person_outline



search
  • Crônicas
  • Postado em

AMOR, SEU DANADÃO, CADÊ VOCÊ?

Vicente Serejo, arretado cronista deo Jornal de Hoje,daqui de Natal,gosta de amar. Do contrário, não teria namorado o“O Amor acaba”, clássico de Paulo Mendes Campos, e nos acariciado com a publicação em sua Cena Urbana. Em seguida, afagou-nos com a exposição de“O amor começa”, contraponto de José Carlos Oliveira. Achou pouco o cronista Vicente e nos brindou com a “Crônica do amor que começa”, brincadeira de Xico Sá com a prosista dupla de escritores. Isso na semana passada e em edições consecutivas.

“O amor acaba. Numa esquina, por exemplo, num domingo de lua nova”, diz Paulo Mendes Campo. “O amor começa à noite, por exemplo, numa festa, embriagada mais pelos sentimentos contraditórios que lutam em seu coração do que pela quantidade de uísque que se permitiu beber”,  afirma Carlinhos Oliveira. “O amor começa, por exemplo, em uma noite de sesta-feira, a noite do pecado por excelência”, afirma Xico Sá. O trio é foda na matéria amor, não?

Escreveram mais:  “Para recomeçar em todos os lugares e a qualquer minuto o amor acaba”. “O amor começa, poeta, obedecendo à mesma lei que o liquida”. “Quem nasceu primeiro: o amor acaba ou o amor começa?” Por óbvio, quem é quem nas citações é irrelevante.

Ah se um Ovídio eu fosse, Serejo.

Diria que o amor não acaba. Tampouco começa. Mas houve um começo, da mesma forma que haverá um fim e que será eterno enquanto durar. Houve um começo, sim. Começou com o danadão Adão e a danadeva Eva. Começou, puseram-no sob as asas de certa dama, que logo logo lhe arrumou um parceiro e os fez se amancebarem. O amor – esse aos quais se referem os cronistas - é imune à culpa, isento de euforia, hostil à vaidade, inimigo da indecisão. Esse amor pertence à índole do sapo e do escorpião, é empregado das nuvens de Tancredo Neves e produto da visão dum amaleitado. É intempestivo, inquieto e desclassificado. O abençoado adora passear. É sobretudo um pau mandado. Bendito pau mandado, diga-se.

“No sábado, depois de três goles mornos de gim à beira da piscina; a qualquer hora o amor acaba; por qualquer motivo o amor acaba”. Não, cronista! Não acaba. Recolhe-se, tal qual uma daquelas nuvens, espera dar o bote, a exemplo do escorpião, ou está pensando em mudar de cama, feito um febril. Não acabou, portanto.

Assim como o azul não é cor e sim distância (não é François?), o acabar não é o fim do amor e sim o início da lembrança. A vitória da saudade.

A sentença sempre será proferida por certa dama. O amor é simples pau mandado. Mas é danado de bom.

“Quando voltamos de um fim de semana e uma janela fechada, no outro lado da rua, parece sorrir. Quando reconhecemos alguém que vimos certa vez num lugar onde não temos o hábito de ir. Cuidado. O amor pode estar começando”. Não, cronista! Não está começando. Está simplesmente se acomodando, tal qual uma daquelas nuvens, esperando se dar bem, a exemplo do escorpião, e mudando de cama, feito um febril. Não começou, portanto.

O começar não é o início do amor e sim o fim da expectativa. A vitória da esperança.

A sentença foi de certa dama. O amor é simples pau mandado. Mas é danado de bom.

“E quando você menos espera, o amor começa. Sabe onde? No joelho de Camila Pitanga. Um amigo meu, muito tempo atrás, viu que a nega sentia dores no joelho, talvez de um mau jeito na pista de dança. Pegou o gelo do uísque e botou nas dobradiças da deusa. Se aquele amor não deu certo, problema do amor. Santa fagulha!” Não, cronista. Não começou. Acaba de chegar ao amor as primeiras ordens, tal qual uma espreguiçada das nuvens, ele pensa em se dar bem, a exemplo do escorpião, e planeja mudar de cama, feito um febril. Não começou, mas se estabeleceu. Você está certo.

A sentença de certa dama está sendo redigida. O pau mandado do amor está esfregando as mãos.

Há uma química no amor, disse alguém. É verdade. O caráter mutante do amor é tão somente a versão sentimental da química lei de Lavoisier. É ou não é?

E a dama? Ovídio era íntimo dessa dama, Serejo. Todos somos, a rigor. Quem a concebeu e deu-lhe a missão de falar com o amor? Desconheço. Desconheço, mas desconfio. Mas de uma coisa tenho certeza. A criatura foi criativa e camaradíssima conosco. Juntou amor e prazer, fugiu da mesmice e... Ah, isso não vem ao caso. Ou vem?

Será que sem o parceiro - o prazer -, o amor dos três cronistas teria futuro?

Será que sem esse concubinato, na ausência da completa liberdade da duplinha, a mesmice não se tornaria amante do tédio e adeus tia chica?

Será que sem uma dama a lhes dar ordens, amor e prazer, conquanto amasiados, não morreriam de inanição?

Será que sem a poderosíssima dama - D. Imaginação –, o amor se faria presente à noite festiva de Carlinhos de Oliveira e estaria a perambular nas festanças das sextas-feiras de Xico Sá? Teria o amigo de Xico Sá posto gelo nas dobradiças da deusa Camila, caso D. Imaginação tivesse lhe dado as costas? Melhor: haveria deusa?

Ah, a imaginação. Levanta montanhas, junta oceanos, alavanca a ciência. E ajuda a fazer menino.

“O amor é um crime que não se pode realizar sem cúmplice”, disse Baudelaire. Estaria o poeta francês se referido ao amante do amor, o nosso amigo Prazer? Acho que sim.

Prazerosos e literários abraços,

Pin It
Atualizado em: Ter 3 Set 2013
  • Nenhum comentário encontrado

Autores.com.br
Curitiba - PR
Fone: (41) 3342-5554
WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222