person_outline



search
  • Policial
  • Postado em

A Caçada Ao Terrorista Joseph Anderson

Capitulo Um: O Início da Caçada

Rio de Janeiro, 1988. Dia Um...

Na mansão de Issobari Vicliono, banqueiro do Banco Internacional da Sicília, está fazendo uma festa com 100 convidados, inclusive autoridades dos governos do Brasil e da Itália que chega um furgão do bufê da festa que o segurança da guarita para e fala:
--- Vocês são do bufê?
--- Sim que trouxemos os canapés.
--- Aguardem.
O segurança checa e volta onde autoriza a entrada que o furgão para nos fundos e quando os garçons abriram o furgão, surge seis pessoas armadas com pistolas Glock 22 e fuzis M-16 Commando e o líder deles que se chama Joseph Anderson fala:
--- Se falarem, vão parar no caixão. Pedro, leve eles para o freezer e tranque-os. Vocês peguem as roupas e vistam. E Pedro, fique de guarita.
--- Sim!
Joseph Anderson e seus compassas de fantasiam de garçons e vão para o salão de festas que quando chegaram no salão, tiram os disfarces e Joseph Anderson fala:
---Ninguém se mexam que isto é um assalto. Todo mundo no chão.
Um segurança tenta impedir e morre onde começa a chorar as mulheres e Joseph Anderson fala:
---Silêncio! O próximo a bancar o herói, vai virar defunto.
---Por favor, calma que não machuque ninguém.
----Escuta, banqueiro, vamos pegar as jóias suas. Aonde é o seu cofre?
--- No meu escritório.
--- Pessoal, fiquem de olho. Vamos, vovô.
Os dois subam que os outros enchem sacas de relógios, colares, brincos e 500 mil de cruzeiros e libras esterlinas dos convidados. No escritório, Joseph Anderson limpa o cofre pegando jóias e barras de ouro e não percebe que Issobari Vicliono acionou um alarme silencioso que ao perceber, Joseph Anderson dar um tiro e fere Issobari que ele corre com o saco de lona cheio e fala pros compassas:
---Vamos embora!
---O que houve, pai?
---Não interessa. Avise o Pedro e...
De repente, 29 viaturas cerquem a mansão e Joseph Anderson abre o caminho à bala que correm os convidados e Pedro, um dos compassas dar a marcha-ré e arrebenta a cozinha que todos entram e saiam em disparada que ferem o segurança da guarita e começam a perseguição, mas Pedro com uma manobra consegue fugir da polícia.
Na mansão, um cenário de destruição que o filho de Issobari, o médico Francesco Vicliono Morais da Costa tenta entrar e é barrado que ele fala:
---Eu moro aqui.
--- Me desculpe, mas eu tenho autorização para...
--- Pacheco, deixe entrar que é o filho do banqueiro.
--Me desculpe.
O médico entra que fala com o inspetor da Polícia Civil, Ribeiro Carlos de Paiva:
---O que houve aqui?
--- Aconteceu um roubo que seu pai se feriu, mas nada grave.
--- Quem foi?
---Nós ainda não sabemos quem foi. Vou pegar o depoimento agora do seu pai.
--- Eu vou com você.
--- Ótimo. Pacheco mande fazerem um cordão de isolamento e não deixem a imprensa entrar que os convidados são muito importantes.
---Certo inspetor.
Os dois entram que vira o médico cuidar dos feridos das viaturas que sobrem à escada e viram o banqueiro de 52 anos com braço enfaixado que Ribeiro manda os paramédicos saírem e só fica o filho e o inspetor que senta na cadeira e ele fala:
--- Senhor Vicliono, me conte como aconteceu?
--- Foi uma coisa tão rápida que primeiro renderam meus seguranças e depois roubaram todos os meus convidados. Foi uma ação planejada que antes disso, meus garçons foram para o freezer.
--- E as armas?
--- Eram sotifiscadas que teve um detalhe que me surpreendeu.
--- O que foi, pai?
--- O líder que tinha um sotaque de português e italiano e era calmo.
--- Como era a sua filosofia.
--- Alto, cabelo escuro e tinha uma cicatriz no rosto. Não vi nada que me deu um tiro no meu braço, mas foi de raspão.
--- Eu pedirei que faça o retrato falado. No seu cofre tinha quanto?
--- 200 barras de ouro e 200 jóias: 100 diamantes e 100 esmeraldas.
--- Papa, já te disse para não deixar nada de valor na mansão.
--- Olha...
---Calma que não se exalte que é só.
Ribeiro sai do escritório que veio o Francesco e chama no canto:
--- Por favor, quero descrição desse caso que minha família tem laços com mafiosos na Sicília e se souberem, matam os que roubaram.
--- Tudo bem que...
Um senhor de terno cinza chega e fala:
--- Senhor Ribeiro, sou o deputado Polifar José e quero que investigue esse roubo e mantenha o que o Francesco falou.
O deputado sai e Ribeiro fica tonto e Francesco esclarece:
--- O deputado é primo da minha esposa e, por favor, não o provoque que ele tem ligação com a mafia siciliana no Brasil.
--- Escuta aqui: Temos um roubo seguido de sete mortes e nós não sabemos o que houve. Vai cuidar do teu pai e não enche o saco.
Ribeiro sai fulo da vida e o seu auxiliar, o detetive Pacheco Paulo Schinelder corre e fala:
--- Inspetor, eu peguei o depoimento de um dos garçons e ele falou de que recebeu a encomenda de canapés do Buffet Francesa de Ouro.
--- Me consegue o telefone desse bufê e leva para a delegacia. Outra coisa procure mais depoimentos de alguns seguranças e pode descansar.
--- Sim, inspetor.
O inspetor Ribeiro entra no seu Fusca 61 e sai do local. Na manhã seguinte, o inspetor Ribeiro sentado na sua cadeira, relendo o relatório que entra o detetive Pacheco e este fala:
---Bom dia, chefe.
--- Bom dia. O que descobriu sobre o Buffet Francesa de Ouro?
--- Ela existe sim, mas de acordo com François Lagrand de Souza, o dono do bufê, roubaram uma de suas caminhonetes que é uma Fiat Fiorino placa RT-4345 na madrugada de Domingo para Segunda-feira.
--- O crime ocorreu na noite da festa. O que mais apurou?
--- Acharam o veículo duas horas depois no Centro do Rio toda destruída e sem nenhuma impressão digital.
--- Merda! Pacheco, eu vi o resultado da autópsia dos sete mortos indicaram que as balas eram de um M-16 Colt Commando usado pelo exercito israelense e pelo exercito americano. Esse tal de Joseph Anderson pode ser...
De repente chega o delegado da 16ª DP e superior de Ribeiro, Paulo Bastos que chama ele:
--- Ribeiro, no meu escritório agora.
Ribeiro entra no escritório e Paulo fala:
--- Eu recebi ordens superiores para o caso do roubo da casa de Issobari seja feito pela Polícia Federal.
--- Mas, Paulo, esse roubo não foi coisa de armador.
--- Ribeiro, eu sei que quer esse caso, mas tem que entender que...
--- Escuta aqui, Paulo, sei indícios que foi um ladrão profissional e...
--- Então passa para os federais. Eu sinto muito.
Ribeiro sai da sala espumando de raiva que encontra Pacheco no corredor e desabafa:
--- Esse Paulo é um filho da mãe corrupto e faz média com os políticos e passa todo o meus casos por amiguinhos dele.
--- Chefe, sei quem pode nos ajudar e ele é de confiança.
--- Quem?
--- Me encontre no bar perto da delegacia.
Ribeiro espera terminar o seu plantão e vai ao bar perto da delegacia e senta numa mesa que chega Pacheco e pede duas cervejas e duas coxinhas que quando o garçom sai, Pacheco fala:
--- Eu trabalho para Teixeira Matias de Albuquerque que é um expert em assuntos de crime internacional e pode solucionar esse caso.
---Ele é de confiança?
--- Sim que ele tem amigos na cupla de Segurança Pública do Rio. Posso chamar ele que ele vive na França.
--- Pacheco, você ouviu o Paulo? Se ele souber que você é um agente duplo, te prende.
---Calma inspetor que minhas atividades como espião são confidenciais.
--- Quando é que vai chamá-lo?
--- Já chamei e chega pela manhã.
----Então eu vou com você e não fala com Paulo.
---Tudo bem. Até manhã.
Ribeiro sai do bar e pega o seu carro e vai para a sua casa que fica no bairro de Rocha Miranda e deixa o carro que veio o seu filho Platão Herodes, de cinco anos abraçá-lo que fala com a babá:
---Obrigado por cuidar de Platão, Severina.
---As ordens, doutor.
---Pai, vamos brincar?
---Agora não, Platão que vai dormir que eu vou pagar a Severina.
Ribeiro paga a sua amiga e entra na casa que tira a sua 38 Rossi e suas roupas que toma um banho e vai dormir que acorda e veste o uniforme do filho e fala:
---Sabe das regras: Depois da escola, pra casa que pedirei a Severina te pegar.
--- Tá bem, pai.
O inspetor Ribeiro sai de casa e encontra o seu amigo Pacheco que os dois vai para o Aeroporto Internacional do Rio esperar Teixeira Matias de Albuquerque que chega o vôo e Pacheco fala:
--- Inspetor, ele chegou que é o Portão três.
--- Deixa-me apagar o cigarro.
Ribeiro apaga o cigarro e os dois vão para Portão três que Ribeiro fala:
--- Como é esse Teixeira?
--- Ele é uma pessoa reservada. Só encontrei poucas vezes, mas é uma boa pessoa.
--- E só isso?
--- Só que na agência, somos orientados para não dizer nada da sua vida pessoal.
---Sei que...Já estão saindo.
Todos os passageiros saem que Ribeiro fica nervoso e fala:
--- Cadê ele, Pacheco?
--- Olha, é ele.
Teixeira Matias de Albuquerque chega trajando um casaco verde-oliva, terno cinza, camisa polo e óculos Ray-Ban que fala o Pacheco:
--- Bem vindo, senhor. Esse é o inspetor Ribeiro.
--- Prazer em conhecê-lo.
--- Eu também, senhor Tei...
--- Desculpe, aqui sou Doutor Max que vamos sair do aeroporto. Pacheco, minhas malas.
Pacheco pega as malas que os três saem do aeroporto e Ribeiro fala:
--- Doutor, você está a par da situação e eu vou resumir: Houve um assalto na casa do banqueiro Issobari Vicliono que foi um grupo de assaltantes liderado pelo Joseph Anderson que roubou dois milhões de dólares em jóias e barras de ouro. Conseguiu ferir Issobari e 7 pessoas. O curioso é que o arsenal é de armas de uso exclusivo do exercito israelense e o Joseph Anderson tinha um sotaque de europeu e brasileiro. O que acha?
Teixeira tira os óculos e fala:
--- Eu acho que vocês estão numa fria que esse Joseph Anderson é um terrorista.
--- Que!
--- E digo mais, ele já matou quem estava no seu caminho. Na delegacia, eu já dou a ficha completa.
Ribeiro pega o viaduto que vai para a Barra da Tijuca que chega na delegacia onde o delegado Paulo olha os três entrarem na sala que Teixeira fecha a porta e as cortinas que Paulo fala:
--- Que negócio é esse?
---Sr. Paulo, eu sou Doutor Max e tenho permissão da Polícia Federal para entrar nesse caso.
---O senhor tem papéis que comprova que você foi indicado pela Polícia Federal?
Teixeira abre o bolso do terno e mostra o distintivo da Interpol que Paulo fica calado e senta que diz:
---Desculpe a minha educação que...
--- Me poupe da sua educação que eu vim para o Brasil que o Joseph Anderson é mais do que vocês pensam. Pacheco pegue minha valise.
Pacheco pega a valise que Teixeira retira uma pasta de arquivo e bota na mesa que Teixeira fala:
--- Eu peço sigilo para todos que o que vocês escutarem, fiquem com vocês.
Teixeira pega os óculos e fala:
--- “Joseph Anderson. Seu nome é José Roberto Nivarinõn da Silva. Nasceu no dia 26 de junho de 1950 em Nápoles, Itália. Filho do general napolitano Giovanni Cliono Nivarinõn e da enfermeira brasileira Carla Sampaio da Silva. Estudou na Inglaterra e Suíça que o pai era herdeiro de uma vinícola em Porto e a mãe trabalhava no hospital onde o tio João Silva da Cruz fundou para ajudar italianas vítimas da Segunda Guerra, Hospital Cruz da Justiça. Em 1954, ele viu o seu pai se matar na sua frente que o pai fazia parte de um grupo de fascistas militares que matava opositores de Benito Mussolini e ele era o comandante. Após o suicídio do pai, José foi com a mãe para os Estados Unidos onde aos 16 anos, termina os estudos e controla os negócios do pai e matou os juizes que denunciaram o pai. Foi preso e na prisão, treinou muito e aprendeu técnicas de tortura que ao fugir da prisão, criou a Companiaz de Los Vives, grupo de mercenários a serviço de ditadores que no decorrer disso, sua mãe morre e fica um assassino frio e cruel.
Em 1973, seu grupo foi morto na Bolívia por soldados bolivianos e foi preso. Ele foi julgado a 29 anos de cadeia, mas foi solto. Depois se aposentou, mas virou um ladrão profissional que em 1974, ele foi contratado por senadores franceses para matar o senador francês Jospin Lucien no qual foi o responsável de aprovar leis de antiterrorismo e ele é uma ameaça que o plano não deu certo que Joseph matou um grupo de crianças que estavam no ônibus que passava perto. Foi preso pela terceira vez e conseguiu escapar que a sua situação atual é desconhecida “.
Teixeira para de ler que Paulo fala:
---Como ele se estabeleceu no Brasil?
---Eu vou te dar a resposta: Para não ser deportado, casou com uma brasileira que seu nome é Luíza Pereira Bastos da Costa e teve um filho que seu nome é Giovanni Roberto da Silva Bastos, vulgo Joseph Netto que auxilia o pai. A esposa Luíza morreu de câncer em 1978 e ficou com os seus bens.
---Tudo bem, Sherlock. Como vamos pegá-lo se ele não pode ser extraditado?
---Eu tenho uma autorização do Ministério da Justiça Francesa para levá-lo já que sua cidadania brasileira foi falsificada e pode ser preso.
--- Conte conosco!
--- Agradeço a cooperação, mas esse caso é muito perigoso e vocês poderão ser meu apoio que só quero o Pacheco e Ribeiro na minha equipe.
--- Tudo bem. Você tem algum lugar para ficar?
--- Tenho a minha mansão que fica perto daqui.
--- Então, até logo, Doutor Max.
Teixeira sai da delegacia que pega um táxi e fala para o taxista:
--- Me leva para o Recreio.
O táxi sai da delegacia que o táxi chega ao condomínio no Recreio dos Bandeirantes que o táxi entra e para numa mansão de 53 metros quadrados onde Teixeira paga o motorista e retira as três malas que entra na mansão e aperta a campainha que veio o mordomo Morais e fala:
--- Patrão Teixeira, que prazer em reve-lo!
--- O mesmo de você, Morais que, por favor, leve as malas e providencie um banho que estarei no meu escritório.
Teixeira retira o seu terno e vai para o escritório onde pega o telefone e telefona para a França onde conversa com a sua esposa Joanna Moon de France Teixeira:
--- Oi, querida.
--- Teixeira, mon amour . Como chegou de viagem?
--- Sim que eu liguei para saber da nossa filha.
--- Está bem que Teixeira, você me prometeu que não faria esses casos?
--- Joanna, nós já falamos que desta vez, a coisa é seria que Joseph Anderson está aqui.
--- Oh meu deus! Teixeira tome cuidado que já perdi o Jean Pierre* por causa dele e não quero perder você!
--- Não vai me perder que vou desligar.
Teixeira desliga que Morais fala que o banho está pronto que Teixeira tira a sua roupa e fica na sua banheira que se lava e fica por 20 minutos meditando e depois se levanta que pega um robe e vai para o seu segundo escritório que acessa o seu computador Apple e abre os seus arquivos que imprime a ficha de Joseph Anderson e pega o telefone de cor verde e disca um número que cai numa casa em São João de Meriti no bairro Jardim Nóia onde atende o sargento da Marinha Palmeira Cruz Neto e fala:
---Alô?
---Isso é jeito de falar com um velho amigo?
--- Teixeira! Como você está...
--- Palmeira, você está sozinho?
--- Estou que minha esposa está no hospital de plantão. Pode falar.
--- Você me pode falar sobre Joseph Anderson e se tem alguma base de operações aqui no Brasil.
--- Está maluco, Teixeira? Joseph Anderson está aqui?
---Ele está sim que você pode dar alguma informação?
---Agora não posso que de manhã, me encontre na Quinta da Boa Vista, em São Cristóvão que eu vou falar com uma pessoa que conheceu ele de perto.
---Ótimo e boa noite.
Teixeira desliga e veste o pijama e dorme. De manhã após tomar um café da manhã reforçado e pega um dos seus 12 carros, um Maverick 61 que sai da Barra da Tijuca e vai para São Cristóvão que vai para a Quinta da Boa Vista onde senta no banco e derepente chega Palmeira com um sujeito e Teixeira faz um sinal e o três vão para o Jardim Zoológico onde Palmeira fala:
---Teixeira, esse é Oldemar Graciliano Tavares, ex-capanga de Joseph Anderson que sabe onde ele está.
---Sr. Teixeira, antes de falar, quero uma garantia.
---Qual garantia?
---Eu tenho filhos e se meu ex-chefe souber, me mata. Preciso de proteção a mim e aos meus filhos.
---Terá a sua garantia e agora, pode falar.
---Meu ex-chefe tem imóveis espalhados pelo Rio de Janeiro e Espírito Santo e o seu esconderijo fica numa casa em uma ilha situada em Angra dos Reis. Eu era o tesoureiro e eu fugi e denunciei ele. O seu amigo aqui sabe onde estou.
---Quantos homens ele tem?
---Ele tem ao todo 100 homens vigiando a sua casa e usam alguns para roubar.
---Minha última pergunta, conhece o banqueiro Issobari Vicliono?
---Sim, eu conheço que ele é um dos financiadores de Joseph Anderson e devia a ele que o assalto foi planejado.
---Eu sabia. Palmeira, consiga através dos seus contratos na Capitania dos Portos se tem uma casa em alguma ilha em Angra dos Reis.
---Certo chefe.
---E Oldemar, está liberado. Pode ficar tranqüilo que seus filhos estão sob a minha proteção.
---Obrigado Teixeira.
Quando estava saindo do Zôo, um carro acelera e atropela Oldemar e Teixeira e Palmeira correm que Teixeira saca sua Glock e descarrega no carro, mas consegue escapar que Teixeira levanta Oldemar e diz para Palmeira:
---Chama uma ambulância.
---Sim, Teixeira.
Palmeira corre e Teixeira fala:
---Agüenta firme.
---Sr. Teixeira, “coff”, cuide dos meus filhos...*
Oldemar morre e Teixeira fecha os olhos dele que chega a ambulância, mas para levar o corpo e Teixeira fala para o seu amigo:
---Palmeira, localize os filhos de Oldemar e cuide pra que eles tem assistência da minha fundação.
---Sim, Teixeira.
Teixeira sai da Quinta da Boa Vista e o carro que atropelou Oldemar chega a Rua São Luis Gonzaga que aparece Joseph Anderson numa Mercedes blindada e fala:
---Aqui está o seu dinheiro, Valdo e suma com esse carro.
---Sim, senhor.
O motorista sai com ele e some que Joseph Anderson pega o telefone do carro e fala para o motorista:
---Jarbas, mande alguém vigiar o Doutor Max e mande dois para matar o Valdo e sumir com corpo dele.
---Sim, senhor.
A Mercedes sai de São Cristóvão e Joseph Anderson lê a ficha de Doutor Max e diz:
---Nos encontramos finalmente, Doutor Max...
No segundo capitulo, começa a investigação de Teixeira sobre o falso assalto de Joseph Anderson e muitas revelações vão surgir.
[Fim do Capitulo Um: O Início da Caçada]
________________________________________________________________________
[*] Nota do Autor: Jean Pierre era irmão da esposa de Teixeira que estava no ônibus.
A Caçada ao Terrorista Joseph Anderson

Capítulo Dois: Anatomia de Um Roubo

Rio de Janeiro, 1988. Dia Dois...

Depois de ir ao enterro de Oldemar, Teixeira pega o seu carro e vai para a mansão de Issobari Vicliono que fica em São Conrado que ocupa dois quarteirões e chega no portão que sai da guarita um segurança armado e diz:
---Sua identidade, por favor!
---Aqui está!
O segurança viu e fala:
---Aguarde!
Este volta à guarita e liga o interfone e depois volta e fala para o Teixeira:
---O senhor pode entrar que sua entrada está autorizada.
---Obrigado.
Teixeira entra com o seu carro, um Aston Martin 85 que chega no portão que sai do carro e antes de entrar, é revistado por outro segurança que acha uma pistola e o segurança fala:
---Desculpe, mas sua pistola ficará comigo.
---Tudo bem. Posso entrar?
---Pode.
Teixeira entra e fica esperando Issobari no hall e chega Issobari Vicliono trajando um robe cinza, calça brim e um copo de whisky que fala para o Teixeira:
---É um prazer em ver você, sr. Teixeira. Aceita um copo?
---Não que eu não bebo. Eu estou aqui para você me falar sobre o roubo.
---Eu já contei para a polícia e mais informações é só falar com o meu advogado.
---Pode falar à verdade que eu já sei o que aconteceu. Você devia para Joseph Anderson e o assalto foi planejado.
---Isso é uma mentira que eu não conheço Joseph Anderson.Por favor,saia.
---Eu saio, mas eu vou conversar com uma certa família chamada Caponeone.
Issobari escuta e fala:
---Por favor, espere!Eu confesso.
---Pode falando que eu estou escutando.
Issobari Vicliono bebe o whisky e bota o copo na mesa de centro e senta que começa a falar:
---Eu financiava Joseph Anderson de 1982 até 1984 quando estava fugindo da Interpol e da polícia francesa que ele tinha o meu chalé na Suíça como base. Depois disso, aqui no Brasil eu estava sendo investigado pelo SNI (Serviço Nacional de Investigação) pelo envolvimento com Joseph Anderson e por crime financeiro. Tive que parar de financiar ele e tentou me matar. E passou a me chantagear e usou fotos de minha amante e uma das minhas fotos foi parar nas mãos de minha esposa Andreza Franchesini Vicliono e me pediu divórcio.
---E como a máfia entra nessa história?
---Minha ex-esposa é sobrinha de Luigi Caponeone e quando soube, mandou um dos seus advogados e eu fiz duas coisas que me arrependo: Transferi o controle do meu banco para Luigi e divorciei dela e tomou parte do meu patrimônio. A festa era para eu arrecadar dinheiro para saldar dividas. Joseph Anderson me procurou e nós armamos o assalto.
---E o tiro que ele deu?
---Foi planejado que foi de chumbo leve e o sangue foi falso.
---E o seu filho? Também sabia?
---Não sabia de nada,eu juro. E o que você vai fazer comigo.
Teixeira levanta e pega uma faca no seu sapato que diz:
---Quando eu estava no Japão, eu vi uma pessoa desonrar uma empresa e escolheu ele usar o hara-kiri para ele se matar. Mas como você é siciliano, você tem duas alternativas: Cortar o seu dedo ou você enfiar a faca no seu peito.
---Essa é a melhor solução?
---Tem outra: Volte para Sicília e fica por uns tempos e não contarei para a família Caponeone o que aconteceu.
---Vou aceitar a segunda opção.
---Ótimo. Faça isso que Joseph matou uma pessoa e se souber que eu estive aqui, te mata.
---Vou seguir o seu conselho. E o meu filho?
---Terá a minha proteção. E eu já vou.
Teixeira levanta e sai calmamente que pega a sua pistola com o segurança e o seu carro que ao sair, percebe um carro parado no portão da mansão de Issobari Vicliono e finja que não viu que o carro acompanha Teixeira que Teixeira leva o carro para uma rua deserta e para o seu Aston Martin e no cofre do carro, retira um pequeno porrete e deixa o carro ligado. Quando o carro parou, Teixeira deu uma porretada e quebra o vidro do motorista e arranca o motorista que fala:
---Quem te mandou?
---Vá pro inferno!
---Resposta errada!
Teixeira a pega e dar uma surra que o motorista fala:
---Eu falo. Eu fui mandado pelo Joseph Anderson para te vigiar e...
Mal terminou de falar, surge dois motoqueiros e atira contra o Doutor Max e revida, disparando a sua Glock que os motoqueiros são rápidos e liquidam o capanga e fogem. Depois, chega à polícia e os policiais levam Teixeira a delegacia que ele foi levado ao delegado de plantão Moura Fagundes de Sagres:
---Sr. Teixeira, você poderia dizer o que estava fazendo naquela rua armado?
---Fui vitima de uma tocaia e só isso que vou falar.
---O senhor é traficante?
---Não!
---Olha aqui: Se não falar alguma coisa, vai pro xadrez.
Alguém bate a porta e fala Moura:
---Quem é?
---Boa tarde, delegado Moura que sou advogado de Teixeira Matias de Albuquerque, Samuel Vargas do Amaral e quero que solte ele. Seus superiores estão a par da situação.
---Espera um pouco que vou checar na Central.
O delegado disca e ouve a declaração que desliga e fala:
---O senhor está livre e como tem porte de arma, pode levar.
Teixeira sai e fala com o seu advogado:
---Obrigado, Samuel por me tirar da delegacia.
---As ordens, Teixeira.
---Eu quero que me faça um favor.
---Qual?
---Eu quero que verifique o patrimônio de Joseph Anderson e suas contas que ele tentou me matar e não descansará.
---Eu entendi. Até, Teixeira.
Teixeira entra no seu carro e volta para a sua mansão que percebe que a porta está aberta que saca a sua Glock e entra que viu uma sacola na sua poltrona e surpreende o sujeito e fala:
---Mãos pra cima.
---Pai, não atira que sou eu, Hunac.
---Hunac, que está fazendo aqui?
---Eu estou de férias, esqueceu?
---Eu esqueci! Mas, Hunac você veio numa pior hora que estou...
---O que houve?
---Nada! Como dizia, estou num caso perigoso que quero que vá para a casa de seu avô João em Blumenau.
---Eu ia pra lá, mas o vôo vai sair amanhã.
---Então dorme aqui e vai logo cedo.
Teixeira sobre no seu quarto e toma banho que vista a sua roupa. De manhã, o seu filho Hunac já saiu e depois de tomar um café, vai para a Baixada Fluminense em São João de Meriti na casa de seu amigo Palmeira onde senta na cadeira que Palmeira fala:
---Acabei que consultar com o tenente Damasco que cuida da Capitania dos Portos em Angra e me falou que uma firma chamada JA Imobiliária Ltda. adquiriu uma ilha perto de Ilha Grande e construiu um conjunto de casas e uma mansão. Depois de alguns dias, veio pessoas misteriosas que alugaram 22 barcos e levaram equipamentos, roupas e móveis para essa ilha e o que é mais esquisito é que o dono da JA Imobiliária Ltda. nunca apareceu. E eu descobri que o dono da firma era Joseph Anderson e a firma é uma empresa que cuja sede é nas Ilhas Jersey e a outra sede é em Montevidéu, Uruguai.
---Faz sentido que ele lava dinheiro de contrabando nessa firma e o dinheiro volta limpo. E o que mais descobriu?
---Descobri que ele fez uma mini-cidade e tem muitas rotas de fuga. Consegui uma planta da mansão que ele tem 22 guardas vigiando e na ala norte, ele tem um helicóptero de fuga.
---Ótimo que Palmeira, reúna 50 homens que vamos invadir a ilha e capturar Joseph Anderson e seu filho Joseph Neto. Depois que reunir eles, freta um ônibus irem para Angra dos Reis que encontro com vocês lá.
---Certo!
Teixeira entra no carro e sai de São João de Meriti e ao voltar para sua mansão, retira a sua sacola e pede que Morais arruma ela e depois, vai no galpão anexo a mansão que digita um código e abre a porta do galpão onde esconde armas, equipamentos e vestes de combate que no armário de armas, pega uma escopeta Spas 12, uma metralhadora Gõnicz e uma Ruger GP-100 de 6 tiros; no armário de equipamentos, pega um taser e três caixas de munição para a escopeta, a metralhadora e a pistola e no armário de suas vestes de combate, pega uma roupa negra com um capuz. Junta tudo em duas pastas de fibra e leva para fora da sua casa depois de trancar o galpão e volta para a sua mansão que avisa ao seu mordomo:
---Coloque com a minha sacola essas pastas.
---Mais alguma coisa?
---É só, por enquanto.
Teixeira vai para o ginásio particular e começa a treinar para invadir a base de Joseph Anderson e treina no saco de areia que o mordomo Morais interrompe e fala:
---Me desculpe, senhor Teixeira é que seus filhos estão no telefone.
---Parece que hoje é o dia. Bote no viva-voz.
O mordomo Morais ativa o viva-voz e fala o primeiro que é o sub-tenente israelense, Issac Rabins Schinelder Teixeira:
---Pai, é o Issac que eu soube pela Joanna que você está caçando Joseph Anderson.
---Como soube?
---Eu tenho contratos na embaixada da França em Tel-aviv e Joseph Anderson está na lista negra do governo francês.
---Escuta, Issac eu não quero que envolva nesse caso.
---Mas, pai...
---Sem mas, filho que peço que não comente aos seus irmãos que é um assunto pessoal. Desligando.
Depois de desligar, outro filho aparece que é sua filha mais nova, Paula da Veiga Teixeira que ela fala:
---Pai, você está bem?
---Sim, filha que onde você está?
---Estou na casa da tia Sara em Santos e eu só liguei que vou pro Rio para passar as férias.
---Olha, Paula, prefiro que fique com sua tia que tenho uma missão aqui e não quero que fique ferida. Depois de darei mais detalhes. Até logo.
---Tchau, pai.
Teixeira desliga e pega a foto que tirou com os seus filhos e diz:
--- “Prefiro que não envolvam nessa caçada que Joseph é mais ardiloso e pode vingar de vocês”.
Toma um banho que senta no sofá e liga a televisão que de repente viu um boletim na televisão e aumenta:
---Interrompemos o programa para uma dar uma noticia exclusiva: O banqueiro e dono do Banco Internacional da Sicília, Issobari Vicliono foi assassinado na sua residência em São Conrado e no local, está ao vivo o repórter Julio Gláucio. É com você, Júlio.
---Bom dia que estou com o detetive Pacheco que vai contar como aconteceu.
---O banqueiro foi morto com um tiro na cabeça e pela localização, foi morto no seu quarto.
---E teve sinais de arrombamento?
---Isso só a perícia pode responder. Com licença.
Teixeira desliga que pega a sua agenda e liga para o seu agente de campo, Pacheco Paulo Schinelder e fala:
---Eu soube da morte de Issobari, Pacheco e por que ele não saiu da sua mansão?
---Eu já chequei isso e Issobari teve uma visita antes de morrer e foi uma mulher.
---Mulher? Esposa dele?
---Sim que depois, ela saiu e ele escreveu uma carta, mas a carta está em poder da Polícia Federal. Vou pra o IML e depois te ligo.
---Tudo bem e avise ao Ribeiro que ele se arruma que estou montando um grupo para invadir o covil de Joseph Anderson e se arruma também. Partiremos na madrugada rumo a Angra dos Reis. E Pacheco...
---Pode falar.
---Lembre-se do acordo: Nada de comentar esse caso para a imprensa que seu afilhado Isasac me ligou e soube que eu vim caçar Joseph Anderson e pedi para não entrar neste caso. Se isso vazar, todo mundo vai saber que tem um terrorista free-lance aqui.
---Pode ficar tranqüilo que não terá vazamento.
---Assim espero. Esteja preparado.
Teixeira desligue e vai dormir cedo que da manhã coloca as suas bagagens na sua caminhonete Belina com capota e sai do Rio de Janeiro em direção a Angra dos Reis onde na estrada, viu o ônibus fretado pelo Palmeira que aciona o rádio UHF da caminhonete e fala:
---Parabéns, Palmeira pelo ônibus que pegou Pacheco e meu colega Ribeiro?
---Sim que esse ônibus é do meu cunhado que trabalha numa empresa de ônibus em Nova Iguaçu e eu pintei para parecer um ônibus de turismo e trouxe os 50 homens, vindos da AMAN e dos Pára-quedistas da Vila Militar de Deodoro.
---Ótimo que me siga que vamos parar em pousadas escolhidas por mim. Cambio final.
Teixeira e o ônibus vão para as pousadas e finalmente, chega a Angra dos Reis que Teixeira para a caminhonete num hotel perto da marina e desçam os 50 homens que manda Ribeiro e Pacheco pegarem as suas bagagens. Teixeira entra na recepção e vai ao balcão que fala com o recepcionista:
---Bom dia!
---Bom dia, senhor...
---Teixeira Santos, sou repórter do Correio Brasilense e trouxe minha equipe para filmar as praias de Angra dos Reis e eu reservei 50 quartos.
---Só um momento.
O recepcionista digita no terminal e acha que fala:
---Sim, as reservas estão no seu nome que aqui estão as chaves. Quantos dias?
---2 semanas.
---Muito bem. Aproveitem a estadia.
Teixeira dar um molho de chaves para os 50 homens que o Ribeiro e Pacheco ficam numa pensão perto do hotel junto com Palmeira e Teixeira fica na sua casa perto do hotel e da pensão onde na sua casa é um mini QG que usa o seu rádio-amador de ondas curtas e fala:
---Torre 1 para Torre 2, responda.
---Torre 2 falando!
---Vamos para a ilha ao anoitecer que tome cuidado que recebi informes que agentes de Joseph Anderson estão nos observando.
---Estamos tomando cuidados.
---Tubo bem. Próxima mensagem, 22:30h.
Teixeira desliga que vai dormir que um carro para no portão de sua casa e saem três homens encapuzados armados com pistolas Beretta M9SF com silenciadores e arrombam o cadeado do portão e entram na casa que um deles fala:
---Ele está dormindo lá em cima. Sigam-me.
Os três sobem as escadas e arrombam a porta do quarto e descarregam as pistolas na cama que um deles fala:
---Vá verificar.
---Eu?
---Você ou eu mato aqui mesmo.
---T-tá bom.
Quando foi verificar, Teixeira estava embaixo da cama com uma escopeta e fala:
---Não tentem nada que eu posso matar os três aqui. Joguem as armas.
Os três joguem que Teixeira pega três pares de algemas e diz pros três:
---Coloquem as algemas e fiquem aí.
Teixeira liga para a polícia onde prendem os três e vai interrogá-los que pede pros policiais saírem e fala pros três:
---Foi o Joseph Anderson que mandou vocês para me apagarem?
---Só falaremos na frente de nossos advogados.
---Muito bem!
Teixeira pega um cano de ferro e dar de contra a mesa e quebra que aponta o cano e diz:
---Não me provoquem que fui treinado pelo Mossad com 35 técnicas de tortura e uma delas posso arrancar a confissão através desse cano.
---Tá bom, você nos convenceu. Foi o nosso chefe que nos recrutou para matá-lo.
---Onde está escondido?
---Não sabemos e mesmo se nós soubéssemos, nós não contaríamos a você.
---Não vou insistir. Depois nos falamos.
Teixeira sai e os três estão na sala que entra um policial e diz:
---Vamos para a cela.
Ao levar os três, ele saca uma pistola com silenciador e mata os três e limpa as digitais da arma. Na sua casa, Teixeira Matias de Albuquerque soube da morte e liga o rádio e fala:
---Torre 1 para Torre 2, responda.
---Torre 2 na escuta.
---Está na hora da ação. Reúne a equipe na marina e peguem os barcos. Mande os homens saírem do hotel.
---Mais alguma coisa?
---É só! Cambio final.
Teixeira desliga o radioamador e pega as suas duas malas de fibra que abre e começa a se arrumar que monta a sua Gõnicz, recarga a sua arma pessoal Ruger GP-100 com balas explosivas, coloca bateria de 220 volts no taser, recarga a escopeta e veste o seu traje negro reforçado com uma mini-placa de chumbo que pega um capote cinza e veste por cima do traje, ocultando as suas armas que as munições ficam numa sacola revestida de tinta negra que ao sair da sua casa, pega a sua motocicleta CB-400 Honda e vai para a marina que chega onde está à equipe e fala:
---Pessoal, chegou à hora que a invasão para a ilha será em três equipes: Equipe Alfa será liderada pelo Pacheco Paulo Schinelder que terá 20 homens; Equipe Beta será liderada pelo inspetor Ribeiro Carlos de Paiva e terá 20 homens e Equipe Omega será liderada por mim. Palmeira, fique aqui caso Joseph Anderson e seu filho fujam.
No terceiro capitulo, o cerco contra Joseph Anderson.
[Fim do Capitulo Dois: A Anatomia de Um Roubo.]
A Caçada ao Terrorista Joseph Anderson

Capitulo Três: Faca de Dois Gumes

Rio de Janeiro,1988. Dia Três...

Três barcos camuflados vão para a ilha do Joseph Anderson onde desembarcam os 53 homens de Teixeira que Teixeira reúna os lideres das Equipes Alfa e Beta, Pacheco e Ribeiro e fala:
---Eu fiz um mapa que Pacheco, leve a sua equipe para a parte sul da ilha e peguem os que podem fugir e Ribeiro, vai com sua equipe para o portão principal. Eu com minha equipe, vamos por trás para pegar Joseph Anderson.
---Então, vai cercá-los por todos os lados.
---Sim que sincronizem os relógios que aguardem o meu sinal. Vamos.
Os grupos se dividem que na mini-cidade, Joseph Anderson está no seu escritório pensando que chega o seu filho Joseph Neto que fala:
---Algum problema, papa?
---Não, filho que peço que mandem todos ficarem de alerta e prepare o helicóptero no caso de nós dois fugir.
---Está com medo desse tal Doutor Max?
---Estou que eu recebi informes de alguns amigos meus que ele é incansável e pela primeira vez, vou enfrentar uma pessoa que tem muita astúcia. Faz o que pedi e me deixe sozinho.
Joseph Neto deixa os aposentos do pai e Joseph Anderson retira uma Colt Anaconda calibre 45 prateada e uma caixa de munição que bota as balas no tambor e fecha que fala:
---Pode vim que eu estou preparado, Doutor Max.
Senta na cadeira e espera que a equipe de Teixeira entra na mata que Teixeira para e faz um sinal para o pessoal pararem que o soldado da AMAN, cabo Soares chega perto dele e diz:
---O que houve, senhor?
---Eu vi dois sentinelas. Mande todos ficarem abaixados que eu dou cabo nos sentinelas.
---Sim!
O cabo Soares manda todo mundo abaixar que Teixeira dispara dois dardos venenosos e mata as sentinelas que avançam e chegam na parte de trás do muro que Teixeira explode a porta que viu que todos estão dormindo e pega o morteiro e dispara que dar o sinal para as equipes atacarem que os capangas de Joseph Anderson acordem e são recebidos á bala. Um rastro de destruição começa que Joseph Anderson sai da sua casa armado com sua pistola e um fuzil que fala:
---Doutor Max, se quer eu, pode vir que estou saindo.
Joseph Anderson atira que Teixeira fala:
--Me derem cobertura.
Teixeira corre atirando com a sua metralhadora e Joseph Anderson tenta acertá-lo, mas Teixeira consegue entrar na mansão de Joseph Anderson que Ribeiro fala:
---Pacheco, vai pegar os soldados de Anderson que vou ajudar o Doutor Max.
---Tenha cuidado!
Ribeiro pega o seu M-16 e vai encontro de Teixeira que lá dentro, Teixeira recarga a suas armas e sobe com elas engatilhadas e Ribeiro chega e fala:
---Onde está ele?
---Ele foi para uma saída no porão que vou à frente e mantenha os olhos bem abertos.
---Tá legal.
Teixeira e Ribeiro descem as escadas que vai para o porão e viram o Joseph Anderson e fala Teixeira:
---Não se mexa, Anderson e deixe suas mãos aonde posso ver.
---Claro, detetive.
Quando o Joseph levanta, aparece Joseph Neto apontando uma escopeta na cabeça de Ribeiro e diz:
---Jogue as suas armas ou o inspetor vai virar massa de tomate.
Teixeira joga e Joseph Anderson fala:
---Há muito tempo que sonhei este encontro que agora, vou finalizar a sua carreira, Doutor Max.
---Muitos já tentaram e todos foram parar numa cova rasa de cemitério. Se quiser tentar, vai fundo.
---Você está louco, Doutor Max...
---Cale a boca.
Joseph Neto dar uma coronhada na cabeça de Ribeiro que este cai que Joseph Anderson mira na cabeça e fala:
---Adíos, Doutor Max.
Quando Joseph Anderson engatilha a arma, surge Pacheco que Joseph Neto dispara a escopeta e Teixeira se abaixa e pega a sua escopeta Spas 12 e fere Joseph Neto no braço e Joseph Anderson revida atirando. Acerta Pacheco e Teixeira descarrega a sua Ruger no Joseph Anderson e não consegue acertá-lo que leva o filho ferido. Teixeira levanta Pacheco e Ribeiro recobre os sentidos e fala:
---Meu Deus! O que houve...
---Joseph acertou Pacheco que leve ele para o hospital.
---Eu vou com você [ai].
---Pacheco, o ferimento foi no braço e tem que estar imobilizado.
---Tudo bem e tome cuidado.
---Vou tomar!
Teixeira rasga a manga da veste e faz uma tipóia para imobilizar o braço de Pacheco e recarga as armas que vai para a passagem secreta que vai ao hangar secreto de Joseph Anderson onde bota o filho no helicóptero que chega o Teixeira e descarrega a sua metralhadora e entra no helicóptero. Teixeira viu um mini-helicóptero e entra que no ar, começa uma batalha no ar que Teixeira pega o seu rádio e fala:
---Palmeira, mande os policiais cercar o heliporto que os dois estão indo pra lá.
---Ok, Teixeira.
Manobrando o mini-helicóptero, Teixeira fica rente no helicóptero de Anderson e dispara a sua Gõnicz que acerta a fuselagem do helicóptero, mas Anderson viu um barco de turistas e joga o helicóptero contra o barco, fazendo que Teixeira desce e joga o mini-helicóptero no do Anderson causando uma explosão que acerta Teixeira. O barco para e os turistas socorrem ele que na marina, Teixeira fala com Palmeira:
---Acharam os corpos?
---Nada, Teixeira que ninguém escapou da explosão.
---Se eu escapei, Anderson e seu filho também escaparam.
---Teixeira, vou levar você para o hospital.
---Estou bem. Leve-me para a minha casa.
Na marina, surge Joseph Anderson com o seu filho ferido que rouba um carro e fala:
---Agüente filho que vou te levar para um amigo que é médico e depois, vamos voltar para o Rio para fugir para São Paulo.
---T-tá bem, “coff”, pai.
Enquanto isso, na mansão de Teixeira em Angra, ele tem os ferimentos curados pelo seu mordomo Sergipe Sebastião, ex-enfermeiro que depois que Sebastião sai, Palmeira conversa com ele:
---Teixeira, o esquece que eu já dei ordens pra a Policia Federal e agentes do SEMAR ficarem de olho em portos e aeroportos para pegar os dois.
---Não posso esquecer, Palmeira que foi ele que matou meu cunhado Jean Pierre Moon de France naquele ônibus e deve pagar o que fez.
---Quando eu te conheci, era um homem correto e de uns tempos pra cá, mudou.
---Se eu quero um sermão, consulto um padre.
---Não quero brigar com você e eu te dou um aviso: Termine isso e volte para a sua esposa.
Palmeira sai e Teixeira fica calado e na biblioteca, pega um livro de capa dura que é um álbum de fotografias e folheia que pega a foto de sua primeira esposa e mãe de Allan Carlos Raywood Teixeira, Mary Raywood Shields e fala:
---Mary, você foi a pessoa que me incentivou a viver. Eu...
Teixeira bota as duas mãos e chora, deixando cair o seu álbum e a foto de Mary. Numa clinica afastada do centro de Angra dos Reis, Joseph Neto está sendo cuidado pelo doutor Saldanha Figueira enquanto o Joseph Anderson fica na sala de espera que quando acaba, Saldanha vai à sala e fala:
---José, ele está bem que uns dois dias de repouso, vai ficar novo em folha.
---Saldanha, não me chame de José, me chame de Joseph Anderson que eu não posso ficar aqui que aquele desgraçado do Doutor Max cercou Angra dos Reis que preciso fugir de qualquer maneira.
---Escuta, Joseph, seu filho ainda não está em condições de sair daqui. Mas eu posso te ajudar.
---Como?
---Eu ainda tenho aquelas carteiras falsas de médico e use-as para pegar o ônibus que vai pro Rio.
---Obrigado Saldanha que onde está às carteiras?
---Aqui.
Joseph Anderson abre a gaveta e pega duas carteiras de médico que fala:
---Você já cumpriu o seu papel.
Joseph Anderson usa o silenciador e mata Saldanha que este cai na prateleira. Joseph Anderson limpa a arma e acorda Joseph Neto e leva para o carro roubado e volta para a clinica que pega analgésicos e rolos de gaze, tesoura, iodo e esparadrapo para o filho. Depois, esconde o corpo de Saldanha no armário e que fecha a clinica e arranca com o carro. No dia seguinte, Teixeira é acordado no sofá pelo mordomo Sergipe:
---Senhor...
---Uahh! O que foi, Sergipe?
---Está passando mal?
---Não que eu dormi no sofá. Que horas são?
---São 10:30.
---Droga. Alguém ligou?
---É que eu ia dizer: o sargento Palmeira ligou que acharam uma pista de Joseph Anderson.
---Tá bom, Sebastião. Prepare o meu café e pegue umas roupas limpas que vou tomar um banho.
---Sim, senhor.
Teixeira vai ao banheiro e tira a roupa que toma um banho rápido e toma o seu café da manhã que liga para o Palmeira:
---Palmeira, você tem alguma notícia dos dois?
---Sim e não, Teixeira.
---Como assim?
---Sim que encontramos uma Parati usada pelo Joseph Anderson e Joseph Neto que pertence ao funcionário de uma companhia de ônibus aqui de Angra e depois, recebemos uma chamada anônima vindo de um bairro afastado de Angra e nos levou a clínica do clinico-geral Saldanha Figueira e encontramo-lo morto. E não que ele limpou todas as evidências.
---Ele é profissional. Onde você está?
---No hotel que já paguei o pessoal da missão e os mandei para casa.
---Ótimo e o Ribeiro, está com você!
---Sim quem não está conosco é Pacheco que mandei de volta pro Rio.
---Eu vou pra aí e mande fotos dos dois para a estação de ônibus e marinas de Angra que temos que pegá-los o quanto antes.
---Entendi. Tchau, Teixeira.
Teixeira coloca o fone do gancho e veste as suas roupas e chama um táxi que na rodoviária, Joseph Anderson aborda dois médicos que fala:
---Por favor, meu filho está passando mal no banheiro.
---Meu Deus. Daniel, vem comigo.---Disse o médico.
---Sim, pai.
Quando os dois entram no banheiro, Joseph Neto dá uma coronhada com o cabo da vassoura que os dois perdem os sentidos que os dois peguem as roupas dos médicos e Joseph Anderson amarra os dois com as meias dos sapatos dos dois. Depois os tranque nas cabines que saem livremente que Joseph Anderson fala:
---Com estes disfarces, ninguém vai nos barrar que vamos para o embarque.
O dois vão para o guichê da empresa de ônibus que o atendente olha os dois que fala:
---São médicos?
---Sim que eu e meu amigo estamos indo para o Rio para operar um paciente.
---Aguardem um instante.
O atendente se levanta e chama o segurança que Joseph Anderson fala para o filho:
---Eles descobriram a farsa. Filho, quando eu dizer já, corre para aquela caminhonete parada. JÁ!
Os dois correm que os seguranças da rodoviária atiram e Joseph Anderson dispara que mata um e fere três. Joseph Neto pega a caminhonete e saíram da rodoviária...
[Fim do Capitulo Três: Faca de Dois Gumes]
A Caçada ao Terrorista Joseph Anderson

Capitulo Quatro: Meu Ódio Será Tua Herança

Rio de Janeiro, 1988. Dia Quatro...

Avisado pelo posto policial da rodoviária, Teixeira entra em perseguição juntamente com o inspetor Ribeiro e com o seu compadre Palmeira que utiliza uma Mercedes Benz blindada e com um rádio para se comunicar com a Policia Rodoviária Federal para interceptar Joseph Anderson e seu filho. Ribeiro fala:
---Devagar, Doutor que tem motoristas na frente.
---Calma que eu estou vendo que Palmeira, consultou o mapa?
---Já consultei que se não me engano, eles estão indo para Itaguaí.
---Vou alertar as autoridades que...
---O que foi?---Pergunta Palmeira.
---Eu já vi os dois que agora eu pego eles.
Teixeira engata a marcha e dar zigue-zague na rodovia e chega perto de Joseph Anderson e Joseph Neto fala:
---Pai, é ele.
---Desgraçado. Quantas balas têm na metralhadora?
---20!
---Descarregue nele.
Joseph Neto quebra o vidro e dispara que aterroriza os motoristas que Teixeira pega a Glock e dispara que acerta Joseph Neto e Teixeira fala:
---Vou emparelhar com ele e tirá-lo da estrada.
Teixeira emparelha e Joseph Anderson abre o vidro e joga uma granada e acerta o carro de Teixeira e capota três vezes que Joseph Anderson viu no retrovisor, duas viaturas da PRF vindo em sua direção que pega a metralhadora do filho e descarrega as ultimas balas e detona as viaturas que consegue escapar com o filho ferido. Na rodovia, um rasto de destruição que Teixeira Matias de Albuquerque sai da sua Mercedes destruída e retira Palmeira que teve um corte na testa e Ribeiro escoriações no rosto que Teixeira teve ferimentos na mão direita e um corte no supercílio. Chega ambulância que o paramédico fala:
---Sr. Teixeira, não se mexa que estou fazendo pontos no seu supercílio esquerdo.
---Tá legal. “ai”.
---Eu falei pra não se mexer.
---Desculpe.
---Pronto, acabei. Não é melhor ir para um hospital tirar uma radiografia?
---Não precisa que vá ver os meus colegas.
Teixeira se levanta e fala com o Ribeiro:
---Inspetor, como está?
---Vou bem que os cortes não foram sérios. E o sargento?
---Vai para o hospital junto com outros motoristas que desta vez, Joseph Anderson e seu filho vão ser capturados. Tem condições de me acompanhar?
---Sim e você?
---Estou um pouco tonto, mas dar para acompanhar.
---Tudo bem.
Teixeira pega uma viatura da PRF que sai em disparada juntamente com o Ribeiro que com a caminhonete destroçada, Joseph Anderson consegue chegar ao Rio de Janeiro e perde a direção e bate o carro em Itaguaí onde a policia socorre e Joseph Anderson rende os policiais e leva o filho semiferido para o hospital da cidade que obriga os plantonistas a cuidarem dele que Joseph Anderson diz:
---Se acontecer alguma coisa com ele, vão fazer companhia para São Pedro, entenderam?
---Sim!
Quando os médicos estavam cuidando de Joseph Neto, um dos policiais consegue escapar e avisa os colegas que o hospital é cercado com 12 viaturas e o delegado pega o megafone e fala:
---Aqui quem fala é o delegado Nestor e liberte os reféns.
---Aqui está a resposta.
Joseph Anderson dispara lança-foguetes e explode as viaturas que os policiais engatilhem e o delegado fala:
---Não atirem que tem pessoas lá dentro.
E chega Teixeira com a viatura que fala com o delegado:
---Onde está ele?
---No 3º andar que quem é você?
---Depois eu falo. Vou invadir.
Teixeira pega uma escopeta e um colete com os policiais que o inspetor Ribeiro fala:
---Vou com você.
---Desta vez não, Ribeiro que fique aqui.
---Homem, ainda não está bem. Deixa ir com você!
---Tudo bem. Delegado, me dar mais uma escopeta e um colete.
Ribeiro veste o colete e pega a escopeta que entram pelos fundos e Joseph Anderson sai com o filho com a mão esquerda enfaixada e fica frente-a-frente com Ribeiro e Teixeira que Teixeira aponta a escopeta e fala:
---Acabou, Anderson.
---Nunca vai acabar, Doutor Max.
Anderson dispara a sua Uzi e o Teixeira e Ribeiro responde. Um pânico toma conta do posto que os policiais entram e consegue retirar todos do prédio. Anderson e seu filho conseguem escapar que Teixeira joga a escopeta e com sua Colt 45, fere o Joseph Anderson no momento que ia entrar num Passat e sair correndo. Teixeira percebe que não viu o Ribeiro e volta para os fundos que viu Ribeiro ferido que uma bala trespassou o colete que Teixeira rasga o colete e fala:
---Um médico por aqui, rápido.
Dois paramédicos entram pelos fundos e socorrem o Ribeiro que fala um paramédico para Teixeira:
---Ele está bem que vamos cuidar dele. O delegado quer falar com você.
---Agora não dá que vou caçar aquele louco antes que mate mais alguém.
Teixeira sai do posto e pega da viatura da PRF, a sua sacola de armas e pega uma moto que o motociclista fala:
---Minha moto.
Teixeira dar um cavalo de pau e pega a estrada que vai para Niterói onde na Ponte Rio-Niterói, viu Joseph Anderson e Joseph Neto no Passat roubado que no retrovisor, Joseph Anderson viu e diz:
---Esse cara parece que é o Exterminador do Futuro. Vou terminar essa perseguição agora.
Joseph Anderson retira da sua mochila, tachas pontiagudas e joga que Teixeira desvia e acelera que saca a sua Rossi calibre 38 e atira no pneu que provoca pânico dos motoristas e Joseph Neto responde que chegam nas Docas e o Joseph Anderson arrebenta o portão do cais e Teixeira dispara e acerta o radiador do Passat que capota o carro duas vezes que para a moto e Joseph Anderson sai cambiando e com o rosto todo cortado e com o braço sangrando que Teixeira aponta a sua arma e fala:
---Eu devia te matar, mas não vou me rebaixar a você. Vou resolver isso na porrada.
---[tchuf] Eu concordo!
Teixeira joga a sua sacola e Anderson as suas armas que Joseph Neto sai do carro e diz:
---Pega ele, pai.
Teixeira começa dando dois chutes e socos e Joseph Anderson dar golpes com a sua faca e fere ele que Teixeira rasga a camisa e enrola que investe com uma seqüência de golpes que atordoa Joseph Anderson e Joseph Neto dispara duas balas que acertam Teixeira na perna e outra no braço que Joseph Anderson fala:
---Obrigado, filho que Doutor Max, vou terminar o que eu não fiz na minha ilha.
---Se me matar, terá 1000 inimigos na sua cola.
---Não me importo. Adeus, Doutor Max.
Quando ia atirar, Joseph Anderson recebe um tiro que viu que é o compadre de Teixeira, sargento Palmeira Cruz Neto que cai agonizando de dor e Joseph Neto tenta fugir, mas é cercado por agentes da Polícia Federal que se rende. O cais do Porto fica cercado de curiosos e um batalhão de jornalistas que os fotógrafos tentam tirar uma foto de Doutor Max, mas são impedidos pelos seguranças de Teixeira e pelo sargento Palmeira que diz:
---Saiam da frente, seus urubus, saiam.
---Mas, sargento o que houve?
---Depois.
---Mas...
---Agora não dá.
Teixeira vai numa ambulância e Joseph Anderson na outra que na primeira, Palmeira fala:
---Agüenta companheiro.
--Chame o meu irmão Roberto Vaz Teixeira que ele é confiável.
---Tá bom que eu vou telefonar agora. Pode ir.
A ambulância leva Teixeira para o Hospital dos Servidores do Estado e Joseph Anderson vai para o Hospital Miguel Couto escoltado por federais. A noticia da captura de Joseph Anderson e Joseph Neto é noticiado em telejornais que um jornalista fala:
---Interrompemos a transmissão para dar uma noticia: O famoso terrorista Joseph Anderson cujo nome verdadeiro é José Roberto Nivarinõn da Silva foi preso juntamente com seu filho Joseph Neto depois de uma caçada que começou em Angra dos Reis e terminou na Zona Portuária no Rio que foi pego pelo misterioso Doutor Max que cuja sua identidade foi mantida em sigilo por ordem das autoridades que tanto Joseph como Doutor Max foram socorridos e do HSV fala o repórter Campos para maiores informações.
---Boa noite que o misterioso Doutor Max está sendo operado agora a pouco que não podemos entrar por causa de uma barreira de 50 seguranças. Tentamos falar com a direção do hospital, mas fomos informados que não pode dar mais informações.
---Fique de plantão que nós retornaremos a falar.
---Ok!
Na sala de cirurgia, chega o cirurgião e irmão de Teixeira, Roberto Vaz Teixeira que olha as radiografias do irmão que fala:
---Segundo as radiografias do paciente Teixeira Matias de Albuquerque, a bala está alojada na panturrilha esquerda e a outra está alojada no ombro direito. Usaremos anestesia geral e prepare o paciente.
Roberto Vaz Teixeira se prepara com ajuda de um enfermeiro e começa a operação que dura 3 horas que na sala de espera, está Palmeira Cruz Neto juntamente com alguns familiares de Teixeira: o irmão mais novo de Teixeira, o vereador de Joinville, Henfilnon Campos Albuquerque; a filha de Teixeira, Paula da Veiga dos Paulos Teixeira e o ex-cunhado e irmão da advogada Maria Josefa dos Paulos, o promotor José Campista Paulos que Henfilnon fala com Palmeira:
---Palmeira, você vai contar o que aconteceu?
---Sim que Teixeira estava na captura de Joseph Anderson e eu juntei com Pacheco e com o inspetor Ribeiro para ajudá-lo nessa caçada que o resto, você já sabe.
---Deus, eu pedi que ele parasse com essa coisa de contra-espionagem e não me deu ouvidos.
---Tio, por favor que eu sei que o trabalho do papai é arriscado, mas ele teve que cumprir essa missão.---Fala Paula.
---Desculpe, Paula que eu não contei isso ao seu avô João que ele pode passar mal. Quando soube que ele se feriu, peguei o primeiro vôo para cá. E Roberto, agora não deu noticias.
---Henfilnon, se acalma e vai tomar um café.---Fala o promotor José Campista.
---Eu vou seguir o seu conselho, Zé. E você, Palmeira, vai um copo?
---Sim e sem açúcar, por favor.
---E você, Paula?
---Não, tio.
Henfilnon sai que na sala de cirurgia, Roberto retira as balas e checa os batimentos de Teixeira que fala com o seu auxiliar:
---Suture os ferimentos que eu vou à sala de espera.
---Tudo bem, doutor.
Roberto sai da sala e retira as luvas e a mascara que vai falar com o pessoal que todos se levantem que Roberto fala:
---Ele está bem que já retirei as balas.
---Graças a Deus!---Exclama a filha de Teixeira, Paula.
---Quanto tempo ele vai ficar aqui?
---Vai ficar em observação em 72 horas e se não tiver nada, libero ele.
---Eu já falei com a direção do hospital para não deixar ninguém entrar aqui, Roberto---Fala o Henfilnon.
---Fez bem que peço que vão para casa que qualquer coisa, falo com vocês.
---Não eu fico, tio.
---Tudo bem, Paula que vou mandar preparar o quarto.
---Tá bem.
Os três saem do hospital que são cercados pelos repórteres de emissoras de rádio e TV que os seguranças formam o cordão de isolamento e os três conseguem fugir da imprensa em carros separados escoltados por seguranças de Henfilnon. No Hospital Miguel Couto, Joseph Anderson já foi operado e fica no quarto vigiado por um policial federal quanto o seu filho, Joseph Neto está no Presídio Hélio Gomes numa cela separada dos demais. No dia seguinte, a noticia da captura foi manchete dos principais jornais do Rio que Teixeira Matias de Albuquerque foi transferido para uma clinica particular na Gávea que na clinica, chega dois carros com placa do Consulado Geral da França e no primeiro carro, sai o representante do Ministério da Justiça Francesa e juiz federal, Pierre Fontaine de Quebec juntamente com o seu assistente, escrivão Afonsine Paul Lux e no segundo carro, agentes da Guarda Nacional Francesa (GNF) designados pelo governo francês de escoltar Joseph Anderson e Joseph Neto e proteger Pierre que vão para o quarto de Teixeira que entra o Pierre e seu assistente e os cincos agentes ficam vigiando que Pierre fala com Teixeira:
---Há quanto tempo nos vemos, monsieur Teixeira?
---Muito tempo, Pierre. Vejo que está afiado no português.
---Sim. Eu vim aqui que o governo francês já preparou o julgamento de Joseph Anderson e o seu filho Joseph Neto. Eu quero a sua assinatura para fazer o pedido de extradição dos dois já que sua cidadania brasileira foi falsificada.
---O Itamaraty já foi comunicado?
---Já que o Supremo Tribunal Federal deu autorização e só falta você assinar.
---Ok. E o transporte?
---Já foi providenciado que vai numa aeronave paga pelo meu governo. Afonsine...
---Oui?
---Por favor, a autorização.
Afonsine tira da maleta de couro, um papel com o carimbo do STF que Teixeira lê e assina. Pierre e Afonsine saem juntamente com os agentes que primeiro vão para o Presídio Helio Gomes para pegar Joseph Neto que a principio, tentou agredir os agentes, mais foi e no Hospital Penitenciário, Joseph Anderson foi levado de cadeira de rodas e o seu advogado português, Vasco Valentim foi com eles para ser o advogado de defesa. Eles foram para o Santos Dumont onde a comitiva foi cercada por repórteres que os agentes da GNF juntamente com os seguranças do aeroporto impedem que um pequeno tumulto se origina que é contornado pela Policia Federal e por seguranças da Infraero que quando a comitiva chega à área de embarque, chega Teixeira Matias de Albuquerque com uma bengala e o seu braço na tipóia junto com o seu compadre Pacheco Paulo Schinelder que o advogado de Paulo diz:
---O que você está fazendo aqui?
---Sr. Vasco, eu vim aqui para me despedir.
---Eu tenho uma ordem judicial que proíbe você chegar no meu cliente e...
---Sr. Vasco, cale-se que ele tem autorização que vamos. Adieu, Teixeira e nos veremos na França.---Fala Pierre puxando o advogado Vasco no braço.
---Adieu, Pierre.
O jato vai embora... No quinto capitulo começa o julgamento de Joseph Anderson e do seu filho Joseph Neto.
[Fim do Capitulo Quatro: Meu Ódio Será Tua Herança.]
A Caçada ao Terrorista Joseph Anderson

Capitulo Cinco: Julgamento do Terror

Aeroporto Santos Dumont, 1988. Dia Cinco...

O jato em que está os agentes da GNF juntamente com o juiz federal Pierre Fontaine de Quebec, o escrivão Afonsine e o terrorista Joseph Anderson e Joseph Neto partam que fazem escala no Galeão e depois, vão para São Paulo onde param em Los Angeles, EUA para reabastecer e chegam a Paris por volta de 9:40 da manhã onde desçam numa pista isolada que chegam um furgão da policia e 30 carros que o comandante fala com o juiz federal:
---<Para onde levaremos os dois?*>(*Traduzido do francês)
---<Nós vamos para a rota que eu indiquei. Não quero correr o risco de alguns companheiros dele virem resgatá-lo junto do seu filho.>
---<Entendi! Vamos pegar os dois.>
O sargento Juste Lucien entra no jato e primeiro, coloca coletes á prova de balas em Anderson e Neto e depois, bota algemas nos dois que leva os dois no furgão e o juiz federal juntamente com o seu assistente vão numa Mercedes blindada e o advogado de Anderson e Neto, Vasco Valentim vai ao furgão que o sargento diz:
---<Podemos ir.>
O comboio sai e no furgão, o advogado Vasco fala:
---Sr. Anderson, eu li o processo do atentado e posso dizer que o crime não se prescreveu.
---Vasco, se tem algum trunfo?
---Tenho que vou alegar que você tem problemas de saúde.
---Mas eu não estou doente.
---É a única forma de você e seu filho saírem de uma condenação. Você sabe muito bem que a justiça francesa é cruel com terroristas.
---Mas, Vasco, vão descobrir.
---Sr. Anderson, eu tentarei de tudo para evitar uma pena maior.
---Eu espero que se me condene, você estará morto.
---Estás me ameaçando, o gajo?
---Entenda como quiser.
---Calma aí, papa que não complique a nossa situação.
---Desculpe, Giovanni. Qual o próximo passo?
---Deixa isso comigo.
Enquanto conversam, o comboio passa numa rua onde manifestantes apedrejam o furgão que os manifestantes são parentes e amigos das crianças mortas por Anderson e o comboio consegue sair e chegam ao prédio da Suprema Corte francesa onde a repórter fala:
---<Senhor Vasco, como será a estratégia da defesa?>
---<Eu falarei só depois do julgamento. Com licença.>
O advogado sobre as escadarias e pai e filho saiam também escoltados por policiais franceses e os manifestantes tentam bater nos dois e são reprimidos pela GNF. Lá dentro, os réus são separados e ficam na cela dentro do tribunal. O repórter da RAI fala:
---<Boa tarde. Sou Palestra Santos e estou neste momento no tribunal onde será julgamento do perigoso terrorista Joseph Anderson da morte de crianças em 1974 durante o atentado do senador Jospin Lucien e junto com ele, está Joseph Neto, seu filho. O júri está formado por 34 pessoas e quem vai presidir o julgamento são 3 pessoas: O juiz e membro do Tribunal Internacional de Justiça, Garzon Lopez Gusman, a juíza Margaret Montserrat de La Córsega e o promotor especialista de Direito Internacional, José Gualdi Viegas. Por segurança, os réus estão de colete e somente repórteres credenciados podem cobrir o julgamento. Vou me despedir que o julgamento não pode ser filmado.>
O repórter da RAI sai que entra os convidados do julgamento, os repórteres separados por um cordão de isolamento e os jurados que por último, os réus que vários flashes ofuscam a visão que os dois sentam juntamente com o advogado Vasco Valentim. O merino chega e fala:
---<Todos de pé para a comissão julgadora do julgamento de O Povo Versus Joseph Anderson.>
Os três entram que o juiz Garzon fala:
---<Está em sessão o julgamento dos réus José Roberto Nivarinõn da Silva, alcunha de Joseph Anderson e de seu filho Giovanni Roberto da Silva Bastos, alcunha de Joseph Neto que esta sessão é presidida por mim e pelos meus colegas.>
Joseph Anderson fica calado que enquanto isso, no Brasil, Teixeira Matias de Albuquerque fica se recuperando dos ferimentos da caçada que teve com Joseph Anderson na sua casa de veraneio em Petrópolis, Região Serrana do Rio de Janeiro. Ele fica vendo o noticiário que fala com o filho mais velho, Hunac:
---Espero que esse canalha pague o que fez.
---Pai, por que você não foi ao julgamento?
---Ainda estou me recuperando, mas mandei um representante para Paris. Mudando de assunto, como vai o estudo?
---Tudo bem que estou conseguindo uma bolsa de estudos para estudar no México.
---E as garotas?
---Estou indo devagar, pai.
---Tudo bem, é normal que se lembre que eu não quero você e seus irmãos assumir meu cargo.
---Tá legal. Eu vou providenciar um chá-mate pra nós.
---Pode ir.
Em Paris, num apartamento próximo a Suprema Corte, uma pessoa fica olhando o noticiário e depois abre a sua pasta e arma uma pistola que sai do apartamento e na seqüência, saem 11 pessoas que elas cheguem a Suprema Corte que uma policial barra e diz:
---<Não podem passar aqui que é área restrita.>
---<Me desculpe. Somos da TV5 e estamos credenciados para cobrir o julgamento.>
---<A identificação, por favor.>
O jornalista mostra a identificação e a policial libera que as 12 pessoas entram e separam que um deles chega ao plenário e se posiciona atrás dos jurados e os outros onze ficam espalhados que o advogado Vasco Valentim começa a argumentar:
---<Senhores e senhora membros da comissão, meu cliente aqui presente não é culpado do assassinato das 23 crianças e isso foi uma fatalidade.>
---<Uma fatalidade? Senhor Valentim, essas crianças estavam indo para a escola e foram mortas. Devo ressaltar que o seu cliente matou 23 crianças na época e ele fugiu.>
---<Então esse julgamento é uma farsa que incluíram o filho de meu cliente nesse julgamento.>
---<Senhor advogado, modere o tom nesta corte.>---Finaliza o juiz Garzon.
---<Perdão.>
O julgamento prossegue que o repórter da TV 5 sai de perto dos jurados e saca uma pistola e mata os seguranças que provoca um tulmuto e os falsos cinegrafistas jogam granadas de gás lacrimogêneo que produz uma fumaça que o falso repórter diz:
---<Garcia, peguem os dois.>
O Garcia corre e pega os dois e agentes da GNF e a polícia entra no prédio que fala o sargento Juste Lucien:
---<Agem com cautela.>
Uma fumaça que os 12 homens levam Joseph Anderson e Joseph Neto para o terraço que é cercado que o líder joga granadas e matam os policiais que recomeça um tiroteio que chega um helicóptero e o líder diz:
---<Protegem os dois. Lopez, dispara neles.>
O piloto dispara a metralhadora que mata 32 soldados e desce a escada que os terroristas sobrem e o Joseph Anderson diz:
---<Quem são vocês?>
---<Isso não é hora pra falar isso. Suba>
Joseph Anderson e Joseph Neto sobrem e o helicóptero levanta vôo. Os policiais entram no prédio e encontram um rasto de destruição que o sargento da policia francesa, Juste Lucien fala:
---<Mande socorro médico que temos feridos e isolem o prédio: Ninguém entra. Quero que a GNF veja aonde vai o helicóptero.>
---<Sim, senhor>
---<E Godard, localize Doutor Max que a situação é critica. Outra coisa: Não quero repórteres aqui.>
O prédio é cercado que no Brasil, Teixeira soube o que aconteceu e imediatamente, recebe a ligação do agente Godard que Teixeira diz:
---<Eu já soube do ocorrido que estarei aí na França de manhã.>
---<Sim, senhor.>
Teixeira desliga que o filho Hunac fala:
---O que houve, pai?
---Joseph Anderson foi resgatado por um grupo terrorista e preciso ir para a França para acompanhar as investigações.
---Quer que eu...
---Não, Hunac. Você vai voltar para os Estados Unidos que mandarei noticias de lá.
---Tudo bem. Tome cuidado que você está se recuperando da caçada.
---Obrigado, filho.
Hunac abraça o pai e pega a sua sacola e sai. Teixeira pede o mordomo preparar as bagagens e de manhã, sai o Teixeira de sua casa em Petrópolis dirigindo a sua limusine Lincoln verde blindada sendo escoltado por um Santana azul de seus seguranças que chega no Rio de Janeiro e troca de carro que vai para o aeroporto e pega o primeiro vôo para a França onde ficou na classe econômica e pediu um guaraná. Depois de parar em São Paulo, Los Angeles e Londres, Teixeira chega na França aonde vai numa locadora de veículos e fala para a recepcionista:
---<Por favor, eu queria alugar um carro.>
---<Pra quantos dias?>
---<Dois dias.>
---<O senhor está com sorte que temos um Mercedes azul.>
---<Serve!>
---<Por favor, os seus documentos.>
Teixeira mostra a sua carteira de motorista expedita pelo Automóvel Club do Brasil e sua identidade da Interpol francesa que a recepcionista dar a chave do carro que vai para o centro de Paris aonde vai à sede da policia francesa que entra e diz para o plantonista:
---<Por favor, eu gostaria de falar com o sargento Juste Lucien.>
---<O senhor é Doutor Max?>
---<Sim.>
---<Por favor, me acompanhe.>
Teixeira vai com plantonista que abre a porta e ele diz:
---<Sargento, o Doutor Max está aqui.>
---<Mande entrar, tenente e fecha a porta.>
O tenente deixa entrar que o sargento levanta e fala:
---Não precisa falar em francês que eu sei falar a sua língua.
---Aonde aprendeu?
---Na Universidade de Coimbra que meus trisavôs são portugueses.
---Então, vou dispensar a tradução. Eu vim aqui que soube que Joseph Anderson e seu filho foram resgatados por um grupo de 12 pessoas. Você tem alguma pista?
---Tenho que foram alugados 12 apartamentos perto do prédio da Suprema Corte e ao vasculhar os 12 apartamentos, vimos que limparam todos eles e os recibos do aluguel foram queimados. Cruzamos todos os serviços públicos de transporte francês: ônibus, trem e metrô para ver se foram para outras cidades e nada.
---E os aeroportos?
---Também nada. Eles são profissionais que as companhias aéreas já foram notificadas.
---Menos mal que sargento, ver se consiga pegar nomes de algumas facções que foram responsáveis pelo resgate.
---Certo!
---Outra coisa que eu queria saber que quantos mortos e feridos desse atentado?
---48 mortos. Desses, 32 eram os meus homens. De feridos, 38 e incluindo o advogado dos dois, Vasco Valentim e o juiz Garzon Lopez Gusman. Os outros juizes escaparam ilesos.
---Pode deixar que eles vão ser vingados. Eu vou indo.
Teixeira levanta e cumprimenta o sargento que pega o carro e vai para o seu apartamento localizado em Arc de Triunfe onde é recebido pelo seu secretário particular, Gilbert Carpi que Teixeira fala:
---Há quanto tempo, Gilbert.
---Muito tempo, monsieur Teixeira.
---Por favor, guarde as minhas bagagens que eu vou tomar um banho. E telefona para minha esposa em Bordeaux.
---Sim, senhor e ah, o seu diretor da Teixeira Financiamentos S.A em Castela ligou pedindo você analisar o financiamento daquela fabrica de sabão.
---Quem foi?
---Castelo Pereira!
---Mande-o enviar o financiamento para o escritório central da TF em Lisboa e pedirei o Alpendre Manuel repassar aqui em Paris. E por enquanto é só.
O secretario sai que Teixeira pega no seu guarda-roupa um robe, uma calça de malha e uma toalha que vai ao banheiro e fecha. Enquanto isso, na Suíça, um carro chega a uma mansão em Zurique que sai Joseph Anderson e Joseph Neto encapuzados e levados por homens que libertaram que eles vão para o saguão e o líder manda-os sentarem que chega um homem trajando um sobretudo que fala para o líder:
---<Pode retirar os capuzes>
O líder retira e Joseph Anderson reconheça e diz com ar de espanto:
---É você mesmo?
---Sim, José: sou Xavier Lorca.
---Mas você morreu naquela emboscada do exército boliviano.
---Isto é o que pensaram. Eu direi o que aconteceu, mas antes...
Xavier chama o líder e fala com os dois:
---Esse é o capitão Antônio Sagraz de La Rocha, membro do Grupo Democrático da Mão Negra, um grupo paramilitar patrocinado por mim. Eu estava vigiando as suas atividades e inclusive a caçada que teve no Brasil.
---Tá bom, mas você ainda não me disse como escapou daquele cerco em La Paz.
---Está bem que se sente e Giovanni, quer descansar?
---Não, eu...
---Giovanni, vá descansar que a conversa é longa.
---Tá bom, papa.
Joseph Neto sai que o Antônio fica de guarda na porta que Xavier começa a falar:
---Quando o exército boliviano cercou o nosso QG, eu estava no paiol que explodiu e lançou eu no celeiro. Eu fiquei desacordado que você e os nossos homens tentavam derrotar o exército boliviano e não conseguiam.
---Ainda sinto o cheiro daqueles cadáveres e como escapou?
---Me fingi de morto: peguei uma farda e me vesti e tomei uma pílula que simulou um coma. Passei 2 anos no hospital militar até ser resgatado pelos meus homens. Foi abafado que sai da Bolívia e fui para a Guiana Francesa onde arranjei um nome falso e fiz uma fortuna como traficante de drogas. Eu li que você escapou da Bolívia e fiquei monitorando as suas atividades, inclusive aquele atentado.
---Então tem um comércio de drogas?
---Tinha que fui traído pelos meus homens e novamente fui caçado e juntei parte da minha fortuna e vim para a Europa que hoje, comando uma rede de contrabando de armas e financio alguns grupos de contras na América Central. Utilizo uma empresa de importação, a Lorca Imported e um banco, o Bank Xavier Enterprises como negócios paralelos.
---Por que libertou a mim e ao meu filho?
---Porque meu sócio tem planos para vocês dois.
---Peraí: que sócio?
---Não posso falar que ele é um homem bastante poderoso. Na hora certa você vai conhecê-lo.
---Xavier, eu estou preocupado que a policia francesa está me procurando e...
---Já cuidei disso que meu grupo destruiu qualquer indicio e sua viagem da França para aqui em Zurique foi registrada com nomes falsos. Agora, vá dormir que temos que cuidar de negócios de manhã. E outra coisa, José: Na Europa, sou conhecido como Xavier Sanchez. Só o capitão Antônio sabe que sou Xavier Lorca. Boa noite.
Joseph Anderson sai acompanhado que Xavier Lorca pega o telefone e liga para uma mansão em Miami, Estados Unidos que atende um homem que fala Xavier:
---Sr. P, sou eu Xavier.
---Pode falar, Xavier que eu já liguei o bloqueador.
---Soltei Joseph Anderson e seu filho que já encobri os rastos.
---Ótimo, que eu pretendo ir ai na Suíça para convencê-lo a nos unir e mantenha sob vigilância, Xavier.
---Sim, senhor. E o tal Doutor Max?
---Deixa ele comigo. E cumpra a sua obrigação. Desligo.
O misterioso Senhor P desliga que pega uma fotografia de Doutor Max e diz:
---Parece que os nossos caminhos se cruzaram outra vez, meu caro sobrinho. Desta vez, terá um fim que merece.
Ele guarda a foto na sua gaveta que chega a sua namorada e fala:
---Com quem está falando, querido?
---Com um amigo que está pronta?
---Estou!
---Ótimo que vamos para o nosso restaurante predileto.
Enquanto isso, no apartamento de Teixeira, Teixeira analisa a autopsia dos mortos na Suprema Corte que ele vê com o sargento Juste Lucien e fala:
---Os projeteis eram de material especial que pelo que analisei, nenhum se encaixa no meu catalogo de projeteis. E as câmeras de segurança do prédio?
---Conseguiram filmar uma parte da confusão e os peritos estão analisando.
---Parece que estamos á estaca zero, mas vou pedir que meus agentes da Teixeira Spy de Investigações Mundiais fazer um pente fino nos apartamentos. Bom, eu vou dormir.
---Eu também já vou. Adieu, Teixeira.
O sargento sai que o secretário de Teixeira fala:
---Posso guardar o jantar?
---Sim, pode que vou dormir. Pode ir, Gilbert.
---Bom, eu já vou.
Gilbert sai e Teixeira fecha a porta e vá dormir. No dia seguinte, acorda e vai tomar o seu café que o Gilbert leva o jornal Le Monde e que o Teixeira lê que o telefone toca e o Teixeira fala:
---Pode deixar que eu atenda, Gilbert.
Teixeira pega o telefone e fala:
---Alô?
---Doutor Max, sou eu, agente Santina
---Pode falar.
---Achamos uma pista que pode dizer o paradeiro de Joseph Anderson e seu filho. Nos encontre em Champs Elizée.
---Eu estou indo...
No sexto capitulo, momentos decisivos da caçada ao terrorista Joseph Anderson e muitas revelações sobre o misterioso senhor P.
[Fim do Capitulo Cinco: Julgamento do Terror]


A Caçada ao Terrorista Joseph Anderson

Capitulo Sexto: A Outra Face

Suíça, 1988. Dia Seis...

Na mansão de Xavier Lorca, Joseph Anderson acorda e pega um robe que o filho acorda também que os dois vão tomar café na cozinha onde aparece Xavier Lorca, de roupão e com uma suíça de baby-doll que Xavier fala:
---Bom dia!
---Bom dia, mas quem é a mina?
---Minha terceira esposa, Judite Lamonge e ela não falar o nosso idioma. Podemos falar de negócios que ela não vai entender.
---Corta essa, Xa...
---Calma, pai
---Desculpe que eu estou nervoso. Quando é que seu sócio vem?
---De tarde. Judite, pode sair que depois nos conversamos.
Judite sai que Joseph Neto a olha que Joseph Anderson puxa o braço dele e fala:
---Quer morrer, Giovanni?
---M-me desculpa, papa.
---Fez bem, Joseph e não abuse da sorte, garoto.
O Joseph Neto engole em seco e vai tomando o café que Antônio chega na cozinha e fala alguma coisa no ouvido de Xavier que este levanta e diz pros dois:
---José e Giovanni, para o hall que ele chegou.
O três vão que chegam no hall que viram o misterioso senhor P com os seus guarda-costas que pedem que os três sentem que manda os guarda-costas ficarem lá fora que o Senhor P acende o charuto e fala:
---Bom dia, srs., que meu nome é Paulo Guarani de Souza Paulista, mas no mundo do contrabando, sou Senhor P e como vocês já estão sabendo, eu lhes libertei do julgamento em Paris.
---Escuta aqui, senhor Paulo, eu quero saber por que nos libertou?
---Eu tenho uma proposta a fazer pra você e seu filho.
---Que proposta?
---Eu ofereço cem milhões de dólares para ser meu distribuidor de meu contrabando e seu filho ajudará nos negócios.
---Mas porque nos escolheu?
---Pelas suas habilidades de guerrilha que eu estou com o seu dossiê e pelas informações dadas a Xavier, você se candidatam.
---Mas você está esquecendo de um detalhe: Eu sou uma pessoa marcada e qualquer país que esteja, sou extraditado.
---Não precisa se preocupar que você e seu filho terão proteção de minha organização.
---Tudo bem, eu vou aceitar, mas o que eu e meu filho ganha em troca?
---Em troca, não quero que pegue Doutor Max que este é meu.
Joseph Anderson fica calado por alguns instantes e fala com o Paulo:
---Mas porque não quer que eu pegue Doutor Max?
---Por que eu não quero e são assuntos de caráter pessoal e não insiste que senão, o nosso acordo será desfeito e vocês dois vão virar um alvo marcado. Eu sei que você fez inimigos nos paises que visitou e inclusive um certo país chamado Afeganistão.
---Como você...
---Sabe? Sou muito poderoso e não me desafie. Aceitará ou não o acordo?
---Eu vou aceitar.
---Parece que nós estamos de acordo. Aqui está cinqüenta milhões e o restante, darei em Roma. As rotas, eu deixarei com Xavier. Outra coisa: você ficará com o seu nome-código juntamente com o seu filho e terá o Grupo Democrático da Mão Negra como um exercito particular. Nos veremos em Roma.
Paulo se levanta e não cumprimenta os dois que chama os guarda-costas e entra na sua limusine verde-metálica e sai da mansão de Xavier. No seu carro, telefona e fala com o motorista:
---Gerald...
---Sim, senhor?
---O pacote que mandei para Paris já foi entregue?
---Oui!
---Ótimo! Vamos ver ser ele vai gostar da surpresa.
Enquanto isso, na França, Doutor Max chega no edifício próximo a Suprema Corte dirigindo um Audi verde que levou o Mercedes para locadora que sai do carro e coloca o chapeu e óculos escuros que juntamente com os seus agentes, sobrem as escadas e chegam ao sindico do edifício que Doutor Max fala em francês:
---<Meu nome é Doutor Max e o seu?>
---<François Lapond que sou o sindico.>
---<Você falou para os meus agentes que tem uma pista dos seus ex-inquilinos.>
---<Tenho que aqui está>
Lapond mostra um livro de registros que este fala:
---<Quando o grupo alugou os apartamentos, eu pedi que resgitarem para eu fizesse recibos para guardar no meu arquivo particular.>
---<Então, aqui está os nomes?>
---<Sim e quando deixaram os apartamentos, um deles falou que iriam para Zurique.>
---<Obrigado! Eu quero que saia de Paris que eles podem caçá-lo.>
--<Entendi.>
Teixeira sai do edifício e ordena os seus agentes verificarem os vôos de Zurique com bases do registro que ele volta para o seu apartamento que viu um pacote em cima na sua mesa e pergunta para Gilbert:
---Gil, que pacote é esse?
---Veio do correio e não tem remetente. Eu não abri.
---Fez bem que vá ao meu quarto e pega meu kit antibombas.
Gilbert pega e Teixeira com um estetocópico, tenta escutar e não ouve nada e com uma micro-câmera, tenta ver e viu uma fita cassete que com o seu canivete, abre o pacote e pega a fita e viu um papel com os dizeres: VEJA A FITA! e leva a fita para a sua sala de vídeo e coloca a fita no videocassete e dar o play que ele viu a imagem do seu tio que ele assista:
---Meu caro sobrinho, se você está vendo essa fita, é por que eu consegui sair da prisão. Eu consegui graças aos meus advogados e alguns “favores”. Eu ajudei a escapar Joseph Anderson pra ser o instrumento de minha vingança contra você por ter me prendido durante 10 anos e durante a minha soltura, aumentei o meu império criminoso e se quer me pegar, venha em Roma. Lembra-se de Roma? Foi nesse local que matei os seus agentes e será o local para a sua morte. Adeus, Teixeira ou melhor dizendo...Doutor Max.
A fita acaba que Teixeira retira a fita e joga violentamente contra a parede e fala para o seu secretário:
---Gilbert, saia.
---Mas...
---Será que eu falei grego, SAIA.
Gilbert sai que Teixeira senta no sofá e começa a relembrar o assassinato de sua mãe, a advogada criminal Maria Francisca Henfilnon Albuquerque que a mãe era agente da Policia Federal e investigava tráfico de drogas em Blumenau e descobre que o irmão Paulo era o chefe.Durante uma perseguição, ordenou a execução da irmã. O pai de Teixeira que na época era vereador de Blumenau, João Campos Henfilnon Albuquerque soube disso e juntamente com o irmão Jack Tobias de Albuquerque Torn, consegue pendê-lo e foi julgado que no primeiro julgamento foi solto, mas no segundo, foi condenado que na época, Teixeira soube da morte da mãe e fica revoltado que dessa tragédia, nasceu Doutor Max.
Teixeira levanta e pega a fotografia da mãe e fala:
---Mãe, eu vou cumprir o juramento até o fim que ele vai pagar e será agora.
Teixeira vai ao seu quarto e abre um armário embutido que neste armário, guarda um pequeno arsenal onde pega uma escopeta e munição, uma faca de caça, uma metralhadora AK-47 Kalistinov e uma pistola Beretta M92 Compact L onde pega 3 pentes de 13 balas e dois para metralhadora que ainda pega duas granadas HF-5 e um lança- foguete com dois foguetes que coloca tudo numa sacola e pega o telefone e disca um numero que cai num monastério franciscano perto de Roma onde atende um frei que fala:
---<Sim!>
---<Por favor, eu gostaria de falar com o frei Daniel.>
---<Quem quer falar com ele?>
---<Diga que é o seu irmão Teixeira e é urgente.>
O frei deixa o telefone fora do gancho e vai à clausura onde bate a porta que o frei Daniel Augusto Moreira Henfilnon, 29 anos fala:
---<Sim!>
---<Frei Augustus, sou eu, frei Antonius.>
---<Pode falar!>
---<Seu irmão Teixeira quer falar com você.>
Daniel abre a cela da clausura e desce as escadas onde atende ao telefone:
---Teixeira, o que houve?
---O nosso odiado tio está aqui.
---Meu Deus. Teixeira, você está pensando em...
---Isso mesmo: vingança e estou indo pra Roma.
---Teixeira, não faça isso que se matar ele, você será igual a ele.
---Mas ele matou nossa mãe, Daniel. Eu quero me vingar e peço que ore por mim.
---Teixeira, espere...
Teixeira desliga que Daniel bota o fone no gancho que fala com o frei Antonius:
---<Frei Antonius, vá ao meu quarto e pegue minha agenda.>
---<Sim, irmão.>
Frei Antonius pega a agenda e Daniel disca um numero e fala com uma pessoa nos Estados Unidos e desliga que ele vai para a capela e ora que fala:
---Meu Deus, protege o meu irmão e ilumine a cabeça dele.
Enquanto o Daniel reza, Teixeira pega a sua sacola com as suas armas e coloca na sua caminhonete Ford F-1000 que antes de sair, chama o sargento Juste Lucien e um exército de agentes [30 ao todo] que eles vão para o aeroporto de Charles de Guale onde Teixeira freta um jato modelo leader jet Fokker 100 com capacidade de 100 lugares onde ele fala para os seus homens:
---<Pessoal, segundo alguns informantes meus, Joseph Anderson e Joseph Neto estão em Roma e agem com cautela. Eu trouxe o sargento da policia francesa, Juste Lucien para coordenar a equipe. Outra coisa: Nós vamos agir disfarçados.>
---<Teremos auxílio da policia de Roma?>---Pergunta um dos agentes.
---<Sim, teremos e se acomodem.>
Teixeira vai à cabine e Juste Lucien fala:
---Você sabe pilotar avião?
---Sei que tenho brevê de piloto com 1500 horas de vôo e se quiser ser o meu co-piloto, pode sentar.
---Tá legal.
O Teixeira verifica os instrumentos do avião e liga onde taxeia o jato na pista e começa a levantar vôo que em 2 dias, chegam em Roma, Itália, capital mundial da moda aonde já chegou Joseph Anderson vestindo um terno Armand, camisa pólo verde e calça azul- piscina sentado num restaurante perto do centro de Roma e o seu filho Joseph Neto numa loja onde os dois estão sendo vigiados pelos agentes de Teixeira espalhados pela multidão que chega Paulo Guarani de Souza Paulista juntamente dos seus dois seguranças e senta-se à mesa do restaurante e fala com Joseph Anderson:
---Sou bom eu te encontrar aqui de novo, Joseph. Onde está o meu grupo?
---Estão por perto que eu estou vendo que estamos sendo vigiados.
---Já percebi que são os homens de Doutor Max,mas não estou vendo ele.
---Então, me dê a minha parte e saio fora.
---Tá bem. Coloque a sua mão esquerda embaixo da mesa e te darei o restante do dinheiro.
Joseph Anderson bota mão e Paulo dar o dinheiro e os dois levantam e quando eles levantam, um mendigo esbarra neles e os seguranças de Paulo separam que este cai. Levanta e fala:
---<Não devia ter feito isso.>
---<O que você disse, seu bêbado?>---Pergunta um dos seguranças.
---<Gino, o deixa.>
O segurança não ouve o colega e o mendigo dar uma surra e o mendigo se revela e é o Doutor Max que fala:
---Surpresa, canalhas. ALPHA.
Dada a ordem, os 30 agentes mais o sargento Juste Lucien aparecem apontando as armas para Joseph Anderson e Paulo Guarani de Souza Paulista que Paulo fala:
---Bravo, meu caro sobrinho e parece que estamos num impasse.
---Seu canalha, me entregou pra ele. Filho da...
---Anderson, mantenha as suas mãos aonde posso ver e você, “tio”, manda os seus seguranças jogarem as armas agora.---Diz Teixeira com a Kalistinov apontada.
---Está bem. Gino e Ferrera, joguem as armas.
Os seguranças jogam as armas que Teixeira recolha as armas e Juste Lucien algema os dois que pergunta para Joseph Anderson:
---Onde está o teu filho, Anderson.
---Aqui, canalhas.
Joseph Neto aparece metralhando que os agentes começam a atirar que o centro de Roma vira uma praça de guerra que Doutor Max se protege onde dar as ordens pros agentes tomarem cuidado que chega os policiais de Roma e são recebidos à bala que Teixeira retira a sua escopeta e pula que elimina dois homens do GDMN e mais cinco que aproveitando a confusão, Paulo e seus seguranças conseguem escapar que tomam um táxi e saiam. Joseph Anderson fala:
---Não vai fugir, cachorro. Vem, Giovanni.
Os dois correm atirando e pegam também um táxi que Juste Lucien fica na frente e fala:
---Nem tente, Joseph ou...
---Cala a boca!
Joseph Anderson desfere um tiro que acerta Juste Lucien em cheio e cai que arranca com o carro que o Teixeira viu e socorre Juste que fala:
---Não se mexa, Juste que a bala acertou o pulmão. Santina...
---Fala, chefe!
---Pegue o meu kit de primeiros-socorros. Rápido.
O agente Santina pega o kit de primeiros socorros e Teixeira arranca o colete e viu que a bala atravessou os dois lados e pega uma seringa e enfia uma bombinha de ar no buraco da bala e abre a válvula que entra ar que diz pro seu agente Santina:
---Santina, de 5 em 5 minutos, abre essa válvula para entrar ar e leve Juste para este hospital aqui de Roma. Agora, eu vou pegá-los de uma vez pro todas.
---Quer que eu...
---Não! Leve Juste Lucien ao hospital e auxilia a policia e os paramédicos com os feridos.
Teixeira pega a escopeta e sua sacola de armas que viu um carro com a chave na ignição e pega que o dono fala:
---<Peraí meu carro.>
---<É uma emergência!>
Teixeira dar um cavalo-de-pau e vai atrás dos quatro que nas ruas de Roma, uma perseguição de táxis provoca batidas e capotagens que chega Teixeira que Joseph Anderson olha no retrovisor e fala:
---Filho, derrube esse merda de uma vez por todas.
Joseph Neto quebra o vidro e atira contra Teixeira que estilhaça o vidro dianteiro e acerta o radiador que Teixeira perde a direção e bate num restaurante que sai do carro e corre que explode o carro e fere algumas pessoas que os policiais param ele e um deles fala:
---<Deixem-o passar que é o Doutor Max.>
---<Obrigado, sargento que estou requisitando a sua viatura.>
---<Pode levar, senhor.>
Teixeira pega a viatura e continua a perseguição. Os táxis chegam ao Coliseu e bate o táxi de Paulo com os seus capangas que entram no Coliseu e o táxi de Joseph Anderson para que sai que o Joseph Neto fala pro pai:
---Pai, vamos embora que já temos 100 milhões de dólares e...
---Não, meu filho que quem engana Joseph Anderson, paga com a vida e se não gostou, pode ir embora.
---Estou com você, pai e até o final.
Joseph Neto pega a sua pistola e uma escopeta que Joseph Anderson explode os táxis que freia Teixeira e sai da viatura que abre a sacola e se prepara para o confronto que fala:
---Todos estão aonde eu queria. Hora da caçada.
Teixeira entra nas ruínas do Coliseu armado até os dentes que ele não nota uma sombra de um homem entrando no Coliseu que Paulo, ferido no braço que os seus seguranças protegem ele e aparece Joseph Anderson com o seu filho que diz:
---Seu monte de estrume, me sacaneou e vai virar presunto.
---Nem tente que eu vou matar os dois agora. Gino e Ferrara, matem-nos.
Começa um tiroteio que em 10 minutos, Joseph Anderson liquida os capangas de Paulo e este levanta e aponta uma Smith&Wesson 45 e fala:
---Vou acabar com a sua raça.
---Vamos...
De repente, surge Teixeira armado e os dois apontam as armas que o Joseph Neto aponta pra ele e fala:
---Pai, ele esta na minha mira.
---Atire em mim e levo o seu pai para o tumulo. Abaixe a arma.
Paulo é o primeiro que atira e Teixeira pula e fere Joseph Neto nas pernas com tiros de sua Beretta e Paulo corre que Joseph Anderson investe contra ele e Teixeira se esconde numa parede e joga duas granadas e derruba o teto que fere ele e recarga a sua pistola e deixa a sua escopeta no chão. A pessoa misteriosa segue Teixeira e Paulo sai do Coliseu e chega o seu braço-direito, Xavier Lorca com uma Ferrari e leva Paulo ferido que fala:
---Xavier, vai sair daqui que vamos para Liverpool.
---Onde está Joseph Anderson e seu filho?
---Foram pegos e eu não vou voltar para cadeia. Vai, Xavier.
Xavier arranca o carro, mas Teixeira surge e mira o lança-foguetes e dispara que acerta um poste e a Ferrari bate que capota duas vezes e Teixeira vai de encontro dos dois que Xavier Lorca sai do carro e Teixeira dar um murro que derruba ele e tira Paulo das ferragens que pega os dois e sai que a Ferrari explode que Teixeira levanta Paulo e bota a sua Beretta na boca dele e diz:
---Sua hora chegou, “tio” e Adeus.
---Não faça isso, Teixeira.
Teixeira vira e ver que é o seu primo e filho do seu tio Jack, James Henry Torn Maciela que fala:
---Jim, por que está aqui?
---Daniel me ligou e eu peço que não o mate.
---Ele matou a minha mãe e terá que pagar.
---Se fizer isso, você será caçado. Ele já pagou e por favor, me dê a sua arma.
---Pra trás, Jim.
O James recua e de repente, aplica um golpe e desarma Teixeira e fala:
---Desculpa, primo que isto vai doer mais em mim do que em você.
James deu um murro e Teixeira cai inconsciente que Paulo fala:
---Obrigado, meu sobrinho.
---Não me chame de sobrinho, maldito que eu fiz isso em consideração ao Teixeira e fique quietinho.
James levanta Teixeira e quando está saindo, Paulo mira a sua arma e Teixeira empurra James e lança a faca que acerta a mão dele que cai de dor. Teixeira fala:
---Presta atenção, Paulo que eu deixarei viver que matar você não vai trazer minha mãe de volta. Mas você pagará tudo o que me fez com juros.
Teixeira o algema e fala:
---Paulo Guarani de Souza Paulista, você está preso.
---Não cante vitória que os meus advogados vão me soltar.
---Veremos! James, leve os dois que a missão está...
Teixeira cai que James o socorre. A policia de Roma pega Joseph Anderson e Joseph Neto que feridos, são levados para alguns hospitais escoltados. Já Xavier Lorca e Paulo Guarani de Souza Paulista foram direto à cadeia municipal de Roma, juntamente com os sobreviventes do Grupo Democrático da Mão Negra e inclusive Antonio Sagraz de La Rocha que Teixeira fica numa clinica no centro de Roma cercado de seus seguranças e total sigilo por parte da imprensa que fala com o primo:
---James, eu quero te agradecer por tudo.
---Eu fiz o que é correto, Teixeira. Eu estive naquela situação quando eu peguei Vigo de La Runntenan depois da morte de meu avô John Torn e hesitei. Você ia terminar a sua carreira ali mesmo.
---Eu não pensei em nada. Mudando de assunto, e minha tia, como está?
---Ela vai bem que agora, qual será o próximo passo?
---Eu já pedi que Joseph Anderson e Joseph Neto fossem transferidos a Paris e mandei botarem mais seguranças. Já os membros do GDMN e mais o seu líder Antônio Sagraz de La Rocha também vão a Paris, mas serão julgados em separado. Xavier Lorca foi extraditado para Bolívia onde tem alguns processos pendentes.
---E o Paulo?
---Esse é meu.
---Teixeira...
---Calma, James que não vou matá-lo, só vou transferir ele para um lugar aonde nunca vai mais sair. É melhor você ir que Nova Jérsei precisa do Detetive Impossível.
---Shiii! Ninguém pode saber que eu sou Detetive Impossível.
---Ninguém sabe e só eu e Roberto sabemos. Adeus, primo.
---Se cuida.
James sai da clinica que no dia seguinte, Teixeira sai da clínica aonde vai para a cadeia municipal de Roma onde fala para o guarda:
---Abra a cela n° 1200.
O guarda obedece e o Paulo se levanta e o Teixeira fala:
---Paulo, eu já consegui a sua custódia que se arrume.
Paulo se arruma e pega os seus pertences na sala de provas que Teixeira entra numa BMW junto com Paulo onde eles saem de Roma e vão até Turim onde param numa mansão que o Paulo diz:
---O que está acontecendo? Eu vou sair...
Teixeira dar um soco que atordoa Paulo e entra na mansão que é um hospital psiquiátrico mantido pelo Teixeira que fala com o diretor do hospital:
---<Cuide pra que ele não saia daqui.>
---<Pode deixar que o seu tio fique um bom tempo conosco, senhor.>
---<Não quero eletrochoque, só quero que ele fique vigiado 48 horas e sedado.>
---<Eu entendi. Ciao, Doutor Max.>
---<Ciao, doutor Massaro.>
Teixeira coloca os seus óculos escuros e sai do hospital que o Paulo fala:
---Guarde as minhas palavras, sobrinho: Você vai morrer.
Teixeira não escuta que volta para França que vai para a sua casa em Bordeaux onde é recebido pela filha Teresa Moon de Albuquerque e pela esposa Joanna Moon de France Albuquerque onde ele fala:
---Querida, aquele pesadelo que me atormentou durante 20 anos acabou.
---Sim, querido, eu soube e agora?
---Agora? Vamos terminar o assunto de Joseph Anderson e eu, você e Teresa vamos descansar na minha mansão em Blumenau.
---Pai, eu estou orgulhoso de você.
---Obrigado, minha filha e eu vou tomar um banho e dormir.
Teixeira vai ao banheiro e toma um banho e vai à cama que vem a sua esposa de robe de cor prateada e fala:
---Teresa está com as amigas e esta noite é só nossa.
---Estou contigo. Vem cá.
Os dois fazem amor que Teixeira levanta e vai tomar um café e Joanna o abraça e fala:
---O que houve, mon cher?
---Nada que eu gostaria de saber aonde o Joseph Anderson conseguiu arrumar um patrimônio.
---Querido, você descobriu alguma coisa?
---Não que...!
---O que houve?
---Tem alguém lá fora. Vá ao banheiro e fique na banheira que eu tenho uma escopeta embaixo da banheira.
Joanna vai ao banheiro que Teixeira pega uma espingarda de caça de dois canos e carregue e sai da sua mansão e corre na propriedade e viu um homem correndo e pula que dar uma coronhada e diz:
---Quem te mandou na minha casa para espionar, fala ou vai virar presunto?
---Eu vim em nome do capo Luigi Caponeone.
---Caponeone? O que ele quer comigo?
---Falar com você num café perto daqui. Aqui está o endereço.
---Então, pode dizer que vou. Agora, saia daqui.
O emissário de Luigi Caponeone some que Teixeira retorna na sua casa e fala:
---Querida, pode sair que é alarme falso.
---Teixeira, quem é?
---Um convite que vou me arrumar e chame os meus seguranças que vou para esse café.
Teixeira se arruma que coloca um punhal amarrado na sua perna e sai dirigindo um Corvette V8 e os seguranças ficam numa distância segura onde Teixeira chega ao Café Bordón onde desce do carro e antes de entrar no café, é revistado e não encontram o punhal que é conduzido pelos seguranças de Luigi e senta-se à mesa de Luigi que ele diz:
---É um prazer em conhecê-lo, sr. Teixeira.
---Deixa de rodeios e por que me chamou?
---Eu chamei que eu tenho documentos que podem incriminar Joseph Anderson.
---Por que não fez isso antes?
---Tenho motivos pessoais que você já sabe, siginiore Teixeira.
---Eu entendi. É por causa de Issobari?
---Sim que Issobari Vicliono me roubava e eu vigiei as suas atividades com Joseph e reuni uma vasta documentação. Joseph Anderson matou um primo meu em Milão que é era deputado e prejudicou meus negócios.
---Desculpe, sr. Luigi, seus “negócios” matam muitos jovens com cocaína e não faço acordos com mafiosos. Agora, me dar os documentos ou eu te entrego a Interpol italiana que tenho a sua ficha.
---Vejo que sabe jogar bem. Guilio...
---Sim!
---Entregue os documentos.
O capanga de Luigi abre a pasta e entregue um envelope pardo com os documentos que Teixeira verifica e viu extratos de contas em bancos de paraísos fiscais: Suíça, Ilhas Caimán e Ilhas Salomão e listas de 150 bens registrados em nome do filho de Joseph Anderson. Teixeira fecha o envelope e fala:
---Eu já vou, mas nem pense eu vou te cumprimentar. Adeus.
Teixeira sai que pega o seu Corvette V8 e dar o sinal para os seus seguranças que eles voltam à mansão e Teixeira entra. Liga para o promotor do julgamento de Joseph Anderson, Luc Maltes que o promotor chega na casa de Teixeira e Teixeira fala:
---<Luc, aqui está à prova que pode manter Joseph Anderson na cadeia.>
---<O que é isso?>
---<Todos os extratos bancários das contas de Joseph Anderson na Suíça, Ilhas Caimán e a lista de 150 bens que registrou em nome de Joseph Neto.>
---<Como conseguiu?>
---<Pelo capo Luigi Caponeone e quero que você não mencione o nome dele: Isso fica em sigilo.>
---<Eu entendi. Bom, eu já vou. Vai ao julgamento?>
---<Não que eu vou viajar para o Brasil que assistirei ao julgamento de lá, mas vou designar o meu diretor-chefe da TSIM- França para me representar.>
---<Então, boa viagem.>
O promotor Luc pega o envelope pardo e sai da mansão que Teixeira volta a dormir com sua esposa que ao acordar, toma um banho e toma um café com a sua esposa e filha que fala com as duas:
---Joanna e Teresa, nós vamos viajar para o Brasil que ficaremos na fazenda de meu pai em Erechim, RS que vamos assistir ao julgamento lá.
---Quando vamos?
---Hoje, no meu jato particular. Teresa, se arrume e vamos agora....

No ultimo capitulo, recomeça o julgamento de Joseph Anderson e muitas surpresas podem acontecer.
[Fim do Capitulo Sexo: A Outra Face]


A Caçada ao Terrorista Joseph Anderson

Capitulo Sétimo: Julgamento do Terror II [Final]

Paris, 1988. Dia Sete...

No aeroporto Charles de Guale, um jato da Força Aérea Italiana pousa numa pista isolada pela Guarda Nacional Francesa por causa da imprensa que quando abre a porta, sai Joseph Anderson algemado e escoltado por policiais do Serviço de Inteligência Francesa juntamente do filho Joseph Neto. Em seguida, os membros sobreviventes do Grupo Democrático da Mão Negra e o seu líder Antônio Sagraz de La Rocha que os policiais italianos entreguem os presos que entram no jato e voltem para Roma. O agente Godard Phillipe que ficou no lugar de Juste Lucien, fala:
---<Tenente, coloque os membros do GDMN nos furgões vermelhos juntamente com Antônio Sagraz de La Rocha e o Joseph Anderson e seu filho para o furgão branco.>
---<Sim, senhor.>
O tenente Pierre Lamas deu a ordem que todos se acomodem que Godard dar o sinal que uma comitiva de 34 carros saem do aeroporto em direção ao prédio da Suprema Corte que a multidão grita palavras de assassinos e os carros param na escadaria do Supremo que a multidão joga garrafas e pedras que os agentes da GNF e a policia francesa protegem os acusados com escudos e a multidão é dispensada com bombas de gás lacrimogêneo e pelo batalhão de choque que isolem o prédio. O espaço aéreo de Paris é vigiado por caças Mirage F-16 para evitar outro resgate. Dentro do prédio, mais segurança que somente 10 jornalistas podem assistir o julgamento que numa sala reservada, o advogado de Joseph Anderson e Joseph Neto, Vasco Valentim dar as ultimas instruções:
---Srs., sabem que este segundo julgamento, será difícil que vocês foram resgatados por uma facção terrorista e isso é uma munição para a acusação.
---Vasco, quais serão as minhas chances e o que vai acontecer com meu filho, se ele não está envolvido no atentado contra Jospin?
---Sr. Anderson, suas chances estão reduzidas e o Sr. Neto pode pegar 10 ou 12 anos. Tentarei um acordo.
---Estou nas suas mãos.
O guarda abre a porta e pede para o advogado sair que Joseph Anderson e Joseph Neto são conduzidos ao plenário que os membros do GDMN mais Antônio Sagraz de La Rocha serão julgados depois que os convidados foram reduzidos á 20 pessoas se acomodem que chega o promotor Luc Maltes com seu assistente e o advogado Vasco Valentim que o merino fala:
---<Todos de pé para a entrada da comissão julgadora.>
Todos ficam de pé que entra o juiz Garzon Lopez Gusman, a juíza Margaret Montserrat de La Córsega e o promotor José Gualdi Viegas que sentam todos que o juiz Garzon fala:
---<Está reaberta a sessão julgadora que neste julgamento, está arrolada 5 testemunhas. Eu passo a palavra a minha colega juíza Margaret.>
---<Eu começo o julgamento com a acusação com a sua testemunha.>
O promotor levanta e fala:
---<A acusação chama o inspetor Duvanier Claude.>
O merino abre a porta que chega o inspetor que investigou o atentado que o merino pega a bíblia e fala:
---<Jura dizer a verdade, somente a verdade e nada mais do que a verdade?>
---<Sim, eu juro!>
---<Pode sentar.>
O inspetor senta que Luc começa com a testemunha:
---<Senhor inspetor, você era encarregado da investigação sobre o atentado que morreu 23 crianças em 1974, correto?>
---Sim!
---<Podia relatar ao júri o que aconteceu?>
---<Eu fui o primeiro a chegar que segundo as testemunhas, um homem estava vendo um jornal em frente à casa do senador Jospin Lucien e saiu que colocou um embrulho numa lixeira perto da casa e foi embora. Quando o senador saiu de casa, o ônibus escolar estava passando e houve uma explosão que atingiu o ônibus e atingiu Jospin. Quando eu cheguei, ajudei os paramédicos com as vitimas, mas era tarde demais: Os 23 alunos estavam mortos e vi os corpos despedaçados. Como a rua estava no meu quarteirão, botei meu pessoal para caçar Joseph Anderson.>
---<O senador Jospin Lucien foi o único que sobreviveu ao atentado?>
---<Não que o motorista Bertand Voltaire também sobreviveu, mas morreu em conseqüência dos ferimentos e antes de morrer, deu o retrato falado de Joseph Anderson. Com base do retrato, conseguimos pegar ele em Marselha, sul da França durante uma perseguição que durou 32 dias.>
---<Minha última pergunta: Qual foi o explosivo que utilizou?>
---<De acordo com o perito, foi um explosivo C-4 com um timer que estava com 20 minutos.>
---Obrigado, inspetor. A acusação encerra o seu depoimento.>
O promotor senta que o juiz Garzon fala:
---<Com a palavra a defesa.>
Vasco Valentim se levanta que chega perto de Duvanier Claude e começa a falar:
---<Senhor inspetor, você disse que o meu cliente estava na rua onde morou o senador Jospin Lucien e ele jogou um pacote numa lixeira, correto?>
---<Sim!>
---<Eu estive lendo o processo do meu cliente e vi que as testemunhas eram uma velha de 90 anos e um jovem estudante e vi que eles estavam no lado oposto da explosão e no processo foi relatado que foi no lado direito.>
---<Mas foi no lado direito.>
---<Deixa-me concluir: Também no processo, meu cliente estava usando roupas escuras, mas ele não estava usando roupas escuras, estava usando roupas claras.>
---<Protesto, meritíssimos, estas afirmações não constam nos autos.>
---<Nós aceitamos o seu pedido e senhor Valentim, vamos aos fatos.>---Fala Montserrat.
---<Desculpe o meu tom, membros da comissão que o quero dizer que meu cliente foi induzido a fazer a confissão.>
---<Desculpe, senhor Vasco, mas eu tenho uma cópia do depoimento e não contém nenhuma falha. Mas alguma pergunta?>---fala o promotor José.
---<Só uma: Inspetor, o meu cliente teve alguma reação quando você e sua equipe foram prendê-lo?>
---<Não que em nenhum momento, ele não reagiu.>
---Obrigado. A defesa não tem mais perguntas.>
---<Obrigado. Agora com a palavra a defesa.>
O advogado Vasco Valentim se levanta e fala:
---<A defesa chama o ex-advogado Falcone Moscatelli.>
O merino abra a porta e chama que o advogado do primeiro julgamento de Joseph Anderson entra que ele presta o julgamento e senta na cadeira onde o Vasco Valentim se levanta e começa a argumentar:
---<Senhor Falcone, você foi advogado do primeiro julgamento de meu cliente e pelo pesquisei, houve uma falha no julgamento e podia relatar qual foi à falha?>
---No julgamento de 1974, houve provas que não constavam no inquérito e uma das provas era um passaporte irlandês que foi expedito em 1966 e argumentei na época que o passaporte foi forjado.>
---<Então o passaporte foi “criado” e datavenha, meu cliente foi preso?>
---<Sim!>
---<Minha última pergunta: No primeiro julgamento, sofreu pressão na opinião pública?>
---<Não!>
---<A defesa não tem mais perguntas.>
O advogado Vasco Valentim volta para a sua mesa que o promotor Luc Maltes levanta e se dirige ao ex-advogado de Joseph Anderson:
---<Senhor Falcone, você disse que o primeiro julgamento do réu teve falhas e foi pressionado pela polícia para confessar o crime. E pelo que sei, as provas foram aceitas que eu tenho um exame grafotécnico emitido pelo perito Bonaparte Gilbert que validou o passaporte. Você alega ou não?>
---<Isso não pode afirmar que...>
---<Deixo eu te dizer uma coisa, senhor Falcone: O primeiro julgamento foi legal e se tiver prova, nos mostre.>
---<Eu protesto! A acusação está obrigando a minha testemunha a falar.>
---<Negado! Prossiga, promotor.>
---<Obrigado! Senhor Falcone, isso o que falou foi inventado pela defesa ou não?>
---<Sim!>
---<Então, eu encerro minha participação, membros do conselho.>
---<Obrigado, senhor Luc e a testemunha está liberada. Nós vamos ao intervalo.>--- Bate o juiz Garzon.
Joseph e seu filho vão para uma sala reservada longe da imprensa que o diretor-chefe da TSIM- França, Gilliard Bissau pega um telefone e disca para a fazenda do pai de Teixeira, o fazendeiro João Campos Henfilnon Albuquerque, 68 anos que quem atende é filha do Teixeira, Teresa:
---Pois não?
---O seu pai está, Teresa?
---Sim. Eu vou chamá-lo.
Teresa corre e chama o pai que o Teixeira manda a filha para cozinha e fala com o seu diretor:
---Gilliard, novidades sobre o julgamento?
---Parece que Joseph Anderson está numa sinuca de bico que tentou utilizar o seu ex-advogado, mas não deu certo.
---Ótimo que continue assistindo o julgamento e depois passa mais informações.
---Certo, senhor. Vou voltar para o julgamento agora. Desligando.
Teixeira coloca o fone no gancho que manda a sua empregada Ana Anais preparar um chimarrão e senta na varanda da casa-grande e toma vendo horizonte da fazenda. De volta ao julgamento, recomeça o julgamento:
---<Continuamos a sessão que com a palavra a defesa.>---Fala a juíza Margaret.
---<A defesa chama o doutor Basil Wolfgang.>
---<Que entre a testemunha.>
O merino chama a testemunha que o psiquiatra e autor de 2 livros, Basil Wolfgang senta na cadeira depois de prestar juramento que Vasco levanta e começa a falar com o psiquiatra:
---<Doutor Wolfgang, você foi o psiquiatra que fez um laudo psiquiátrico com o meu cliente no primeiro julgamento, correto?>
---<Sim!>
---<Por favor, relembre ao júri o que você falou>
---<De acordo com o meu laudo, José Roberto Nivarinõn da Silva tem uma esquizofrenia e uma psicose maníaco-depressiva que a origem foi à morte do pai e da mãe. Eu mostrei os exames para o juiz e não aceitou o meu argumento.>
---<Então, ele não pode ficar numa cadeia comum, tem que ficar num manicômio?>
---<Não posso fazer um julgamento prévio que minha ética não permite, senhor Vasco>
---<Eu entendi. Minha última pergunta: Com relação o filho de José que está ao lado do pai, herdou a psicose do meu cliente?>
---<Não!>
---<Não tenho mais perguntas, membros da comissão.>
---<Obrigado. Com a palavra, a acusação.>
Luc levanta que pega uma foto na sua pasta que mostra ao psiquiatra:
---<Reconhece essa foto, senhor Basil?>
---<Não sei de nada.>
---<Eu vou refrescar a sua memória: No dia 23 de março de 1960, a estudante Consuelo Viga de Montecristo foi violentada na Universidade de Guadañara, México e o senhor foi considerado culpado.>
---<Protesto, meritíssimos que esse crime não tem haver com o inquérito.>
---<Aceito. Senhor Maltes, o que esse caso tem haver com o réu?>
---<Senhor Gusman, o doutor Wolfgang foi chantageado pelo réu de fazer esse laudo senão, ele usaria o caso de esturpo para acabar com sua carreira.>
Um murmúrio toma conta do plenário que o juiz Garzon bate o martelo e diz:
---<Ordem no tribunal. Senhor Wolfgang, essa acusação é verdadeira ou falsa?>
---<E-eu...sim, é verdadeira que foi um deslize.>
Na platéia, a esposa Hilda Wolfgang fala:
---<Seu monstro. Não quero você nunca mais e afaste dos meus filhos.>
---<Segurança, retire-a do recinto.>
Os seguranças a peguem e leve para fora do plenário que Basil Wolfgang fica em estado de choque que se recompõe e fala:
---<Eu falsifiquei o laudo para ele evitasse uma pena maior e me deu dinheiro.>
---<Quanto?>
---<30 mil dólares que me deu 10 mil antes e 20 mil durante o processo.>
---<Sr. Wolfgang, sabe que será preso por falso testemunho e terá sua carteira de psiquiatra cassada, entendeu?>
---<Sim, é o preço por apoiar um terrorista.>
---<Com isso, encerro meu depoimento.>
---<Obrigado. Eu peço que entre um policial para que prenda Basil Wolfgang por falso testemunho e estupro.>---Fala o promotor José Gualdi Viegas
Basil é algemado que Joseph Anderson de raiva, quebra o lápis e olha Basil com um olhar de morte que o juiz Gusman fala:
---<Com a palavra a acusação.>
---<A acusação chama comendador Pierre Moon France de Clanton.>
O merino chama que o comendador e sogro de Teixeira, Pierre Moon France de Clanton, 65 anos entra no plenário com sua bengala de prata e um uniforme de almirante da Legião Estrangeira que presta o juramento olhando por Joseph Anderson e senta que o promotor levanta e fala:
---<Comendador, você era pai do estudante Jean Pierre Moon de France que estava no ônibus?>
---<Sim!>
---<Me desculpe em fazer lembrar da morte do seu filho...>
---<Tudo bem.>
---<Quando você recebeu a notícia?>
---<Eu estava na minha residência situada em Toulon quando eu vi o atentado pela televisão. Pedi por meu irmão que na época, era sargento da Guarda Nacional Francesa, Charles Avir Moon para checar e era verdade. Peguei um avião e fui reconhecer o corpo de meu filho e estava irreconhecível.>
---<O senhor tem outros filhos?>
---<Tenho cinco que minha primeira esposa faleceu depois que Jean morreu. Eu tive que ser forte e criá-los sozinho. Depois, soube que fugiu.>
---<O senhor foi no julgamento de 1974?>
---<Não que mandei meu filho mais velho Patrick Moon de France Clanton me representar.>
---<Quando olha pro Joseph Anderson, o que você sente?>
---<Raiva!>
---<Como assim?>
---<Jean Pierre era o meu herdeiro natural na Legião Estrangeira e estava estudando na Academia Militar. Ele estava nesse ônibus porque a academia ficava perto da rua do senador Jospin Lucien. Ou seja: matou o meu filho que tinha um futuro brilhante e...>
Pierre chora que o promotor, comovido que fala com a comissão:
---<A acusação não tem mais condições de prosseguir.>
---<Obrigado, senhor Luc que agora, a defesa.>
Vasco Valentim levanta e fala com o comendador:
---<Senhor comendador, você disse ao júri que meu cliente matou o seu filho, mas há um fato sobre esse caso que você é sogro do Doutor Max, o mesmo que bateu nos meus clientes e...>
---<Eu gostaria que não incluísse o meu genro. Ele sequer sabia sobre a morte de Pierre, só soube anos mais tarde quando casou com minha filha Joanna.>
---<Me desculpe, seu genro feriu os meus clientes e devia vindo pro tribunal pra o julgamento.>
---<Objeção, senhor Vasco que ele foi dispensável.>---Fala o presidente da comissão, Garzon Lopez Gusman.
---<Então, vou fazer uma pergunta ao senhor comendador: Será que seu filho não foi a essa escola militar ou foi induzido?>
---<Escuta aqui, advogado, sabe como senti quando morreu meu filho? Uma dor e ódio que tomara que apodreça no inferno.>
---<Senhor Clanton, ofendeu os meus clientes.>
---<Quietos os dois. Eu encerro o depoimento.>
O comendador levanta e sai do plenário revoltado que o juiz Garzon chama o advogado de defesa:
---<Senhor Valentim, você passou dos limites. Se usar tons agressivos nesta corte, será preso por desacato.>
---<Desculpe, excelência e não vai acontecer de novo.>
---<Assim espero que o júri desconsidere o último argumento. A comissão dará 2 minutos de intervalo e voltaremos com a ultima testemunha e as considerações finais.>
O juiz Garzon bate o martelo que na sala reservada, Joseph Anderson fica furioso e aponta o dedo para o Vasco:
---Que belo trabalho: Agora estou frito e cadê aquele acordo?
---Quer se acalmar. Eu já tentei o acordo com a comissão e não deu certo que vou tentar lubidiar o júri para que não pegue prisão perpetua.
---Não estou preocupado comigo, estou preocupado com Giovanni.
---Tentarei uma pena leve pra ele. Pode ficar tranqüilo.
De repente, uma movimentação de policiais e repórteres que chega a testemunha de acusação que o Gilliard Bissau fala com o chefe da segurança da Suprema Corte:
---<Leve ele pra uma sala e só leve ao plenário quando o promotor Luc Maltes chamar ele.>
---<Certo!>
Daí, termina o intervalo que todos voltam ao plenário que o presidente da comissão fala:
---<Recomeço o julgamento que com a palavra a acusação.>
---<Minha testemunha chegou da Dinamarca e é peça chave do julgamento.>
---<Por favor,chame a testemunha.>
O promotor Luc Maltes dar o sinal para o merino e este abre a porta onde chega Issobari Vicliono, com barba e usando óculos escuros que o advogado de Joseph Anderson e Joseph Neto se manifesta:
---<Eu protesto que eu não sabia desta testemunha.>
---<Aceito, senhor Valentim. Senhor Maltes, pode dizer a essa comissão o que é isto?>
---<Esse é o ex-banqueiro que financiava ações de Joseph Anderson.>
---<Então está autorizado. Pode prosseguir.>
O promotor levanta e pega uma folha e fala:
---<Senhor Vicliono, reconhece isto?>
O ex-banqueiro tira os óculos e fala:
---<Sim!>
---<Pode falar desse documento pra o júri, por favor.>
---<É a cópia de um extrato bancário do meu banco que é da minha agencia em Sion, Suíça.>
---<Então você financiou Joseph Anderson, na época, fugitivo da Interpol?>
---<Sim que eu desviava uma parte e depositava no meu banco na Suíça.>
---<Também foi curador dos bens de Joseph Anderson?>
---<Sim que registrei 150 bens que vai de casas até lojas comerciais.>
---<Tudo em nome de Joseph Neto, correto?>
---<Sim!>
---<Eu não tenho mais perguntas.>
O promotor Luc Maltes sai que Vasco Valentim levanta e fala com Issobari:
---<Senhor Vicliono, se você foi o curador dos bens do meu cliente, se pela sua ficha, você era casado com a sobrinha de Luigi Caponeone que é considerado o rei do crime na Sicília, correto?>
---<Sim!>
---<Muito bem. Eu pesquisei sua ficha e você antes de financiar o meu cliente, financiava esquadrões da morte, inclusive uma facção neonazista intitulada Anarquistas de Hitler.>
---<O senhor tem documentos que me incrimine?>
---<Er..., não?>
---<Eu quero dizer ao senhor Valentim que isto foi uma armação arquitetada pelo seu cliente para me destruir. Eu tive que forjar minha morte para não prejudicar meus filhos.>
---<Me desculpe pelo tom, senhor Vicliono que vamos mudar a conversa: Onde você estava quando foi declarado morto?>
---<Eu...>
---<Senhor Vicliono, não precisa dizer que por lei, a testemunha não pode dizer o seu paradeiro atual.>---Interrompe Luc Maltes.
Vasco Valentim fica nervoso e se acalma que ele fala para a comissão:
---<A defesa está encerrando os seus argumentos.>
O advogado senta-se à mesa onde está Joseph Anderson e Joseph Neto que Joseph Anderson fala com ele:
---Que deu em você?
---Você não entendeu: se eu insistir onde ele está vou preso.Vou salvar a pele de vocês com o discurso.
---Espero que sua barra vai pesar pro teu lado.
Vasco Valentim engole seco que o presidente da comissão julgadora, juiz Garzon fala:
---<Como os depoimentos das testemunhas encerradas, chegamos à parte das considerações que eu chamo para o plenário o promotor Luc Maltes.>
O promotor Luc Maltes levanta e começa a falar:
---<Senhores membros do júri e membros da comissão, nós virmos que Joseph Anderson é um cruel terrorista que vitimou 23 crianças e para que? Matar o senador Jospin Lucien e meu deus, quero que na votação não inocentem ele, julguem culpado. Quanto ao seu filho, Joseph Neto, também será punido e que serve de exemplo para acabar de vez com o terrorismo que vitima não só os franceses como o mundo. Eu termino dizendo que encerrem este capitulo de vez. Obrigado.>
O promotor senta na sua cadeira e limpa o rosto de suor que o juiz Garzon fala:
---<Agora, eu chamo o advogado dos réus, Vasco Valentim para o plenário.>
O advogado Vasco Valentim se levanta e começa a falar:
---<Senhores membros do júri, ignorem o que meu colega disse. Meus clientes foram presos por crimes forjados e peço que considerem eles inocentes. Sei que o mundo está abalado com o surgimento do terrorismo, mas temos que suportar e assim sendo, não julguem eles como terroristas, julguem como pessoas injustiçadas pela acusação e tenho dito.>
Vasco Valentim senta que o juiz Garzon fala:
---<Com as considerações da parte da acusação e defesa encerradas, eu peço que o júri entre na sala secreta para a votação. Daremos 10 minutos de intervalo e depois, a comissão proferirá a sentença aos réus.>
O juiz bate o martelo e o júri composto de 10 pessoas entrem na sala secreta que o merino fecha a porta e fica de guarda onde o júri começa a debater:
---<Como líder do júri, eu peço que levantem as mãos se eles são inocentes ou culpados?>
Os jurados levantam que foi 5 declaram culpados e 4 inocentes que o líder anota que depois que passou 10 minutos, todos voltam ao plenário e saem o júri que o presidente da comissão fala com o líder do júri:
---<O júri já chegou ao veredicto?>
---<Sim, excelência.>
---<Merino, traz a sentença.>
O merino vai de encontro ao júri e pega a sentença que o juiz passa a sentença para o vice-presidente da comissão, José Gualdi Viegas que este fala:
---<Quero que os réus se levantem juntamente com o seu advogado.>
Os dois se levantem que o promotor José diz:
---< “24 de outubro de 1988, nós do júri popular condenamos José Roberto Nivarinõn da Silva culpado de crime de assassinato de primeiro grau e de crime hediondo. Sua sentença é de prisão perpetua que como o réu fugiu da acusação anterior e ter crimes de terrorismo, a pena foi aumentada para 40 anos e 480 dias que cumprirá a sentença na prisão de segurança máxima em Marselha. Sua condicional será de 19 anos e ficará em regime fechado. Quando ao réu Giovanni Roberto da Silva Bastos, sua pena é de 30 anos de prisão também perpetua e regime fechado que cumprirá a sentença na prisão da Legião Estrangeira em Argélia que seu crime é co-autoria das ações do seu pai que é o réu já condenado. Os bens dos réus estão confiscados. Cumpra-se a condenação.”
Joseph Anderson fica irritado e parte para cima de Vasco e é contido pelos seguranças que Joseph Neto fica também revoltado e sai algemado. O pai de Jean Pierre, comendador Pierre Moon de Clanton chora abraçado com a segunda esposa, capitã Marie Serafine Moon de France que o diretor-chefe da TSIM liga pra o Teixeira e quando deu a notícia que Joseph Anderson foi condenado, Teixeira ficou alegre e desliga que fala com a esposa:
---Querida, agora seu irmão já pode descansar que acabou. Abrace-me.
Joanna abraça Teixeira que os dois chorem. Na saída do tribunal, Joseph Anderson e Joseph Neto entram num furgão protegidos pela policia e ficam na cadeia publica até de manhã onde num forte esquema, eles foram para o aeroporto Charles de Guale onde são separados que Joseph Anderson vai para a Marselha e Joseph Neto pra Argélia na prisão da Legião Estrangeira. Em Marselha, Joseph Anderson fica numa cela isolada dos presos e Joseph Neto fica trabalhando na prisão...
Três dias depois...
Teixeira Mathias de Albuquerque vai para a sua terra natal, Blumenau aonde vai com o pai João Campos Henfilnon Albuquerque e com o seu irmão mais novo, o estudante Geraldo Max Teixeira, 20 anos ao cemitério onde está enterrado a sua mãe, Maria Francisca Henfilnon Albuquerque que Teixeira chega no túmulo da mãe e deposita as flores que o pai fala:
---Eu amava a sua mãe, filho e sempre preocupou com você e seus irmãos.
---Eu sei, pai que eu pedisse um favor...
---Pode falar, filho?
---Deixe-me um pouco sozinho.
---Tá certo. Vou esperar com Geraldo no carro.
O pai abraça o filho e sai que Teixeira senta e fala:
---Mãe, eu fiz justiça não como olho por olho e dente por dente, mas sem sangue e espero que agora, você possa descansar em paz. Adeus, mãe e ainda nos encontraremos.
Teixeira levanta e reza o Pai Nosso e coloca o chapéu que se encontra com o pai e o seu irmão que vão embora. Em Turim, Itália o tio de Teixeira, Paulo Guarani de Souza Paulista fica numa cela acolchoada e diz:
---Um dia, Teixeira, eu vou te matar e será do meu jeito. HAHAHAHAHAHAHAHA!
Enquanto isso, uma pessoa fica olhando a clinica e fala:
---Parece que meus inimigos foram derrotados pelo Doutor Max.
---Vai ver mais, patrão?
---Não, Giacómo, vamos embora.
O motorista dar a partida e sai que Paulo Carlos Dummond Santos fala:
---Um dia nos encontraremos, Doutor Max, um dia.
FIM

Nota do Autor: Após a caçada de Joseph Anderson, Teixeira teve uma aventura no Japão no qual foi confrontar uma sociedade milenar de assassinos orientais que resultou a morte de sua agente Naoko Ryoshi por uma bala e adotou o filho dela, Akira Ryoshi que se tornou o seu filho. Depois, também adotou uma menina que também filha de um agente seu chamado Jack Knife no qual seu nome está em absoluto sigilo e o paradeiro é secreto. Após esses casos, Teixeira ficou inativo até assumir o caso de pegar Paulo Carlos Dummond Santos que teve a participação de Sérgio Cabrano Bravid.



DOUTOR MAX ARQUIVO CONFIDENCIAL

Nome: Teixeira Matias de Albuquerque
Ocupação: empresário, ex-delegado da Polícia Civil, ex-major da PM-RJ, ex-agente do Serviço Secreto e atualmente, agente governamental de segurança da ONU
Nacionalidade: Brasileiro
Parentes conhecidos: João Campos Henfilnon Albuquerque (pai); Maria Francisca Henfilnon Albuquerque (mãe, falecida), Mary Isabelle Raywood (ex-esposa); Rebecca Strasser Hunac (esposa, falecida); Raquel Schinelder Rabins (esposa, falecida); Maria Josefa dos Paulos (ex-esposa); Allan Carlos Raywood Teixeira (filho); Antony Teixeira Strasser (filho); Hunac Albuquerque Teixeira (filho); Paula da Veiga Albuquerque dos Paulos (filha); Teresa Moon de France Albuquerque (filha); Joanna Moon de France (esposa); Henfilnon Campos Teixeira (irmão); Daniel Augusto Moreira Henfilnon (irmão); Geraldo Max Teixeira (irmão); Sara Djalma Moreira Albuquerque (irmã); Roberto Vaz Teixeira (irmão); José Antunes Albuquerque Mattos (avô); Akira Ryoshi (filho, adotivo) e Jennifer Knife (filha, adotiva).
Grupo de filiação: Heróis do Brasil (líder)
Histórico: Teixeira Mathias de Albuquerque é um dos 6 filhos de João Campos Henfilnon Albuquerque que nasceu em Blumenau e ajudou o pai a criar os irmãos que uma tragédia marcou Teixeira: A sua mãe, a advogada Maria Francisca Henfilnon Albuquerque foi morta pelo próprio irmão, Paulo Guarani de Souza Paulista que isto motivou a ser um policial para acabar com os corruptos. Teve treinamento com as agências da lei e estudou que é advogado criminal, mas não exerceu a função. Foi promotor público, major da PM-RJ, agente do Serviço Secreto dos Estados Unidos e atualmente, empresário e presidente do Grupo Teixeira Empresas composto da financiadora Teixeira Financiamentos S.A., do Banco Teixeira Ltda., da empresa de táxi-aereo Teixeirajet e do jornal Gazeta Teixeira e Ramos que esta empresa fundou com o jornalista Gustavo Ramos que a sede do GTE fica em Campinas que mantêm um Conselho Administrativo pra cuidar do grupo, mas continua sendo presidente. Dirige uma agência de espionagem chamada Teixeira Spy de Investigações Mundiais e a Fundação Teixeira Matias de Albuquerque que cujas sedes ficam em Toulon, França e Novo México, EUA.
Casado 3 vezes e viúvo 2 vezes, treinou os seus 8 filhos, 6 biológicos e 2 adotivos que adotou Akira Ryoshi e Jennifer Knife, filhos de seus agentes Naoko Ryoshi e Jack Knife que estes dois são protegidos por seguranças e tutores da FTMA.
Atualmente, ele ampliou o campo da sua agência pra combater o terrorismo e narcotraficantes, além de ataques da Al Qaeda e também resolve crimes aqui no Brasil. Mantém um grupo de heróis brasileiros chamados Heróis do Brasil, mas eles atuem só se foram chamados em missões designadas pelo Doutor Max no qual é líder.

PODERES E ARMAS

Teixeira não possui poderes, mas teve um treinamento intensivo na SWAT, FBI, CIA, Polícia Federal e o MI-6 no qual ele é mestre em kung-fu, perito em bombas e fala 3 idiomas: Inglês, Espanhol e Francês. Pratica exercícios regularmente que tem uma academia particular na sua mansão em Blumenau.
Pin It
Atualizado em: Dom 29 Nov 2015
  • Nenhum comentário encontrado

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR
Fone: (41) 3342-5554
WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222