person_outline



search
  • Contos
  • Postado em

A fé. A triste história de um vampiro Cap. 12 de 14

Capitulo doze
     Na tarde seguinte está acontecendo o julgamento de Javá. Muitas pessoas estão presentes e se ouviu e ouviu:
     -Ele é culpado!
     -Ele passa informações aos inimigos!
     -Planejou e liderou o ataque que matou a família Tomasson. Um irmão do casal morto da família Tomasson esta presente e o julga culpado e está ali para ter a resposta, o veredito certo, assim não o julgaria errado, como pode estar a pensar.
     -Se uniu a vampiros! Javá questionou esta afirmação dizendo que sempre viu os vampiros como igualmente vê os humanos e isto não vinha ao caso. Nesta hora a mãe de Cachie pensou se esta errada ao imaginar a partir da transformação do filho que ele estava morto e em paz, ao invés de vivo e procurando a paz.
     Testemunhas, defesa, acusação. Candelária falou:
     -Ele tinha planos de me matar! E continuou: - Meu filho descobriu isto antes de morrer! Alguém gritou:
     -O filho dela virou vampiro eu os vi de papo na praça da igreja. Então foi perguntado:
     -Esta afirmação é verídica? Candelária fez uma pausa alimentando o silencio depois respondeu:
     -Não, meu filho está morto e enterrado! E após ouvir discórdia de Javá ela se levantou bateu na mesa e gritou: - Você pretendia me matar e vai ser preso por isto!
     Javá foi investigado e então o juiz disse às palavras que todos esperavam:
     -Javá é culpado! Batendo o martelinho e se assombrou quando viu uma arma nas mãos do homem da família dos Tomasson e ouviu:
     -É isto que eu esperava saber para te matar de uma vez! E atirou acertando o peito, o coração do inimigo. Após ser pego pelos guardas ele disse: - É bala de prata caso você seja o lobisomem que está aterrorizando pela cidade e morrerá mesmo assim!
     Candelária ficou assustada com o que ocorreu, mas saiu feliz por agora estar livre da ameaça de morte que corria contra ela. Perguntou-se como num lugar tão seguro um Tomasson conseguiu entrar com uma arma e imaginou que alguém dali ajudou. Em breve teriam um novo julgamento.
     Uma nuvem cobria a lua que não estava cheia.
     -É uma igreja! Moná disse e eles entraram:
     -É, mas não tem imagens e nenhuma cruz. Cachie se sentia desconfortável, mas conseguiu entrar:
     -Jefrei!
     -Como sabe meu nome? Não importa eu estava os esperando! Ele esta no altar e uma mulher se aproximou surpreendendo a uns ali presentes:
     -Carlais! Carlos disse e a fada assemelhou, juntando o que sabia:
     -Então esta é Carlais a que deveria estar morta.
     -Ela me mostrou uma foto no celular e eu contei os planos que tenho para você que é o namorado dela. Cachie os olhava atento.
     -Você vai me levar?! Ela meio que afirmou e continuou: - Você só pode levar a mim!
     -Não posso estou em divida com ela! E apontou para Moná que disse:
     -Euzinha querida! Jefrei se surpreendeu e disse:
     -Vejo que tem um confronto de pensamentos e duvidas, saiba que os outros que também convidei chegarão às proximidades das 12 horas, pois o portal será aberto às 12 em ponto, no bater deste grande relógio. E só então os que haviam chegado notaram o grande relógio que além de mostrar logicamente as horas era a única coisa que enfeitava a igreja. Jefrei concluiu: - Esteja pronto! E detalhou: - Os dois que irão!
     Carlais o olhou com olhos tristes, eles se olharam e Cachie disse com firmeza:
     -Moná quem vai comigo! Baixou a cabeça e quando levantou viu: - Você está usando o colar! Carlais se aproximou:
     -É sua mãe me deu dizendo que você me daria! Ele o tocou e perguntou:
     -Como chegou até aqui?
     -Não importa o que importa agora e você desistir de levar a ela. Ele não se explicou:
     -Não dá, já fiz minha escolha! Carlais gritou para Moná:
     -Você não vai! Mostrou os dentes:
     -Você é uma fera fique calma! Maná disse e se afastou com medo.
     Jefrei quis saber:
     -Uma fera?
     -Ela é uma mulher loba.
     -Sorte dessa aí que não é lua cheia. Disse se referindo a Moná colocando uma pitada de humor.
     -Você fez como eu fiz por você, por ela! Disse Carlos chegando a uma conclusão e com medo, pois isto poderia significar perdê-lo mesmo sem o portal.
     Cachie tinha três opções, mas já tinha sua escolha e apesar disto se sentia confuso. O que cada uma dessas pessoas significava para ele? Deveria pensar em algum critério e só depois escolher? Sua escolha estaria errada? Um vampiro ao sentir por muito tempo uma fada por perto ele começa a se atrair por ela, por isto quando resolveram matá-las eles fazem o mais rápido possível, para não cair em seus encantos que podem ser fatais.
     Moná está feliz e Carlais e Carlos estão tristes por terem que dar adeus a Cachie.
Veja em seguida o capitulo treze.
Pin It
Atualizado em: Qua 24 Mai 2017
  • Nenhum comentário encontrado

Autores.com.br
Curitiba - PR
Fone: (41) 3342-5554
WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222