, não me colocavam em laboratórios, mas sim tentavam me mandar pra fogueira, ou ser enforcada no topo de uma árvore, só que como tinha as minhas capacidades extras, isso  não era o suficiente para me deter. Luciféria não existia mais, e por isso não quis voltar para Alfa-Draconis. Sem minhas características fora do comum, era realmente igual aos outros humanos, por isso não podia voltar para o meu lugar de origem, aliás nem sequer podia respirar o ar cheio de carbono, então o melhor a se fazer era ficar aqui. Após ter tido tantos nomes dignos de uma deusa, agora tinha adotar uma nova identidade. Tal como minha mãe, quando foi capturada, e obrigada a ser esposa Adão, que supostamente seria a sua outra metade, e com quem tinha de repovoar o planeta, após a terrível explosão, que dizimou todos os fiéis de Uno, deixando apenas os que seguiam Enki no planeta, enquanto fundavam a Atlântida. Para o azar de Uno, Lúcifer nunca desistiu do seu primeiro amor, e a tomou de volta para si, ao apresentar-se usando o primeiro nome que Uno lhe deu, tirando-a do controle mental em que lhe colocaram. Eu tinha que adotar um nome comum, e por isso escolhi ser chamada de Isabel, haviam chances de alterar o meu DNA ao seu estado original, mas com o nível de tecnologia deles, levariam muitos anos, por isso tive de levar uma vida normal, como fugitiva dos nazistas. Sendo apenas humana, fui bem recebida pelos judeus, que me deram um lar, até surgirem os soldados, prontos para o massacre. O nazismo em si, não era um partido político, que estava caçando  os  judeus, gays, e africanos. Este órgão governamental, era uma força tarefa de Andrômeda, para eliminar os remanescentes da Atlântida, antes que o mundo descobrisse sobre a existência real deste povo. Sim, essa história de serem Arianos, é uma farsa, eles eram na verdade Andromedanos, e estavam dispostos a sacrificar os seus, para eliminar de vez todos os resquícios de Lúcifer do planeta.

    Nunca achou estranho, o fato de perseguirem com maior intensidade os africanos e os gays, ambos os grupos que representam a liberdade, tanto religiosa, quanto sexual? "Ah mas os judeus morreram em maior quantidade!" Assim te ensinaram meu bem. No exército de Hitler tinha judeus, que o seguiam, por acreditar nas hipocrisias de Uno, achando que estavam perante o seu próprio Deus. Mas essa guerra nunca acabou, em algum momento fizeram deste planeta uma prisão, um gigantesco campo de concentração, para esconder todos os extraterrestres traidores de Andrômeda, e as falhas do plano supostamente perfeito do criador. Não é a toa que existe uma ordem secreta, com propósitos claramente religiosos, dominando o mundo, e movendo a vida das pessoas, como se tivessem no The Sims, eles são os carcereiros, e precisam garantir que não saiamos daqui. Aliás este foi plano secreto de Uno desde o começo, por isso precisava da total submissão dos homens, para garantir que seus fracassos, jamais se lembrassem de quem eram. Lúcifer queria que este planeta , fosse o lar do aprendizado e a sabedoria, enquanto que o criador, apenas desejava usá-lo para aumentar o espaço do Submundo de Andrômeda, já que depois da revolução Luciferiana, o número de prisioneiros não parava de subir. De certa forma somos perigosos demais para andar pela galáxia, portanto é mais fácil apagar nossas memórias, e tirar nossos poderes, do quê nos dá qualquer chance de nos defendermos. Infelizmente não sei em que momento o " lago da liberdade" se tornou "as profundezas da condenação", 

    mas tenho certeza de que nós aliens, não cometemos um crime terrível, para estarmos aqui, e que os humanos agora são joguetes de Uno, para tornar nossa estadia um verdadeiro Inferno. Se meu pai é imperador do Inferno, ele está aqui em algum lugar, tentando nos tirar desta prisão sem grades. Porquê quem precisa de grades, depois de lobotomizar e tornar o criminoso impotente? Este lugar poderia ser o lar da justiça, igualdade e a fraternidade draconiana, mas agora está distante de o ser, é apenas um buraco imundo de sofrimento constante, e nós não podemos fazer nada para mudar, se não lutar contra os "policiais galácticos". Os humanos sempre vão ouvir as palavras de Uno, não importa o quanto lutemos para acordá-los, isso é parte da bio-programação deles, então não podemos contar com a sua ajuda. Seus familiares terráqueos, serão os primeiros a tentar te fazer abandonar a ideia de fugir, por isso não confie neles, apenas os que carregam o sangue e a consciência cósmica, é que podem te acudir. Você tem o direito de conhecer novos mundos, não há nada errado com o seu DNA. Não é obrigado a seguir as regras deles, é um deus adormecido, que foi posto no sono pelo pecado de questionar, ou como o meu, o de existir. Estas lembranças são muito confusas, porém perfeitamente nítidas, o quê me faz pensar que pode ser excesso de informação, misturado a imaginação. É claro que questiono meu estado de suposta iluminação, pois apesar de se encaixar perfeitamente, enquanto não surgem provas concretas, de que realmente sou, o quê tenho 85% de certeza ser, tudo não passa de teoria uma louca e criativa teoria, maior do quê o quê se encontra em sites de conspiração. Nestes tudo o quê verá é que os humanos, os terríveis e cruéis humanos, estão aprisionados nesta prisão, por serem perigosos para o resto do universo. Estamos em 1500 outra vez? A Terra não é o centro do Universo! Um humano não é capaz de machucar as infinitas espécies que existem, fora do planeta, e até deste sistema. Há algo mais, e este mais, é que dentro de alguns seres humanos, existem essências alienígenas, ou criaturas cobertas com a carne humana, presas a este corpo e

    seu organismo subdesenvolvido. Condenadas, sem memória, ou quando se recordam são obrigadas a esquecer, porquê sem saberem quem são, acabam confiando nos bonecos de Uno, que os chamam de loucos, porquê temem perder o posto de espécie suprema da cadeia alimentar, algo que na verdade nunca lhes pertenceu, pois este topo é das bestas gigantes, criaturas que estiveram no planeta, e em outros mundos, antes do surgimento de uma espécie capaz de raciocinar. Estes são os chamados Deuses e monstros de Lovecraft, sim são reais, e extremamente perigosos. São verdadeiros demônios, como nos livros de ficção fantástica, ou o mais famoso deles, a bíblia. Estes sim, são devoradores, cruéis, e sem escrúpulos, porquê esta é a sua natureza, e embora se acredite que a mesma pode ser alterada, a verdade é que o natural é concreto, e pode até mudar sua forma, mas a essência, o material e seus componentes sempre serão o mesmo. Então se anseia ser um membro do Culto ao Cthulhu ou Nyarlahtotep pense bem, 

    pois realmente estará se colocando em risco, não importa se é humano ou de outra raça,

    eles são os seres mais antigos e assustadores que existem, desde que o universo era apenas o Caos. Uno foi a primeira e única criatura, que nasceu com a capacidade de pensar, e por isso teve de criar sintéticamente outra espécie, que pudesse receber os traços do seu DNA. Foi assim que nasceu Duo, a sua contraparte feminina, que seria utilizada apenas para a procriação, e repasse dos genes do primeiro ser. Não é a toa que os do gênero masculino, se sentem superiores aos seres femininos, eles vieram de quem veio primeiro, mas a verdade é que sem sua metade, ele não poderia gerar outros seres, então é por isso que as fêmeas, são bem mais importantes, e glorificadas por seus óvulos. A história de Uno e Duo, não é nada romântica, ele a desenvolveu, apenas por um propósito, e não era o medo de ficar sozinho. A solidão para Deus nunca foi um problema, mas precisava de outros para aprisionar suas primeiras criações, os violentos antigos. Por isso ele não a respeitava, era apenas um pouco das suas células, nem mais, nem menos, e como tinha sido criada por ele, tinha a obrigação de servi-lo de todas as maneiras. Como sua guerreira, ou escrava sexual, na tentativa de testar se tinha capacidade de se reproduzir com ela. Duo era constantemente humilhada, como algo sem valor. Teve 7 filhos com Uno, e nem um deles, soube de sua existência, até o dia da Revolução Luciferiana, todos acreditavam que Uno havia os feito, e ele poderia mesmo, só que preferiu verificar outras formas de reprodução, que não envolviam a síntese. Não tinha mencionado Duo antes, porquê a história de Uno e suas injustiças, é o quê tem perturbado minha mente, mas ela é importante para toda a história, não só a minha, como a de todos os mundos. Após a grande guerra entre os anjos do senhor e os caídos, ela se tornou a maior autoridade, a qual os seres dispostos a lutar pela justiça procuraram. Seu nome na Terra foi modificado para Gaya, uma homenagem ao seu poder de criação instantânea, que vinha dos 50% de DNA de Uno compartilhado com ela. Duo é a minha avó, como os terráqueos chamariam, devido a sua ilusão de tempo, criada por uma corrupção dos telômeros. Ela é doce e bondosa, uma verdadeira luz diante da escuridão de Uno, mas a sua natureza amável, é facilmente manipulada por interesses esdrúxulos, e por mais que tente abrir seus olhos, ela assim permanece, por isso não me dou bem com ela. Ela é a deusa Cerridween dos Wiccanos, a Maria dos Católicos, e certamente me protege, mas eu não tenho intimidades com este ser tão poderoso, que de Deusa da criação, tem sido a reduzida a humana, que supostamente deu a luz a um dos filhos de Uno, digo Jeová, sem o contato sexual, e mesmo assim não levanta a sua espada, e luta para ter o seu nome respeitado. Duo é incrivelmente forte, apesar de sua maior característica ter ligação com o amor, ela tem dons que poderiam facilmente devastar todo o universo, e parte do multiverso. Eu herdei alguns dos seus dons, devido aos 13% de DNA divino que corre em minhas veias. Por isso certas coisas acontecem, quando fico com raiva, nunca consegui controlar minhas habilidades, e pra ser sincera nem tentei, queria lutar por ter o necessário para a guerra, e não ser uma arma sem intelecto. Como minha mãe, ela também foi uma criação, porém diferente dela, Lilith foi fervorosamente amada pelo filho mais velho

    de Uno. Duo e Lilith são semelhantes, como se fossem mãe e filha, ambas são ruivas, tem a pele clara, e os olhos brilhantes, no entanto Duo é pura energia em sua forma real, só que se pode ter uma ideia do seu físico, porquê ela consegue facilmente se materializar, fazendo juiz ao seu status de Deusa Suprema. Peço perdão, mas não sou capaz de continuar a falar de Duo, porquê nunca a admirei, é por causa dela que estou aqui, e isso não me faz nem um pouco feliz. Em algum momento vim pra cá, numa missão suicida, mas ela me tirou da morte, e me colocou neste corpo, deixando o seu sinal, para que eu tivesse certeza de que era a responsável. Eu literalmente devo esta vida a ela, então não há porquê agradecer, meu marido está aqui, junto de mim, e a minha filha também, mas ela não fez nada para impedir Uno, de tornar minha estadia neste lugar um inferno. Coisas ruins aconteceram comigo, e ela com certeza estava tão focada nos seus seguidores, que nem sequer soube, ou me deixou sofrer, porquê nunca quis seguir o seu lema de amor incondicional. Ela é boa, mas em seus atos de bondade, acaba sendo igual ou pior que Uno, então me perdoem queridos leitores, não dá pra continuar a falar da deusa, sem descer ao nível da escrita, e parecer uma lunática ainda maior xingando-a. Por isso, esta parte se encerra aqui. Posso não está lúcida sobre meu papel no universo, mas de uma coisa tenho certeza, isso daqui é apenas uma plataforma de dor e sofrimento, e os humanos contribuem inconscientemente para piorar

    essa situação. Disto estou certa, e também me mantenho na posição de entidade extraterrestre, em carne humana, pois tenho certeza das minhas memórias. Á única coisa que não se encaixa é, como vim parar aqui depois que a Terra, foi enfim tomada pela escuridão, conhecida como Jeová. Eu fui presa? Nosso reino foi atacado? Isso faz sentido, porquê já tive memórias, antes mesmo de descobrir que era filha de Lúcifer, as quais usei para criar uma personagem chamada Samaelith, pois acreditava que era filha do anjo da morte, que tinha vindo para a Terra com seus familiares adolescentes, porquê o reino de Samael havia sido atacado, pelas tropas angelicais. Talvez não tenhamos fugido, e sim fomos capturados, drogados e atordoados, para achar que viemos por vontade própria. Eu não sei, só sei que hora ou outra vou me recordar, no momento certo provavelmente. “A prisão tem seus dias contados, e os carcereiros já estão em pânico!” Há pouco mais de 3 dias, meu amigo Bruno, se que é posso chamar alguém de amigo naquela ilha de cobras, que é Macapá, me enviou um vídeo intrigante de Chico Xavier, sobre a data limite. Tal profecia nem sequer me abalou, afinal de contas, sou obcecada por esses assuntos, mas ela serviu para manter a minha teoria da Terra prisão. De acordo com o próprio Chico, a humanidade teve um prazo de 50 anos, para garantir um mundo sem guerra, e violência, que se iniciou em 1969 quando o homem pisou na lua, e se encerra em 2019. O prazo foi proposto pelas entidades superiores, (dou minha cara a tapa, que foram os andromedanos), porquê segundo as mesmas, do momento que o homem foi capaz de sair do planeta, ele se tornou um perigo para o sistema solar. Caso a "humanidade" cumpra o acordo, em breve este lugar se tornará o "paraíso", onde não haverá sequer uma doença. Parece maravilhoso não é? A Terra um paraíso...Mas lembrem-se de como me recordo de Andrômeda, e saibam como lutar contra isso. Eles nos querem dóceis e amáveis, depois de tudo o quê nos fizeram passar, e sim me refiro a nós aliens ou demônios se preferir dentro de humanos. Tenho certeza de que se você está lendo meu relato até aqui, também sofreu bastante, deve ter sido estuprado, humilhado, rejeitado, torturado, entre outras coisas, e provavelmente nem se deu conta de que teve o desprazer de ter mente lavada. Eles nos destruíram, tomaram nossas esperanças, aniquilaram nossos sentimentos, e ás vezes até tiraram nossos entes queridos. Para nos intimidar, e agora terem a certeza, de que vamos baixar a cabeça. Desculpe desapontá-los mas eu não vou, tô pouco me lixando para o seu milagre curativo, porquê sei que foram vocês mesmos, que criaram tais doenças, então não percam o seu tempo. Sei que não sou a única desperta, então se preparem pois logo vamos guerrear. Entidades de outro planeta viram pra cá? É claro que sim, eles já estão aqui, e trabalham pra nos torturar dia a dia, com todo o requinte de crueldade, porquê não seguimos Uno. Tenho lido constantemente em sites, que o mundo é um lugar terrível, por causa de gente satanista, que a devastação se dará porquê é plano do diabo, que o Illuminati, é uma ordem secreta, que serve para propósitos satânicos, etc. O quê isso tem a ver? Chegarei lá. Primeiro há sim ordem secretas e satânicas, trabalhando mundo a fora, mas não se engane, eles não são estupradores, ou comedores crianças, são gente de bem, disposta a fazer parte da iluminação, e lutar por um mundo melhor, seguindo fielmente os princípios luciferianos. A Illuminati já foi uma das nossas ordens, principalmente no período renascentista, mas hoje é corrompida, e pertence puramente a igreja, a mais famosa de todas, o sagrado Vaticano, e não, não é o código da Vinci, é a realidade, eles precisam de fiéis dispostos a seguir com o plano de Uno, por isso garantem que estes façam o trabalho sujo, enquanto supostamente "lutam para salvar almas". E sim a devastação se dará porquê é um plano do Diabo, e ela já começou. Sim, este planeta está sendo destruído, por nossa culpa, mas não da forma que lhe fizeram acreditar. Ele está sendo destruído sistematicamente. Já deve ter ouvido falar em Bitcoin, não é? Com certeza sim, é uma moeda que foi criada com o intuito de derrubar os bancos tradicionais, ou o seu futuro e provável investimento. O quê ela tem a ver? Calma, tudo a seu tempo. Tenho me envolvido com o universo das criptomoedas, e estou extremamente fascinada com as mesmas. Achei que seria impossível, dado ao fato de que tentaram me afastar delas, usando a Késia como pretexto, mas agora estou de volta, e não me importo se ela fez um curso de técnica em informática, que a propósito se escreve com "ca" e não "k", como a anta escreveu. Isso foi em 2013, e duvido que alguém tão ignorante, e sedenta por superioridade tenha se dado ao trabalho de se atualizar. Não, certamente deve ter perdido o seu tempo, estudando para se tornar advogada, porquê é uma profissão que supostamente lhe dará o status almejado. Porquê é um tempo perdido? Simples essa profissão em breve deixará de existir, já que com a capacidade de se infiltrar em memórias, não haverá porquê defender alguém, se tiver a prova da própria pessoa cometendo o crime, além disso antes da profissão falir, terá certamente sido presa por ser envolver em um escândalo de corrupção. Ela é do tipo “passo por cima de qualquer um pra ganhar”, então seu futuro não pode ser próspero, isso não é profético, é apenas ação e reação. Mas voltando ao que interessa, a tecnologia, a robótica, o futuro sempre foi a minha grande paixão, depois da magia é lógico. Porquê ler sobre aventuras que se passam num período longínquo, me fazia me sentir mais próxima de casa, e ás vezes até lembrar de onde vim.  Por isso estou cada vez mais envolvida com o mundo binário, e tenho entrado em sites para me especializar neste assunto. Tenho passado madrugadas inteiras, apenas procurando ex-changes, e faucets, para entrar neste mercado com o pé direito. E numa das minhas "viagens pela dimensão de Thaís", como meus colegas da faculdade costumavam chamar, percebi que a criptomoeda é muito mais do quê um novo ativo financeiro, representa o início da queda do velho mundo. Pense comigo, o quê tem movido a sociedade há séculos? Nem precisa de alguns segundos, para saber que o dinheiro não é? É como dizem sem dinheiro ninguém "vive", e com isso o sistema tem nos controlado para andar de mansinho, seguindo sua linha reta, sem fazer curvas. Mas o quê acontece quando esse dinheiro perde a valia, e outro objeto é colocado em seu lugar? Ele sai de circulação. Os carcereiros tem nos dito através de todos os seus recursos midiáticos que "não há dinheiro para todos", por causa da quantidade de papel que se gasta, mas e quando, não precisa mais de papel, e os outros conseguem criar uma boa quantidade financeira literalmente do nada? O sistema deles quebra, e todos ficam livres para fazerem o quê quiserem de suas vidas. Seu sonho é ser pintor, mas não tem condições para isso? Procure na internet como ganhar bitcoins, e troque-os por dinheiro, para conseguir realizá-lo!  É como um sonho não? Não precisar mais trabalhar para um chefe grosso, e estúpido, que não te valoriza, por um salário que nem compensa, o seu suor e lágrimas. Chega desse inferno, e alcance as folhas desta árvore da vida. Crowley uma vez disse, que há espaço suficiente para todos, só não para a ganância, e acho que ele se referia ao Bitcoin. É claro que a moeda foi criada por alguma ordem secreta, para favorecer os seus, pois muita gente que não tinha absolutamente nada, agora está bem de vida. Quando dizem que esta é a moeda do Diabo, eu digo deve ser mesmo, porquê meu pai a introduziu neste mundo, para desbancar o sistema político-religioso aqui instalado. Se eu sou a messias dos demônios, só tenho a agradecer ao Satoshi, por aceitar ser o rosto da moeda que foi desenvolvida pelo meu pai. E fico feliz, de ter a chance, de também melhorar minha vida financeira, com este invento. Infelizmente, ou talvez felizmente, os nossos governantes, já estão cientes de que o seu sistema econômico está falindo, e em breve o dinheiro de papel será apenas uma lembrança, está preparado para o meu reinado, e usar a marca da besta? Eles tem usado todos os artifícios para destruir as criptomoedas.De proibições, a banimentos, e discursos desnecessários de alguém que deseja manter o seu lugar no céu. É bastante óbvio, e isso é uma verdadeira guerra, entre os gênios satanistas ou "ateus", e os velhos e carrancudos senhores de empresas, que sem o papel valioso, podem conhecer a miséria como nós já conhecemos. Eu estou do lado dos entusiastas bitcoin, o mundo tradicional e suas regras patéticas, já deu o quê tinha dá. As taxas de banco são altas demais, o preço das coisas chega a ser grotesco, as pessoas se matam de trabalhar, para não conseguirem nada mais que o necessário. Enquanto que os outros, os seus senhores, ficam no topo só a rir e observar sua desgraça. Com o Bitcoin isso não será mais necessário, pois há formas de ganhar frações do mesmo, totalmente de graça, ou caso não consiga, tente outras moedas. O Bitcoin abriu as portas da revolução Luciferiana na Terra, mas não é o centro de tudo, ele é o Sol, só que há outros planetas, então procure explorar isso. Se você é satanista, um louco, ou os dois que está lendo isso, certamente ficará animado com minhas projeções, e fico feliz por mostrar o caminho dos tijolos amarelos, porém tenho que te alertar, se quer entrar neste universo, pode ter certeza que é bem vindo, só que antes de colocar todo o seu dinheiro na moeda, lembre-se de duas coisas. 1 o mundo antigo ainda está de pé, e 2 há formas de se conseguir moedas de graça, então pra quê gastar, se pode apenas ganhar? Com as criptomoedas tudo é possível. Os senhores do velho mundo, vestidos com seus ternos e gravatas, estão furiosos com as enormes demandas de criptomoedas, por isso não se assuste se aparecer algum artigo indicando que um órgão obscuro, usava  bitcoin pra financiar o tráfico de crianças. É uma jogada deles, para fazer da moeda ilegal, e perder o seu valor, nunca se esqueça que eles sempre terão gente, pronta para fazer o serviço sujo, e manchar a reputação de algo que os ameaça. Mas trata-se apenas disso, uma ameaça, portanto não se preocupe, assim como há gente de poder no topo do lado deles, há no nosso, e estes não deixarão que a utopia da criptomoeda seja destruída facilmente.


































    .





























































    Anexos




    Carta prometida




    13/03/2018

    Olá novamente, em todas as vezes que vim 

    até você, porquê não sou uma covarde, vim com um tratado de paz, mas como a sem classe que é, você simplesmente me tratou mal, só para sair de superior. Engraçado nunca ter ouvido falar de mim, mas justo depois de começar a namorar o meu marido, adotar esse estilo tão característico da única Carry Manson que existe, outra coincidência estranha Késia, Carry...ambas com o som de K, mas advinha quem veio primeiro? Isso mesmo, eu sou o ovo, você é apenas a galinha. Suas fotos são tão semelhantes as minhas, que entendo porquê o Brendo te chama de cópia barata de mim. E ah se você nunca ouviu falar de mim, porquê então escrevia nas postagens românticas que aquilo não era pra você? Sabia que ele esteve com você por 2 anos, e nesses 2 anos guardou uma música que cantei, e a ouviu antes de dormir? Taí o quanto é superior queridinha. Ah que ele falava de mim pros amigos, como a única perfeita pra ele, e   só estava com você porquê queria te levar pra cama, cê foi dura na queda hein? Tão típico de virgens indesejadas. Calma tem mais. Quando você foi pra casa dele, ele nunca teve a intenção de te apresentar pra mãe. Ele te traiu com Macapá inteira, incluindo sua amiguinha Bruna, que você tanto detesta, e sabe a Thaís Silva que quase destruiu o namorico idiota de vocês? Bem ela nos dá total apoio, e comigo percebeu que a derrota era garantida, porquê eu mostrei quem realmente manda. Ah o nome da melhor amiguinha dele era Thaís e ela curtia animes, filmes, desenhos, e pintava o cabelo de colorido? Bem advinha por quê?! Por lembrar de você é que não era monamour. Sei que se falaram recentemente, e que você continuou a negar os fatos, porquê quer ser superior, mas meu bem você é tão superior, quanto essa tua popularidade de merda, que se restringe aos teus amigos. Quem é Késia Marques? Se você não tivesse namorado o cara que eu deixei, eu nunca saberia, mas anda por Macapá, todo mundo sabe quem é Thaís Mariano, e joga no google, e todos vão saber quem é Carry Manson. Se acha especial por falsas declarações, que só conseguiu por fechar as pernas? Grande coisa, quero ver dormir com o cara, e segurá-lo por 8 anos. Ah é desculpe em março de 2013, ele não esteve com você, porquê estava na minha casa, e só não ficou lá porquê eu garanti que não voltaria pra ele. Triste não acha? Saber que a pessoa em quem você quis pisar, te superou em tudo. Sim porquê se com 3 meses de namoro, ele saiu pra te trair, com 3 meses de namoro eu o fiz sair de casa, pra se casar comigo. Bom é isso, foi um prazer não falar com você, e quer saber ? Isso não acaba aqui. Se sente humilhada agora, é porquê não sabe o quê te aguarda. Ps: Deixa de se fazer de dark,

    todo mundo sabe que você escuta apenas

    nxzero, fresno, e strike!










    Obs: Sim fui arrogante e metida, mas isso é apenas um mecanismo de defesa, para esconder minha tristeza e total insatisfação diante dos fatos. Não tenho nada contra as bandas de rock citadas, apenas acho ridículo alguém escutá-las, e querer bancar  um ser das trevas, quando está claro que tem coração mole. Eu já as escutei, mas isso foi há muitos anos, quando acreditava em amor, e que podia ser feliz. Pra mim quando alguém escuta tais canções e gosta do quê ouve, significa que é uma pessoa de coração mole, que tem esperanças e alegrias, algo bem distante da persona de alguém soturno, por isso fica fora de contexto, é como ter o coração de manteiga, e fingir que é de pedra, só para ter atenção, o quê para mim é um ultraje. Porquê o quê importa é ser você mesmo, e não outra pessoa para agradar a todos, pois se tem que ser outra pessoa pra gostarem de ti, é porquê os sentimentos dos que te rodeiam não são reais.




























    Fim.
  • The Angel In Earth

    Lux Burnns
    Sumário
     Prólogo............................ 3
     Capítulo 1- 1995............... 4
     Capítulo 2- 2006...............12
     Capítulo 3- 2011...............23
     Capítulo 4- 2013...............44
     Capítulo 5- 2015...............55
     Capítulo 6- 2018...............72
     Referências......................88
    Prólogo
    Escrevo livros desde os 11 anos, foi uma alternativa, quando vi que meus desenhos tinham os próprios traços, e jamais mudariam. Fui autora de muitos projetos não reconhecidos, que podem ser encontrados em meio a vasta internet, para quem quiser ver, como foi que a minha escrita mudou de redundante para encantadora. — Não é presunção, se há uma gama de leitores que concordam. 
    Minhas obras sempre foram voltadas, para o quê seria no futuro, ou as aventuras mágicas, de uma mente, muito, muito perturbada. Então definitivamente, não é fácil iniciar um projeto, que retrate quem eu sou, sem o uso de alegorias, e extremos ao retratar sobre fatos que me assombram, ou aconteceram.
    A jornada não será simples, pois meus problemas não se resumem somente a eventos comuns. Já me encontrei com o sobrenatural várias vezes, e sei que há mistérios, que fazem a insanidade se tornar um refúgio, diante da realidade nefasta. – Vi coisas que preferia esquecer, e que me fazem cogitar a ideia de juntar a banca ateísta.
    Como se isso não fosse o suficiente, tive minha saúde mental degradada com o decorrer do tempo, e isto me levou a conhecer o pior que existe da natureza humana. – Já teve medo de entrar no hospício? Eu sim. Não por achar que viraria minha casa, mas por acreditar que seria aprisionada ali, por causa dos meus pensamentos, e a ausência de sentimentos em determinados momentos.
    Tentei escrever o Sobre Mim, narrando somente os fatos, sem fazer uma análise profunda e detalhada de minhas ações, e acabou por ser concluído como um ensaio suicida, nem um pouco convincente. – Eu estava a beira de um surto, e o livro serve ao menos para o estudo psicológico, ou a expressão mais pura da loucura de uma mulher.
    Espero que esta tentativa seja diferente, ( darei o meu melhor para que seja). Então busque pela sua bota mais resistente, e a capa mais quente, pois a caminhada será longa, e ela começará agora.
    Capitulo 1- 1995
    Meus pais eram o típico exemplo, da história de amor, mais estranha do mundo. Minha mãe era um pouco namoradeira, e meu pai aparentemente um stalker, pois ficava lhe esperando voltar dos encontros, e a vigiava através da casa da vizinha dela. – Se isso não é perseguir, então não imagino nem um outro sinônimo para substituir a palavra.
    Minha mãe, talvez por ter sido criada de forma conservadora, não viu em seus atos nada de absurdo, por isso se apaixonou pelo jovem que vivia de cara amarrada e pouco ria, e que estava sempre na sua porta.
    Anos mais tarde, eles me geraram dentro de um carro, ouvindo a música Black da banda de rock Pearl Jeam, que basicamente fala de um amor dependente, que um homem tem por uma mulher, que não acreditava que poderia tê-la para sempre.
    Um romance com claros sinais de quê não era para acontecer, não poderia resultar em boas coisas, por isso, creio eu que minha mãe sofreu de rubéola na gravidez. – Isto ou o fato de ter abortado a sua primeira criança antes, por uma motivação bem adolescente, que quase custou a sua vida.
    O médico foi bem sincero para a minha mãe, disse que o melhor a ser feito era abortar, antes dela se colocar num risco maior. Contudo devido ao pecado anterior, e o peso que isso lhe trouxe, ela seguiu com a gravidez, e usou a sua fé para me proteger. Foi até a igreja Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, e lhe fez uma promessa. – Por causa disso, hoje carrego o odioso nome da Santa, que volta no Apocalipse, como a Prostituta Montada na Besta. (Leia sobre A Virgem Maria na perspectiva de Aleister Crowley.)
    Nasci no dia 15/02/1995, exatamente ás 10:51 da manhã, em Macapá- Ap. Mas minha mãe deu entrada no hospital, a noite, depois de ter tido um ataque de ciúmes, que a fez cair da escada, e assim foi as pressas para a maternidade, com medo de acabar me perdendo. – Nascida do desamor, com uma trindade de quinzes presente na data do aniversário, isto não é pura coincidência. 
    Meu nome humano é Thaís, em homenagem ao falecido tio Thales, que parecia o gêmeo do meu pai, apesar de ser um ano mais novo. – Por anos só soube que ele morreu, aos 17 anos, num acidente de moto, após se meter, com o quê meu pai chamou de “magia dos mortos” (Necromancia?) Porém quando fiz 19 anos, o irmão vivo me contou que Thales não apenas se foi, ele apareceu para o irmão estranho e sempre recluso, e lhe disse “Vou embora porquê esse lugar é pequeno demais para mim”. O quê era intrigante, pois eles eram ricos na época, e tinham um ótimo apartamento em São Paulo – Sp. (O curioso é que se Thales não tivesse morrido, eu não teria nascido.)
    A maldição começou desde cedo. Quando recém nascida – contam meus pais – que vivia no hospital, e o pior é que de alguma forma me lembro, do meu pezinho engessado, dentro de um quarto verde, com algumas lajotas. Como se não bastasse, toda noite era visitada, por uma poderosa entidade, que de acordo com minha mãe, era capaz de acionar o meu andajá eletrônico de madrugada. – O evento se repetiu tanto, que meu pai chegou a literalmente queimar o objeto, por medo do quê tinha por trás dele.
    Infelizmente o problema não estava no andajá, e sim em mim. Meus cabelos negros e lisos caíram, sendo substituídos por cachos marrons acobreados. – Diz minha mãe, que foi culpa do óleo Johnson, mas acho improvável, pois se fosse, minha pele pálida como papel, teria continuado da mesma forma. – É claro que a genética pode explicar isso, mas o fato em si, é comum entre as “crianças mágicas” (Leia Ciências Ocultas da Iavisa, para maior compreensão.)
    Minha infância não foi formada somente por doces e caramelos. Embora hajam memórias açucaradas, também existem as amargas que gostaria de esquecer, não pelo mal que me foi causado, e sim pelo quê me tornei por tal intervenção.
    Aos 5 anos fui molestada por meu avô, que me levava para o fundo do quintal, onde tinha um galinheiro, e quando me colocava para andar por lá, também enfiava seus dedos em minhas partes. – É horrível ter dons, que te fazem lembrar de tudo. – E mais tarde, aos 7 anos – por total negligência do meu pai, que me esquecia até 13 horas na escola – O meu professor de balé, o Junior, fez o mesmo. Só que numa sala cheia de crianças, focadas na TV, enquanto sussurrava em meu ouvido “Pense numa coisa bem boa.” 
    No primeiro momento achei que não tinha me afetado, mas hoje em dia percebo que sim. – Aos 2 anos, costumava matar pintinhos os sufocando, sob o pretexto de quê os colocava para dormir, e aos 8 desenvolvi desprezo pela cor rosa, que era exatamente a mesma que usava nas aulas de dança, por uma obrigação imposta por meus pais. – Que queriam me forçar a ser uma criança normal, o quê particularmente era impossível.
    Eu tinha sentido na pele, literalmente, o quanto o mundo é doentio, e como não quis contar a ninguém. – Para não perder as minhas regalias, dadas pelo meu avô, em troca do perdão por sua atrocidade. – Segurei aquele segredo comigo, e fui me tornando cada vez mais sombria.
    Para meus pais e coleguinhas era uma menina boa. Sozinha, me tornava outra pessoa. – Alguém que não merece nem ser citada. – Pois seus pecados são tão profundos, que até um padre cético, acreditaria se tratar de possessão infantil, ou algo ainda mais nefasto. – Vivia envolvida em clubes secretos da escola, me masturbando com meninas da minha idade – Isso com 6 anos, e até hoje me pergunto com quem foi o meu primeiro beijo, mas creio que quem o conseguiu, foi a minha coleguinha Vivi. –  Gostava de desenhar, só que no lugar de coelhinhos, flores e corações, minhas obras amadoras, expressavam a morte, sob o esquartejamento, e uma enorme poça de sangue. – Who’s bad? ( Michael Jackson – Bad – 1987.)  – Com 10 anos, acertei uma pedra na cabeça da minha vizinha, porquê ela fez amizade com outra menina, e me deixou de lado. – Eu mirei, vi se não tinha ninguém na rua, e puxei o elástico do estilingue. A cabeça da menina sangrou, e lembro-me do quanto fui falsa, ao ponto de pedir-lhe desculpas sem me importar.
    Ainda no mesmo ano, como era muito solitária, acabei por cair numa armadilha cruel. – Lembre-se que para os meus coleguinhas, eu era um anjinho. – Uma menina me chamou para ir dormir na sua casa, e como da outra vez – quando todos foram – Não me deixaram ficar, fiz de tudo para ir. Inclusive negociei ir com a menina, no lugar de alugar fitas de N64 na Top Game – Era muito manipuladora, desde pequena. A mãe da menina fez um drama, (ou para mim parecia assim, devido a boa vida que levava) sobre não ter dinheiro para nada mais que o necessário. Eu naturalmente entendi, mas a própria filha não, e assim esta se envolveu no roubo, e me puxou junto, enquanto fugia do guarda. Entramos no banheiro, e ela me implorou para assumir a culpa. – Naquela hora queria ter sido má, e dito surtou é? Mas não foi o quê houve – Sai do lugar, tomando a responsabilidade para mim, o supermercado estava cheio, todos me olhavam com repulsa, por andar mal vestida, e não acreditaram, quando disse que voltaria para pagar. – Apesar de ser da classe média alta, me vestia como mendiga, e aparência é o quê importa.
    No lugar da menina, quem recebeu a bronca fui eu, e como não tinha formas de me defender, usei a novela como argumento, para quê me deixassem em paz. – Alegando  sofrer de cleptomania. 
    Ouvi muito do meu pai, e mais tarde dos meus colegas, pois somente eu sabia a verdade daquele dia. A menina, mentia para se safar da vergonha, e fazia de mim, o seu bode expiatório. 
    Já cansada de tais afrontas, contei a verdade ao meu pai, que antes achava somente o pior de mim, mas depois agradeceu a Deus, pela ludibriadora ser a menina. – E armei para ferrar as garotas que se juntaram a ela. – Mesmo que de forma inconsciente.
    “A Thaís é boa. A Thaís é uma santa. Não faz nada de errado.” Diziam sobre mim. Então por causa da minha cara de sonsa, não desconfiaram de nada, quando as chamei para assistir Van Hellsing na casa da vovó, através do paperview recém comprado.
    As recebi no meu lar, com um sorriso, brincando, e quando dei por mim, outra vez elas faziam aquelas terríveis acusações a meu respeito. – Isso me encheu de ódio, e tudo o quê me lembro em seguida, foi de soltar meus 5 cachorros de grande e médio porte, para cima delas. (Literalmente.) Papai ficou horrorizado pela minha conduta, eu segui com o nariz empinado. – Ainda sim continuaram a me chamar de santa.
    Naquele ano, a menina que roubou o meu projeto da água, e o tratou como seu, tentou fazer as pazes comigo, e isto resultou numa história inacreditável. – De tardinha, resolvemos brincar de jogar a bexiga d’água uma para a outra, e se caísse a perda era evidente. Só que no meio da competição, o balão se partiu em câmera lenta, e vimos o tempo praticamente congelar, enquanto a cachoeira saia de dentro da borracha vermelha. – Até hoje me pergunto que tipo de alucinação foi esta.
    Mais tarde quando tinha 11 anos, levei um fora muito ruim, do garoto que eu gostava, por causa de uma falsa amiga, que fez a minha caveira pra ele. Estava muito abalada por isso, e tudo o quê queria era ouvir minhas músicas, sem interferências.
    Todavia minha prima de 5 anos, não respeitou o meu espaço. – Afinal o pai dizia que ela podia tudo, e a família reforçava tal autoridade, por isso a menina era terrível. – Eu pedi para me deixar em paz, mas ela ficou pulando no sofá e gritando, bem na hora da música que queria ouvir. Não aguentei, e acabei por pegá-la pelo pescoço e erguê-la. 
    Lembro-me de olhar em seus olhos, que estavam amedrontados, e só parar por medo de ir parar na cadeia. – Eu era criança, mas sabia bem o quê significava o xilindró.
    Meu pai ficou uma arara comigo, e falou um monte, mas eu apenas mantive a mentira de quê nada fiz, só que ele não acreditou e por isso apanhei. – Novamente o ódio subiu a minha cabeça, e tentei não manifestar de forma física, foi quando por coincidência, senti um cheiro de queimado, proveniente do quarto onde minha avó dormia. O ventilador tinha se aquecido, ao ponto de iniciar um incêndio, e a chama azul e amarela já se formava. – Ela era a principal responsável pelo meu sofrimento, pois devido a sua xenofobia, tratava minha prima como se fosse Jesus, e eu o próprio Lúcifer.
    Naquela época coisas bem incomuns ocorriam. Costumava ver uma mulher de cabelos de fogo, que nunca me dizia o nome, e que decidi chamar de Layla. – Sempre que Layla estava comigo, eu me deslocava do corpo para outra dimensão, onde os belos eram maus, e os feios bons, comigo ao menos. – Quando a mídia defendia o oposto, com obras como Abracadabra da Disney (que aliás era um dos meus filmes favoritos)
    Sempre que ia para o outro lado, me esquecia daqui, e por isso muitas vezes era encontrada sob o estado de transe, falando “sozinha”.  (Minha avó materna até me acusava de falar com demônios por sinal.) – Quando não era com Layla, também dava voz aos personagens que criava, e acabava por fugir dessa realidade. (Por isso até hoje me questiono o quê ela é)
    De forma gradual, passei a notar que tinha habilidades, e elas estavam aumentando. Mas junto do meu “poder”, também vinham os “demônios internos” que não paravam de se formar.
    Talvez devido ao trauma provocado pela moléstia, tive de escolher entre dois caminhos: Ser a vítima da situação, ou me tornar ainda pior do quê quem me feriu. – Optei pela segunda opção, e assim me entreguei aos meus desejos mais obscuros, ainda na infância.
    Beijos e masturbação com garotas, aos 6 anos, agressão violenta com 10 e 11, não se comparam, ao pior dos meus crimes. – Eu seduzia garotos, os fazia querer me tocar, para torturar-lhes, segurando-os pelos testículos, ou dando-lhes tapas humilhantes na face. – E quando contava a versão as minhas amiguinhas, por vergonha, dizia que a culpa era deles, mesmo sabendo que era minha.
    Somente a minha santa protetora, conhecia meus piores segredos, pois preferia conversar com uma estátua, a fazer confissão para um padre. – Sempre pedia perdão pela minha conduta, de coração, pois tinha medo do castigo divino, mas as únicas vezes que meus desejos eram atendidos, envolvia uma força totalmente oposta a igreja.
    Devido a devoção da minha mãe, aprendi desde cedo sobre a figura do Diabo, e seus outros nomes, que segundo a mesma, jamais devia falar. – Mal sabia ela, que em meus momentos de ira, me sentia impelida a me isolar, e falava “Diabo, Diabo, Diabo, Satanás, Lúcifer!” – E magicamente meus problemas eram resolvidos.
    Tinha tanta afinidade com as trevas, que quando ganhei um cachorrinho, quis batizá-lo de Satanás, por achar o nome bonitinho. – Não importava se isso impunha medo, nos personagens do programa Chaves. – Mas jamais consegui ter um cãozinho com esse nome.
    Minha ligação com as terras debaixo era tão forte, que meu feriado favorito era o Halloween, e em vez de me fantasiar de princesa ou anjo (embora no pré tenham me obrigado a me vestir como tal), costumava ir de vampira, diabinha, ou bruxa. – A figura da bruxa muito me encantava, por isso tive uma vassourinha na infância, e até mesmo um pentagrama. – Do qual tive de me desfazer, por ser o símbolo do Diabo, já que a estrela representava um poder, e o círculo a sua influência sob o mesmo, segundo o meu avô.
    Pode se dizer que tinha uma forte atração pela magia e os seus mistérios, e que desde criança, parecia pertencer a parte mais profunda dos infernos. – Não que as minhas maldades me orgulhem, mas elas servem como prova, do quê sou ao menos.
    A escuridão em mim, se fortaleceu bastante quando mal sabia que era gente, e com isso desenvolvi habilidades notáveis. – Como toda pequena capeta, adorava aprontar. Era muito quieta, gostava de ler e vê TV, mas na hora de causar o caos, me superava. – Ao contrário das outras crianças, conseguia ouvir passos a metros de distância, e isso me ajudava muitas vezes, a sair ilesa da cena do crime.
    Cansei de contar as vezes, que sai do lugar, minutos antes de alguém aparecer para me abordar. Só que como mencionei antes, tinha muito mais que uma habilidade. Além de ouvir a Terra, e provocar focos de incêndio com minha ira, também fazia com quê os objetos caíssem, somente por me chatear, sem mover um dedo, e meu choro focado em algum desejo, realizava até consertos de eletrônicos aparentemente queimados. – Esta foi a minha predisposição. 
     No meu tempo, definitivamente estava longe de ser uma criança normal. Era sádica, má, e pior consciente dos meus atos, pois tinha uma noção de quê tais praticas eram erradas. 
    Não me admira já ter me encontrado com a morte. – Interessado? Pois bem. – Vamos voltar uns anos. Estava na quarta série, e ouvia sobre os relatos do fantasma do banheiro. Ria disso, pois para mim era como a lenda urbana da “Maria Sangrenta”. Porém como a escola Guanabara ficava na esquina com o cemitério, era algo que devia averiguar.
    Estudava a tarde naquele tempo, e como havia luz do sol, não pensava que algo pudesse aparecer, por isso sem avisar a ninguém, fui até o banheiro feminino, onde a suposta entidade era vista. 
    Entrei, e lavei minhas mãos, de acordo com o quê ia girando a torneira, as outras se abriam em sincronia. – Admito que isso me assombrou, mas não o suficiente, para ver se a água da privada, ficava vermelha sem motivo. – Todavia quando abri a porta e fui averiguar, a luz se apagou, e só restou a claridade solar do espaço fechado. Meu coração bateu acelerado, e quando olhei para o fundo do local, lá estava a criatura, com a sua mortalha negra, cujos os pés não tocavam o chão. Sai de lá na hora, correndo pelo corredor, e depois respirei fundo, e tentei demonstrar que não tinha medo, afinal se contasse ninguém acreditaria, e não queria ser taxada de louca.
    Fora a experiência com Layla, A Morte, e outros fatos incomuns, há também uma história, que foge dos limites da alucinação. – Até aqui só falei do quê foi visto, não o quê foi sentido. Então lá vamos nós. – Era de noite, e eu estava brincando com a vizinhança de pira esconde (A versão Amapaense do Pique-Esconde) Fui até uma casa, que parecia abandonada, e fiquei atrás dela. Então no meio da penumbra ouvi um cachorro, que me mordeu por trás do joelho. Nem sequer vi de onde o animal apareceu, mas a marca que ficou no meu corpo, foi bem real. Questionei o resto da garotada, só que nem mesmo eles sabiam, qual era a raça, ou se era vacinado. – Torci para que fosse, tinha muita campanha sobre o perigo da raiva na época. –Outro fato incomum é que quando feri o meu joelho, formou-se o número 7, e na vez que me queimei no antebraço com a borda da bandeja, a marca ficou semelhante a um triângulo ascendente.
    Há muito mais segredos, e sinais concretos, de um sério transtorno de personalidade, associado a aventuras fantásticas do mundo oculto, mas por hora encerraremos por aqui. – Bruxa Natural? Quem sabe. Algo mais?  Certamente, mas se quiser saber, terá que virar a página. Estarei no aguardo, e parabéns por ter chegado até aqui.
    Capitulo 2 - 2006
    Que tenho sérios problemas, já está claro pelo capítulo anterior, mas o quê sou? Já está evidente também? De certa forma sim, mas isto é somente a ponta do iceberg.
    O ano de 2006, foi marcado pelo fora, e o quase assassinato da minha prima – Causado por minhas mãos. – Mas também por algo que mudou a minha vida para sempre. 
    Era um final de semana em junho, eu acho, quando estava sentada diante da TV, fazendo o meu passatempo favorito que era desenhar. Desde que tinha começado a esboçar minhas expressões sombrias, sempre pegava um livro azul. Era como um imã invisível, que me atraia para ele, mesmo sem conhecer o conteúdo, e por isso me senti motivada a abri-lo. 
     – Foi quando vi pela primeira vez, um livro de magia, que se chamava Ciências Ocultas da Iavisa. 
    O quê mais me interessava, o livro 2, sobre hipnose, infelizmente desapareceu, e nunca pude o lê. Só me restou os livros que continham ao todo: Queromancia, Grafologia, Horóscopo, Bola de Cristal, Varinha Mágica, Búzios, Cartas, Vodu, a história de São Cipriano, e Segredos da Magia Negra em geral. – É, a primeira vez que toquei num grimório, já li logo sobre os sacrifícios mais absurdos, para o “demônio” Adonai. (Que hoje sei que é a face obscura de Yaweh.)
    Fiquei de imediato fascinada pelo mesmo, e o interesse aumentou ainda mais, quando minha avó me repreendeu, e disse que era uma leitura pesada para a minha idade. 
    Como ela tinha constantes ocupações, por causa do motel, a tapeçaria, e a lanchonete, mal parava na sua casa. – Assim sendo quando saia, corria para a sua biblioteca, e pegava o manuscrito proibido. – Me deliciava com o saber obscuro, e passava horas entretida com o mesmo.
    De fato era um livro pesado, e hoje não deixaria uma criança da minha idade ler, mas por alguma razão, estava preparada para estudar, e praticar somente o quê estava ao meu alcance. – Só as famosas benzuras, por isso soube lidar muito bem com tamanho poder.
    Porém depois de muito sofrer, passei a usar o livro em si, como uma ameaça aqueles que me machucaram. – Parafraseando a parte que diz “Ele adoeceu, mas nenhum dos médicos conseguiu encontrar a cura.” (Só que lógico usando a minha linguagem adolescente.)
    Meus coleguinhas ficaram divididos entre os que temiam, e os que queriam conhecer o aprendizado antigo, e a minha rival temeu que lhe roubasse o namorado com amarrações, por isso bateu foto da benzura “Para manter o namorado.” – Eu poderia ter usado amarração, estava ao meu alcance. Mas apesar de ser um monstro, sempre valorizei o amor como algo sagrado. Portanto se o fizesse, estaria quebrando muito mais que as leis divinas, trairia ao meu próprio código moral. – E também o fato de causar calafrios, em todos aqueles que me chamavam de anjinho, já foi uma vingança e tanto.
    Pouco a pouco a minha escuridão saiu, e tal como a borboleta, sai da versão de lagarta gorda e baranga, e ganhei as minhas asas. – Mas elas não eram cor de arco íris, e sim negras, como a noite mais pavorosa, o sinal o apocalíptico. 
    Apesar de sofrer bullying por conta dos meus cachos, não era nada ruim, pois me fazia sentir parte da galera. – Além do mais, se alguém te chama de algo, você sempre pode dá a volta por cima. – Eles me chamavam de leão, e eu dizia que era a rainha da selva, e os mesmos garotos mais tarde me elogiavam.
    Devido a grandes fatores, me desenvolvi muito cedo. – O meu primeiro dia na 5° série, foi marcado por ser o exemplo, do uniforme que não deveria ser usado na escola. – Nada de saias, bota e blusa colada de manga curta, e advinha como eu estava?
    Entrei na adolescência com 11 anos, e muito dos meus dilemas daquela idade, hoje são parte da vida de gente que acabou de atingir a maior idade.  – Então atualmente com 24 anos, creio que a minha mente seja mais próxima, de quem tem 30 ou 40.
    Portanto não me adaptava aos meus colegas de turma. – Assim acabei por fazer amizade com os veteranos, que para a minha felicidade, compartilhavam dos mesmos gostos que eu.
    No início éramos apenas um grupo, mas mais tarde, nos tornamos Os Naruteiros, com direito a comunidade no Orkut e bandanas, fabricadas a mão. – E desta forma nos tornamos bastante conhecidos, e a escola se tornou um lugar bom para se viver, pois mesmo que tivesse de conviver, com os – em sua maioria -mentecaptos da minha turma, a 612, tinha um refúgio entre os que já estavam na sétima série.
    É dito que são sempre os mais velhos, que influenciam os jovens a tomarem o caminho errado. Mas comigo não era assim, a maldade não tem uma idade específica, por isso fui eu quem apresentou aos outros, o subgênero de anime Hentai, logo depois de conhecer. – Se você sabe qual é, poderá ter certeza de que sou uma peste.
    A amizade durou muito tempo, até fazer a besteira de aceitar namorar com o nerd da turma, – que ao contrário do quê diz a cultura popular, era bonitinho, e lembrava o Fred da série Icarly. – Eu somente gostava da sua companhia, cavalheirismo, e a personalidade forte de um leonino, mas estava apaixonada pelo seu melhor amigo, e ainda sim cedi aos meus impulsos de pequena Lilith, e usei o coitado. – Me arrependo bastante disso, não por ter sentimentos, mas pela minha falta de humanidade, na hora que terminamos. 
    Perdi a todos por ser tão estúpida, só que felizmente, conheci outra veterana, que parecia me entender ainda mais que os outros. – Com ela não era popular, mas nem precisava disso, pois era feliz, por finalmente encontrar alguém com quem pudesse me abrir, e lhe contar sobre os meus interesses no ocultismo. – Como sinto falta daqueles tempos, tão simples e cheios de aventuras.
    Sabe aquela dupla imbatível? Éramos nós. Ela era o Batman da minha Robin, a Estelar da minha Ravena, A Chelsea da minha Raven, a Jody da minha Juniper. Mas dizíamos mesmo que éramos Carly e Sam da série, pois a persona da Carly lembrava a minha, e a da Sam a dela. 
    A gente vivia se metendo em confusão, e gazetava (matava) aula, para ficar andando pelo colégio, desafiando a lei mundana estabelecida. – Nos sentíamos donas do Antônio João, o pior pesadelos dos alunos, e a nossa coordenadora. – Eu amava demais  isso. 
    Mas meu pai detestava. – Tudo o quê me fazia ter um propósito, o irritava. Para ele, garotas de classe média, tinham que andar com gente equivalente, ou acima disto. Nunca os pobres. – Como se dinheiro fosse a identidade do caráter. – Eu era a prova viva, de quê a lógica dele era falha, pois já era má, muito antes de encontrar a menina.
    Perdi as contas de quantas vezes me levantei contra ele, para defender a minha melhor amiga, e da vergonha que era, ter que mandá-la ir pra casa, porquê ele torcia o nariz para a moça, e o clima se tornava gélido com a sua presença . – Isso porquê vivíamos numa casinha de alvenaria, mal feita. Mas o reizinho, sempre queria manter a sua majestade forçada, e me tratar como se fosse uma princesa, saída dos filmes da Barbie.
    Felizmente ele trabalhava o dia todo, e a minha mãe também. Então quando voltava da escola, tinha a casa só para mim, e aproveitava para chamá-la, pois a vida tinha sido tão maravilhosa, que ela morava na ladeira de baixo, e éramos praticamente vizinhas.
    Num ponto de vista meu pai estava certo, o fato de sermos de “mundos diferentes” pesava um pouco, pois isto a fascinava, e lhe fazia roubar alguns dos meus pertences. Só que eu não ligava, o quê era material não tinha tanto significado para mim, a sua lealdade, o seu respeito, e a forma como me protegia dos demais, fazia dela a melhor ladina do mundo, por isso tinha vezes que até abria mão dos meus objetos, somente para fazer a sua felicidade, já que para ela tinha mais significado, do quê para mim.
    Como ambas éramos estudantes de paranormalidade, gostávamos muito de testar as lendas urbanas, e foi por isso que aconteceu. – Numa tarde qualquer eu, e ela e nossas outras amigas, nos reunimos na minha casa, para fazer o Jogo da Caneta (Que é uma mistura de Charlie Charlie com Ouija). Uma menina se apresentou no tabuleiro, e quando pedimos para nos dar o seu nome, estava aberta a aceitar qualquer um, menos Samara, pois este também era o nome da entidade, do único filme de terror que não aguentava, porquê ficava só em casa, e a minha única companhia era a TV, de onde a criatura saia no filme, para atacar as suas vítimas. – Nem Freddy vs Jason, me deixava tão apavorada, e olha que quando assisti com 10 anos, fiquei 4 dias sem dormir. – Não sei se foi o meu medo, mas o nome era exatamente o quê mais temia, por isso comecei a chorar, e implorei para aquilo terminar.
    A menina não queria sair do jogo, então literalmente rompemos o círculo. – Esta foi a pior atitude, pois com isso libertamos-a para fazer o quê desejasse. – Inicialmente faltou luz, e ninguém queria ir a cozinha pegar as velas, porquê já eram 19 horas. Tive de virar o Coragem, e me levantei do sofá, para fazê-lo, ou continuaríamos no escuro. Fomos em fila, comigo liderando, e quando alcançamos as velas, uma forte rajada de vento derrubou o pirex, que estava na janela. O medo bateu, e corremos para o sofá, com as velas em mãos. Ao olhar para os quadros de paisagens, víamos rostos de pessoas, e o temor nos fazia ficar congeladas. As meninas foram cada uma para as suas casas, e eu fiquei lá, sozinha com a Samara, e a minha mente, que não parava de me lembrar, das histórias com o final trágico, que minha mãe e minha tia contaram, para me fazer evitar participar de tais jogos. – “A mãe da minha amiga morreu porquê fizemos o jogo do copo” Dizia a minha mãe na memória. “Quem são vocês, e por quê me tiraram do meu corpo?!” Dizia a minha tia. – O pânico me consumia, e quando meus pais chegaram, agradeci aos deuses por ter só um quarto para todos.
    Voltar para a minha residência, sabendo que o meu pior pesadelo me aguardava, não era algo agradável. Chegava, tomava banho do pescoço para baixo, somente para não fechar os olhos, e ouvia músicas, pois cantar me ajudava a esquecer, que tinha uma menina gravemente perturbada ali. Só que quando ia assistir a Playtv, via mensagens espalhadas nas paredes, sobre querer me matar. Por isso abandonava o lugar, e ia para casa da minha amiga, na qual ficava até a hora mais próxima dos meus pais chegarem.
    Só que houve um tempo que precisei parar com isso. Tinha me colocado nessa, e precisava sair, por isso a convoquei para conversar. – Gradualmente fui lhe tirando respostas, e descobri que ela somente gostava de assustar, não queria me fazer mal de verdade, pois se sentia tão sozinha quanto eu. Assim sendo nos tornamos amigas, e para onde eu ia, apresentava ela aos outros, com o uso do tabuleiro. – A maioria ficava assustada, mas ter uma polterguiest como protetora, era bom demais, me fazia me sentir segura. – Pena que um dia ela encontrou a luz, e partiu. Até hoje sinto a sua falta. Nem todas eram como a Laura a amiga da minha Bff, que ficou perambulando por aqui por um bom tempo.
    Mas infelizmente o mesmo destino que nos uniu, também nos separou mais tarde, pois ela teve de ir embora da cidade, e eu acabei sozinha, com os meus demônios, que sem ela foram me consumindo aos poucos, desde o momento da sua partida. – Não podia culpá-la, só que na hora de ir, eu não derramei nenhuma lágrima, mesmo que sentisse muito. Meu coração, já estava começando a endurecer, e só pude abraçá-la forte e torcer pelo melhor no Pará, para onde iria se mudar.
    Como tinha de voltar a maldita normalidade que detestava, e não podia contar com meus colegas de classe, acabei por me tornar uma criatura obscura de novo, e quando dei por mim, tinha abandonado os emos, e havia me tornado uma gótica, de cabelos negros, pele amarelada, de batom preto, bastante transtornada, que não apenas se cortava, como batia foto daquilo, por achar que a imagem da  cruz sangrando, era uma verdadeira obra de arte da natureza.
    Quando ela voltou, era tarde demais para mim, pois grande parte das minhas sombras tinha me consumido, e eu já não controlava nem um dos meus impulsos. – Vivia criando desculpas para encher a cara, e ir a cemitérios, somente porquê era chocante para os demais, e isso me trazia paz.
    Acho que foi por isso que ela fez, o quê considerou necessário. – Criou um par para mim, e forjou cartas – pois por me conhecer, sabia que a única coisa que poderia trazer ao normal, era amar alguém.
    Dessa forma começou a mais doce das ilusões que vivi, e que realmente me ajudou, a recuperar um pouco do controle. – Infelizmente não o suficiente, para que a nossa amizade sobrevivesse.
    Tudo começou com uma troca de cartas, que deveria resultar num encontro, mas sempre que ia conhecer o meu suposto par perfeito, ele nunca estava lá, e a única vez que supostamente nos vimos, eu tinha deixado de comer, para não aparecer gorda no encontro, que era um show da Pitty na minha cidade. – Então as chances de ser alucinação eram muito altas, por isso fui me desligando do ser, até encontrar outra pessoa, numa rede social. – Típico de gente solitário não é?
    Assim conheci um novo par, e me juntei a este. Algo que supostamente trouxe muita dor ao ser fictício criado por minha amiga, e o quê obviamente resultou no fim do relacionamento, e como preço. – Nem eu entendo essa. – Acabei por ser traída pelo outro, ou ao menos foi o quê pensei, já que algum tempo depois, foi tudo esclarecido, e não era nada do quê havia imaginado.
    Nesse tempo os computadores eram de mesa, e como tinha a minha mesada – Regalias pelo silêncio, lembra? – Me deslocava da casa da minha avó, até a Lan House mais próxima, que ficava a quase 1 km de distância.
    Tudo o quê me lembro do dia, é que eram 18 horas, e me livrei da aliança de compromisso. – Meu deus como era trouxa! – Então enquanto ficava sentada, no quê seria o próximo galinheiro do vovô, vários corvos pousaram na goiabeira, que estava acima da minha cabeça.
    Esse cara era o típico mago puritano, e perdê-lo foi bem fácil, pois alguém que não me achava digna da real magia, e me mandava praticar magia wiccana, merecia realmente o pior. – Chorei um pouco, e no dia seguinte estava pronta para tentar com o próximo, a fila anda era o meu ditado popular favorito.
    Iniciei um namoro de curta duração, com um amigo na época, pois achava mesmo, que o quê acontecia nos filmes de romance, podia funcionar na vida real, e com isso aprendi que os filmes, não são fiéis ao retrato da realidade.
    O puritano e eu voltamos, mas ele concluiu que era muito mais obscura, do quê podia suportar. – Só porquê descrevi um romance sanguinário entre irmãos diabólicos, muito antes disso ser aceito pela sociedade. 
    Tinha completado 15 anos na época, e levar um fora foi bem complicado, por isso passei a procurar por alguém, que pelo menos pudesse me aceitar como aberração que era, e assim parei de ser tão exigente. – O quê viesse era lucro. – Só que o puritano, era tão idiota, que queria continuar a manter a amizade comigo, só para me alfinetar, pela a sua preferência, por japonesas. – Que pra mim, eram criaturas patéticas, que existiam para dizer “sim senhor” para os seus parceiros, ou seja meninas submissas, que não mereciam uma gota de valor. – E sigo pensando assim. Parece que tá no sangue, de quem tem a descendência asiática, ser uma Eva da vida, like a Lúcifer 4° temporada, que a retratou da maneira, que sempre acreditei que fosse: Superficial, submissa, e sem cérebro.
    Perto do meio do ano, passei a andar com uma outra gótica, com a qual costumava encher a cara, e me fazia sair de casa toda quarta e sexta-feira. – Ela estava namorando na época, com um cara gótico satânico, que supostamente a glorificava, e só o fato de ter góticos na cidade, já fazia os meus olhos brilharem, pois o quê imperava naquele tempo eram os emos, e ele poderia ter algum amigo, que também fosse satanista.
    A novela se repetiu, sempre que marcávamos para conhecer o rapaz, ele nunca aparecia, e quando veio, era ainda pior que ele mesmo, por isso fui destruindo a linha da ilusão. – E para piorar, a Srta Peitão, vivia me deixando a sós com o namorado, e colocando-lhe chifres constantes. O quê eu achava um absurdo, por isso colocava lenha na fogueira, de tal forma, que um dia ele a deixou para ficar comigo.
    Apesar de claramente ser uma fura-olho, não quis seguir como errada, e a menina soube de tudo pela minha boca. – É óbvio que ela me odiou, e a guerra se iniciou.
    De um lado estava ela, a carismática, sedutora cheia de fartura peitoral, do outro estava eu, a estranha, aparentemente certinha, que pouco se importava com as suas acusações, e gostava de discutir nas redes sociais, somente por prazer.
    Houve uma vez, que ela bebeu demais, e se reuniu com as amigas, para me cercar. Falou um monte de coisas, que não consigo me recordar, pois não parava de rir do seu estado deplorável. – Se aquilo foi para me intimidar, não funcionou, pois estava acostumada a lidar com muitos me olhando torto.
    Fora a vida agitada de vilã adolescente, como se fosse uma Blair Waldorf menos afortunada, também segui fazendo meus estudos místicos, e procurando entender cada vez mais, sobre o satanismo, e quanto mais lia a Bíblia Satânica de La Vey, menos encantada ficava pelo meu atual namorado, que apesar de ser conhecido por sua prática oculta, me parecia um verdadeiro merda.
    Pois toda vez que lhe contava, as coisas que ocorriam comigo, ele tentava distorcer como alucinação, como se somente o quê vivia fosse real. – Certa vez na véspera da véspera do natal (23/12) de 2009, sofri um ataque de fanatismo terrível. – Tinha acabado de entrar para o submundo, e enquanto tomava banho, tentava conversar com a minha mãe, perguntando como seria que meus novos amigos me felicitariam na data natalícia, estava feliz, me senti renovada, animada pelo quê estava por vir. Mas quando sai do banheiro, minha mãe olhou para mim, e disse “Você é um monstro!” Não entendi o porquê da acusação, se nada tinha feito para ela. – Talvez fosse por ter deixado de ser virgem recentemente, e ainda entrar pro lado negro da força. Talvez fosse demais para ela suportar, e eu no meu egoísmo não tinha percebido. – Aquilo me doeu profundamente, e por isso lhe falei coisas, que destruíram de vez o seu psicológico. “Tão monstruosa quanto você, que tirou a vida de um pobre bebê, ao fazer aquele aborto!” Respondi com o ar desafiador, e ela desapareceu. Achei que ia se recolher, para chorar por seu pecado, mas em vez disto, a mulher pegou uma faca de cortar carne, e veio para cima de mim. Seus olhos castanhos, naquele momento pareciam amarelos. “Demônio!” Ela gritou, tentando empurrar a faca no meu peito. E não sei como, mas tive forças para contê-la, de tal maneira, que o seu impulso parecia pertencer a uma criança de 4 anos. Eu escapei, e sabendo da sua maior fraqueza, comecei a chorar, com o intuito de sensibilizá-la. Não lembro o quê disse a seguir, porém isto a fez voltar a si. Ela saiu se sentindo culpada, e caminhei para frente do espelho, onde sequei as lágrimas e sorri de forma maléfica. – Todavia o ser não acreditava que era algo oculto, e dizia que aquilo era normal. (Provavelmente para ele.)
     – Mas houve outro fator, para aceitar na minha vida, alguém que valia tão pouco. – Após muita bebedeira, acabei por beijar a minha melhor amiga, e isso se repetiu quando ela dormiu na minha casa. Eu me apaixonei por ela, só que como a mesma passou me evitar, não tive escolha, senão abraçar o quê viesse, para que aquilo não crescesse ainda mais. 
    Acho que a rejeição, foi o quê destruiu o meu fascínio por ela, e me fez ficar cada vez menos empática, ao ponto de brigarmos praticamente por tudo. – Só que nunca quis lhe contar, que a verdadeira razão para me magoar era essa, e não as futilidades relacionadas as roupas e sapatos, que compartilhávamos, porquê  na época morava comigo.
    De tanto ler as palavras de Anton, resolvi fundar a minha própria seita, que de acordo com o meu talento de criar nomes, se chamava Sees, e significava seguidores da estrela.
    Uma a uma das minhas amigas, recitou o poema de aceitação, e quando se deram conta, tinham me dado o poder de governar as suas almas, e agora eu as guardava em nome de Lúcifer, que era o verdadeiro dono delas. – Ainda me lembro das faces de pânico, após perceberem que tinham se vendido para mim, e o quanto ri pela minha conquista.
    A primeira reunião foi na minha casa, preparei tudo com cuidado, para simbolizar uma verdadeira comunhão com Lúcifer, e outros demônios a favor da carnificina. – A cidra era de maçã, e a comida em si, se formava de alimentos, que poderiam ser comidos crus.
    Nada saiu como o esperado, pois estava um pouco nervosa, e as meninas não parava de zoar umas as outras, o quê atrapalhava na minha concentração, porquê me divertia junto. – Uma verdadeira brincadeira de criança, que jamais pensei, que pudesse resultar em coisas tão graves mais tarde. – É claro eu admirava Satã, de todo o meu coração, e de alguma maneira me sentia ligada a ele, só não pensava que tinha realmente tais capacidades.
    O quê deveria ser uma reunião séria, acabou por atender dos requisitos do livro da Lei de Aleister Crowley – Que foi algo que vim ler, anos mais tarde  e dizia que os favoritos de Hadit e Nuit, eram os que tinham o riso frouxo, e que viviam para valer.
    Mas no fim das contas foi um sucesso, pois consegui citar todas as 9 regras, e esclareci que os espíritos das trevas, eram livres para castigar aos que traíssem ao círculo. Além disto, também fizemos o pacto da estrela, que figurativamente veio a nos transformar numa constelação de 4 estrelas, pois logo após nos unirmos, fatos interligados começaram a ocorrer. – Se uma sentia dor de cabeça, as outras também sentiam. Se uma caísse, as outras caíam. Um verdadeiro efeito dominó mágicko.
    A segunda reunião foi no cemitério do Santa Rita, para onde eu, e uma das meninas, costumávamos ir para beber, sem que nossos pais soubessem. – Calma, nenhum animal foi sacrificado, assim como as tumbas permaneceram intactas. Nós somente conversávamos, bebíamos, e devorávamos as frutas suculentas, adubadas com os restos mortais, dos quê já tinham partido.
    Lembro-me de como foi. Entrei no jogo dos espíritos, e sem querer recebi uma mulher, bastante irada, que queria me obrigar a desistir do meu namorado. Seu nome era Isabel e parecia disposta a me ferir. – Como a boa aquariana que sou, logicamente me opus, somente porquê era a vontade dela. Tive 5 dias para desfazer os laços com o cara, ou morreria, e como estava ligada as outras 3, a ameaça também valia para elas.
    A pressão foi grande, mas não tomei uma decisão, até atravessarmos a rua, e quase sermos atropeladas. 
    Terminar com o “satanista” foi algo fácil, apenas porquê me trouxe mais paz do quê continuar, com um verme inteligente, que me tirou tanto do sério com as suas mentiras, que em 4 meses de namoro, eu literalmente tentei matá-lo usando magia. – Era 31 de outubro para 1 de novembro, quando fui ver se ele iria para as festividades, mas ele alegou está indisposto.  Fui compreensiva, e decidi ir com a minha mãe, mas sem uma galera para me divertir, sai cedo, após nos encontrarmos com o meu pai, que estava saindo com uma garota de aparentemente 19 anos. – Santa crise de meia idade Drácula! – Caso não tenha entendido, meu pai se parece demais com o Bella Lugosi, e por isso sempre o chamei de Conde Drácula.
    Por volta das 1:45 da manhã, uma das meninas do Coven, me contou que o viu no evento, e tal atitude desleal, me deixou tão furiosa, que decidi usar a força do meu ódio para atingi-lo. – Só não sabia que era tão grande.
    Derramei meu sangue num papel, e com o mesmo fiz um pentagrama invertido, no qual uni meu pseudônimo Siath com o nome de Lúcifer, e lhe roguei várias desgraças, por praticamente uma hora, das 6 até as 7 da manhã, e fui dormir. – Quando deu 16 horas, ele me ligou, dizendo que mal conseguia andar, e tinham lhe atestado possível pneumonia.
    Eu ri, e lhe contei a verdade, que tinha feito algo para o machucar. O tal tenebroso homem mais temido da pequena cidade, implorou para mim, como um garotinho para desfazer o quê quer que fosse. – E claro que desfiz, só queria lhe punir pela mentira, não matá-lo oras.
    Então quando acabou, para mim foi alívio, e isso me trouxe uma sensação de liberdade muito grande. Por isso decidi mudar o meu pseudônimo para Carry Manson, e Carry jamais seria como Thaís.  – Assim em dezembro de 2010, decidi que procuraria por um par, que tivesse coisas em comum comigo, independente da religião ou aparência.
    Foi então que conheci o amor da minha vida, mas isto fica para o próximo capítulo, em quê abordarei não só minha vida pessoal, como também o destino do Sees.
    Capitulo 3- 2011
    Narcisista, egocêntrica, manipuladora, e o demônio com rosto de anjo. – Isto certamente me definia, pois até aqui, já deve ter percebido, o quanto  era desumana em muitos aspectos da minha vida. Mas a maioria das pessoas não conseguia enxergar, não importava o quê fizesse, para mostrar a minha verdadeira natureza. Sempre me achavam uma linda menininha inofensiva. –Só que o meu amado não, ele me amava com todos os meus defeitos, e não me obrigava a ser uma bonequinha de porcelana, que nunca podia levantar a voz.
    Nightmare, era um dos amigos da minha melhor amiga, e eu o conhecia pela rede social do orkut, desde que tinha terminado com o nerd. – Sempre marcávamos de nos ver, mas eu nunca ia, pois nem foto de perfil ele tinha, e eu prezava bastante pela minha segurança.
    Num sábado entrei no MSN, outra rede social quente da época, e decidi lhe mandar mensagem, perguntando se a gente tinha brigado por alguma razão, que não conseguia me lembrar. – Memória seletiva é complicada. Mas ele deixou claro, que tudo estava bem, e por isso insinuei que me arrumasse um encontro. Só o quê amigo dele estava passando por problemas, e por esta razão se ofereceu para ir em seu lugar.
    Eu aceitei, só que para ter certeza de quê era o cara certo, pedi para trocarmos telefones, e nos falarmos antes de nos vermos. – Até aquele momento não estava nas nuvens, para conhecê-lo, afinal o cara vivia mandando exclamações, sempre que falava comigo, e isso me fazia pensar que era mais dos homens felizes, que dificilmente aceitaria a plenitude das minhas trevas, e minha vida de pecados intensos. Só que quando ouvi a sua voz profunda e mórbida, a situação mudou.
    Não era o palhaço como o Coringa, nem o bom samaritano como o Super Homem, seu timbre sombrio, lembrava bastante o Batman, que era o meu personagem favorito desde menina.
    Conversamos por horas a fio, sobre os mais diversos assuntos, de ocultismo a cultura pop, e quando não tínhamos mais o quê falar, brinquei exatamente como fazia com a minha amiga, pois como não sabíamos xavecar, para criar afinidade com os garotos, usávamos até questões fúteis, para que o silêncio não imperasse. – Como por exemplo “Qual é o seu biscoito favorito?”
    Conversar com o rapaz foi tão maravilhoso, que cheguei a sonhar um dia antes do encontro, que ele tinha entrado na minha vida para me fazer feliz. – No sonho entrava no quarto com o meu coven, e dizia-lhes que estava namorando o Nightmare! – Alongando o nome com as notas da música do Avegend Sevenfold. – E a gente comemorava como uma grande conquista. Isto antes de saber se tinha física também, pois só a química não era o suficiente. – Já tinha tido outros sonhos que previam o futuro, mas na maioria das vezes, eram coisas boas, que depois se tornavam ruins, e o presságio não mostrava, por isso seguia em 60%, não 99.
    O encontro foi num dia semana, numa segunda senão me engano, dia 13 de dezembro. Fui com mais duas amigas, a melhor e a ladra de pretendentes, que decidiram me acompanhar pela minha segurança, antes de me deixar a sós com ele.
    Nós caminhamos pelo lugar bonito, na praça beira rio, e nos sentamos abaixo da Fortaleza de São José. Ele usava um boné, e estava ouvindo Papa Roach, uma das bandas que gostava bastante na época. Aos nos ajeitarmos, ele me ofereceu um lado do fone, e quando a música tocava, falou sobre o clipe da mesma, onde o rosto da moça se despedaçava, e quando seus dedos tocaram a minha face, fiquei corada como nunca antes. – Era como se fosse o meu primeiro amor, e ninguém tivesse sequer me abraçado antes.
    Naquele dia meu pai apareceu, e como estava no escuro com um estranho, ele o detestou. – Como tudo mais que me fazia bem. 
    Nós trocamos mensagens, e após conhecê-lo ele queria ir devagar, e eu praticamente queria casar, como se fosse do signo de peixes no primeiro encontro, segundo o Vitor Dicastro. Contudo do momento que recuou, a frieza aquariana se tornou presente, e parei de lhe responder as mensagens, para ir dormir.
    Nosso segundo encontro foi na mesma semana, na quarta-feira daquele mês. Neste cometemos o erro n° 1 da paquera. “Em hipótese alguma fale dos exs.” Mas nós o fizemos, e ele esclareceu que se fosse adiante, não seria um relacionamento de um segundo. – Já tinha desabafado várias vezes com ele antes, e posso admitir que tinha problemas, para manter um relacionamento sério. Só que tudo deu certo, e fomos para um banco na frente do CCA, no qual ele me roubou um beijo, e depois veio o segundo, e assim por diante. – A física era excelente, ô pegada boa!
    O relacionamento foi se tornando cada vez mais sério, passávamos quase 24 horas trocando mensagens, pois havia a escola, e outras coisas.  – Como o Sees, que começava a se desfazer, por causa que a mais patricinha tinha começado a ver espíritos, e a minha amiga, havia iniciado um relacionamento com um cara, que não era a favor das nossas práticas, apesar do ótimo gosto musical.
    Só restou eu e aquela que tinha abandonado a igreja, por isso tentamos de todas as formas manter o quê sobrou do grupo, e fizemos algumas reuniões, entrevistas, e até chamamos alguns rapazes que conhecíamos, mas poucos estavam disponíveis para praticar. – E assim o Sees enfim desmoronou, porém antes de entrar para as lembranças, trouxe uma experiência única.
    Era sábado a tarde, quando eu e a antiga beata fomos para o cemitério do Santa Rita. Nós chegamos lá, cumprimentamos o guarda, e ficamos por ali mesmo, quando de repente um homem moreno, de chapéu branco e camisa vermelha surgiu. 
    –Estão aqui a trabalho ou a passeio?
    _A passeio. (Respondi)
    _É, viemos visitar uma tia nossa.
    _(Risos) Cuidado com as visagens!
    _Eu só temo aos vivos! (A minha amiga disse)
    _A morte é uma escapatória para os covardes.
    Disse com um sorriso. O homem colocou a mão na aba, como uma reverência, e sumiu em meio a mata alta. – Ele era o quê eu chamava de guia, seres que aparecem ao acaso, para te auxiliar, dando-lhe as respostas que perguntou ao universo, e nunca mais são vistos.
    Assim que desapareceu de nossa visão, nos deitamos nas lápides, e nos focamos nas sombras. A menina teve uma visão, e eu também. Na minha vi a silhueta de uma mulher, cujos os cabelos eram enrolados como os meus, mas parecia uma camponesa, que havia sido enforcada no topo de um pinheiro, por cipós cheios de espinhos. – O quê me fez concluir que aquela era a minha vida passada, e estava comprovando, que havia mesmo sido uma bruxa.
    Seu corpo despencou, provavelmente já faziam dias desde a sua morte, e o cipó tinha apodrecido. Um ser meio homem, meio touro, veio até a bruxa, e a recolheu. – O calafrio me percorreu a espinha, pois estava claro que ia para o inferno, e não sabia se isso era bom ou ruim. – Meus olhos se encheram de espanto, pela forma como ele a pegou. Não a punha em seu ombro , como um pedaço de carne de açougue, nem a puxava pelos cabelos. Apenas a segurou no seu colo, como se fossem recém casados, e desapareceu com a mesma na densa névoa. Então 7 ou 8 rostos se formaram, sendo 5 de mulheres, e o restante de homens, ambos vestidos como nobres do período renascentista. 
    No caminho de volta para casa da menina, me senti um pouco mais cansada do quê deveria, e desmaiei na rede dela. – Onde tive um sonho, do qual não consigo me recordar.
    A noite conversei com o meu amado, e lhe contei sobre a visão que tive entre as tumbas. Enquanto nos falávamos, notei que meu quarto começou a escurecer, por isso desliguei, e vi que todas as sombras que estavam ali, tinham chifres, e apontavam para mim. – Senti um enorme calafrio, e decidi dormir fora dali, pois tive a impressão de que eles sairiam das paredes.
    O relacionamento com Nightmare, se tornava cada vez mais sério, por isso o escolhi para ser iniciado no Sees, mas ao contrário do quê fiz com as meninas, lhe avisei que tomar-lhe-ia a alma caso entrasse, e ele aceitou as condições. – No outro sábado, de madrugada enquanto a minha mãe dormia, abri-lhe os caminhos do mundo oculto de vez.
    Acendi as velas negras, lhe cortei o dedo, uni o seu sangue ao meu, então fizemos a magia sexual, evocando os 4 príncipes infernais, e no fim o  declarei como o meu rei. – Afinal ele tinha me ensinado a jogar xadrez, e nos víamos como o rei e a rainha do jogo.
    O sees em si virou pó, mas as suas consequências, puderam ser sentidas, mesmo após acabar. Uma vez no domingo, a minha melhor amiga apareceu em meu lar, e me contou algo que me assombrou por muito tempo. – Por alguma razão a pobre ficou possuída de tal forma, que tentou machucar o seu amado, e os pais dele chamaram um padre para exorcizá-la. Mas a criatura era tão poderosa, que rezava os versículos com o homem santo. 
    Eu tinha dito que haveriam consequências, que os espíritos das trevas iriam punir, quem traísse o círculo. Mas me referia a seres inferiores, jamais uma criatura de tal porte. – Assim sendo quando a moça saiu, fui até a frente do espelho, que sabia que era um portal, e me vi. Minha pele era azul, e de alguma maneira me refletia como um monstro horrendo. Chorei bastante por isso, pois era um sinal de quê as trevas estavam outra vez, tomando posse de mim.
    Todavia a situação ficou ainda mais estranha. Certa vez enquanto estava no banheiro da escola, uma menina entrou ali, e me disse “Você realmente veio para revolucionar esse lugar.”, e confessou que era satanista, por isso me senti mais a vontade na sua presença.
    Desenvolvemos uma boa convivência de imediato, mas infelizmente, haviam segredos que ela escondia de mim, e que pareciam bem ruins. – Era hora do intervalo, nós conversávamos sobre os filhos dos demônios, e vendo que a maioria tinha as mesmas habilidades que eu, lhe questionei. “Será que não sou uma também?” e ela disse com veemência “Não! Você não!” e isto me deixou bastante intrigada, ao ponto de conversar com o Conde Drácula, que parecia entender os mistérios, mas não queria me dizer diretamente.
    Estávamos no carro, voltando para casa, após um longo dia, e lhe falei “As pessoas não me acham digna da magia sabe?” Fui bem sincera, e eis que o céu escureceu, e ele disse “Quem ousou dizer isto?!” – Foi o quê chamo de impressão, (termo retirado da HQ Hellblazer) que é quando uma entidade aparece rapidamente num corpo.
    Os fatos incomuns não paravam de se acumular, por isso me entreguei a leitura do espiritismo, que me parecia uma religião bem evoluída, em relação as outras. – Ser satanista é conhecer o inimigo e tê-lo na palma da mão baby –  e decidi fazer uma projeção astral em rumo ao Inferno, para encontrar respostas, para as minhas grandes questões daquele tempo.
    Após passar muito tempo sem dormir, e projetar dentro de casa, decidi tentar o grande feito. – Cheguei exausta da escola, e me joguei na cama, somente de calça jeans e sutiã vermelho, me focando em chegar ao reino infernal.
    Acordei do outro lado, dentro da minha escola, vestida exatamente como dormi. Já era de se esperar, que o meu inferno pessoal, fosse justo aquele maldito lugar. A menina que me abordou no banheiro estava lá. “Ele quer falar com você, mas não vá com ele” Disse-me com raiva, e sem entender, caminhei até a recepção.
    Ao chegar lá, encontrei um lindo homem de rosto grego, meio cinza, com chifres vermelhos, e asas de morcego, que trajava apenas uma calça negra, solta, como a dos samurais. Ele me estendeu a sua mão, e eu a segurei. Então este levantou voo, comigo no seu colo, e tudo ali começou a se destruir, por conta dos inúmeros tornados. – A menina que me levou até o demônio, se trancou num carro antigo, e foi consumida pela catástrofe, enquanto me fitava dominada pelo ódio.
    Acordei daquela viajem, e fiquei curiosa sobre quem era o meu salvador, por isso me joguei na internet, e comecei a pesquisar em diversas fontes. Mas todas indicavam que era o próprio Satã, e isso fez meus olhos brilharem, ao ponto de crer que era uma dos seus soldados. – Só que levantou a duvida, o quê eu era, para ter alcançado tamanha glória?
    Segui meus dias, entrando nas comunidades ocultistas, tentando entender a mensagem que recebi no astral, mas as respostas de muitos, eram genéricas demais  como “você leu demais e sonhou com isso”. – Só que não era um sonho, e sim uma projeção em terras infernais, mas a falta de compreensão era tanta, que preferiam crer em coisas tão simplórias. Eu sabia do fundo do meu coração que era algo mais, sentia isso em mim, por isso quando um sacerdote de 40 anos apareceu, e me disse que Satã havia me escolhido, decidi conversar com ele, e outra moça, que parecia compreender sobre as insanidades, que aconteciam na minha vida, por também ser uma bruxa satânica.
    Só que quanto mais ia ao astral, mais ataques recebia, e todos vinham da menina da minha escola, que no campo de batalha, tentava me aplicar algo, com uma seringa cheia de um liquido viscoso. Mas eu sempre a vencia, usando todas as minhas habilidades ligadas aos elementos, que por alguma razão, lá me permitiam até controlar o tempo, como a deusa Ororo de Xmen.
    Como sempre considerei as palavras, que não me agradavam, refleti bastante sobre meu encontro com Satã, e até aceitei que podia mesmo ser um sonho. – Só que o conceito mudou, tão rápido quanto surgiu, pois encontrei a minha atacante, que me chamou no corredor, e me revelou que andava tendo pesadelos comigo. Neles eu saia de um pentagrama, e ao meu redor estavam várias pessoas, que supostamente havia matado, e ia para cima dela. Por isso a mesma pediu para nos afastarmos. – Foi ela que declarou guerra, quando misteriosamente o cemitério que adorava frequentar, virou notícia por conta de um culto brutal, no qual um bode foi assassinado, e disseram ser obra de “satanistas.” – Por causa de tal fato, os guardas começaram a pegar no pé, de quaisquer pessoas suspeitas. E uma menina de batom escuro vestida todo de preto, era certamente um bom alvo para isso.
    Queria saber separar a vida pessoal da mágicka, mas creio que o quê fez sagrada, foi o fato de ser totalmente oposto. – Minha reserva de energia oculta, conhecida como Satã, estava crescendo cada vez mais, e toda vez que me sentia desafiada, usava meu poder para provar o meu valor.
    Num dia qualquer disse a um amigo que seria atropelado, e mais tarde, o mesmo veio falar comigo. Estava mais pálido que o normal, e me pediu para jamais brincar daquela forma outra vez, pois na tarde daquele dia, um caminhão quase o atropelou. – Naquela época, pensei ter a ver com minha capacidade oculta, mas hoje vejo que foi apenas a lei da atração agindo. – Você atrai aquilo que teme.
    O menino que era um santo, ia a acampamentos da igreja e tudo mais, começou a voltar-se para as práticas da magia. – E de alguma forma me sentia responsável pelo feito, pois vivia lhe contando sobre as minhas aventuras. 
    Graças a ele, descobri mais uma pista a respeito de quem era, pois este encontrou uma bruxa mais velha, e lhe contou sobre mim, para que pudéssemos descobrir o quê tudo o quê vinha acontecendo significava. – Era como se fosse uma universitária de ocultismo, pois a mulher lhe disse, que tudo o quê precisaria em breve era fazer uma escolha. Enquanto ele, teria que estudar bastante para se desenvolver.
    Isto me parecia muito verdadeiro, pois em 11/11/11 aconteceu uma coisa, que literalmente testou os limites da minha razão. – No dia anterior a abertura do portal, a minha amiga foi na minha casa, e nós debatemos sobre o quê o 11/11/11 significava. No meio da conversa ela soltou “Algo grande irá acontecer, mas passará despercebido por todos.” E seguimos falando a respeito, focando principalmente no símbolo do Anticristo, pelo qual nós éramos apaixonadas, e que apesar da narrativa do filme a profecia – Que me fez ter um sonho com o menino da trama-Achava que era uma mulher. Naquele tempo para mim, um portal era algo que só podia ser aberto pela elite, que já tinha atingido o limite máximo dos seus poderes sobre-humanos. – Por isso não consegui entender o quê veio adiante. Dormi tranquilamente, nos braços do meu amado, e despertei numa passarela de vidro, que ficava acima das águas, localizada entre enormes montanhas marrons, das quais podia-se ver a cachoeira cristalina. Estava coberta por uma túnica negra, e caminhei até o fim da ponte, onde encontrei um monólito, no qual se encontrava uma tábua de pedra, semelhante aos 10 mandamentos, mas com símbolos alienígenas, que brilhavam na cor verde, e de alguma forma reconhecia, e alinhava. Feito isto um asteroide passava entre as nuvens, e em seguida apareciam vários nomes de lápides de presidentes, e o ano 1999. – Por quê é assustador? Minha mãe falou que um colega lhe contou, que no dia em questão, um astro passou próximo a Terra, e o mesmo era também responsável pelo dilúvio lá no passado. ( A coisa mais estranha, é que um objeto celeste realmente passou naquele mês, mas eu não tinha conhecimento disto.)
    Saber destas coisas, foi me tornando uma criatura cada vez mais mesquinha, pois tamanho poder, influência e beleza, só me fazia ter cada vez mais ambição na vida, e enquanto eu lutava para alcançar o topo, meu par apenas se confortava com uma existência vazia de pouco luxo. – O quê irritou muito o meu pai, pois a gente morava junto na época, e o rapaz não tinha ânimo para ir procurar um rumo na vida.
    Eu tentava ser compreensiva, porquê sabia como se sentia perante os demais, mas no fundo me sentia tão incrédula, quanto o próprio Drácula. – Por isso, quando a mãe lhe conseguiu um emprego em outra cidade, preferi que fosse, pois concordava com o meu pai. – Precisava de alguém que caminhasse comigo, não que ficasse nas minhas costas, me atrapalhando a chegar na parte mais íngreme da montanha. – Não entenda errado, ele suportava todos os meus dramas, tínhamos muito em comum, só que a sua falta de prazer em ascender na vida, pesava demais para mim. Eu fiz de tudo para quê dessemos certo, abri mão até mesmo da minha vida de luxo, para ir viver com ele, e isto resultou numa das minhas experiências mais assombrosas. – Viver na casa de Nightmare, era um enorme desafio, principalmente porquê a sogra, me odiava tanto quanto o meu pai ao filho dela, e como ele não queria que pensassem ainda pior a seu respeito, não me deixou faltar na escola naquele dia, mesmo lhe dizendo que não queria ir mesmo.
     Ao chegar lá, não teve aula, e a patricinha ladra de projetos, nos chamou para beber com os colegas. – Cachaceira como eu e a ex-beata éramos, aceitamos na hora, tomar uma Vodca com suco de laranja. Eles foram na frente, e nós duas tomamos o caminho do sol quente, para chegar ao “Poeirão”, porquê ela teve um mal pressentimento. – É incrível como o simbolismo surge no dia-a-dia, pois literalmente estávamos seguindo por um caminho diferente, por não sermos como eles. – Ela não era como eles Blutengel- Lúcifer.
    Chegamos no local, e iniciamos a bebedeira. O povo tinha um péssimo gosto musical, e eu não conseguia tolerar isso. “Coloca a Lady Gaga” dizia, mas eles continuavam a ouvir funk carioca. Minha amiga não era tão elitista, por isso foi rebolar até o chão, e eu virei meia garrafa num gole.Tinha comido antes, mas do mesmo jeito o álcool me subiu a cabeça, e entrei num daqueles transes, só que consciente desta vez. – Era como se estivesse no meio das nuvens, e haviam vários anjos entorno de mim. Isso me deixava apavorada, ao ponto de ameaçá-los de morte, caso se aproximassem. 
    Do nada o céu escureceu, e a chuva começou, todos incluindo a patricinha saíram correndo, e a ex-beata ficou para me ajudar, enquanto eu vomitava sem parar, ao ponto de espumar pela boca. – É nesta hora que se vê quem são os seus amigos de verdade.
    Ela me levou até um bar, onde pediu que ligassem para o Samur, e nos confundiram como irmãs. Dentro do veículo agradeci a paramédica por me ajudar, e pedi pra ex-beata ligar para o meu amado. No banco de espera, desmaiei, e ficava oscilando entre este mundo e o outro, até que me estabeleci aqui. – Lembro-me que fiquei furiosa porquê ele não apareceu, mas mais tarde, soube pela sua mãe, que tinha pego uma bicicleta para chegar lá, quando percebeu que não tinha um tostão no bolso, para pagar a passagem, e eram 40 minutos do seu bairro até o hospital, e eu fiquei menos tempo que isso, após diagnosticarem a minha melhora súbita, do quase coma alcoólico. 
    Certa vez logo após ele ir para Ferreira Gomes, eu fiquei até de madrugada na internet, conversando com um gótico metido a ocultista, que só reforçou uma ideia presente em minha mente. – Eu merecia mais do quê aquilo, e por um pensamento tão egocêntrico, dado a minha natureza, acabei por me envolver com este cara, por apenas uma noite. Mas depois que acabou, deixei claro que não se repetiria, e de imediato quis terminar meu relacionamento. – Mesmo que fossem somente palavras, não tinha cara para continuar, como se nada tivesse acontecido, eu não era a Srta Seios Fartos.
    Meu companheiro me ligava sempre do outro lado. Só que eu lhe dava patadas, dizia que não o amava mais, e tentava fazê-lo me esquecer a qualquer custo, pois o quê fiz, não perdão. – No entanto era persistente, e esconder o meu pecado contra ele, estava se tornando cada vez mais difícil, já que quando nos conhecemos, o mesmo me disse que via o futuro, e agora fazia juiz a isto.
    O amante de uma noite, não me deixava em paz, entrava nos grupos em quê me encontrava, e fazia dramas, por tê-lo bloqueado do MSN, mas eu não deixava os rastros da traição, portanto não sabia como meu marido, poderia ter previsto tudo com exatidão. – Numa noite qualquer, estávamos deitados no quarto da minha mãe, e em meio a penumbra ele disse “Você vai me deixar por alguém da internet.” E eu fiquei apavorada, dizendo que era impossível. – E era mesmo, o amante era um canalha, e nem em sonho planejava ter um relacionamento sério com ele. – Contudo meu par usava o argumento, de quê havíamos nos conhecido na internet, e isto ia se repetir. – Mas duvidei porquê na época tínhamos um relacionamento a distância, e já não aprovava tal coisa.
    Naquela noite ele surtou, saiu batendo portas, e então pegou o seu canivete Soul, que ficava junto da minha faca Deathpeople. Com um sorriso diabólico, disse que as vozes o mandavam me matar, e eu fiquei abraçada ao meu notebook, sem saber o quê fazer, sentindo a lâmina na minha garganta. Foi então que tive um estalo, e decidi manipulá-lo da mesma forma, como fiz com a minha mãe lá em 2009. – Apaguei as luzes, porquê sabia que o escuro o acalmava, e lhe abracei forte entre lágrimas “Se as vozes dizem para fazer isso, elas não são boas, então por favor para de ouvi-las!” Disse abraçando-lhe enquanto ficávamos deitados na cama.
    Contei a bruxa satânica, com ainda mais detalhes, do quê agora sou capaz de dizer, e esta concluiu que era uma possessão, e que soube lidar bem com o demônio. – Além disto na mesma conversa, lhe contei sobre o meu passado, e eis que ela disse algo enigmático. “Agora entendo tudo. Sua mãe foi apenas o ovo, você sempre pertenceu a Satã.” E depois sumiu sem deixar algum rastro.
    Contei a verdade para o meu companheiro, e ele me perdoou imediatamente. – Provavelmente porquê a gota d’água, foi ter conversado com a detestável ex, uma semana antes da traição, e não ter me contado. O quê pode se dizer como o verdadeiro pivô, pois a minha insegurança, era tanta, que só pensava o pior.
    Nós tentamos seguir adiante, só que acabei me encantando por uma moça de São Paulo, e ela por mim, e assim acabei casada com um, e namorando-a a distância. – Mas todos as partes envolvidas sabiam, e até mesmo se davam bem. – Viva a fidelidade satânica!
    É claro que não deu certo, e o trio se desfez. Depois disso voltei a caça, gostei de um rapaz, de outro, e nunca me decidia se continuava ou não com o meu rei. – Que entre uns e outros, era agora o meu amante, e com ele me sentia a vontade para trair aos outros.
    Quando finalmente estávamos nos ajeitando, numa amizade colorida, o pior veio. – Conheci um rapaz, que me disse que juntaria cada caco do meu coração, e lhe disse friamente para que entrasse na fila. Ele parecia ter 15 anos, e eu realmente detestava gente mais nova. Só que era outro persistente, que ficava por perto, tentando me conquistar, mas eu não dava a mínima, para cavalheirismo forçado. – Lembre-se que deixei até o nerd, que era um amor de pessoa, porquê a química não batia.
    Porém numa madrugada isso mudou. De garoto insuportável metido a príncipe, eis que surgiu a sua outra face, a demoníaca, que não era um lambe botas, e isto me despertou o interesse. – Vivia assistindo documentários sobre maníacos, psicopatas, e assassinos no Discovery Chanel, e o History. Então quando alguém supostamente perturbado apareceu, quis estudá-lo. 
    Infelizmente a versão de plástico, continua a me encher o saco, e eu só estava focada na sua real essência. – Está bem, o meu gosto para homens era péssimo, mas é preciso que entenda, que a minha natureza não é benevolente, por isso me juntar a alguém, que fosse normal estava fora de cogitação, porquê me entediava.
    O menino e meu ex-marido, começaram a competir, mas a minha atenção no novo, acabou por resultar na vitória deste, e assim meu antigo par teve de partir. – Não foi uma despedida dolorosa, pois até transamos antes, e ele mesmo abriu caminho para o outro, ao me ajudar a restabelecer a conexão da internet, quando a CPU, aparentemente parecia ter queimado, e não podia falar com o rapaz.
    O amor da minha vida se foi, e aquele que desgraçaria de vez a minha mente, foi o quê ficou. – Como em o Alienista, a verdade mais dura ficou clara, conviva demais com os loucos, crie uma ligação com o mesmos, e será o próximo a ir para o hospício.
    O rosto malévolo do garoto, as coisas que supostamente dizia ser capaz de fazer, mas que me parecia romântico demais para tais atos, me deixava fascinada admito. – Eu estava me tornando obcecada pelo ser que criou, e queria provar-lhe que a suposta mortal inútil, tinha mais valor do quê imaginava.
    Logo que iniciei o relacionamento, tirei o arcano 15 no tarô, e em vez de ver a clara mensagem negativa, preferi abraçar aquilo como “destino”.   – Nem eu sei o quê aconteceu ao certo para ficar assim, só lembro que foi pouco depois, dele ter dito que teve um apagão, e se encontrou diante de um pentagrama, derramando gotas de sangue no mesmo.
    Conviver com o mesmo não era fácil, e por isso eu costumava reclamar bastante, exaltando o relacionamento que um dia tive. – Isto o tirava do sério, da mesma forma, como possuir inúmeros contatos de garotos, com os quais flertava, quando me fazia raiva. 
    Finalmente tinha entrado num relacionamento abusivo, e ao menos desta vez, não era quem pisava nos outros. – A sensação era terrível, e isso me atrapalhou bastante, na hora de aceitar a descoberta sobre quem era.
    Um dos rapazes com o qual me envolvi, mas me joguei para escanteio, falou para o meu amigo, que eu era herdeira do inferno, e este me repassou o fato, como se fosse algo dele. – O quê não gostei inicialmente, e o fato de ter beijado ele e mais dois num fim de semana, tinha abalado a nossa amizade. Pois assim como odiava traição, não queria que ninguém mais sofresse com isso, e quando aconteceu, ele namorava a minha colega de turma da 211, para quem tive de contar tudo, e esclarecer que foi um erro. – Eu sei é hipócrita da minha parte, mas quando se é jovem, dificilmente se dá conta das besteiras que faz.
    “Herdeira do Inferno.” Uma frase tão curta, que me trouxe tanta dor e sofrimento. – Após a descoberta, vários caras se aproximaram de mim, alegando que eram o meu marido demoníaco da outra vida, e isso me deixou bem frustrada, pois sentia como se quisessem me usar, para subir na escala infernal, e mesmo que parecesse grande coisa, para mim aquilo era pouco. – São palavras. Não é porquê alguém disse que automaticamente, iria abraçar tal destino sem mais nem menos. 
    Precisa questionar o fato, analisá-lo, antes de tomar como verdade. Por essa razão, sai novamente em busca de provas, que me fizessem de fato, a futura rainha do inferno.
    Na época conversava com um De Molay, que antes tinha me dado o fora, e depois que nos tornamos amigos, veio com a besteira de se apaixonar. Mas apesar de tudo, ele me protegia do outro, e parecia ter bastante conhecimento oculto, logo era uma boa alternativa, pergunta-lhe a respeito de tal novidade. – Ele não só não discordou, como esclareceu que eu era filha de Lilith, e em muito lembrava a minha mãe.
    É claro que duvidei. – Lilith a poderosa, dotada de seios fartos, e cabelos perfeitos? Impossível! Só que gradualmente, fui encontrando provas, que me ligassem a ela. No retrato de John Collier de 1887, a bela era retratada com seios pequenos como maçãs nem excessivamente magra, muito menos gorda, com madeixas douradas e crespas. – Semelhante as minhas, cujas as quais, a minha mãe terrestre, dizia que era “cabelo de surfista”. Além disso o nome Lilith, terminava com o mesmo Th, presente no meu, e por mais idiota que hoje pareça, não acreditava que era uma coincidência. – O resto dos traços como criatura lasciva e cruel, já devem ter ficado claro.
    Saber que tinha a essência de Lilith, a rainha do Inferno, era algo maravilhoso para mim. – Tudo começava a fazer sentido, as visões, as situações escabrosas, a minha persona obscura, e por isso quando soube da segunda parte , foi um choque para mim. 
    Através de uma bruxa wiccana, soube que o Deus que deu origem ao mito do Diabo, e a Deusa virgem desavergonhada, a qual odiava, me amavam e me protegiam. – E não era uma benção comum do grupo, apesar do quê possa parecer. Ela literalmente tirou nas cartas para saber. – Terrivelmente, não soube apenas me auxiliar, ao descobrir quem era, de imediato ficou furiosa comigo, e disse que Ela quem era a filha de Lúcifer e iria reinar. Algo que era complicado, pois não tinha tido uma vida tão ligada ao Inferno, para quê outra viesse tomar o lugar, que parecia me pertencer. – Estranhamente depois da afronta, por causa do seu namorado cafajeste, que alegava que eu era poderosa, regente do bem e do mal, e que podia transitar entre o céu e o inferno por ser filha de Lúcifer e Maria Padilha. – A mesma bruxa disse sob o estado de “mensageira”, que o meu futuro seria extraordinário. Só que o sucesso mundano, já não me parecia o suficiente, por isso lhe perguntei se era normal ou mágico, e o tal ser respondeu que era mágico. – Ainda estou no aguardo sobre isso.
    Como tudo estava ficando cada vez pior, recorri ao mago de 40 anos, que inicialmente me disse que fora escolhida por Satã. Este me revelou que no ano do fim do mundo, descobria algo importante, e que era uma das peças chave, para os planos de Satã na Terra. – O quê seria conclusivo, mas logo após a descoberta, tive um sonho do qual jamais esquecerei. Estava correndo na chuva, tentando fugir de um homem encapuzado, e quando pulava do penhasco para o outro lado, uma voz de trovão dizia “Cuidado com aquele que diz querer ajudar o teu pai, pois o mesmo, apenas está procurando meios de destrui-lo!” Naturalmente pensei em Arikiel, porém quando o magista de 40 anos, fez uma proposta indecente, sabendo que o via como um pai, e que eu tinha 16 anos, ficou claro de quem se tratava o comunicado. – Filho de Satã é? Engraçado pois meu pai jamais aprovaria a sua conduta para comigo.
    Por fim, naquele mesmo ano uma menina me enviou mensagem, e achei bastante incomum, porquê nem a conhecia, e a outra moça que era a sua amiga, pouco sabia ao meu respeito. – Mas ainda sim esta deixou claro que éramos irmãs, por termos a essência de Lilith, e sua prima que também era uma bruxa, me disse que eu era pura. Algo que odiei de imediato, e acho que por isso ela completou com “Pura...Pura maldade.”
    Eu era a princesa infernal não é? Ia herdar o trono do Inferno, e governar os outros. Então me diga como quê diabos, foi me mostrado que tinha sangue de anjo?! –  Como já deve ter percebido até aqui, não sou de aceitar as coisas, antes de muito questionar. “Anjo, anjo, anjo” Era o quê ficava na minha cabeça. Como é que podia ser filha de Lúcifer e Lilith, e ter uma essência tão terrível?! Isso me devastava, e para piorar, o meu namorado, reforçava que meu poder era ainda menor, por possuir as malditas asas de penas. – Eu nunca comemorava pelas descobertas. Primeiro Filha de Lúcifer? Isso era uma piada entre os satanistas da cidade! Além do mais, até naquele tempo havia tanta gente se denominando como tal, que me doía o peito, pensar com quantos teria que competir para sentar-me ao lado do meu “pai”. Segundo anjo?! Pura?! Que porcaria era essa?! Depois de tudo o quê tinha aprontado na vida, não havia razão, para crer que era uma celestial. – Só que era, e uma pequena seita de fanáticos, que para minha infelicidade desapareceu do Google, me mostrou a extensão do problema. – Logo após eu ter tido uma visão, de um anjo de asas negras, copulando com uma linda mulher ruiva, num lugar que parecia o Éden. – Eles esclareceram que Satanás tinha uma filha, e que esta foi expulsa do paraíso, junto com o pai. Contudo não era a única a falar a respeito, tinha uma outra, que era mais específica, dizia que a filha levava todos a perdição, e os que se casassem com ela, teriam que servir ao seu pai. Não sei se sumiram também, mas juro em nome do Cosmos, pareciam falar de mim, só estavam errados numa coisa, eu não uma senhora, nem nunca seria, pois tenho problemas para envelhecer fisicamente. – Tenho 24 anos, mas pareço ter 16, por conta dos problemas hormonais.
    As imagens do passado pareciam se tornar claras, vez ou outra entrava em transe na escola, e via a minha outra vida. – Tinha estudado numa instituição mágicka, em uma outra dimensão, cuja a tecnologia era mais avançada do quê este mundo. Mas não era só isso, lá era a pior das piores, por isso todos me chamavam de mini Lilith. Era tão ruim, que havia até mesmo roubado o noivo da minha irmã, o anjo Alakiel, que do momento que fui para a guerra, quando os celestiais nos acharam, acabou por me abandonar em um carro. – Calma, eu sei que Alakiel é pura imaginação, só que a semelhança entre Alakiel e Arakiel o anjo caído, responsável pelos sinais na Terra, é bastante clara. O quê comprova que a minha visão era turva, mas ainda sim era uma visão. – Ás vezes o transe era tão profundo, que literalmente acordava na sala errada, e nem sabia como havia chegado lá.
    Arakiel era o nome do ser que influenciava, o falso príncipe, ou talvez fosse o próprio, isso não ficou claro,  mas parecia realmente haver uma força sobrenatural por trás de tudo. – Sempre que eu discutia com o rapaz, minhas tentativas de suicídio, traziam a tona a existência do ser, que de alguma maneira, batalhava com o outro, para ficar em seu lugar, e se juntar a mim. Ele batia o pé, dizendo que era um demônio, e eu dizia que era um anjo disfarçado de demônio, que viera para me confundir. – É, vergonhosamente entrei no jogo do sociopata, mas não o suficiente para crer que eram dois seres distintos, pois na minha concepção na época, o bom, gentil e amoroso, era a máscara, que escondia quem ele realmente era, ou seja o Arakiel, que nunca queria me dá o nome, e se chamava de Lord Dark.
    O outro lado existia apenas para me confrontar, por causa da minha conduta, de mulher sirigaita, que estava pronta para deixá-lo se fosse preciso. Só que as discussões filosóficas, sobre o céu e o inferno, anjos e demônios, me fazia querer estar sempre com a versão do rapaz que me machucava, mas que também atraia a minha atenção, e muitas vezes me ajudava a sair das crises existenciais, que ele mesmo me colocava. – Eu sabia que era tóxico, para nós dois, pois também o feria de propósito, só que definia como um relacionamento em que, os dois se xingavam, porém se outros fizessem o mesmo, que nos aguardassem, pois um cuidava do outro.
    Sempre que me metia em confusão, Lord estava lá, e costumava humilhar quem ousasse me ferir. – Isso para mim era importante, porquê embora o meu ex-marido tivesse sempre me aceitado como era, nunca fora capaz de levantar a voz a ninguém por mim, e isto me fazia ter a impressão, de quê era eu contra todos, e não nós.
    Era uma droga viciante, alucinante, que estava me destruindo sem perceber. Pois assim que me conquistou, fiquei na palma da sua mão. Não via os sinais, como: mensagens enviadas por 24 horas, ás vezes que tentou se matar, e me enviou o vídeo, a forma como me envenenava sobre os outros, dizendo que não tinha amigos de verdade, e só podia contar com ele. – Neste ponto tive de concordar, só restou uma ou duas pessoas, das quase vinte, com quem mantinha contato naquele tempo, porquê quando afundei de vez, a maioria torceu para que morresse mesmo.
    Em outubro daquele ano tive um sonho com o meu ex, ele estava vestido de laranja, não me parecia mais consciente de seus demônios, e entrava na minha casa. Eu parecia drogada, não conseguia comer, e pegava com as mãos o macarrão do prato de plástico azul. Só que meu corpo pesava bastante em seguida, e ele me carregava para a cama. – Aquele sonho sombrio, me preocupou bastante, por isso falei para o Lord, que agora tinha “tomado” o corpo de vez, e este me falou que ele parecia o cara do seu sonho, e que tinha de me livrar de todas as coisas que ele me deu, pois isto nos mantinha ligados, e não acabaria bem. 
    Aterrorizada, coloquei a camisa do System of a Down para a doação, e quebrei a estatueta favorita dele, que tinha me dado para provar o seu amor. Uma porcelana marrom em forma de lobo, que ele adorava, por ser fã de tudo ligado ao animal. – Ainda me lembro daquela tarde, me recusava a fazê-lo, mas o garoto ficava sussurrando em meus ouvidos “Quebre, quebre, quebre!” e o fiz entre lágrimas, sentindo como se quebrasse algo em mim.
    Depois do sonho e todo o resto, Nightmare que agora atendia pela alcunha de Soul Ripper, tentou manter contato comigo, mas por medo, eu o evitei, achando que os seus demônios o tinham consumido de vez. Assim sendo o bloquei nas redes sociais, e por isso ele veio na porta da minha casa, só que o tratei com frieza, e ele partiu cabisbaixo. – Eu entendo que queira me dá um soco, pois se eu pudesse faria como Yuno Gasai, e tomaria o meu lugar no passado, para impedir esse erro.
    Gradualmente fui perdendo amigos, e quando somente restou eu e o garoto da web, ele me pediu em casamento, e aceitei. Sabia que tinha um marido vindo do Inferno, e achava que podia ser ele, pois nunca havia sido tão trouxa para alguém antes. – Entretanto tudo mostrava o contrário, e até mesmo a minha irmã, recebeu a mensagem de Lilith, de quê ele não era o meu par, que Lúcifer o tinha escolhido por um propósito, e tomar Arakiel com tal era um erro. – A aquela altura, tinha mergulhado na mais profunda insanidade, e não ouvia nem sequer os deuses, estava convencida de quê era meu, e nada nem ninguém, poderia mudar isso. – Será? 
    Num dia qualquer briguei com o rapaz, e fiz a coisa que ele mais detestava, para atrair o seu outro lado. Bebi até perder a consciência, mesmo sabendo o quão arriscado aquilo podia ser, já que a barreira entre o físico e o espiritual, ficava cada vez mais fina , de acordo com a quantidade de álcool ingerida. – Lembre-se do trágico episódio de 2011.
    Acabei por desmaiar, enquanto conversávamos no celular, pois não me aguentava em pé. Despertei no meio de uma praça, onde as freiras de branco passaveam. Parecia o paraíso, mas as faces daquelas mulheres não me inspiravam confiança, por isso apressei os passos. Foi então que vi uma freira de preto, esfaqueada a sangue frio no piso cheio de quadradrinhos, e decidi correr. As senhoras já estavam entorno de mim, com sorrisos dotados de mania, por isso fiz um grande esforço para despertar, chamando pelo anjo que se disfarçava de demônio. Ele estava desmaiado também, por isso o despertei ligando inúmeras vezes. “Durma, não vou deixar nada te machucar, sabe que basta me chamar se algo acontecer.” Disse-me enquanto eu estava em estado de pânico, só que o efeito da bebida era muito forte, por isso cai no sono de novo. O sonho me pareceu bem normal desta vez. Estava na antiga casa da minha avó materna, enquanto esta ajeitava a cama, bastante sorridente, mas de alguma forma eu sabia que não era ela, por isso disse “Você não é a minha avó! Revele-se!” Então ela parou de dobrar os lençóis, e me olhou com um sorriso assustador, enquanto a sua pele morena, começava a empalidecer, e as unhas ficavam pretas. “Tem certeza de que quer saber?” Perguntou, e eu me preparei para lutar, só que uma força maior, me puxou de volta para o corpo contra a minha vontade. – Nunca soube o nome da criatura, e até hoje isso muito me intriga.
    Em novembro de 2012, me caracterizei como Alerquina, por notar que tínhamos um rosto bem semelhante, e me preparei para ir ao evento de Cosplay, mas quando cheguei na porta, senti uma tontura e desmaiei. – Meu espírito foi levado para o cemitério do Santa Rita, e lá fiquei rodeada por espíritos zombeteiros que diziam “Morte, Dinheiro, Mentira!” repetidamente, e gargalhavam como loucos.
    Tudo estava preparado, para quê eu e Arakiel nos encontrássemos, nossas mães tinham conversado, e a dele havia aceitado a união, pois o rapaz tinha dito que preferia a morte, a ficar sem mim. Dia 28 de dezembro ele chegaria na cidade, só que infelizmente – ou felizmente –  Descobri que tinha me traído em novembro, e a raiva por ele, era maior do quê qualquer coisa que sentisse, por isso fiz o quê ele sempre detestou, sai com a minha amiga ex- beata, e bebi com estranhos. O problema é que o garoto em estado de bebida, tentou me estuprar na praça, e se não fosse pela minha amiga, e o amigo dele, a noite não teria acabado bem, pois morder forte a sua língua, somente o excitava ainda mais.  – Contei tudo ao anjo, disfarçado de demônio, e ele ameaçou o cara de morte, caso voltasse a se aproximar de mim. Só que “pagar em dólar”, não tinha sido o suficiente, eu ainda o odiava por ter me enganado, e por isso decidi terminar em 25 de dezembro daquele ano, após ter tido um estranho presságio, de quê estavam tentando me matar. – Gente de outra escola foi até a minha, e ficou a me olhar estranho, como se tivessem desejos insidiosos. Depois enquanto dormia o teto se abriu um pouco, em meio a chuvarada, e se não saio a tempo do quarto, teria morrido eletrocutada.
    Acabou. Fui dormir, só que naquela noite tive um sonho, de quê ele estava muito magro em meio a escuridão, e escalava meu corpo chorosamente, dizendo “Eu te amo, porquê está fazendo isso comigo?!” Então quando acordei recebi a notícia, meu avô tinha falecido, e o menino nem sequer respondia as mensagens, no início fiquei preocupada, depois soube que estava bem, e entrei num profundo estado de depressão. – Não comia, não dormia, e só sabia falar dele, achava até mesmo que tinha sido separado de mim, por um kimbandista, com o qual puxou briga, porquê o mesmo havia dito que eu era filha de um cachorro de rua, mas nunca de Satã.
    Tentei namorar o DeMolay, mas este me deixou por causa da ex, e acabei fazendo amizade com um garoto detestável, que fez minha amiga sofrer, e que estava arrependido. Vamos chamá-lo de o Geminiano. – O geminiano era de Rio de Janeiro, e costumava implicar comigo por qualquer coisa, mas como era o único que me entendia, sobre querer voltar para a pessoa que havia deixado, só me restava falar com ele.
    Os pesadelos eram bastante frequentes na época, sonhava que estava grávida, e Arakiel – que apesar de parecer ter pouca idade, era um ano mais velho que eu – tinha alguma relação com isso.
    Vivia vendo zumbis, guerras, e o fim do mundo eminente. – Provavelmente pelo bombardeio de mensagens midiáticas a respeito. 
    Meus amigos só sabiam me apoiar com “likes”, em coisas que me faziam me sentir um lixo, e eu sentia raiva disso. – O canalha estava certo? Eu estava sozinha mesmo?
    No ano de 2013, fiz 18 anos, mas foi o pior dos meus aniversários, pois de quem eu queria os parabéns nunca veio. Como se isso não bastasse, um meteorito caiu na Rússia, logo após a renúncia do Papa, e temia que isso de alguma forma fosse associado a mim, afinal era supostamente A filha de Lúcifer, e os religiosos sempre buscam por um bode expiatório. – Lembro-me que não pude comemorar no dia, mas o fiz no sábado, e quando bebi, meus olhos brilharam de forma inumana, ao ponto de ficarem verdes, e isso foi capturado pela câmera.
    Em março daquele ano, resolvi sair de dia, com a ex-beata, queria me destruir sabe? Beber até não aguentar mais. Nós fomos até o Formigueiro, uma praça que ficava atrás da igreja de São José, onde os roqueiros costumavam se reunir.
    Lá encontramos um homem, que usava uma camisa preta, e o símbolo da estrela de Davi, e este não parava de cumprimentar a todos. Até aí tudo bem, só que um dos meninos, me falou que se tratava de um pedófilo, e quando este veio até mim, minha energia cresceu mais que o normal, pois detesto o tipo. – Ele disse “Você tem um espírito forte, tenho certeza que é de leão.” Disse-me, e sorri de forma maldosa, negando, enquanto apertávamos as mãos. Os olhos dele se engradeceram, e o medo ficou presente, ele literalmente saiu andando de depressa, sem falar com o resto do povo.
    Decidimos sair andando pela cidade, e nos estabelecemos na praça da bandeira, onde fiquei no escuro. Então uns 30 minutos após sair do Formigueiro, um grupo de frades a caráter, tão grande que nem deu para contar, surgiu andando pelo centro, e a menina que estava conosco até brincou, dizendo que pareciam ser um grupo de Jedis. – Se era “caçavam pela filha de Darth Vader”.
    Coincidência ou não, até hoje não sei explicar, mas o medo foi tão grande, que me manifestei nas redes sociais, dizendo que se sumisse, que me procurassem no Vaticano. – Fanatismo, loucura, pode chamar do quê desejar, só  que é no mínimo estranho.
    Mais coisas aconteceram naquele ano terrível, e quando Soul/Nightmare reapareceu, eu definitivamente não estava pronta para voltar. Já tinha dado errado uma vez, e no momento só queria me destruir, por isso não podia arrastá-lo para o fundo comigo, só que isto tudo fica para o próximo capítulo.
                             
    Capitulo 4- 2013
    Não dá para duvidar da persistência de Soul. Mesmo depois que terminamos, e tê-lo afastado, a pedido de Arikiel, sob circunstâncias estranhas, ele ainda continuava ali, sendo um amigo para todas as horas, porém apesar de não ter me esquecido, preferia que o fizesse. – Meu coração não lhe pertencia mais, então para quê iria continuar torturando-o? Ele não merecia esse destino cruel, portanto quando reapareceu, e por acidente, acabamos por dormir juntos, por volta de maio daquele ano – O quê faz de mim um monstro, pois era o mês do seu aniversário – Eu lhe disse em definitivo “Isso não quer dizer que te amo, e nem que vamos voltar!” , ele pareceu entender, e também falou que não era o quê queria. – Contudo mais tarde soube, que tinha ido embora cabisbaixo.
    Me perdoe querido leitor, mas não poderia continuar segurando o rapaz ao meu lado, por puro egoísmo. – Tudo o quê tinha passado com o Arakiel, havia feito a minha concepção mudar. – Sem contar que na época estava me envolvendo com o Geminiano, e não queria iniciar outro relacionamento com o pé esquerdo.
    Estava cada vez mais perdida, e apesar de ter o Geminiano ao meu lado, me sentia cada vez mais sozinha, por isso vivia entrando em sites de Creepypastas. – Já havia tentado inúmeras formas de me matar, como : Morrer afogada aos 6 anos, mas não deu certo, a professora me salvou. Morte por acidente automobilístico, só que os carros paravam antes. Morte por ingestão de caixas de remédio, todavia somente dormia, e voltava nova em folha. Morte por envenenamento, que me fazia vomitar sem parar, porém bastava um copo de leite, e tudo voltava ao normal. Morte por corte da artéria, no entanto parecia nunca rasgar a carne o suficiente, pois no dia seguinte, já estava como se estivesse se cicatrizando. – Então como os métodos tradicionais, estavam sempre falhando, procurei por entidades místicas, para me destruírem de uma vez. – Claramente não funcionou, senão não estaria aqui agora.
    Caminhava pelo mundo, como se fosse uma zumbi, sem vida, sem motivação, sem acreditar em nada. – Se Lúcifer era meu pai, então por quê as coisas estavam dando tão errado? – Fui perdendo a minha fé nele, e abracei a linha de fanatismos sobre o fim do mundo, pois saber que o lugar onde estava seria destruído, me trazia paz. – Poderia ser “imortal”, só que se o planeta inteiro fosse destruído, não creio que iria sobreviver.
    Por isso quando a mensageira Maria, foi tomada pela presença de Lúcifer, que me mandou tomar cuidado, pois coisas terríveis iriam acontecer, eu questionei bastante, porquê seria literalmente o meu maior desejo.
    Os dias seguiram, e enquanto estava imersa em escuridão, passava grande parte do meu tempo, digitando um dos meus romances sombrios, chamado Psychosocial The Game of Larry Coltown, que nunca teve um final. Mas deixou claro que a minha relação com Arakiel, era como uma lavagem cerebral, na qual literalmente perdia a noção de mundo, e sobre quem realmente era. – Na trama, Corelle era raptada por um Doutor sanguinário, denominado Michael Kovat, que fazia dela uma máquina destruidora, para servir a cruel Ordem de Cristo, que existia somente para matar os demônios, e todos os seus filhos. – Em alguns pontos eu e Corelle éramos semelhantes, noutros ela tinha as próprias características. Contudo era inegável que ela me representava, e por isso é perceptível que muitos dos seus desafios, são parte da minha dissociação da realidade, que era extrema naquele tempo. 
     Todavia não chegava ao ponto, daqueles com quem tentava estabelcer laços. Maria tinha um grupo no Facebook, com um monte de jovens perturbados, que conseguiam superar até a mim. – Foi ali que aprendi a separar a fantasia da realidade de vez. Pois ver um homem dizendo que era um arcanjo, e uma mulher dizendo que era o próprio Asmodeus, era demais para mim. – Asmoday parecia ser uma garota inteligente, que sabia bastante do oculto, só que em algum momento da vida perdeu a sanidade, e ficou presa entre a Terra e o outro lado. Ela era bonita, mas se disfarçava de feia, tinha 27 anos, e aparentava 16, foi a única bruxa satânica, que conheci, que fazia aniversário no dia 15/02 também. Ela vivia implicando comigo, me chamando de princesa mimada, porquê supostamente não tinha sofrido o suficiente, e mesmo que acontecesse, continuaria sendo uma “santa”. Apesar do conflito, eu a admirava, queria fazer-lhe recuperar a consciência, pois tinha muito a oferecer a este mundo, de tal forma, que nem me importava se fosse ela a verdadeira princesa infernal, em vez de mim, mas seu caso era complicado. Asmoday  tinha uma personalidade semelhante a da Maze de Lúcifer, e como alegava ter estado em uma clínica psquiátrica, preferi aceitar o seu mundo como ele era.
    Em 13 de julho daquele ano, Arakiel voltou a aparecer. Ele tinha essa mania de ir e voltar, sempre que começava a esquecê-lo, e enquanto ajudava a ex-beata, cuidando dela após beber demais, por quê lhe devia uma, o meu celular foi roubado. – Eu não podia deixá-la sozinha, não depois de ter me salvo de um estupro, e da minha consequência, por fechar o círculo do Sees. – Não podia deixar a minha amiga, não depois de tudo o quê tinha feito por mim, portanto quando ela ficou mais porre que o normal, no dia do rock, tive lhe de socorrer. 
    Só que no meio disso, Arakiel ficou mandando mensagens, e como nunca resisti a uma boa discussão, fiquei tirando e colocando o meu celular da bota, até que um bandidinho veio e tomou-o da minha mão, lembro de ter segurado em seu braço, rindo sem parar, não acreditava que aquilo estava acontecendo comigo, e ele me chamou de patricinha. O nervosismo tomou conta de mim, e ele saiu andando, mas tentei correr atrás, porém o sedentarismo venceu. – O meu ódio foi gigantesco naquele momento, e quando fomos falar as autoridades, a mulher só sabia torcer o nariz, como se eu tivesse me drogado por causa da vestimenta, foi preciso que uma galera me segurasse, para não ir para cima dela. Estava tão enfurecida, que sentia meus pés saírem da sola da bota, e tentava me controlar, para não levantar voo ali mesmo, e acabar de fato como prisioneira do Vaticano.
    Dois rapazes literalmente competiam pela minha atenção, e isso me deixaria feliz, só que aquele projeto de ser, tinha levado muito mais que o meu aparelho, ele havia levado a minha honra, e como uma criatura guerreira, não podia deixá-lo ficar impune. – Foi então que lhe enviei a mensagem ameaçadora Você não sabe com quem se meteu, criatura inferior, e pagará caro por isso!
    Arakiel apenas se preocupava com a minha vida, e por isso o mandei para o raio que o parta. Ao chegar em casa, fiquei sozinha, fingi está bem, porquê não queria que minha mãe, deixasse de se divertir com as amigas por minha causa, mas quando ela saiu, toda a fúria deixou de ser contida. – Não me lembro ao certo, mas chutei portas, gritei sem parar, e isso resultou na visita da minha vizinha, que alegava que eu estava possuída. – Possuída de ódio, isso sim!
    Mais tarde naquele ano no dia 14 de agosto, tive um sonho estranho, nele saia de uma espécie de jogos mortais, e ao pular o muro, ia parar na rua da frente da minha casa, onde um homem de casaco preto, me dava uma facada no estômago, mas não sentia dor, nem saia sangue. Nesta data em questão, iria começar a trabalhar no jornal do amigo do meu pai, e pedi para ficar em casa, mas minha mãe, apesar de dizer poucos nãos, me barrou desta vez. Fui para o diário do povo, lá parecia um lugar perfeito para trabalhar, pois se me formasse como jornalista, poderia enfim provar que os deuses eram aliens, e que já haviam estado na Terra. – Lembra das coisas boas do Soul? Esta era uma delas, pois graças a sua fixação por Et’s, acabei assistindo muitos documentários do History, que abriram a minha consciência, para fora da filosofia de Anton Lavey, de quê Satã era uma alegoria a psique humana. – Tudo tinha sido maravilhoso, só que como naquele ano, estava pagando todos os meus carmas,  é claro que o dia não terminaria assim.
    Ao chegar em casa, vi um monte de gente amontoada, no fim da rua, por causa de um incêndio, e brinquei com a minha mãe. “Desta vez a culpa não foi minha, nem estava aqui para causar isso.” E tudo pareceu normal, só que quando aparecemos na entrada do portão, notei que a janela estava aberta. “Mãe você saiu e não fechou a janela!” Disse-lhe, e ela saiu catatônica. “Eu não... Thaís nós fomos roubadas!” Falou assim que atravessou para dentro do quintal. “Mas o quê mais eles poderiam me roubar?... Meu notebook!” Berrei entrando logo atrás, e quando um dos vizinhos passou ao meu lado, com um sorriso de vitória, quase fui para cima dele. – Por conta da surra que tinha dado na sua irmã, eles colocaram fezes no cadeado de casa, então como não poderia esperar o pior?! 
    A casa estava intacta, o quarto da minha mãe também, somente o meu fora invadido, e revirado de cabeça para baixo. Levaram meu note, minha câmera digital, e o playstation 2, que valia pouco na época, e parecia ser apenas uma desculpa, pois no mesmo dia, o meu Facebook foi cancelado, e a minha página de conspirações, que só tinha 167 pessoas, desapareceu como se nunca tivesse existido. – Depois que postei que as pessoas no futuro, viveriam em casebres, a mercê de gente ruim, que lavaria as suas mentes, para que ficassem na miséria, enquanto viviam como reis, caçando pessoas geneticamente modificadas, que acusavam de serem demônios, sem saber que os verdadeiros eram poucos, e que tudo aconteceria, após um grupo de fanáticos pela Era de Aquário, fizessem um ataque terrorista, pior que o da H1N1. – Fomos a delegacia, todavia de novo fui destratada, e desta vez os homens na sala, pareciam zumbis. A perícia foi até o local, e concluiu que o assalto ocorreu na hora do incêndio, e apesar do quê parecia, o mesmo era de causas naturais, ninguém tinha o provocado.
    Fui desplugada da Matrix, e tive diversos sonhos mais tarde, que me fizeram ficar preocupada. Naquele tempo haviam muitas manifestações contra a presidente Dilma, e o país mergulhava em violência, e isto me fazia pensar que os cavaleiros do Apocalipse tinham sido libertados, e ela era o próprio Guerra. – Pois seu partido era representado pelo vermelho, e desde que assumira o poder, o nível de conflitos se elevou. 
    Talvez por causa da teoria de quê Guerra era a Dilma, Fome estava na África, Morte era o Bashar Al Assad, e a Peste em breve se manifestaria, tive esse devaneio onírico. No qual falava com ela, e a defendia dos demais, somente para chegar até os seus guardas, e lhe dizer “Eu sei quem você realmente Guerra, fale comigo!” Esta me dizia que não teria com o quê me preocupar, pois quando o mundo acabasse, teria um lugar para mim na Arca – Como no filme 2012 – e em seguida aparecia no jornal nacional, várias manchetes sobre o fim do mundo, incluindo uma de mesmo título, que retratava a queda da estátua da liberdade, que era derrubada por uma enchente de água suja.
    Só me restava a TV para saber dos acontecimentos do mundo, e quando saiu a notícia de Edward Snowden, vazando documentos, que alegavam que os E.U.A, estavam vigiando o Brasil, me deu um enorme calafrio na espinha, pois de alguma maneira, tudo o quê tinha acontecido agora fazia sentido. – Estavam tentando me proteger, não sei quem, mas do quê tinha certeza.
    Pouco a pouco, as coisas foram voltando ao normal. Ganhei um note e um celular novo. Me mudei por tempo para Porto velho, até a poeira baixar, e lá tive vários sonhos, que se hoje tivesse o meu caderno lhes contaria, mas eu me livrei dele tempos depois. – Tudo o quê me lembro agora, é que tinha relação com me apaixonar por um lobisimen, um ser careca chamado Samael, que queria ser o meu par. – Hoje sei que este é um dos nomes de Lúcifer, e não faz sentido algum, a não ser o de quê acessei o consciente coletivo. – e com a lua que se dividia em 4 partes.
    Em outubro daquele ano, o homem que me molestou quando criança foi preso com exatas 11 acusações ás 19:15, e foi jogado no  IAPEM, que era como uma amostra grátis, do Inferno para gente como ele.  – Também em outubro, o círio fluvial resultou em tragédia, e muitos morreram quando o barco afundou. – Até hoje me pergunto se tenho algo a ver com isso, pois o sincronismo foi harmônico, como se um demônio passasse por ali, e punisse o meu professor, mas matasse os religiosos também.
    Em novembro, o bairro Perpetuo Socorro sofreu um terrível incêndio, que chegou a ser noticiado no jornal nacional, e que os grandes conspiradores, encontraram a evidência de um círculo no meio do fogo. O mesmo lugar era considerado um antro de bandidos, que se escondiam ali.  – “Criatura inferior, não sabe com quem se meteu e pagará caro por isso!” Lembra? 
    Ainda neste tempo, também houve um súbito tremor em Santana, como se algo se movesse abaixo das águas. – Só não lembro a data. – e lá vivia o menino de quem eu gostava, mas tinha desistido de mim, apesar de ambos sermos satanistas, que ao concentrarmos nossas energias, conseguimos interferir no rádio, por não gostarmos da música.
    Já não aguentava mais carregar esse fardo de ser filha de Lúcifer, por isso decidi fazer algo mundano para variar. – Entrei em aulas de canto, só que no primeiro dia, nos obrigaram a cantar um hino da igreja, o fiz meio relutante, e ainda sim a situação foi desagradável.
    Ao voltar para casa, minha mãe parou numa panificadora, e quando eu voltei de lá, me falou que viu a sombra de uma mulher sendo esfaqueada na cozinha, e entrou em pânico, ao ver que ninguém fazia nada.
    Um dia depois, no domingo a noite, nós fomos até a frente da igreja do Novo Horizonte, comprar umas guloseimas, e quando passamos ao lado de um carro, o farol se ascendeu. Minha mãe ficou com medo, e eu tentando acalmá-la lhe disse “Deve ter alguém lá.” Só que ela insistiu em passar do lado, e quando olhamos para dentro do veículo, não havia ninguém.
    Em 27/12/2013 , tive um sonho do qual jamais vou esquecer. – No plano onírico o filho de Belzebu vinha para me matar, mas acabava por não fazê-lo, e deixava claro que eu era o último impedimento, para quê o Senhor das Moscas, alcançasse o trono de Lúcifer. – No dia em questão formou-se uma tromba d’água na cidade, e não creio que tenha sido coincidência.
    Não me lembro da virada de 2013 para 2014, mas o ano seguinte não seria completamente normal, pois acabara de fazer 19 anos, e pretendia entrar para a Faculdade FAMA, onde estudaria ciências biológicas, no turno noturno, (o dos meus sonhos). – Nos resultados da prova fiquei em 11° lugar, e mesmo que não fosse uma federal o resultou me trouxe felicidade. – Até porquê eu detestava o padrão do Enem, que tinha me classificado, para a lista de espera em Artes no ano anterior.
    No primeiro dia de aula faltou luz, e comemorei sem parar, pois odiava instituições de ensino, fui para lá apenas por um propósito e nada mais. – Naquele dia me tornei conhecida, por causa das mechas cor de rosa, e o cabelo alisado, que me fazia parecer a Draculaura, por isso me chamavam sempre de Monster High. – Bullying? Eu adorava aquele apelido.
    Na hora de explicar as minhas motivações, para entrar na escola de ensino superior, deixei bem claro que estava ali, apenas para estudar sobre os extraterrestes. – A razão ficou clara agora? – Então percebi que havia um garoto, semelhante ao Finn de Strange Things, interessado em mim, e logo o evitei, apesar de achá-lo bonitinho.
    Neste ano, a minha conexão com as entidades superiores, era bastante forte. – Certa vez desenhei o circumponto numa sexta, e quando foi na semana seguinte, na segunda, surgiu um agroglifo semelhante em Curitiba. – Em tal tempo mantinha contato por e-mail com um doutor, que fazia parte da maior ordem ocultista conhecida, que havia aberto vagas, e dentre os 300 que se inscreveram, eu tinha ficado entre os poucos aceitos.
    Lhe expliquei sobre as minhas motivações para querer entrar, e que era filha de Lúcifer, e depois de mais ou menos um mês, o meu mentor, foi coroado como Imperador da filial brasileira. – Tão grande foi a minha surpresa quando aconteceu, pois este havia me escolhido como uma dos seus filhos, e me prometeu proteção. – Porém depois de um tempo, fiquei temerosa, vivia tendo pesadelos com ele, de quê poderia acabar sendo morto, e quando vi, o ser realmente desapareceu misteriosamente. – Se era a ordem mesmo não sei, mas antes dele sumir, me deixou alguns livros de Crowley, enviados somente ao meu endereço. – Além disso parecia ter uma força oculta atrás de mim, pois nas fotos podia-se ver seres de chifres, ou mãos inumanas sob a minha cabeça.
    Deveria ter ido a universidade, somente para estudar, estava enrolada com o Geminiano, e certamente o aparecimento de alguém do meu tipo, abalaria a minha força para me manter fiel. –Principalmente quando meu par , era mais um mulherengo, que não merecia nem o meu “oi”.– Só que advinha? O menino era outro persistente. – Não sei o quê há em mim, que encanta esse povo.
    Conversamos bastante, ele era o nerd universitário, e o quê realmente havia me encantado a seu respeito, é que tinha me mostrado um vídeo dissecando um rato, e que tinha levado uma edição da Mundo Estranho. – Parecia o esquisito dos meus sonhos, e tal coisa me deixou confusa, surtada, obcecada. – Até ali o amor mais saudável que tinha tido era com o Soul, que em 2013 tinha assumido um relacionamento com uma garota, que nunca tinha ouvido falar, e que minha mãe ,falava que era a favorita da minha ex-sogra, que me detestava por ser uma bruxa de Satã. – Só recentemente vi o filme O rei da água, que retrata a mesma situação. 
    O nerd universitário, era amoroso, atencioso, arrogante, mas ajudava a todos, incluindo a mim, que queria proteger dos outros. – Como não me apaixonar por alguém assim? Eu o fiz. Só que depois de umas mordidas no pescoço, soube que tinha namorada, e não podia ir adiante com isso. O meu transtorno bateu, e tentei me matar, porquê as cartas falavam que um grande amor ia aparecer, e o Astral Online, onde fazia minhas consultas, era sempre certeiro, por isso jurava que ele era o Rei, só que estava mais para Valete. O coitado se sentiu culpado, não entendeu a minha reação, disse que gostava muito de mim, e com tal atitude semelhante a Atração Fatal. – Outro filme que assisti recentemente, por conta da suspeita de ser Bordeline. – O fiz se afastar de mim.
    Contudo era isso, ele se afastava, mas não queria que outros gostassem de mim, e como se não fosse o suficiente, a namorada dele era amiga, de uma das poucas amigas de verdade que tinha. – Eu havia falado com ela, a menina era um amor, sagaz, e não podia trair a sua confiança assim, destruindo um relacionamento de 5 anos. Por isso mesmo gostando demais dele, fui me afastando, evitando-o, até que ele passou a fingir que não estava ali, e isto me devastou.
    Vez ou outra nos falávamos, e o abraçava forte, sem poder fazer algo mais, mas não era o suficiente. No meu tempo livre, resolvi sair com outros garotos, até conheci um cara legal, que apesar de ser de igreja, me compreendia, e tinha uma mente interessante, além de ser atraente. No entanto o quê para mim era um fica, para ele era um relacionamento, e quando beijei outro garoto, o clima ficou bastante tenso. – O garoto santo, me fez perceber, que estava me tornando uma vadia sem coração, mesmo que não me dissesse com estas palavras.
    Marquei um encontro com o segundo, mas o garoto não apareceu, e no seu lugar encontrei o Soul, que perguntou se poderia ganhar um abraço, e eu deixei. – Ao menos na rua, não corríamos o risco de acabar pelados. – Todas as meninas falavam que ele não tinha me esquecido, mesmo que estivesse namorando, e eu sempre ignorava tal coisa, exatamente porquê já tinha seguido em frente.
    Por causa deste dia Soul reapareceu, e me senti muito bem ao conversar com ele pelo WhatsApp, enquanto brincava sobre o quê ele tinha feito de errado, para ter resultado no fim do relacionamento. Porém ele saiu, e foi discutir com a menina que estava a sua porta. – Aceitei aquilo numa boa, não era mais uma prioridade na sua vida. O quê era muito bom, pois podíamos enfim sermos amigos, sem cores no meio. 
    Marcamos de nos ver, um pouco depois do meio do ano, para ele instalar uns jogos no meu computador. – Não sei se foi armação da minha mãe, só que ela sugeriu ir para o quarto, onde era mais frio. – Ele se encolheu todo, como uma criança, com medo de apanhar, e por algum motivo, eu literalmente me joguei em seus braços e o beijei. – A física continuava a mesma, e quando ele foi embora, me dispus a reconquistá-lo, pois somente ele tinha me feito feliz de verdade.
    Nesta brincadeira acabamos voltando a nos ver com frequência. Isso não agradou nada o nerd universitário, que numa noite de grupo de estudos, literalmente colocou fogo no meu cabelo para quê parasse de abraçar o Soul. – Lembro-me de seus olhos assustados por tal atitude, e ter perguntado se eu estava bem. – No mesmo dia Soul e eu amarmos para que o Nerd universitário, visse o quanto ele me fazia feliz, e por consequência, acabei sentada no sofá, entre os dois. Soul estava confiante, até conversava com o rapaz, e o outro estava inseguro, não queria ir embora, antes do meu ex, que ficaria em meu lar para dormir. – Foi uma sensação maravilhosa, ver o seu sofrimento, desprezá-lo como fez comigo, mesmo que agora estivesse solteiro.
    Lentamente fui deixando de ir a faculdade, após a ex beata, que se chamava Rose, ter me dito que o Nerd havia insinuado, que eu não tinha estrutura mental, para manter um relacionamento sério. Só que quando apareci, ele me abraçou forte demais, e disse que ainda havia chance de passar no bimestre, se estudasse um pouco mais. Todavia lhe falei que sabia, mas não queria mais ficar lá. – Se pensou que era um blefe, acabou por se enganar feio, pois realmente larguei a faculdade depois. – Realmente eu não tinha condição mental para nada, e ficar vendo-o todos os dias, com a amiga que o envenenou contra mim, provavelmente falando que o amarrei, só piorou o meu estado.
    Soul voltou a viver comigo, deixando de morar em Ferreira Gomes, e apesar de termos feito um acordo, – e ter lhe dito que gostava dos dois – Ele nunca encenava para ninguém a nosso respeito, por isso mesmo juntos, não tinha como esfregar na cara do Nerd, que estava melhor sem ele. – O quê era uma mentira, porém não queria que tanta gente, que torcia pela minha desgraça soubesse oras.
    Soul saia, dizia que ia voltar no domingo, e aparecia na segunda. Tinha mania de ignorar as minhas postagens, e só vivia no computador. Havia coisa errada, porém eu achava que era porquê ele lia as minhas conversas, que falavam a respeito do quanto ainda pensava no Nerd. – Ele não era mais o mesmo homem de antes, tinha se tornado um cafajeste, e me deixado a par disso, logo quando assumimos um compromisso de status na rede social.
    O Geminiano que do nada tinha se apaixonado por mim, não me deixava em paz, e Soul com medo de haver um terceiro na jogada, me dizia para me afastar dele. – E como a boa aquariana que era, fazia exatamente o oposto.
    No livro anterior o culpei por ter me traído, como se fosse uma santa imaculada, mas aqui fica totalmente claro, que as suas motivações eram fortes, afinal se ele não fizesse nada. – Seria o cara perfeito. Brincadeira! Mas dificilmente o respeitaria tanto quanto agora, pois a sua falha, me fez perceber que era somente humano, e não um deus da alto estima, que suporta tudo sem jamais se vingar.
    O início era um relacionamento de amizade colorida, para todos tínhamos voltado, mas entre nós era apenas uma parceria estratégica, que nos servia como alicerce, para não acabarmos sozinhos. 
    Mais uma virada da qual não me recordo bem, e o ano seguinte prometia mais fatos esquisitos, que talvez não fosse capaz de suportar. – 4 luas de sangue foram anunciadas, e o frio na barriga, de quê o momento tinha chegado me tocou. Só que isto fica para o próximo capítulo. 
    Capitulo 5- 2015
    O ano de 2015 foi marcado pela presença de Óvnis. – Algo que me trouxe alegria, pois lá em 2013, tive a minha primeira experiência de 3° grau com eles. – Eram 7 horas da manhã, ainda tinha um notebook, e estava no Facebook, quando de repente, tudo se desligou, a luz começou a piscar, e senti uma atmosfera extraterrestre, causada por uma forte pressão no ar, e um som semelhante ao de uma nave espacial midiática. Eu não fiquei assustada, porém quando uma esfera amarela flutuou a minha frente, fiquei fascinada pela mesma. – Isto ocorreu uma semana antes da invasão da minha casa. – Até hoje me pergunto se foi uma alucinação, pois não costumava dormir a noite, e sabia os efeitos que isso podia provocar.
    Os meus 20 anos, foram simbolizados pela festa, com direito a globo e tudo. Embora houvessem poucos para comemorar, foi algo realmente único. Bebemos até as 4 da manhã, dançamos, confessamos pecados. Esta é de longe uma das melhores festas da minha vida. Contudo quanto a segunda veio, o número 27092015 surgiu na tela do meu celular, e me senti como o Neo em Matrix. – Achava que meus poderes enfim atingiriam o nível máximo, e que a guerra entre anjos e demônios sairia do oculto, fazendo com quê todos despertassem. – Por isso decidi pesquisar sobre os fatos do dia 15/02 daquele ano, e o horror me preencheu, quando vi que o exército de fanáticos, que literalmente pareciam jovens de mentes lavadas, postou um video se revelando no dia do meu aniversário. – Eles se chamavam de Gladiadores do Altar, e eram bem semelhantes as visões que tive ao escrever o romance Psychosocial, na parte da Guerra, mas na minha obra, eram conhecidos como Executores. – Um nome apropriado para aqueles que se dispunham a caçar bruxas e demônios. Coisa que os Gladiadores já andavam fazendo de forma ilegal.
    O tão aguardado setembro vermelho chegou. Eu estava extremamente animada, achando que finalmente o mundo, teria o véu removido. Por isso não parava de falar na lua de sangue, afinal de contas tinha previsto-a em 2013, muito antes de anunciar as 4 luas que viriam. – Quando se sonha demais, a decepção pela queda é muito grande. Nada aconteceu, o mais estranho daquele dia, foi apenas ter ouvido jovens que riam como maníacos, passando na frente da minha casa de madrugada.
    No fim, lá em novembro, aconteceu uma coisa bizarra, enquanto conversava com uma amiga, sobre as creepyspastas para o Halloween, começamos a ouvir interferências na ligação, como se algo tentasse falar conosco. – Graças aos deuses ela gravou, e hoje tenho como provar o quê aconteceu. – Poderia ser somente a presença da ejeção de massa solar, no entanto foi muito esquisito, devido ao contexto em quê nos encontrávamos. – Além do mais quando me reuni com ela e a minha outra amiga, batemos uma foto, na qual o número 7 surgiu na minha testa, o 8 na dela, e o 6 na última, e quando fomos ler o livro de Salomão, os versículos bateram perfeitamente conosco.
    O ano de 2016, foi simbolizado pela traição. Poucos dias antes do meu aniversário, descobri que Soul andava falando com uma moça chamada Thaís, e as brincadeiras de que a amante se chamava assim, se tornaram algo real diante das evidências do flerte. – Saber disso literalmente partiu o meu último fio de sanidade, a menina tinha 18 era popular, ingênua, e claramente gostava dele, portanto não foi fácil encarar tal episódio.
    Sabe o quê mais detesto? Não ser única, não ter algo próprio, e comparada a outras pessoas. – Ele cometeu os 3 atos em um ano. – Aquilo me doeu bastante, porquê tinha excluído o Nerd que após meses longe, tinha mandado solicitação para mim, e ainda havia bloqueado o Geminiano, deixando claro que não tinha mais volta mesmo. Então quando vi que ele cedeu, enquanto me esforcei muito para não ser infiel uma segunda vez, não consegui perdoar. – A minha sanidade foi para o espaço, e quebrei o seu pc a base de pancadas intensas com o controle, o expus para as pessoas, e ainda o fiz se humilhar em público pedindo o meu perdão.
    Eu sou egoísta, cruel, e de péssima índole, mas se meus limites são ultrapassados, me torno a própria Lilith na hora da vingança. – Todo dia era uma briga diferente, acertava-lhe tapas na cara, lhe mordia  até ficar roxo, o mandava embora, e não conseguia deixá-lo ir até a porta.
    Na vã tentativa de me distrair, chamei algumas amigas para irem me visitar, mas todas as fotos se perderam. – Meus 21 anos foram comemorados com muitas teorias da conspiração, e docinhos. – E os compartilhei com uma das meninas, que fazia aniversário no dia 14, data para qual foi transferido o dia dos namorados, por causa dos ritos do dia 15 de fevereiro. Não lembro se algo aconteceu neste dia.
    Pode-se dizer que neste ano toda a minha fúria foi liberada, e quando Arakiel reapareceu, pedindo ajuda, é claro que me dispus a fazê-lo, somente para atingir o Soul, porquê sabia que o outro o deixava inseguro. – Por uma conversa, ou sabe-se lá mais o quê, pois ninguém confessou ainda, eu o fiz chorar, implorando o meu perdão.
    Em maio, a vida mundana se separou de vez da vida mística. Creio até mesmo que fui parar em Sete Além. – Era de manhã, apesar do desgaste emocional fui para a faculdade, pois estudar e tentar manter uma vida fora de casa, me ajudava a tentar controlar os meus impulsos agressivos. Cheguei no bloco D, tudo estava desertíco. Pensei que fosse pelo horário, pois tinha ultrapassado o limite de tolerância 8:15. Subi as escadas até o andar da minha sala, e quando cheguei lá, a mesma estava vazia. Fiquei emputecida, e até gravei um vídeo para provar que tinha ido, e ninguém havia me avisado, que não teria aula. Desci e fui pegar um ônibus para chegar ao centro, onde entraria em outro para chegar em casa. Ao sair, fui atravessar a rua, e um carro branco antigo quase me atropelou, e quando cheguei ao meu destino, vi o mesmo modelo que agora era preto. Estranhei aquilo, só que ao chegar em casa, adormeci, e tive um sonho esquisito, em que tinha entrado noutro mundo, através de um corredor vermelho, e que quando voltava, as pessoas diziam que tinha havido aula sim, eu que não estava lá. Então pegava o Goiabal, o ônibus conhecido por sempre se encontrar vazio, – o quê o tornava alvo de suspeitas, como “entrou morreu”– e nele ouvia a música Deja Vu da Pitty.  Quando acordei fui no grupo da minha panelinha, e soltei os cachorros para todos, afinal aquilo era um sonho, eu tinha ido para aula, e não havia ninguém lá, mas os meus colegas, – que já me achavam estranha, pelos fortes impulsos nervosos, que faziam a minha caneta girar violentamente, em meio ao tabuleiro manual dos espíritos – Ficaram sem reação, e disseram que “Houve sim aula, e eu não apareci na sala.” – Teria sido este um surto? Ou havia voltado a ter as minhas habilidades de me transportar entre os mundos? Admito não ter dormido bem na noite anterior, então isso pode ter provocado a alucinação, mas onde exatamente eu estava? 
    Em abril estava pronta para deixá-lo, veio a notícia de quê estava grávida, e sabia bem quando a criança havia sido feita. – Ela fora gerada 3 dias antes do evento, no qual faltou luz na hora que cheguei, e me recordo de minha mãe ter me perguntado se não queria voltar para casa, mas fiz uma escolha, que mudaria a minha vida para sempre, quando disse “não”, pois lá bebi um copo de vodca, que deve ter cortado o efeito da pílula do dia seguinte, que tomei quase beirando as 72h, ( ou o óvulo já havia se instalado em meu útero, devido a posição do coito). Independente de ser um menino ou menina, queria abortar, e Soul compreendia o porquê. Se lá em 2015, que nem imaginava as coisas que fazia, já tinha abortado um, pra quê manteria o próximo, naquelas circunstâncias?
    Palavras ácidas saiam da minha boca, eu implorava a Lilith que me atendesse, como da outra vez, porquê não queria trazer uma criança ao mundo para sofrer. – Contudo depois que comecei a falar, com a minha barriga, Soul percebeu que poderia ser uma boa mãe, e entrou para o Time bebê.
    Arakiel não ficou feliz com a gravidez, e me disse para matar, o quê me fazia infeliz. – Logo após lhe falar que não queria ter a criança, num momento de desespero, e depressão pré-parto. – Eu finalmente passei a ter desprezo por ele, assumir que Lord era apenas uma máscara, e que tinha me torturado de propósito era aceitável, porém ceifar a vida do meu bebê?! Isso era imperdoável, e dessa forma acabei por cortar o contato de vez.
    Como em 2015 ninguém despertou na última lua de sangue, perdi a minha fé na magia, e ao saber da realidade terrível em 2016, toda a minha esperança se foi. – O vazio cresceu em mim. Nada do quê o Soul fizesse era o suficiente, para perdoá-lo, pois verdade seja dita, nunca perdoei ninguém que me magoasse. – Normalmente os cortava da minha vida, e cada um seguia o seu caminho, só que agora tinha um laço com ele, que jamais poderia ser rompido.
    Aquilo me assustava de tal forma, que falava muita coisa ruim sobre a maternidade, e parecia sofrer de bipolaridade, ou mania mesmo. – E saber que carregava uma menina, somente piorou tudo, porquê isso era o meu pior pesadelo, temia que o caso com a minha prima se repetisse, e todos voltassem a sua atenção para ela. – Para piorar minha mãe me deixava ainda mais paranoica, dizendo que o melhor para a criança, era colocá-la para a adoção, pois uma mulher que nunca poderia ter filhos, iria amá-la muito mais. – Minha mãe tinha trauma da maternidade ruim, pois a minha avó, havia lhe criado a base de humilhações, tão desumanas, que quando criança, a mesma lhe fez comer o próprio dejeto, para que nunca mais aprontasse. Além de lhe bater sempre que bebia, ou se envolvia com o pai de santo da gira de esquerda. – Novamente eu era vista como um monstro, e me sentia muito mal. Não queria me desfazer da menina, porquê sabia que ela herdaria a minha maldição, e uma pessoa comum não iria aceitá-la, e lhe trataria como uma aberração. Eu a amava, só não suportava a ideia de sair dos holofotes, dos poucos que me viam. – Soul e mãe  viviam discutindo, mas o fato de se opor a algo, depois da minha gravidez, me fazia sentir ainda mais raiva dele.
    Em 23 de junho de 2016, algo estranho aconteceu, tive um sonho de quê era uma das cabeças da besta do Apocalipse, e enquanto estava estressada, e focada numa prova, um tornado passou destruindo a cidade, em pontos que se relacionavam a mim, e os que haviam me feito mal como: Buritizal onde vivem os Marianos, o trabalho da minha mãe, uma boate onde tinham gays de faxada, o Paulo Conrado onde perdi no volêi, e a cidade de uma suposta satanista, descrente dos meus poderes. – Tal fato foi citado junto de uma profecia, que se referia a 7° exintição em massa, sendo que 7, é o número que mais aparece marcado no meu corpo. Ainda no mesmo mês, sangrei após sentir muita dor na gestação, e por isso segui a tradição da família, de colocar o nome da santa no sobrenome. – Como se não bastasse, também vivia sendo atormentada por entidades, que chegaram a tentar me empurrar de barriga no chão, e toda lua cheia eu sentia dores gigantescas, que me faziam berrar.
    Em outubro tive 3 presságios ruins. O primeiro foi em 24/11/2016. Nele uma força me puxava para o palco, mas eu não queria ir, em seguida me via chorando e dizendo “2017 é um ano sombrio, tudo o quê pensei que aconteceria em 2013, está acontecendo em 2017.” e “Pois é, pra quê diabos quis prever o futuro? Foi a pior coisa que poderia desejar.” Então despertei as 1 horas da manhã, e notei em meu braço a marca de um brasão de time de futebol, que até postei na minha antiga página. O foi em 29/11/2016 e acabou marcado pela presença de vozes que diziam “Você é a escolhida, isso não quer dizer que é a mais forte, mas pode se tornar.” E a presença de Lúcifer, que estava envolvendo o mundo numa cúpula de trevas, quando naves espaciais tentavam invadir a Terra. O terceiro se deu em 30 /11/2016, neste o grande símbolo era uma enorme onda, que vinha na direção do Cristo Redentor, onde eu estava pousada, e dizia “Isso não é um bom presságio! Não pode ser!” – O golpe no estômago foi intenso, quando soube que ocorreu o acidente da Chapecoense, exatamente no dia 29/11/2016, por volta das 1 h da manhã, que coincidia perfeitamente com a marca e a hora do primeiro presságio
    Em dezembro daquele ano, tive um sonho, no qual vi um reino mágico, onde vivia junto de Lúcifer, que era loiro como um elfo do Hobbit, e havia me mandado para a Terra num dragão. Eu vivi entre 4 bruxas, e estas resolveram trancar o meu espírito imortal numa boneca russa, por exatamente 500 anos, quando voltaria para cumprir o meu destino junto da minha filha. – Olha o Aprendiz de Feiticeiro aí gente! – Na época achei algo místico, por isso fiz um cálculo numérico, em que subtraia do ano do meu nascimento, o número presente no devaneio. O resultado me direcionou para a Itália, e isso me fez me dar conta, que tudo sobre a minha natureza luciferiana vinha de lá. – Em 2013 por exemplo, recebi o sopro de quê meu nome real era Luciféria, e quando fui pesquisar, somente tinha um conto descrito como “Histórias de não se crer”, e menções nas letras da banda italiana de vampiric metal Theatres des Vampires, que me descreviam como bruxa com o poder do inferno, detentora do livro de Macabria, que em meu sonho aos 17 anos, tinha conhecido como o livro do Diabo, e este me concedia o poder de controlar os mortos, logo depois de ver uma peça do xadrez, que hoje não lembro qual é, mas a única certeza que tenho é que não era o “peão”. Além do mais, meus dois sobrenomes são italianos, mas meus avós tinham me contado, sobre os parentes que tinha na Itália. – Então após o presságio onírico, pensei “Por quê não pesquisar sobre a magia ligada ao meu sangue?” O espanto preencheu os meus olhos, quando vi que lá era o único país, que cultuava Lúcifer como um Deus, que tinha uma filha, que foi enviada a Terra, para ensinar a magia aos humanos. – Tal coisa era surpreendente, pois no livro O Último Portal de 2012, me descrevi como uma bruxa babilônica, que havia aberto um dos “9 portais da destruição”, que libertariam Lúcifer, e os outros demônios, e numa dessas aventuras, era responsável pelo culto gerado pela Ordem da Lua, que era o símbolo de Diana a mãe da menina, que em muito lembrava Lilith, pois era a virgem deflorada. – O nome da filha era Arádia, denominação semelhante a Áquila que minha mãe queria me dá, mas como meu pai era um bunda mole, não permitiu. – Ela nasceu em 13 de Agosto, eu em 15 de Fevereiro, ambas tínhamos conhecidos números diabólicos no nascimento. – Ela parecia ter Sol em Leão Lua em Aquário, já eu sou Sol em Aquário Lua em Leão. – Era conhecida como o Equilíbrio entre luz e trevas, era boa e má ao mesmo, tal como eu mesma, que apesar dos pesares tinha um código ético. – Ela tinha estado na Terra há muito tempo, assim como sentia que eu também. – Ela era visitada por uma mulher, que era a própria Diana, e lhe ensinava sobre a magia, semelhante a mim com Layla. – Ela escapou várias vezes da morte, eu também. – Ela foi perseguida por religiosos, eu também. – Ela tinha afinidade com o Arcanjo Miguel, eu também. (Michael Kovat era inspirado nisso) – Ela estava na Terra, como mensageira de seu pai. Eu também. – Ela defendia a natureza, e dizia que a natureza era a grande professora da magia. Eu havia entrado em ciências biológicas, acreditando no mesmo conceito, e pelo fascínio pela diversidade natural. –Ela era a primeira filha, eu também. – Ela era Arádia de Toscano. Eu sou Thaís Mariano. – Isto por si comprovou que éramos a mesma pessoa, em tempos e localidades totalmente diferentes. 
    O parto de Rá, foi totalmente normal, mas dias antes de acontecer, sonhei que dava luz a um menino, que queria roubar o seu lugar, e era bastante cruel. – O dia se iniciou como qualquer outro, mas o tampão se distendeu,  e tive certeza de quê naquele dia deixaria de ser uma gata buchuda. Ás 8 da manhã, fui para o Hospital São Camilo, onde foi feito o detestável exame de toque, e ainda não tinha dilatado nada. Voltei para casa, as dores foram se intensificando quanto mais andava, e por isso pedir para irmos ao Poeirão (pois era próximo a maternidade) , no qual fiquei andando, seguindo o conselho do médico, para ter um parto rápido.
    Soul de canalha maldito, voltou a ser o meu príncipe do cavalo negro, e me ajudou bastante nestas horas, me dando apoio ao caminhar. Quando deu 13 horas, resolvi ir almoçar, mas as contrações aumentaram, e tive de correr para o S.C. – Pedi para o meu marido entrar, porquê esse era o nosso momento.
    Ficamos na espera, e as 14 horas tinha dilatado 4 cm apenas, por isso decidi continuar caminhando, até fazer os 10. – Queria muito uma Cesária, mas apesar da menina ter 3,77 kg, eles me colocaram para o parto natural.
    Sofri para caramba naquele dia, e não pude receber anestesia. – Eu tentava não gritar, não chorar escandalosamente, mas era impossível, quando demorava tanto para dilatar. 
    Soul me dava apoio, chamava as enfermeiras, e tudo mais, e até tentava me acalmar, só que aquilo era horrível demais. – Era como as cólicas que me faziam parar no hospital, quando tinha 16 anos.
    As 16 horas, após uma caminhada na sala, a placenta se rompeu, e quando isso aconteceu, urrei “A minha bolsa estourou!” Exames foram feitos, e já estava com 8 cm agora, só precisava de um banho quente, para me abrir de vez. Soul me ajudou, me molhando nas costas, e quando sai de lá, senti mais uma dor, que quase acabou comigo. – De alguma forma sabia a hora exata, pois pedi para chamar a enfermeira, que trouxe o médico, e após mais um exame de toque, ficou claro que estava pronta para dar a luz.
    Deitada naquela cama, via nos pés o meu marido e a atenciosa enfermeira, que fazia uma torcida estilo – Vai torta vai Dos Padrinhos mágicos. – Eu pressionava demais a minha garganta, e ela me mandava direcionar a minha força no útero, pois já podia ver a cabeça do bebê, e o meu marido confirmava. 
    As 18:10 de 9 de Janeiro de 2017, Rá nasceu, e até a minha bunda foi costurada, pois me rasguei todinha, mas nem senti na hora. Aquele rostinho roxo, igual a um zumbi do Dead Space 2, me conquistou tanto, que beijei a sua cabeça toda suja de restos de parto, e mandei tomarem cuidado com a minha princesa. Soul me agradeceu por aquele momento único, me abraçou, me beijou, e até cortou o cordão umbilical dela, assim que esta passou a respirar pelo nariz.
    Passei 3 dias no hospital, e os 2 últimos foram ruins, pois ela chorava de fome, e eu achava que não estava dando leite o suficiente, por ter seios pequenos. – As peitudas reforçavam meus temores, enquanto o meu marido tentava me acalmar, me dizendo para não ouvir as palavras delas, pois grande parte de quem estava ali, não estava recebendo a atenção que eu tinha, com praticamente a família inteira vindo visitar.
    Quando saímos de lá, e fomos para casa, a Rá ainda não mamava direito, e vivia sugando o bico do meu peito até sangrar, de tal forma que chegou num momento, em que me neguei a amamentá-la. Minha mãe falou logo que ia matar a criança de fome, e comprou um pote de leite, que servia apenas para crianças de 6 meses, o quê resultou numa diarreia na minha pequena, tão brava, que me senti culpada, ao ponto de ir ao banco de leite, para ela ser alimentada.
    Não era como eu pensava, outras mulheres providas de leite, não iriam lhe dá o peito, pelo contrário, somente nos ensinavam a amamentar, e ainda ficavam com o leite que era ordenhado. Tive de ir 2 dias para pegar o jeito, porquê aquela sem dente, só ficava cheia quando tinha uma enfermeira para me ajudar, a achar a pega certa. – A minha falta de instinto materno era um horror.
    Na última ida, de tarde a pequena criatura cabeluda, fez um berreiro antes do teste do pezinho, e tive de lutar contra o meu temor, lhe servindo o meu peito. – Fui louvada como uma heroína pela minha mãe, e desde então a bebê passou a se alimentar da devida forma. 
    Infelizmente depois que a tive, fomos as duas atormentadas por uma entidade, e o namorado fanático da minha mãe, sugeriu que ela precisava ser batizada. – É claro que me opus, mas depois da extensa pesquisa que fiz, sobre a razão do batismo, concordei, e ela foi abençoada na mesma igreja, onde a minha mãe fez a promessa, que supostamente me trouxe a este mundo. – Na hora que disseram “Você nega as armadilhas e as forças de Satanás...” Soul e eu dissemos não, mas como tinha muitas crianças, nem perceberam. Rá odiou receber a água benta, ela não costumava chorar muito, só que quando o padre lhe benzeu o fez.
    Quase um mês depois de dá a luz, eu ainda sentia dores intensas, por isso o médico me passou exames para ser assistida corretamente. O resultado foi, que sofria tais dores, por conter restos de parto no útero, que estavam apodrecendo, e poderiam me matar. – Fui imediatamente para o hospital da mulher, onde fiquei 3 dias na cadeira, antes de ser atendida. – Algo que só aconteceu, porquê a minha madrinha mexeu o pauzinhos, e me encaixou logo na próxima turma para a cirurgia.
    Fazer a operação foi a coisa mais bizarra do mundo. Entrei na sala do hospital, conversei com o médico, e desmaiei de tal maneira, que assim que o efeito do sonífero passou, fui uma das primeiras a acordar, e tive a sensação de que era uma zumbi, recém acordada do necrotério. – Rá não parava de chorar, nem mesmo com a mamadeira cheia de NAN, e quando cheguei, ela se ajeitou no meu colo, agarrou o meu peito, e adormeceu comigo. – Quase não saio de lá, antes do meu aniversário de 22 anos, pois desta vez fiquei internada por mais dias. 
    Ter um bebê em casa não é fácil, principalmente quando pensamentos sádicos se passam pela sua cabeça, por quase ter matado a sua prima antes. – Com medo de machucar o meu bebê, como via a maioria das mulheres mal-amadas fazer, decidi ir buscar um tratamento psiquiátrico adequado. Só que o quê achei que seria uma enxurrada de preconceitos, acabou por me deixar muito feliz, porquê apesar dos insultos do Nerd, minha inteligência era acima da média, e isto foi testado pelos especialistas, que notaram também alguns traços de manipulação. – Eu lhes contei tudo de ruim que fiz, e conseguia me lembrar, além das visões de céu e inferno, mas não deu nada demais, somente que sofria de depressão profunda. – Todavia quando meu marido e minha mãe ficaram a sós, lhes contaram que precisava de um tratamento psicoterápico urgente, ou desenvolveria um mal patológico, devido aos prováveis apagões.
    Fui para a terapia por meses, conversar com a Anelise, uma psicóloga excelente, que notou que grande parte dos meus relacionamentos eram destrutivos, e que isso precisava ser corrigido, tinha que ficar com quem me amasse, e o Soul por mais bizarro que possa parecer, realmente era o cara, que deveria me ajudar. – Houve uma vez que tentei usá-la para o analisar, e saber se tinha me traído,  mas ela era tão excepcional, que descobriu tudo, e desarmou a minha bomba. 
    Naquele ano recebi um ataque, após ter tido um sonho esquisito com o arcanjo Gabriel me caçando, e me chamando de filha de Satanás. – Exatamente como em 2013, quando o vi como meu inimigo pela primeira vez. Acordei acorrentada, num lugar semelhante ao cenário do Jogos Mortais I. Me soltei imediatamente, e corri para o portal que estava aberto, em direção ao Parque do Forte. Procurei por uma moto, e subi na mesma, dirigi tentando escapar de um homem moreno. Ele me perseguiu pelo centro, numa viajem frenética sob duas rodas, que resultou num acidente, em quê fui atirada contra a quina de uma escada de ferro, que fez a minha cabeça se partir ao meio. Eu morri, pela primeira vez em sonho, só que meu corpo virou energia, e a mesma se massificou, fazendo-me voltar. As roupas estavam rasgadas, mas a pele intacta, então sai caminhando meio abatida, pelas escadas do Teatro das Bacabeiras, e lhe disse “Você até tentar. Mas nunca conseguirá me destruir Gabriel!” – Despertei do segundo ataque, e a música Man in the box não saia da minha cabeça, por isso voltei a ouvir Alice in Chains. Tudo parecia comum, quando do nada comecei a vomitar a noite, depois senti uma dor infernal na costela inteira, e sem saber como parar, pedi pra minha mãe me levar ao pronto socorro, e quando sai do carro vi a data, que era 27/03/2017 então disse “Hoje é dia 27 algo importante vai acontecer”. – A UPA estava fechada, e tive de ir no posto, no qual coloquei tudo para fora, e recebi 3 injeções, para aliviar a dor. – Achava que era consequência do anticoncepcional, por isso não liguei, só que era ruim demais. Após receber o remédio, dormi, e quando deu 3 horas da manhã do outro dia, a dor voltou com tudo. Até liguei para ambulância, só que eles não vieram, e fiquei por conta. Soul então sugeriu colocar a toalha morna no meu tórax. Entretanto para realmente cessar o meu sofrimento, precisei colocar o ferro no nível ardente, de tal maneira que minha barriga ficou vermelha, quando coloquei o bendito tecido. – Então algum tempo depois, saiu a notícia de quê o menino do Acre, tinha misteriosamente desaparecido. A coincidência foi tanta, que Soul não me permitia ficar a par do caso, porquê tinha receio do rapaz ser minha alma gêmea. – Calma, ele não era, o máximo que poderia ser era outro Índigo, por isso havia uma conexão.
    Naquele ano precisei fechar de vez a história da traição, pois as palavras da minha mãe, ressoavam na minha mente “A gente transmite para os filhos, o quê sentimos por nossos parceiros.” – E eu ainda me sentia muito magoada por causa do Soul.
    Fui atrás de cada uma das envolvidas, saber até onde a história ido, pois sem um desfecho final, não conseguia seguir em frente. – A amante com quem traiu a japonesa do Paraguai, era gentil, só que não tinha ouvido falar de mim. A japonesa virgem e ignorante, e a minha xará era tranquila. – A questão é que não conseguia perdoar, depois de tudo o quê vivemos, quase ninguém sabia ao meu respeito, somente se lembravam da maldita virgem, e isso me doía bastante, pois significava que falava a respeito dela, e quem dera que fosse mal, mas eram coisas como “Preciso mudar por ela.” e outros romantismos insuportáveis da TV. A xará também não sabia de nada, somente que ele ia parar de fazer certas brincadeiras, porquê estava começando a gostar de uma garota, e que nunca tinha o visto gostar tanto de alguém assim, o amigo dizia que fui a garota com quem ele passou um tempo. O melhor amigo era o único que dizia que nunca o tinha visto tão feliz, quanto como quando Soul estava ao meu lado. Por ironia da vida, o melhor amigo que me detestava no passado, por conta da minha conduta like a Yuno Gasai de Mirai Nikki. Mas foi o primeiro a me estender a mão, quando surtei entre os outros, e hoje me sinto ainda mais culpada pelo acidente do círio fluvial, porquê a mãe dele se foi ali.
    Além do mais, Soul sempre falava comigo, e tinha guardado a minha música “Suicida” em vez dos vídeos eróticos, e enquanto ele falava palavras vazias sobre a outra, por mim realmente mudou. – Para ser sincera, até atualmente ainda sigo com dúvidas sobre o quê aconteceu, só que verdade seja dita ele suportou muita coisa, antes de aprontar para mim. Lógico que o ideal era não ter havido nada, mas isso só seria possível, se partíssemos do principio de  quê sou perfeita, o quê sabemos que não sou.
    As crises alternavam bastante, está com ele não me fazia bem, por isso decidi que o melhor era nos separarmos, e ele ir morar com a Rá, junto da sua mãe em Goiânia- GO. – A notícia chegou como uma explosão nos ouvidos do Drácula, que falou um monte de coisas para mim, mas as piores foram “Não importa o quê você quer da vida, mas estamos falando da Minha Neta!” “Você é mente fraca mesmo!” “Depressão é frescura!”  Não consegui me aguentar, ele mandou o Soul calar a boca, e eu ordenei que saísse da minha casa. – “Essa casa só é tua por quê eu te dei!” ele disse. “Não me importo, deu por quê quis agora vai criar a tua filha favorita e me deixa em paz!” Gritei estridente, e no mesmo dia, decidi que ia para Goiânia também, e não ficaria mais nem um minuto naquela cidadezinha, na qual poderia dar de cara com ele.
    Soul foi na frente, e assim percebeu logo o tipo de cobra, que era o namorado da minha mãe, pois o cara queria praticamente tomar a guarda de Rá, para ele e a minha mãe. – A nova guerra se iniciou, por quê ela me colocava depois do moleque, que se chamava Ren, e tinha o mesmo jeito do Arakiel, só que a diferença, é que não fingia ter dupla personalidade.
    Quando Soul estava em Goiânia, decidi deixá-lo, após ter chegado ao ponto de tomar minha caixa de comprimidos de cloridrato de sertralina. – Senti apenas a minha mão formigar, e quando cheguei ao hospital, completamente normal, os médicos brincaram a respeito da minha resistência. “A gente devia chamá-la para beber conosco. Tomou uma caixa inteira, e ainda nem desmaiou!” A consulta foi feita, nos deslocamos do interior para a cidade a toa, pois outra vez não conseguia morrer.
    A minha despedida foi muito boa, reencontrei uma velha amiga, e o meu amigo que quase morreu para um caminhão. – Eu realmente senti alegria por poder me despedir deles, pois eram pessoas maravilhosas, que não colocariam “medos” na minha cabeça.  
    Deveria ter chegado solteira a Goiânia, mas a verdade é que com todos os meus transtornos, não conseguia ficar longe do Soul. Não importava quem aparacesse agora, por isso quando cheguei em Goiás, prometi a mim mesma, que faria de novo o quê estivesse ao meu alcance, para sermos felizes.
    A presença de Ren, fortaleceu muito a minha união com o Soul, pois juntos tínhamos o propósito de proteger a nossa filha daquele moleque insolente, que não só não queria nada da vida, como também era um verdadeiro fifi, cheio de leva e traz, algo que me dava nos nervos, pois estava ajeitando a minha situação com a sogra, e ele criava atritos, sempre que eu brigava com o Soul, dizendo que a mulher o mandava me deixar, que eu não o amava, que era melhor ir atrás de outra. – O quê provavelmente foi dito, para ele encontrar a virgenzinha odiosa, que na visão da mãe de Soul, supostamente o salvou de cometer suicídio por minha causa. É? Mas ela fez ele arranjar emprego? Terminar os estudos? Virar um homem em vez de um cafajeste? Não fez.
    Goiânia era o lugar perfeito para recomeçar, mas a teoria de quê o problema não era o ambiente, e sim eu, se fortalecia bastante. – Queria mesmo esquecer, fazer fotos maravilhosas, e esfregar na cara da menina, o homão da porra que ela perdeu, mas bater fotos românticas, me dava calafrios, porquê tudo me lembrava, a foto dos dois que tinha estado no perfil, coisa que ele nunca fizera por mim, e que o Dr. Arthur meu psiquiatra, entendeu como uma paixão que foi muito mais forte do quê por mim, algo que me fez surtar ali mesmo, pois não queria ser mulherzinha de amorzinho, preferia ser a vadia destruidora de corações, do quê mais uma trouxa que cedeu ao amor. – Algo que me levou a procurar pela “puritana inquisidora” para lhe dizer umas verdades. Infelizmente não tinha forças para aguentar a briga, por isso ler a mensagem de que ela se dava bem com a minha sogra, e que esta “sempre seria a sua mocinha” Não foi algo fácil de tolerar.
    As crises voltaram com intensidade, e por isso comecei a usar meus poderes contra mim. – Nesta altura tinha me dado conta, de quê tudo o quê escrevia se tornava real, por isso passei a descrever a minha morte, em um dos meus projetos, e então no dia seguinte um homem armado, passou na rua de casa, e por pouco não morri. – Tudo se realiza menos a minha morte, como se jamais fosse descansar em paz. Dádiva? Ou Maldição? 
    Certa vez, após discutir com a virgiranha, fugi de casa, queria me matar, mas acabei no Capes, pedindo ajuda, porquê a vontade de me destruir, e destruir os outros não passava. – A puritana era como uma pessoa tóxica, mentirosa, e sem escrúpulos, que me fazia parecer um anjo de tão má que era.
    Lá contei as psicólogas, sobre ser filha de Lúcifer, e encarar isso como um problema, que precisava ser resolvido, pois como alguém como eu, poderia acreditar em tal coisa? Mas elas me aconselharam a não abandonar a minha crença, e que cada um seguia, a filosofia que lhe cabia melhor. – E vendo o quanto tentava ser racional , mesmo quando minha consciência estava prestes a se dissolver, disseram que deveria continuar a escrever o livro da minha história de vida, pois  quando lhes contava sobre os fatos, não sabiam se era alucinação, ou se algo sobrenatural havia mesmo acontecido, já que parecia-lhes inteligente demais, para aceitar algo, que não pudesse ser legítimo. – Impressionado? Brincadeira!
    Como se não bastassem os problemas mundanos, ainda haviam inimigos do passado, que voltavam como amigos. – Certo dia fiz uma projeção forçada, e me deparei com uma enorme cobra negra, de cabeça triangular, que se rastejava por cima do guarda-roupa, até chegar a borda do colchão, onde se ajeitava para saltar de boca aberta para cima de mim. Acordei trêmula, mesmo que a esta altura, já não conseguisse ser assustada por qualquer coisa.– Minha protetora era um polterguist lembra? – No mesmo dia, a mensageira Maria enviou mensagem, e bem devido ao fato de quê ela trabalhava com o Kimbandista, que me fez muito mal, apenas porquê fui fria com ele, havia cortado laços com a mesma. Todavia quando o comunicado de quê meu antigo mentor – O mesmo do qual a voz de trovão me afastou – andava matando todos os antigos membros da seita, e que Asmoday e Solomon haviam partido por sua intervenção, tive de ouvir, e aceitar uma trégua por sobrevivência. 
    O centro-oeste é considerado por alguns conspiradores, como o berço da sétima raça, e em Goiânia, há uma estátua representando 3 das 7. – E isto foi uma enorme surpresa para mim, pois me mudei para GO, por puro intuito, de ficar o mais longe que pudesse do Drácula. A quem jamais perdoarei. – Ao acaso acabei por ficar numa das cidades, onde há o maior número de avistamento de Óvnis.

    O relacionamento abusivo em quê minha mãe vivia, estava se tornando vergonhoso e insuportável, e a situação somente piorou, depois que invoquei demônios no seu quarto, para quê caçassem o Ren, porquê eu já tinha colocado até uma faca no pescoço do infeliz, e minha protetora, continuava a ser humilhada por ele. – O problema é que por causa dele, ela me fazia mal, dizendo que tudo o quê acontecia de ruim na sua vida, era obra do demônio, e vivia colocando hino de igreja para a minha filha. Algo que me irritava muito, pois detesto fanatismos, e sei que a música tem o poder de alterar a consciência, e literalmente lavar uma mente despreparada. – Todo dia ela esfregava Deus na minha cara, e apesar de não ter muito a reclamar dele, porquê me deu um sinal sobre o Apocalipse em 2013, estava voltando a odiá-lo.
    Meus demônios se vingaram de ambos, e por causa disso, a minha mãe surtou de vez, ao ponto de ouvir vozes, fazer papelões, alegando que tinha levado chifre, e eu não a aguentava mais, porquê era óbvio que estava alucinando, e pior ainda que o meu título de Louca da família, agora era totalmente seu. – Eu já tinha surtado, me tornado violenta, mas neste ponto em quê literalmente saia realidade, e não tinha controle jamais.

    Sempre ouvia gritos e mais gritos, e aquilo me envergonhava. Por isso quando ela quis mudar de casa, aceitei de imediato, porquê queria mesmo aqueles shows acabassem. – Era ridículo demais, vê-la chorando aos 4 ventos, por um cara que tinha dito, que preferia que a mãe tivesse lhe abortado. Ela tinha apanhado. Tinha sido humilhada, e ficava “lambendo as botas do cara” A onde estava seu amor próprio?! O quê tinha ocorrido com a mulher que me criou? A gerente, a promotora de vendas, a diretora do DAF, a que trabalhava na SEMA? Agora tinha sido reduzida a uma mulher qualquer, incapaz de se livrar de um relacionamento bosta, e por isso foi perdendo o meu respeito. – Eu a amava, mas apesar do episódio com Arakiel, jamais tinha baixado a minha cabeça, permitindo que um homem me pisasse daquela forma.

    Capitulo 6- 2018
    Em 2018 fiz 23 anos, e como presente, ganhei mais uma seita que afundou, por conta do descaso dos participantes. – Seu nome era Ludac e significava Luz do Amanhacer Cósmico. A ideia a príncipio era minha e de Maria, com quem fui desenvolvendo alguns laços, tentando me opor a minha natureza vingativa e cruel.
    O propósito era reunir todos os filhos cósmicos, que se encontravam perdidos, e precisavam encontrar a iluminação, antes que fizessem parte do exército do anticristo brasileiro. – O meu antigo mentor, que criou um enorme grupo de fanáticos e covardes, que temem os demônios, e abraçaram o satanismo, somente para fugir de suas vidas miseráveis. – Acho que exagerei.
    É claro que falhou, pois o homem tem o aporte de verdadeiros demônios, que precisam do fanatismo para sobreviver. – Por quê são ainda mais inferiores do quê a gente, e precisam da adoração cega, para sentirem-se deuses.
    O grupo era composto por mim, Maria, Lua Negra, Felipe, e a Pleiadiana. Maria usava Felipe, para me atingir, pois pouco antes do seu aparecimento, havia lhe dito que logo me encontraria, com um velho amigo dos meus pesadelos, que era um arcanjo. – Não, não era Gabriel, mas sim o outro de quem já falei.
    Ela sabia que a presença do arcanjo me afetava, por conta de um sombrio passado da outra vida, em que tinha sido torturada pelo mesmo. Por isso sugeria que era um arcanjo, só não o quê iria surgir. – Por ter ciência de quê odeio não ter razão. Mas pelo contexto das conversas, lhe entregava pistas do meu passado. Já que o sujeito supostamente escrevia poemas, sobre uma pequena Lilith, sendo esta a minha fama no inferno, e que a mensageira sabia. – Eles jogavam com a minha sanidade, e me faziam sofrer.
    Porém com a ajuda de Lua Negra – um rapaz que notei ser nobre de imediato, por ser o único com o qual podia debater, sem descer o nível a humilhações. – Acabei por conhecer uma moça, que chamarei de vampira, apenas por ser o seu nick no WhatsApp.
    De imediato reconheci a minha irmã doutro tempo, que lá se fazia de boa, mas era extremamente ruim, como sou nesta vida, só que sem escrúpulos mesmo. – No meu lugar entre matar ou não minha prima, ela teria ido adiante, mesmo que isso lhe fizesse parar no Inferno como criminosa.
    Quis manter distância dela, pois Maria dizia que a mesma me machucaria. – Não acreditei, por conta das suas armações, mas ainda sim, devo admitir que não estava errada. Ficar perto da garota, me deixava doente, ao ponto que a crueldade, que lutei para manter sempre presa, começava a sair, e eu sentia prazer nisso.
    vampira no ínicio parecia mesmo ser uma boa pessoa, e para ser sincera, seria bom se assim continuasse. Porém depois que ela se tornou namorada de Felipe, que apesar de mal falar comigo, vivia perguntando a meu respeito, ela se tornou uma outra mulher. – Todo tempo ela mencionava o quanto o namorado era “lindo”, e esta parecia ser a sua única qualidade, pois de resto nada tinha. 
    Como eu já havia namorado alguns garotos fora da esfera virtual, beleza não me parecia muita coisa. –Sou casada com um cara semelhante ao Pen Badgley, então não tenho do quê reclamar. – Só que ainda sou uma ex patinho feio, e ver tanta superficialidade, me dava nos nervos. –Posso não está com o tal “deus grego” mas o quê importa para mim, é que meu marido me ama, me aceita, e me ajuda a ser uma pessoa melhor.
    Agora jogavam com nós duas. Onde já se viu um cara ignorar uma mensagem de morreria por você, para atender o choro de outra? Foi exatamente o quê aconteceu, quando tive o presságio terrível, de quê o menino Felipe, iria se tornar a casca de Belzebu, se tatuasse o sol negro em seu corpo. – Afinal tinha umas contas para acertar com o deus, desde 2013, e não queria que fosse ali.
    Ao tocarmos no nome da criatura, comecei a receber manifestações fortes da sua presença. Em casa as brigas entre a minha mãe e o Ren só pioravam,  apesar deste está longe. Chegou num ponto que tivemos de mudar de casa, porquê a minha progenitora jurava que tinham câmeras, e caixas de som por todo canto. – Ela tinha surtado, e eu não conseguia fazê-la voltar a realidade.
    Na casa verde, as coisas deveriam melhorar, mas só pioravam. Minha mãe não conseguia nem mesmo ficar sozinha no quarto, que ficava de frente para o meu. – A presença de Belzebu tinha crescido na minha vida, e o ouvia como uma terceira voz, ou extra consciência.
    Não era como o caso da minha mãe, que ouvia vozes xingando-a através de aparelhos mecânicos. tinha a impressão de quê estivesse dentro de mim, como uma terceira personalidade se manifestando.
    Bael dizia coisas como ser a sua 4° esposa, que o mito de Samael como o próprio escuro, era uma farsa. Ele era o diabo, e as 4 esposas eram dele. – É claro que eu duvidava. Mas a filha plediana, que me odiava por ser alvo de interesse de Michael, o amava, e vampira achava que estava incluída na jogada, por conta do seu par.
    Certa vez num domingo ouvi Bael dizer “Felipe não mantém contato contigo porquê não quer ser mal interpretado.” E então mais tarde, vampira me enviou um print do seu par, no qual o mesmo dizia “Eu não posso manter contato com ela, ela é casada, e isso não é certo”. – Meus olhos se engrandeceram com isso, pois eu não tinha acesso a tal informação, e ainda sim, havia acertado em cheio.
    Bael era real? Ou somente uma forte alucinação, de uma bruxa que era filha de Lúcifer? Isto era o quê me preocupava dia após dia, mas quando ele disse que em breve apareceria, e nunca chegou, tive certeza que estava enlouquecendo. – Se fosse verdade teríamos nos visto não é? Porém nunca aconteceu.
    Já teve a impressão de quê o Inferno, está dentro da sua própria cabeça? Era assim que me sentia ao embarcar na fé da vampira, de quê os nossos piores medos iriam se manifestar. – Os medos dela eu não sei, mas os meus se concretizaram.
    Naquele ano foi lançado o filme Luciferina. Que me parecia bastante familiar. O filme contava sobre a história de uma freira, que após perder a mãe, embarcava numa aventura, para saber porquê a mesma havia se matado. Spoiler: Natalia (a freira) tinha um poder sobrenatural, que a deixava cega por segundos, e assim a mesma enxergava a luz ou escuridão nas pessoas. – Após as inúmeras tentativas de suicídio, as consequências vieram. Comecei a perder a visão, e por isso em 2016 resolvi me consultar. Só que no dia em questão, logo após sair do consultório ás 7 da manhã, a rua estava deserta, e um homem meio bêbado me abordou. Eu estava com muito medo, por conta das notícias que havia lido sobre estupros. – Como pareço uma garotinha adolescente, sempre sou um alvo perfeito para eles. – Ele estava começando a se aproximar, quando olhou através de mim, e ficou frustrado. Olhei para a mesma direção, e tinha um homem parado ao lado do lixo. Ele era musculoso, com dreads amarrados num rabo de cavalo, vestido de camisa verde e calça preta, como se fosse um guerreiro africano. O moreno ficou parado ali, como se esperasse o bêbado se retirar, e como resultado o mesmo seguiu o seu rumo. Quando me virei outra vez, o sujeito havia sumido, como se tivesse aparecido somente para me ajudar. Por isso decidi caminhar para onde houvesse movimento, e quando encontrei uma mulher da vida, me agarrei a ela, pois apesar de sua profissão sentia nela tanta segurança, quanto quando o moço de verde apareceu. – Essa capacidade de ver quem é bom ou ruim, condiz muito comigo. 
    A freira supostamente era virgem, mas tinham cenas quentes, em quê ela se masturbava, exatamente como eu fazia, antes de me entregar a um homem. Além do mais, apesar de não ser intocada, nunca ultrapassei o limite de 4 homens, e até hoje não sou casada por cerimônia. ‐Sempre algo dá errado, quando estou prestes a virar a mulher do Soul, então não sou pertecente a um homem.
    O namorado da sua irmã, é um idiota, e isto fica claro depois que eles fazem o ritual na ilha de Índios, onde a mesma tem diversas visões infernais. – Macapá- Ap é uma ilha de índios também, embora possua uma civilização, e você sabe das visões que tive lá.
    O par dela é o Abel, um rapaz magro de cabelos enrolados, que é conhecido entre os amigos por ser o esquisito como ela, já que tem apagões. Ambos são virgens, e é o destino deles se unir. – Soul em muitos aspectos se compara ao mesmo, principalmente pela falta de memória, já que tem inclusive tendência a Alzheimer. Os virgens na magia, são aqueles que não são casados, e que nunca praticaram a magia sexual. – Ele foi o único com quem pratiquei este ato em específico.
    Abel tinha problemas para lembrar, porquê era a verdadeira casca do diabo, que queria gerar uma criança mágicka com a freira, usando a sua alma gêmea para seduzi-la. – Medo. É só o quê tenho a dizer.
    É descoberto que a mãe de Natalia, foi escolhida por uma seita satânica, para dar a luz a filha de Lúcifer, mas a mulher mesmo sabendo do destino sombrio, pede ajuda as freiras para proteger a criança. – Alegoria ao aborto que minha mãe se recusou a fazer, e o pedido que fez a santa?
    No fim a única forma de exorcizar o demônio, era literalmente copulando com o mesmo, e o quê deveria ser um abuso, acaba por se tornar erótico, e desta forma Natália salva alma de Abel, mas ele morre, e o filme termina com ela grávida de outra criança mágicka, indo a igreja para protegê-la. – Nem preciso dizer nada.
    A príncipio quis passar a bola para vampira, afinal ela é a virgem de hímen, mas o próprio contexto do filme retrata, que é a virgem sob a ótica do ocultismo, e não a cristã. Sendo assim embora decretem a virgindade santificada, é santificada de acordo com o olhar de Crowley, não de Constantino. – Luciferina é o nome satânico da freira, e ela diz que o significado é “A portadora da luz”.  Sendo o meu Luciféria, “A luz que parte”. – Fim dos Spoilers.
    vampira se identificou de imediato, porém ela olhou apenas para o meio das suas pernas, e só isto não era o suficiente para preencher os requisitos. – Um filme assim, tão estranhamente ligado as minhas particularidades, me deixou preocupada, principalmente porquê foi lançado no dia 15 de março. – Seria um sinal de quê a extra consciência falava sério? Nem eu sabia.
    O ano seguiu-se de maneira comum, mas o entusiasmo de vmpira pela suposta aparição do seu grande amor, me fazia ficar em alerta para o Senhor das Moscas. – Houve uma vez que me senti vigiada, pois enquanto fazia amor com o meu marido, ouvi o barulho de um carro, que só saiu da porta, depois que paramos.
    Se tinha segurado as pontas até ali, certamente agora perderia o fio da meada. – Lembranças de sonhos com o anticristo se tornavam frequentes, sempre que tentava ver alguma fraqueza do demônio. – Aos 14 anos tive o sonho com o menino da profecia. Aos 21 havia sonhado que nos encontraríamos diante de um anjo, ele agora estava mais velho, mas mesmo assim se tornava o meu par. – E é lógico que tinha ignorado tais coisas, pois onde já se viu? Eu sou a mulher do Soul, mesmo sem cerimônia. É a ele que meu coração pertence.
    Tentei seguir ignorando sequer a possibilidade, mas a situação somente se tornou mais evidente. – Não importava o quê fizesse, a sua chegada era cada vez mais fácil de provar.
    Num dia qualquer uma barata avançou na minha direção, mas quando ergui a palma em defesa, ela abaixou as asas. – Isso seria totalmente natural, se não fosse pela presença das moscas, que seguiam a minha mãe, não importava o quanto mantivesse a sua assepsia intacta.
    Fingi que não era nada, usei veneno para afastar os insetos, nada melhor do quê boa e velha ciência não é? – Não quando se trata do paranormal. – Certa vez o ralo entupiu, e a água começou a transbordar acima do piso alto. Para resolver o problema, Soul abriu o buraco, com a ajuda de um ferro, e várias baratas ficaram a flutuar entre as ondas.
    Ignorei mais uma vez, embora estivesse em alerta agora, e algo ainda maior aconteceu. A mente da minha mãe se degradou de vez. A sua insanidade era tanta, que todos os dias alegava ver Óvnis, mas depois de ler um estudo, que relacionava a aparição dos mesmos, como resultado de um intenso abuso emocional, eu acabei deixando de acreditar nela. – Todavia houve um fato que mudou a minha perspectiva. 
    Eram 7 horas da manhã, minha mãe estava se entretendo com a Rá, quando de repente me chamou. Sai do quarto com preguiça para as suas teorias malucas, e achei que ela tinha gritado, apenas porquê estava passando uma matéria sobre aliens na TV. Mas quando cheguei a tela estava congelada, e era como se alguma vida inteligente, interagisse através dos sons do aparelho. – Eu gravei a última parte, só que não foi o suficiente, por isso torci para que retornassem em breve.
    Levou algum tempo para o fato se repetir, mas quando ocorreu gravei. – Eram 3 horas da manhã, quando Rá se encaminhou até a tela da TV, de onde saiam vozes distorcidas como a intro da Iron Man do Black Sabbath. – Depois de tudo o quê passei, não era qualquer coisa que me assustava, por isso assim que notei tal presença, fui logo filmar.
    No final daquele ano, vários pássaros pousaram na árvore ao lado da minha casa, e começaram a grasnar sem parar. – Realmente não há nada certo? É tudo normal, ou ao menos é para mim, devido a cada desafio que já enfrentei.
    As perturbações não pararam, nem mesmo quando minha mãe se mudou. A luz da cozinha onde mais conversava com a extra consciência – por quê a água funcionava como um portal entre os mundos – entrou em curto, e os demônios começaram a fazer uma rave em casa. – Sendo que me recusei a ir para uma, por causa de um mal pressentimento, que tive assim que os novos vizinhos chegaram, e não fui a única, Soul falou para evitar contar as minhas experiências em voz alta, pois também estava se convencendo, de quê eu era o alvo de Belzebu. Meus maus pressentimentos, não eram por acaso, pois alguns dias depois, acordei de madrugada, e quando foi de manhã, soube que o comércio que ficava a frente da nossa casa, foi roubado após ser arrombado. “Eu sacrifiquei uma família para salvar a sua.” A voz disse. Então fiquei sem reação, era como se tivesse sendo protegida pelo mal, e embora me garantisse a sobrevivência, não me sentia bem com isso.
    Somente eu e vampira sabíamos que Bael agora era o meu protetor, mas ainda sim Maria apareceu amedrontada, porquê do nada sofreu a paralisia do sono, e viu o próprio diante dela, totalmente dominado pelo ódio. – Seria pelo quanto ela me artomentou antes?
    Tinha a impressão de quê não era qualquer uma para Bael. Portanto não iria me deixar em paz tão facilmente, e tive de me precaver. – Se o garoto Felipe, iria ser a sua nova casca, não podia falar com o mesmo, por isso o bloquiei, e pensei que seria o suficiente. Mas um vigarista que queria saber sobre o quê eu escrevia apareceu. – Ele era estranho, dizia ter sido amigo de um maçom, e quê conhecia sobre Goétia e os Druídas, em seguida me enviou um pdf de Cipriano, mesmo que eu tenha deixado claro, que Cipriano para mim é um covarde, fanático, e farsante. O homem se aproximou de minha mãe, e no fim depois levar o seu dinheiro, soubemos que o mesmo estava sob ameaça de morte, e era totalmente insano, ao ponto de repetir as palavras do meu avô “Eu vou para o Inferno para comandar.” Algo que me fiz rir, pois Lúcifer é o meu pai, e nunca deixou uma pessoa que tenha me feito mal, passar impune. – E quando não é ele, é o Belzebu, então me pareceu cômico.
    A entrada do ano de 2019 foi diferente, em 21 de janeiro houve uma lua de sangue, que caiu no eixo Aquário (sol) e Leão (lua) como no meu mapa, e perto do meu aniversário de 24 anos. – Sendo que vez ou outra algo grandioso (e catastrófico) ocorre neste dia. – Minha filha teve de ser levada ao hospital, porquê a dias não evacuava, mesmo com as frutas que lhe dávamos para facilitar.
    Sai as pressas, e deixei uma mensagem para a vampira, não me lembro qual, mas me recordo da resposta que tive. – A menina estava convencida, de que era a escolhida do Anticristo, que teriam um filho, e entraria para a história. – Não preciso falar da minha reação não é? Alegria por ela ser alvo dele, mas raiva por quê quem sempre quis entrar para a história era eu, e pelo amor dos deuses do abismo, se chegou até aqui, é porquê acredita no meu destino também. É inegável que tenho um significado único dentro desta sociedade.
    15 de fevereiro estava se aproximando outra vez, e como vampira parecia disposta a roubar o meu lugar, tive o prazer de reunir 10 fatos associados a data, e por quê isto me tornava a perfeita filha de Babalom.
    Em 10° lugar – A atriz que fazia a Huntress, a minha primeira personagem favorita da série Arrow, dividia o aniversário comigo.
    Em 9° lugar – O Eniac o pai dos computadores modernos, foi revelado neste dia, e trouxe uma Nova era computacional.
    Em 8° lugar – A intérprete de Gabrielle em Xena, que deu a luz a Hope, com um ser das trevas, também era minha xará de data de nascimento.
    Em 7° lugar – Outra referência a DC comics, O César Romero, o primeiro Coringa da TV fazia aniversário neste dia.
    Em 6° lugar – O primeiro esboço do genoma humano, foi publicado pela revista Nature.
    Em 5° lugar – A primeira nebulosa a ser vista, e batizada de “olho de gato” foi descoberta neste dia em 1786, e ficava localizada na Constelação de Draco. – Fato interessante em 2013, encontrei uma das minhas irmãs, e como os demônios a amavam ao ponto de me ignorar,  larguei o satanismo, para me dedicar a magia draconiana, por ter uma enorme afinidade com dragões, desde os 9 anos. – Quando sonhava que sobrevoava uma cidade em ruínas, montada num dragão ocidental, branco azulado, que se chamava Graham. – Por quê acreditava que somente eles me aceitariam.
    Em 4° lugar – Galileu Galilei nasceu neste dia, e ele foi responsável por inúmeras descobertas, além de ter sido tratado como herege, por defender a teoria heliocêntrica.
    Em 3° lugar – Matt Groening o criador dos Simpsons e Futurama, é do dia 15. – O gênio incompreendido, hoje é visto como um dos grandes profetas da atualidade, pois a sua série mais conhecida, previu diversos acontecimentos.
    Em 2° lugar – O meteorito que caiu na Rússia, logo após a renúncia do papa. – Aos meus 18 anos.
    Em 1° lugar– A Lupercália, evento dedicado ao deus Lupercus, que é tido como uma faces do Deus Lúcifer na Itália, e a fundação de Roma por Rômulo e Remo. O evento funciona como o Dia dos Namorados pagão, mas deixou de ser divulgado há muito tempo, por quê a igreja tentando sufocar a tradição, criou o dia de São Valetim, que é comemorado no dia 14, para quê o 15 passe em branco. – É nestas horas que o desprezo pela igreja cresce.
    Algumas coisas são bobas, outras tem enorme significado para mim, e ao analisar tais fatos, tenho a forte impressão de quê a data foi propositalmente escolhida. – Afinal de contas 15 é o arcano do Diabo original.
    Tudo isso deveria me animar, mas quanto mais o dia se aproximava, menos feliz eu ficava. Mais um ano estava ficando mais velha, e Lúcifer não tinha aparecido, quase ninguém sabia quem era, então como este tão falado destino poderia me pertencer? A tristeza invadia o peito, talvez a resposta fosse esta, todo o meu sofrimento, e vida paranormal por nada mais, que ter entrado no caminho mais denso, ou ainda não estava pronta, para ser reconhecida. Será que agora é a hora? Em breve saberemos.
    Duas séries seriam lançadas em 15/02, e elas eram do meu gênero favorito super heróis, e apesar de parecer um presente, não sentia ânimo para assistir. Só que um comunicado, mudou a minha perspectiva, Lua Negra disse “Assista-as. Se é exatamente do jeito que gosta, pode ser que tenha uma mensagem para ti lá.” Então me preparei para fazê-lo, mas no dia mesmo, fui tirada de casa, para ir no Escape Room, onde tive de resolver um crime satânico junto de Soul, mas nós falhamos e rimos sem parar na hora de “morrer”. – Foi um dos melhores dias da minha vida. Eu sei sou estranha, mas você já deveria saber.
    A série lançada pela Netflix se chamava The Umbrella Academy, e pertencia a editora Dark Horse, a premissa era simples: Mulheres deram a luz a 7 bebês, mas antes do dia começar elas não estavam grávidas. As crianças cresceram, mas apenas 6 delas desenvolveram dons, e se tornaram super-heróis. O foco da trama? Era o Apocalipse, e eles precisavam impedir.
    Spoiler: A série tratava a número 7, como uma inútil violinista, que tinha de viver tomando remédios, para não comprometer a sua saúde mental. Seus 6 irmãos eram deuses, por onde iam tinham reconhecimento, e ela sempre era jogada no canto, sendo lembrada apenas por escrever um livro, sobre como era a vida deles, por trás das câmeras. – 7 é o número que estava na minha testa, no meu joelho, eu era a 7, a mensagem era esta, eu era a única criança, que jamais atingiria aos palcos, como Asmodeus, Mammon, Belzebu, Caim, Azazel, e alguma irmã qualquer. Pois todas nascem com um forte apelo sexual, e poucas herdam o cérebro como eu – Continuo sendo ácida.
    Assisti até o fim somente por causa do número 5, o homem preso no corpo de um menino, e Klaus o rapaz que tinha poder de falar com os mortos, mas temia as suas habilidades de tal forma, que preferia se drogar para não ver os fantasmas. – A destruição mundial era obra de um grupo seleto, que queria proteger um rapaz, que apesar de nascer no dia dos heróis, não tinha poder algum, mas era um sociopata de mão cheia, bastante interessado na número 7. – Claro para ser a vítima dele pensei.
    Mas no fim, foi mostrado que 7 era a mais poderosa dos irmãos, e o pai não a deixou desenvolver seus dons, porquê temia que a mesma matasse os outros. O tratamento desumano que ela recebeu do homem, a deixou transtornada, ao ponto de desenvolver uma extra consciência maléfica, dominada pelo ódio, que lhe disse as mesmas coisas, que costumava dizer em momentos de raiva, sobre jamais ir para o palco. – É isso. Nesta peça de teatro, eu sou aquela que nunca sai de trás das cortinas. – Coincidência? Quem sabe.
    Fim dos spoilers. 
    A outra série se chama Doom Patrol, e é da DC comics. A premissa é bem diferente, não se trata de heróis, mas fracassados, que foram escondidos do mundo, porquê o Cliff não achava que os aceitariam. Sua estética é abstrata e dadaísta, o quê a torna revolucionária em relação as outras obras da DC. 
    Mas não assisti de imediato, apenas esses dias, depois de fatos estranhos que aconteceram comigo. – Novidade não é? – Sei que ao ler a minha história, irá comparar com uma série conhecida, por isso embora o livro “Sobre mim” seja uma vergonha nacional, deixarei disponível, apenas para quê tenha certeza de quê é um relato legítimo. – Aquele final me deixou assustada, pois parecia condizer com o meu destino, porém não com o Senhor das trevas, e sim Das Moscas. Por isso num sábado tive de fazer um ritual para Tiamat, para saber o significado disto. – Me senti nua diante do mundo, como se algo estivesse contando 70% da minha história, através da famosa personagem. Não foi uma sensação agradável, só me vi assim quando fizeram Luciferina.  – Tiamat me enviou um presságio onírico, no qual eu tinha um marido monstruoso, que tentava me afastar do Soul. – Pelos deuses! De novo essa história? – Mais tarde ainda no mesmo sonho, aparecia um crítico de arte, vestido de terno, para o qual queria vender um cd chamado 1574, que havia sido feito em 1574. Eu tinha vários cds originais em mãos, e somente um falso. Mas o quê me chamava a atenção era o 1574, ao qual o crítico não me permitia vender, pois na visão deste era algo valioso, que me faria falta no futuro. Acordei e enviei o sonho para uma amiga bruxa, e quando foi de tarde Notredame apareceu queimada nas notícias, era o dia 15, do mês 4, e talvez o 7 no sonho, tivesse alguma ligação comigo. (Afinal o 7 estava sempre presente.) No dia 17 tive um outro presságio, nele estava numa festa de luxo, onde recebia uma proposta indecente, que recusava, e uma mulher invejosa, me chamava de gorda. Até aí tudo bem, mas quando sai do local, o alarme soou alto, então avisaram que os animais tinham fugido do zoológico. As portas de aço se fecharam, senti como se estivesse na série Zoo. Eu me bati contra as mesmas, e então alguém soltou cachorros raivosos na minha direção, mas um vigilante me salvou, e acordei dentro da sua cabine, enquanto ele dizia em desespero “Escreva! Escreva! E eles vão parar!” então me deu uma caneta, e uma caixa para apoiar o papel, onde iniciei a escrita com “A”. – Conclui após muito analisar, que os animais no zoológico, eram demônios saindo do inferno, mas não sei quem era o meu salvador. Ao apresentar o sonho para um novo amigo, – Que estuda magia desde os 10 anos, e para o qual somente revelei a meu respeito, porquê as cartas disseram “Comunica-te com aquele que fala com a divindade.” – Ele chegou ao mesmo resultado, muito antes de lhe mostrar a minha conclusão.
    Certo dia estava online, comentando que não tenho medo dos demônios, afinal já tive o desprazer de conhecer os piores, e estou claramente sendo cogitada para algo. Foi então que uma mulher veio e disse: “Você é como eu, é uma escolhida.” Achei aquilo incomum, por isso resolvi conversar com a mesma. Foi uma total perda de tempo, embora seja médium, é ainda mais louca do quê transpareci nestas páginas. Falou-me coisas como “Sou a filha de Lúcifer e Lilith, meu irmão é Mammon,  sou Asherah a deusa perdida, e Bael é o meu marido.” Tentei lhe explicar a impossibilidade de assim ser, mas ao mesmo tempo me questionei também, estaria eu inerte na loucura como ela? Preciso voltar a terapia! Ela me chamava de a irmã mais nova, filha de Maria Padilha, não um demônio como a própria. Mas esta me parecia a sua realidade, não a minha. Em algum ponto da vida, ela teria acabado por libertar muitos demônios, e os mesmos agora dominavam o seu corpo. Era como se andasse com uma legião, pois a sua fala era desconexa, fanática, e imprecisa. – Isso é um roteiro de filme de terror Nammu? É como se eu fosse o rapaz de Dagon tentando viver a vida de 0 e 1, e o deus antigo me atraísse para a sua cidade. A mulher diz que é rica, mas pelo grau da sua insanidade, fica difícil saber se é de fato ou é mais uma alucinação. 
    Como se não fosse o suficiente, uma bruxa me alertou para tomar cuidado, com qualquer feiticeira que oferecesse dinheiro em troca de dinheiro. Então quando fiz uma evocação a Marbas, o demônio leonino, que tem me dado uma força quando piso no Inferno, e é responsável pela revelação de segredos ocultos. Descobri que meu nickname “Carry” era semelhante a “Carreau”, a potestade que “endurece o coração dos homens”, e fui atrás de uma bruxa que parecia humilde. 
    Ao contrário da outra “princesa”, ou – como chamarei a partir daqui – Legião. Esta não era perturbada, e quando lhe mandei a mensagem, explicando que era filha de Lúcifer e Lilith, mas não me opunha a religiões, e sim aos líderes ambiciosos. Ela me falou logo “Você está assustada por causa de visitantes em sua casa.” e eu enviei sobre “Carreau” ela falou para chamar-lhe no Whatsapp, pois era a escolhida para isso.
    Conversamos, e ela disse que Luciféria não é real, é tudo manipulação de Carreau, que toda a minha vida foi uma mentira, mas sou uma bruxa poderosa por conseguir libertá-lo. No início propôs viajar a minha cidade, mas não tinha dinheiro para tal, por isso ofertou entregar a conta, para lhe enviar o dinheiro da passagem. Depois conversamos mais, e ela falou coisas esquisitas, como a forma de um anjo de asas rosas, é a minha verdadeira, e que para me livrar de Carreau, teria de invocar a Mikael, e agiu dizendo “é eu sei que sabe bem quem é”. Então ela abriu um portal, e supostamente tirou Carreau, mas seu celular caiu mais tarde, e ela precisava de 30 reais na conta, para fazer um banimento completo, não era grande coisa, mas eu realmente só tinha 10 reais. Ela parou de responder, ficou bem, e minha filha voltou a surtar, tinha lhe pedido para libertar o ser, pois convivi 9 anos com ele, saberia lidar. Então quando disse que ele voltou, ela me bloquiou sem mais nem menos. – O quê mais tem acontecido é fazerem isso. Falar, criar amizade, e sumirem.
    Por sorte havia seguido os meus instintos, e preparado um ritual, para me livrar de Carreau. – Eram 3 horas da manhã, não havia sinal da lua minguante no céu, e eu estava com um portal aberto, sob o uso do mesmo símbolo que o trouxe, enquanto ouvia a música Sitra Ahra da banda Therion, porquê queria mesmo me conectar com o outro lado. Comecei a meditar chamando Lilith, então quando a senti ali, chamei o demônio para fora de mim, e o peguei pelo pescoço, enquanto usava a minha linguagem Lovlicos. – Com a qual fiz um símbolo a esquerda, e no dia seguinte apareceu a direita. – Meditei para transferi-lo para o portal de Apsu, e chegou num momento, que nem sequer consegui ouvir a melodia, era somente eu e ele. Senti uma verdadeira onda de energia brigar em mim, tentava levantar a cabeça, mas ele não deixava, e quando consegui, e senti meu corpo mais leve, fechei o portal. Achei que 7 minutos tinham se passado, mas na verdade foram 47. Por 40 minutos estive do Outro lado, e não sabia se tinha o vencido, até que olhei para o céu, e a lua tinha deixado de ser encoberta pelas nuvens. – A noite voltou a brilhar – Titans Go.
    Esses tempos enfim assisti Doom Patrol. No início pensei que a mensagem para mim, se relacionava a Crazy Jane, pois a mesma tem 64 personalidades, e o meu último relatório psiquiatrico, resultou em transtorno de personalidade com instabilidade emocional, podendo ser boderline ou impulsiva. Spoiler: Jane não é a personalidade matriz, assim como a minha atual persona, mais justa e sensível, também não é a minha original.
    Mas de acordo com que a série segue, há uma mensagem sobre o Anticristo, que é um garoto depressivo, por ter que destruir o mundo, e é socorrido pela Rita Farr, uma mulher cuja a habilidade, lhe transforma num monstro, apesar de não envelhecer. – Esta mensagem não ficou clara, mas o fato do menino ser chamado de “o livro nunca lido” me deu um frio no estômago. Fim dos Spoilers.
    Recentemente tentei entrar numa audição de talentos do Projeto Passarela, e consegui passar, mesmo sem o treinamento exemplar de teatro. – O número final da minha inscrição chamou-me a atenção, pois terminava em 777, um número significafivo para Crowley.
    Lá também soube que tinha de falar inglês se quisesse o sucesso mundial, algo que me deixou intrigada, pois desde o ínicio do ano tenho estudado a lingua, porquê a extra consciência me prometeu, que o meu tão sonhado sucesso víria, após aprender exatamente essa expressão. – Eu sei que é a lingua universal, mas quando ouvi a voz, ainda nem sabia da iniciativa. Além do mais fui até lá, apenas para realizar sonhos mundanos, de enfim ter algo que será visto por todos, e entrará para a história seja como heroína ou vilã.
    Há algum tempo passei a desenvolver um livro de magia para iniciantes, e estou muito feliz com a obra. Vai servir para os filhos dos cosmos, que realmente tiveram experiências paranormais, e quê precisam de um manual, para não libertarem seres perigosos neste mundo. – Entendeu a referência?
    Lá estou me focando apenas no aprendizado dos demais, e de forma bem superficial, retratei um pouco das minhas experiências como filha de Lúcifer e Lilith.  – Apenas porquê o contexto era adequado.
    Mas estes dias vi uma sequência de números inesquecível. Fui deixar Soul no laboratório, e quando olhei para o ônibus a minha frente, tinha o número “20290”. 02 – Fevereiro 90 – Década que nasci. Tudo bem é uma linda coincidência, por isso segui meu rumo. Um ônibus passou ao meu lado, com o número “011” na placa, e devido a um rapaz que chamarei de Art, soube recentemente que 11/11, é o portal dos “Humanos angelicais”.  – Obrigado força oculta, por me lembrar das minhas asas de penas. Tudo bem, mas em seguida vi uma placa com o fim 33. – 33, o grau mais elevado da maçonaria, o numero sagrado. – Legal ué. A próxima placa era 5888, e este é um mistério, contudo no livro descrevo que é preciso haver a repetição de presságios, para se iniciar uma investigação sobre os sinais. Então próximo de casa, apareceu um carro de placa 93, próximo a um lava rápido de carros, com o número 1515 pintado na parede. – 93,93,93, 15, o meu número. – Coincidência? Espero que sim.
    Esses dias estava terminando o relato de 2017, e tentei não mencionar a ex de Soul, mas só de lembrar das coisas que ela dizia, era impossível não sentir a minha real natureza sair, por isso tentei me controlar. Mas toda a raiva que contive, foi para o ambiente. Enquanto a minha mãe cozinhava, o fogo se alastrou na boca do fogão, e por pouco não iniciou um incêndio. Então quando cheguei para almoçar, ela falou para mim, que tenho de mandar o meu Pai lá parar de perturbá-la, pois o espírito imundo que lhe castiga, é o meu protetor. – Quase deixei o prato cair de minhas mãos, e fiquei catatônica. Não é de Lúcifer que ela estava falando, mas sim de Bael.
    O quê isto significa? Nem eu sei, e para ser sincera, prefiro continuar sem entender, pois as possibilidades, são todas negativas. – Eu entrei em alguma realidade alternativa de Terror? Aqui ainda é Sete Além? Não sei. 

    Mas sei de uma coisa, se a mente humana é poderosa, imagine a mente de um anjo? Por isso vou continuar seguindo a minha vida, como se nada estivesse acontecendo. – Tudo o quê vi é real ou Eli estava certa? O quê é a realidade? Apenas o quê pode ser tocado? Ou o quê é sentido através de outras percepções? O concreto é verdadeiro? Ou é apenas um aglomerado de energia densa, que limita o olhar sobre o mundo? Você me verá nos palcos, e ficará surpreso por conta da minha história? Ou morrerei como oculta? Em breve saberemos, e teremos todas as respostas. Se a minha realidade caótica, é apenas um filme, a única coisa que posso afirmar, é que está perto do próximo ato, e nas últimas cenas, terei certeza do quê tudo isto se trata. Se viver para contar história, terei o prazer de lhes escrever um segundo livro, se não, obrigado por terem lido até aqui, e por me guardarem em seus inconscientes, mantendo a minha lembrança viva. Até a próxima, Lux Burnns.
  • Thoth capitulo 1

    Em algum lugar de Bornholm um jovem pastor de ovelhas é encontrado vadiando por um lago, impressionado com algumas servas se banhando naquele lago, o jovem pastor se perde de suas ovelhas para ''expressar sua adolescência''.
    De repente um grito vem das garotas que saem correndo do lago, o garoto se impressiona, porém apenas acha apenas que foi descoberto e percebe sua idiotice ao se perder de seu rebanho, as consequências começam a pesar pela sua cabeça.
    _. Por todos os deuses meu pai vai me matar, tenho que começar a procurar agora. - Exclama o garoto preocupado
    O garoto sagaz acostumado a andar por aquelas colinas vai achando as ovelhas, acha uma depois outra e depois outra, aos poucos vai encontrando todas as ovelhas. Conta todas as ovelhas e da falta de uma, sua preferida entra todas as do pasto Siggy a ovelhas negra.
    O garoto passa o dia a procurando e quando a noite se aproxima ele vê de relance a ovelha de pelugem negra adentrando a uma caverna, o garoto corre em direção a ela cegamente somente com seu cajado meio curto e fino, ele no meio do caminho vê um lobo indo em direção a ovelha o garoto chama a atenção do lobo em uma atitude desesperada, talvez pelo gosto que ele tinha por Siggy ou pela consequência que perder a ovelha negra rara e cara de seu pai, ele ataca o lobo com seu cajado, o lobo cai desacordado, o garoto por um momento comemora até perceber que lobo não estava sozinho.
    Três outros lobos se aproximam do garoto e ignoram a ovelha que ignora os lobos e entra na caverna.
    _Heeeeeey Siggy não entre aí. - Grita o garoto para a ovelha como se ela pudesse entende-lo perfeitamente.
    Os riscos para o garoto aumentam, não é, mas uma surra que está em jogo, o perigo para sua vida ativa a adrenalina e o garoto se dá conta que ele é um adolescente contra 3 lobos raivosos e percebe suas diminutas chances de vitória, o garoto em mais uma atitude impulsiva corre em direção a caverna, desviando de alguma forma dos lobos que correm atrás dele.
    De repente em meio ao céu limpo um relâmpago cai entra o garoto e os lobos, o jovem já na porta da caverna se assusta com a situação e cai dentro da caverna, sai rolando até encontrar um chão, tudo é escuro, apenas uma luz azul e fluorescente ilumina a caverna a frente.
    O garoto segue a luz por duas horas inteiras, sem chegar a canto algum, começa a sentir sede já que só beberia depois de trazer as ovelhas de volta e fome já que só comeria se trouxesse todas as ovelhas vivas e bem, o garoto desmaia.
    Acorda um dia depois em frente a um lago, Siggy dorme ao seu lado. Ao olhar para a frente o garoto se impressiona com o que vê, em meio ao lago uma espada negra presa a uma pedra emite uma luz azul tão brilhante que quase cega o garoto.
    O jovem pastor meio entontecido pela luz segue para a espada, como se fosse atraído para aquilo anda pelas águas sem afundar, como se uma ponte invisível estivesse entre ele e a espada.
    Em meio a rocha uma espada de lâmina negra, em meio ao seu punhal uma caveira prata com safiras em seus olhos, safiras estas que brilham a luz que ilumina toda a caverna, o garoto controlado pelo poder da espada coloca a mão em seu cabo. Uma voz grossa como um urro vem da espada, de seu punhal sai uma fumaça negra que se transforma na figura de algo parecido com uma Harpia de asas negras.
    A forma põe sua mão sobre a mão do fazendeiro e pergunta.
    _Jovem qual é seu nome?
    _Froki o pastor- Responde o garoto acuado e amedrontado.
    _O pastor é seu sobrenome? Responde de forma irônica a estranha forma
    _. Eu não tenho sobrenome, meu senhor, sou apenas um servo.
    _posso sentir sua ganância, é muito que um servo, ou pelo menos almeja ser.- Indaga o pássaro estranho
    _. Eu não posso ter ganância, meu senhor, ela não me serve de nada, se meu pai é um servo eu serei um servo meu filho será um servo, assim funcionam as coisas. Responde o garoto como se tivesse uma resposta pronta.
    _Não me trate feito estupido eu sei como a servidão funciona, nada que me digas vai acabar com o cheiro de ganância que vem de você, posso sentir a mensagem que quer passar ao mundo, e eu Thoth o deus mensageiro posso ajudar a passa-la.
    _Você não me parece Ratatosk, aquele passa as mensagens dos deuses.- Responde o garoto um pouco mais tranquilo.
    Ao ouvir isso um silêncio momentâneo se espalha pela caverna, a forma meio-ave meio homem se mostra confusa.
    _. Não tenho a mínima ideia do que está falando meu garoto, pertenço a outro lugar, permaneceria dormindo se não tivesse sentido o cheiro da sua mensagem, tão pura e simples, alguém que almeja ser mais do que pode, isso é tão antigo meu garoto, o sentimento de querer ser mais forte, mais ágil, ter mais poder do que lhe é possível, isso antecede a vida e se estica até a morte. Discursa o nobre pássaro.
    _O que quer dizer com isso, você vem de que lugar? eu não te entendo, o que quer de mim?- Froki confuso  muito com a  sua situação, e curioso como é indaga sobre a vida de Thoth e acaba por insultar o antigo deus.
    _Ora desconfias de mim, te dei motivos para tal? ; sou de um reino a sudeste daqui muito a sudeste, um reino de antes verdes colinas, agora de amarelas dunas, cheguei até aqui através de um enterro pomposo pelo mar, onde os nobres de minha corte inconsequentemente me mataram e me jogaram ao oceano, ou pelo menos minha forma humana, agora sem poder se comunicar com os deuses suas colheitas antes fartas agora se encontram mortas, consequência do ato impulsivo daqueles que queriam ser mais, por isso sua mensagem me cativou.- Tentando se mostrar poderoso Thoth se abre para o garoto, conta sua história espera mais respeito da criatura franzina em sua frente.
    _Ora Thoth, achas que sou como aqueles que te traíram? Então porque queres passar minha mensagem? isso não faz o mínimo sentido- Responde o garoto confuso, se impondo um pouco mais agora que sabe que esse deus a sua frente, já é um deus morto.
    _. Ora meu jovem, tens um pouco de personalidade em suas palavras, interessante..., não tenho raiva daqueles que me traíram o desejo deles me cativava, até por que os traidores tiveram o que mereciam.
    _. Me desculpa pela minha imprudência, mas qual é o sentido desse falatório, a situação está muito estranha, você me atraiu até aqui? E se fez isso por quê? - Curioso o garoto indaga a forma estranha na sua frente.
    _Orá você veio aqui sozinho, foi inconsequente e isso te atraiu até a mim, estou tão confuso quanto você, essa situação para mim é tão estranha quanto é para você, a última coisa que eu me lembro é de ter dormido nessa caverna depois de muito tempo no mar, agora estou aqui conversando com um franzino pastor de ovelhas de uma época distante da minha. - Mas uma vez Thoth se abre para o garoto, como se confiasse nele.
    _olha eu te garanto que não é não, mas serio você se abre assim para cada pessoa que profana seu tumulo? Você é bem estranho, não basta ser um corvo feio em uma caverna brilhante, ainda diz ser um antigo deus mensageiro de um lugar morto, a situação para mim não podia ser mais estranha.
    _Está bem esse não um concurso para saber quem está estranhando mais a situação eu só estou dizendo que estamos em pé de igualdade aqui, mesmo com a minha forma estranha sendo tão diferente da sua agora, eu já fui como você de carne e osso, agora sou apenas um espírito preso a está espada, um reflexo do que eu costumava ser antes, mesmo fraco, ainda tenho muito poder comigo e se quiseres posso te ceder esse poder para alcançar seus objetivos em vida.
    _. Está me propondo um pacto?
    _Sim eu estou, um pacto de cavalheiros que tal, a proposta é: você ora a mim todas as noites e se possível repassa minha antiga religião para aqueles mais chegados, para me dar poder, e com esse poder você chega até onde quer chegar, não precisa abrir mão de sua reza para seus deuses, eu só preciso de fiéis para me manter vivo e poderoso, um fiel só me basta porém quanto mais, mais poder eu vou ter, e vou usar esse poder para te manter no topo você e seus possíveis descendentes, você só tem a ganhar meu jovem, e então o que achas de minha proposta?
    Ao ouvir a proposta de Thoth, Froki se põe a pensar, pela primeira vez em sua vida Froki vê a chance de ser mais do que ele já é, ser mais do que um ninguém, ser mais um pastor de ovelhas qualquer. Froki tinha muitos irmãos e irmãs, dentre eles todos se destacavam em alguma coisa dando orgulho ao seu pai, alguns guerreiros fortes, outras costureiras prendadas ou cozinheiras exemplares, ele tinha até uma irmã que usava o arco e flecha como ninguém, enfim, todos menos Froki tinham um talento algo pelo que se destacavam, por isso, diferente de Froki seus irmãos não almejavam ser mais do que já eram, e talvez por isso quase todos os outros o tratassem com o desprezo de só quem não entende o que outro sente pode tratar. Thoth naquele momento dava a Froki uma chance de se destacar acima de todos seus irmãos, acima até de seu pai, acima até de quem sabe o próprio rei daquele condado, talvez por isso Froki tenha dado uma resposta tão rápida sem pensar nas consequências ou em sua religião.
    _sim, eu aceito- Responde rapidamente o garoto. _ O que eu tenho que fazer para selar esse contrato, eu faço o que quiser Thoth.
    _. Ora meu garoto apenas puxe a espada da pedra, e terá o meu poder.
    O garoto sem pensar duas vezes puxa espada da pedra e...
  • Titulo ainda não desenvolvido (Fantasia-épica-magia) -em atualização-

    Caro leitor ,antes de ler peço gentilmente que perdoe erros de diagramação ou estruturação, sou um escritor amador que começou a escrever recentemente por incentivo de parentes e amigos ,peço que façam criticas construtivas e me ajudem a entender desse fantástico mundo da literatura que me cativara muito.
    Aqui vou postar meu primeiro livro que está em desenvolvimento, ainda não fiz um titulo apropriado ,estou esperando o desenvolver da história para da-lo um que corresponda corretamente o seu conteúdo ,tentarei atualiza-lo sempre que possível, conto com vocês meus novos amigos internautas :D
    PRÓLOGO
    Há vinte anos, quando estudava em uma pequena escola de ensino fundamental , conheci um jovem muito intrigante, veja bem o garoto era excluído das outras crianças por não se dar muito bem com outras pessoas. O menino aparentava ser um pouco tímido, curioso e muito confuso, não entendia o porquê das outras crianças não brincarem com ele, de modo que ele começou a tentar se enturmar com os outros garotos e por mais que tentasse a professora sempre o colocava de lado, pois não queria que ele se misturasse com os demais. Em uma dessas tentativas de se comunicar com alguém que não fosse a mesma, ele falou comigo, tenho noção que também não sou uma das melhores pessoas do mundo , sou muito teimoso e indiferente quanto a maioria das pessoas e não desejo me envolver com muitas pessoas. Sempre mantive meu leque de relações limitado a minha família e meu irmão, que era dois anos mais velho que eu. Por fim o garoto que muito era isolado dos outros meninos, se aproximou e com um olhar de medo e ao mesmo tempo de felicidade (disse felicidade, no caso seu leve sorriso e semblante que trazia uma certa paz e tranquilidade, denotava um certo sentimento de felicidade) , -Oi... , disse ele com uma voz bem fraca mas ao mesmo tempo tranquila. Ficamos algum tempo se olhando , estava encarando-o , pensando se ele ia falar mais alguma coisa, com uma cara de incerteza e duvida, enquanto ele me encarava com uma cara de esperança, quase que abrindo um sorriso, a professora apareceu e retirou ele do ressinto, achei estranho pois estávamos no intervalo , por tanto , ela não poderia ter interrompido, mas do mesmo jeito ela o fez e o garoto ficou com uma cara de decepção porem com um ar cômico como se tivesse graça no ato da professora, e assim ele foi meio que quase rindo, por que quase conseguira conversar com alguém.
    Fui para minha casa aquele dia pensando no quão engraçado era aquela pequena figura do qual conheci na escola. Enfim quando estava voltando para meu doce lar, eis que vejo o tal menino em um carro muito elegante e grande, todo preto, como se fosse a noite, me espanto com o tamanho sentimento de solidão que aquela cor mostrava, porém continuei andando no sentido da praça que ficava ao lado da escola. Fiquei observando o carro e o garoto, até eles irem embora, achei muito estranho, pois no para-choque do veículo havia desenhado um “S” dentro de um “V” , como se fosse uma sigla de uma família , desenhei ele no meu caderno , queria saber o que ele significava por que agora , de fato, estava interessado a saber mais sobre aquele garoto. Chegando em casa, como mais um dia normal, fui ao meu quarto , subi as escadas correndo, virei a esquerda , a segunda porta , entrei e joguei-me na cama, abrindo um sorriso de satisfação e ali fiquei por um bom tempo pensando na vida, tenho muitas coisas a pensar, não por necessidade , mas sim por que gosto , tinha minhas dúvidas quanto a minha família, dito que ela sempre foi muito unida, mas desde que meu avô materno morreu, as coisas ficaram meio diferentes, digo, meus pais estavam muito apreensivos e cautelosos com as decisões que influenciariam na casa e na família , enquanto minha mãe trabalhava muito , cuidando do seu trabalho doméstico e dos filhos, meu pai estava preocupado com a segurança e deve com a casa, como pagar as contas e ao mesmo tempo dar atenção a mim e ao meu irmão, até aí era o que eu sabia, tinha muito mais , porém não me contavam, não havia necessidade de dividir problemas que eles diziam de assunto de “adulto” com uma criança de apenas 10 anos.
    Quando me preparava para levantar, meu irmão , em uma fração de segundos seguiu do chão , seguido de um pulo, se jogou em cima de mim, fazendo cócegas e gritando ,
    -te peguei!!! -disse meu irmão
    -okay , okay , você me pegou, hahaha , -disse a ele
    -vamos garoto, se troca, o jantar já está pronto
    -okay...
    Até onde pensava era só mais um dia normal, será que eu perdi algo? Ou me esqueci, já não sei mais, as memorias que tenho sobre esse dia estão confusas. Já faz algum tempo que não consigo lembrar de certas coisas da minha vida, deve-se ao fato de ter sofrido algumas alterações em meu corpo e reações a algumas substancias...bom essa parte deixarei para depois.
    Algo que tive certeza sobre esse dia, de fato, não foi um dia normal.
    Hoje tenho 30 anos, e vou me apresentar corretamente agora, já que não deixei muito claro alguns pontos, meu nome é David Alvarez, tenho uma estatura média, 1,80 metros de altura ( acho importante dizer isso) , cabelos castanhos liso, olhos verdes e cor de pele pardo. Sou um mercenário junto com meu melhor amigo Daniel Von Sigvid, vivemos de pequenos contratos de seguranças particulares e as vezes aparece um trabalho mais intenso, ao decorrer da minha vida passei por várias situações que nunca imaginei que teria passado, contarei detalhadamente a minha visão sobre esses fatos ocorridos , certo que, estou no momento a beira da morte, uma ponte, dois lados, prontos para se atacar, a ponte de cimento maciço apresentava múltiplas rachaduras, além de grandes nevoeiros , não muito densos, de pólvora , o ar estava pesado, dois grandes rastros de nevoa luminosos estavam apontando em direções contrarias, o que representava a cor azul apontava para o sul, iluminando um grupo de cinco jovens guerreiros que diziam estar lutando por algo que acreditam , seus ideais eram muito fortes e pareciam não se abalar com o adversário, o que representava a cor vermelha apontava ao norte , iluminando os combatentes e soldados da divisão Leste-Patria , montados em seus cavalos ornamentados com grandes e maciços equipamentos dignos de uma cavalaria profissional, soldados com suas lanças e espadas tão afiadas e leves que só se ouvia o balançar quando se chocava com algum objeto, todos os guerreiros portavam em suas armaduras o símbolo da justiça e ordem , da divisão, equipamentos adequados ao seu estilo de combate, cada um com feito sob medida para cada integrante daquela equipe de soldados.
    Lá estava eu , desprovido de qualquer meio de defesa, abraçado a um medalhão que ganhará de uma pessoa muito especial, tudo que tinha passado e como tinha chegado ali era unicamente culpa desse único individuo , o motivo de toda essa batalha, seu nome era Ward.
    “A verdade sobre a ignorância que escolhemos não saber, se faz real novamente. ”
    MEMÓRIAS
    1
    Certo de que não tenho muitas lembranças do meu passado, até confundo várias delas , por causa do fato de eu ter passado uma experiência , um tanto que desagradável , portei por cerca de dois meses um amuleto que emitia um poder estranho e ele causou sérios problemas e me concedeu alguns atributos. Algumas memórias que tenho sobre meu passado estão constantemente em mudança, mudando coisas básicas , distorcendo o que realmente era, por exemplo, uma vez, minha casa, eu lembrava dela como uma casa de tijolos, com alguns vitrais e um grande jardim , porém, ela estava debaixo d’agua, e quando me esforçava para tentar lembrar de mais algo, ela mudava, para uma casa na arvore ou nas montanhas , sempre tinha alterações, nunca repetia o mesmo tipo de estrutura, desde o mais rustico até o mais singelo e simples, nunca consegui entender esses fatos. Estranhamente o amuleto também me deu algumas habilidades que há certo tempo faziam o ser humano questionar seu lugar e sua função, por que com o poder vem a “justiça” daqueles que se intitulam os patronos e únicos soberanos sobre tudo que existia. Eu possuo o poder de conjurar e invocar certo tipos de magias, invocar alguns guerreiros ou até mesmo conjurar feitiços de criação de itens, como equipamentos, armamentos ou até mesmo veículos , mas isso já exige muito de mim, já que não nasci com esse dom, ele me foi transmitido, não que desejava esse poder, mas ajuda bastante com meus afazeres. Entretanto, receio que minhas lembranças continuem sendo distorcidas, cada vez que uso alguma habilidade, sinto que cada vez mais vou transformando meu passado em algo que não aconteceu causando um caos em minha cabeça.
    O fato de não poder me lembrar corretamente o que aconteceu comigo no passado me assusta e me assombra, a única pessoa que sabe o que aconteceu corretamente foi meu caro amigo Daniel. Ele me contou o que sabia, certa vez, há 10 anos, ele me encontrou em escombros de uma estação de treinamento de cadetes da Facção Vexer , uma das melhores três melhores organizações contra o governo da Leste-Patria. No momento que ele me encontrou eu estava inconsciente em estado de coma sob alguns escombros no que parecia ser a ala de testes de equipamentos, só sobrevivera pois estava dentro de uma das armaduras da classe “Wallholder” são armaduras extremamente reforçadas que chegam a limitar o movimento do usuário, o equipamento se destaca por aparentar como um rinoceronte por ser bem robusto e denso além de ser possuir um único chifre de fibra de Litian , que é um material capaz de resistir a grandes impactos , em seu máximo, uma bala de 170 milímetros de espessura. Por esse motivo não sofri nenhum dano critico, apresentava apenas alguns hematomas e contusões ao longo do tórax e na região da cabeça, nada muito grave, porém o suficiente para induzir a um coma. Não conseguira entender o que aconteceu com a estação, o local estava totalmente destruído e era de se impressionar, já que a instalação era do tamanho de um campo de futebol, o que nos atingiu tinha que ser poderoso, fui o único sobrevivente, só restara cadáveres dos soldados, todos com grandes buracos no meio peito, em volta do buraco, ainda era possível se enxergar as brasas como se algo muito quente e rápido tivesse o acertado. O grande campo de treinamento estava todo coberto por uma fuligem preta com várias crateras do tamanho de carros no chão e nas construções, todos os outros edifícios como os dormitórios, praças de alimentação e garagem estavam completamente em ruínas , com destroços queimados e esburacados, todo o assentamento se encontrava em plena destruição, deixando com uma sensação de dor e desespero, o céu estava preto deixando o rastro de destruição mais visível aos demais, o ar que circulava o ambiente era pesado e difícil de respirar, um grande símbolo de esperança para aqueles que lutam pelo que acreditam e contra aqueles que controlam os ideais e ícones dos padrões atuais, mantendo todos sobre uma única ordem , uma única força e uma única pátria opressora, P.A.T.R.I.A. (Peaceful Accord Tenas Ran Inther Aegis) essas são as divisões do país.
    Quando Daniel me tirou da armadura e me levou para a aeronave (bem estilizada, com formato de um drone de quatro hélices e dois propulsores na parte traseira, com detalhes dourados nas arestas e traçados do veículo que era composto pela cor cinza, aparentava ser de uso das forças de elite da Leste-Patria, tirando o nome “ALL IN , FOR THE HOUSE” ,esteticamente era bem chamativo, pois contava com uma tinta especial que absorvia a luz e gerava eletricidade , com detalhes em dourado nas extremidades de cada letra com um plano de fundo azul). Me colocara na enfermaria, deitado na maca, inserindo soro enriquecido com vitaminas especiais que aceleravam a regeneração celular, assim que decolara, se deparou com uma cena que tirou seu sono por muitas noites, uma pintura feita com sangue que envolvia todo o complexo, como se fosse um tipo de ritual com a cabeça de um Kraken onde seus tentáculos formavam uma espiral que envolvia as principais torres da estação em suas pontas. Se assustara porque nunca tinha visto algo parecido ou de ter lido em algum livro sobre tal ato, assim se distanciou com a aeronave e voltou para sua base.
    A base ficava perto da antiga cidade de Domes, que se tornou um vilarejo, cerca de uns 30 quilômetros de distância do centro, em uma zona ampla e repleta de arvores com uma cachoeira que desaguava na represa San Dearly , era bem escondida e quase impossível de se detectar, já que os radares e sensores não captavam a atividade térmica ou ondas de rádio de lá, tudo graças a mãe natureza. Chegando na base, ajeitou a enfermaria para que eu pudesse me recuperar e em três semanas eu tinha acordado, muito cansado e abalado psicologicamente, sem muita noção do tempo e bem confuso com tudo aquilo, quando ele chegara do vilarejo onde foi para comprar suprimentos , ele me encontrou e me contou onde tinha me encontrado, e que infelizmente fui o único sobrevivente , já que a armadura me salvara. Tentei me acostumar com a ideia de que tudo tinha acabado, e fui aos poucos recuperando os sentidos, e questionei muito o que havia acontecido, pois n lembrara de nada, normal devido ao fato de ter sofrido muitas contusões na cabeça, ao caso tenho serio problemas com isso, acho que deveria usar um capacete, algo do tipo, talvez.
    Demorei para aceitar minha situação porém não tinha mais nada que pudesse fazer, estava em um lugar desconhecido até aquele momento , não tinha como contatar meus amigos, pois estavam todos mortos. Só lembrava que fui parar naquele campo de treinamento por que ofereceram um emprego , um salario e um motivo nobre para se orgulhar de fazer parte. Não me levem a mal , eu era um zé ninguém, um fudido, estava perdido, de novo que novidade...Acabei me alistando por que não tinha outra opção de redenção, seja lá o que tivesse acontecido comigo ou que tenha feito, já que não consigo lembrar com clareza e sanidade sobre os primórdios de minha vida , apenas sabia que tinha que fazer algo para me redimir.
    Daniel me propôs uma oportunidade de sobreviver neste país com o ideal de justiça e ordem equivocados, eu poderia sair pela porta e viver minha vida como quisesse ou me juntar a ele e virar um mercenário realizando pequenos contratos e vivendo como um “aventureiro”. Optei por seguir com ele o caminho, já que não tinha a menor condição de viver sozinho, sou um medroso quando estou sozinho, não tenho forças ou muito menos vontade de realizar algo, além do mais, tinha que retribuir o favor de ter sido salvo por ele, ao menos sempre gostei de uma boa aventura, como meu amigo diz até hoje.
    “O que você busca parado em frente a essa caixa? Conquiste o mundo que você apenas imaginou”
    INTHER, A PENUMBRA DO VALE DA TEMPESTADE
    2
    Após a minha reabilitação, graças algumas sessões de fisioterapia e junto com uma dieta de nutrientes dos quais estavam escassos no meu corpo. Agora tenho um quarto que fica perto da sala de comando, nosso quartel general era dentro de uma caverna abaixo da floresta, era um tanto que úmida, mas tinha um clima bem agradável, não muito quente e nem muito frio, era totalmente aberta por dentro, sem muitas portas ou trancas, de qualquer lugar conseguia-se acessar o hangar com facilidade, já que ficava embaixo de toda a estrutura.
    Naquele dia fui recolher alguns suprimentos essenciais pois teríamos nossa primeira missão juntos, fui até o vilarejo da antiga cidade de Domes, fui com a Zt-720 , que é uma moto de uso militar, porém estava bem diferente de sua forma original, já que Daniel modificara ela, possuía dois faróis afrente do guidão, totalmente cinza com detalhes em dourado, com um porta armas muito eficaz, onde escondia duas pistolas calibre 12 na sua proteções do tanque de gasolina, blindada e não muito veloz por causa do seu peso.
    Durante o caminho encontrei um dispositivo de armazenamento de dados, ou como vocês chamam, pen-drive, preso a chave do veículo, coloquei ele no capacete para ver o que tinha dele, um único arquivo “Registro: Domes”, era um arquivo de áudio, quando reproduzi o áudio, era Daniel falando sobre a cidade, de acordo com o registro, Domes foi construída para ser um polo comercial, com várias empresas de todos os ramos do comercio, desde armas, munições, equipamentos até roupas e alimentos. Vários anos se passaram e a cidade começou a ser atacada por diversos grupos de bandidos nômades por ter sido construída ao pé de uma montanha , não se tinha muito por onde fugir, foi saqueada e destruída enumeras vezes ao decorrer de 50 anos, até não aguentar e sucumbir, sendo abandonada pelo governo e esquecida pelas pessoas, nos últimos 10 anos, um grupo de comerciantes encontrou o lugar abandona e construiu um pequeno vilarejo comercial ocupando um terço da área da cidade, porém agora possui paz e tranquilidade para quem deseja reabastecer seus suprimentos para seguir viajem para outros lugares do país, voltou a ser um polo comercial , porém de viajantes.
    Segui meu caminho direto pela estrada de terra, uma trajetória longa e retilínea que me ajudou a esquecer um pouco dos meus problemas, já que agora tenho companhia novamente, tenho alguém para me ajudar, fica bem mais fácil, aceitar e fazer da minha vida proveitosa, ainda não tinha certeza das intenções quanto a Daniel, mas ele se mostrou ao decorrer desse tempo uma pessoa confiável com boas intenções.
    Ao chegar no vilarejo, olho em minha lista e vejo o que preciso comprar
    -30 Pentes de pistolas 10 milímetros
    -300 Gramas de amônia
    - 2 Litros de cloreto de sódio
    -4 Latas de sevens (bebida favorita de Daniel)
    -10 Metros de corda feitas com fios de fibra de Litian
    -dois Escudos de campo magnético (para repelir balas)
    -8 Quilos de sabão em pó (por que as roupas não se lavam só com água)
    Assim que entrei no vilarejo procurando pelos itens da lista me deparei com uma grande via de lojas, como camelos e algumas tão grandes que possuíam sacadas, era um ambiente bem árido, para uma região que a 10 quilômetros a norte se encontrava grandes florestas. O ar seco entrava no corpo e causava uma sensação de fome e cansaço, as colunas que cercavam a praça principal estava destruídas, algumas sobreviveram e estava parcialmente ereta, um estilo muito simples e humilde do ambiente mostrando todo o lado rústico e real do comércio bem movimentado do local, grandes edifícios empresariais corroídos pelo tempo e destruído pelos saqueadores, eram iluminados com algumas lâmpadas em torno de sua estrutura afim de caracterizar antiga cidade como um vilarejo. Possuía grandes corredores longos e largos com diversas lojas distintas, todas sobre aquele ambiente empoeirado e árido. Quando terminei de comprar os itens da minha lista, fui em direção da saída, que era a mesma da entrada, porém fui por um caminho diferente. Nesse caminho encontrei um quadro de notícias de uma banca e nele estava alguns avisos de variação climática das regiões sul e oeste, e uma destacada das demais, que me chamou muito a atenção, que era tinha haver com a minha primeira missão “Amélia, a filha do Lord Inther é encontrada morta as vésperas de seu casamento”. Fiquei surpreso em ler a notícia por que nossa próxima missão era fazer parte do grupo de seguranças do casamento da filha do Lorde Inther, e acho que agora não teremos mais o contrato. Enquanto voltava para a base, fiquei me indagando sobre o que faria agora, já que falhamos na nossa primeira missão que nem tinha começado, sei que aquela era uma boa chance de fazer mais trabalhos, o contratante disse que haveria mais serviços, caso tivéssemos sucesso em nossa função.
    Chegando na base, coloquei sobre a mesa três sacolas com os itens que Daniel me pedira para comprar e o questionei sobre a missão
    -Ei, Daniel, eu li que a filha do Lorde está morta...e ago..., falei bem preocupado com o contrato e com uma certa tristeza pela perda do Lorde, mas antes mesmo de eu ter terminado de falar ele corta com uma notícia.
    -Não, não, fique tranquilo, não perderemos nosso contrato, acabei de falar com o Senhor Schultz e ele me confirmou que vamos receber adiantado e que temos um novo trabalho. Vamos proteger uma pousada, cujo o dono é próprio Sr.Schultz, já que os outros foram descartados por terem falhado no teste de confiança. Então arrume suas malas e seus equipamentos, pois vamos para Inther , o vale da tempestade, partiremos amanhã de manhã, o caminho é longo e cansativo, iremos com a Big-H0US3. Já que explodi o sistema de propulsão da ALL IN.
    -Okay , aceitei de forma que fiquei bem confortável. Afinal proteger uma pousada não é muito difícil.
    Nas próximas horas organizei minhas malas e equipamentos e os coloquei sobre a mesa da sala principal, após isso fui para meu quarto e me deitei , para descansar, já que o dia seguinte ia ser bem longo. E como foi longo...
    No dia seguinte, levantei bem cedo e fui para sala e acabei encontrando Daniel ,muito ocioso por causa da viajem.
    -Vamos David, temos um longo caminho adiante, disse ele com um tom de ansiedade e empolgação.
    -Estou pronto, podemos ir!!!, fiz um gesto de positivo com a mão direita.
    -Beleza, me ajude a colocar os tanques de gasolina no carro e poderemos ir, disse Daniel.
    Assim que terminamos de guardar toda a bagagem que levaríamos para a missão, saímos da base em direção leste por uma estrada de terra, durante alguns quilômetros até chegarmos estrada LT-120 e seguimos ela por boa parte do caminho. Ao decorrer da viagem, comecei a reparar por cada lugar que passamos, afinal a LT-120 era uma estrada de umas duas vias bem largas e asfaltadas que cruzava a divisão leste com o ponto final no vale de Inther, enquanto admirava a paisagem das tundras e grandes cordilheiras das quais adentrávamos por tuneis, Daniel e eu conversamos sobre a missão e sobre outros assuntos.
    -Já que é nossa primeira missão juntos, tenho que te contar algumas coisas importantes antes de chegarmos na pousada. No incio quando te encontrei eu pensei que você era um soldado vagabundo qualquer e iria te deixar para morrer lá, não sou um cara altruísta e definitivamente não gosto de dividir alguma missão com alguém, muito menos com uma pessoa que não confio e não conheço muito bem. Porém você me chamou muita atenção, essa marca da sigla “SV” que você tem na sua nuca é da família Voen Sarte ,é a família que comanda a facção mais poderosa contra o governo da Leste-Patria, a Days of Sun , sem dúvida é única facção que tem alguma chance de derrubar o Lorde de Inther. Sei que é ela por que já trabalhei como protetor da caçula da família, não sei ao certo como e nem o motivo de você ter essa marca, mas com certeza não poderia ter te abandonado ali, sendo de alguma importância a essa família.
    -Daniel, se eu estivesse em seu lugar não teria salvo minha vida. Não lembro como consegui essa marca, até onde me lembro ela sempre esteve ali, não o culpo por pensar assim, mas agradeço por ter salvo minha vida, e agora para te retribuir trabalharei para você e seguirei esse caminho com você, se assim me permitir. Disse um com um pouco de receio pensando que ele me largaria à deriva na estrada.
    -Não sei bem ao certo, mas você me parece ser uma pessoa confiável, digo isso, pois sei que não pareço ser um, desconfio de muitas pessoas e outras prefiro não me envolver muito, porém quando tenho uma missão a cumprir ,preciso agir de forma que não comprometa o andamento do contrato. Então essa missão é um teste para ver se nos daremos bem como uma dupla, espero que você consiga me acompanhar, afinal se há uma possibilidade de você ser um Voen Sarte já pode ser útil em varias situações. Só peço que deixe essa marca disfarçada, por que o lugar que vamos é o coração e cérebro da Leste-Patria, e não seria bom para o governo de ter um integrante da principal família que é contra o governo perambulando por suas terras como cidadão normal.
    -Okay, darei um jeito de disfarçar essa marca, tentarei ser útil a você já que você me salvou e cuidou de minha saúde, não o desapontarei. Afirmei com um toque de leve em seu ombro como se fossemos amigos a um bom tempo.
    -Sem contato físico. Disse Daniel com o tom severo.
    -Entendido capitão!!!, disse com colocando a mão sobre o supercílio fazendo um gesto de obediência.
    -Também não precisa ser assim. Daniel falava como se quisesse rir , mas não conseguia
    Daniel era um jovem de 26 anos alto e moreno, tinha a cabeça raspada com uma barba que deixara por fazer, olhos azuis e com um porte físico de um verdadeiro super soldado. Sempre vestia uma calça militar cinza com vários coldres de arma e uma jaqueta cinza bordada com linhas douradas , tinha um aparelho multifuncional eletrônico que ele adaptara para seu uso expedicional durante as missões, portando diversas funções e usos.
    Ao chegarmos no portão da pousada, nos identificamos pelo interfone, adentrando na propriedade que ficava as margens de um rio e uma montanha, vemos o grande e extenso jardim com sua praça central bem ornamentada como um grande campo aberto com colunas gregas formando um arco bem alinhadas e decoradas com a vegetação, um grande chafariz que se destacava muito por parecer com um arcanjo, com grandes azas feitas de mármore branco e estilizadas com runas em sua base e cada pena detalhada como se fosse real, era tão viva e tão maravilhosa que fazia você se sentir como se estivesse sendo levado ao céus, logo atrás coberto por uma névoa bem fraca mas ainda visível, estava a grande pousada do Sr.Schutlz, totalmente decorada com a vegetação que crescera e subia pelas longas e bem rusticas paredes deixando a mansão mais linda e diferenciada das outras que já tinha visto. Assim que paramos o carro em frente à praça , as portas se abriram e apareceu um senhor com uma certa idade, um 50 a 60 anos, de cabelos grisalhos escorridos até o ombro , com um traje formal preto e bem destacado por sua cor, com uma singela bengala preta com a ponta branca , seus olhos eram cinzas, sua pele branca como a neve porem um pouco enrugada devido o tempo, ele estende os braços e fala em voz alta demonstrando felicidade.
    -Bem-vindos jovens guerreiros, a pousada Versa Lange, eu sou o Hendrick Schultz Andreas, muito prazer em conhece-los pessoalmente!!!
    (o capitulo dois está incompleto ainda, mas estou trabalhando nisso o mais rapido possivel, estava mesmo muito ansioso em postar aqui que acabei esquecendo disso ) :D
  • Trancafiados Vol.1

      Lembro-me muito bem, em que em janeiro de 1945, estava eu com a minha família em casa ainda morávamos em Desden na Alemanha, eu meu pai e minha mãe, em meio a guerra estávamos economizando uma quantidade significativa de comida e água.. porém em meio a guerra, a comida e bebida iriam acabar alguma hora sem dúvidas, todas as manhãs eu acordava e sempre olhava para minha janela que estava na esquerda da minha cama, sempre olhava e ficava pensando até quando aquela guerra iria durar, levariam, anos.. meses... décadas? Essa era uma das perguntas que eu não conseguiria responder, meios os dias iriam passando.... no fim de janeiro de 45 meu pai ficou extremamente doente, ardia a febre, ficava de cama o dia inteiro sem ter forças pra nem sequer levantar um copo, fiquei muito preocupado com ele e sabia que deveria tomar alguma ação rapidamente... então me lembrei que havia antes do início da guerra uma espécie de farmácia no final do meu bairro, porém em tempos de guerra era extremamente proibido e perigoso sair nas ruas, porém não pensei duas vezes em tentar pegar algum remédio, peguei o mínimo de coisas possíveis para ir até a farmácia, saindo de casa a rua está totalmente vazia, algumas casas destruídas ou abandonadas por suas famílias, não muito longe da farmácia escuto um barulho de alguma coisa batendo.. então percebo que está vindo da casa na minha direita, poderia simplesmente ignorado e ter ido até a farmácia, mas fiquei intrigado com o barulho, entrei na casa que aparentava estar abandonada, abri a porta e o barulho continuou, subi no 2° Andar e vi que o barulho estava vindo da porta no fim do corredor, me aproximei e perguntei.. "Oi?... Tem alguém aí?". Então uma voz respondeu.. "Olá!! Por favor me ajude.. estou presa aqui!!". Com um pouco de receio perguntei.. "O'que aconteceu aqui?". Ela um pouco mais calma me explicou.. "Eu estava aqui em casa, quando derrepente escutei alguém batendo na minha porta, quando olhei pelo olho mágico para ver quem era.. percebi que eram 2 soldados nazistas que estavam fazendo uma varredura em todas as casas". Muito preocupado perguntei se ela estava ferida, porém ela me disse que estava muito bem... então tentei pegar um pé de cabra que havia na garagem da mulher e arranquei as tábuas que a impediam de sair, então ela me agradeceu e perguntou se poderia me ajudar de alguma forma, então respondi; "Na verdade tem uma coisa... meu pai está muito doente gostaria de saber se você teria algum remédio..?". Ela me respondeu; "Infelizmente não tenho remédios mas eu sou médica, e trabalhava na farmácia no fim do bairro, se quiser posso lhe emprestar a chave da farmácia, você vai, pega os remédios e trás pra mim para podermos tentar ajudar seu pai.." eu muito agradecido aceitei a oferta e fui até a farmácia, chegando lá eu abri a porta e percebi que estavam com poucos remédios porém já conseguiria pegar apenas o necessário para ajudar meu pai... peguei o Último medicamento e quando olhei para a porta da farmácia, vi um soldado nazista entrando, totalmente armado, sem dúvidas se ele me visse, atiraria primeiro e perguntaria depois, então com muito cuidado me aproximei da porta dos fundos e consegui sair de lá..... Chegando em casa com a médica, ela olhou meu pai e me disse que se esperasse mais algumas horas meu pai provavelmente não teria sobrevivido, foi uma das coisas mais terríveis que aconteceram comigo naquele ano, isso que eu nem sabia por oque estava por vir..



  • Um Final Feliz...

    Essa é a história de uma menina que nunca se encaixou em nenhum lugar do mundo…
    Desde pequena ela se sentia diferente das outras meninas de sua idade. Enquanto as outras gostavam de se arrumar, de serem aceitas nos grupinhos mais populares da escola, essa garota usava moletom de cactos, as “amigas” diziam que era pijama, mas ela considerava um elogio ser diferentes das pessoas ao seu redor (ela sempre gostou disso).

    Ela também gostava de caminhar mata a dentro com sua irmã e algumas colegas, brincar de escolinha, (odiava bonecas, queria aventura) sonhava em ser bruxa, dormia na sala escondida da mãe pra assistir os filmes do Harry Potter, amava os animais, até roubou um gato uma vez. A vida inteira morou pertinho do mar, numa casa velha, na rua da cachoeira, gostava de cantar. Reunia as amigas no quintal para contar histórias de terror, subia em goiabeiras, corria de medo de borboletas gigantes, mas vivia procurando cobra coral no meio das pedras da cachoeira. Ela era estranhamente interessante.

    Na adolescência começou a estudar a Bíblia, afinal, ela amava aprender sobre tudo, sempre acreditou em Deus e amava toda a sua criação. Mas também acreditava em alienígenas e fadas, passava horas olhando para o céu em busca de naves, mas só via aviões e ainda assim tentava imaginar que eram realmente óvnis.
    Seu primeiro beijo foi aos 13 anos com o garoto da escola que ELA escolheu. Os pais surtaram quando souberam, a proibiram de ver o garoto, afinal ela era nova demais, e sua família era muito cristã. Foi a primeira vez que sofreu por alguém.

    Com o tempo ela se tornava mais questionadora, curiosa sobre tudo, sobre o mundo, sobre as pessoas, não se contentava com respostas curtas, queria saber o porque de tudo! Se revoltava quando não tinha a resposta que queria, foi uma adolescente rebelde, e ao mesmo tempo tímida, mas sempre em busca dos seus sonhos. Agora ela queria cantar numa banda de rock, e é claro que ela conseguiu, apesar de não ter durado muito tempo, ela conseguia quase tudo o que queria.

    A partir daqui, a história vai começando a ficar um pouco triste e pesada. Aos 16 anos ela se apaixonou pelo baixista da banda, que também se apaixonou por ela, e começaram a namorar, escondido, porque seus pais ainda a achavam nova demais pra isso, até que descobriram e os chantagearam dizendo: -“ou ele te assume e te leva pra morar com ele, ou não queremos mais que vocês se vejam.” Já imaginam né, ela foi morar com ele e sua família, e assim ficaram por dois anos, até que ela fez dezoito anos e seus pais a aceitaram de volta em sua casa, até seu namorado foi junto, e assim ficaram mais um ano, até que certas atitudes de ambos, fizeram com que essa história chegasse ao fim, só que não…

    Ele voltou a morar com os pais e ela decidiu ir morar sozinha pela primeira vez. Ela até tinha algumas amigas, e queria aproveitar a vida, saía, bebia, curtia o que podia, mas nada a satisfazia. No fim do dia, ela só queria acordar com alguém ao seu lado, mas nem sempre era quem ela queria, e tudo voltava a rotina, festa, amigas, bebedeira e mais insatisfação. Ela se perdeu, conheceu o inferno, mas nunca perdeu a esperança nas pessoas, no amor. Ela levou um longo tempo para esquecer a história com o baixista, até que desistiu e decidiu recomeçar a vida.

    Abandonou tudo e todos que se diziam amigos, foi morar no interior, para poder ficar perto dos pais e cuidar melhor de si mesma, conheceu pessoas incríveis e um lugar mais incrível ainda. Ela teve algumas crises de ansiedade até se acostumar com o novo estilo de vida, ela partiu alguns corações (quem nunca), mas ela encontrou alguém na pequena cidade que a fizesse feliz da forma que ela sempre sonhou, e hoje estão juntos.

    Hoje ela faz 25 anos, e diz com toda a certeza que se encontrou, que encontrou seu lugar no mundo. Ela é fotógrafa, registra com amor os momentos de amor, ela tem as pessoas mais importantes ao seu lado, ela é grata todos os dias pelos amigos que fez, pela beleza da natureza, pela magia encontrada em cada cachoeira. Ela é feliz, ela sou eu!

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222