person_outline



search
  • Ensaios
  • Postado em

50 TONS DE DÚVIDAS-Parte 1

PARTE 1 DE 2
   Qual seria o perfil psicológico esperado de uma pessoa que se diz estar cheia da verdade, cheia de luz e que estar trilhando o caminho certo? Qual deveria ser o perfil de uma pessoa muito religiosa, que diz ter certeza de sua salvação, dos seus ritos litúrgicos e da real existência do ser por ela mesma cultuado como sendo real e verdadeiro? Não seria o perfil desta pessoa pautado pela paz, tranquilidade, confiança e calmaria, considerando que esta mesma diz ter plena certeza que estar fazendo a coisa certa de modo certo, além de ter convicta certeza da existência do ser a que se adora? A certeza que ele nutre, deveria gerar confiança ao falar desse ser, e não revolta quando outra pessoa não recebe tal ponto de vista de igual modo. Parece mais um vendedor ruim vendendo mercadoria defeituosa, que se ofende toda vez que o cliente pergunta se a mercadoria é mesmo boa.
   Por que será que a grande maioria dos que seguem ao deus de Abraão, que é adorado em diferentes ritos de culto por judeus, cristãos e mulçumanos, se ofendem, se escandalizam e se inflamam com tão pouca coisa, apesar de estarem plenamente confiantes de que estão no caminho certo e todos os demais errados? Por que esses três segmentos, vem tentando converter um ao outro ao seu ponto de vista, ou aniquilar um ao outro nos últimos 15 séculos, apesar de renderem devoção, temor e obediência ao mesmo ser cultuado por seu patriarca quase 6 mil anos atrás? Por que esse deus venerado, pai de todos não se manifesta e impõe a paz forçada entre seus filhos, do mesmo modo que impôs a guerra deliberada no passado bíblico em dezenas de ocasiões para mostrar seu grandioso poder? Será que o seu grandioso poder só se manifesta para a destruição alheia? Ele gosta dessa carnificina provocada pela disputa do colinho do papai? Praticamente todas as maravilhas que ele fez para o bem de “seu povo” se resume em ocupar um lugar já ocupado para dar a pessoas sem ocupação e destruir outros povos para ser glorificado como único e verdadeiro por chacinas cometidas como se fosse algo glorioso.
  Levando em consideração que a grande população de cristãos no ocidente correspondem a quase 95% das pessoas, mesmo assim, notamos uma irritabilidade muito grande por partes dessa maioria esmagadora, quando notam um minoria insignificante entre eles, e tentam forçar a aceitação de suas crenças a outros, e estes ao se recusarem, passam a ser perseguidos, justamente por aqueles por estarem em maioria, deveriam estar plenamente confiantes de si mesmos e não incomodar ou perseguir os demais. A certeza de algo gera confiança e não o oposto disso. Os mais radicais deles se ofendem com tudo que não sejam parte deles ou do rito deles, sem falar que entre eles mesmos, vivem a afrontar uns aos outros, tentando pescar membros das igrejas uns dos outros para o seu rebanho. Um símbolo sagrado de uma cultura alheia distante ou presente, um comentário em um post na net, um beijo gay, uma “música do mundo”, um corte de cabelo do outro, uma roupa um pouco decotada... Tudo é motivo de incomodo, ofensa, ou de tentativa de subversão da crença do outro a sua própria, apesar de tantos conflitos entre eles mesmos tentando provar quem é melhor que quem.
 Além de todos esses incômodos entre eles mesmos, a coisa que mais incomoda um cristão destrambelhado é a simples existência de uma pessoa sem religião. Sua respiração, seu trabalho, seus comentários, sua família, seu sucesso, sua grandeza, e tudo que esse venha conseguir fora desse grupo é motivo de afronta a um fiel fanático religioso. Deveriam ser apagados do mapa! É assim que muitos deles dizem publicamente a respeito de todos que não concorda com seu ponto de vista e não se submetem aos seus líderes por demais gananciosos e manipuladores. O sonho de todo religioso que já perdeu o cérebro é viver num mundo quadrado, em forma de caixinha, onde todos pensam de igual modo, dirigidos por uma mesma liderança e sem nenhuma vida fora dela, para que eles mesmos não cheguem a conclusão que existe sim vida fora daquela caixinha sagrada. Isso nunca vai acontecer, lamento informar, pois por mais duro que um sistema seja, sempre haverá rebeldes e revolucionários que não se dobram a abusos seja de quem for.
  Qualquer pessoa que prospere e tenha uma vida tranquila fora da religião, será alvo de duras críticas e comentários negativos por parte desses religiosos, mesmo sendo o ser criticado uma pessoa justa, honesta e que não cause problemas sociais. Para eles, mais vale um vagabundo cristão, do que uma ser honesto sem religião! Essa é a mensagem não verbal que muitos deles proclamam diariamente. Se você conseguiu de certa forma alcançar um nível maior de cultura e de finança e por isso tem sua vida emocional e financeira equilibrada, fique sabendo que qualquer hora dessas será alvo de insultos públicos por parte de pessoas que criam inimigos imaginários, que dão grande parte dos seus rendimentos e tempo precioso as lideranças na ganancia de terem o dobro ou uma vida melhor ao invés de trabalharem e estudarem, e para compensar suas frustações, vivem a ofender e perseguir quem vive bem fora desses “recintos sagrados”. Dizem que quem põe defeito quer comprar! Um bichinho de Jacó, subidor de montes, fazedor de jejuns, pagador de promessas e comprador de bugigangas ungidas piram, quando veem os “manos de fora” do seu mundinho 4x4 tendo um estilo de vida muito melhor que o deles, sem pagar tanta penitencia para isso e vivendo uma vida justa longe do curral das ovelhas! A desgraça de quem não acreditam em seu deus ou não se iludem com falsas promessas é tudo que eles mais parecem desejar. Cada dia de vida útil e feliz de uma pessoa que não se submete a um estilo masoquista de ser, é um insulto a esses pobres e irritados fiéis de cristo. O amor destes estar limitado a quem se afilia ou se submete aos seus caprichos de fé. Morte aos infiéis! Pregam direta ou indiretamente grande parte dos que tem no deus mesopotâmico seguido por Abraão sua base de crença.
   Pode um ser superior que diz estar plenamente certo de sua própria existência como sendo única e suprema nesse vasto universo, estar incomodado com o fato de que seus servidores se prostrem a outro deus sendo que ele mesmo declara não haver outro em lugar algum? Pode um ser superior permanecer constantemente incomodado com a mentira alheia, a ponto de tentar suprimir todas as formas de expressões de outras culturas, sendo que ele mesmo alega não há outra verdade além dele e de sua própria palavra? Poderia um industrial bilionário se incomodar com o poder de compra de um garoto de apenas 10 anos de idade que acaba de ganhar 50 centavos do pai para comprar alguns chicletes na bodega esquina?  Será que esse bilionário em sã consciência poderia enxergar esse menino como um concorrente, a ponto de querer exterminá-lo pela remota e impossível possibilidade deste vir derrubar seu império financeiro com apenas aquela mísera moeda? Pois é....as vezes o ser cultuado por muitos, se comporta como esse bilionário louco! Mesmo se declarando ser o único, o mais potente, o mais poderoso e tal, estar sempre vigiando, ameaçando ou castigando seus filhinhos pela simples possibilidade destes vir dar sua atenção a outros deuses sendo que ele mesmo declarou não existir outro. SE NÃO ME AMARES, MATAREI A TODOS VOCES! Essa parece ser a mensagem oculta em cada “milagre” e em cada evento realizado pelo deus hebreu para “salvar” o “seu povo” durante os tempos bíblicos.
   Se rastrearmos o comportamento da igreja que diz representar o deus cristão ao longo da história, notamos que não há certeza nenhuma em suas atitudes quanto àquele que dizem ser o único, verdadeiro, supremo e dominador de tudo. O modo como esse ser cultuado age no antigo testamento, parece mais estar tentando ocultar algo e apagar provas, do que propriamente mostrar que é o único. Como se entre tantos, ele quisesse provar ser o único, apesar de saber que não é, valendo-se de ameaças constantes quando qualquer pessoas se inclinasse a outro tipo de conhecimento ou devoção que não fosse a sugerida por ele. Era proibido a busca de outra linha de raciocínio a não ser aquela já estabelecida pelos sacerdotes. Por que tanto medo que descubramos...O que tem sido escondido na verdade? No mundo judaico antigo, no mundo cristão medieval e no mundo mulçumano atual ele se comporta do mesmo jeito. Ele (ou seus representantes) proíbem o diálogo entre os povos e a busca pelo conhecimento cientifico e a pesquisa sobre a realidade dos fatos. Ele parece declarar inimizade a todo pesquisador, arqueólogo, antropólogo, cientista, bacteriologista, geólogo, paleontólogo, filósofo ou psicólogo sério, ao invés de tê-los como aliados para ajudar provar sua própria existência.
 O mesmo ser único e verdadeiro, absoluto e exclusivo, parece sofrer de alguma síndrome irreparável de mania de perseguição, pois, quando não estar procurando destruir, obstruir ou mascarar informações sobre o próprio passado, estar tentando destruir o presente ou simular uma realidade inexistente para um futuro, além de autorizar ou com concordar com a destruição da cultura alheia, seus livros, seus costumes, seus deuses e sua história...Estes não deveriam ser comportamentos de quem assegura estar plenamente  seguro de ser o único no pedaço e que fora ele não exista outro.
  Os seus seguidores tem refletidos ao longo dos séculos essa mesma linha de pensamento e desconfiança. Um rastro de sangue, dor e opressão tem sido a marca daqueles que lutam para apagar o próprio passado da humanidade e manter viva uma fantasia surreal a todo custo. Tal pai, tal filhos. A incerteza de um é a desconfiança de outro! A síndrome do marido traído não ficou apenas com Jose, marido de Maria, engravidada por uma pomba. Ela passou a todos os seguidores dessa linha de pensar, que julgam estar servindo a apenas um ser, mas vive com medo que possa haver outro e tomar o seu lugar de pai ou de filhos. Quem mora sozinho numa casa grande, não precisa estar preocupado em esconder sua nudez enquanto toma banho no banheiro, considerando que não há ninguém ali para o pegar desprevenido!
  A mania de perseguição dos seguidores do deus cristão em nome da igreja, a mando dela ou com sua aprovação ainda que silenciosamente consciente, tem deixado um rastro de destruição por onde passa. Por várias vezes ao longo da história, bibliotecas inteiras foram incendiadas, apagando e destruindo milhares de anos de história sobre vários povos, várias civilizações antigas, vários assuntos científicos incluindo  medicina, astronomia filosofias e vários outros em que nos deixariam talvez, em mais de 5 mil anos à frente em evolução, se comparado ao nosso estado atual. A biblioteca de Alexandria no século IV, foi apenas um entre tantos prejuízos que foi causado a humanidade em nome desse deus ou a mando da igreja. A destruição de bibliotecas de povos da mesoamérica foi outro desastre provocado de dano irreparável. Com tantos problemas sociais constantes na Europa medieval, a igreja e seus representantes, gastavam fortunas, para que seus navegadores saíssem mundo a fora, quebrando estatuetas de povos indígenas e tudo que possivelmente fosse interpretado como idolatria. A santa igreja, fabricante de todo tipo de idolatria, se julgava a si mesmo como aquela que salvaria o mundo da idolatria, destruindo todo tipo de objeto considerado ídolo ou ligadas ao satanismo sendo que ela mesma era a principal fabricante deles. Tem cabimento uma coisa dessas. O evangelho que segundo eles mesmos deveria gerar pessoas mais amáveis e preocupadas umas com as outras, estava gerando pessoas por demais ocupadas caçando ídolos ou seus fabricantes para os condenarem ao ferro e fogo. Maldita hipocrisia!
  Durante as conquistas espanholas e portuguesas, várias culturas foram praticamente extintas, seus livros queimados, em praça pública, seus templos destruídos, suas fortunas saqueadas e o povo escravizado pelos colonizadores para serviços braçais e sexuais, além de serem escravizados para servirem ao novo deus por eles apresentados. As pessoas quase que de modo geral, vão viver suas vidas e morrerão sem saber que jamais existiu esses povos ou que esses fatos aconteceram, pelo fato dos tais terem sido extintos e pelo fato da amada igreja ocultar ou manipular tais feitos para que tal passado negro fique no esquecimento. Grandes estudiosos e os que buscam conhecimentos, amargam essa perda sem reparações e ainda caem no descrédito público quanto tentam mostrar ao povo, o mal que esse fanatismo tem causado. Entre confiar na palavra de um semianalfabeto que usa uma bíblia para explicar o mundo e sua história e dezenas de seguimentos científicos para explicar a mesma história, qual ponto de vista vocês acham que prevalece em nossa sociedade? Nem preciso responder! Dez palavras de um líder religioso, valem mais do que uma biblioteca inteira de conhecimentos acumulados pela humanidade, segundo o senso comum de ser cristão.
  Bem verdade é que algumas dessas culturas da mesoamérica eram tão sanguinárias quanto foram algumas cultura do deus judaico e cristão ao longo dos séculos e que mantinham rituais de cultos regados a base de sangue e sofrimento alheio para agradar também a um tipo de divindade suspeita. Em todo local “conquistado” pela igreja, a história sempre se repetia: morte, carnificina, escravidão e destruição da cultura local. Apagar evidencias da existência dos deuses e de todo conhecimento cientifico dos povos conquistados era a ordem principal. Esse deus parecia político desonesto, que julga ter numa população ignorante a certeza de sua estadia permanente no trono. Em todo solo que a igreja hasteava uma bandeira de conquista portuguesa, espanhola ou de algum outro país cristão, a triste sina de um povo estava traçado. O presente oferecido pelos cristão aos povos conquistados era sempre como um presente de grego aos troianos: por traz daquela cruz de madeira ou do ser crucificado nela, sempre vinha em seu interior, a espada, a conquista e a submissão enquanto o povo dormia, embriagado apreciando o presente recebido. Esse modelo de fé tem promovido mais desgraças do que bons resultados por onde passa. Hoje em dia, os países mulçumanos ainda são os responsáveis pelo maior número de pessoas sequestradas para fins de escravidão no mundo, tendo como principal alvo mulheres e crianças. Enquanto no período colonial os cristão escravizavam outros povos com intuito principal o serviço braçal, os mulçumanos veem na exploração sexual a melhor forma de oprimir o outro. Ambos dizem servir ao mesmo deus mesopotâmico! Que Coincidência!
  A pergunta que nenhum fiel cristão consciente faz é: por que a igreja procura apagar todas as “mentiras” de outros povos já que esta mesma tem se considerado ser a detentora da verdade eterna? Quem estar certo de si em algo, não tem necessidade de destruir as evidencias falsas dos outros para se manter na verdade, antes sim tais evidencias, serviria apenas para incriminá-los e não para absolve-los. Queima de arquivos e destruição de provas são sempre comuns a pessoas que tendo cometido crimes e tem certeza que serão punidas pelas provas, procuram de todo custo eliminá-las custe o que custar. Por que os servidores desse deus, procura a todo custo apagar evidencias históricas da humanidade e do planeta impondo a todos sua própria verdade fabricada em concílios secretos? O que eles escondem?
   Tem a igreja procurando eliminar evidencias que comprovem que ela não é tão verdadeira quanto diz ser? Tem procurado o deus mesopotâmico cultuado por judeus, mulçumanos e cristãos destruir provas que sirva para de algum modo mostrar sua face oculta ou seus planos secretos? O que ele tem a temer de fato? O que ele tenta esconder? O que seus seguidores zumbizados pelas ameaças de morte e condenação eterna escondem tanto? Ambos são cumplices de algum tipo de pacto sinistro, ou estão os seguidores apenas cumprindo rituais com medo de uma danação eterna? É visto em toda natureza, que um animal quando encurralado pode atacar e lutar até a morte, ou pode se deixar capturar para permanecer vivo, morando em cativeiro. Acho que os chefes da igreja aceitaram se reproduzir em cativeiro ao invés de incentivar o povo a lutar pela liberdade de consciência, ou seriam eles mesmos os criadores de tais cativeiros?
   Se a igreja cristã, que diz servir a um deus vivo, presente, onisciente, eterno, imutável, inamovível e que não se degenera em todas as suas qualidades metafisicas, por que se incomodar com coisas tão banais como ídolos de pedra, barro, ouro, madeira ou seja lá do que for da cultura alheia? Por que atravessar um oceano pouco acessível naquela época, com várias caravelas, arriscando a vida de toda uma tripulação só para derrubar uma estatueta de barro, numa tribo indígena, largada numa floresta, no meio do mato e praticamente esquecida em uma cidade já não habitada? Por que se incomodar tanto com um ídolo morto, inerte, imóvel e que nada pode fazer sendo que o seu deus é vivo, o todo poderoso chefão das galáxias? Que comportamento infantil! É como um filhinho de papai, cheio de brinquedos eletrônicos caríssimos, mas que ao se ver sem amigos para brincar, tenta atanazar a vida de um pobre favelado que esbanja alegria ao correr todo sujo na chuva como os seus amiguinhos igualmente pobres, porem ricos e felizes pela companhia uns dos outros. Que ciumeira doida é essa? Parece papel de mulher mal amada e mal resolvida, que por mais que se adorne a si própria de joias e roupas caras, ainda sente ciúmes da vizinha, uma simples borralheira doméstica, quando seu marido também sujo do trabalho, chega em casa e lhe cobre de beijos sem se importar com o labor do dia e os odores provocado da labuta.
  Tem alguma coisa errada com esse ser cultuado. Tem alguma coisa errada com os que lhes prestam culto. Até hoje esse comportamento é refletido em vários cristãos radicais (e imbecis) que saem por ai a meia noite, chutando despachos na encruzilhadas, que invadem terreiros de macumba para atrapalham os rituais de outros cultos em pleno funcionamento, ou quebram seus altares, ou que pegam símbolos católicos e os quebram em público enquanto se deixar filmar para todo mundo ver. Por que demonizar a crença do outro quando se julga sua própria como sendo divina? É muita cara de pau ou muita incerteza sobre a própria crença! Não vejo mensagem de salvação alguma nesses atos, antes sim, mensagens de desespero e um convite á guerra!
  O que os sacerdotes cristãos em suas linhagens milenares estão tentando esconder a respeito desse ser cultuado e tido como deus? Seria sua aparência já que ele nunca deu as caras publicamente? Será que ele não tem a aparência meiga e afável que no subconsciente coletivo seus seguidores criaram? A própria bíblia dá alguns detalhes soltos de como possivelmente ele seria. Quando leres a bíblia de modo não induzido, verás que a imagem a respeito dele pode ser bem diferente do que imaginamos. Alguns dirão que o modo simbólico como descrevem suas características, são apenas linguagem poética...que poesia macabra! Um deus justo jamais deixaria que seus filhos derramassem sangue um dos outros em defesa se sua honra sendo que são todos eles seus filhos. Em nossa sociedade “pecadora” como somos, negar responsabilidades de paternidade gera sérios problemas. Na sociedade dos deuses, gerar filhos e deixá-los entregues à própria sorte, parece ser suas marcas registradas e até motivo de orgulho. Do Olimpo ao Horebe, isso tem acontecido aos montões!
  De onde vem esse medo louco de que descubramos como realmente as coisas são? Do deus que inventou a igreja, ou da igreja que inventou esse deus? Estaria por outro lado os sacerdotes cristãos primitivos escondendo as reais intenções do ser a quem se adora, com sua verdadeira identidade disfarçada de ser supremo e universal? Por que tanto ciúmes em relação a outros deuses se ele mesmo diz ser o único e não haver nenhum outro em todo o universo? Esse ciúmes dele só leva uma mente pensante a imaginar o contrário! Esse tipo de ciúmes seria semelhante ao de um homem louco que sequestrou uma mulher para morar em uma ilha deserta e inacessível a qualquer rota, e mesmo assim ele sente medo de ser traído com outro homem. Ou aquela ilha não é deserta e ele tem certeza disso, ou ele aprisionou os náufragos daquela ilha em algum lugar e tem medo que um dia eles venham se libertar e conquiste por mérito sua esposa, e ele venha perder um amor que nunca foi dele já que ele a mantem pela coação e não por opção. O ser cultuado pelos cristãos parece sofrer do mesmo tipo de paranoia. Acha que todos o perseguem quando na verdade é ele quem persegue a todos. Me amem, me adorem, me bajulem, me obedeçam, eu preciso de vocês para continuar existindo, vocês são a razão de minha existência, e não o contrário...essa parece ser a mensagem que se passa mediante a tanta prova de ciúmes.
   Se pesquisarmos na história das religiões, perceberemos que a linhagem sacerdotal de alguns rituais de culto é praticamente a mesma em vários cantos do planeta. Será que o mesmo ser tem sido cultuado de forma disfarçada em partes diferentes do globo? Como os sacerdotes de tão variadas culturas seguiam ritos tão semelhantes apesar de estarem tão distantes? Muda-se o nome do deus adorado, mas o seu perfil continua sendo o mesmo, assim como as linhas sacerdotais que mantem vivo o seu culto. Pelas vestes sacerdotais, pelos ritos ocultos, pelo símbolos sagrados disfarçados ou invertidos, pelo gosto de beber sangue, pelo desejo de apagar todas as evidencias do culto alheio, podemos suspeitar que a humanidade tem servido em seus rituais de culto possivelmente a uma mesma força nefasta disfarçada de divindade sagrada. Deuses semitas como babilônios, assírios mulçumano e hebreus tem de certa forma refletidos suas características para o deus cristãos. Em todo tempo, e em todas essas culturas, ele também alegava ser o único e verdadeiro, apesar de dizer também a mesma coisa para cristãos, judeus e mulçumanos, apresentando-se de modo particular a lideranças diferentes, trazendo conflitos e guerras milenares em honra dele mesmo. Ele parece gosta muito disso. Coisa de maluco um pai que gosta de ver seus filhos se explodirem, se atacarem e se aniquilarem.
  Outra característica comum a esse ser é que todo mal praticado em seu nome, ele parece ser conivente ou não se importar. Estupros, assassinatos, pedofilia, escravidão, abusos sexuais por parte da lideranças, rituais de sangue e todo tipo de manipulação possível tem acontecido em seu nome, ele apesar de toda sua onisciência, onipresença e onipotência, parece dizer: amem, que assim seja, estou gostando muito, continuem, que o maior oprima o menor! Os esforços para manter uma civilização funcionando pouco me importa, quero mais é ser adorado! Que o caos reine! Que o circo pegue fogo! Que se lixem todos! Quero mais é oferta de sangue, carne queimada e bajulação sob ameaça! Sou eterno mesmo! Pouco me importo! No dia do juízo ponho todo mundo no mesmo pacote, mando a maioria pra o inferno e pronto! Depois de outra eternidade nos céus, permitirei outra rebelião de novo, expulsarei um bocado de anjos rebeldes de lá, criarei ouro planeta cheio de adoradores, e recomeço tudo de novo pra não ficar aqui apenas nesse tédio celeste ouvindo os seres eternamente cantantes de forma mecânica e sem sentido aqui na gloria! Que saco esta vida celeste! Tudo é do mesmo modo a vida toda, nada muda! Os humanos tem emoções e sentimentos e isso é tudo pra mim! Por isso sou assim, insensível ao clamor dos oprimidos! Bola pra frente (as vezes acho que ele pensa assim)!
CONTINUA...
 
Pin It
Atualizado em: Dom 4 Jun 2017
  • Nenhum comentário encontrado

Autores.com.br
Curitiba - PR
Fone: (41) 3342-5554
WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222