person_outline



search
  • Fábulas
  • Postado em

A CIGARRA E A FORMIGA (versão Brasil)

Era outono, a formiga em sua labuta diária observava a cigarra feliz cantando ao sol no galho ao seu lado, a pobre formiga  subia e descia para sua toca carregando pesadas folhas. Ela fazia sua reserva de comida para o inverno que se aproximava, enquanto a cigarra, indiferente, seguia com seu canto ignorando sua presença.

- Escuta  aqui minha amiga  – dizia a formiga – você pensa que a vida é só cantar ao sol? Vai trabalhar menina! Pense no seu futuro. O que terá você para comer quando o inverno chegar? Vai morrer de fome e frio.
- Não se incomode amiga, adoro cantar ao sol e com essa voz linda que tenho encanto a todos aqui na floresta. Eu hein! Trabalhar para quê? - replicou a cigarra.

Pois é, mas o tempo passa e com ele chegou o inverno, que naquele ano foi tenebroso.
A formiga descansava tranquila diante de sua lareira quando ouviu batidas á sua porta:

- Quem bate por favor? – perguntou.
- Sou eu - respondeu a cigarra.
- O que você quer sua vagabunda? Se veio pedir comida pode vazar. Enquanto eu trabalhava você cantava, agora não deve ter o que comer igual aquela cigarra do Esopo, NEM VOU ABRIR A PORTA!!!
- Não meu bem! Eu só vim me despedir. Pode abrir.

A formiga curiosa então abriu e deparou com a cigarra elegantemente vestida enrolada em um lindo casaco de pele.
- Pois é querida vim me despedir- disse ela -pousei em um pé de laranja conheci um político brasiliero, famoso e  rico, casei-me com ele, abri uma conta na suíça e estou indo morar em Paris. Desejo-lhe muitas folhas e felicidades. – beijou a amiga nas faces e saiu rebolando e cantando.

Moral da história: É melhor ser uma vadia cantando que uma otária trabalhando. (no Brasil, claro).
Pin It
Atualizado em: Sex 5 Ago 2016
  • Nenhum comentário encontrado

Autores.com.br
Curitiba - PR
Fone: (41) 3342-5554
WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222