person_outline



search
  • Ensaios
  • Postado em

...E NOS LIVRAI DESSE MAL, AMEM!

Antes de mais nada, deixo claro que nesse texto, não estou atacando pessoas de modo particular, nem suas religiões. Estou combatendo ideias! Se te ofenderes com coisas tão pequenas, é sinal que seu deus é uma ideia e não um ser pessoal, imutável, inalterável, inatingível e soberano. Ideias vem e vão, o que é real e verdadeiro prevalece! Não fique amedrontado!  Minhas ideias só modificam o que pode ser mudado!
   Há um mal imposto a ferro, fogo e sangue nas sociedades teístas, que é a ideia criada dos deuses carrascos, irados, perversos, sanguinários e vingadores, cuja imagem, deu poderes as igrejas cuja força eclesiásticas é superior ao poder do estado laico, da ciência e da educação, fazendo com que as pessoas vivam suas vidas em constante estado de medo e ameaças. Um mal que precisa ser sanado se realmente desejarmos evoluir como seres humanos e diminuir as desigualdades sociais. Um conjunto de ideias contraditórias e auto anulativas sobre seres metafísicos que precisam ser reavaliadas para que os padrões de comportamento individual sejam melhorados em cada indivíduo ao assumirem responsabilidades pelos seus atos. Um mal que felizmente tem cura.
   Uma loucura que precisa ser tratada. Um aglomerado de pensamentos e conceitos filosóficos que precisam ser reavaliados um a um. Um mal que faz com que as pessoas deem mais prioridade em relacionamentos com seres imaginários, enquanto desprezam e desonram as relações pessoais entre seus semelhantes em nome de propósitos bizarros, esperando receber algum tipo de recompensa vindoura. Um mal que faz com que tolos governem enquanto sábios amordaçados. Um mal que enxerga a racionalidade como sendo uma ameaça e não como ferramenta para nosso progresso.
    Um mal que leva pessoas sãs, ao comprarem tais ideias a se colocarem nas condições de loucos, paranoicos, esquizofrênico, idiotas e coitadinhos, para alcançar desse modo a suposta atenção do ser superior qual foram ensinados a venerar e temer ou a atenção de seus representantes que fazem questão de manter as pessoas nesse estado medíocre de espirito, pois é desse modo que realizam suas fantasias de grandeza ou obtém sua fonte de lucro e sustento. Um mal que provoca um estado alterado de consciência fazendo com que pessoas normais e livres se ponham em condições de escravidão psicológica, enquanto anunciam aos quatros cantos do mundo que são livres. Pessoas que são levadas a viver toda suas vidas com medo de um ser superior, desenhado com propósitos de domesticação de indivíduos, para fins de manobras de manipulação em massa.
    Um mal que reduz o ser humano a nada, que retira deste sua capacidade racional, evolutiva, criativa e cooperativista, e o transforma em máquinas de guerras, prontas a matar para defender o invisível, e a doar todos os seus recursos se necessário, por uma causa desnecessária, desprezando as causas vitais ao bom funcionamento social. Nesse estado mental, enviam-se pessoas a matança todos os dias em países estrangeiros, fazendo-as acreditarem que estão ganhando “almas pra jesus ou pra Alá” quando na verdade estão apenas subjugando outras pessoas a um modo doentio de ser, enquanto os senhores do rebanho aumentam suas fortunas e divulgam suas marcas.
     Baseado nessa crença coletiva criada e doutrinada a todos os nascidos em tal região, muitos líderes fazem fortunas, expandem seus territórios, manipulam políticos, e demonizam o sagrado enquanto divinizam o banal. O aperfeiçoamento das relações humanas, a busca coletiva para os problemas de moradia, curas de doenças, educação e segurança deveriam ser metas “sagradas” buscada por todos, mas a igreja as torna banal quando usa do discurso religioso, para extrair valores monetários como oferenda aos deuses que de nada precisam e incentiva a da devoção a imagens de ídolos vivos e mortos como sendo coisas realmente importantes. O lixo vira luxo, e o sagrado vira profano nesses aspectos de entendimento.
   A ideia inserida em nós, que somos pecadores, imundos, trapos, farrapos, lixo, pó e cinza e que precisamos de uma salvação comprada, financiada sob 10% de tudo que ganhamos, durante o tempo em que aqui vivermos, deve ser questionada, combatida debatida, reavaliada e banida se realmente almejarmos uma sociedade mais justa e equilibrada. Qualquer divindade rica, majestosa, poderosa e dona de tudo, e que vive a esmolar adoração e tributos de quem quer que seja deve ser questionada no profundo do nosso ser. Quem já tem tudo não precisa de mais nada! Se as divindades são ricas e poderosas devem ajudar ao povo por que tem em abundancia e não exigir sob duras ameaças aquele que nada tem além do próprio sustento. Divindades que estimulam em suas casas de adoração, a ganancia, a soberba, a trapaça, a inveja e a cobiça também devem ser duramente questionadas e postas contra a parede. É por males como esses que afundamos na imoralidade e corrupção. Deveria se envergonhar qualquer ser dito superior que vive a fazer das reuniões de fé coletiva, suas casas de apostas, onde uns poucos ganham tudo, e a maioria fica sem nada. Cassinos e bingos chegam a perder para certas casas de apostas tidas como casas de adoração. Igrejas que estimulam a cobiça e ambição não querem outra coisa senão um grupo de apostadores viciados para enriquecer os donos da casa. Doe 1 mil e deus te devolve 2 mil. Isso não é evangelho, isso é aposta!
   Primeiro te fazem acreditar que você é um pecador, para depois te venderem uma salvação que dizem ser de graça, te prendem em currais, vigiam seus passos e te ordenham de todas as formas possíveis, e quando não é possível a ordenha, usam a ideia de inferno para te manter nesses recintos enquanto usam sua força voluntária para a expansão de um reino nefasto e opressor, de modo que algumas lideranças vivem montados nas costas do povo sem fazer esforço algum. Se a moralidade e o pecado de uma pessoa é medida por suas ações, sou forçado a dizer, que os humanos, por mais falhos que sejam, tem um senso de moralidade superior a dezenas de deuses de várias religiões ao longo da história, incluindo o deus cristão do antigo testamento e ao do novo que nada faz para conter o avanço dos exploradores da fé, dos que usam seu nome para ludibriar o povo. Tanto o que executa a ação sendo representante, quanto o que se omite de corrigir a ação sendo ser superior, são cumplices dos mesmos atos.
   A ideia de que somente pessoas de batinas, de paletós, ou que carregam livros de capa preta na mão, são as únicas pessoas capazes de fazer com que o divino nos aceite, nos receba e nos perdoe por crimes que nunca cometemos, foi criada e mantida a todo custo, com o intuito único de criar segregação, criando-se a ideia de que existem pessoas mais importantes que outras e desse modo os “ungidos” vivem levando vantagem em todos os aspectos sobre os demais dentro e fora dos círculos religiosos. Um ser superior cujo desejo de justiça seja sua causa principal, jamais concordaria com esse tipo de coisa, e jamais esperaria inerte pelo “dia do juízo” para julgar tais opressores e enganadores, ou os que vivem a fazer atrocidades em seu nome. Em nossa “vil” sociedade dirigidas por meros mortais, temos data, meios, e regras para punir infratores, sendo que as penas são dadas de acordo com o crime. Algumas são amenizadas exatamente de acordo com a influência política ou religiosa que o sujeito possa ter, mais uma vez provando-se que tal modelo de fé, traz injustiça ao invés de justiça.
Se existe um território que deva ser reconquistado, é o território de nossas mentes. É nesse campo que o estopim de toda batalha exterior é ativada. Os que vivem do mercado da fé fazem questão de te lembrar 24hs por dia que somos miseráveis pecadores, amaldiçoados, medíocres e perdidos e que só este ser “bondoso” pode nos livrar de sua própria ira. É dessa ideia que devemos nos livrar. Se há um pecado que cometemos, é deixar que deuses metafísicos e seus representes loucos e gananciosos conduzam nosso destino.
  Precisamos nos livrar da ideia de que somos culpados pela morte de um cara que foi crucificado dois mil anos atrás. A própria bíblia diz que ele se entregou por que quis, então não somos culpados de nada. Precisamos nos livrar da ideia que foi por nossos pecados que ele morreu, pois se consideramos que o pecado segundo a crença cristã é um erro cometido em nossa configuração, ele como sendo o que nos programou e não achou por bem reconfigurar nossa unidade central, então morrer para que fossemos reconfigurados seria o mínimo que ele poderia fazer como criador. Não somos culpados pela morte de ninguém, muito menos pela morte de um ser imortal, que existe antes da criação de tudo, sem falar que se ele morreu e ressuscitou, não há cadáveres, desse modo não há homicídios, e ninguém e culpado de nada. Se ele morreu sabendo que ia ressuscitar, sua morte e sofrimento foi apenas encenação para nos comover. Não somos culpados por isso e nem foi por nossos pecados que ele morreu. Morreu por que quis, por que era necessário, por que escolheu esse caminho. Se existe um pecado que devamos nos arrepender, é pelo que dizemos ou fazemos contra o nosso próximo para defender a honra desses deuses com problemas de personalidade.
   A ideia da salvação cristã, se assemelha muito a ideia de salvação dos hebreus, vendida por Moisés há uns 4 mil anos atrás ali no Egito, caso a história tenha sido real. O deus invisível, que nunca deu as caras a ninguém, mas falou com Moisés numa moita incandescente e alguns poucos privilegiados no passado, é o mesmo de hoje, que nunca deu as caras e também só fala as escondidas com alguns “ungidos” e alguns poucos “profetas” gerando mais suspeitas do que confiança no povo. Os que duvidavam antes eram ameaçados. Os que duvidam hoje também são ameaçados! Morte a todos que não acredita que deus fala as escondidas com seus “ungidos”! Essa é a mensagem de 6 mil anos.
  Quando este mesmo deus tirou o povo do Egito, o objetivo principal definido por ele, era que o povo lhe prestasse culto e lhe oferecesse sacrifício. A ideia principal não era beneficiar o povo com melhorias de alimentação, higiene, segurança e moradia, antes sim ele queria inflar o próprio ego ou se alimentar de alguma forma das energias geradas pelas emoções de medo das pessoas ou do sangue dos animais oferecidos em sacrifício. O objetivo atual de tantos líderes em reunir pessoas diariamente nas igrejas é o mesmo: prestar culto a esse ser e pedir em seu nome todo recurso possivel que as pessoas tem, enquanto garantem que mantem as pessoas seguras da ira e da cólera desse mesmo deus e da tentação do diabo no mundo de pecado, somente aos que ofertam, adoram e obedecem. Você tem de pagar para não ser castigado pela própria pessoa que prometeu te salvar de graça. É mole? É como um sistema de milícias na favelas! Ou você paga aos representantes desse deus pela proteção divina ou eles autorizam pragas sobre sua vida! Ou você paga ou você apanha! Ou você paga ou você morre! E dizem que o bullying só ocorre com crianças...Concluímos que sem culto e sem oferendas esse modelo deus enfraquece ou deixa de existir. Logo, concluímos que, é este ser qual fomos ensinados a chamar de deus quem precisa de adoradores e não as pessoas que precisam ser salvas por esse modelo de salvação. Nesse modelo de salvação cristã, estar salvo é o mesmo que viver sob constante tensões e ameaças. Logo após você ser “salvo”, se não trouxer dízimos, ofertas, prestar cultos, render a ele adoração, ou não comprar bugigangas ungidas, então uma quantidade sem fim de pragas serão enviadas por parte desse deus bondoso e seus representantes. Pelo menos é o que garante seus “ilustres” representantes aqui na terra. No passado bíblico e durante toda a idade média a história se repetia dia após dia e até hoje somos de igual modo ameaçados. A promessa de salvação foi substituída pela ameaça de condenação. Na teoria salvação, na prática morte e condenação!
  Outro fato sobre a salvação dos hebreus no passado: após tirar o povo do Egito, ele poderia ter inserido o povo na nova terra para que estes vivessem bem, já que ele disse ter intenção de tirar o povo da escravidão e não escraviza-los mais ainda. Tudo poderia ser feito num passe de mágica, sem precisar derramar uma gota de sangue sequer nem dos hebreus, nem dos egípcios, nem das quase 50 nações que ele destruiu. Um ser tão poderoso que abre caminho nos mares e destrói nações inteiras só pra provar do que ele é capaz, que precisa estar se auto afirmando o tempo inteiro, poderia facilmente criar do nada uma cidade maravilhosa no meio do deserto, inserir seu povo ali, ou inserir o povo em cidades já habitadas por meio da união e dialogo, e não pelo derramamento de sangue. A menos que a tecnologia desse deus só sirva para o mal e destruição, concluímos que ele não gosta de fazer o bem. A viagem do povo pelo escaldante deserto poderia durar alguns dias apenas, mas de propósito, ele fez o povo andar em círculos por 40 anos, matando toda aquela geração que ele mesmo jurou proteger e guardar. Ele mesmo assume nos escritos tido como sagrado, que foi ele quem matou todo o povo (mais de 3 milhões de pessoas) que ele tirou do Egito durante os 40 anos de viagem no deserto, por que o povo duvidou algumas vezes do seu imenso poder. Ele como criador da raça humana, poderia muito bem imaginar que as pessoas são imprevisíveis mediante situações de calor, frio, fome, ou pressão psicológica. Quando vejo adolescentes jogando jogos violentos na frente de um computador, matando velhinhas, crianças, policiais, atropelando todos por prazer e cometendo os mais diversos crimes sem pensar nas consequências, só me vem a memória a imagem do ser todo poderoso cultuado no ocidente, e comparo seu comportamento aos desses adolescentes sem juízo.
  Do mesmo modo que ele prometeu levar em segurança o povo que ele tirou do Egito e os matou no deserto, qual a possibilidade dos seus adoradores atuais receberem uma recompensa melhor do que os filhos dos semitas que foram vítimas de sua ira no mesopotâmia antigamente? Há dois mil anos, segundo a atual crença cristã, ele prometeu voltar rapidinho, inclusive prometeu, que alguns dos que estavam vivos naqueles dias não provariam a morte. Já se fazem dois mil anos e nem os ossos desses que receberam a promessa de salvação em vida foram encontrados…quem garante que ele não esteja fazendo o mesmo que fez no Egito, esperando que aniquilemos uns aos outros em seu nome, enquanto ele assiste do camarote nossa destruição? Lembrem-se que ele tem poder para fazer o que quer, inclusive o bem, inclusive salvar e perdoar a todos que não compreende seus infinitos, insondáveis e complicados mistérios, e se não faz é por que não quer ou por que gosta de ver sangue sendo derramado em seu nome, para depois dizer que não faz nada por que deu o livre arbítrio ao homem... Um pai humano que deixa seus filhos se matarem brigando enquanto vivem debaixo do seu teto alegando não interferir no livre arbítrio dos seus filhos não é inteligente e nem racional, é apenas um doente mental. Um ser superior, imaterial que age do mesmo modo, recebe o nome de ser de sabedoria e amor supremo. Vai entender...
  Outra parte que não deve ser esquecida nesse trajeto de salvação dos hebreus no passado bíblico é que durante todo o período bíblico, as pessoas que hoje são mais bajuladas, e tidas como heróis da fé, foram pessoas mesquinhas, sanguinárias, que articulavam o mal, gananciosas, que matavam a própria família para ficar no poder, e que eram os primeiros a desobedecer as leis que eles mesmo diziam ser sagradas. Alguma semelhança com os dias de hoje? Leiam os livros de reis, crônicas e Samuel, e observem as baixarias cometidas exatamente por aqueles que levantavam o estandarte da justiça desse deus invisível. Pessoas como Atila e Calígula se sentiriam inferiores diante desses santos homens escolhidos a dedos por deus para o projeto de salvação desenhada por ele. Leiam jornais, revistas e se situem no tempo e no espaço, e vejam o que muitos dos seus representantes fazem hoje e me diga se ele se importa com nada...
   A características mais macabra e suspeita desse ser qual exige veneração e obediência, é que tudo que estar ligado a sua pessoa estar ligada a derramamento de sangue. Ele gosta de sangue! Ama sangue! Bebe sangue! Vivia à custa de rituais de sangue e por qualquer bobagem ordenava que parentes derramassem sangue uns dos outros em sua honra. Sangue humano, de bois, ovelhas, cabras, galinhas...não importa o sangue, desde que fosse sangue! Os rituais de conquista e de adoração a esse deus estão lavados em sangue. Qual a lógica de invadir várias cidades, matar todos os moradores ao fio da espada, inclusive até os animais, para depois deixar todos apodrecendo ao relento até serem comidos pelos chacais ou pelos vermes? Qual o sentido, de retirar da população faminta o gado que serviria para seu sustento, para ofertar e ser degolado e derramado o sangue para esse ser que nem fome tem por que é um ser imaterial? Sentir fome de comida é uma coisa, mas sentir fome de morte, sangue e destruição é outra coisa... Salomão, em apenas 7 dias de festa, degolou e ofereceu o sangue de quase meio milhão de animais! Tem cabimento uma coisa dessas? Enquanto o povo vivia na pobreza e na miséria vem esse ser papando tudo que pertencia a população sofrida! Que pouca vergonha! Sinceramente, qualquer deus que precise de sangue de quem quer que seja e sacrifícios para existir ou se alimentar perdeu o meu respeito! As pessoas costumam ter medo de um morcego por que dizem que este se alimenta de sangue. Há um ser que exige cachoeiras de sangue para se alimentar e as pessoas dizem ama-lo!
  Tudo que falei estar escrito na bíblia. Leiam e confiram. Lembrando que é moda cristã não ler nem acreditar na bíblia, apesar de dizer que ela é verdadeira. Acreditam no salmo 23, 91, ou qualquer passagem bíblica que reforcem seu modelo congregacional e digam quem eles vão ficar ricos, ou ganhar a vida sem trabalhar, isso eles acreditam! As demais parte que confronta sua crença, diz que não existiu, que é erro de tradução, que não é verdade, que aquilo foi coisa do passado ou preferem nem pensar sobre isso por que tem medo de pecar em pensamento. É desse jeito que ele gosta. É desse jeito que os que vivem do mercado da fé desejam que todos se comportem. Acreditem num livro que nunca leram, digam que tudo nele é sagrado sem nunca comparar os conceitos de sacralidade e tudo fica bem. Bem pra os que dominam o rebanho...
  As pessoas não precisam de nenhuma igreja ou religião para serem morais e honestas, mas em contrapartida, o senso de moralidade de uma pessoa religiosa, estar intimamente ligada, a personalidade do ser que este considera superior. Um deus mal, perverso, não disposto ao diálogo, autoritário e sanguinário, gera seguidores com semelhantes características.
   Pense numa coisa óbvia que todos evitam encarar: as três principais religiões ocidentais que alegam servir ao mesmo deus escolhido por Abraão, estão brigando e se matando ao longo de milhares de anos e ele não se importa com isso e nem faz nada para acabar com essa briga, antes sim, “aparece” de modo isolado a cada líder dessas religiões, colocando mais lenha na fogueira, dando-se a entender que a outra parte estar sempre errada e deve ser eliminada, gerando conflitos e mais conflitos. Eu nunca vi um pai humano que se respeita e respeita a ordem em sua casa, deixar que seus filhos briguem até a morte pelas coisas mais fúteis possível como declarar quem tem o pai mais bonito e mais forte sendo que são todos filhos do mesmo pai. Esse deus não estar nem ai pras briguinhas dos seus filhos enquanto estes se matam para mostrar quem tem o ritual mais “correto” de adoração. Se ele for capitalista, deve estar nesse momento comendo um Bic Mac com refrigerante dos grandes, enquanto olha seus filhinhos se matando pela sua honra. Aposto que ele não torce pra nenhum lado ou torce pra os dois. Me parece que ele quer apenas beber o sangue que manchará as arenas dos gladiadores da fé.
  Um pai que se presa, põe a casa em ordem ao primeiro sinal de elevação de humores de seus filhos. Nosso senso de moral eleva em muitos casos os dos deuses. É pela honra deles que as maiores guerras são travadas. É no nome deles que as maiores explorações são cometidas. É em seu nome que crianças e pessoas de boa fé são abusadas nos recintos sagrados e...ele parece gostar de tudo isso, só observando...ou aguardando o dia do juízo chegar pra mandar 99% das pessoas pra o inferno, já que me parece que apenas seus representantes que tem o mesmo comportamento, são os escolhidos deste. 
  Não intento com esse texto, provocar em ninguém o que Martinho Lutero provocou inicialmente há 500 anos atrás nas mentes de pessoas desavisadas e por demais emotivas. Quebrar imagens, destruir igrejas e caçar pessoas ligadas ao clero não resolve nosso problema e nem vai nos libertar em nada.  O conhecimento de como as coisas tem funcionado é o primeiro passo no caminho da nossa libertação. É no inconsciente coletivo que essa ideia macabra de deus foi construído e será no consciente individual de cada ser humano que reassuma sua racionalidade que essa ideia será vencida. A batalha não é contra pessoas de outra fé ou objetos dito sagrado. A batalha é contra nós mesmos! Contra o medo do inferno, a culpa pela morte de outros “pecadores” que morreram sem jesus, e a ideia de que somos todos miseráveis pecadores e acima de tudo. É contra esse mal que devemos lutar.
 Devemos relutar contra ideia de que um ser superior precise de sangue, dinheiro ou adoração para existir. Qualquer império religioso cairá, quando a revolução interna for iniciada. Nenhum tiro precisa ser dado, nenhuma gota de sangue derramada, nenhuma palavra de agressão contra nosso semelhante precisa ser proferida. A conversa é de nós para conosco mesmo. O pensamento religioso atual despreza qualquer pessoa que se arrisque a pensar, pois o que se incentiva é obedecer sem questionar. Ninguém saberá o que você estar pensando sem que o você diga. Uma revolução interna e silenciosa a princípio, e a medida que suas ideias forem amadurecendo, você terá poder argumentativo suficiente para falar o que sente sem se ferir ou ferir os outros, pois entenderá que por trás de qualquer pessoa cheia de razão quanto ao imaginário, existe apenas um ser domesticado, com medo de ser punido com inferno e fogo. É lógico que quando algum grupo de “revoltosos” for descoberto aderindo a esse tipo de revolução interna, várias “pragas” divinas de maneira misteriosas pode vir sobre os tais. São apenas lideranças políticas e religiosas agindo de modo oculto, com medo de perder seus domínios influenciando os acontecimentos dessas “maldições” para intimidar outros. Foi assim na contra reforma e não será diferente em nenhum momento da história. Quando o medo das divindades for substituído pela compaixão aos nossos semelhantes, nesse dia, os deuses serão destronados, ou assumirão o papel que realmente deveriam assumir. Do caos pode nascer a ordem! Das trevas pode surgir a luz! Nós fazemos nosso próprio destino! Nós podemos mudar o rumo das coisas! Quem não sabe onde quer chegar, qualquer destino serve!
  O pensador individual servirá como colunas, para sustentar qualquer movimento coletivo cujo propósito seja a libertação de um povo. Todos nós podemos ser um! Nós podemos ser seres morais, respeitosos, justos, honestos e honrados pelo uso da razão e da reciprocidade e não por medo do chicote dos deuses. Pensem nisso!
Pin It
Atualizado em: Seg 17 Abr 2017
  • Nenhum comentário encontrado

Autores.com.br
Curitiba - PR
Fone: (41) 3342-5554
WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222