person_outline



search
  • Ensaios
  • Postado em

50 TONS DE DÚVIDAS- Parte 2 de 2

PARTE 2 DE 2
 Um rastro de sangue, destruição, opressão e enganação tem acompanhado os ritos de culto a esse ser misterioso por mais de 6 mil anos em culturas já subjugadas, ou tem sido a marca registrada dos principais de seus sacerdotes. Não importa em quantos seguimentos se dividam os ritos de culto a esse ser, os rituais, ideais e propósitos continuam sendo o mesmo: esconder o próprio passado, esconder o ser cultuado, manipular a realidade presente, perseguir e matar todos os que se opõem a ela.
 O judaísmo se divide em vários seguimentos e todos eles tentando provar entre si qual o seguimento é o melhor. Todos eles de igual modo alegam estar fazendo o certo de modo certo. Todos eles matam e morrem entre si tentando provar qual ritual que mais agrada a esse ser.
  O islamismo de igual modo tem feito o mesmo, porém mais macabro. Depois de tanta divisão que veio a existir em sua linha de fé e consanguinidade, os tais vem se destruindo uns aos outros e destruindo todos que não se submetam a esse ser invisível. Um corte de cabelo, um uso de barba, usar ou não o véu...Tudo é motivo para iniciar um guerra, provocar chacinas e envolver vários países nesses conflitos intermináveis tendo como pando de fundo provar uma amizade com um ser invisível.
  O cristianismo, esse sim fica praticamente incontável definir suas divisões, pois a cada dia novos modelos surgem para todo tipo de gostos e bolsos, mas todos eles também alegam estar seguindo ao deus verdadeiro de modo verdadeiro. Em países como Irlanda, temos grupos terroristas cristãos, que há décadas espalham terror entre católicos e protestantes, tentando serem tão diferentes quantos brinquedos fabricados em série por uma mesma fábrica, num mesmo lote. De tão diferente que são, todos eles são iguais.
   Os três seguimentos brigam entre si e uns com os outros desde tempos imemoráveis. O que judeus, cristãos e mulçumanos tem em comum? Vejamos:
·         A crença no mesmo deus! Apesar de vários seguimentos diferentes entre eles mesmos, apesar dos conflitos internos e externos todos eles alegam seguir o deus de Abraão, Isaque e Jacó. Todos eles usam a maioria dos livros do velho testamento como base inicial de sua fé.
·         Todos eles dizem que seu deus é invisível, onisciente, onipresente, onipotente e tal.
·         Todos eles alegam para si próprio a real paternidade ou filiação a esse deus, sendo deus e Abraão seus verdadeiros pais e eles mesmos, cada um deles alegando ser seus verdadeiros filhos.
·         Todos eles brigam entre si por uma herança na terra ou no céus! Alguns deles, em suas orações fazem juramento de aniquilação total ao outro ao longo dos séculos e por pouco não conseguiram tais feitos.
·         Todos eles tem o seu paraíso particular enquanto esperam que o seu deus reserve ao outro a condenação eterna ou aniquilação integral da consciência do outro.
E o que o seu deus faz em favor deles? Nada! Deixa seus filhos se estapearem até a morte, todos eles querendo ser filhinhos do papai, bichinhos de Jacó, nação eleita de deus, ou a santa gihad. Que loucura! Pensem numa verdade que todos se recusam a encarar: se esse deus existe, ele não gosta de união! Ele gosta de divisões, contendas, guerras, mortes e todo tipo de barbaridade em defesa de sua própria honra, quando na verdade ele mesmo poderia se auto defender e não o faz. Quanto mais divisão mais contendas e melhor assim! É provocando o caos, que um falso herói ganha notoriedade para resolver um problema que ele mesmo criou! Se não nos importarmos uns com os outros e darmos um basta nisso, estejam cientes que ele nunca o fará, pois se o quisesse já teria feito, antes sim, nos registro a cerca dele no antigo testamento, apenas prova que ele prega mais a morte e destruição do que a vida e a paz!
  Os judeus espera um messias que vai subjugar todos os povos enquanto eles reinam sobre todos se vingando de tudo que já fizeram a eles no passado. Os mulçumanos dizem o mesmo, esperam o retorno de seu profeta para os liderar numa santa Gihad e deixar o mundo todo servindo a Allah. E os cristãos? Cada um deles não conta as horas para ver se estabelecer o reino milenial de cristo na terra ou o dia do juízo, onde irão se regozijar, quando seu deus pegar o livro da vida, fazer a chamada, e constar o nome dele e não constar o nome do seu vizinho “chato” que não queria aceitar jesus, ou o nome do sujeito da “igreja falsa”, aquela ao lado da sua. “HÁ, HÁ, HÁ, HÁ”...Quase posso ouvir a gargalhada interna de muitos cristãos, ensaiando para o dia do juízo, quando eles tiverem de boa, com seu deus enquanto todos serão julgados e condenado...ô povinho confuso! Notem que entre eles, o prazer de um é ver o outro se dar mal. Tem sido assim por milênios...Só o uso da razão será capaz de os libertar desse círculo vicioso. São todos ao mesmo tempo prisioneiros e carrascos um dos outros, mas pagam de turistas em liberdade numa manhã de primavera. Todos com as mãos sujas de sangue, mas todos se dizem dignos do colinho do papai por terem sidos bons filhinhos aqui na terra!
 Outra verdade é que, em todos esses seguimentos encontraremos pessoas racistas e extremistas que tornam o mundo pior a cada dia devido exatamente a nutrirem uma certeza duvidosa sobre suas próprias crenças. Em todos esses seguimentos, encontraremos pessoas confusas, aflitas e inconformadas por que nunca conseguiram aceitar ou concordar com esse modelo de crença ou as características do ser cultuado, mas por terem nascidos em tais culturas, foram rotuladas por uma religião desde o nascimento e pra compensar tal infelicidade tendem a perseguir a crença alheia. Em todos esses seguimentos encontraremos também verdadeiros anjos, pessoas de bem, que apesar dos pesares, enfrentaram a fúria do sistema e tentam tornar o mundo mais humano, pagando com suas próprias vidas em vários casos por tentar mudar o sistema. Em todos os seguimentos até hoje encontraremos pessoas lutando por um mundo melhor, mais igualitário, sem barreiras, sem divisões e sem ideologias dentro e fora de qualquer sistemas de crenças. Em todos os seguimentos encontraremos pessoas atacando as bases de suas próprias crenças, os fundamentos sem lógica de sua fé, que só fazem mergulhar o mundo em um caos e trazer segregação tanto aos de dentro, quanto aos de fora. Em todos os seguimentos encontraremos pessoas comuns, atacando as lideranças, criticando seus abusos e exploração do povo em beneficio próprio. Em todos os seguimentos, tais pessoas sabem que podem pagar com a própria vida e nem por isso ficam em silencio. Em todas as épocas pessoas lutaram por um bem comum e contra um império inteiro, tendo apenas os argumentos da razão e da logica como armas. Todos eles foram e são de certa forma vencedores, apesar de a história muitas vezes relatar o contrário. Um exército de um homem só confiante do que faz, tem mais efeito do que uma multidão de amedrontados, que vivem sob ameaças, declarando um amor que não existe a um ser invisível, com medo de serem punidas com um inferno eterno. Os que vivem sob efeito de entorpecentes, não tem como vencer na razão os que usam a lucidez, apenas o volume das massas faz com que um escravo se ache livre por estar em maioria.
   Para nos juntarmos a esse pequeno exército e sairmos de uma escravidão coletiva, tomemos como base alguns princípios da própria crença cristã, usando a bíblia e as própria tradições cristãs contra sua própria linha de fanatismo. Vejamos alguns fatos:
·         Um deus imutável não mudará se mudarmos nossa linha de pensar, a menos que ele seja fruto de uma imaginação coletiva. Com isso, deduzimos que pensar não é pecado, que pensar não “desmonta” deus, a não ser que ele seja desmontável;
·         Um deus inabalável não irá cair se pararmos um pouco de render nossa atenção e rios de dinheiro destinados a ele para ajudarmos só um pouquinho ao nosso próximo que realmente precisa de nossa ajuda, pois um deus rico e poderoso não precisa de dinheiro nenhum para se auto sustentar, portanto podemos investir nosso dinheiro em coisas uteis ao nosso bem e de nosso familiares;
·         Um deus auto existente, não precisa de louvor para continuar existindo. Ele existe independente do que façamos ou não pensando nele, a menos que ele seja fruto de nossa imaginação e só se torne “palpável” quando num universo paralelo ele passe a existir quando o invocamos;
·         Um deus onipotente pode tudo, inclusive fazer o bem, e dar um basta em conflitos gerados em defesa de seu nome, sua moral ou filiação. Se não o faz é por que não quer, não pode nada, ou não é realmente bom! Nós não conseguiremos a paz entre os povos quando ele mesmo almeja a guerra. Toda tentativa de pacificação em nome da fé ou em nome dos deuses é inútil e de curta duração. Em nome de nossa existência e do bem comum devemos buscar a paz!
·         Um deus de amor, teria como premissa principal o fato de se pôr no lugar do outro, sem falar que ele nem precisaria se por, pois ele já sentiria o que o outro sente por ser onipresente e desse modo, antes de castigar alguém por estar na “igreja errada” ele entenderia que o homem é regido por sentimentos, pensamentos e emoções, e que reagimos o tempo todo a todo tipo de estímulos, e que somos enganados o tempo inteiro por seus próprios representantes, exatamente pelo medo gerado o por eles, quando pintam a figura desse mesmo deus que ao invés de punir uma nação inteira, deveria punir apenas aqueles que em seu nome leva muitos a perdição;
·         Um deus misericordioso é regido pela misericórdia e não pelo desejo constante de vingança e castigo. Você só vai encontrar gestos de “misericórdia” desse deus na bíblia, quando se refere a atos praticados por seus “ungidos”, fossem esses reis malandrões ou profetas fanfarrões. Para o povão geral não, incluindo aqueles que tendo boas intenções tentaram proteger recipientes sagrados ou lhe ofertar culto não autorizado. Parece que ele só tem misericórdia de gente errada, não para perdoa-los, mas para cobrir seus erros enquanto enganam o povo. Que sejam testemunhas disso os 40 meninos comidos por uma ursa a mando de Eliseu e os 150 homens que ele mandou descer fogo do céu e os consumiu; Uzias e os sacerdotes consumidos por fogo, incendiados de dentro para fora, todos os habitantes da era antediluviana, os habitantes de Sodoma e Gomorra, e mais outros milhões de pessoas que esse deus castigou sem dar uma segunda chance só por que eram idolatras ou estavam no caminho do seu povo quando fugia do Egito. Pra gente de moralidade duvidosa sempre tem uma segunda chance. Pra os honestos e indefesos não...tem coisa errada nisso ai...                 
·         Um deus marido de sua igreja e “macho alfa” não ficaria com medo se sua “esposa” fosse paquerada por outro deus, sendo que ele mesmo declara não existir nenhum outro em nenhuma parte desse vasto universo. Caso existisse, ele deveria punir o ser paquerador e não o ser paquerado. Se a igreja é sua esposa, é sua esposa e pronto, e se ele sentir ciúmes que ele mesmo tire satisfação com o outro cara que paquera sua “igreja” e não fique nos usando para isso. Lembrando que ele mesmo alega não haver outro cara;
·         Um deus eterno, não irá deixar de existir só por que dois ou três “ateuzinhos” ou filósofos declararam não acreditar nele ou fazem críticas ao seu modo de governar o mundo. Ele existirá independente que creiamos ou não em sua existência e nada irá muda isso, sem falar que num país como o nosso, que para cada 1 pessoa que diga não acreditar nele, haverá pelo menos 10 mil que estarão diariamente lhes prestando culto. Isso por si, já deveria ser causa de segurança entre os seus seguidores e não de desespero. O desespero de uma maioria, mediante a confiança de uma insignificante minoria deveria ser motivo de questionamentos internos do próprio grupo, se realmente acreditam no que dizem ou estão apenas mentindo a si próprio. Caso esse deus seja real, a negação de um ateu não o tornará irreal, seria apenas mais um motivo para ele provar o contrário do que se dizem a seu respeito por pessoas que não se submetem a uma loucura sagrada.
·         Um deus justo teria como premissa a busca pela justiça e igualdade entre os povos. Ele seria o primeiro a intervir contra abusos de autoridade, abusos sexuais, exploração do trabalho escravo e exploração da ingenuidade alheia pelo mercado da fé praticado em seu nome. Esperar para fazer justiça apenas no dia do juízo mostra apenas insensibilidade ao que tem apenas uma vida curta aqui nessa terra e tem de conviver com seu opressor. Isso não é justiça e isso é conivência! Traga oferendas a ele, bajule ele diariamente e parece que ele fica inerte aos problemas de quem sofre. Um político corrupto também fecha os olhos a dor do oprimido, quando recebe favores indevidos para proteger gente do mal.
·         Um deus poderoso não é aquele que intimida ou ameaça suas indefesas criaturas só por que não entende seus “gloriosos mistérios”. O nome disso é tirania! Um ser poderoso deveria ser aquele que usa seus recursos para promover o bem estar entre todos, procurando equilibrar a balança da vida, amenizando as mazelas entre as pessoas.
·         Um deus maravilho deveria ser aquele que faz maravilhas, e não aquele que promove a destruição do outro e chama isso de milagre. O nome disso é ditadura! Maravilhosa é a capacidade de quem pode tornar coisas simples em coisas grandiosas, e não faz afundar um país inteiro com dez pragas e o restante do povo mata afogado para depois chamar isso de milagre!
·         Um deus onisciente não aceitaria fofocas e mentiras de quem quer que seja, sendo que ele sabe de tudo e ver tudo. Esse mesmo deus onisciente também deveria revelar a sua igreja num total, toda “tramoia” e tentativas de queimas de arquivos que seus ungidos fazem quando um simples membro descobrem casos de adultérios, corrupções e todo tipo de abusos as escondidas. Pessoas morrem todos os dias, quando mesmo sem querer flagram lideranças cristãs cometendo ou planejando alguma obra nefasta. Isso ele não revela. Isso ele não sabe. Isso ele não ver. Só tem olhos para o desnecessário e só faz o que já foi feito!
  Poderia passar dias comentando sobre as qualidades do ser cultuado e suas contradições ou justaposições mas resumo tudo, citando um versículo bíblico de Tiago 4.17 que diz: “aquele que sabe fazer o bem e não faz estar cometendo pecado”... Nesse caso não teríamos um ser digno de culto, antes sim um “pecador” igual ou pior que nós mesmos”. Grandes poderes implicam em grandes responsabilidades, já dizia um certo personagem. Mediante a tantos atributos mega escandalosamente fantásticos e surreais desse ser, a atual situação do mundo e a má relação entre seus próprios filhos, concluímos que há ingerência de recursos ou improbidade administrativa. Poderia ele quem saber passar o bastão a outra divindade e se aposentar quem sabe.
   Os triunfos de uma civilização dependem mais da moralidade de seus cidadãos do que a moralidade demonstrada por deuses invisíveis e seus representantes visivelmente alienados. As conquistas, progresso e evolução de um povo dependem unicamente desse mesmo povo. Alguns deuses preferem que vivamos em bandos, defendendo territórios reais ou imaginários. Desde babel que ele lança confusão e dificuldade de entendimento entre os povos. O que mais se pode esperar de um ser assim? Dizer que ama a um ser que lhe ameaça castigar com um inferno eterno caso você não o ame, não é amor, é utopia. Caso não acordemos desse sono milenar, seremos sempre vítimas de uma relação sadomasoquista entre esse deus e seus adoradores. Só que nem todo mundo gosta de ver ou participar desse tipo de rito macabro e isso deve ser respeitado. Aos que curtem isso, paciência! O tamanho de um deus de um povo, será do tamanho de sua ingenuidade! O poder dos representantes desses deuses acabam quando o povo desperta do sono induzido. Pensar não é pecado. Aprender não é ofensa. Entender não é crime. Aceitar e concordar com tudo é suicídio!
Um brinde a sanidade. Abaixo robotização e sentimento de rebanho!
Pin It
Atualizado em: Dom 4 Jun 2017
  • Nenhum comentário encontrado

Autores.com.br
Curitiba - PR
Fone: (41) 3342-5554
WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222