person_outline



search
rhglicht
CONECTADO

rhglicht

39
8552
ArtigoCategoriaCriado
Novo governoCrônicas30/12/2022 05:36:52
Jerson DarifCrônicas29/12/2022 08:35:28
InspiraçãoSonetos28/12/2022 08:26:32
Amor ou desejoSonetos27/12/2022 05:29:26
O badaloSonetos26/12/2022 05:36:48
BolsaSonetos25/12/2022 05:32:28
EleiçãoCrônicas24/12/2022 05:55:52
Quero ter lágrimasSonetos23/12/2022 05:37:10
O síndicoCrônicas22/12/2022 05:40:45
RecordarSonetos21/12/2022 05:32:44
A patroa brancaCrônicas20/12/2022 05:57:03
AmarSonetos19/12/2022 06:17:32
Hermann HesseCrônicas18/12/2022 08:13:34
Mais um semestre ISonetos17/12/2022 05:33:58
Mais um semestre IIPoesias17/12/2022 05:32:03
Lembranças de infância I: o almoço do domingoCrônicas16/12/2022 05:34:15
Lembranças de infância II: Páscoa e NatalCrônicas16/12/2022 05:32:28
A seduçãoSonetos15/12/2022 05:40:39
DecepçãoCrônicas14/12/2022 05:50:36
Apenas escreverPoesias13/12/2022 05:45:41
Anjo da guardaCrônicas12/12/2022 05:24:48
EspecialistasPoesias11/12/2022 08:28:39
Um soldadoSonetos10/12/2022 05:44:04
ConfissãoCrônicas09/12/2022 05:40:44
Sacudir-seSonetos08/12/2022 05:34:25
René Henrique Götz Licht

Sou um homem gay, branco, que tem lutado como negros e indígenas pelo direito de ser quem sou e como sou.

Houve um período na minha vida em que ser aprovado pelas pessoas e ser aceito por elas era-me importante, até fundamental. O que eu recebia, agradecido, dessas pessoas costumava ser em forma de migalhas de tolerância e, às vezes, de algum afeto.

Minha preocupação mudou: quero viver a minha vida sem me preocupar se a minha existência ofende as crenças dos outros ou em achar que é minha obrigação ser agradável aos outros. Tenho que ser agradável a mim e não ofender meus valores e minhas crenças.

Ao dedicar minha vida a ser agradável aos outros vi-me cercado de parasitas, oportunistas e aproveitadores. Mais tarde, por não precisar mais das migalhas de afeto, nem precisar ser reconhecido e validado pelos outros, deixei de me empenhar para ser agradável, disponível e de fazer o que os outros esperavam de mim. Eu, o hospedeiro, deixei de ofertar aos meus parasitas o alimento que procuravam em mim, e eles foram caindo, um a um.

Quais pessoas quero ter por perto, física ou mentalmente falando? Aquelas com as quais sinto-me à vontade para ser como sou e ser quem sou: são as pessoas que me estimulam intelectualmente. São pessoas que não apenas me toleram, mas me aceitam. Algumas, acolhem-me, mas isso já é um bônus.

E quanto às pessoas com tendências racistas, homofóbicas ou os religiosos reacionários e conservadores que apontam seus dedos para falar dos pecados alheios, em nome de Jesus? E quanto às pessoas que, com a melhor das intenções, sugerem docemente os seus estilos de vida aos outros? Ou sutilmente impõem suas crenças e seus valores? Vivam suas vidas, mas suficientemente longe de mim. E respeitem a legislação em vigor!

Tornei-me um agnóstico deísta que significa mais ou menos o seguinte: o Deus descrito nas bíblias cristãs e o Deus que rege as doutrinas religiosas cristãs, católicas ou evangélicas, não é o Deus que me representa. Esse Deus, bíblico e doutrinário, foi criado pelo homem à imagem e semelhança do homem-criador. Esse Deus tem sido manipulado pelo homem religioso para servir aos propósitos desse mesmo homem religioso.

O ato de escrever sistematicamente tornou-se para mim algo como comer e beber. É expressando-me por escrito que porções do mundo que habita minha mente são liberadas ao mundo exterior. E o que isso significa na prática? Que escrevo afirmações que jamais tive coragem de dizer e que escrevo amores que nunca me permiti vivenciar.

Escrever tem força e poder para realizar, agora, o que já passou. Ao escrever, a mente produz todas as sensações do real, porque escrever é um ato real que torna real o imaginário. Escrever é um processo da física quântica em que imaginação e realidade são uma única energia.
rhglicht
Escritor
Junho 19
São Caetano do Sul
São Paulo

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br