person_outline



search
  • Ficção
  • Postado em

ORGÂNICOS, ORGÂNICOS DEMAIS!

 

CAPÍTULO 1  

Iniciação em Taba

 

Um objeto não identificado atravessa o vácuo sideral, próximo a um sistema solar de nove planetas, alguns gigantes gasosos e outros rochosos, repletos de luas e entrecortados por um gigantesco
cinturão de asteróides.

No interior de uma majestosa espaçonave, movida a energia do plasma quântico – viajando à velocidade do pensamento - cujo diâmetro é de cem metros, viajam dois alienígenas conhecidos em seu planeta Sidônia, da galáxia do Grande Olho, como sendo da raça dos Dionários, seres que sempre viajam pelo Cosmo em busca de conhecer seus vizinhos mais atrasados na escala evolutiva.

Sued, o líder e mestre e Éf, o aluno, são criaturas muito avançadas, cuja composição física é feita de uma matéria sutil, leve, plasmática, muito semelhante aos “mitológicos” anjos. Possuem uma cabeça sem cabelos, redonda e avantajada, olhos grandes sem cílios e azulados; narizes quase inexistentes se ressumem a dois orifícios; sem orelhas, iguais aos órgãos da respiração e uma boca minúscula, quase nunca utilizada, já que na maior parte das vezes usam a telepatia. A pele é muito alva, quase transparente e de onde pode ser visto seus órgãos internos, quando não estão vestidos com um finíssimo macacão. Os braços longos e finos terminam em duas mãos desproporcionais, assim são também os membros inferiores. Os órgãos genitais são quase imperceptíveis por debaixo das vestimentas.

O destino, Taba, já aparece em suas telas, um planeta azul, com oceanos, cinco Continentes, inúmeros arquipélagos e uma lua sem nome, sem atmosfera, inóspita, que serve apenas de base e
exploração de seus minérios.

- Veja Éf, é ela, Taba, seu próximo aprendizado, um planeta bem atrasado para os padrões do nosso mundo e cuja fase regenerativa é bem conturbada, repleta de conflitos e guerras que beiram à
barbárie e o tribalismo dos primitivos. – explicou Sued, seu mentor e companheiro de viagem.

- Mestre, as energias que emanam de lá são tão densas e seus eflúvios tão negativos, que nos causam até um mal estar. – respondeu o atônito aprendiz.

- É verdade Éf, apesar de ser uma esfera tão bela, onde abundam miríades de espécies

diversificadas, os habitantes do alto da cadeia alimentar, os Tabáquios, são virais na capacidade
de exterminar e desequilibrar todo seu ecossistema, pondo em risco a integridade do seu lar como um todo. – anuiu o instrutor solícito.

 - Observe a imensa quantidade de primitivos satélites artificiais em suas diversas camadas atmosféricas, alguns estacionários, outros circundando e poluindo, junto a destroços e peças soltas
toda a periferia do globo. O lixo deles é o cartão de visitas para os recém chegados, uma lástima! – apontou, desapontado, o líder da dupla.

- Sem dúvida mestre, é uma raça que não se importa em espalhar seus dejetos, tanto no vácuo quanto no interior da abóbada azulada. – completou Éf, com um olhar de reprovação.

 - Vamos circundar sua órbita algumas vezes para visualizares melhor, da Estratosfera, a morada daquela espécime tão esquisita e problemática. – explicou o mentor e piloto.

Quando sobrevoavam o Continente berço, denominado Clitolândia, onde surgiram os primeiros hominídeos, viram que o clima era árido em alguns desertos e ao mesmo tempo com florestas densas e
fechadas, onde primos primatas se escondiam para não serem exterminados pelos ávidos parentes; Éf percebeu que, em relação aos países localizados nos arredores mais ao norte, havia uma absurda disparidade econômica entre povos tão irmãos, enquanto que nas terras altas muitos comiam caviar, aqueloutros, nas aldeias tórridas, nos confins do mundo, eram nativos que rasgavam pedaços de calangos e macacos, disseminando uma peste e sendo por ela assolada, uma síndrome que os aniquila em seus paupérrimos grotões.

- Mestre, por quê há tantos antagonismos? Se os “bebês” povoaram todas as terras, hoje demarcadas como nações, são tão esquecidos, após terem sido tão vilipendiados, escravizados e estuprados em sua dignidade, em seu existir como tribos livres, açoitadas e postas em navios infestados pela crueldade e bestialidade humana, sem respingos de piedade ou comiseração, quando ondas revoltas aniquilaram nações inteiras, sob as bênçãos da “santa" Igreja!

- Pois é Éf, não é à toa que todos os miasmas emanados deste atrasado planeta, nos causa tanto desconforto, aflição e mal estar! – explicou Sued, resignado.

- Para seu aprendizado vamos escolher uma daquelas unidades-carbono e vamos segui-la daqui, monitorando seu cotidiano com nossas câmeras raios x, que aproximam  até um grão de areia. – completou o professor.

- Nosso localizador, aleatoriamente, vai selecionar um típico habitante de uma daquelas grandes metrópoles, para que possamos acompanhá-lo atentamente. – finalizou o viajante sênior.

Pin It
Atualizado em: Sex 31 Mai 2013
  • Nenhum comentário encontrado

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR
Fone: (41) 3342-5554
WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222